História Dangerous Woman - Imagine Jeon Jungkook - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Visualizações 305
Palavras 3.349
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Hentai, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Eu disse que mudaria, rs
Espero de coração que vocês gostem!!


Estou dando tudo de mim para deixar tudo mais explicadinho e mais claro.

E é isso, boa leitura e comentem o que acharam.
<3

Capítulo 2 - Begin


Fanfic / Fanfiction Dangerous Woman - Imagine Jeon Jungkook - Capítulo 2 - Begin

Jungkook on

Parece que eu me entrei numa enrascada, me casar aos 21 anos realmente não estava nos meus planos, mas agora eu não tinha mais escolha, já que aceitei ficar no comando da máfia, antes eu do que o meu irmão. Mas agora eu teria que abrir mão de algumas coisas, como o Bunny. Falando em Bunny, ainda não me esqueço da garota que eu vi num parque daqui de Busan, era de madrugada quando a encontrei.

Flashback on

Já era a segunda vítima da noite estava indo para o parque para “pensar” nos meus atos, já que não fui um bom mocinho. Mas para a minha surpresa ela não estava sozinha como sempre, havia uma garota com uma máscara hospitalar na cor preta e com um moletom da mesma cor, complementando sua calça e suas botas da mesma cor, seus cabelos balançavam com o vento. Fiquei um tempo fitando ela do outro lado da rua, até nossos olhos se encontrarem, mas infelizmente não durou muito tempo. Um rapaz apareceu com uma moto e a levou da li. Apenas aquele simples olhar fez meu coração acelerar.

Flashback off

Não entendo até hoje o porque de eu ficar tão... Nem sei explicar, quando penso nela. Eu nem a vi direito, apenas trocamos um olhar que durou uns 3 segundos. Deveria esquece-la, já que terei que me casar com alguma mulher que não conheço, apesar de ser filha do Sr. Namikaze, eu nunca a conheci, acho que ela nunca veio em casa. Enfim é melhor esquecer ela de vez, nunca vou encontra-la mesmo.

Paro de pensar e continuo a terminar de fechar minha mala, já que teria que me mudar para Seul agora. Abri a gaveta da minha escrivaninha e encontrei minha máscara que sempre usava quando atacava minhas vítimas, junto com a máscara havia a carta deixada na minha janela pelo Joker. Era uma carta coringa, escrita a caneta vermelha, tinha tais palavras:

“parece que o coelhinho vai ser o próximo da minha lista negra

- Joker”

Um ano se passou e nada aconteceu, parece que o “Joker” não é tudo o que dizem. Soltei um riso debochado e peguei as duas coisas e coloquei em minha mochila. Peguei minhas coisas e desci até a sala onde se encontrava a minha família.

JJH: Jungkook é sempre o mais atrasado, por que sempre demora? Seu cabelo é liso, não precisa dar uma de Justin Bieber Teen e ficar arrumando o cabelinho toda hora – disse meu irmão, chato como sempre.

JK: Acho melhor você calar a boca, ou eu te mato – disse frio e sem expressão.

JJH: Credo, até parece um demônio – fez uma pausa – Ah, verdade. Você é um – riu e se escondeu atrás da nossa mãe.

Sra. Jeon: Jeon Jung-Hyun, nem parece que você tem quase 30 anos, para de agir feito criança! É por isso que escolhemos o Jungkook e não você – disse minha mãe dando um tapa em sua cabeça me fazendo rir e ele me olhar de cara feia.

[...]

Já nos encontrávamos no aeroporto esperando o nosso vôo ser anunciado. Mantinha minha visão nos aviões que ali decolavam, pensando nos olhos profundos daquela garota. O que apenas 3 segundos de encarada fez comigo não se compara aos três anos de relacionamento que tive com a Sun Hee. Só queria te ver novamente para poder perguntar apenas seu nome.

Sr. Jeon: Pensando muito filho? - ouvi a voz de meu pai, me tirando a atenção de meus pensamentos.

JK: Sim, appa! Não estava nos meus planos se casar agora – abaixei minha cabeça e fitei meus pés calçados num Vans na cor preta.

Sr. Jeon: Você acha que eu deixaria se casar se não fosse alguém de minha confiança? Você é meu filho mais competente, apesar de ser o mais novo. Você não é igual ao seu irmão. E te garanto que você gostará dela, de fato ela é uma mulher espetacular.

JK: Que bom, mas mesmo assim acho que não me sinto pronto. Vai ser algo muito artificial – disse ainda fitando meus pés.

Sr. Jeon: Você é jovem, se apaixona rápido. Ela é bonita e ela parece ser do seu tipo – olhei para ele e ele fitava o nada.

JK: Eu não tenho um tipo específico – o olhei confuso.

Sr. Jeon: Você gosta de garotas misteriosas – olhou para mim sorrindo.

JJH: E que somem subindo em uma moto com um rapaz – ouvi sua voz saindo de trás do meu pai.

JK: Hahaha muito engraçado – voltei a olhar o nada.

[...]

Acabamos de chegar em nossa nova casa e a primeira coisa que eu encontro é o meu velho amigo Baekhyun, assim que ele me viu, pulou em cima de mim me fazendo cair no chão.

JK: Isso tudo é saudade? - perguntei empurrando de cima de mim.

Baek: Sim! Porra faz quase 4 meses que não nos vemos – se levantou e estendeu a mão para me ajudar.

JK: Não vive sem mim – o abracei – seu grude!

Baek: Que nem chiclete – sorriu – fiquei sabendo que você irá se casar com a filha do Namikaze.

JK: As notícias circulam rápido hein...

Baek: Eu era da máfia dele antes me mudar para a de vocês, então não reclama, tenho amigos lá ainda – me deu um leve soco no meu braço – falando nisso, quero que conheça alguém.

Ele nem me deixou responder, apenas me puxou pelo braço e me levou até a casa do lado a minha. Assim que chegamos na porta pude ouvir um tipo de gritaria, parecia uma discussão. Baekhyun tocou a campainha e um silêncio se fez. Um camarada de cabelos pretos entre abriu a porta e ficou me olhando, até o Baek sair de trás de mim.

Xx: Oh, Baek, chegou na hora certa. Não aguento mais esses dois – abriu a porta – Dá um jeito neles.

Baek: Eles brigaram, de novo? - pausou – Ah, esse é o Jeon Jungkook. Jungkook e esse ser humano que parece uma chinchila é o Kim Minseok.

Minseok: Oh! É um prazer – fez uma reverência e eu fiz o mesmo – eles terminaram, Baek.

Xx: Jackson Wang, me solta caralho! Não tem mais essa de eu e você! Entenda, na verdade nunca foi. Sinto um carinho enorme por você, mas não dá mais. Já chega! – uma voz feminina ecoou sobre a casa.

Minseok: Entrem ai, já, já ela vai embora.

Xx: KIM MINSEOK! CADE A CARALHA DA MINHA MÁSCARA? - ouvi a voz gritar novamente

Minseok: Em cima da minha cama - gritou novamente.

Alguns minutos se passaram e um rapaz desceu chorando se sentando no sofá.

Baek: Ela vai se casar Jackson, aceita – Baek se pronunciou ao rapaz chamado Jackson.

Jackson: Cala a boca Byun! – disse num fio de voz.

Barulhos de sapatos se chocando contra escada foram feitos na casa, assim desceu uma garota com óculos escuros e uma máscara hospitalar branca desceu sobre ela. Ela tarjava uma camiseta regata simples e shorts preto cintura alta, junto com botas de cano curto pretas.

Jackson: Amor, desista desse casamento e fique comigo – disse segurando os braços da garota.

Xx: Jackson, me solta – se pronunciou ao rapaz.

Jackson: É com o Park Jaebum, né?

Xx: Não interessa para você! Não me liga mais, não apareça em casa, ao menos que mandem você ir.

Ela pegou uma mochila que estava no canto da sala e passou entre nós três, já que estávamos perto da porta.

Minseok: Vem aqui, briga com outros, me xinga, e não diz tchau?

Xx: Vai procurar alguém para encher o saco.

Saiu da casa e ficou na calçada, até um carro aparecer e pegar ela. Não sei quem é ela, mas ela parece ser interessante. Parecia ser bonita também.

Minseok: Desculpa, as coisas não andam muito bem essa semana – disse segurando meu ombro – ela não é assim.

Baek: Ela é pior! – complementou a fala do outro rapaz.

JK: Credo, até parece que ela é o capeta em pessoa – disse rindo.

- Mas ela é! – Disseram um uníssono.

S/n on

Eu tentei, eu juro que tentei não ser fria, mas o Jackson não entende! Eu não o amo mais e agora também terei que me casar com um estranho. Aish, por que tudo tão rápido? O que importa é que eu terei a máfia em minhas mãos agora. Já se passaram uma hora que eu e o Jack estamos “brigando”, mas ele não entende. Depois de tanto ouvir, ele desceu e eu comecei a pegar minhas coisas, só queria chegar em minha casa e dormir. Peguei minha máscara e meus óculos e desci as escadas. Dando de cara com o garoto de Busan.

Flashback on

Eu estava esperando o incompetente do meu irmão me buscar, quando percebi alguém me observar, era um rapaz que me olhava intensamente com aqueles olhos tão negros como a escuridão da noite, pena que durou apenas 3 segundos, pois meu irmão tinha chegado, mas antes de sairmos, falei para seguirmos o jovem rapaz. Assim fizemos, o seguimos e nos escondemos próximo à casa dele.

Após alguns dias o observando descobri que ele era o Bunny e foi assim que mandei a minha carta, falando que ele seria minha próxima vítima, afinal eu sou o Joker, queria saber qual seria sua reação, mas parece que fui debochada, pela primeira vez na vida.

Flashback off

Essas memórias vagavam em minha mente enquanto olhava o garoto, por sorte estar de óculos e máscara, assim ele não veria o meu sorriso bobo e meus olhos direcionados a ele. Ele estava simples, parecia ter chegado de viagem também parecia estar constrangido com os acontecimentos, mas infelizmente eu não podia fazer nada. Peguei minha mochila e sai da casa do Xiumin.

Fiquei esperando na calçada até meu pai chegar. Assim que ele chegou, adentrei no carro e seguimos em direção a nossa casa. Até agora, o caminho estava silencioso, então liguei para o Xiumin, precisava conversar com ele sobre o garoto. Disquei o número, chamou uma... duas... três... apenas na quarta ele atendeu.

Ligação on

S/n: Da próxima vez que você demorar para atender essa merda, eu juro que faço você engolir essa merda que você chama de telefone – ouvi risos do outro lado da linha – tá no viva voz viado?

Minseok: Está gatinha, fala o que precisa estressada, estou sempre a sua disposição.

S/n: Primeiramente tira do viva-voz, segundo, vou na sua casa amanhã, precisamos conversar sério sobre uns assuntos...

Minseok: Tipo?

S/n: Uma viagem – menti

Minseok: Está bem – fez uma pausa e chamou meu irmão – Baek, ela vai vir aqui amanhã.

S/n: Ei, é só nós dois! – exaltei um pouco a minha voz.

Minseok: Eita! Que o negócio é sério... – ouvi uma voz, que com certeza era do Byun falando “se fodeu” – Gatinha, eu vou sair com os meninos agora, vou levar o Jackson numa balada e os outros dois também vão, até amanhã.

S/n: Ah sim! Até lá. Ah também esqueci de falar, estou com o Jay Park agora, estou indo para a casa dele, mais tarde te ligo para te informar o que ocorreu.

Minseok: Você sabe que ainda está no viva voz, né? - Murmurei um sim – AGORA ENTENDI! AGORA TUDO FAZ SENTIDO! – comecei a rir, pela primeira vez ele entendeu minhas jogadas – Se cuida! Tchau.

Ligação off

Assim que desliguei o telefone e olhei para o meu pai, que estava com um sorriso sacana no rosto.

S/n: O que foi? - perguntei fazendo de distendida.

Sr. Namikaze: Prazer, meu nome agora é Jay Park ou se preferir Park Jaebum – nos olhamos e começamos a rir – você que não toma jeito menina!

S/n: Pai... sobre o casamento... – fui interrompida.

Sr. Namikaze: Relaxa meu amor! Te garanto que ele é uma boa pessoa. Se não fosse eu não te casaria tão cedo. Mas você sabe que só estamos fazendo isso para fortalecer as duas máfias – segurou minha mão.

S/n: Tudo bem! Se for para um bem maior, eu farei! – disse confiante, porém eu não estava nenhum pouco.

[...]

Já se passava das 3 horas da manhã e eu não tinha conseguido dormir ainda, então decidi sair para tomar um ar. Passeava pelas ruas de Seul, estava tudo tão normal, as ruas onde se localizavam as baladas estavam tão cheias como sempre, mas diferente dos outros dias, não estava tão quente, havia uma brisa fresca. Estava tudo correndo tão bem, até ver algo que me chamou atenção. Me aproximei e tive a certeza, Minseok e Jackson sendo carregado por meu irmão e o garoto de Busan. Procurei o carro do Minseok e fiquei esperando os dois seres aparecerem, coloquei o capuz da minha blusa sobre o meu rosto. Assim correria menos risco do outro me reconhecer.

Baek: O que está fazendo aqui? - sua voz me chamou a atenção.

S/n: Tinha que ser o Minseok e o Jackson... – ignorei sua pergunta.

Baek: O Xiumin é normal, já o Jack...

S/n: A culpa não é minha! – me exaltei, tirando um olhar curioso dos dois.

Baek: Ei! Calma... você vai ajudar ou vai ficar ai sentada em cima do capô¿

S/n: Da próxima vez, certifique-se se a chave está com esse bosta – sai de cima do capô e virei de costas para eles jogando a chave.

Baek: Aonde vai? - perguntou quase gritando.

S/n: Dar uma caminhada não está vendo? - falei como se fosse algo óbvio.

Baek: Mas é perigoso! – eu apenas parei.

S/n: Eu sou o perigo! – continuei minha caminhada.

Eu andei um pouco até cair em um beco escuro e como algo clichê haviam dois homens, dizendo coisas nojentas de sempre. Eles tentaram me encurralar na parede, mas foi algo em vão. Peguei minha faca que sempre ficava nas minhas botas, enquanto um se aproximou, cravei minha faca em seu pescoço e o cortando fora a fora. O outro horrorizado com a cena saiu correndo, porém por impulso taquei minha faca em sua cabeça, o que fez ele parar e logo cair morto.

[...]

Já era de “manhã” o sol batia em meu rosto e eu não estava disposta. Mas hoje tinha uma vantagem, eu finalmente iria conhecer o meu futuro marido. Levantei fiz minhas higienes diárias e fui direto para a casa do Xiumin. Quando cheguei, a porta estava aberta, com os dois bêbados jogados no chão. Fui até a cozinha e peguei um balde de água e gelo, me aproximei do Minseok e joguei em cima dele.

Minseok: JÁ ACORDEI MÃE, EU JURO QUE NÃO BEBI ONTEM A NOITE! – aparentemente ele estava assustado.

S/n: Mãe é a tua bunda!

Minseok: A s/n! Que susto.

[...]

Minseok: Então o garoto de Busan é o Jungkook? - tentou entender.

S/n: Jungkook? - então esse era seu nome – Aparentemente parece que é ele sim.

Minseok: Uau! – fitou o nada – sabe s/n. Acho que devo te devolver algo.

S/n: O que? - que merda que ele ia fazer.

Minseok: Celular – dei para ele – chaves – fiz o mesmo – tem mais algo com você? - fiz um não com a cabeça.

Ele me colocou sobre seu ombro e começou a me levar para o fundo da sua casa. Filho da puta, ia me tacar na piscina.

S/n: Kim Minseok! ME COLOCA NO CHÃO AGORA – falei entre tapas e socos que dava em suas costas.

Nem terminei minha frase direito e ele já havia me jogado na piscina. Saí correndo da piscina atrás do Xiumin, é hoje que esse viado morre!  Estávamos na cozinha, e não tinha mais saída.  Corri até ele e depositei um soco em seu rosto.

S/n: Isso é para você aprender a não me jogar mais na piscina!

Minseok: O que, que você anda comendo mulher? Está mais forte que eu – suplicou enquanto massageava seu rosto.

S/n: Para de ser mole! – soquei levemente seu ombro – vou embora, hoje tenho um jantar para ir – esqueci de um detalhe, minhas roupas. Porém sempre tinha alguma roupa minha aqui. Fui para o quarto do Xiumin e peguei uma muda de roupa que eram minhas e me troquei, desci as escadas. Me despedi dele e fui para a porta.

Assim que saí de sua casa, pedi um taxi. Chegando em casa fui direto para o banheiro tomar um banho.

[...]

O relógio marcava 19h e só faltava meu pai descer, esperei mais alguns minutos até que ele desceu todo elegante. Saímos de casa e o nosso motorista já estava a nossa espera, seguimos em direção ao meu restaurante favorito.

Assim que chegamos o Sr. Jeon e sua família já estavam no local, estava ele, sua mulher e seus dois filhos, ambos estavam de costas, apenas o Jeon de frente, assim que percebeu nossa presença ele se levantou e fez com que sua família se virasse para seguir o olhar do mais velho. Meus olhos foram de encontro para apenas uma pessoa, Jungkook – talvez esse seja seu nome, segundo o Minseok é esse o nome. Ele estava vestido em Blazer preto, seus olhos da mesma cor se encontrou com os meus, ficamos nos encarando por segundos, mas que na minha cabeça pareciam horas. O momento foi interrompido pela chegada do meu irmão.

Baek: Pai! S/n! – nos deu um abraço.

S/n: Byun, distância – posicionei minha mão em seu peito o fazendo se afastar de mim.

Sr. Jeon: Pai¿ Você nunca me disse que tinha um filho Namikaze Kwan – arqueou uma sobrancelha para cima do meu pai que levantou seus braço em forma de rendimento.

Sr. Namikaze: Em minha defesa, Byun nunca quis que ele fosse apresentado como meu filho, por questão de segurança. Assim fiz o mesmo com a minha pequena – colocou a mão em minhas cabeça.

Sr. Jeon: É bom vê-la novamente S/n! Já se faz anos desde a última vez que nos vimos... Foi em Busan a última vez que nos vimos.

S/n: Sim, fui com o meu pai para ajudá-lo com os negócios.

Sr. Jeon: Ele é um cabeça oca, não sabe fazer nada sozinho – sussurrou.

S/n: Realmente – repeti o ato.

Sr. Jeon: Bem as apresentações. Essa é minha esposa, Sra. Jeon. Meu filho mais velho Jeon Jung-hyun e o caçula e seu futuro marido Jeon Jungkook – assim que ouvi as palavras “Marido” e “Jeon Jungkook”, meu corpo estremeceu por inteiro. Então eu me casaria com a minha paixãozinha platônica?

S/n: Prazer um conhecer todos vocês. Eu sou Namikaze s/n e a minha família você já conhece, principalmente meu pai e o Byun – terminei de falar e Jungkook se levantou e veio em minha direção.

JK: É um enorme prazer finalmente te conhecer! – disse pegando minha mão e a beijando as costas dela.

S/n: Finalmente? - será que ele lembra do Busan? Acho que não. Deve ser sobre a casa do Minseok.

JK: Meus pais começaram a falar de você e eu realmente fiquei curioso em saber ao seu respeito, sem contar que te vi ontem na casa do seu amigo e quando você estava do lado de fora da balada  – sim, era sobre a casa do Xiumin e eu nem lembrava mais que eu tinha aparecido lá.

S/N: Ah sim, entendi! Também ouvi falar muito sobre você Jeon, meu pai só sabia falar de você – soltei um leve sorriso que fez o maior sorrir também.

JK: Vamos? - estendeu um de seus braços para mim, assenti e estendi um dos meus.

[...]

JK: S/n, como todo casal precisa de uma aliança – retirou uma caixinha do bolso – aqui está a nossa – abriu a caixinha e havia duas alianças feitas à ouro branco.

Estendi minha mão e ele colocou o anel e fiz o mesmo com ele. Nos olhamos e certamente começamos a rir, apesar de tudo, ainda era estranho, nem nos conhecemos direito. Mas ainda tem suas vantagens desse casamento arranjado, pelo menos vou me casar com alguém que estou “apaixonadinha”.

JK: Vamos dar uma volta? Aqui está chato – eu apenas assenti, nos despedimos e saímos do local, indo para uma praça que era próxima do restaurante onde estávamos. O clima estava agradável, as ruas iluminadas e a praça cheia de velhinhos e crianças como sempre, nos sentamos e ficamos apenas nos olhando. Era impressionante como só aqueles olhos eram capazes de deixar meu coração acelerado, igual aquela noite em Busan. 


Notas Finais


Então é isso meus amores.


Um beijo <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...