História Dark Angel [Jikook] - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), EXO
Personagens Personagens Originais
Visualizações 275
Palavras 2.336
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Ficção, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oláaaa
To de volta com mais um capitulo pra voces depois de um tempao hauhauab sorry

Capítulo 4 - Capitulo 4


Descendo a avenida a toda velocidade ,passei pela minha casa ,fiz o contorno e me dirigi de volta ao centro .Peguei rapidamente meu celular e disquei para Taehyung.

-Aconteceu algo...eu...não sei....o...o carro....

-Não estou te entendendo. O que houve, Minie?

Sequei o nariz nas costas da mão. Me tremia da cabeça aos pés.

-Ele apareceu do nada.

-Ele quem?

-Ele... – tentei controlar minha respiração. -Pulou na frente do carro.

-Caramba. Caramba ,caramba. Você atropelou um veado? Está tudo bem com você? E o Bambi? – ele meio que choramingava. -O Range?

Abri a boca ,mas Tae me interrompeu.

-Deixe pra lá. Tenho seguro. Mas me diz que não tem pedaços de veado no meu filho...Nenhum pedaço, né?

As palavras que eu iria dizer, desapareceram. Eu comecei a considerar a hipótese de ter sido realmente um veado. Eu não queria mentir pro Tae, mas também não queria parecer maluco. Como explicaria que vi o cara que atropelei se levantar e arrancar a porta do carro? Baixei a gola do casaco, não havia marca alguma na região em que ele agarrara.

Voltei a mim num susto. Iria negar o que acontecera? Eu tinha certeza do que havia visto. Não era imaginação.

-Que louco. – disse V. -Você não respondeu. O bicho está preso no farol, é isso? Você está dirigindo com o coitado do veado preso na lataria?

-Posso dormir aí?

Só queria ir pra algum lugar, queria tentar esquecer o que houve.

-Estou no quarto. – disse. -Entre quando chegar .Até logo.

Segurando o volante com força, acelerei o carro em meio a chuva, rezando para que o sinal estivesse verde. E estava, voei pelo cruzamento , seguindo olhando para frente ,espiando de vez em quando pelas laterais. Não havia ninguém.

Dez minutos depois, estacionei na garagem de Tae. A porta do veículo estava tão danificada que precisei empurrá-la com os pés e sair. Fui correndo ate a porta da frente, tranquei e desci até o subsolo.

Tae estava sentado na cama de pernas cruzadas, com o caderno sobre as mesmas e fones no ouvido.

-Será que devo ver o prejuízo hoje a noite ou devo ter pelo menos sete horas bem dormidas? – exclamou sem me olhar.

-Opção numero 2.

Tae fechou o caderno com força e tirou os fones.

-Vamos lá.

Quando chegamos lá fora, fiquei olhando o carro por um bom tempo. Senti um forte arrepio, que eriçou todos os pelos do meu corpo. Não havia sinal de qualquer dano em lugar algum do veículo. Nenhum amasso sequer.

-Tem algo errado. – eu disse. Mas V não ouviu. Estava ocupado inspecionando cada centímetro do Range.

Dei um passo e levei a mão a janela do motorista. O vidro estava intacto. Fechei os olhos, quando os abri novamente, a janela continuava intacta.

Dei a volta por trás do carro. Uma volta de quase 360 graus, quando parei de repente.

Uma minúscula fenda dividia o para-brisas.

Tae notou aquilo.

-Tem certeza de que não foi um esquilo? Ou então um besouro?

Os olhos letais daquele cara vinham a minha mente. Eram tão escuros que não transmitiam absolutamente nada. Seus olhos eram negros. Negros como...os olhos de Jungkook.

-Olha só ! Estou chorando de felicidade. – disse Tae,se jogando contra o capô do carro. -Um arranhãozinho de nada. Só isso.

Forcei um sorriso, mas meu corpo tremia.Eu estava assustado.

Quanto mais eu tentava me lembrar do acidente, mais minha mente se embaraçava. Os detalhes desapareciam feito mágica. Eu já não sabia mais como ele era.

Eu não conseguia lembrar...e isso era o mais assustador.

Na manhã seguinte, Tae e eu saímos de casa as 7h15 e dirigimos até o Wang’s Bistrô para tomar leite quente. Com as mãos em volta da xicara de porcelana, tentei afastar o frio que me consumia por dentro. Tinha tomado um banho longo, vestido uma camiseta branca e um moletom azul marinho. Calças claras e uma bota preta.

-Não olhe agora. – disse Tae. -Mas o carinha de cabelos platinados não para de olhar pra ca. Se não for gay, é cego. – olhou de canto pro cara. -Ih...está olhando pra você. Deu um sorrisinho. Que graça.

Eu só conseguia pensar na droga do acidente da noite anterior. Meus pensamentos estavam tomados por isso, meus olhos estavam pesados pela noite mal dormida. Não conseguia dar atenção a mais nada.

-O de cabelo platinado parece interessante, mas o cara ao lado dele parece aqueles adolescentes rebeldes. -Tae fez careta. -Ele parece filho do drácula. Olha aquela cara.

Levantei os olhos apenas o suficiente para espiar, sem dar bandeira, vi o rosto bonito, de traços finos. O cabelo estava bagunçado. Olhos castanhos. Sorriso ladino. Impecavelmente vestido com uma jaqueta jeans e calça escura.

-Você é louco. – eu disse.

-Não viu aqueles olhos? O cabelo atrapalhado? O corpo alto e esguio? Talvez seja alto o bastante pra mim.

Taehyung é alto, pelo menos perto de mim, ele é bem alto.

-Ok. O que há de errado? – ele perguntou. -Esqueça o que houve com o carro, foi só um arranhão. Tira essa cara de merda daí.

Cogitei em contar a verdade para Tae, mas ele não acreditaria em uma só palavra. E o problema, era que ate eu mesmo não sabia mais se aquilo era verdade.

-Fique atento. O carinha platinado está se levantando da cadeira. Olha o corpo, deve frequentar academia diariamente. Ele está vindo pra cá, com os olhos nas suas coxas, ou melhor , em você.

Menos de um segundo depois fomos saudados com um “Olá” em tom baixo.

Tae e eu olhamos ao mesmo tempo. O platinado estava de pé perto da nossa mesa, com os polegares no bolso da calça jeans. Tinha olhos claros, e cabelos atraentemente desarrumados. Não era coreano.

-Olá . – Tae disse animado. -Sou Taehyung. Esse é Park Jimin.

Fiz uma careta pro meu amigo. Qual a necessidade de ter dito meu sobrenome pra um desconhecido? Acenei rapidamente com a cabeça e voltei minha atenção pra xicara em minhas mãos.

Ele arrastou uma cadeira da mesa do lado e se sentou de costas, apoiando o braço no encosto. Estendeu a mão para mim e disse:

-Sou Tom Landers. – apertei a mão dele, achando aquilo formal demais. -E esse é Donny. – acrescentou , movimentando o queixo na direção do amigo.

Donny se abaixou para se sentar ao lado de V.

-Você é bem alto...não dói a coluna? – ele disse ao garoto, que o olhou de canto.

Tom pigarreou.

-Querem comer algo? Eu pago.

-Estou bem, obrigado. – dei um meio sorriso.

-Preciso me abastecer, porque não sei como é o refeitório da SHS ( Seul High School)

Tae quase derramou o leite.

-Você estuda na SHS?

-A partir de hoje. Acabei de ser transferido pra lá. Vim da Califórnia.

-Eu e Jimin estudamos lá. – Tae disse.

Decidi que estava na hora de ir embora. Donny estava obviamente entediado. Arregalei os olhos ao olhar no relógio do celular e falei:

-Está na hora de irmos pra escola,Tae. Precisamos estudar pra prova de biologia. Foi um prazer conhecer vocês, garotos.

-Mas a prova de biologia é só na sexta. – disse Tae.

Fiz uma careta interna. Por fora, sorri amarelo.

-Isso. Quis dizer prova de matemática. Sobre aquele calculo novo...aquele...la.

Estava na cara que era mentira. Fiquei incomodado por ter sido um pouco grosseiro, principalmente porque os garotos não haviam feito absolutamente nada.

-Espero que tenha um ótimo primeiro dia, Tom. – disse para ele.

Puxei Taehyung pelo cotovelo e o arrastei até a porta.

O horario de aulas estava quase se encerrando. Só faltava a de biologia, e depois de passar rapidamente em meu armário para trocar os livros, corri para a sala. Tae e eu chegamos antes de Kook. Tae deslizou no assento vazio onde era pra ele estar, começou a revirar a mochila, até retirar uma caixa de balas coloridas.

-Hora de uma fruta vermelha. – disse me oferecendo a caixa.

-Deixe ver...canela é fruta? – afastei a caixa.

-Você também não comeu nada no almoço. – fez uma cara feia.

-Não estou com fome.

-Mentiroso. Você sempre está com fome. Isso tem a ver com Kook? Você acha que ele realmente te segue? Porque ontem, na biblioteca, eu estava zoando com você.

Massageei as têmporas em pequenos círculos. Uma forte dor na cabeça me atingia ao ouvir aquele nome.

-Kook é a menor das minhas preocupações. – disse, mas não era verdade.

-Meu lugar, com licença.

Tae e eu levantamos os olhos ao mesmo tempo ao ouvir a voz de Jungkook.

Ele soou bastante educado, mas não parou de encarar Taehyung enquanto ele se levantava e pendurava a mochila no ombro. Kook gesticulou para o corredor, convidando-o a sair do caminho.

-Lindo como sempre. – disse para mim ao sentar na cadeira.

Recostou-se, estendendo as pernas diante de si. Eu já havia percebido que ele era alto, mas nunca havia pensado qual era sua altura. E o olhando assim, parecia ter não menos que 1,85.

-Obrigado. – respondi sem pensar.

Imediatamente quis engolir minhas palavras. Obrigado? De qualquer resposta que eu poderia ter dado, essa era a pior. Não queria fazer Kook pensar que eu gostava de seus elogios. Por que eu não gostava...na maioria das vezes. Eu sabia que esse garoto era pura encrenca, e nem precisa o conhecer para saber disso. Talvez se eu o ignorasse, ele desistiria de me encher o saco. Eu adoraria ficar ao lado dele, em silencio, como meros desconhecidos.

-Também está com um perfume gostoso. – ele disse.

-Se chama chuveiro. – eu mantinha meu olhar a frente. Como ele ficou em silencio, me virei para o lado, o encarando de forma séria. -Sabonete, shampoo e agua.

-Nu. Sei como é.

Abri a boca para retrucar, mas fui interrompido pelo sinal.

-Guardem os livros. – disse o técnico, sentado a mesa. -Vou entregar um questionário para se prepararem para o teste de sexta.. – ele parou diante de mim, lambendo o dedo tentando separar as folhas. – Quero 15 minutos de silencio enquanto respondem as perguntas. Depois seguimos para o capitulo nove. Boa sorte.

Respondi as primeiras perguntas num ritmo de fatos memorizados. Os exercícios haviam prendido minha atenção, me fazendo esquecer um pouco do acidente. Parei de escrever um pouco, a fim de descansar a mão que usava o lápis, quando senti Kook se curvar em minha direção.

-Você me parece cansado. Noite ruim? – sussurrou.

-Vi você na biblioteca.

Tornei a escrever sobre a folha, mostrando estar entretida com o trabalho.

-O ponto alto da minha noite.

-Estava me seguindo?

Ele jogou a cabeça pra trás e riu suavemente.

-O que estava fazendo ali?

-Pegando um livro emprestado.

Senti os olhos de Kwan sobre mim e tornei a voltar a atenção ao exercício. Kook continuava me observando. O olhei de canto e ele sorriu.

Meu coração deu um pulo, atingido por aquele sorriso insanamente sedutor. Fiquei tão sem chão, que deixei cair o lápis. Kook se curvou para pegá-lo. Segurou com a palma da mão, e prendi a respiração ao tocar sua pele ao pegar o objeto de volta.

-Depois da biblioteca, onde você foi? – sussurrei.

-Porque?

-Você me seguiu? – questionei em tom baixo.

-Você parece assustado, Jimin. O que houve? – suas sobrancelhas se ergueram em ar de preocupação. Mas no fundo de seus olhos havia um tom zombeteiro.

-Você está me seguindo?

-Porque eu ia querer seguir você?

-Responda minha pergunta.

-Jimin..

O tom ameaçador do técnico me fez voltar a mim, mas eu ainda queria saber qual era a resposta de Kook. Queria ir para o maia longe o possível dele. De preferencia para outro planeta.

O som agudo do apito foi ouvido.

-Acabou o tempo. Passem o questionário para frente. Terão questões semelhantes na sexta feira. E agora. – bateu uma palma aguda, me fazendo estremecer. -Vamos cuidar da lição do dia. Sr. Kim , gostaria de apresentar nosso tema?

-S-E-X-O – anunciou Tae.

Assim que ele terminou de falar, saí do ar. Kook estava me seguindo? Seria ele o cara do acidente? Se fosse...o que ele queria? Comecei a sentir um frio intenso, que me fez cruzar os braços com força. Só queria que minha vida pacata voltasse a ser como era antes de Jungkook aparecer.

No fim da aula, não o deixei sair da sala.

-Será que podemos conversar?

Ele estava de pé, e se sentou na beira da mesa.

-O que houve?

-Sei que não quer ser meu parceiro mais do que eu não quero ser seu parceiro. Acho que talvez , Kwan considere uma mudança de lugares se você falar com ele. Se explicar a situação...

-A situação?

-Não somos...compatíveis.

Ele passou a mão no queixo. Um gesto de avaliação que se tornara comum para mim.

-Não somos?

-Não estou dando nenhum furo de reportagem aqui.

Quando o técnico me pediu uma lista de características desejáveis em um parceiro, descrevi você.

-Retire o que disse.

-Inteligente. Atraente. Vulnerável. Você discorda?

Ele estava me provocando. Era fato.

-Vai pedir a ele ou não?

-Claro que não. Me apeguei a você.

O que eu ia dizer diante disso? Ele estava tentando me provocar alguma reação. Mas eu nunca sabia se ele estava brincando ou sendo sincero.

Tentei bancar o durão, reforçando minha voz.

-Acho que se daria melhor com outra pessoa.

-Mas eu poderia acabar caindo com o V. – sorriu sarcastico. -Não vou arriscar.

V apareceu na nossa mesa, dividindo o olhar entre mim e o Kook.

-Interrompo?

-Não. – disse fechando a mochila. -Estavamos falando do trabalho.

-Como sempre, muito estudioso...Sr. Park. Sei que está mentindo. -Tae me encarou cruzando os braços.

Kook começou a rir.Como se eu fosse idiota.

-Precisa de mais alguma coisa, Jimin? – perguntou.

-Não. – respondi. -Até amanha.

-Mal posso esperar. – ele piscou. Ele realmente piscou.

Quando ele já estava longe, Tae agarrou meu braço.

-Boa noticia, consegui uma copia da pasta de fichas de alunos do ultimo ano.

-E?

-E que agora podemos descobrir mais sobre esse garoto super estranho o qual você fica babando e que meche bruscamente com o seu psicológico.

-Você está ficando maluco.

-Vai querer investigar ou não?

-E adiantaria eu dizer que não?

Ele negou, com um sorriso vitorioso.


Notas Finais


Dark Angel vai demorar pra sair capitulo sim,ate eu terminar a outra fic (IDNL)

Acho que o capitulo 5 so sai depois da outra fic terminar...ou seja...daqui um mes mais ou menos.

But....ate o proximo 😉


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...