História Dark Crystal - Capítulo 18


Escrita por: ~

Postado
Categorias Mitologia Grega, One Direction, Zayn Malik
Personagens Harry Styles, Liam Payne, Louis Tomlinson, Niall Horan
Exibições 22
Palavras 3.985
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Crossover, Ficção, Magia, Mistério, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Heterossexualidade, Nudez
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir culturas, crenças, tradições ou costumes.

Capítulo 18 - I Need You


   Como poderia chover em um local onde supostamente não havia céu? Crystal não conseguia explicar tal fenômeno, mas as gotas que se chocavam contra o vidro da porta da sala não deixavam dúvidas. Uma tempestade se aproximava. Inacreditável. 

 -Como isso é possível? 

Serena, que dava instruções a alguns dos empregados presentes no salão, virou-se para a loira com uma expressão confusa. 

-Isso o quê?

-A chuva. É meio impossível que possa chover no submundo.

A morena revirou os olhos e aproximou-se encarando pela vidraça da saída as nuvens assumindo um tom cada vez mais cinzento. Serena naquele dia usava roupas comuns, especificamente um par de calças cintura alta e uma blusa branca de alças douradas que lhe davam um toque elegante. De acordo com ela, a viagem de Crystal seria um ótimo pretexto para a deusa do amor sair um pouco do submundo e resolver alguns assuntos pendentes.

Crystal sentiu-se um pouco culpada ao perceber que a sua chegada àquele estranho mundo havia acarretado em uma série de obrigações e problemas para os seus novos amigos. Se a sua vida estava de cabeça para baixo não poderia imaginar o quão pior era a situação daquelas pessoas que acordavam e deitavam-se todos os dias imaginando novas formas de evitar uma grande guerra.

Por essa razão, vê-la ali, vestida e pronta para um tempo de descanso, era reconfortante. 

Serena encarou a paisagem com uma expressão preocupada antes de fechar as cortinas e se afastar.

-Nada é impossível para deuses. O meu tio está requisitando a minha presença no Olimpo. -Explicou ela enquanto caminhava em direção a uma prateleira de madeira e retirou dali uma caixa de jóias.

-Tio?

 -Sim, tio, também conhecido como Zeus, Júpiter ... ou seu pai.

Crystal revirou os olhos com o termo "pai". Ela não considerava Zeus o seu pai. Como poderia? Não foi ele quem a criou e lhe contou histórias antes de dormir. Ele não segurou a sua mão para atravessar a rua ou lhe ajudou a andar de bicicleta pela primeira vez. Não. Ele não era o seu pai. Jamais poderia ser.

-Achei que outros deuses não poderiam ultrapassar os limites do submundo. Somente Morfeu.

-Ah, eles não podem. Se Zeus está manifestando os seus poderes aqui é porque o seu noivinho permitiu.  A loira franziu a testa e aproximou-se de Serena questionando:

-Harry? Por que ele faria isso?

-Hades e Zeus têm uma estranha relação de amor e ódio. Estão sempre brigando, mas quando você menos espera, eles estão lá juntinhos conspirando.

-O que posso fazer? -Interrompeu a voz rouca de Harry de repente adentrando na sala com um sorriso irônico no rosto. -Irmãos são assim. Brigam, se afastam mas se amam.

-Com Louis você não é assim. -Retrucou Serena com um biquinho nos lábios.

-Louis não compreende o nosso tipo de diversão. Ele acha que uma briguinha já é o fim do mundo. -Brincou ele erguendo uma das sobrancelhas e rodeando a cintura de Crystal com os seus longos e fortes braços. -Não tem fogo interior.

Crystal esticou o corpo de forma a ficar nas pontas dos pés e grudou os seus lábios nos do deus em um rápido selinho antes de Serena pigarrear:

-Er, casal? Sei que sou a deusa do amor mas eu não sou obrigada a assistir cenas amorosas aqui na sala.

Harry revirou os olhos e respondeu ironicamente:

-Fecha os olhos.

-Idiota. -Retrucou ela sem conseguir deixar de esconder um sorriso quando Harry puxou Crystal pela mão até os corredores.

Ele a tocava como se estivesse na presença da peça mais delicada e valiosa de uma exposição de arte. A dedicação e carinho eram óbvios no seu olhar. E, apesar de muitas vezes reclamar da fofura do casal, o início daquele romance representava esperança para Serena e todos os outros do submundo.

-Até quando planeja ficar aí espiando? -Perguntou instantes após a saída de Harry e Crystal.

 A garota de longos cabelos pretos, pele pálida e desenhos lunares pelo corpo saiu da escuridão que a ocultava dentre as cortinas da porta principal.

-Parece tensa demais para alguém que está prestes a ter algumas semanas de descanso, Hanny. -Murmurou Afrodite estreitando os olhos curiosa.

Hanny caminhou pela espaçosa sala com o seu belo vestido escarlate até a janela mais próxima observando a tempestade que devorava a escuridão lentamente.

-Não estou com um bom pressentimento sobre essa viagem. Sinto que... Algo vai dar errado.

-Você não deveria ser tão pessimista, sabia? -Reclamou Serena revirando os olhos e tomando as mãos da amiga nas suas -Vai dar tudo certo, Hanny. Precisa pensar positivo. Harry e Crystal precisam relaxar um pouco e explorar esse novo sentimento que está surgindo entre eles. Quando voltarem vão estar mais unidos do que nunca e Crystal estará pronta para iniciar os preparativos para o casamento. Eles se amam, querida... Vai dar certo.

Hanny manteve a testa franzida em sinal de preocupação. O seu olhar estava distante e a expressão fechada.

-Não teria tanta certeza disso, Serena.

-E por que não? 

Os olhos negros da parca finalmente encararam a deusa do amor revelando tristeza e dor pelo desconhecido.

-Porque muitas vezes o próprio amor se destrói em um relacionamento. 

Ela caminhou até a saída melancolicamente virando-se um última vez para dizer:

-Gostaria de ser mais positiva,  minha amiga, mas não posso mentir. Até a próxima lua cheia do mês esse amor passará por águas turbulentas e será testado de diversas formas. 

-Harry a ama demasiadamente. Não vai aceitar perdê-la.

-Talvez esse seja o problema.
***************************************

-Vem logo!

-Espera, Hazz!

Os gritos e risos dos dois deuses ecoavam pelos corredores e parecia colorir a escuridão do Palácio. A loira não conseguia conter as suas gargalhadas ao ser puxada cada vez mais rapidamente pelo rapaz a sua frente. Ele estava bastante animado com a viagem. Passara semanas organizando listas e lhe contando os seus planos.

E Crystal entendia a razão de tal excitação. Não era só uma viagem. Era o primeiro passo para concertar tudo o que estivera errado por milênios. Se tudo ocorresse como planejado, Harry voltaria para casa com dois novos aliados e um povo ainda mais esperançoso.

Seria a semana perfeita.

-Por que me trouxe aqui afinal? -Perguntou ela abraçando-o por trás e descansando a testa em suas costas.

Harry havia parado em frente a porta dupla de seu escritório, o qual Crystal tinha visitado poucas vezes após o primeiro beijo do casal. Era escuro e bagunçado, talvez o cômodo mais bagunçado do palácio. Havia livros espalhados por todos os lugares e as paredes eram tonalizadas com uma estranha coloração marrom-avermelhada. 

-Eu estive fazendo muitos planos nessa última semana...

-Não me diga! -Interrompeu ela revirando os olhos e recebendo um pequeno empurrão do rapaz que exibia um sorriso brincalhão nos lábios. -Estou brincando. Vai, continua.

-Tudo bem, como eu estava dizendo, eu andei pensando em muitas coisas essa semana... Principalmente no que você me disse no Jardim de Perséfone e percebi que não é só você que se sente dessa forma. Eu passei tanto tempo preso por essas paredes cheias de lembranças que acabei me trancando para o resto do mundo também.

-Hazz. -Sussurrou a loira acariciando o rosto do rapaz.

-É verdade, Crystal. Nós dois sabemos disso. E isso é bom porque talvez se eu não tivesse errado tanto no passado poderia não estar com você aqui e agora.

Crystal inclinou o seu rosto rapidamente roubando um pequeno beijo do deus o deixando com um sorriso nos lábios. 

-Bem, por isso eu achei que seria melhor se adiantássemos um pouco o nosso processo de mudança. Quero estar em nosso novo lar logo após o casamento.

A garota franziu a testa surpresa.

-Mas, Harry, o casamento será daqui a 2 semanas.

-Eu sei, por isso precisamos adiantar algumas coisas. Vem comigo, quero te apresentar alguém.

Os dois caminharam até uma mesa escondida por altas estantes de livros onde um homem encontrava-se sentado. Ao ouvi-los chegar ele ergueu os belos olhos castanhos e sorriu serenamente tendo os seus lábios emoldurados por uma rala barba escura.

-Finalmente! Vocês demoraram um pouco. -Disse o indivíduo que agora visto de perto mostrava-se ser jovem. Talvez tão jovem quanto Harry.

-Crystal, esse é Liam, um grande amigo.

Ela acenou timidamente sem saber, de repente, o que fazer com as mãos. A primeira coisa que chamou a atenção de Crystal foi o fato de Liam ter olhos calorosos. Eram surpreendentemente diferentes dos de Louis, que escorriam sarcasmo, dos de Harry, repletos de charme, e dos de Zayn, cuja escuridão refletia o mistério. Não. Os olhos de Liam eram daquele tipo que te fazem pensar em uma lareira aconchegante e um café quentinho. Eles eram cheios de fogo. Mas um fogo sereno e controlado que parece estar ali somente para o seu conforto.

-Então você é a famosa Crystalina. -Comentou ele estudando-a meticulosamente.

-Hã…Na verdade, eu prefiro Crystal.

-É claro...Crystal… soa bem. Quantos anos tem afinal? 18?

-Dezesseis.

Liam não pôde conter a expressão de surpresa com a idade da garota. Ela era muito jovem e mesmo assim parecia estar enfrentando toda a situação muito bem de acordo com os relatos do deus do submundo.

Harry guiou Crystal até a mesa do escritório e trocou um aperto de mãos com Liam.

-Crystal, ele ficará encarregado de nos ajudar com a construção de um novo lar. Liam nos acompanhará até o Palácio de Poseidon para que possa entender o que exatamente queremos.-Explicou o deus da morte.

Crystal assentiu e ofereceu um sorriso para o rapaz enquanto dizia:

-Muito obrigada pela ajuda, Liam. Tenho certeza que nos daremos muito bem.

-Eu também, Crystal. Ainda mais se você for tão… interessante… quanto Louis sugeriu.

-Louis tem falado de Crystal? -Perguntou Harry franzindo a testa confuso.

-Sim, o tempo todo. Na verdade ele anda meio estranho nos últimos dias. Meio enigmático demais para ele mesmo. Achei que a visita de vocês poderia animar um pouco o rapaz, principalmente a sua já que ele parece tão… encantado com você, Crystal.

E dessa forma Liam roubou as palavras de ambos os deuses. A garota estava feliz por saber que tinha conquistado a afeição de um dos grandes amigos de Harry mas admitia que era estranho descobrir que ele pensara de forma tão intensa nela.

-Ahn… Uau. Incrível, também estou muito feliz com a minha provável futura amizade com Louis. Ele realmente parece ser uma companhia adorável. -Comentou Crystal tentando quebrar a tensão do momento. -Mas então... Quando vamos partir?

Harry, que parecia perdido em seus próprios pensamentos voltou a focar os seus belos olhos esverdeados em Crystal. Eles estavam levemente escurecidos, o que fez a loira recuar por um instante. Ela passara tempo o suficiente com ele para reconhecer os seus… Ataques. Mas seja lá o que estava se aproximando, foi espantado para longe rapidamente quando Harry fechou os olhos por um instante e respirou fundo. Ele já havia se acalmado.

Sorrindo meio envergonhado o deus aproximou-se de Crystal e beijou-lhe a bochecha sussurrando em seu ouvido:

-Eu estou bem. Prometo.

-Tem certeza? -Perguntou a menina demonstrando dúvida.

-Sim, eu apenas perdi o controle por um momento. 

Ela assentiu com pouca confiança e deixou-se ser guiada por Harry até a saída enquanto o mesmo falava:

-Bem, está na hora. A carruagem nos espera.

-Que carruagem?

-Você vai ver.
************************************************

Era uma carruagem emoldurada de escuridão e puxada por cavalos de pelo tão negro quanto ela. 

"Um transporte adequado para o Rei do Submundo", pensou Crystal ao se aproximar do veículo no pátio do Castelo. 

A loira já estava ali há um tempinho. Harry e Liam estavam um pouco mais afastados conversando em uma língua desconhecida para ela, provavelmente grego. Ao que parece o privilégio de entender grego antigo era restrito aos semideuses do Rick Riordan porque para ela eram apenas palavras incoerentes.

-Então, está ansiosa? 

Crystal soltou um suspiro em um sobressalto. Hailee estava logo atrás dela a encarando com um sorriso animado.

-Você quase me matou de susto.

-Sinto muito. -Ela não parecia estar arrependida -Mas então… Está ansiosa?

-Para a viagem? Não tanto quanto você está por mim.

Hailee deu um sorriso envergonhado enquanto ganhava um tom rosado em suas bochechas.

-Estou sendo meio idiota, né? Eu sei. É que faz tanto tempo que não deixo o palácio.

Crystal assentiu compreensiva. Harry havia lhe explicado que as almas não podiam deixar o submundo já que, pelas leis, aquela era a única dimensão que poderia abrigar espíritos e fantasmas. Devia ser horrível passar séculos e séculos preso em um local como a Terra dos Mortos. Pensando nisso, a garota tentou consolar Hailee:

-Ah, aposto que o Reino de Poseidon deve ser uma chatice. Você vai ver, vou estar de volta daqui a algumas semanas mais entediada do que nunca.

-Duvido muito, a última vez que estive lá foi… -Hailee interrompeu-se ao perceber o que tinha falado.

-Como assim da última em que esteve lá? -Questionou Crystal assistindo a morena abrir a boca algumas vezes somente para fecha-la novamente.

-Olha, eu acho que Lou está precisando de mim na cozinha.

-Não, espera! Você já esteve no Reino de Poseidon antes? 

-Ah, sim. Foi há muito tempo atrás mas… sim.

Crystal franziu a testa explicitamente confusa ao gaguejar:

-Mas co…como?

-Bem, lembra quando eu te contei que Niall me pediu em casamento?

Hailee aguardou a loira assentir para continuar a sua explicação.

-Então… Ele estava bem animado com a ideia na verdade. E para conseguir que o plano desse certo ele pediu autorização dos deuses para me levar para jantar com os 3 grandes deuses, Hades, Poseidon e Zeus. Por isso precisei visitar o Olimpo e a morada de Louis. 

-Nossa! Eu realmente não entendo. Se Niall já estava tão decidido a casar com você, por que largou tudo para se juntar a Zayn?

Hailee deu de ombros e passou a mão por seu avental branco.

-Eu penso nisso todos os dias. Todos aqui dizem que ele nunca me amou, estava apenas me usando mas… Harry me contou uma vez que antes de partir Niall teve uma grande discussão com um dos 3 grandes deuses por conta do nosso noivado. 

-Quem você acha que foi?

-Não sobram muitas opções. Louis gostava e nós dois juntos e Harry, além de ter minha total confiança, também era melhor amigo de Niall. Só resta Zeus.

Crystal sentiu uma raiva crescer em seu peito. Quanto mais ouvia falar sobre o Rei dos céus mas frustrada ficava. Aquele indivíduo não podia ser seu pai, não mesmo!

-Mas enfim, é por isso que eu digo que você vai amar a morada de Louis. É um pouco extravagante mas você precisa se animar um pouco.

-É, acho que realmente preciso. -Admitiu vendo Harry encerrar a conversa com Liam e se aproximar dela abrindo um fraco sorriso aos poucos.

Pelo visto a conversa não havia sido boa.

Preocupada, Crystal devolveu o abraço que ele lhe deu.

-Hazz, aconteceu alguma coisa? -Sussurrou em seu ouvido obtendo como resposta apenas um abraço mais forte. -Harry? Me diz o que houve.

Mas o deus não parecia ouvi-la. Ele afastou-se um pouco apenas para acariciar o seu rosto e fios de cabelos como se tivesse um peça delicada de porcelana em suas mãos. 

-Όχι, όχι ... δεν θα σας αγγίξει. Δεν θα επιτρέψω τα πάντα μου.

Aquilo era grego.

E Harry sussurrava o idioma estranho fervorosamente sem nunca deixar de tocá-la.A cena, apesar de tocar o seu coração,também a assustou. Era estranho ser causadora de tamanho desespero com apenas 16 anos.

-Crystal! -Liam chamou aproximando-se e pela tensão repentina no corpo a sua frente ela sabia que aquilo não daria certo.

-Esquece, Liam! Já falei que não! -Rosnou Harry virando-se para o amigo raivosamente.

-Hazz, você precisa se acalmar. O que aconteceu?

Ele a ignorou. Mas Liam lhe respondeu:

-Precisamos da sua ajuda, Crystal. Só você pode fazer isso.

-Você está surdo ou o quê?! Qual parte do "Esquece, Liam" você não entendeu?

Harry começou avançando impiedosamente para cima do rapaz de cabelos castanhos e Crystal soube que precisava agir.

Como um impulso involuntário, ela ergueu dois dedos da mão e palavras saltaram de seus lábios fazendo todo o local vibrar:

-Nunc stans!

E pronto. De repente, Harry estava parado. Paralisado. Seus pés presos ao chão e o seu olhar brilhando em confusão.

-Ora ora ora. Por que você não me disse que ela já havia aprendido a dominar os seus poderes, Harry? -Liam perguntou soltando um riso impressionado e batendo palmas.

O Deus dos Mortos forçou a barreira que lhe prendia até estar livre novamente e balançou os braços tentando se livrar da dor. Aquela era uma magia detestante.

-Porque ela ainda não aprendeu, Liam. -Respondeu Harry voltando-se para Crytal um pouco bravo. -Quando aprendeu a fazer isso?

-Eu…eu…eu não sei. Juro! Foi um…

-Impulso? -Sugeriu Liam parecendo cada vez mais animado. -Ah, Harry! No início eu podia até concordar com você em alguns aspectos mas agora?! Não dá mais. Crystal é poderosa. Já está falando latim! Latim! Ela pode muito bem se proteger sozinha.

-Não!

-Sim.

-Liam, cale a boca. -Resmungou Harry irritado com as gargalhadas do amigo.

-Ok, alguém pode me explicar o que está acontecendo aqui? -Perguntou Crystal começando a ficar irritada por estar sendo excluída da conversa pela super proteção de Harry. Mas ao contrário dele, Liam se mostrava contente em lhe contar detalhes de toda a situação:

-O que está acontecendo, mon amour, é que nós descobrimos a localização de Morfeu e precisamos de alguém para convecê-lo a permanecer ali até eu o alcançar… e essa pessoa é você.
************************************************

-Não sei se consigo fazer isso. -Murmurou Crystal ao terminar de ouvir o plano de Liam.

-Mas é claro que consegue. Primeiro que Morfeu jamais faria mal a você. 

-Ah, claro que não. -Resmungou Harry irritado em um canto afastado. 

Ele realmente havia ficado chateado com o fato de Crystal aceitar escutar o plano de Liam para deter Morfeu. 

-Além disso… -Prosseguiu Liam ignorando o deus carrancudo. -Você sabe se defender pelo que mostrou aqui. Mesmo que esses poderes sejam só impulsos tenho certeza que eles irão se manifestar caso acredite que esteja correndo perigo.

Crystal soltou um suspiro forte e enterrou o rosto por entre os dedos. Ela havia passado tanto tempo se escondendo de Morfeu e agora teria que não só vê-lo como visitá-lo por um tempo indeterminado

-Por quanto tempo terei que ficar indo lá? -Questionou a garota com a voz abafada pela própria mão.

-Não muito, alguns dias talvez. Ele está fora do mundo dos sonhos mas ainda se encontra em uma dimensão difícil de alcançar.

Harry levantou-se de seu canto e finalmente caminhou até Crystal envolvendo a sua cintura de forma familiar.

-Sabe que não precisa ir, não é? Ele não pode te obrigar a nada. -Sussurrou próximo ao seu ouvido fazendo-a sorrir.

-Não. Eu preciso ir. -Ela se afastou dele e tocou-lhe o rosto carinhosamente -Vou me tornar uma rainha daqui a algumas semanas. Tenho que fazer alguns sacrifícios.

Os dois encararam um ao outro por alguns instantes até Harry finalmente corresponder o sorriso de Crystal dizendo:

-Quando foi que você ficou mais madura do que eu?

-Não faço a menor ideia mas suponho que finalmente o aluno superou o seu mestre.

E com um último flerte Crystal finalmente virou-se para Liam de forma confiante:

-Tudo bem. Estou pronta. O que devo fazer?

-Ótimo! Como eu te falei, não é muito complicado mas você precisa estar concentrada. Pensar nele mas não só pensar. Chamar por ele mas ao mesmo tempo não chamar. Tem que parecer acidental. Morfeu preciso acreditar que você o chamou acidentalmente por estar pensando nele. Porque precisava dele.

-Tá, mas como faço isso? -Perguntou ela dando de ombros.

-Apenas pense nele. Chame-o.Mas primeiro vamos entrar na carruagem, vocês precisam viajar agora se não chegarão atrasados e Harry já tem compromissos daqui a algumas horas.

Crystal assentiu e seguiu os dois até o veículo preto. Maldição! Como pensaria nele sem realmente pensar?

Harry abriu uma das portas e aguardou Crystal entrar e acomodar-se para só depois fazer o mesmo. Era uma carruagem bem espaçosa, na verdade. Dois bancos, um acomodado de frente ao outro, janelas e espaço suficiente para esticar as pernas se assim desejasse. Liam sentou na sua frente e Harry ao seu lado segurando-lhe uma das mãos atenciosamente.

-Está pronta, querida? -Perguntou os moreno de plhos castanhos.

-Ahn…Ok… estou pronta. Vamos lá.

Liam sorriu com a tensão da garota e pediu-lhe para começar fechando os olhos.

-Isso. Agora respire fundo e procure na sua mente algo que você pense que Morfeu possa te ajudar. Eu sei que é difícil mas qualquer coisa serve. Só pense.

Ajudar? Como ele poderia ajudá-lá? Ela teve pesadelos com ele por anos de sua vida depois do que aconteceu com os seus pais. Morfeu causava-lhe arrepios. Pensando nisso, Crystal abriu os olhos sorrindo irônica:

-Não posso fazer isso. 

-Crystal…

-Não! Ele nunca me ajudou. Como posso buscar a ajuda de um monstro? -Questionou irritada.

Liam a encarou pacientemente e aguardou o seu ataque e fúria passar para continuar:

-Procure a sua primeira lembrança de Morfeu. Você não pode ter odiado ele de primeira.

A loira comprimiu os lábios e ergueu uma das sobrancelhas em desafio.

-Por favor.

Ela tentou manter a sua marra por mais algum tempo mas diante da súplica do rapaz foi impossível. Liam tinha olhos bonitos. Realmente bonitos. E antes mesmo que mais uma surpresa resolvesse atacar aquele dia, Crystal viu-se fechando os olhos e concentrando-se em suas memórias.

A lembrança mais antiga que tinha de Morfeu. Não foi preciso pensar muito para lembrar-se. Lá estava a imagem de uma pequena garotinha deitada no chão em frente a sua casa incediada e um deus ajoelhado ao seu lado. Imediatamente a dor dominou o peito de Crystal. Ajuda? Como ele a ajudou naquele momento? Tirou o seus pais e deixou-lhe sem explicações por anos!

Ela precisava encontrar algo de bom sobre Morfeu mas a tarefa parecia se tornar sem solução. Algo de bom, algo de bom, algo de bom…

Morfeu usava branco naquele dia, o que era ridículo visto que ele preferia os tons mais escuros. Mas por que ele usara essas roupas? Não fazia sentido. 

Concentrada, a garota franziu a testa buscando mais detalhadamente a cena em sua mente. O que mais lembrava daquela noite? A sua perna estava machucada e ela havia entrado em desespero ao ver a casa incediada. No entanto, Morfeu lhe sussurrou palavras que a confortaram.

  "Morfeu, pode me escutar?"

  Não porque ela tenha se sentido protegida. Na verdade, nunca havia estado tão desprotegida em sua vida. Mas ele a fez sentir algo bem melhor que conforto. Pela primeira vez em sua infância Crystal acreditou ser forte o suficiente para enfrentar qualquer coisa. Não estava com medo mas ansiosa para salvar os seus pais e descubrir o que aquele moreno misterioso queria com ela.
  

 "Queria que estivesse aqui."
 

Pensando bem, sempre que estava com Morfeu a garota sabia que era forte. Ele fazia isso. Confiava nela. Diferente de Harry que lhe protegia tão ferozmente quanto um filósofo protege a sua verdade. Isso a fazia se sentir de porcelana.
  

"Zayn? "

Sabia que era errado comparar Harry com Morfeu mas não tinha escolha. Para conseguir realizar a sua tarefa precisava encontrar um forma de "precisar" do deus dos sonhos e não via nada mais além daquilo. Harry a amava mas Morfeu a fortalecia. E nesse momento, Crystal se sentia fraca, sem forças o suficiente para encarar um casamento e uma guerra entre deuses. Ela precisava de poder. Precisava dele.

"Zayn…por favor. Eu… preciso de você. Preciso de você, Zayn."

Aquele pensamento foi forte e absoluto. Paralisou o seu corpo por alguns instantes fazendo ela esperar ansiosa. Entretanto por vários instantes, que pareceram séculos, nada aconteceu. Estava quase abrindo os olhos quando sentiu uma sensação familiar preencher o seu interior. Só uma pessoa lhe fazia sentir aquilo. 
 

  "Estou aqui, sweetheart. Sempre estarei."
 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...