História Dangerous Journey - Capítulo 45


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Tags Hailey Rhode Baldwin, Jailey, Justin Bieber
Exibições 417
Palavras 4.084
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Festa, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


I AM BACK! Oi meus amores, tudo bom com vocês? Comigo está ótimo e eu espero que vocês estejam bem!!!
Muito obrigada pelas visualizações, vocês são maravilhosos e eu amo muito vocês szsz
Boa leitura e espero que gostem <3

Capítulo 45 - They are here!


Califórnia, Los Angeles 12:00 AM

P.O.V Justin Bieber

 

         Acordei e peguei meu celular na cômoda olhando as horas, me sentei devagar para não acordar Savannah, que dormia abraçada com o travesseiro. Mandei uma mensagem para a corretora que vendeu essa casa pra mim, perguntando se ela conseguido ver uma casa que eu pedi a ela, logo a mesma respondeu que tinha conseguido e que deixou a chave da casa na cabine dos seguranças aqui em casa, agradeci e apaguei a mensagem, vai que Savannah vê. Me sentei de frente pra Savannah e fiquei olhando a mesma dormir, com o sol batendo de leve no seu rosto, uma das imagens mais lindas que eu já vi na minha vida, alias, todo dia é uma imagem linda ver essa mulher acordando do meu lado. Vi a mesma se mexendo, me aproximei beijando seu ombro, ela se virou ficando se barriga pra cima e eu subi em cima dela, botando uma perna de cada lado, controlando meu peso. Ela abriu os olhos com um pouco de dificuldade e me olhou rindo.

- Ótimo jeito de ser acordada – disse rindo, que saiu um pouco rouco por ter acabado de acordar, me fazendo ficar anestesiado.

- Bom dia, minha dama – lhe dei um beijo e a mesma colocou sua mão na minha nuca, fazendo carinho de leve, nos separamos por falta de ar e eu a olhei sorrindo – Vamos sair hoje.

- Pra onde? – perguntou animada, sai de cima dela e me sentei, fazendo ela se levantar e sentar no meu colo, abracei seu corpo.

- Na hora certa você vai saber.

- E que roupa eu devo vestir? – perguntou colocando seus braços enrolados no meu pescoço.

- Não precisa ser muito arrumada, você vai ficar linda em qualquer uma – sorri e a mesma me beijou, levantei e caímos na cama, fazendo ela rir durante o beijo.

- Estou com fome – disse quando nos separamos.

- Novidade, Savannah – disse rindo.

- Está dizendo que eu estou gorda? – perguntou com uma cara de assustado.

- Meu deus Savannah, claro que não – disse sorrindo – Você está gostosa pra caralho.

- Não fala mais isso, idiota – disse me batendo.

- E mesmo se tivesse, ia continuar linda – lhe dei um selinho e levantei, fui até meu closet e botei uma bermuda, voltei para o quarto e Savannah ainda estava deitada mexendo no celular. Fui até o banheiro e lavei meu rosto, escovei os dentes e voltei para o quarto.

- Vai ficar ai nesse celular ou vai descer para comer? – disse sério, ela é muito viciada nisso.

- Estou indo, vou lá no meu quarto trocar de roupa – se levantou rápido, passou por mim dando um selinho rápido e saiu pela porta. Fui até minha mesa e peguei meu celular, calcei meu chinelo e sai do quarto indo direto para a cozinha. Cheguei da mesma e como sempre, os meninos já estavam lá comendo.

- Bom dia, bando de esfomeados – disse rindo e me sentei.

- Bom dia, está de bom humor, o que Savannah não faz na minha vida de um Justin Bieber – disse Ryan e todos riram.

- Vocês são uns idiotas – disse e logo peguei um prato, me servindo.

- Bom dia, meus amores – disse Savannah entrando na cozinha, deu um abraço em todos e veio se sentar no meu colo, dei espaço e a mesma se sentou.  

- Vocês não conseguem ficar mais separados mesmo? – perguntou Chaz rindo.

- Parecem que estão presos um ao outro – agora Chris zoava.

- Sabe o que é isso? Inveja – disse e Savannah riu – Porque eu tenho alguém para ficar colados, e vocês estão aí, chupando dedo.

- Caralho, esfrega na cara mesmo – disse Ryan.

 

      Almoçamos conversando sobre coisas aleatórias e quando acabei, me levantei.

- Vou resolver umas coisas na rua, só devo chegar a tarde – avisei e dei um selinho em Savannah. Subi até meu quarto e tomei um banho, fui até meu closet e botei uma calça jeans rasgada com uma blusa preta e uma jaqueta militar por cima, e por fim meu nike novo, passei perfume e desci pelos fundos. Entrei na garagem e peguei a chave da minha Ferrari, meu bebê.

 

        Sai cantando pneus da mansão e logo estava na rodovia principal, que para variar estava com trânsito. Liguei o rádio e fiquei curtindo as músicas até chegar no centro de Los Angeles, entrei no shopping e estacionei meu carro. Sai do mesmo colocando minha arma por dentro da calça, botando minha blusa por cima, entrei no shopping e fui direto a uma joalheria, que dizem ser a melhor do Los Angeles, entrei na mesma e logo uma atendente veio me atender.

- Posso te ajudar? – disse sorrindo simpática.

- Bom dia, eu estava querendo ver os seus modelos de cordões e pingentes.

- Procura algo específico?

- Eu queria um pingente de coroa, de diamante e com a corrente não muito grossa – disse e a mulher, que deveria ter uns 45 anos, me levou até uma bancada que estava cheia de pingentes.

- Esses são os modelos que temos, e as correntes estão aqui – disse me mostrando algumas. Eu sou péssimo para escolher essas coisas, mas bati o olho em um pingente com uma coroa de ouro, que tinha diamantes formando o desenho da coroa, escolhi uma corrente delicada.

- Uma ótima escolha, senhor – disse a mulher sorrindo. Imaginei aquele cordão no pescoço de Savannah, iria ficar lindo pra caralho.

- Obrigada – sorri simpático e fui até o caixa, a mulher me entregou a caixa preta de veludo, dentro de uma sacola. Peguei meu cartão e nem quis olhar o preço, isso não me preocupa mesmo. Passei o cartão e logo sai do loja indo até uma loja de flores que ficava de lado de fora do shopping, entrei na mesma e perguntei se eles fazia decoração de algum lugar e eles disseram que sim. Pedi que eles decoração a casa que eu iria levar Savannah hoje, todo de rosas, vermelhas e brancas e disse mais ou menos como queria tudo. Dei a chave e endereço para uma mulher que era responsável por isso, e disse a casa estaria pronta as 18:00 da tarde, paguei pelo serviço e logo sai da loja.

 

          Peguei de novo meu carro e dirigi por uns 30 minutos até o Nobu, o restaurante preferido da Savannah, entrei no mesmo e pedi um bufê de japonês, com todos os pratos mais pedidos do restaurante. Eles empacotaram tudo para viagem e paguei indo direto para casa onde vou levar Savannah hoje a noite. Então, eu estou planejando essa noite a um tempo, eu não aguento mais ter Savannah do meu lado e não saber o que temos, acho que nós dois já estamos preparados para dar um passo no nosso “relacionamento”. Já passamos por coisas que nenhum casal pensaria em passar, e agora eu tenho certeza que a quero como minha namorada. Eu nunca me senti bem do lado de uma mulher, nunca namorei ninguém e pensei que nunca iria namorar, mas Savannah apareceu e eu descobri que posso ter sentimentos, sempre pensei que meu coração frio nunca iria se permitir gostar de alguém, mas ele é capaz, Savannah provou isso. Porque não a pedir logo em namoro? Eu tenho certeza dos meus sentimentos por ela, e sei a mesma também sente por mim, então porque não pedir? Eu a amo, como nunca pensei que amaria alguém nessa vida, ela enche a minha vida de alegria toda vez que sorri, ou que faz suas piadas, toda vez que faz carinho no meu cabelo, eu fica falando o quanto ama o meus olhos. Nenhuma mulher ficou comigo por gostar realmente de mim, sempre por interesse ou por beleza mesmo, Savannah não teve nenhum motivo para gostar de mim, muito pelo ao contrário, tinha todos os motivos para me odiar, por tudo que eu a fiz passa, tem prova de amor maior do que ela fez por mim? Quando ela estava sendo torturada e gritou para eu não ir atrás dela,  ela não queria que eu fosse para não morrer tentando salva-la, ela arriscou sua vida pela minha, mesmo depois de tudo que eu fiz a ela. Tem prova de amar maior que essa? Eu quero demonstrar a ela o quanto eu a amo também, e que a quero comigo pra sempre, ter uma vida ao seu lado.

 

            Cheguei até a casa e vi que é o lugar perfeito. Uma casa pequena, mas aconchegante, bem longe de tudo, no meio do uma floresta enorme e linda. Sei que Savannah não gosta de nada muito grande, então quero fazer uma noite que ela se sinta bem e um momento que seja só nós dois, curtindo um ao outro, longe de tudo e também de algum perigo. Eu escolhi essa casa também porque sei que aqui é muito difícil de nos achar e acontecer alguma coisa, quero que seja perfeito para nós dois. Entrei na casa e botei as comidas na geladeira e logo uma senhora que trabalhava na casa me ajudou e disse que deixaria tudo pronto, e depois sairia. A agradeci e quando fui ver a hora, já são 19:30 PM. O ruim de LA é porque escurece muito tarde e eu perco a noção do tempo. Dirigi até a mansão de novo e quando entrei pelos portões, deixei minha Ferrari estacionada de qualquer jeito no jardim e corri para meu quarto, tomei um banho e fui direto para meu closet. Vesti uma calça caramelo e uma regata branca, com um sapato social e outra jaqueta militar, botei minha corrente e meu relógio, logo depois passando bastante perfume, um homem cheiroso é tudo. Peguei meu celular e chave da casa, colocando no meu bolso, sai do quarto e bati na porta da Savannah, logo a mesma abriu.

- Você está linda – disse quando a mesma abriu a porta.

- Estão tão simples, está bom mesmo? – disse olhando para sua roupa.

- Está perfeita – me aproximei e abracei sua cintura, logo a beijando. Nos separamos e eu peguei sua mão - Vamos?

- Com certeza, estou curiosa – sorriu e nós descemos e fomos até o jardim, entramos na minha Ferrari e ela logo ligou o rádio, conectando com seu celular, viciada como sempre.

 

      Sai cantando pneus da mansão em direção a casa, que ficava a uns 30 minutos daqui. Passamos o caminho inteiro cantando as músicas e antes de entrar na estrada de terra que dava até a casa, olhei para Savannah.

- Fecha os olhos.

- Ah Justin, vou ficar curiosa!

- Você não vai se arrepender – disse e a mesma fechou os olhos, depois de alguns minutos chegamos no quintal da casa e estacionei – Vamos sair do carro agora, espera que eu vou te guiar.

- Justin, para de palhaçada – disse a mesma meio estressada e eu a tirei de dentro do carro, a abracei por trás e fui te guiando até a porta da casa, abri a mesma tentando não fazer muito barulho e quando olhei. A sala toda decorada com flores, pétalas jogadas no chão e uma mesa baixa, um todo o bufê de japonês que eu encomendei, e algumas almofadas enormes em volta.

- Agora pode olhar – disse e Savannah abriu os olhos, quando ela viu aquilo tudo tapou a boca surpresa.

- Meu deus Justin, que lindo – se virou pra mim e me deu o sorriso mais lindo que eu poderia esperar, logo veio até mim e me beijou carinhosamente. Nos separamos e eu peguei na sua mão, indo até a mesa e nos sentamos em uma almoçada gigante na frente da mesa, Savannah se sentou do meu lado e eu peguei duas taças nos servindo o vinho, que brindamos – Não acredito que você isso tudo pra mim – disse surpresa e ainda sorrindo, me fazendo sorrir junto.

- Você merece – lhe dei um selinho e começamos a comer, logo quando a mesma comeu me olhou.

- Você comprou comida do Nobu?  – disse alegre.

- Eu sei que é seu restaurante preferido – disse dando de ombros.

- Você é perfeito! – disse animada me dando vários selinhos demorados.

 

       Comemos conversando sobre várias coisas e Savannah está tão feliz, quando acabamos de comer ficando sentamos ali, bebendo vinho e conversando. Esse momento único vai ser uma coisa que eu nunca mais vou esquecer na minha vida, Savannah com a cabeça deitada no meu ombro bebendo vinho comigo, já sem sapato, só curtindo o momento valeu a pena esperar todo esse tempo.

- Eu comprei uma coisa pra você – disse pegando a caixa do cordão em cima da mesinha que tinha ali do lado.

- Justin, não precisava – disse pegando a caixa meio grande e abrindo. Logo quando abriu eu vi seus olhos marejarem, me fazendo sorrir.

- Minha dama – sorri e peguei o cordão da caixa, botando no seu pescoço, a mesma pegou o pingente e lhe deu um beijo carinhosos.

- Você é o melhor, sério – disse me beijando – Eu não podia estar mais feliz – finalizou o beijo com selinhos – Você me faz muito feliz.

- Você não imagina o quanto me faz – sorri e nos beijamos. Botei a mão na sua nuca delicadamente, eu amo tanto seus beijos, todos são maravilhosos e diferentes, tudo que eu mais amo – Vem! – nos separamos e eu me levantei, estendendo a mão pra ela, que pegou na hora. A guiei até a escada daquela pequena casa, o caminho inteiro cheio de pétalas de rosas vermelhas pelo chão. Chegamos até o quarto, que também estava todo decorado. Savannah olhou pra mim e envolveu meu pescoço com seus braços, me beijando.

  

         Dei impulso para Savannah e ela logo enroscou as pernas no meu corpo. Fui andando até a cama sem quebrar o beijo, já faltava ar, mas nós não queremos nos soltar, por nada, como se fosse um imã. Me deitei na cama ficando por cima, me separei da mesmo descendo os beijos pelo seu pescoço, logo descendo para seus seios, os beijos por cima da blusa mesmo, na hora ouvindo a mesmo suspirar, e também sentindo meu amigo ficar animado. Tirei sua blusa com calma e olhei no fundo dos seus olhos, eles ardem em luxuria e prazer, na hora eu senti uma ligação inesplícavel, como se eles pudessem me prender pra sempre. Dei um selinho rápido, descendo os beijos e quando cheguei nos seus seios, apertei o esquerdo por cima do sutiã e dei leves beijos nos esquerdo, olhei para Savannah, que já revirava os olhos, prendi meu olhar no dela e continuei descendo os beijos, intercalei mordidas e lambidas pela sua barriga lisa. Quando cheguei na barra da sua calça, fui tirando-a com calma, sem tirar meus olhos do de Savannah, que só com o olhar já me dizia que estava gostando, sorri e tirei sua calça, com sua ajuda. Voltei a trilha de beijos e lhe beijei de novo, passando minha mãe pela lateral do seu corpo, apertando sua coxa com certa força, fazendo ela suspirar no meio do beijo, me fazendo rir. Com a outra mão fui até suas costas e abri seu sutiã, tirando com sua ajuda, me separei dela e olhei para aquelas perfeições, são tão branquinhos e redondinhos, se igualam a perfeição. Savannah ria sapeca e logo tirou minha blusa, meu membro já latejava dentro da cueca, me posicionei no meio das pernas de Savannah e esfreguei meu membro sobre sua intimidade, logo apertei seu seio esquerdo e logo começando a chupar o direito, dando leves mordidas, fazendo Savannah se contorcer e gemer baixinho, meu deus essa mulher vai acabar comigo. Inverti os lados e continuava fazendo meu trabalho, só escutando os suspiros dela, me incentivando a continuar. Olhei para Savannah, que estava com os olhos fechados, só aproveitando o momento, desci os beijos chegando até a barra da sua calçinha vermelha, bem sexy, como ela sabe que eu amo vermelho? Peguei a mesma com os dentes e depois soltei, fazendo um barulho ao voltar a ter contato com sua pele. Comecei a massagear sua intimidade por cima da calcinha, fazendo movimentos circulares e a beijei, sentindo a mesma cravar suas unhas nos meus ombros e gemendo durante o beijo. Senti que a mesma já estava molhada, e confesso que não estou longe disso não. Beijei sua orelha e sussurrei.

Você é tão gostosa - mordi o módulo da sua orelha, ouvindo os suspiros dela - Esse corpo me deixa louco - continuei a beijar seu pescoço.

- Agora é a minha vez - sorriu sapeca e inverteu as posições, me beijou e eu coloquei sua mão na sua nuca, puxando seu cabelo de leve. A mesma rompeu o beijo e começou a beijar meu pescoço, dando mordidas e lambidas, fazendo meu membro latejar mais dentro da calça, a ponto de explodir. A mesmo foi descendo os beijos pela minha barriga, com os olhos cravados nos meus, só fazendo aquele momento ficar mais intenso. Quando chegou na barra da minha calça, se sentou em cima do meu membro e rebolou, me fazendo soltar um gemido baixo, olhei para seu rosto, que tinha um sorriso sapeco. Peguei seus seis com as duas mãos e apertei os mesmos, com uma certa força, fazendo a mesma rebolar de novo em cima de mim, peguei sua nuca e a beijei com desejo e rapidez, puxando seus cabelos e intensificando o beijo. Meu deus, como eu resisti esse tempo todo dormindo com essa mulher? Ela cortou o beijo de novo, tirando minha calça com rapidez, com a minha ajuda, quando olhou para minha cueca preta e viu meu membro já ereto sorriu, que mulher é essa? Só o seu sorriso me deixa maluco. A mesmo fez carinho no meu membro e deu leves beijos por cima da cueca, fechei os olhos e suspirei, isso é tão bom. Abri os olhos quando senti sua mão entrar por dentro da minha cueca, botando meu membro pra fora, logo começou com movimentos de sobe e desci devagar, me fazendo gemer.

 

         Ela intensificou os movimentos e eu já estava começando a esquecer até meu nome. Senti sua língua passar levemente pela cabecinha, e logo lambendo com certa habilidade toda extensão do meu membro, rapidamente enrosquei minha mãe no seu cabelo e a mesma começou a me chupar, bem devagar, me contorci e ouvi a risada sapeca dela, logo intensificou e eu senti que estava chegando meu ápice.

- E-eu vou gozar - disse com dificuldade e a mesma intensivou mais os movimentos - Caralho, Savannah! - falei alto e logo gozei, sentindo minhas pernas formigarem, olhei para Savannah e ela tinha engolido, tudo. Caralho, essa mulher é um sonho?

- Você é tão gostoso - disse a mesma subindo e me beijando de novo, no meio do beijo eu inverti as posições novamente e rasguei sua calcinha, ela não estava sendo inútil nesse momento. Desci meus beijos e quando cheguei na sua intimidade, abri suas pernas e me posicionei no meio delas, comecei a fazer movimento circulares com a língua no seu clitóris, vendo a mesma agarra os lenções da cama e gemer alto, chupei o mesmo e a mesma rebolou.

- Meu deus, Justin - disse entre gemidos, continuei a chupar sua intimidade. Coloquei dois dedos na sua entrada e comecei a fazer movimentos de vai e vem, devagar, Savannah se contorceu e eu a olhei, com os olhos fechados, subi e aumentei os movimentos.

- Não feche os olhos, minha dama - sussurrei na sua boca - Eu quero que você olhe nos meus olhos - na hora a mesma abriu os olhos, me obedecendo. Aumentei mais ainda os movimentos de vai e vem e Savannah já gemia loucamente, só me fazendo ficar mais doido para estar dentro dessa mulher. Senti seu corpo ficar mole, tirei meus dedos da sua entrada e os botei na sua boca, a mesmo lambei os mesmos não tirando seus olhos dos meus. Segurei meu membro e o passei pela sua entrada, a torturando, a mesma se contorceu de novo.

- Porra, Justin - disse a mesma com certa raiva, pela tortura, ri.

- O que você quer mesmo? - disse colocando a cabecinha na sua entrada e tirando, a fazendo gemer alto.

- Vai logo, Justin - disse agarrando minha nuca - Me fode! - sussurrou contra minha boca.

- Seu pedido é uma ordem - ri e enfiei meu membro na sua entrada, de uma vez só, comecei com movimentos calmos e nossos corpos se encaixaram perfeitamente, como se tivessem sido feitos para isso. Intensifiquei os movimentos e senti Savannah arranhar minha costas e o suor escorrendo pela minha testa, ouvindo o som dos nossos corpos. Meu deus, como essa mulher pode ser tão maravilhosa? Nossos corpos se movimentam com perfeição, nunca tive essa conexão com nenhuma antes, isso é tão louco. Gemi alto quando aumentei ainda mais os movimentos, esquecendo quase meu nome. Beijei o pescoço de Savannah e ouvi a mesma gemendo no meu ouvido, só me deixando mais louco de tesão, depois de mais uma entocadas senti a mesma chegar no seu ápice, revirando os olhos de tanto prazer, nós dois estamos completamente hipnotizados um pelo outro. Dei mais algumas entocadas e cheguei no meu ápice, sentimento todo meu corpo mole, diminui os movimentos e com calma tirei meu membro de dentro dela, muito contra minha vontade. Controlei meu peso em cima dela e passei a mão pela sua testa e indo até o cabelo, limpando o suar que estava nela, lhe dei um beijo e quando me afastei, ficamos nos olhando por um tempo, completamente hipnotizados um pelo outro. Nossos olhares são cheia de prazer, luxúria e desejo, eu nunca me senti tão completo na minha vida.

- Você mandou muito bem - disse Savannah rindo, me fazendo rir junto.

- Você é maravilhosa, nunca vou me cansar de dizer isso - lhe dei um selinho rápido e me deitei do seu lado, a mesma se deitou no meu peito e eu peguei o lençol nos cobrindo. Savannah começou a fazer traços imaginários pelo meu peito e contornando minhas tatuagens. Nós não precisamos falar nada, o momento já nos diz tudo. Continuei afagando seus cabelos e depois de algum tempo disparei.

- Essa foi a melhor transa da minha vida - a mesma levantou o rosto e sorriu, fazendo carinho no meu rosto.

- Se eu disser que também foi a minha melhor, você vai ficar se achando? - disse rindo.

- Talvez - ri e lhe beijei, um beijo calma e cheio de desejo, me separei - Nunca me senti tão completo, se eu soubesse que seria tão maravilhoso assim, teria tirado sua roupa na primeira vez que dormimos juntos - ri e a mesma deu um leve tapa no meu peito, rindo.

- Seu safado - lhe dei um beijo e a mesma voltou a deitar no meu peito.

 

      Depois de alguns minutos senti sua respiração ficar mais lenta, cobri mais nossos corpos e cheirei seu cabelo, logo abraçando mais seu corpo e caindo no sono.

 

Califórnia, Los Angeles 03:30 AM

 

         Escutei meu celular apitar no bolso da calça, abri os olhos com dificuldade e me levantei com muito cuidado, deixando Savannah dormindo na cama, fui até o celular vi uma mensagem de Ryan. Caralho, eu esqueci de avisar aos meninos que iriamos dormir longe de casa. Mandei uma mensagem para ele explicando tudo e depois voltei pra cama. Me deitei do lado de Savannah e apoiei minha cabeça no meu braço, fiquei olhando a mesma dormir, a luz da lua que entrava pela janela ilumina perfeitamente seu rosto delicado, eu amo tanto essa mulher, que nem sei explicar. Passei minha mão de leve pelo seu rosto o admirando, ela parece um anjo dormindo, eu anjo que veio salvar minha vida.

 

          Depois de alguns minutos ali, admirando Savannah dormir, ouvi um barulho bem longe. Olhei rápido para a janela e depois ouvi outro barulho. Pés andando pela mata, vários deles, caralho não. Levantei rápido e olhei pela janela, que dava para ver a mata do lado de fora do muro da casa. Vi homens, de preto andando pela mata, eles não estão muito perto da casa, mas se aproximam. Corri até Savannah.

- Savannah – a balancei rápido – Minha dama – passei a mão pelo seu rosto, ela abriu os olhos meio devagar – Acorda meu amor, temos que sair daqui AGORA! – aumentei um pouco meu tom de voz e ela se sentou assustada.

- O que aconteceu, Justin? – perguntou ainda sonolenta.

- Eles estão aqui!


Notas Finais


FINALMENTE ACONTECEU!!!!!!!!!!!!!!!
E ai? Gostaram? É o primeiro hot que escrevi, então fiquei muito nervosa, me contem o que acharam e não esqueçam de comentar, ok? Amo vocês szsz
Desculpem pelos erros!

Roupa do Justin - https://www.instagram.com/p/BLLeIZuDEuB/?hl=pt-br
Roupa da Savannah - https://www.instagram.com/p/BKQJYtShCRZ/?hl=pt-br

Twitter: @purposebaldwinz
Instagram: @carold8



5 CAPÍTULOS PARA A SEASON2


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...