História Dangerously - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bangtan Boys, Bangtansonyeondan, Bts, Hoseok, Jhope, Jikook, Mistério, Namjin, Sope, Suga, Taehyung, Vhope, Yaoi, Yoongi, Yoonseok
Exibições 67
Palavras 987
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Mistério, Romance e Novela, Shonen-Ai, Slash, Suspense, Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Bora pra mais um capítulo, leiam, se emocionem e não me matem, Okay nada de spoiler... Até as notas finais, bjs boa leitura

Capítulo 7 - Me diz que é isso é um pesadelo !


Fanfic / Fanfiction Dangerously - Capítulo 7 - Me diz que é isso é um pesadelo !

Era sábado de manhã, por volta das 7:00hrs, quando minha mãe disse que sairia pra comprar pão, eu então fiquei sozinho em casa assistindo tv mas peguei no sono, quando despertei eram 7:54hrs, e o telefone estava chamando, eu atendi e uma mulher falou, dizia ser do Daegu Fatima Hospital, que era um hospital próximo daqui de casa, no começo eu não entendi o que estava acontecendo, ela fez algumas perguntas, perguntou minha idade, se eu estava acompanhado de algum responsável e eu disse estar sozinho, como eu não estava entendendo nada resolvi perguntar. 

- moça, por que você ligou aqui em casa? Se você quiser você pode ligar depois, porque agora eu tô sozinho, assim que minha mãe voltar você pode falar com ela... 

- mas você é Min Yoongi correto ? - sim... Sou eu, por que ? 

- olha... Sua mãe acabou de fazer uma entrada aqui no hospital, ela foi atropelada, não há nenhum responsável por perto pra poder vir até aqui ? 

- minha mãe o que ?! 

- ela foi atropelada... 

-... Em que hospital ela tá mesmo ? - eu disse com a voz já bem trêmula 

- sinto muito, mas você precisa de um adulto pra vir até aqui 

- t-tudo bem, só me fala em que hospital ela tá !!! - eu disse com o choro já preso na garganta 

- Daegu Fatima Hospit... 

Antes que ela terminasse eu desliguei o telefone e corri até a casa de Cho-Hee, uma senhora de 52 anos que morava na casa ao lado e era amiga da minha mãe, após explicar a situação pra ela nós fomos voando pro hospital. Ao chegar lá ela teve de assinar alguns papéis e os médicos disseram que só poderíamos visita-la mais tarde, pois o estado dela era grave e que fariam uma breve cirurgia e só caso ela ficasse estável poderíamos ver ela, então eles nos levaram a um corredor que dava acesso a UTI pra esperamos notícias la. Havia se passado nem 5 minutos quando um homem apareceu perguntando se Cho-Hee era a responsável por minha mãe, ela confirmou e ele a chamou pra conversar -não sei dizer se ele era médico pois não estava de jaleco nem nada, mas estava de roupa social- eles conversaram brevemente e ele deu um papelzinho pra ela que voltou a sentar ao meu lado. 

- quem era ? 

 - o homem que atropelou ela... - nessa hora meu coração parou e mesmo não sabendo se o acidente era culpa dele ou não, eu quase explodi de raiva 

- ... E o que... O que ele queria ?!... 

- veio oferecer ajuda e perguntar se estávamos bem - quando ela disse isso eu considerei não sentir raiva dele

Depois do que pareceu ser uma eternidade um médico apareceu dizendo que podíamos ve-la. Quando entramos na quarto ela estava desacordada, ve-la daquele jeito foi muito doloroso, mas eu tinha de ser forte, apesar dela estar desacordada eu não queria chorar na sua frente. Eu queria acreditar que ela ficaria bem, eu queria ter pensamentos positivos, eu queria pensar que aquilo acabaria logo e que nós voltaríamos pra casa logo, mas não foi possível, nesse momento o monitor cardíaco mostrou que o coração dela havia parado, então vários médicos entraram na sala, enquanto uns tentavam reanima-la outros nos levavam pra fora do quarto. Depois de um bom tempo, o que parecia ser o "líder" deles saiu e disse a notícia que eu não queria ouvir, disse que ela não havia resistido, nesse momento o mundo parou pra mim, eu corri pra dentro do quarto desesperado gritando por ela. 

- NÃO... ELA NÃO PODE TER MORRIDO - eu me joguei na cama dela e a abracei- MÃÃÃÃEEE... NÃO, NÃO MÃÃEE - alguns médicos vieram e tentaram e tirar de perto dela e eu a abracei mais forte- ACORDAAA VOCÊ NÃO PODE ME DEIXAR MÃE... - eles conseguiram fazer eu largar dela e me levaram pra fora do quarto- não mãe, não vai ... - nesse momento o ar começou a faltar - Mãããee - eu já estava caído no chão as lágrimas 

Quando olhei pro lado vi o homem que tinha falado com Cho-Hee antes, eu fui tomado pela raiva e avancei nele 

- É TUDO CULPA SUA, SE NÃO FOSSE VOCÊ A GENTE ESTARIA EM CASA AGORA - eu comecei a dar socos nele- VOCÊ MATOU ELA... V-VOCE M-MATOU... - eu voltei a chorar- foi você... você... vo... cê - foi então que eu percebi que ele também chorava 

- desculpa... D-desculpa - ainda chorando ele se ajoelhou e me olhou nos olhos - m-me desculpa... 

Eu fiquei sem palavras, não sabia como agir, ele realmente não teve intenção, mas ainda assim a culpa era dele, então sem dizer mais nada eu me afastei e continuei o encarando quando ele abaixou a cabeça ao mesmo passo que nossas lágrimas caíam livremente, de repente um garoto apareceu, ele tinha o cabelo bem escuro e era mais novo, ele me olhou com os olhos grandes e negros que ele tinha, então veio até mim e me abraçou. 

- eu sei que você tá com raiva do papai... Mas ele não fez por querer, desculpa ele... ele também tá triste - ele falou no meu ouvido quase num sussurro, eu então me afastei 

- ... Mesmo que ele não tenha feito por querer... A culpa é dele 

- mas... 

-não precisa Jungkook... Ele tem razão... A culpa é minha - ele veio e pegou o garoto no colo e se virou pra Cho-he - se precisar de algo, eu já disse que é só ligar - ela assentiu com a cabeça e ele foi embora 

Nessa hora eu voltei a chorar e me joguei no chão, não era possível, minha mãe não tinha morrido, aquilo era um pesadelo, só podia ser um pesadelo, e eu iria acordar em breve ! Não ia ?


Notas Finais


Sim a história tá triste eu sei T-T mas não me matem, eu juro que ela vai melhorar .-. esperem só mais um pouquinho eu prometo vfghcfh


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...