História Dar-se Uma Chance - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Naruto Uzumaki, Sasuke Uchiha
Tags Amizade, Amor, Atração, Lemon, Narusasu, Naruto, Paixão, Romance, Sasunaru, Sexo
Exibições 141
Palavras 5.563
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Festa, Lemon, Romance e Novela, Slash, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Reestruturação dedicada à fran_silva.

Capítulo 5 - Atração (Parte 5 de 9)


Atração – Parte 5/9

 

Atração (substantivo feminino):
1. Ato ou efeito de atrair;
2. Força que faz com que um corpo se desloque para ir a outro;
3. Resultado dessa força;
4. [Figurado] Encanto;
5. Influência (exercida sobre a vontade alheia);
6. [Física] Gravidade;
7. [Astronomia] Gravitação.

 

Naruto parou o carro em uma das poucas vagas disponíveis nas proximidades do festival, nem muito longe e nem perto, uma vez que deveria ter perdido o lugar que tinha estacionado mais cedo. Ele puxou o freio de mão com força e brusquidão, fazendo o barulho da alavanca ecoar alto no espaço silencioso. Largando o tronco no banco, o Uzumaki tentou relaxar os músculos rígidos. Ele estava brincando há alguns minutos, mas o nervosismo estava o comendo vivo naquele momento. Sasuke parecia perceber o peso do seu conflito e não fez questão de amenizar o humor com alguma piadinha abusada e satírica, pelo contrário, ficou ainda mais reservado e pensativo, enquanto encarava o lado de fora com uma concentração fingida.

- Sasuke? – chamou com incerteza.

Olhos negros viraram para encará-lo com seriedade. Ele não sabia dizer o que o homem estava pensando no momento, e isso o deixava ainda mais ansioso.

- Está tudo bem? – indagou, não sabendo ao certo como lidar com a situação.

O moreno suspirou.

- Está pronto para encarar seus amigos agora? – rebateu com outra pergunta, obviamente ignorando a questão anterior.

Naruto mordeu o interior da bochecha e considerou suas opções. Ele não tinha como e o porquê de fugir, parte dos seus amigos tinham visto o que aconteceu na pista de dança... Uma hora ou outra, ele teria de se explicar.

- Só um pouco receoso. – deu um sorriso trêmulo. – Mas, tenho quase certeza que eles vão entender. – sua expressão se tornou repentinamente séria.

Sasuke esperou, como se soubesse que existia algum porém escondido entre sua declaração quase despretensiosa.

- É... – engoliu em seco. – Apenas uma pessoa que me preocupa. – passou a mão direita pelos cabelos, bagunçando-os. – Eu não acho que ele vai aceitar.

O moreno não resistiu ao impulso de passar a mão pelos fios dourados numa carícia suave, sentindo a textura macia das mechas desordenadas. O toque leve no couro cabeludo fez com que os músculos dos ombros bronzeados se soltassem. Naruto suspirou em deleite e alívio.

- Ninguém precisa aceitar nada, dobe. – murmurou tranquilamente. – Entender é um caminho, mas aceitar algo que só diz respeito a sua vida não deveria ser considerado uma opção aqui. – rebateu com seriedade.

- Eu sei... – franziu a testa, enquanto pensava. – É só que, ele é um irmão para mim, entende? – “Eu não quero perdê-lo”, completou em pensamento.

Sasuke o olhou por alguns segundos e respirou fundo, antes de responder:

- Se ele é tão importante e mantém uma conexão tão estreita e valiosa contigo, vai te compreender sem sombra de dúvidas. – sorriu levemente. – Vai ficar um pouco assustado, mas vai te entender.

Naruto o encarou com dúvida e voltou a olhar para frente, distraído.

- Eu espero. – sussurrou, mais para reafirmar para si mesmo que para o outro.

O moreno o estudou por algum tempo, sem saber ao certo o que dizer. Ele não tinha muitos amigos para procurar apoio, apenas Itachi, Juugo e Karin. E, felizmente, para nenhum deles, Sasuke precisou dar explicações; todos eles só sabiam. Contar para os seus pais foi algo mais complicado, porém, nada se comparava com a situação atual. Queria ajudar de forma mais apropriada, mas ele era péssimo em consolar as pessoas, então, faria as coisas do seu próprio jeito.

- É uma pena que todo o relaxamento que conseguimos com o sexo tenha se perdido. – o Uchiha comentou casualmente, dando de ombros, torcendo as sobrancelhas com desprezo e fingindo não querer arrancar um sorriso do “raio de sol ambulante”.

A atenção do Uzumaki rebateu em sua direção com um misto de surpresa e diversão, antes que o riso rouco e grave borbulhasse pelo seu peito. O som gostoso preencheu o espaço fechado, melhorando o clima entre eles. Sasuke até tentou segurar a própria risada, mas não conseguiu.

- Então, acho melhor transarmos de novo, depois que essa tensão acabar. – o loiro respondeu com humor, sentindo-se um pouco mais aliviado.

- Já que você insiste com tanta veemência... – ele deu de ombros, franzindo os lábios para manter uma expressão mais séria.

No entanto, Naruto podia ver os olhos dançarem com alegria indisfarçada, e ele sentiu o mesmo impulso e admiração de quando o Uchiha sorriu pela primeira vez em sua presença. Aquela força que o hipnotizava e gritava em seu interior, coisas que ele não sabia definir o que eram. Era necessidade, vontade de tocar e guardar para si mesmo; ânsia de beber algo que só Sasuke possuía. E ficar viciado para sempre.

O moreno revirou os olhos.

- Você está babando, idiota. – resmungou para amenizar o constrangimento. – É nesse momento que você me beija e me promete que vamos foder com força da próxima vez que ficarmos sozinhos de novo; não parado como um imbecil. – reclamou com impaciência, ajeitando as roupas abarrotadas.

O loiro gemeu e bateu a cabeça no volante.

- Você vai ser a minha sentença de morte, Uchiha. – murmurou com um timbre áspero, antes de se virar para pegar os cabelos escuros e puxar o homem para um beijo faminto e um pouco desajeitado.

As línguas se enrolaram com pressa e sem cuidado. Dentes raspavam na pele dos lábios irritados pelos carinhos anteriores. O casal estava mais familiarizado com o sabor do outro, mas, ainda assim, ansiosos para descobrirem algo novo e diferente, que os fizesse desvendar os segredos mais íntimos para serem compartilhados apenas quando estivessem juntos. O ósculo reacendeu o desejo, mas ambos estavam cientes de que precisavam voltar para o festival, então, se separaram.

Os dois se encararam, como se quisessem entender através dos olhares o que estavam prestes a enfrentar. Arrastando os polegares no maxilar cinzelado no rosto bronzeado, Sasuke tentou lhe passar confiança com um olhar que dizia tudo e nada ao mesmo tempo.

- Vamos? – ele indagou com a voz rouca, ainda afetado pelas carícias e beijos que tinham trocado há poucos instantes.

Naruto engoliu em seco.

- Precisamos mesmo? – brincou, fazendo uma cara de cachorro abandonado.

- Sim. Não seja um bichano. – o Uchiha respondeu, abrindo a porta do carro e saindo antes que o loiro pudesse retaliá-lo pela ofensa. No entanto, ele ainda pôde ouvir um “HEY!” indignado e abafado pelo veículo recém-fechado.

 

(***)

 

Sasuke sabia que pelo menos três ou quatro amigos de Naruto tinham visto os dois saírem juntos, no entanto, quando ambos chegaram onde os outros carros estavam estacionados, parecia que todos estavam cientes do que aconteceu. Os olhares os acompanharam analíticos, como se todos esperassem que eles reafirmassem o que suspeitavam através de alguma atitude inconsciente; uma troca de afeto significativa e indireta.

Mesmo sob a música forte da pista de dança não muito longe deles, o silêncio parecia rastejar sobre a pele como um aviso gritante.

O pior de tudo é que a aparência desengonçada deles não estava os ajudando a convencer os outros que nada demais tinha acontecido. Assim como Naruto, Sasuke parecia abarrotado, com o cabelo desgrenhado e os lábios inchados e vermelhos pelos beijos selvagens que tinham trocado mais cedo. Além disso, o moreno ainda ostentava um chupão escuro destacado na pele clara.

- O que você pensa que está fazendo?! – alguém gritou com raiva à esquerda e eles se viraram para olhar a origem do som repentino.

- Kiba... – o loiro começou com cautela.

- Não me venha com essa, cara, o que pensa que está fazendo?! – questionou novamente com raiva e, depois, focou sua atenção no Uchiha. – Foi você, não é? Você o influenciou! – acusou, avançando para pegar o homem pelo colarinho da jaqueta e empurrá-lo.

- KIBA! – as meninas e Naruto gritaram em uníssono.

Sasuke engoliu em seco para manter o temperamento na baía. Uma coisa é ser atacado verbalmente, mas ele não tinha dado a liberdade para que o outro o agredisse fisicamente. Era algo que o Uzumaki precisava resolver e, por ele, o mais velho se manteria calmo. Ao menos, aparentemente tranquilo, porque seu interior estava se armando em autodefesa de forma automática.

Ele conseguiu ficar de pé, enquanto assistia Naruto agarrar os ombros do seu amigo num abraço forte; obviamente visível pelos músculos tensos sob a pele.

- Kiba, para! – o loiro pediu sem fôlego, tentando puxar o homem para longe do Uchiha, que parecia prestes a atacar também. – Sasuke não tem nada a ver com as minhas escolhas. É comigo que você precisa falar! – insistiu, puxando o rosto do outro para deslocar a atenção feroz que ele dirigia no homem.

- Como ele não tem nada a ver com suas escolhas? Até algumas horas atrás, você era hétero! – rebateu, empurrando o melhor amigo com o rosto torcido em repulsa. – Não me toca! – exigiu com uma voz calculada e fria que contrastava completamente com o seu humor há poucos segundos.

Mesmo que Naruto não quisesse deixar seu melhor amigo ir, ele se afastou. A dor da rejeição queimado seu peito e fazendo seus olhos arderem.

- Kiba... – murmurou como se não pudesse acreditar no que estava vendo.

- Você não está sendo coerente, Inuzuka! – a voz de Neji se fez ouvir, calma e diplomática como sempre. – Nada muda entre nós, se Naruto decidiu sair com o Uchiha agora. – declarou com força para demandar autoridade.

A atenção do Uzumaki rebateu na direção do Hyuuga com um olhar de gratidão e surpresa. Um sorriso pequeno e trêmulo, que não chegou a atingir os olhos, rompeu o rosto marcado por cicatrizes como forma de reconhecimento diante da declaração do homem.

- Ele está com medo que Naruto o transforme agora. Sua sexualidade é assim tão frágil? – a voz profunda de Sasuke se fez ouvir como se anunciasse o caos, incapaz de se manter mais um minuto em silêncio. Pelo seu olhar panorâmico, ele pôde ver Juugo se aproximar devagar para defendê-lo se fosse necessário.

- Sasuke, cale a porra da boca! – Karin gritou de algum lugar.

Kiba o encarou por alguns minutos em silêncio, os olhos ferozes e raivosos, antes de decidir que faria o homem engolir o que tinha dito. Sua mente a mil, quando ele correu em direção ao Uchiha com tudo o que tinha, mas, antes que pudesse chegar para socar o rosto aristocrático, um corpo colidiu com o dele e o fez perder o equilíbrio.

Ele tentou chutar a pessoa que o tinha impedido de chegar ao seu objetivo, no entanto, o ângulo que ele tinha caído era desfavorável para qualquer investida mais agressiva. Suas pernas e braços debatiam às cegas, tentando tirar o peso que o impedia de se mover livremente. Em seu campo de visão limitado, viu um tufo de cabelo dourado.

- Eu já falei para você não tocar em mim! – gritou. – Me solta, desgraçado!

Uma multidão começou a se formar ao redor do grupo de amigos, para verem o que estava acontecendo, mas ninguém se importou.

- Kiba! – a voz de Ino se fez ouvir acima das vozes dos recém-chegados.

Como se acionado por um comando instantâneo, o Inuzuka parou e olhou na direção onde sabia ser a origem do chamado inconfundível. A mulher o olhava com decepção, os cabelos loiros bagunçados, devido à ansiedade e agitação, e o rosto vermelho de nervoso. Antes que ele percebesse, Naruto foi tirado de cima dele por Gaara e Shino o puxava pelos braços.

Ele olhou para trás e viu as meninas rodearem o seu melhor amigo. Pelo visto, Kiba tinha acertado o cotovelo na maçã do rosto bronzeado, porque havia um pequeno corte estragando a feição masculina.

- Desaprendeu a brigar como homem agora que virou mulherzinha? – indagou com um sorriso vicioso ao ver os olhos azuis se estreitarem, perigosos.

Ele sabia que em breve o Uzumaki perderia a calma.

- Eu vou te mostrar como é brigar como uma mulherzinha. – Karin se levantou pronta para arrancar a cabeça da pessoa que machucou o seu primo.

- Karin – a voz tranquila de Sasuke chamou, enquanto ele se aproximava do loiro caído no chão. –, nós precisamos colocar gelo nisso aqui. – murmurou, se abaixando para ficar ao nível dos olhos de Naruto.

Os dois se encararam profundamente, fazendo todos os presentes se sentirem como intrusos no meio de toda a cena. Mesmo mais afastado, Kiba engoliu em seco e se sentiu intimidado com a forma com que os dois se olhavam; como se conversassem em silêncio. E ele se sentiu ainda mais irritado.

Levantando-se e batendo em Shino para que o soltasse, ele saiu cambaleando no sentido contrário à pista de dança, precisava ficar um pouco sozinho.

- Sasuke-san¹? – uma voz suave quebrou o silêncio pesado que cresceu entre o grupo, depois que o Inuzuka saiu sem dizer nada a ninguém.

Todos olharam para Hinata, que corou furiosamente com a atenção repentina e estendeu um saco com gelo envolto em uma toalha lilás. O moreno agradeceu e pegou o pacote para pressioná-lo no rosto bronzeado. Naruto nem registrou a ação, continuou a encarar a direção onde seu melhor amigo tinha saído, com pesar e medo cravado em seus olhos claros.

Sasuke suspirou; sempre tinha alguém para complicar o que era simples.

 

(***)

 

Naruto entrou na barraca onde as meninas estavam dormindo, procurando um penteado familiar e inconfundível. Ele pôde ver Karin e Ino dormindo no mesmo colchão inflável e Hinata encolhida em um saco de dormir no quarto esquerdo. Temari e TenTen ainda estavam em algum lugar da pista de dança com Gaara, Kankurou, Lee, Neji e... Kiba. Virando-se para a direita, ele chutou o tênis num canto qualquer e entrou na outra repartição que disponibilizaram para Naruto, Sasuke e Juugo.

O moreno estava deitado em um canto, parecendo mais relaxado, e seu amigo descansava em outro, tão tranquilo quanto o Uchiha. Com um suspiro cansado, ele puxou a manta térmica que cobria Sasuke e se acomodou de encontro ao homem. Ele aspirou o perfume suave na nuca pálida e fechou os olhos.

- Eu estava começando a me perguntar quando você se cansaria. – o sussurro rouco se fez ouvir, mesmo com a música abafada que ainda tocava.

Naruto sorriu com diversão e roçou o nariz nos cabelos curtos, arrancando um gemido preguiçoso e o sentindo apertar seus braços num claro sinal de deleite.

- Quem disse que eu estou cansado? – murmurou perto da orelha, empurrando a pélvis de encontro o traseiro ainda vestido por uma calça jeans. – Eu não me importaria de transar de novo agora.

Sasuke prendeu a respiração com a investida descarada e espalmou uma das mãos no abdômen do loiro para criar certa distância.

- Eu acho que criei um monstro. – brincou e se virou para olhá-lo diretamente nos olhos. – Está tudo bem? – indagou, tocando o corte na maça do rosto para indicar sobre o que se referia. Ele só esperava que a ferida não criasse outra cicatriz, pois ia estragar o desenho bonito dos bigodes na bochecha marcada.

Naruto suspirou.

- Está. – respondeu, circulando a cintura com os braços para aproximar ainda mais os corpos. – Só um pouco chateado, mas vai passar. – confessou depois de um tempo em silêncio. – Eu já esperava que ele reagisse assim.

O moreno o encarou por um tempo, analisando a feição distante e pensativa, antes de puxá-lo para deitar a cabeça em seu peito.

- Sem sexo, enquanto temos companhia. – rebateu, mudando de assunto para um tópico mais leve a fim de minimizar o clima tenso.

Naruto gemeu lamentavelmente e Sasuke lhe deu um tapa como resposta.

 

(***)

 

Quando Sasuke acordou de manhã, ele estava sozinho no quarto da barraca. Nem mesmo Juugo o acompanhava. Por uns segundos, o moreno pensou em voltar a dormir, mas a música ainda batia alta do lado de fora, e ele não estava tão cansado a ponto de cair no sono de novo, era mais a preguiça de levantar mesmo. Com um suspiro meio irritado, ele se sentou no colchão de ar e notou que tinha esvaziado consideravelmente ao longo da noite.

Em sua mochila, ele procurou por uma camiseta, porque pelo calor abafado e a claridade, sabia que estava quente. Aliviado por trocar as roupas sujas da noite anterior, saiu para encontrar o restante dos amigos e Naruto. No outro cômodo, Karin e Ino ainda dormiam tranquilamente, uma abraçada à outra. Ele quase riu ao vê-las juntas. Elas tinham se tornados melhores amigas da noite para o dia e foram se tornando mais apegadas à medida que as horas corriam. Sua amiga vivia criticando o grupo em que seu primo andava, mas se ela tivesse se abrido antes, talvez teria encontrado essa nova amizade mais cedo também.

Ela cresceu tão acostumada com Sasuke, Juugo e a família de Naruto, que se esqueceu de olhar em volta para as outras pessoas.

Na praia, as pessoas ainda andavam e dançavam e o lugar parecia ainda mais cheio agora que estava claro. Olhando em volta, ele viu os dois Hyuuga e Kiba perto de um Mercedes SLK² grafite. Dando um aceno para cumprimentá-los, ele se aproximou e ignorou que há algumas horas, o Inuzuka tinha o agredido para “defender” a honra de seu melhor amigo. O moreno estava pouco se fodendo para o que o homem pensava, ele só queria saber onde o Uzumaki estava.

- Bom dia, Sasuke-san. – Hinata sorriu. – Você está com fome? Montamos uma mesa ali com o café da manhã. – apontou para uma tenda ao lado do carro de Shino. – Simples, mas é o que deu para trazer com os recursos que tínhamos.

Ele sorriu de volta, fingindo não perceber a forma como o olhar de Kiba pesava em sua pele. Neji parecia distraído, mas o observava pelo canto dos olhos.

- Na verdade, eu estava procurando pelo Naruto. – confessou.

Alguém bufou um riso.

- Ele está ali. – o Hyuuga apontou para o mar. – Eu achei que ele estava quieto demais nesse festival, mas ele voltou a fazer bagunça logo de manhã.

Sasuke olhou e mordeu a língua para não rir também. O loiro estava puxando a perna de Lee para derrubá-lo na água com a ajuda de TenTen. Junto ao sol, o cabelo e o corpo molhados pareciam brilhar; Naruto definitivamente o lembrava de um dia quente de verão. O moreno apostaria tudo o que tinha – e ganharia – que os olhos azuis ficavam ainda mais fascinantes sob o dia claro.

- Você está babando, Uchiha. – uma voz interrompeu sua linha de raciocínio, e ele ficou meio surpreso que era Kiba quem tinha falado como se não tivessem brigado naquela noite.

- Se ele não babasse, eu ia achar muito estranho. – uma voz feminina, que não era da Hinata, se fez ouvir às suas costas. – Naruto é realmente atraente, e eu não canso de dizer isso, mesmo para a testuda.

Ele se virou e viu Ino sorrindo maliciosamente. Kiba franziu a testa.

- TEME! – a voz de Naruto se fez ouvir e tornou Sasuke realmente consciente da atenção que estava recebendo nos últimos segundos.

O loiro veio correndo em sua direção e enlaçou os braços em seu pescoço num abraço esmagador. Ele grunhiu, devido o impacto dos corpos se chorando.

- Dobe, você está todo molhado! – reclamou com uma careta, mas segurou a cintura com as mãos para mantê-lo onde estava.

- Você não vai ficar seco por muito tempo também. – rebateu, tentando puxar a camiseta que o Uchiha vestia e aproveitando para passar a mão na barriga lisa.

- Naruto... – tentou afastá-lo e segurar a roupa no lugar. – Eu ainda vou comer alguma coisa e escovar os meus dentes! – resmungou com a voz irritada.

O homem parou e o encarou.

- Bem que eu senti um cheiro estranho. – divagou.

Sasuke bateu a base da palma da mão na testa do Uzumaki, semelhante a um golpe de caratê, chamado Teisho³. O loiro foi impulsionado para trás. O som de uma gargalhada masculina interrompeu a briga do casal, e os dois se viraram para ver Kiba enxugando as lágrimas. O riso contagiou as pessoas em volta e todos começaram a rir também, exceto Naruto, que fez uma careta.

- Para quem estava brigando há algumas horas, ambos estão bem unidos para me agredir, não é? – acusou com o dedo em risque para apontar os traidores.

- Foi mal, cara – o Inuzuka começou. –, mas vocês dois são muito engraçados. – confessou com um sorriso meio divertido, cauteloso e arrependido.

O grupo encarou os três e saiu silenciosamente, sabendo que eles precisavam de um tempo para conversar sobre o que aconteceu na noite passada. O loiro franziu o cenho e os lábios, encarando o melhor amigo com receio.

- Kiba... – o Uzumaki começou.

- Não. – o homem interrompeu. – Eu lhe devo um pedido de desculpas. Para os dois, na verdade. – admitiu, encarando o Uchiha também. – Eu só fiquei meio surpreso e... Assustado, talvez? – perguntou, sentindo-se um pouco perdido e muito constrangido ao mesmo tempo. – Achei que as coisas entre nós seriam diferentes, entende?

Sasuke mordeu a língua para rebater, afinal, apesar de estar meio envolvido no assunto, ele não fazia parte dessa discussão de relacionamento.

- O que exatamente você achou que mudaria, Kiba? – Naruto indagou; seu tom impaciente os fazendo perceber que estava falando sério. – Eu continuo sendo a pessoa que você conhece. Só dormi com Sasuke e isso não muda o que sou como pessoa. – o Inuzuka se encolheu com a sinceridade de suas palavras. – Um pouco diferente, quem sabe, porque descobri algumas coisas novas sobre mim que eu desconhecia, mas eu continuo o mesmo.

- Eu sei, eu fui um idiota... – franziu os lábios. – Não sei o que eu pensei.

“Ou não pensou”, completou o Uchiha em pensamento.

- Você só ficou enciumado, pensando que eu te trocaria pelo desgraçado. – o Uzumaki fez uma cara de falsa inocência e Sasuke virou os olhos, já sabendo o que viria a seguir. – Eu não vou te abandonar, punk. – murmurou com uma voz forçadamente doce e passou a mão no rosto tatuado.

- Eu... – Kiba começou com relutância e parou antes de concluir o que ia dizer. – Argh, sai daqui! – bateu no braço do outro para afastar a carícia. – Eu estava falando sério, imbecil! – reclamou.

Naruto deu um sorriso de raposa.

- Eu sei disso. – finalizou simplesmente, puxou o melhor amigo pelo pescoço e lhe deu um selinho nos lábios, antes de sair correndo de volta para o mar com o Inuzuka logo atrás, gritando impropérios.

Sasuke rolou os olhos novamente e se virou na direção oposta para conversar com pessoas normais ao invés de lidar com dois idiotas.

 

(***)

 

- E, então...? – depois de muito tempo andando sem rumo e em silêncio, Karin não aguentou esperar. Ela estava morrendo de curiosidade e queria respostas.

- E, então, o quê? – Sasuke indagou, observando com calma a água cristalina ir de encontro aos seus pés. Suspirou em deleite.

- Você e o meu priminho... – deu a dica com uma sobrancelha erguida.

- Sim...? – ele quase sorriu ao provocá-la.

Normalmente, era Karin que o tirava do sério, no entanto, era ele quem estava puxando as cordas agora. Apesar de diverti-lo, o Uchiha não estava enrolando apenas para irritá-la. Ele realmente queria guardar o que acontecera, mais para manter as coisas para si mesmo por egoísmo puro.

- Como foi? Você tomou a iniciativa? Por que vocês dois sumiram de carro? Eu quero saber! – a Uzumaki começou a jorrar de uma só vez.

- Hn. – ele nem se deu o trabalho de responder, começou a andar novamente como se ela não estivesse interrompendo a quietude de sua caminhada.

- OH-MEU-DEUS! Vocês fizeram muito mais que ficar?! – constatou assustada. Ela conhecia Sasuke há anos para reconhecer seus maneirismos.

- Pra que responder essa pergunta se já sabe a resposta? Às vezes eu lamento o fato de você me conhecer demais... – ele resmungou.

- Estou chocada! Você conseguiu levar meu primo para “cama” em questão de horas! – rebateu e sua expressão mudou de surpresa para interesse tão rápido, que o moreno temeu pela estética facial da amiga. – Não é à toa que você está com esse brilho todo! E ele te deixou uma marca bem bonita aqui. – apontou para a parte do pescoço pálido. – A coisa toda deve ter sido maravilhosa! – comentou, abanando-se.

- Não vou te contar os detalhes. – afirmou de antemão, colocando as mãos nos bolsos da bermuda e parando de andar para encará-la.

Ela sorriu e abanou a cabeça negativamente, dispensando o assunto.

- Você parece feliz... – observou a expressão relaxada e estoica de Sasuke.

- Você tinha razão, eu precisava me divertir um pouco. – admitiu. – Seu primo é uma ótima companhia e nós nos divertimos muito esta noite. – sorriu, sabendo que a ruiva entenderia o significado por trás da frase simples.

Karin gargalhou.

- Essa é uma das partes sobre a vida de Naruto que eu preferiria não saber. – brincou. – E como ele está lidando com tudo? Pretendem se ver de novo? – ela ainda estava ávida de curiosidade. – Naruto não é casual sobre sexo. – contou com certa preocupação.

- Eu acho que vamos nos ver de novo. – “Eu espero!”, completou mentalmente. – Ele não me pareceu arrependido e ainda mostrou interesse em me encontrar de novo, quando insinuei sobre o assunto; se é o que está perguntando.

- Quando ele mete alguma coisa na cabeça, ninguém tira... – Karin sorriu e deu de ombros. – Eu te disse que você iria gostar dele. – balançou as sobrancelhas sugestivamente. – Só não tente acabar algo bom que pode estar começando, Sasuke... – ela murmurou de repente.

- Eu não sei o que está começando, Karin. – franziu a testa com impaciência. – Não quero apressar nada.

- Eu sei. – riu da careta que ele fez. – E sei também que você ainda está com a traição do Suigetsu na cabeça. – quando ela o viu abriu a boca para retrucar, continuou. – Meu primo pode ser um idiota, mas ele é muito leal a tudo o que acredita, portanto, não tente afastá-lo antes de lhe dar uma chance, ok? Naruto é muito emocional e se está tão determinado assim, quer dizer que, ao menos, gosta de você e te valoriza... – seu tom se tornou sério. – E eu posso ser sua amiga, mas isso não me impede que eu te castre caso ele saia magoado.

Ele acenou silenciosamente, sabendo que aquilo era algo sério para Karin.

- Eu não estava pensando em afastá-lo, Karin... – ele disse repentinamente. – Eu realmente gostei dele, não só pela aparência; pelo jeito, tudo! – lambeu os lábios secos, não querendo divagar demais sobre algo que não podia entender ao certo. – Eu só... – pausa reflexiva. – Acho que ele vale a tentativa, entende? Eu não quero um relacionamento ainda, mas, ainda assim, eu quero tentar.

- Hm... – sinalizou, sorrindo como se soubesse algo que Sasuke desconhecia, antes de bater no ombro do outro e sair correndo. – Quem chegar por último no acampamento, estará fazendo o jantar e o almoço pela semana inteira!

- Vadia. – resmungou, começando a correr com uma clara desvantagem.

 

(***)

 

Naruto estava batendo os tapetes de borracha para retirar o excesso de areia que ficou no chão do carro, quando viu Sasuke se aproximar com um cigarro preso entre os lábios rosados. Já tinha anoitecido há algum tempo, mas alguns ainda decidiram ficar para aproveitar o máximo da praia. Ele preferiu dar um jeito nas coisas, antes de começarem a se arrumar para irem embora.

O festival tinha acabado no final da tarde e uns poucos grupos circulavam na costa do mar, conversando e rindo sem parar sobre alguma besteira qualquer. Ele sentiria falta do que viveu naquela noite, pois, com certeza, aquelas horas estariam marcadas em sua memória. Parecia o marco do fim e do começo de algo que ele desconhecia.

- Hey. – o Uchiha murmurou, tocando a curva de suas costas e batendo a boca na bochecha marcada num beijinho singelo.

O loiro sorriu.

- Hey!

- Nós estamos indo. – informou com um sorriso leve.

- Ah... – umedeceu a boca seca com a língua. – Vai direto para Nagano?

- Sim, temos aula logo pela manhã... Se dermos sorte, vamos chegar antes das três da madrugada... – Sasuke colocou as mãos nos bolsos, sentindo-se um pouco acuado por não saber como agir.

- Vai com cuidado. – puxou carinhosamente uma mecha da franja comprida que emoldurava o rosto pálido.

- E você também... – murmurou, sentindo uma mão rastreando a sua bunda, mas antes que pudesse protestar, o contato parou.

Naruto tinha puxado seu celular do bolso traseiro e digitava alguma coisa. Um toque de outro telefone começou e repentinamente parou. O loiro guardou o aparelho onde estava e aproveitou para dar um aperto leve na nádega macia.

- Pronto. – ele sorriu maliciosamente. – Agora você tem o meu número e eu tenho o seu. Vou te ligar amanhã para marcarmos algo pra fazer no final de semana. – puxou o cigarro dos lábios do outro e deu uma longa tragada.

- Como um encontro? – o moreno sorriu presunçosamente e se aproximou com uma expressão lasciva, empurrando o corpo masculino até encostá-lo no carro.

- Como um encontro. – enlaçou os braços no pescoço pálido.

- Um jantar romântico com sobremesa e tudo? – ele murmurou perigosamente, mordendo o lóbulo da orelha do Uzumaki, que se arrepiou em resposta.

- Com sobremesa e tudo. – apertou os braços para aproximá-los ainda mais.

- Eu não gosto muito de doces, como vamos resolver isso? – Sasuke acariciou as laterais do tronco vestido, sentindo as ondulações das costelas por cima do tecido de algodão.

- Do que você gosta? – afastou-se para fixar o olhar nos orbes escuros.

- Gosto de coisas quentes... – deu um aperto na bunda firme, deixando claro sobre o que se referia. – E apimentadas... – lambeu os lábios lentamente.

- Vocês estão querendo me traumatizar para a vida?! Já não me basta ter de viajar em um carro que cheira a porra! – gritou uma voz masculina de dentro do veículo, fazendo Naruto corar a ponto de suas orelhas ficarem vermelhas.

Sasuke olhou divertido para a timidez repentina do outro.

- Cala a boca, Kiba, vai se despedir do pessoal e me deixa! – o loiro exclamou indignado. Ele ouviu o amigo estalar a língua em contrariedade, murmurar um “Eu já fiz isso!” meio irritado e se afastar com passos pesados.

- Acho que ele estragou nosso clima... – Naruto murmurou com um bico.

O moreno balançou a cabeça afirmativamente, pegou o cigarro de volta e deu um selinho na boca vermelha.

- Me liga. – ordenou com um olhar que não admitia recusas e se virou para ir até o Mitsubishi Lancer Evolution X de Karin.

 

(***)

 

Naruto não parava de pensar sobre o que tinha acontecido naquela noite. Ao mesmo tempo em que se sentia confuso, existia uma certeza que ele não sabia ao certo de onde vinha. Foi um conjunto de momentos, desde que conhecera Sasuke, que parecia ter mudado tudo em sua cabeça, a forma como ele via as situações e a maneira como pensava. Ele sempre tinha sido uma pessoa muito certa e aberta com relação à sua própria sexualidade, mas percebeu que ainda tinha muito que aprender.

Conhecer o Uchiha o fez enxergar e entender que havia um mundo inexplorado sobre si mesmo, e a percepção, por mais surpreendente, não o assustava, pelo contrário, deixava-o ainda mais sedento por esse algo que desconhecia. Sabia que podia estar sendo precipitado em considerar o que tinha vivido especial e profundo, levando-se em conta que ambos tinham sido completamente casuais sobre o sexo. No entanto, o Uzumaki nunca experimentara tamanha conexão com outra pessoa em sua vida.

Entrando na rua onde Kiba morava, Naruto estacionou o Mustang 68 na frente da casa amarela para cutucar o amigo e acordá-lo.

- Hey, lobisomem!

- Hmm... Entendi! – o moreno bocejou, espreguiçou-se e abriu a porta do carro. – Obrigado pela carona! – agradeceu com um sorriso. – Sonhe com a princesa!

- Cala a boca! – franziu a testa. – Sasuke não é uma princesa!

- Calma, eu estava só brincando! – ele ergueu as mãos para o alto em sinal de rendição. – Só quis dizer para dormir bem e ter bons sonhos. – deu um sorriso malicioso e balançou as sobrancelhas sugestivamente. – He lick me like a lollipop. – cantou, trocando a letra de “Lollipop” do Lil’ Wayne para se encaixar no contexto, e saiu correndo em meio aos risos, antes que Naruto decidisse socá-lo.

Kiba pegou a mochila no porta-malas e voltou a falar depois de alcançar uma distância segura do carro:

- Só não pense muito e viva, Naruto, não é isso o que você faz de melhor? – deu de ombros e sorriu. – Dê tempo ao tempo, aproveite, seja feliz e o que tiver de ser, será. Se acharem que vale a pena tentar, o que vocês têm a perder? – lançou a pergunta, antes de entrar.

O loiro mordeu o lábio inferior para segurar um sorriso, enquanto via o melhor amigo sumir de vista. Kiba o surpreendia às vezes, mesmo com tantos anos de convivência. Com uma nova perspectiva em mente, pescou o celular no bolso dianteiro da calça jeans.

 

(***)

 

Sasuke estava cochilando no banco traseiro do carro de Karin, quando sentiu o telefone vibrar. Estranhando o horário do contato, ele decidiu checar se não era uma emergência:

“Gosta de lamén? Acho que sei o que podemos fazer no final de semana!”.

O moreno sorriu levemente e balançou a cabeça negativamente em diversão, antes de digitar uma resposta:

“Essa é a sua ideia de jantar romântico, dobe?”.


Notas Finais


San¹ - usado para se referir a alguém de mesma faixa etária ou hierarquia profissional. Aplica-se tanto a homens como a mulheres, e a tradução mais próxima ao português é senhor e senhora.

Mercedes SLK² - o conceito "SLK" deriva da missão da Mercedes-Benz em criar um veículo que fosse ao mesmo tempo esportivo, leve e baixo (em alemão: Sportlich, Leicht und Kurz).

Teisho³ - um golpe semelhante à um soco, porém, executado com a mão aberta, e tem como área de impacto a base da mão. Ele é normalmente utilizado para atingir o rosto, queixo, costelas e plexo solar.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...