História Dark Paradise (Newtmas) - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Dylan O'Brien, Teen Wolf, The Maze Runner, Thomas Sangster
Personagens Ava Paige, Lydia Martin, Malia Tate, Minho, Newt, Sonya, Thomas
Tags Dylan O'brien, Dylmas, Maze Runner, Newtmas, Thomas Sangster
Visualizações 50
Palavras 5.948
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Festa, Ficção, Lemon, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olá, meus amores !

Antes de começarem a ler esse capítulo delicinha que preparei pra vocês, gostaria de deixar um aviso: as aulas da faculdade voltaram e eu estou já muito cheia de trabalhos e tudo o mais 😢 MAS NÃO VOU DEIXAR DE ESCREVER E NÃO VOU DEIXAR VOCÊS NA MÃO! Só gostaria que entendessem que se por um acaso eu não conseguir postar os capítulos pontualmente em uma semana, é por conta da minha faculdade mesmo, mas pretendo enviar certinho pra vocês, ok?

Sei que todos os meus capítulos são beeem longos e esse ficou maior ainda kkk mas se estão lendo até aqui, talvez estejam acostumados com a minha escrita, que seguirá sempre esse jeitinho mesmo. ❤

Enfim, fiz com muito carinho esse capítulo e teremos algumas surpresas! 🤗
Espero que gostem.
Boa leitura ! 🤓💗

Capítulo 7 - "Every teardrops is a waterfall."


Fanfic / Fanfiction Dark Paradise (Newtmas) - Capítulo 7 - "Every teardrops is a waterfall."

P.O.V. Thomas

Tenho certeza de que não foi fácil para o meu loirinho passar o resto do dia trancado em casa com a Sonya de cara amarrada. Não podemos em nenhum momento culpá-la, é claro. Ficamos tão envolvidos em nosso momento juntos, que nos esquecemos completamente de que tínhamos chegado até ali com mais uma pessoa e um cachorro. Aliás, Chuck está completamente exausto! Correu mais do que está acostumado hoje, pois Sonya e ele precisaram ficar dando voltas e mais voltas no parque tentando encontrar Newt e eu. Ela ficou puta da vida quando descobriu que estávamos confortáveis, nos divertindo na hamburgueria sem nem nos darmos conta de que tínhamos nos esquecido de alguém. 

Mas eu tentei consertar tudo, é claro.

Antes de voltarmos para o apartamento, comprei um sorvete de casquinha recheada para ela. Embora isso pareça ter amolecido seu coração, ela ainda jogava olhares nervosos em Newt, que estava a todo momento evitando encará-la.

Águas passadas.

No dia seguinte, os Sangster tiveram o seu primeiro dia de aula na faculdade. Não incomodei Newt com mensagens para não desconcentrá-lo. Eles saíram atrasados, pois posso jurar ter ouvido passos apressados no corredor dos elevadores, enquanto eu me preparava para levar Chuck em sua corrida matinal.

Eu estava empolgado com esse dia. Eu estava bem humorado. Eu estava louco para passar mais um tempo ao lado do meu loirinho. E eu estava contando as horas para que chegasse o horário da festa.

Não me atrevi a chamá-los a tarde e nem eles o fizeram. Tenho certeza de que os dois estão cheios de lições para retomar e coisas para conversar entre eles. Quis dar a eles esse espaço mais fraterno. Posso apostar que Newt ficou um bom tempo com sua mãe no telefone, falando sobre o quanto estava empolgado com tudo aquilo.

Vamos lá, Newt, aproveite todo o seu tempo vago com outras pessoas, porque hoje a noite eu vou sequestrar sua atenção para mim!

Prometi levá-los até o local da festa no meu carro. Não fazia sentido irmos separados, se voltaríamos para o mesmo lugar, e digamos que eu não tinha intenção de trazer nenhuma garota para o meu apartamento.

Pelo menos esse era o plano.

Pensei seriamente em transar com Sonya hoje. Mas decidi que hoje era o dia de deixar meu loirinho cem por cento satisfeito. Hoje era a noite dele! Eu ia apresentá-lo a algumas pessoas, eu ia mostrar pra ele sua primeira festa da faculdade, ia dirigir com ele a noite, eu ia ensiná-lo como se divertir em Nova York, eu ia curtir com ele a festa inteira... e eu ia dançar com ele até que ele me dissesse que estava cansado demais para continuar! Então eu o traria devolta pra casa e o deixaria confortável em seu quarto. Podia até ficar observando-o dormir tranquilamente por alguns minutos. Acho que essa seria a visão mais doce do mundo.

Eu tinha grandes planos para hoje a noite. E nada iria estragá-los.

Nada, nem ninguém.

Já era tarde da noite. A festa estava marcada para as vinte e duas horas e não era muito longe daqui. Fechamos uma balada incrível apenas para os veteranos escolhidos a dedo pelo Grêmio Acadêmico. Ou seja, eu escolhi boa parte das pessoas que estariam lá hoje. Mas isso não importava mais. Eu pretendia ficar o tempo todo com Newt.

Estou me olhando no espelho gigante da minha suíte enquanto tento ajeitar meus cabelos arrepiados. Optei por uma calça de sarja preta, meu Superstar Adidas todo branco e uma camisa Polo cinza escuro, da qual dobrei as mangas até o antebraço. Coloquei meu relógio de prata no pulso esquerdo e me perfumei. Estava pronto.

Meu celular vibra no bolso da minha calça.

Loirinho: EU NÃO SEI O QUE VESTIR, ME SOCORRE!

Eu: Calma hahaha. Estou indo aí.

Loirinho: Ok :(

Eu: Hey... você está nú?

Loirinho: Claro, né hahaha se eu falei que não sei o que vestir!

Eu: Meu Deus, Newt hahaha. Vista qualquer coisa pra que eu possa ir aí.

Loirinho: Ah :( Ok :)

Eu: :( ?

Loirinho: ?

Eu: ??

Loirinho: SÓ VEM LOGO, TOMMY!

Eu: Nossa, calma, tô indo.

Por mais que seja fodidamente hard de não pensar em Newt sem roupa em seu quarto, eu me recuso a alimentar essa fantasia hoje. Quero que tudo dê certo, quero estar realmente bem. Quanto mais eu imaginar seu corpo magro completamente exposto, mais confusão e sofrimento eu enfrentarei em minha cabeça.

E mais minha boxer irá precisar se esforçar para segurar meu garoto no lugar!

Não dou espaço para meu cérebro começar a processar a imagem de Newt nú. Simplesmente recolho a chave do carro encima da cabeceira e me encaminho à porta. Olho para o pobre do Chuck desfalecido em um amontoado de mantas e cobertores no meio do tapete da sala.

- Comporte-se, amigão. Eu volto só amanhã - saio e tranco a porta.

A porta dos Sangster estava apenas encostada. Dou duas batidas rápidas como um aviso de que eu estava presente e entro.

Me deparo com um mulherão da porra vindo do corredor colocando os brincos na orelha!

Sonya com certeza sabe valorizar seu corpo como merece! Seu vestido não era justo, mas o comprimento era bem acima dos joelhos, deixando suas lindas coxas à mostra. O tecido era fino, deve ser de uma grife fodida. Ele era completamente coberto de paetês escuros, a cor oscilava entre o preto e o grafite. As alças eram muito finas, então era óbvio que estava sem sutiã por baixo. O decote não era grande, mas não era preciso, já que seus seios estavam bem a vontade e deliciosamente firmes. Não precisou fazer nada de especial nos cabelos, apenas deixou-os alinhados. Sua maquiagem era leve, mas sua boca estava muito bem marcada com um batom escuro arrasador.

Caralho, ela está no jeito!

- Uau! - exclamo enquanto a observo terminar de colocar os longos brincos dourados e sorrir fazendo pose com as mãos na cintura - Você tem bom gosto.

- Eu ainda nem escolhi meus sapatos! - agora que reparei que estava descalça.

- Garanto que ninguém vai olhar para os seus pés - dou uma risadinha maliciosa - Eu nem vi que estavam faltando sapatos em você!

- Muito engraçadinho - é claro que ela adorou meu comentário indiscreto! Só está se fazendo de difícil para ganhar mais elogios. Mas minha gentileza tem limites, garota. Não vai ganhar mais nada hoje.

- Newt está pronto? - pergunto já caminhando até o corredor para entrar em seu quarto.

- Espera aí, eu vou ver se ele não está sem roupas, né - Sonya dá passos apressadinhos em minha frente, impedindo que eu entrasse sem avisos no quarto do meu loirinho.

É uma estraga prazeres!

- Tudo bem, Thomas, pode vir aqui - ela me chama apenas colocando a mão para fora do quarto me indicando que entrasse.

Ah, Newt, você me paga!

Ele está completamente vestido. Aposto que disse que estava nú apenas para aflorar minha imaginação nada discreta. Mesmo que tivesse sido uma brincadeira, foi uma brincadeira muito arriscada. Não se brinca com fogo, baby!

Mesmo com roupa, Newt me tirou do sério: estava com uma calça de sarja preta como a minha, mas tinha os joelhos rasgados; calçava um Converse All Star branco e uma camisa xadrez de flanela azul escura, a qual ele dobrou até o antebraço como eu. Usava uma corrente fina de ouro no pescoço, um relógio também dourado no pulso esquerdo e seus cabelos estavam deliciosamente alinhados para o lado. Podia sentir seu doce perfume de onde eu estava.

Fiquei observando os dois irmãos à minha frente. A cara de um era o fucinho do outro. Os dois fariam qualquer um se deleitar de prazer apenas com sua imagem fodida de tesão! Sonya era um pedaço de mal caminho, com certeza. Mas a sua arrogância me fazia sentir uma certa repulsa. É claro que isso não vai me impedir de me deitar com ela mais cedo ou mais tarde. Até porque, tenho meus motivos pra querer tê-la desse jeito. Ela virá para substituir meu loirinho, aquele que não me permito tocar! E a minha cabeça é tão tenebrosa e rígida nisso, que mesmo ao ver o corpinho gostoso de Sonya coberto por esse vestidinho convidativo, meu pau permaneceu ajeitadinho em seu lugar. Não senti absolutamente nada, nem uma única fagulha.

Já com Newt, não posso dizer o mesmo.

Só de sentir seu cheiro doce e vê-lo assim, todo arrumadinho e engomado, sinto um frio na espinha espalhar arrepios por todo o meu corpo. Newt estava embrulhado para presente! E eu estava completamente louco para arrancar esse embrulho e desfrutar de seu corpinho magro e delicado.

Mas tudo bem... posso aguentar isso.

- Sonya, desencosta esses peitos de mim, que nojo! - Sonya estava fazendo pose com Newt defrente para o espelho tirando fotos.

- Não! Gruda aqui em mim, vamos mandar umas fotos pro papai e a mamãe - ela o agarra pela cintura e cola seus rostos enquanto mira a câmera do celular no espelho.

- Eu to falando sério - Newt tenta se desvencilhar de seu abraço - Seu mamilo ta se esfregando em mim, eu vou vomitar!

- E o seu pau tá roçando a minha perna e eu não estou reclamando de nada!

Estou rindo loucamente à porta do quarto enquanto observo os dois discutirem como se eu não estivesse presente. Ou talvez eles já estivessem acostumados demais com a minha presença, que já se sentiam à vontade para agirem sem cerimônias.

Pensar assim me fez bem. Senti como se eu estivesse realmente fazendo novos amigos. Permito esvair toda a malícia que sinto pelos dois e foco nas coisas que temos feito juntos. Imaginá-los como amigos (puramente como amigos!) fazia com que a minha mente ficasse em paz, afinal. Talvez eu estivesse forçando demais as coisas comigo mesmo. Tudo na minha cabeça era muito intenso. Minha terapeuta já havia me dito isso mas acho que só agora consegui ver exatamente o que ela quis dizer. Meu processo emocional era transformar todo copo d'água em uma tempestade. E esse copo nunca estava meio cheio! Ou ele transbordava, ou ficava ressequido. Eu trabalhava em minhas sessões muito a questão do equilíbrio. E agora que estou observando os gêmeos como uma sombra, percebo que não existem neles apenas torrenciais tempestades de emoções, mas também uma garoa fina, imperceptível.

Precisava ver as coisas assim. De forma mais leve.

Solto uma gargalhada libertadora quando Newt espalma o celular da mão de Sonya em direção a sua cama. Ela o olha indignada e fica sem reação. Quando faz menção de revidar, resolvo intervir.

- Ooooook, ok - agarro o pulso de Newt e começo a puxá-lo para longe - Já brincaram bastante, vamos embora!

...

- ABAIXE ESSA MÚSICA! - Sonya está gritando com os ouvidos tapados enquanto resmunga com Newt. Ele está sentado no banco de trás, encurvado entre ela e eu, regulando o som do pendrive que toca no meu carro.

- NUNCA, ISSO É ROCK N' ROLL! - Newt aumenta mais ainda o som de Rock you like a hurricane e bate nos bancos do motorista e passageiro como se fosse uma bateria.

Estou me divertindo mais do que eu imaginava! Estou me sentindo bem! Tudo o que consigo fazer nesse momento é dar risada e cantar o mais alto que posso com Newt para irritar a Sonya.

- HERE I AM, ROCK YOU LIKE A HURRICANE! - Newt e eu cantávamos como se quiséssemos desfazer todos os nós da garganta que podíamos ter carregado até aqui durante toda a vida.

Deus, eu nunca fiz isso antes! Eu nunca havia saído de casa no intuito apenas de me divertir, de estar com quem se gosta de verdade, de compartilhar momentos como o que estou vivendo agora. Todas as minhas saídas noturnas tinham o único objetivo de me fazer descarregar minha perturbação mental em álcool e garotas. Mesmo que eu estivesse acompanhado de algumas pessoas às vezes, não haviam histórias para contar que não se resumisse em sexo e outras coisas fúteis. Definitivamente estou tendo a experiência de sair apenas para dançar, pela primeira vez na minha vida. Dançar, conversar e me divertir! Estou reacendendo aquele pedacinho pequenininho de Thomas O'Brien que ainda era de fato, feliz.

Estou parado no semáforo e aproveito para olhar os dois como se eu não estivesse presente. Como se eu fosse uma sombra. Newt está encima de Sonya lhe infernizando a paciência, cantando e fazendo graça. Estou o observando ser ele mesmo, sem aquele receio de ficar excitado e desconcertado perto de mim e isso me fez um bem danado! Eu estou aqui e ele está feliz. Reparo no seu jeito e na forma como torna uma simples música num carro se transformar em algo grande e especial. Eu com certeza irei guardar esse sorriso fácil e sincero na minha memória.

O que posso dizer de Sonya? Ela está se fazendo de difícil com o irmão, mas ela está adorando ser perturbada por ele! Vejo-a se esforçar para segurar o riso, vejo-a empurrar Newt para trás como se ela apenas quisesse dar corda para que ele fizesse mais e mais graça encima dela. Estou vendo esses dois e pela primeira vez, desde que entrei em seu apartamento, não consigo depositar um único vestígio de malícia em nossa relação.

Quero isso, hoje. Quero exatamente isso. Quero tentar ser um cara normal da faculdade, que convida os calouros para uma festa. Quero poder me sentir completamente sóbrio de minha mente difícil e não quero em nenhum momento estragar isso. Posso acordar amanhã e voltar ser o Thomas desenfreado e problemático de sempre, mas eu não me importo. Apenas por uma noite, não deixarei os fantasmas assombrarem minha consciência tão inconstante.

...

A música entrava em meus ouvidos e anestesiava meus sentidos. As luzes eram pontos coloridos de figura e fundo. Eu tinha vislumbres embaçados de rostos conhecidos que passavam por mim, me cumprimentavam, passavam dançando, bebendo e rindo. Mas tudo parecia estar acontecendo muito, muito longe. Minha atenção e visão estão focadas no loirinho que tenho a minha frente, que se mexe de forma leve, como se a música o tivesse envolvido numa espécie de transe. Ele é tão lindo fazendo isso que por breves momentos consigo até abafar o som e adaptar minha visão para uma transmissão em câmera lenta. E a imagem é deslumbrante!

- Thomas! - ouço uma voz conhecida me chamar no além. Eu estou ouvindo, estou realmente ouvindo, mas estou completamente fascinado com a visão de Newt se movimentando num ritmo encantador. Ele está tão próximo de mim, que seguro o impulso de enlaçar sua cintura e grudá-lo em meu corpo - Tom! - só uma pessoa me chamava de Tom. E isso faz com que eu decida dar essa atenção especial.

Piscando muitas vezes e precisando focar meus olhos em outra coisa que não fosse o Newt, viro-me para atender quem eu sei que está atrás de mim.

- Malia! - puxo a garota em um abraço apertado. De salto alto ela fica exatamente do meu tamanho e envolve seus braços em meu pescoço dando pulinhos animados. Seus cabelos castanhos e curtos têm um cheiro delicioso - Eu te procurei em todo lugar!

- Não minta, Tom! - ela se liberta de meu abraço rindo - Você passou por mim várias vezes, fiquei só te observando de longe!

- Nossa, me desculpe! Eu acho que estou meio avoado.

- Ele é uma gracinha, Tom! - Malia dá mais de seus pulinhos e indica Newt, que agora está dançando com Sonya. - Meus Deus! São irmãos?

- Gêmeos! - respondo.

- Não me diga que são os vizinhos de quem me falou?

- São! Eu tô fodido, não tô? Pode falar!

- Está muito fodido, Tom!

Demos risada até precisarmos tomar ar denovo.

Malia era minha melhor amiga. Eu a conheci ainda no ensino médio, quando ela quis fazer parte do time de lacrosse. Ela esteve comigo durante todo o período difícil que passei com meus pais e minha sexualidade. Foi ela quem amparou meu sofrimento e me manteve em pé. Não tive dúvidas de estudar na mesma faculdade que ela, assim eu sempre teria alguém de confiança por perto quando precisasse de ajuda com minha luta interna. Não conseguimos passar tanto tempo juntos como antes, pois agora ela divide um apartamento com a namorada. Mas nossa amizade continua forte como se nunca tivéssemos nos separado.

- Me encontre ali nos estofados em um minuto! - lhe digo, me referindo ao espaço mais reservado da casa, onde porderíamos conversar mais a vontade. Ela assente e eu entro no meio das pessoas, caçando Newt.

Ele está se movendo daquele jeito que faz meus sentidos se confundirem. Ele puxa Sonya de uma lado para o outro, os dois estão em movimentos harmoniosos, completamente entregues à música. Até me sinto mal em interromper.

- Hey, Newt! - grito seu nome, colocando a mão em sua cintura.

Meu ato fez com que Newt despertasse no mesmo instante, acho que até cheguei a assustá-lo. Quando ele focou os olhos e viu que era eu, seu sorriso se abriu.

Ele estava deslumbrante!

- Tommy! Eu perdi você no meio da pista! - ele grita tentando falar mais alto do que a música.

- Eu sempre vou te encontrar, loirinho! - não sei o porquê ainda tenho a mão na cintura dele - Venha comigo, eu quero te apresentar a umas pessoas!

Viro de costas caminhando em direção ao local marcado com Malia com meu loirinho atrás de mim. Nessa hora, Newt faz uma coisa que me deixou completamente em chamas e fez meu coração bater descompassadamente: ele entrelaçou nossos dedos para que não se perdesse de mim.

Eu poderia ter feito qualquer coisa nesse momento. Poderia ter me desvencilhado de seus dedos delicados, poderia ter dado um tapa em sua mão, poderia ter apressado ainda mais o passo para que ele não conseguisse se segurar em mim. Mas nada disso era certo. Eu senti no fundo do peito que não podia lutar contra a felicidade que crescia no meu coração ao ter a mão de Newt na minha. Seu ato parecia ter sido não inocente e aleatório, que eu não poderia ter feito nada melhor do que o ter o puxado para mais perto e apertado sua mão. De fato estava segurando sua mão! Não poderia ter sentido nada melhor essa noite.

Malia estava sentada em um dos vários estofados dispersos pela área reservada. Segurava um copo de alguma bebida em cada uma das mãos. Quando me viu me aproximar com Newt, ela tentou ajeitar os cabelos usando o antebraço, sem sucesso.

Isso me fez rir.

- Vai beber tudo isso sozinha? - digo rindo indicando os dois copos em suas mãos. Newt a olhou com curiosidade e soltou sua mão da minha apressado. Tive que conter a súbita vontade de tomar seus dedos finos para mim novamente.

- Eu não, mas a Lydia vai! Estou esperando ela voltar do banheiro - ela está sorrindo simpática e analisando Newt dos pés à cabeça.

- Newt, quero que conheça minha amiga, Malia - ele parece ter se aliviado de ouvir a palavra amiga e cumprimenta Malia com um beijo no rosto - Ela está no terceiro ano de Psicologia. Você vai poder contar com a ajuda dela, se precisar.

- Jura? Nossa, muito prazer- Newt está sorrindo e olha Malia como se a venerasse.

- O prazer é todo meu, lindinho! - Malia pisca para ele e entrega um dos copos para a ruiva que acaba de surgir às suas costas - E essa é minha namorada, Lydia - Newt a cumprimenta - ela está na minha turma de Psicologia, pode pedir ajuda à ela também!

- Você é uma gracinha! - Lydia está secando meu loirinho - Se quiser ir no meu apartamento eu te dou aulas particulares!

- Não se eu der primeiro, gata! - Malia devolve com um olhar brincalhão para Newt.

- Não se assuste, loirinho - eu lhe digo depois de olhar a expressão completamente confusa de Newt - Elas não gostam de homens, só estão brincando com você!

- Eu me assustei! - Newt começa a rir aliviado - me senti assediado!

- Ai meu Deus, você tão fofo, me desculpe! - Malia está rindo e olhando para mim de esguelha. A conheço bem demais e já sei no que está pensando.

Decido que já deu, antes que ela diga algo que não quero que seja dito.

- Legal, já apresentei você a duas loucas veteranas, agora você volta comigo. - Agarro o pulso de Newt e começo a afastá-lo das garotas. Newt dá um aceno com a mão livre e quase tropeça nos próprios pés enquanto eu o carrego comigo.

Sei exatamente o que Malia ia dizer: "vocês fazem um casal lindo". Só ela sabia das minhas questões sexuais. Talvez nem Lydia soubesse. Eu guardo meu segredo bem demais, Malia sabe bem disso. Mas quando levei Newt para conhecê-las, talvez Malia tivesse pensado que eu estava me assumindo ao mundo! E não é verdade, é claro. Eu estou apresentando-o como meu amigo e nada mais. E estou indo bem! Não posso fracassar nessa missão.

E minha noite está maravilhosa demais para alguém estragá-la.

Levo Newt para o meio da pista novamente. Ele parece muito feliz por ter conhecido Malia. E eu também, apesar dela quase ter estragado tudo. Mas tenho consciência de que foi descuido meu. Não quero mais pensar nisso. Só quero me divertir.

E quero me divertir com Newt.

Ele mal chega no meio da pista e começa a dançar novamente. Por um breve momento fico apenas o observando soltar seu corpo leve como se quisesse ser levado pelo ritmo da música. A sensação de câmera lenta e som abafado retorna. Estou olhando meu loirinho se movimentar tão prazerosamente que me recuso a interompê-lo dessa vez. Apenas o mantenho por perto para que nada lhe aconteceça enquanto sua mente vaga leve pelo salão.

Música termina, música começa. Estou muito próximo de seu corpo magro. Há pelo menos uns dez minutos que ele não pára nem um único segundo se quer. Estou amando isso. Ele está absorvendo cada momento dessa noite e saber que fui eu quem lhe proporcionou estar aqui faz meu peito ficar febril. Newt está tendo uma experiência incrível e eu estou esperando a música certa para pedir a dança que me prometeu. Pensei em pedir para o DJ que tocasse alguma dos Beatles, Newt ia surtar! Mas eu teria que deixá-lo aqui sozinho para ir até lá. E eu não estava nem um pouco afim de me separar dele.

Como se um ser divino tivesse iluminado a consciência do DJ, começo a ouvir uma melodia conhecida e Newt pára de dançar de repente e agarra meus dois ombros pulando loucamente.

- TOMMY! EU AMO ESSA MÚSICA! - ele grita desesperado, seus olhos estão brilhando como lindas jóias, ele está apertando meus ombros com força e continua pulando animado como nunca.

É chegada a hora!

Eu estou rindo ao vê-lo assim. Agarro suas mãos e entrelaço nossos dedos. Newt não leva isso como malícia, muito pelo contrário! Ele está segurando minhas mãos animado como se eu fosse o melhor amigo do universo, como se dissesse "hey, é a nossa música!". Eu o aproximo de mim e levo meus lábios aos seus ouvidos para que possa me ouvir com clareza.

- Você quer dançar comigo?

Ele esfrega a orelha no ombro como se tivesse se arrepiado ao ter a vibração da minha voz tão próxima de sua pele.

Sem me dizer uma única palavra, ele me guia até um lugar da pista onde teremos mais espaço. Newt não soltou suas mãos das minhas. Ele parece completamente envolvido no som de Every teardrops is a waterfall. A melodia envolve meus sentidos e eu estou observando meu loirinho se deliciar com o momento. Ele aceitou meu convite, então me permito enlaçar sua cintura com um dos braços. Colo meu corpo no seu e seu rosto está tão próximo que a ponta de seu nariz está roçando no meu. Meu coração está acelerado, está violento. Tenho certeza de que Newt consegue sentir meus batimentos em seu peito. Eu o giro pela cintura e o recolho devolta. Ele está sorrindo, está radiante, ele está segurando minhas mãos com tanta força que parece que nunca mais irá soltá-las.

E eu também não quero que ele o faça.

Newt tem pés ágeis e dá um verdadeiro baile em mim. Mas eu não fico para trás. Eu o guio, solto-o, agarro-o, eu estou completamente envolvido no que estou fazendo. Seu corpo é leve e eu posso fazer o que quiser com ele. Entrelaço meus dedos nos seus e faço ele dar a volta em meu corpo. Eu puxo-o para perto e coloco seus braços em meu pescoço enquanto esfrego meu corpo no seu, vezes ou outra descendo até seu quadril. Me sinto livre, me sinto vivo! Minha mente não está maquinando nada impuro, eu só estou aqui e agora com ele em meus braços. Estou vivendo esta noite como se fosse a última da minha vida. A música está terminando e Newt sobe em minhas costas fechando as pernas na minha cintura. Começo a correr com ele pelo salão e ele está gritando como se estivesse em um show de rock. Eu estou presente, estou com os pés no chão! Não há vozes na minha cabeça, não há perturbação, não há descontrole, nem conflito. Estou completamente anestesiado, feliz e em paz. Meu coração está batendo no ritmo das últimas batidas da música, até que ela termina e eu deixo Newt descer das minhas costas em segurança.

Ele está com um largo sorriso no rosto, estou olhando em seus olhos e ele nos meus. Está difícil de respirar e meu peito sobe e desce de cansaço. Newt está igual, mas não parece nem um pouco cansado. Pelo contrário. Parece que despertei nele uma energia inesgotável. Ele está deslumbrante nesse sorriso e só agora percebo que desabotoei parte da minha camisa, sem querer, enquanto estava dançando com ele. Newt olha para o meu peito e faz menção de enlaçar meu pescoço com seus braços esguios. Eu me aproximo como se fosse um instinto e coloco as mãos na sua cintura. Estou sentindo sua respiração enquanto meu nariz está roçando o seu.

E então ela surge.

- NEWT! NEWT! ESTÃO TOCANDO MÚSICA BOA! - Sonya surge não sei de onde e agarra o braço de Newt o afastando dos meus. Está descalça e descabelada. Seu batom está intacto, então acho que não ficou com ninguém.

Newt se separou de mim tão de repente que acho que nem parou para reparar no que estava fazendo. Sonya está segurando em seus braços pulando como ele fez comigo. Newt parece perdido.

Até que ele finalmente reconhece a música e os dois começam a pular juntos e a gritar.

- PUTA MERDA! ESTÃO TOCANDO MÚSICA BOA! - ele grita para ela.

- COMO ENSAIAMOS! - avisa Sonya.

- COMO ENSAIAMOS! - confirma Newt.

Os dois saem de mãos dadas correndo e se encaminham para o meio da pista. A música é Come on Eileen e já percebo que é a música deles! Eles dançam juntos e sincronizados. Abre-se uma roda envolta dos dois e as pessoas estão observando enquanto Newt e Sonya dão um verdadeiro show. Estou assistindo do mesmo lugar em que Newt me deixou. E estou admirando-os mostrarem tudo o que sabem. As pessoas batem palmas, gritam, assoviam. Estou rindo, estou adorando, estou completamente encantado!

Num determinado momento os dois correm na minha direção, cada um agarra uma de minhas mãos e começam a me arrastar para o meio da pista. Eu balanço a cabeça dizendo que não enquanto meu riso diz que sim. Eles começam se esfregar em mim, cada um de lado e as pessoas estão ovacionando. Estou tímido com isso, não sei ao certo o que podem falar a meu respeito mas eu quero na verdade é que os comentários se fodam! Estou me divertindo e estou me sentindo vivo! Nem todos estão olhando para nós agora e Newt começa a girar comigo e Sonya como em uma brincadeira de roda.

Ouço a música acabar, mas o momento permanece. Sinto-me infinito.

Nada vai destruir nosso momento. Nada, nem ning...

A dor que senti foi como se alguém tivesse esfaqueado meu coração! Eu não podia acreditar no que meus olhos estavam vendo: Um rapaz agarrou a cintura de Newt e começou a beijá-lo como se ele fosse seu! Fiz menção de ir para cima dele, mas desisti quando vi que Newt não tentou se desvencilhar! Isso foi o que me doeu, isso foi o que me dilacerou o peito e me fez sangrar por dentro! O rapaz não estava usando força sobre Newt. Newt simplesmente correspondeu ao beijo e agora está enlaçado naquele filho da puta como um casal de namorados!

Me afasto em fúria antes que eu faça uma puta de uma besteira. Sonya não parece ter percebido minha cólera! Ela está em meu encalço sorrindo satisfeita, como se nada tivesse acontecido. Estou pisando firme com os punhos cerrados em direção ao bar.

Eu te dei a noite mais perfeita que eu podia, Newt e você fodeu com tudo!

...

Minha visão está turva. Não sei o quanto bebi, mas já sei que não tenho condições de dirigir. Estou andando a esmo pelo salão em busca de Malia. Tenho um nó na garganta e uma pedra no lugar do meu coração. A fúria percorre minhas veias e sinto que estou completamente fora de mim. Aquela vontade que senti no parque de esmurrar alguém estava mais aflorada do que nunca. Eu precisava descarregar isso em alguém! Eu precisava...

Sim! Sua hora chegou!

Sonya passou por mim e eu agarrei sua cintura. Ela me olhou com malícia e começou a dançar comigo provocante. Coloquei minha coxa entre suas pernas e colei nosso corpo sem o menor vestígio de pudor! Ela esfregou seus seios em meu peito e começou a arranhar meu pescoço com suas unhas. O êxtase veio rápido por conta do álcool. Eu não teria ficado excitado por ela apenas por ser uma mulher. Não! Meus planos eram foder ela como se estivesse fodendo seu irmão. E apenas pensando em Newt eu conseguiria ficar duro pra ela!

Mas hoje eu só preciso transar! Não interessa com quem!

Entrelaço meus dedos em seus cabelos loiros e aproximo minha boca de seus ouvidos.

- Você está bêbada? - pergunto sem delongas.

- Não! - ela grita em resposta - Eu não bebi nada!

- Ótimo! - enterro minha língua em seu pescoço enquanto firmo minhas mãos em sua cintura, fazendo movimentos de fricção em minha coxa que está entre suas pernas.

Sonya começa a gemer baixinho no meu ouvido. Seus gemidos não me despertam nada. Nada do que estou fazendo me parece realmente interessante. Meu pau está vivo, mas isso é uma reação física condicionada. Eu não estou nem um pouco afim de fazer isso...

Mas eu vou fazer!

- T-thomas - ela geme no meu ouvido enquanto eu mordo seu pescoço - Se você quer fazer isso, então faça logo, pare de me torturar!

Paro o que estou fazendo na mesma hora, agarro seu pulso, como sempre faço com Newt, e guio-a às escadas que levam aos quartos reservados. Os corredores estão em silêncio e todas as portas estão abertas. Todos estão aqui curtindo a porra da balada e apenas eu tive que trazer alguém aqui pra cima, afinal! Tudo por culpa daquele filho da puta que ousou colocar as mãos no meu loirinho!

Não estou raciocinando direito. Minha cabeça gira e minha visão está uma verdadeira bagunça! Caminho pelo corredor sem destino, até que Sonya me puxa pra dentro de um quarto e tranca a porta.

Minha visão demora a se acostumar com a iluminação do lugar. Estava completamente escuro, apenas as luzes lá de baixo traziam algum tipo de luz até aqui. Não me esforcei em fazer absolutamente nada. Eu estava completamente tonto e praticamente tropecei no escuro quando caí na cama. Mal tive tempo de entender o que estava acontecendo e já senti Sonya desabotoar minha camisa numa pressa descomunal. Ela atacou meu pescoço enquanto deslizava as mãos até o botão da minha calça. A única coisa que fiz foi retirar meus tênis enquanto ela puxava minha calça e jogava-a no chão.

Quanto senti sua língua lambuzar meu peito e ir descendo pelo meu abdômen até ela começar a molhar minha boxer com sua saliva, uma angústia violenta atacou minha garganta e eu comecei a sentir náusea. Eu não aguentava mais aquilo. Eu não queria estar ali...

Segurei Sonya pelos braços e troquei nossas posições. Ela cruzou as pernas na minha cintura e eu a levantei, carregando-a comigo e a pressionei na parede. Sem a menor vontade, mas sabendo que era necessário, eu tentei excitá-la da forma mais rápida possível, esfregando meu membro por baixo da boxer no meio das suas pernas. Ela gemeu alto e fincou as unhas nas minhas costas.

- Eu pedi... pra você... não me torturar, Thomas! - sua respiração estava descompassada. Levei uma das mãos até sua calcinha e ela estava completamente excitada.

Com o intuito de acabar logo com isso, não me dou o trabalho de tirar sua roupa. Apenas levanto seu vestido e empurro sua calcinha para o lado, enquanto ela abaixa minha boxer com os pés suspensos na minha cintura.

Sonya dá um grito alto quando enterro meu pau dentro dela. Ela segura-se em minhas costas e começa a segurar os gemidos enquanto morde meu pescoço. Como uma desculpa para não precisar encostar minha boca na sua, eu escondo o rosto em meio aos seus cabelos e deixo as lágrimas escorrerem sem parar. Ela não percebe que estou chorando, está ocupada demais gritando, gemendo e me arranhando, enquanto eu invisto ferozmente dentro dela. Deixo ali toda a minha raiva, toda a minha angústia, todo o meu sofrimento. Eu aperto seu quadril pra baixo pra que eu consiga ir o mais fundo possível, e vou estocando com toda a ira que eu tinha dentro do meu peito. Minhas lágrimas estão encharcando seu pescoço, ela continua me deixando marcas profundas em minha pele com suas unhas e dentes, enquanto eu só consigo pensar no ódio que sinto e na vontade que estou de cometer uma loucura!

A visão das coisas maravilhosas que passei com Newt hoje parecem ter acontecido há um milhão de anos. Todas as risadas, os sorrisos, a diversão, as coisas que fiz por ele, a preocupação que tive desde o início do dia para que tudo fosse perfeito... nada disso importava mais! Ele havia deixado meu coração completamente em pedaços! Estou sentindo a cólera invadir meu peito e percorrer minhas veias. O ódio e a tristeza estão se misturando, se devorando, se dilacerando! Minhas lágrimas não param de escorrer, não consigo parar de chorar e abafar meus soluços. Em nenhum momento deixo Sonya me ver desse jeito. Quando ela tenta puxar meu rosto para me beijar, eu o mergulho mais ainda em seus cabelos e choro cada vez mais. Ela está gemendo como nunca agora, sinto que está chegando ao seu ápice.

Agora entendo porque a minha música e a do Newt havia tocado no momento certo, como se houvesse combinado. Era apenas uma premonição de como terminaria essa noite. Agora tudo parece uma grande piada e o diabo está rindo da minha cara no inferno.


Every teardrops is a waterfall.

Cada lágrima é uma cachoeira.


Notas Finais


Ai ai ai Tommy, não esfaqueie meu coração... 💔
Por que você fez isso? 😢😢
Tenho certeza de que nada acontece por um acaso! Vamos ver no que vai dar.

Como estão se sentindo depois dessa?
Beijinhos para acalentar o coraçãozinho de vocês! 💔


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...