História Dangerous Temptation - Capítulo 19


Escrita por: ~

Postado
Categorias Barbara Palvin, Ian Somerhalder, Justin Bieber, Lily Collins, Ryan Butler
Personagens Barbara Palvin, Justin Bieber, Lily Collins, Ryan Butler
Tags Arma, Barbara Palvin, Criminosa, Criminoso, Criminosos, Drogas, Gangue, Império, Járbara, Justin Bieber, Máfia, Mafiosa, Mafioso, Sexo, Tiro, Traficante, Trafico, Vingança
Visualizações 591
Palavras 5.381
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Luta, Mistério, Policial, Romance e Novela, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oii meus amores, aqui estou eu com mais um capítulo! Agradecer a todos que comentaram e favoritaram, são vocês que nós incentiva a continuar! ❤

Espero que gostem.
Boa leitura! ❤😍

Capítulo 19 - Sequestro (Part.II)


Fanfic / Fanfiction Dangerous Temptation - Capítulo 19 - Sequestro (Part.II)

POV.Christian Beadles

Quando a bomba explodiu e me jogou para longe, eu pensei que iria morrer. Mas, agora vejo que ainda não morrir, e estou preso nessa cama de hospital sem conseguir me movimentar.

Eu não consigo acordar, só ouço os médicos examinando-me e dizendo que depende só de mim, para eu voltar a viver a minha vida de antes.

O pior é escutar todos os meus amigos falando comigo, e eu com uma vontade imensa de respondê-los. Todavia, nada posso fazer, o mais estranho é que ultimamente estou gostando das visitas diárias que a Malu me faz. Ela me distraí muito, contando as besteiras e intrigas da Bárbara com o Drew.

Hoje mesmo ela me contou que flagou o Dylan fodendo a Amanda no estacionamento da empresa. Se a Bárbara pegá-la de novo por lá, é capaz de matar a loirinha da periquita partida. Jesus! A coitadinha merecia um apelido melhor; tipo loirinha do açude, já que o pai dela é açougueiro.

De repente, esculto a porta se abrindo. Com certeza, é a mesma mulher que vem me visitar de madrugada.

Ela tem um perfume enjoativo, e nada fala. Ouço os seus passos se aproximando de mim, ela se sentou na minha cama.

_ Christian!  - Pela primeira vez, a defunta esquisita começa a falar comigo. _Imprestável! Não consegue nem me responder.

Quem é ela? E por que está de mal humor comigo?

_ Era para aquela bomba ter matado todos vocês em Los Angeles - Ela cuspiu as palavras com raiva. _ Mas, infelizmente só você ficou fora de circulação.

Não acredito! Ela deve ser da gangue do Rei tubarão.

Cadela mal amada! Esse ódio todo é falta de pau nessa buceta. Deve ser tão feia que ninguém quer foder essa prostituta.

Ela continuou falando...

_ Sabe Chris! Eu vou matar a Bárbara e a Lily - Ela contou empolgada  _ A Bárbara está sofrendo horrores na mão do tubarão.

A cadela gargalhou feliz da vida. Não acredito que a Bárbara foi sequestrada! E agora? O que será que a Lily vai fazer para resgatar a irmã?

_ Ah! Deixa eu te contar um segredo, o Justin Bieber vai ser só meu - Ela deu uma risada maléfica.

Justin Bieber? Quem é esse cara?

_ Eu vou te explicar melhor sua múmia paralítica - Ela riu.

Essa vagabunda me chamou de quê?

Deixa só eu sair daqui, que eu mesmo vou lhe mostrar o que faço com certas vagabundas quando estou zangado.

Eu acabo com elas e mato.

_ Então, como eu estava falando antes, o Justin Bieber vai ser o meu namorado e a Bárbara não poderá fazer nada, pois, ela vai morrer em breve. - Ela bateu palmas _ Você deve estar confuso, né?

Claro que estou, você é uma louca obssecada na Bárbara!

_ O que eu quero lhe dizer é que o Drew e o Justin são as mesmas pessoas - Ela gargalhou. _ Por essa você não esperava, né?

Se eu não estivesse preso nessa cama, eu teria caído de costa com essa notícia. Pelo visto, não é só a Bárbara corre perigo, o Drew, quer dizer o Justin, precisa de ajuda para livrar-se dessa psicopata louca.

Idiota! Está me contando tudo, quando eu sair do coma irei contar tudo para a Bárbara.

Por que o Justin está fingindo ser outra pessoa? Será que ele é o espião secreto do Tubarão ou ele é o impiedoso Libélula.

Libélula é o filho de um mafioso da Argentina. Eu ainda não sei a sua identidade secreta, mas já estou rastreando ele pela América latina. Ele é muito esperto, pode ser qualquer um e sempre escapa quando tento pegá-lo.

A única coisa que descobrir foi que a missão dele é destruí a máfia das meninas até virar pó.

_ Sabe Christian, é uma pena você não poder sair dessa cama e contar tudo para a Bárbara - Ela riu e retirou o travesseiro da minha cabeça. _ Vai morrer sufocado.

Maldição! Essa defunta vai me matar!

Ela começou a me sufocar com o travesseiro, o ar estava preso no meu peito. Senti o meu coração acelerado e ela falando:

_ Morra desgraçado!

  POV.Malu

A Lily me abraçou desesperada assim que me encontrou nos corredores da empresa.

_ O que houve? - Perguntei assustada vendo-a chorando. _ Não me diga que...

Será que o Christian morreu?

_ Não é sobre o Chris que eu vim falar, ele deve estar bem.

Se ele estar bem, então por que eu estou com o coração angustiado?

_ A Bárbara foi sequestrada - Lily chorou angustiada _ O que eu faço Malu?

Meu Deus! O dia amanheceu nublado de notícias ruim.

_ Primeiro você precisa se acalmar para poder pensar melhor de como você pode ajudar a Bárbara - Falei firme _ Já avisaram à polícia?

_ NÃO! POLÍCIA NÃO - Falou alterada.

_ E por que não? - Questionei sem entender a reação desesperada dela.

_ Porque...

_ Fala Lily? Você está me preocupando - Falei nervosa

_ Porque os bandidos não querem a polícia na cola deles, caso contrário a minha irmã morre. - Falou apressada _ Eu preciso ir, depois a gente se fala.

Lily saiu correndo e entrou as pressas no elevador.

(...)

_ O QUE ESTÁ ACONTECENDO AQUI?! - Gritei desesperada jogando a minha bolsa na cara da Déborah.

Essa desgraçada estava enforcando o meu Christian.

Empurrei a vagabunda para longe do Chris, olhei para os aparelhos apitando constantemente, avisando-me que o seu coração estava parando.

_ NÃO! - Cai de joelhos no chão desesperada deixando o choro entalado no peito sair.

Fitei a Déborah no meio da sala sorrindo e o meu ódio subiu.

_ VAGABUNDA! ASSASSINA! - Gritei enfurecida e parti para cima dela.

Puxei os seus cabelos loiros platinados e arranquei um tufo dos seus cabelos.

_ Aiiii - A Déborah gritou furiosa e me empurrou com força na parede me dando um tapa forte na cara.

Dobrei o meu joelho e acertei um chute forte nas suas costelas e ela gemeu de dor.

_ Isso é por você ter tocado nele - Acertei em cheio um soco no olho daquela cadela.

Quando eu estava prestes a socá-la outra vez, ouvir os aparelhos do Christian voltando a apitar novamente.

Ufa! Ele sobreviveu. Déborah aproveitou o meu descuido e fugiu correndo do quarto.

Desgraçada! Corrir feito uma louca pelo hospital inteiro, mas ela já tinha desaparecido feito um raio.

Decidi voltar ao quarto do Christhian e encontrei os médicos cuidando dele.

_ Vocês precisam colocar um segurança aqui na porta desse quarto - Falei furiosa _Tentaram matar o Chris, se eu não conseguisse chegar a tempo ele estaria agora morto.

_ Calma, senhorita! A gente já está cuidando desse assunto - O enfermeiro falou despreocupado.

_ EU NÃO VOU ME ACALMAR, SABENDO DA NEGLIGÊNCIA QUE TEM AQUI NESSE HOSPITAL. - Retruquei irritada _ VOCÊS DEIXARAM UMA ASSASSINA SE PASSAR POR UMA ENFERMEIRA E NADA FIZERAM.

Depois de muitos protestos vindo da minha parte, eles acabaram colocando dois seguranças no quarto do Christian.

   A Déborah que me aguarde vou contar tudo para as meninas.

POV.Justin Bieber

Acordei com a claridade do sol entrando pela janela, olhei para os lados e vejo o Dylan dormindo debruçado no sofá.

Merda! Eu estou no quarto de hospital? De repente a porta se abre revelando uma loira gostosa vestida de médica.

_ Vejo que o nosso paciente despertou - Falou sorrindo de lado.

_ Onde estou? - Falei com a garganta seca, sentindo dores por todo corpo _ Eu preciso de água.

_ Você está sendo bem cuidado, então relaxe um pouco. Eu vou te examinar - A tal médica respondeu simpática.

Ela fez uma analise completa em meu corpo e observou o ferimento da minha perna que estava enfaixada.

_ EU PRECISO SAIR DAQUI! - Falei afobado, lembrando-me de tudo que aconteceu na noite passada. _ A Bárbara precisa de mim.

Eu tentei levantar da cama, mas a médica me impediu de sair. Dylan acordou com os meus gritos e me segurou quando percebeu que eu estava tentando fugir daqui.

_  Calminha aí rapaz! Você ainda está muito fraco, precisa se alimentar direito, recuperar as suas forças primeiro para depois sim, ser liberado. - Ela advertiu séria.

_ Graças a Deus você acordou, pensei até que fosse morrer - Dylan suspirou aliviado _ Você não parava de delirar e a noite inteira ficou chamando a Bárbara.

Franzi a testa e olhei para ele com uma feição incrédula no rosto.

Que? Eu não me lembro de chamar o nome dela, ele só pode estar maluco.

_ Bom, por enquanto ele está ótimo! Vou deixá-los sozinhos. - A médica gostosa saiu do quarto.

_ Gatona, hein! - Comentei para o Dylan.

_ Pois é, eu estava jantando com essa gatona, ontem à noite - Falou debochado _Antes de você me ligar e atrapalhar os meus planos.

_ Foi mal, cara! - Falei fazendo uma careta ao tentar dobrar a minha perna. _ Mas agora precisamos encontrar a Bárbara, ela está correndo perigo.

_ Você não vai fazer nada, Justin - Dylan me repreendeu com um olhar feio _ Apenas, vai ficar aqui se recuperando, enquanto os outros irão em busca dela.

Ps: Outros? Aposto que o elefante azul do Ian está atrás dela, querendo ser o herói da história. Que raiva!

_ EU NÃO VOU FICAR AQUI PARADO SEM FAZER NADA - Reclamei furioso _ ELA PODE ESTAR FERIDA PRECISANDO DE AJUDA, DYLAN.

_ A Bárbara sabe se cuidar, ela é esperta e inteligente, daqui a pouco vai estar em casa novamente.  - Dylan disse confiante.

A porta se abriu revelando uma Lily muito furiosa, olhando-me com um olhar assassino. Ela vai me matar só pode?

_ É BOM MESMO VOCÊ TER ACORDADO, PORQUE EU VOU TE MATAR, SEU IMBECIL! - Ela gritou raivosa vindo para cima de mim, mas o Dylan assegurou a tempo.

Não falei ela está fula da vida comigo!

_ Calma, Lily! Nada disso fará a Bárbara voltar - Dylan me defendeu mais uma vez dos seus ataques histéricos.

_ É minha irmã caralho! Eu a quero de volta. - Lily chorou nos  braços dele.

_ Eu sinto muito, juro que tentei protegê-la - Expliquei angustiado. _ Mas, eles acertaram o pneu do carro umas três vezes, aí foi quando eu perdi completamente a direção e bati no poste de luz.

_ E depois o que aconteceu? - Ela me fitou atentamente ainda com raiva nos olhos.

_ Depois eu desmaiei, e quando acordei a Bárbara não estava mais lá. - Suspirei derrotado. _  Eu consegui pular do carro, antes que o mesmo pegasse fogo e de quebra fui assaltado por um mendigo velho.

_ Você deveria protegê-la Drew, eu confiei a vida da minha irmã nas suas mão - Ela falou rancorosa _ E você nada fez!

_ Não foi bem assim, eu fiz de tudo que estava ao meu alcance  para protegê-la, então não me venha com acusações desnecessárias - Respondi rude _ Não há nada que se possa fazer, quando se tem quatro carros te perseguindo com homens armados até os dentes.

_ Não quero as suas desculpas, era seu dever salvá-la - Disse ríspida.

_ Dá um desconto pra ele, Lily, o Drew fez o que pode. No fundo você sabe que a culpa não foi dele. - Dylan disse firme tentando acalmar a fera.

_ Lily! - Falei ainda meio fragilizado _  Sei que você deve estar preocupada com o sequestro da Bárbara, mas eu também estou caralho.

_ Será mesmo, Drew? - Duvidou sarcástica.

_ Você sabe que a Bárbara me tira do sério, porém eu realmente estou preocupado com o seu desaparecimento - Suspirei antes de voltar a falar _ Era a minha responsabilidade deixá-la em segurança, eu fiz de tudo para protegê-la e falhei.

_ Ok Drew! Eu vou te dar outra chance, espero que dá próxima vez você não falhe de novo - Disse dura _ Mas, fique sabendo que o Ian quer te matar.

_ Aquele idiota? - Perguntei irônicamente.

_ Sem brigas, você está me ouvindo? - Dylan falou irritado me fazendo revirar os olhos _ Não quero ver vocês dois se matando.

_ Mas, eu também quero ajudar a encontrar a Bárbara - Falei determinado _Vocês já chamaram a polícia?

_ Não - Lily respondeu calma.

_ Por que diabos vocês não avisaram a polícia ainda?  - Indaguei zangado encarando os dois.

Eles se entreolharam meio assustados sem saber o que me dizer.

_ Porque...é... - Lily gaguejou tentando me responder.

_ Porque eles não querem a polícia no meio, caso contrário a Bárbara morre - Dylan disse firme. _ Agora chega de perguntas, você precisa descansar.

  Algumas atitudes da Lily e até mesmo da Bárbara são estranhas.

Tem alguma coisa acontecendo e eu vou descobrir, o que tanto elas escondem de mim?

(....)

Assim que todos foram embora, eu me levantei sentindo uma dificuldade enorme de se levantar. Arranquei a agulha com o soro da minha veia e vesti algumas roupas que o Dylan deixou para quando a Keisha me desse alta.

Mas é óbvio que não vou esperar a sua permissão, sai de fininho pela porta e consegui chegar no portão.

Corri com uma perna só para fora da clínica e de repente esbarrei em alguém.

_ Onde você pensa que vai? - Minha mãe pergunta, me puxando a pelo braço e me levando de volta à clínica.

_ Ai! Mãe não aperta ai não, que está me machucando - Falei chateado.

_ Era só o que me faltava! Você tentando fugir assim - Ela me fitou séria analisando os meus machucados na perna esquerda, na lateral da minha cabeça e no meu braço direito _ Estás tão pálido, meu filho.

Ah não! Ela começou a chorar.

_ Mãe eu estou bem, tá! Não precisa fazer drama.

Ela me deu um olhar assassino e disse:

_ Drama! Eu ouvi direito? - Ela começou a me bater com a bolsa de couro feito louca. _Seu mau agredecido.

_ Para mãe! Eu ainda não estou 100% curado, para - Falei pulando com uma perna só para defender da fúria dela.

_ O que está acontecendo aqui? - Keisha perguntou confusa.

_ Peguei no flagrante tentando fugir daqui, esse meu filho é ingrato doutora - Minha mãe ofegava enquanto ajeitava os cabelos bagunçados.

_ Ficou louco Drew? Você não pode sair daqui assim, sem antes fazer novos exames para saber se realmente você está bem - Keisha falou furiosa.

_ Eu já me sinto melhor - Retruquei irritado, ignorando a dor que senti na perna ao tentar escapar daqui.

_ Enfermeiros, levem o paciente de volta ao seu quarto.

Maldição! A minha mãe tinha que aparecer logo agora.

POV.Ian somerhalder

Já faz uma semana que a Bárbara sumiu e nenhuma notícia dela chegou ainda. Já procuramos por ela em cada canto de NY e nada encontramos. Eu queria muito matar o Drew, até cheguei a conseguir invadir o seu quarto à noite, enquanto ele dormia apontei a minha pistola na sua cabeça, mas o imbecil do Dylan apareceu na minha frente e me impediu de matá-lo.

Resolvir usar a minha raiva ao meu favor para encontrar a minha namorada. Consegui capturar um dos capangas do Rei Tubarão e torturei o cara até ele me dizer onde a Bárbara estava.

_ ONDE A BÁRBARA PALVIN ESTÁ? FALA LOGO SEU DESGRAÇADO! - Chutei o infeliz com força nas suas costelas e ele se agachou no chão de tanta dor.

_ Auuu!

_ FALA LOGO SEU FILHO DA PUTA! - Falei furioso dando uma sequência de socos no seu rosto. _ O SEU TEMPO ESTÁ SE ESGOTANDO.

_ Ela está na zona sul de NY, no antigo armazém de carros roubados - Ele revelou com muita dificuldade para falar.

_ Babaca! - Chutei forte o seu rosto e atirei no seu coração.

Ao chegar no local, descobri que o imbecil me deu o endereço errado.

Pelo menos esse desgraçado deve estar agora ardendo no fogo do inferno.

Estou à dias sem dormir direito, procurando esconderijos secretos, informações ou alguma pista que me leve até a Bárbara. Eu quero tê-la  em meus braços novamente.

Aquele imbecil do Drew só atrapalha a vida da minha namorada, estou com tanto ódio dele que eu esmagaria o seu pescoço com as minhas próprias mãos.

Está dando tudo errado, primeiro o Tony morre, o Christian fica em coma e  agora a Bárbara esta sumida à dias.

O destino é um enigma, hoje você está bem e amanhã você está mal. Parece até uma brincadeira de mau gosto,  destruir em segundos a  felicidade dos outros. Eu tenho planos com a Bárbara, eu não posso perdê-la.

Eu a amo tanto que daria a minha vida pra salvar a sua, eu trocaria de lugar com ela sem pensar duas vezes.

Esse Rei tubarão pagará com sangue por toda a dor  que  a Bárbara deve estar sofrendo.

POV.Bárbara Palvin

Estou à dias sem comer direito, o  máximo que me dão é um pão seco e uma caneca de água. Também não consigo dormir, eles fazem um barulho sonoro horrível a cada segundo que eu prego o olho, já não vejo a luz do sol, minha coluna está toda dolorida de ficar na mesma posição por muito tempo.

Se pelo menos eu pudesse alcançar o meu celular na mesa e ligá-lo, a Lily  iria poder me rastrear e assim encontraria a minha localização.

Eu não sei até quando aguentarei essa tortura que venho sofrendo nas mãos do Rei tubarão e de toda a sua gangue. As minhas cicatrizes na pele são artificiais, ainda bem que esse desgraçado não me chicoteia mais.

Falando no diabo, ele acaba de entrar aqui.

_ Então, Bárbara! Vai me dizer o seu esconderijo? - Perguntou sarcástico

_ Nunca, da minha boca não sairá absolutamente nada - Falei rude.

_ Admiro a sua ousadia de me enfrentar você tem muita coragem, é destemida de medo - Falou calmo caminhando pela minúscula sala _ Mas, o seu erro foi se meter com o meu filho e eu não admito ninguém tocar no que é meu - Ele me fitou com ódio.

Filho? Desde quando eu me envolvo com filho de traficante de gangue rival? Esse imbecil só pode estar blefando ou é um louco alucinado.

_ Do que você está falando, seu ridículo? - Perguntei confusa.

_ Não se faça de desentendida, você levou o meu filho para a sua gangue, vadia - Ele falou furioso olhando nos meus olhos _ Eu não vou permitir que você faça nenhum mal a ele, futuramente meu filho será dono disso tudo.

Ele disse com tanto orgulho da sua gangue de merda que me deu até náuseas.

_ Coitado! Ele terá pavor de comandar uma gangue perdedora como a sua - Desafiei debochada. _ Tenho até pena desse seu filho lerdo, aposto que ele não presta para fazer absolutamente nada. 

Rei tubarão me encarou com muita raiva nos olhos e me deu uma bofetada na cara.

_ Nunca mais  deboche do meu garoto prodígio. Sua vagabunda! - Ele se enfureceu e socou o meu rosto

_ Eu não tenho nada com o seu filho, seu caveira de museu - Sorri cínica _ Aliás, quem é seu filho? - Perguntei com deboche.

Tubarão dá uma risada maléfica que chegou a causar um  arrepio de medo em mim, de tão assombrada que é.

_ Você sabe de quem estou falando, não se faça de sonsa - Tubarão disse rústico e deu mais outro tapa na minha cara.

Já perdi até a conta de quantas vezes já apanhei nesse cativeiro.

_ EU NÃO CONHEÇO SEU FILHO, SEU TUBARÃO FEDIDO - Gritei com raiva, totalmente cansada de apanhar sem ter direito a defesa.

_ PUTA NENHUMA LEVANTA A VOZ PRA MIM, SUA VADIA - Ele deu um soco forte que acertou o meu queixo. _ VOCÊ MERECE MORRER PELAS MINHAS MÃOS DA MESMA FORMA QUE MORREU SEU AVÔ. - Ele soltou uma gargalha assombrosa cheia de ódio.

_ VOCÊ FEZ O QUE SEU DESGRAÇADO?-Perguntei furiosa.

_ Matei o John Rodrigues naquele hospital do Texas - Ele contou sorrindo. _ Foi tão fácil desligar os aparelhos, e depois religar outra vez. Eu matei aquele desgraçado com as minhas mãos apertando o travesseiro na cara dele.

_ EU VOU TE MATAR SEU FILHO DA PUTA! - Gritei exacerbada e ele riu.

_ Impossível! Primeiro você tem que fugir daí - Gargalhou

_ Pois eu vou sair só para sentir o sabor da sua morte - Cuspir as palavras na cara dele.

_ Mas, por enquanto eu vou lhe contar uma historinha - Falou malicioso

_ Não quero saber - Recusei

_ Quando me contaram da sua melhora, eu invadi o hospital, matei  um enfermeiro e me vesti com as suas roupas - Ele falava sem remorso, enquanto as minhas lágrimas molhavam o meu rosto _ E ai entrei fácil no seu quatro desviando dos seus seguranças e o resto você já sabe: mandei ele para o inferno.

_ EU JURO QUE VOCÊ VAI PAGAR POR TUDO, PELO ASSASSINATO  DO MEU AVÔ, DO TONY E DO MEU AMIGO QUE ESTÁ EM COMA - Respondi furiosa tentando arrancar as algemas da minha mão e estrangular o seu pescoço.

_ Como irá me matar? Se você está presa e algemada nessa cadeira  de ferro - Ele gargalhou _ Você está tão fraca Bárbara, que não consegue nem se mover, quanto mais pegar uma arma e atirar em mim.

Uma ferida é reaberta em meu peito, meu avô não morreu porque o câncer estava avançado. Esse infeliz o matou, enquanto ele lutava pela sua vida.

Fitei fixamente os olhos pretos do assassino do meu vovô, tentando desvendar o seu rosto por detrás daquela máscara preta.

_ Eu te matarei, isso não é uma ameaça, é um aviso - Ressaltei fria deixando o ódio percorrer na minha veia.

_ Você me dá pena, se não tivesse assumido a máfia do John e nem se metido no caminho do meu filho - Ele faz uma pausa _ Talvez eu te deixasse viva ou não? - Ele riu de novo da minha cara.

_ Você morre de inveja do meu avô, nunca superou o fato dele ser muito melhor em roubos do que você - Falei fria _ E agora, não aguentou ser passado para trás por duas garotas novas e bem mais  inteligente do que a sua mente velha e enferrujada. - Debochei _O velhinho aí, não aguenta a concorrência não é mesmo?

Ele me encarou com ódio, com os punhos fechados e disse:

_ Vou deixar você aproveitando a sua última refeição, da próxima vez que eu vinher aqui, será para matá-la. - Respondeu grosso  e saiu da sala.

Babaca!

E asim ele se foi, liberando a passagem do capanga que trazia um pão velho para mim.

Nem que eu tenha que ir para o inferno, mas eu matarei esse desgraçado.

Vou vingar a sua morte vovô. Esse infeliz vai apodrecer em um caixão  debaixo da terra.

_ Ei! Me desamarra aqui um pouquinho cara! - Fiz uma careta de dor. _ Eu to apertada, preciso ir ao banheiro.

O tal capanga me olhou desconfiado.

_ Espera o meu parceiro voltar - Falou frio.

_ Eu não vou aguentar esperar ele chegar, vou fazer xixi nas calças - Falei calma

_ São as ordens do chefe - Respondeu sério.

_ Qual é cara? Eu estou a dias nessa cadeira não tenho nem forças pra andar de pé, imagine para fugir daqui - Falei triste _  Eu só vou fazer xixi antes de comer essa refeição "deliciosa" que você trás todos os dias pra mim.

Ps: Vai idiota me solta! Essa é a minha última chance  de sobreviver, antes daquele tubarão ridículo vinher me matar.

_ Tá bom, mas se a madame tentar fazer alguma gracinha, eu mato - Falou o desgraçado apontando a sua arma na cintura.

_ Eu não vou aprontar, só vou ao banheiro - Respondi revirando os olhos.

O capanga soltou as minhas algemas e eu toquei nos meus pulsos machucados que agora estavam livres.

Cretinos! Vocês vão me pagar.

Ele me leva até o banheiro imundo, e me empurra para dentro. Tampei o meu nariz para evitar respirar esse cheiro de merda podre.

Droga! Aqui não tem nem uma janelinha pequena para eu fugir.

E agora o que eu faço?

_ Anda logo com isso aí - Ele disse irritado

_ Já vai, estou fazendo o número dois -Menti para ganhar tempo

Pensa Bárbara, tem que ter alguma coisa para me livrar desse idiota. Rapidamente vejo escondido do lado do vaso sanitário um objeto cortante, me abaixo com nojo para alcançar o tal objeto e encontro um canivete.

Oh! Que Maravilha! Obrigado meu Deus. Escondo o canivete debaixo da minha blusa, preso na minha cintura.

Ao sair do banheiro, ele pegou as algemas no bolso para colocar em mim, mas em um segundo de distração quando ele abaixou para recolher as chaves  que tinhan caído no chão. Aproveitei para dar um chute no seu queixo com toda a força que me restou e ele desmaiou na minha frente.

Peguei o canivete e rasguei  a sua garganta para que ele não avisar-se aos demais, se bem que aqui tem câmeras e eu não terei muito tempo para fugir.

Eu tenho dez minutos antes dos outros capangas aparecerem aqui, retirei as roupas pretas do capanga, vestindo por cima das minhas, coloquei a sua máscara preta e escondir os meus cabelos debaixo do  seu bone.

Pronto! Agora pareço com um dos capangas do Tubarão. Coloquei a arma na cintura e sai pelo corredor escuro.

Droga! Onde será a saída? Apresso os meus passos e viro a esquerda onde encontrei uma porta, mas ela estava fechada. vou para outra e ouço gemidos de sexo.

Sigo para a próxima sala e vejo alguém vindo na minha direção merda e agora? Como vou esconder os meus olhos azuis? Rapidamente corrir para a direita e vi uma lata de lixo.

Eu vou ter que entrar nela, que nojo!

Ouço os passos no corredor.

_ Quem deixou isso aqui? - Um homem falou irritado para o outro.

_ Já vou retirar cara, deixa de frescura - O outro responde.

_ O chefe odeia essas porcarias parada no corredor, se livre já dessa merda - A voz da gazela irritante falou mandona.

Idiotas!

Sinto a lata de lixo sendo carregada comigo dentro por alguns minutos. O cara reclamou sem parar do peso que tinha, pior sou eu infeliz, toda machucada, morrendo de fome e sentindo esse odor de resto de comida podre em mim. Chega da ânsia de vômito e mesmo assim não estou reclamando.

_ Merda! Esse lixo tá mais pesado do que o normal, eu heim! - O cara falou antes de sair caminhando de volta.

Esperei uns cincos minutos e abri lentamente a tampa,  sai de dentro da lata toda suja e caminhei lentamente para a floresta fechada a minha direita.

Que merda! Esses infelizes tinham que se esconder no meio do nada. Assim que dou três passos, o capanga aparece na porta do galpão e grita:

_  ELA ESTÁ FUGINDO, ATRÁS DELA!

Puta que pariu!

Corri rapidamente para trás do galpão e passei por debaixo de um arame. Olhei para trás e vi três capangas armados me seguindo, entrei para dentro da floresta densa e corri desesperada.

Eles atiraram na minha direção, desviei dos tiros e me escondi atrás das árvores,  revido atirando neles de volta.

Acertei um tiro no gordo que já ofegava cansado de correr.

_ Morra otário! - Falei fria.

Volto a correr para dentro da floresta desviando de espinhos, galhos soltos e tiros.

Eles continuaram na minha cola, atirando sem parar um tiro quase acertou a  minha perna. Sorte que pegou na  árvore enquanto eu me abaixava.

Merda! Já está escurecendo e esses infelizes não param de me seguir. Aproveitei que eles estavam recarregando as armas  e  corrir para a direita, tropeçando em pedras pelo caminho.

Encontrei uma árvore de porte médio e subi na mesma, me escondendo nas suas folhas. Apontei o revólver que roubei do capanga antes de fugir na direção dos infelizes que me perseguem.

_ Droga! As balas acabaram - Resmungei baixinho com raiva.

Guardei o revólver na cintura e fiquei em silêncio.

_ Cadê a vadia Ferrugem? - Um magrinho perguntou ao outro debaixo da árvore.

_ Eu não sei cara, perdi ela de vista - O outro respondeu irritado.

_ E agora o que nós faz? Se voltarmos pra lá sem ela, o chefe vai nos matar - Falou medroso o tal ferrugem.

A minha barriga ronca alto e eles ouvem.

_ Você ouviu esse barulho - Ele  colocou a mão na orelha pra ouvir melhor.

_ Deixe de ser idiota cara! Deve ser um bicho do mato - O imbecil fala como se fosse óbvio _ Vamos logo atrás dela antes que anoiteça.

Uffa! Esses cretinos foram para a esquerda. Desci rapidamente da árvore e fui em direção oposta. 

POV.Justin Bieber

Hoje estou fisicamente melhor, o ferimento já está cicatrizando.

Mas o coração está apertado, a Bárbara ainda não apareceu, já faz uma semana que ela sumiu e ninguém entrou em contato  para pedir resgate.

Ainda tive que aturar o meu pai reclamando do meu trabalho. Quem foi o fofoqueiro que falou pra ele?

Flashback on

_ Você vai pedir demissão hoje mesmo - Falou rude.

_ Eu não vou abandonar o meu emprego, só porque você quer - Respondi furioso _ Você me pediu para dar um jeito na minha vida e eu estou dando.

_ Sendo segurança daquelas duas executivas de merda? - Perguntou com desdém.

_ Qual o problema? É um trabalho normal como qualquer outro - Falei cansado dele reclamar do meu emprego.

_ Você vai ser o  meu novo assistente na minha empresa, eu não vou deixar o meu único herdeiro trabalhando como guarda-costa - Ele disse com já irritado.

_ Quando eu queria trabalhar contigo, o senhor não quis - Falei furioso _ Então, não venha se meter na minha vida e dizer o que devo fazer.

_ Você é um imbecil Justin! Vai trocar  essa oportunidade que estou lhe dando pra viver nessa vidinha de empregado assalariado - Ele reclamou rude socando a mesa _ A grana que tu recebe lá, não vai pagar os seus luxos.

_ Que se dane o que o seu senhor pensa, pela primeira vez na vida eu estou tenho responsabilidade - Falei contrariado _ E me sinto feliz por não estar dependendo do seu dinheiro, é pouco, mas tenho o suficiente para me sustentar.

_ Você está proibido de voltar para aquela empresa - Falou enraivecido _ Você quase morreu seu idiota, a sua mãe quase teve um treco quando soube do seu acidente.

_ Correr risco faz parte da minha profissão, e quanto a minha mãe não se preocupe - Suspirei _ Eu já falei com ela e vou continuar trabalhando na Union Execultive.

Meu pai me encarou irritado e quando iria me responder, o seu celular tocou.

_ É O QUÊ? ... VOCÊS SÃO UM BANDO DE INÚTIL... - Ele desligou o celular furioso _Terminaremos essa nossa conversa depois. 

Flashback off

Que estranho! Ele ultimamente se estressa rápido demais.

Por que o meu pai não me quer trabalhando com a Bárbara?

POV.Bárbara Palvin

Estou à horas andando perdida nessa floresta e nada de encontrar uma saída.  

Meu celular está fora de área, e a minha sede só aumenta, preciso sair daqui o mais rápido possível. Antes que eu morra desnutrida e desidratada.

Escutei passos vindo na minha direção, será que são os capangas do tubarão?

Me escondi de trás dos arbustos grandes e segurei uma madeira nas mãos.

_ Onde será que está essa vadia? - O tal feioso forte perguntou ao outro.

_ NÃO ADIANTA SE ESCONDER, NÓS IREMOS TE ACHAR DOCINHO - Gritou o cara de apelido estranho.

Imediatamente aproveitei a distração de um deles e acertei o capanga idiota com um pau na sua cabeça e ele caiu desacordado no chão.

Retirei a sua arma da mão direita e mirei na direção do tal ferrugem, mas ele também apontou a sua arma pra mim.

_ Calminha gatinha! - Ele caminhou devagar.

_ Mas um passo e eu atiro - Falei fria.

_ Ai morreremos nós dois - Ele afirmou sério.

Encaro-o com muita raiva, e quando estou pronta para acertar um tiro na sua cabeça, sinto alguém retirando a pistola da minha mão e colocando os meus braços pra trás.

Droga! Eu devia ter batido com mas força na cabeça desse desgraçado.

_ A vadia pensou que iria se livrar de mim - O capanga magricelo me abraçou por trás e lambeu a minha orelha.

_ Me solta - Falei com nojo.

_ Nós deveríamos comer essa vagabundinha antes do tubarão matá-la o que você acha, parceiro? - O tal ferrugem fala malicioso me jogando de encontro ao chão e subindo em cima de mim.

Não acredito que isso está acontecendo comigo.

_ ME SOLTA SEU DESGRAÇADO! - Gritei ao vê-lo rasgando a minha blusa.

_ Cala boca vadia - Respondeu me dando um tapa e o outro capanga riu segurando os meus pulsos.

_ Anda logo Ferrugem, meu pau ja está louco pra enfiar nessa buceta. - Falou o cretino tocando no seu pau e me encarando sem a máscara. O magrelo tem os cabelos cacheados e uma barba enorme no rosto.

_ Calma cara! Eu nem tirei a calça dela ainda. - O infeliz do ferrugem falou tentando desabotar a minha calça.

Eu só tenho uma única saída a morte. Eu prefiro morrer do que ser estuprada por esses bandidos.


Notas Finais


E aí? O que acharam?

E esse tal de Libélula hein?! Quem será esse ser? Um novo personagem? 🤔
Tubarão que matou o vô da Bárbara gente 😱💔
Tadinha da Bárbara, além de ter apanhado muito, ainda tem os capangas querendo estuprar ela .. 💔💔

Para quem não favoritou ainda, favoritem por favor, e deixem seu comentário falando o que está achando! 💗💕 Ficaremos muitoooo grata! ❤❤

Beijão da Lari e da Ray! 💋
Até o próximo meus amores! 💕💞


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...