História Dangers Of Love - Capítulo 12


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Tags Ação, Criminal, Drama, Justin Bieber
Exibições 292
Palavras 4.196
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Mistério, Policial, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Hello!

Quem teve insônia e resolveu postar agora? Eu mesma!!! Preparem os coraçõezinhos!

Capítulo dedicado á Fê, meu amorzinho. (advinha o que chegou!).

Indicações de músicas para o capítulo: Chris Brown - Wet the bed (frase inicial).


BOA LEITURA :)

Capítulo 12 - I'mma Put You Down.


Fanfic / Fanfiction Dangers Of Love - Capítulo 12 - I'mma Put You Down.



Venha pra frente e não corra. Eu não quero ser um cara de um minuto, amor você e como uma tempestade chovendo em mim, gata você está toda molhada. 一 Wet The Bed.


                                   Vou fazer amor com você.


Point of view; Emma.

Sinto seu corpo sobre o meu, seu calor, sua segurança, tudo é a combinação perfeita para deixá-lo mais sexy do que o normal. Seus lábios macios percorrem meu corpo, causando-me arrepios compulsivos e excitantes. Fecho os olhos e jogo a cabeça para trás dando sinal verde para que ele começasse a beijar meu pescoço 一 meu maior ponto fraco. Justin não pensa duas vezes e ataca meu pescoço, mordiscando e beijando o mesmo fazendo algumas arfadas escaparem entre meus lábios.

Com suas mãos fortes, aperta minha coxa e aproveita para explorar meu corpo com a outra. Entrelaço meus dedos em seus cabelos macios e puxo devagar, ele reage subindo até mim e beijando meus lábios. Permaneço de olhos fechados.

一 Emma? Abra os olhos. Olhe para mim. 一 faço o que ele pediu, e encaro seus olhos castanhos.

Reparo no quão claros são de perto. Lembra-me o mel que meu pai me dava nas noites que passava resfriada para amenizar a tosse, ou o whisky que Justin sempre toma pelas manhãs. Mordo levemente meus lábios, esperando que ele diga algo.

一 Você precisa relaxar, não pode ficar tensa desse jeito. 一 um sorriso de canto maldoso corta seus lábios. 一 E eu sei como resolver isso.

Sem esperar que eu respondesse, volta a beijar meu corpo, mas desta vez desce até minhas coxas, distribuindo beijos quentes bem próximos a minha intimidade. Aperto o lençol claro da cama, e deixo meu corpo em alerta. Justin umidece seus lábios e da um beijo leve na minha virilha.

Fecho os olhos.

一 Abra os olhos, Walter. 一 sua voz rouca ecoou, e como uma submissa hipnotizada eu obedeci. 一 Olhe para os meus olhos. Não pare de olhar.

Respiro fundo, mas antes que pudesse soltar o ar, sinto sua língua quente e úmida movimentar-se circularmente em meu clítoris. Me contorço e sinto meu corpo entrar em colapso consigo mesmo quando seus movimentos começam a se intensificar. Seus olhos permanecem presos aos meus, e suas mãos controlam meu quadril. Arfo e aperto novamente o lençol. Ergo uma das mãos e aperto o travesseiro que estou deitada, arqueando minha coluna de forma incontrolável.

É como se sua língua tivesse total poder sobre meu corpo; e de fato tem. Sinto seus dedos quentes próximos a minha entrada, então mordo os lábios. Meu corpo está implorando para tê-lo. Eu preciso dele, e chega a ser assustador a forma que necessito de seu corpo no meu.

O que você está fazendo comigo, Bieber?


Point of view; Justin.

Seu gosto preenche minha boca, e vê-la excitada daquele jeito estava me deixando impaciente e louco para foder ela de uma vez por todas. Seu corpo é lindo, e pensar na possibilidade de tê-la completamente molhada na minha cama é tentador.

Pensei em não fazer isso, pois é sua primeira vez, mas ela merece ter uma boa foda para se recordar quando conversar com suas amigas em uma mesa de bar, ou em uma festa do pijama, quem sabe. E só eu poderia dar isso para ela, não esses babacas com quem ela irá sair durante o resto da sua vida.

Penetro um dedo em sua vagina apertada e úmida, e noto um certo incômodo em seu rosto. Ela é realmente virgem. Não só por ser tão fechada, mas pela forma que reagiu aos meus toques. Parece que jamais alguém a tocou assim, pelo menos até agora.

Seus olhos azuis continuam presos aos meus, como havia mandado. Com cuidado, enfio outro dedo e noto sua rejeição sumir conforme os movimentos vão ficando mais rápidos. Minha língua permanece em seu clítoris acompanhada dos círculos imaginários. O sugo com meus lábios e um gemido escapa de seus lábios rosados. Vejo seu corpo se arquear, mostrando que seu orgasmo está próximo.

Então percebo que é hora de parar.

Emma me fita, sem entender.

Meu membro está latejando tanto que a cueca se torna incômoda. Livro-me do tecido fino até a roupa íntima tocar o chão. Meu membro praticamente salta de tanta excitação. Olho para Emma, que mantinha o olhar preso em minha intimidade. Sorrio e caminho na sua direção.

Olho para seus lábios rosados, e presumo que faça um belo sexo oral, mas podemos deixar essa preliminar para outro dia, assim posso cobrar algo dela. Sua inocência é algo admirável. Mesmo sendo uma garota insuportável quando quer, não poderia me enfrentar no quesito sexo, pelo menos não por enquanto.

Pego o papel laminado e rasgo com a boca, levo uma das mãos até meu membro e com a outra estico o preservativo. Ergo meu olhar novamente, sentindo a tensão presente ali.

一 Por que está tensa, Walter? 一 pergunto.

Ela finge relaxar.

一 Emma… 一 diz, corrigindo. 一 É que eu odeio você, pelo menos odiava há alguns dias atrás.

一 Nós podemos continuar odiando um ao outro, sem problemas. 一 caminho até a cama, parando no início da mesma.

Paro o olhar em seus seios arredondados e médios. Emma coça a garganta e obriga-me a retornar para o que estava acontecendo. Umedeço meus lábios.

一 Vamos deixar o ódio de lado, pelo menos agora. 一 subo na cama. 一 Apenas relaxe e sinta o momento. Não é algo que vá se repetir com outros caras. 一 Emma murmura algo impossível de entender.

Aproximo-me de seu corpo, e ela se deita. Fico por cima dela, e apoio-me em meu braço acima de sua cabeça. Acaricio seus cabelos loiros e mantenho o foco em seu rosto. Posiciono-me entre suas pernas, erguendo as mesmas e acariciando seu clítoris com a cabeça do meu membro. Beijo seus lábios ferozmente, tornando-os reféns dos meus dentes sem a menor piedade.

一 Emma… 一 chamo-a.

Queria dizer que é só sexo, e que não quero mais uma apaixonada no meu pé, mas quando seus olhos encontram os meus, um nó se forma em minha garganta. Posso deixar isso pra depois.

一 Fala, Justin. 一 seu tom ressalta a preocupação que está sentindo.

一 Eu vou fazer amor com você. 一 murmuro perto de sua pequena orelha. 一 E vai ser a melhor noite da sua vida. 一 um sorriso breve toma conta de nossos lábios, mas o seu era tomado pela inocência e o meu pela maldade.

Com cuidado, coloco o começo do meu membro na entrada da sua vagina. Respiro fundo e começo a me movimentar vagarosamente. Emma se encolhe, e eu abraço seu corpo. Fecho meus olhos e sinto o fervor e a umidade dela. Meu membro permanece praticamente inteiro para fora, mas conforme vou me movimentando, sua intimidade vai se adaptando, e aos poucos vou entrando dentro dela.


Point of view; Emma.

A dor que Kate e Cassie descreveram pareciam modestas perto desta. Fecho meus olhos com força, e solto alguns gemidos de dor perto de seu ouvido. Resolvo não pedir para que ele pare, e deixo acontecer. Finco minhas unhas nas suas costas, sentindo o relevo das suas tatuagens. Afogo meu rosto na sua nuca, sentindo o perfume forte que me acalma.

一 Caralho! 一 diz, pressionando seu quadril mais ainda contra o meu, causando-me uma dor ainda mais intensa e consequentemente recebendo belos arranhos sobre suas costas.

一 Justin! 一 digo, entredentes e fechando os olhos com força. 一 Isso dói demais.

一 Olhe para mim e esqueça a dor. Você tem que aguentar, e prometo retribuir com o dobro de prazer depois. 一 Olho para seus olhos e tento relaxar.

De repente, sinto meu hímen se romper e seu membro entrar. Solto o ar que segurei e dou um grunhido de dor, mordendo seu ombro em seguida. Justin sorri, cafajeste.

一 Pronto, agora vai passar. 一 ele acaricia meu rosto, acalmando-me e me fazendo esquecer da dor ali presente. 一 Vou aumentar os movimentos. 一 avisa.

一 Não faz isso, Justin! Por favor. 一 murmuro, o impedindo de causar mais dor ainda.

一 Vai ser melhor pra você, vai por mim. 一 sem esperar ao menos uma aprovação, ele intensifica seus movimentos, e conforme o tempo a dor foi se tornando mais fraca.

Sinto seus movimentos, desta vez um pouco prazerosos, e solto alguns gemidos baixos. Sua mão bate forte em minha coxa e solto um gemido um pouco mais alto ao sentir seus apertos. Justin umedece os lábios e abafa meus gemidos com um beijo, mas logo seus gemidos roucos se tornam presentes também. Seguro o travesseiro em que estou apoiada e o aperto ao sentir seus lábios macios tocarem meus seios de uma forma violenta e delicada ao mesmo tempo.

Jamais pensei que Justin Bieber pudesse ser delicado assim, é até assustador pensar que estou na cama com um bandido. Mas isso não precisa se tornar frequente, e nem vai. Preciso manter isso em mente.

Seus dedos grossos voltam para meu clítoris, e os movimentos circulares retornam de uma forma prazerosamente boa, desta vez acompanhados de suas estocadas.

一 Goze para mim, Emma. 一 pede, com sua voz rouca próxima ao meu ouvido.

Seus movimentos ficam mais rápidos, e sinto minha respiração ofegar. Aperto mais ainda o travesseiro ao sentir os espasmos que vieram em seguida, e logo começo a relaxar. Sinto seu membro pulsar dentro de mim, anunciando que Justin seria o próximo. Suas mãos permanecem na minha intimidade já sensível ao seu toque, e logo sinto seu líquido preencher a camisinha. Justin cai para o lado, masturbando-se para terminar de gozar. Seu peito subia e descia descontroladamente, assim como o meu.

一 Não acredito que acabei de perder a virgindade. 一 digo, ofegante. 一 E foi a primeira vez que um homem me fez gozar.

一 Seu ex namorado era gay? 一 zomba, erguendo seu corpo e retirando a camisinha de seu membro, dando um nó e caminhando até o banheiro.

Observo seu corpo enquanto ele se locomove, e vejo que sua beleza é indescritível. Suas costas largas dominadas por algumas tatuagens próximas aos seus ombros fortes, e a sua bunda redonda e branca. Mordo o lábio inferior e sorrio. Seu topete estava desfeito, mas mesmo assim seu cabelo continua lindo. Justin entra no banheiro, mas não fecha a porta.

Minhas pálpebras começam a fechar sozinhas, e a sensação de paz invade meu corpo. Deito-me de bruços e abraço o travesseiro, entregando-me ao sono dominador. Escuto sua voz ecoar bem de longe, mas nem dou atenção.


Point of view; Justin.

一 Não quer tomar banho comigo e partir pro segundo round no chuveiro? 一 digo alto o suficiente para que ela escute de onde está, mas Emma não responde.

Bufo. Odeio ter que repetir as mesmas palavras mais de uma vez. Paro na porta do banheiro e a vejo dormindo com a bunda empinada. Sorrio e me apoio no batente, cruzando os braços para observar a cena excitante. Caminho até ela na intenção de acordá-la, mas não faço isso.

一 Te cansei, não foi? 一 murmuro, mordendo o lábio inferior ao fitar sua bunda.

Fecho os olhos com força, e quando abro puxo o lençol branco e cobri seu corpo. Volto para o banheiro me praguejando pelo que acabei de fazer.

Não acredito que fiz isso.

Entro no box e abro o chuveiro, permitindo que a água fria afaste os pensamentos maliciosos que acabei de ter. Saio do banho breve e enrolo uma toalha na minha cintura e sigo para a cozinha, preciso comer algo.

Abro o armário de marfim bege e acho um saco de pão, pego e jogo sobre a bancada. Abro a geladeira e retiro alguns frios que tinham ali e faço um sanduíche. Abro uma cerveja e sento sobre a bancada, a casa está quieta o suficiente para que eu possa ouvir meus pensamentos.

Começo a recordar a sensação do que acabou de acontecer, e a alegria de conseguir o que tanto queria me dominou. Sorrio de lado, e logo o silêncio da casa é quebrado pela campainha alta que ecoou. Resmungo e largo o prato sobre a bancada, rumo até a porta e vejo Nick, Chaz e Ryan do outro lado.

Agora que vai ficar bom, penso.

Pego a chave na mesa de centro e destranco a porta, abrindo a mesma em seguida. Nick fecha a cara ao me ver, enquanto Chaz e Ryan me comprimentam.

一 O que vocês querem aqui? 一 pergunto, jogando-me no sofá.

一 Poderia pelo menos ter colocado uma calça para atender a porta, bro? 一 diz Ryan. 一 Não somos obrigado a ver essa cena ridícula.

一 Fecha a porra da boca. 一 o repreendo, olhando para cima e me certificando de que Emma ainda estava dormindo.

一 Vocês dois… 一 antes de Chaz terminar a frase, abro um sorriso de lado. 一 Ah, meu Deus! Você comeu ela!

一 Emma não transaria com esse ai. 一 diz Nick, me encarando por cima do óculos escuro.

一 James, para de ser otário. Essa é a cara do Bieber pós sexo. 一 Ryan aponta para meu rosto, puxando-me pelo queixo e eu empurro sua mão.

一 Vá até lá e veja você mesmo, assim como fez com Caitlin. 一 o desafio, e ele toma frente e vai até as escadas, subindo os degraus e parando diante da porta entreaberta.

一 Eu tava louco pra reviver essa cena. 一 diz Chaz, correndo em direção a escada e subindo também.

Todos nós subimos, e Nicholas empurrou a porta, vendo Emma dormindo nua serenamente do outro lado.

一 Esse é o Bizzle que eu conheço! 一 Ryan toca na minha mão.

Puxo a porta, e Chaz me impede colocando o pé para que não fechasse.

一 Espera mais um pouco que a cena tá boa. 一 ele sorri e retira o pé quando encara meu olhar mortal. 一 Mas vem cá, ela é chata na cama? Ou é uma pantera? 一 pantera é o apelido que Chaz dava para as garotas que tem cara de santa e entre quatro paredes viram uma coisa totalmente diferente.

一 Não é da sua conta. 一 soco seu braço. 一 E agora? Acredita, Nicholas?

一 Ela é só mais um troféu pra você colocar na sua estante imaginária, não é? Assim como todas são, e você sabe o que vem a seguir. Só digo uma coisa, Bieber: Se ela sair machucada disso, eu vou acabar com você, e não é no sentido figurado. 一 a bicha dá as costas e segue até a porta, deixando a casa.

Ignoro sua ameaça inválida, e volto minha atenção para os caras.

一 O Nick deve estar bufando agora. 一 diz Somers, rindo pelo nariz.

一 Pouco importa. De qualquer forma, quem comeu foi eu. 一 dou ombros e desço, com os dois me acompanhando. 一 E o que vocês querem? 一 levo um cigarro até os lábios e acendo.

一 Ah, viemos avisar sobre o jantar de hoje. 一 Ryan senta ao meu lado e pega um cigarro também.

一 Que jantar? 一 questiono.

一 Ah, Caitlin veio com umas ideias de jantar para todo mundo se juntar hoje á noite. Ela acha que estamos um tanto… distantes. 一 Chaz responde, também pegando um cigarro para nos acompanhar.

一 Já desconfiava que a ideia era dela. 一 reviro os olhos. 一 Quando Emma acordar nós vamos. 一 trago a nicotina e solto em forma de fumaça, relaxando.

一 Mas eai, como ela é na cama, bro? 一 Chaz insiste.

一 Vaza daqui, Charles. 一 digo, calmo apontando com o cigarro para a porta.

一 Qual é! Não vai contar pros amigos? 一 Ryan ergue os braços, sorrindo.

一 Saiam daqui. 一 apago o cigarro na mesa de centro. 一 E não me obriguem a levantar.

一 Tudo bem. 一 Chaz apaga o cigarro e levanta.

一 Você quem manda, chefinho. 一 Ryan zomba, repetindo o mesmo ato.

一 Quero um registro em foto da cara do Milton quando descobrir que sua netinha não é a santa que aparenta ser. 一 Chaz passa pela porta, e eu abaixo a cabeça e dou risada.

一 Ela é santa, o Justin que consegue converter as meninas. Ele é como o Darth Vader do sexo. 一 diz Ryan, também passando pela porta.

一 É, ele usa o sabre de luz para trazer as garotas pro lado negro da força. 一 Chaz completa, e eu caio na risada enquanto caminho até a porta para trancá-la.

一 Dois nerds babacas. 一 digo, antes de fechar. 一 É por isso que vocês dois não transam! 一 grito, recebendo xingamentos e dedos do meio.

Fecho a porta e continuo rindo. Subo as escadas, entro no quarto e pego uma cueca, colocando-a no corpo e me deitando ao lado de Emma. Toco seus cabelos loiros levemente, mas não continuo o ato assim que sinto algo comparado a um choque nos dedos.

Foi estranho, mas ignorei e permaneci deitado de barriga para cima, fitando o teto. Passo as mãos nos meus cabelos, mas percebo que não consigo dormir com alguém ao meu lado. É sempre a mesma sensação de incômodo e limitação.

Odeio isso.

Levanto e desço novamente, desta vez fitando o piano coberto que ocupa metade da sala. A vontade de tocar me preenche depois de anos, e assim faço. Retiro a capa que cobria, e abro a tampa, passando a mão pelas teclas e refletindo se era ou não uma boa ideia. Sento-me no banco estofado e me recordo de algumas músicas que tocava ao lado de meu pai quando ele me levava para a loja de instrumentos que trabalhou por anos antes de decidir se envolver com coisas ilícitas.

Fecho os olhos e respiro fundo, deixando o peso do passado se concentrar em meus dedos e, assim, permitindo que o som invada a casa quieta e calma.


Point of view; Emma.

Sinto o calor do sol que invadia o cômodo aquecer o cobertor fino em que me encontro enrolada. Desperto ao ouvir um som agradável preencher o quarto e penetrar meus ouvidos. Porém, não queria abrir os olhos pois o medo de tudo não ter passado de mais um sonho ainda permanece em meu peito. Torço para abrir os olhos e encontrá-lo ali, deitado, com os cabelos loiros bagunçados e seu rosto inchado pelo sono, mas não é com isso que me deparo. Luto contra a exaustão e abro lentamente os olhos, observando cada canto do quarto á sua procura.

Com uma imensa dificuldade, ergo meu corpo e jogo meus cabelos loiros bagunçados para trás, afastando-os do meu rosto inchado. Passo a mão pelo meu corpo, permitindo que as lembranças voltem e sinto seu toque novamente. Seus lábios em meu corpo, seu corpo no meu… Tudo aquilo motivou o belo sorriso que apareceu em meu rosto, espontaneamente.

Volto a atenção para o som calmo, mas ao mesmo tempo desesperado. Reconheço a música que ecoa pela casa, e sei quem está a tocando.

Meu sorriso aumenta.

Finalmente, ergo meu corpo do colchão confortável, enrolando-o no lençol de cetim e saindo do quarto. Paro no início da escada e o observo de costas, enquanto tocava severamente o piano a sua frente. Desço os degraus com rapidez, mas mesmo assim evitei fazer qualquer barulho para não atrapalhá-lo.

Caminho até ele e paro um pouco antes de chegar perto.

一 É uma ótima música. 一 murmuro, fazendo Justin se assustar e olhar para trás. 一 Inclusive, minha avó adorava tocá-la nos almoços de família, já que meu pai é apaixonado por Beatles. 一 sorrio, mas ele não retribui.

一 Não queria te acordar. 一 diz, voltando o olhar para o piano, deixando praticamente claro que queria evitar contato visual comigo.

一 É pedir demais ser acordada assim todos os dias? 一 brinco, aproximando-me dele e sentando ao seu lado. 一 Por que escolheu Let it be? 一 pergunto, mas ele não me olha. 一 Justin? Aconteceu alguma coisa? 一 repouso a mão em sua nuca, mas ele retira na mesma hora.

一 Essa música me traz algumas lembranças. 一 finalmente, seus olhos pairam sobre os meus, noto a tristeza que ele tenta ocultar. 一 Meu pai me ensinou a tocar. 一 ele engole seco. 一 Acho que isso me aproxima dele.

一 E onde ele está? 一 pergunto, inocentemente.

一 Ele morreu, Walter. 一 suas palavras perfuram meus ouvidos e quebram meu coração.

一 Ah, Meu Deus. Eu sinto muito… Não queria 一 sinto sua mão apertar meu pulso.

一 Não precisa se comover, isso foi há anos atrás. 一 respiro fundo, me praguejando pela pergunta inconveniente. 一 Eu só senti vontade de tocar agora, o que não faço há anos.

一 Então toca. 一 digo receosa.

Seus olhos castanhos voltam para meu rosto, o qual senti queimar e deduzi que minhas bochechas estavam realmente parecendo duas maçãs rosadas.

一 Quer dizer, não é sempre que vem essa vontade, não é? 一 complemento. 一 Então por que não aproveitá-la? 一 Pela primeira vez, sinto sua expressão suavizou.

一 Você tem razão. 一 seus dedos grossos voltam para as teclas. 一 Mas essa música tem um significado para nós dois.

一 Você quer que eu cante com você? 一 rio nasalado. 一 Não mesmo! Deixei de cantar aos cinco anos.

一 Tudo bem. 一 ele deu ombros e começou a tocar. 一 When I find myself in times of trouble, Mother Mary comes to me speaking words of wisdom let it be. 一 sua voz é tão linda que chega a ser indescritível a sensação que senti ao ouvir. 一 And in my hour of darkness, she is standing right in front of me, speaking words of wisdom let it be.

一 Let it be, let it be ,let it be, let it be , whisper words of wisdom 一 canto, envergonhada ao vê-lo olhando para meus lábios. 一 Let it be. 一 digo, lentamente, e Justin para de tocar. 一 Você canta muito bem.

一 Acredita que eu queria ser cantor antes? 一 o encaro, impressionada. 一 Cheguei até a participar de alguns concursos locais, e fiquei em segundo lugar em um deles. 一 estufa o peito, rindo brevemente em seguida.

一 E por que não virou cantor? Seu nome já é bem artístico. Já consigo te imaginar em uma manchete de jornal: “Justin Bieber lota Madison Square Garden”. 一 escuto sua risada hipnotizante. 一 Sem contar com a sua boa aparência. As garotas iam cair em cima.  

一 Larguei esse sonho adolescente quando tive que tomar frente da família. 一 disse, coçando a garganta. 一 Não gosto de falar sobre o meu passado.

一 Então podemos mudar de assunto.

一 Ou podemos não falar, só gemer. O que acha? 一 sinto sua mão na minha nuca, puxando-me para um beijo caloroso.

Logo, Justin me puxa para si e sento em seu colo, sentindo suas mãos exploravam meu corpo enquanto sua língua explora todos os cantos da minha boca. Levo minhas mãos até sua nuca, e deixo o lençol escorrer pelo meu corpo e cair sobre seus pés. Com cuidado, ele ergue seu corpo e me traz junto consigo, conduzindo-nos de volta para o quarto.

Justin empurra a porta, e sem separar nossos lábios, me deita na cama ainda morna. Porém, antes que pudéssemos continuar, um toque irritante invade nossos ouvidos, fazendo-o bufar em meus lábios.

一 Cacete! 一 esbraveja, saindo de cima do meu corpo e pegando o smartphone nas mãos. 一 Fala, Charles. 一 em suas poucas palavras deposita o ódio e a vontade que sentiu de tacar o celular longe. 一 Tá, nós já estamos chegando. 一 Justin finaliza a ligação e solta os ombros, frustrado. 一 Vamos ter que deixar o segundo round pra depois.

一 Por que? 一 faço bico, erguendo o tronco e apoiando meus braços no colchão.

一 Caitlin inventou uma merda de jantar em bando. 一 ele começa a caçar suas peças de roupas pelo quarto. 一 Ela sempre vem com essas de achar que estamos todos distantes.

一 Vai ser bom para todo mundo. 一 levanto-me, indo para o banheiro. 一 Não quer tomar um banho?

一 Já tomei. Te espero lá embaixo, não demora. 一 faço careta, e Justin para o que está fazendo, fitando-me sem entender.

一 Pode ir indo na frente, se quiser. 一 ele joga a camiseta na cama e ri, debochado.

一 Não quer chegar lá comigo, não é? 一 balanço a cabeça, em negação. 一 É ótimo me sentir uma vadia rejeitada. 一 ele coloca uma regata branca e larga.

一 Justin! 一 o chamo, mas ele não dá ouvidos.

一 Tanto faz, Walter. 一 diz, colocando o boné preto na cabeça. 一 Só quero que saiba que uma hora você terá que escolher um lado. 一 Justin sai, irritado, e bate a porta com força.

Solto meus ombros e entro de vez no banheiro, fechando a porta atrás de mim. Fito meu reflexo e me aproximo da pia, apoiando-me na mesma. Odeio admitir, mas Justin está certo, uma hora ou outra Nick ficará sabendo do que aconteceu aqui, e sem dúvidas não irá me perdoar por isso.

Não mesmo.


 


Notas Finais


Quero agradecer pelos comentários do capítulo anterior, muito obrigado galera. Ah, tive muito trabalho para escrever esse hot para vocês (e perdoem pois não sou muito boa com cenas assim), então espero ser recompensada com comentários maravilhosos. Não deixem de aparecer, é super importante saber o que vocês estão achando, ok?

O NOME DO CAPÍTULO É SIM DA MÚSICA PYD DO JUSTIN!!

A música Let it Be é uma das minhas preferidas dos Beatles, então decidi encaixá-la na cena. Pra quem não sabe, o Justin já fez cover dela, vou deixar o link aqui para vocês:

https://www.youtube.com/watch?v=cBGd2vCX5Us


Peço perdão pelos erros, não revisei o capítulo. (Eu e essa mania de postar sem revisar).

Enfim,
Obrigado desde já!

XOXO DA TIA JU <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...