História Dark Side - Capítulo 31


Escrita por: ~

Postado
Categorias Barbara Palvin, Justin Bieber
Personagens Justin Bieber, Personagens Originais
Tags Crime, Drama, Erótico, Incesto, Máfia, Morte, Sadomasoquismo, Sexo, Violencia
Exibições 251
Palavras 3.611
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Ficção, Hentai, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


OIOI gente!Sei que demorei, mil desculpas, mas ta aí.Espero que gostem!

Capítulo 31 - Promises


P.O.V Kath 

 

Cameron se manteve longe a maior parte do tempo desde que chegamos, a não ser quanto éramos obrigados a ficar juntos, como em fotos.Eu não achava sua distância de todo mal, apesar de ser estranho estar sozinha na minha própria festa de casamento.

 

—Ta na hora da dança, vamos Sra.Adams.-Kris brinca me puxando para a pista, sou obrigada a parar de comer meu bem casado por isso. 

 

É normal você já ter desejo com apenas um mês?

 

—Que dança?-Ela me deixa no meio da pista de dança, as pessoas formam um círculo ao meu redor.Olho ao redor, não vejo Cameron em lugar algum.É pra eu dançar sozinha, é isso?

 

Olho para Kris ao lado de Fath, mas antes que abrisse minha boca para sibilar um: O que está acontecendo? Percebo uma movimentação.Cameron surge entre a multidão, ouço suspiros de algumas meninas.Ele estava igual ao casamento, mas os cabelos estavam bagunçados de uma força charmosa.

Ele caminha até mim e ao chegar na distância de um braço pega minha mão e leva aos lábios, despejando um beijo delicado ali.Sorrio fraco.

Kiss Me- Ed Sheeran começa a tocar.Cameron passa o braço pela minha cintura me trazendo para perto de si, entrelaça nossas mãos enquanto o meu braço livre envolvia seu ombro.Começamos a dançar no ritmo da música.

 

—Achei que fosse conseguir te conquistar se o Justin não estivesse mais aqui.-Ele sussurra.Permaneço calada.—Você pode pensar de não, mas eu amei você, Katherine.Muito mais do que gostaria.

 

—Não está cansado de mentir?-Ele olha nos meus olhos pela primeira vez.

 

—Eu menti, menti sobre muitas coisas, mas nunca sobre te amar.-Desvio do seu olhar.

 

—Sabe que nunca vou acreditar nisso.

 

—Eu esperava que não.-Abaixa a cabeça.

 

—Eu podia te amar, mas você estragou tudo com toda essa ambição e inveja.

 

—Eu sei...e me arrependo.-Rio com o nariz.

 

—Se arrepende?

 

—Sim, mas sei que é tarde demais para pedir desculpas, sei que não sou digno do seu perdão. 

 

—Ainda bem que tem essa consciência.

 

—Mas Kath, eu quero que saiba que eu não quero tomar sua vida um inferno, eu não quero te fazer escrava, não quero ser seu dono, eu...eu só queria que você me amasse como amou ele.-Estava bem claro na sua voz a magoa.

 

—Isso nunca vai acontecer.-Tento parecer forte, mas suas palavras me balançaram.Estou sensível ultimamente...

 

—Eu sei, eu jamais vou ser ele, não sou digno do seu amor.

 

—É.-Confirmo.

 

—Lembra do que eu te pedi quando começamos a namorar?

 

—"Me deixa te fazer feliz, Kath."-Lembro perfeitamente delas saindo dos seus lábios, enquanto eu olhava profundamente nos seus olhos.Ele sorri e puxa meu rosto para si.

 

—Porque não me deixa te fazer feliz?Porque não viramos essa página?Podemos ser felizes juntos, eu você e esse filho que está esperando, eu não me importo mais que não seja meu, não precisa fazer teste de DNA, eu só quero ser feliz com você.-Ele parecia o antigo Cameron agora.

 

—Como pode pedir para esquecer que matou meu irmão?Como pode pedir para confiar em você depois de tudo isso?-Minha voz soa fraca.Ele suspira.

 

—Não tem dia que eu passo sem me culpar por cada coisa que eu fiz, por todas as vezes que te magoei, por ter te tocado daquela forma...

 

—Era o mínimo que podia sentir.-Ele assente.

 

—Eu me relendo pelo o que eu fiz, não peço que me desculpe, mas só que me de uma segunda chance, por essa criança, pela era não crescer sem pai.Eu só quero te fazer feliz.Eu te fiz um pouco antes de estragar tudo, lembra?-Ele sorri, mas eu não o faço, apenas o fito.

 

—É difícil acreditar em você.-Assente.—Assumiria mesmo esse filho, mesmo sabendo que provavelmente não é seu?O amaria como se fosse seu?

 

—Eu prometo.Você sabe que eu sempre quis um filho, eu fiquei feliz quando soeu que estava gravida, pelo menos no instante que pensei que fosse meu.-Suspiro pesadamente.

 

—Minha cabeça não quer acreditar em você...

 

—E seu coração, Katherine?-Olho nos seus olhos castanhos, esperançosos.

 

Lembro de alguns momentos nossos juntos..de como nós divertíamos, de como eu estava feliz.Ele me fez feliz, apesar de ser mentira.Eu fui feliz.

 

—Ele diz para não ouvir minha cabeça.-Cameron sorri de canto.

 

—Espero que escute seu coração.

 

—Da última vez que fiz isso meu irmão acabou morrendo.-O sorriso dele se desfaz.A música termina.Nós separamos sob aplausos.

 

P.O.V Justin.

 

As luzes passavam rápido por cima de mim, como raios.Só não sei se sou eu que estou em movimento ou não elas.Fecho os olhos, pálpebras pesadas demais para aguentar tanta luz.

Apago.

 

 

Sonho que estou me afogando em um mar de mentiras e dor, esse me engole com sede, anseia pela minha vida.Quando acordo sinto minhas pele húmida e a camisa cola em mim como segunda pele.Meu rosto arde, e esse ardor me faz despertar.Abro os olhos, dando com um lugar escuro, a luz entrava por pequenas janelas no alto da parede e a poeira dançava sob seus feixes.

Vejo uma sombra se aproximar.Não reconheço no primeiro instante, mas assim que seus olhos escuros entram em minha órbita sou tomado pelo impulso de me lançar contra ele.Algo me impede, minhas mão estão presas para trás, meus pés amarrados a pernas dianteiras da cadeira em que estou sentado.Meu corpo todo dói e meu rosto arde.Estou molhado, vejo um homem ao lado de Cameron.Ele segurava um balde.Agora sim desperto de verdade.O ódio se alastra pelo meu coração, como fagulhas em uma floresta, queima, engolindo cada canto com línguas de fogo.Mejs dentes cerram, minha respiração fica ruidosa.Quero matá-lo, sufoca-lo até ver a vida deixar seus olhos.

Ao ver minha tentativa ridícula de ir até ele solta uma gargalhada.

 

—Ás vezes me surpreendo com sua...força de vontade, Bieber.-Cerro os olhos, travo o maxilar, rangendo os dentes.Ele cruza os braços no peito.—Nossa!Você está horrível.Como está se sentindo?-Essa pergunta seria agradável se não tivesse segundas intenções.

 

—Já não me humilhou o suficiente?-Rosno.Ele ri com o nariz.—Porque estou aqui?O que você quer?

 

—Opa!Chegamos ao ponto.-Sorri se aproximando.Ele apoia os braços no apoio da cadeira e deixa o rosto próximo ao meu.—Eu quero tudo.-Um lampejo passa pelos seus olhos, lembro-me deles por trás da mascara.

 

—Sempre foi você...tentou minar minha vida.Nunca fomos amigos, fomos?Porque?-Ele sorri.

 

—Porque você sempre teve tudo.Tudo o que devia ser meu.

 

—Fez isso por inveja?-Ele aperta os braços da cadeira.

 

—Não tenho inveja de você, Bieber.Só quero algumas coisas de são suas, ou melhor, que eram.

 

—Como a Máfia Oeste?Por isso essa história de Hidra.

 

—Não, é muito mais complexo.Eu não quero conquistar a máfia oeste?A hidra foi só um artifício para meu objetivo final.-Franzo o cenho.—Vou liderar sua máfia.-Minha vez de gargalhar mas quando faço isso o canto da minha boca arde e sinto gosto de sangue.

 

—E como vai fazer isso?Sabe que sou muito melhor que você, sabe que vai perder.

 

—Você falar com muita certeza...não devia fazer isso.-Cameron se afasta e começa a nadar de um lado para o outro na minha frente.—Você está morto, Bieber.

 

—Vai me matar, é isso?Que covardia matar um homem preso, sem chances de defesa.

 

—Não, não vou fazer isso, é muita maldade de matar e não te deixar ver o que tem pela frente.

 

—Do que está falando?

 

—Armei um acidente com seu carro, todos vão pensar que você está morto enquanto te mantenho aqui.

 

—Hum...certo, e como pretende tomar meu lugar?

 

—Vou casar com sua irmãzinha.-Diz com um enorme sorriso no rosto.

 

Aquilo foi pior que um soco.

 

 

É difícil de respirar quando se esta com duas costelas fraturadas.Me bateram tanto que ontem que nem consigo me mover.Meu corpo inteiro arde a cada pequeno movimento.O gosto do sangue ainda estava presente na minha boca, a ânsia ia e voltava.Já estava preso aqui a duas semanas, nas 5 vezes de tentei fugir, nas 5 nem consegui sair do prédio e em todas fui espancado só por tentar, mas essa foi a pior.Fui torturado pelo próprio Cameron e ele me jogou um envelope no final, enquanto o sangue escória pelo meu rosto todo e eu rastejava pelo chão sem conseguir me manter em pé.Nunca fui tão humilhado, nunca me senti tão fraco.

Peguei o envelope, mas não abri apenas perguntei:

 

—O que é isso?

 

—Abra, tenho certeza que vai gostar.-O abro com as mãos tremulas, todo movimento me custava uma dor absurda.Dentro do envelope havia um papel com letras douradas itálicas e finas desenhadas o nome de Kath e dele.Um convite de casamento.

 

 Não devia doer mais, mas...doeu.

 

—Vocês se merecem, parabéns.-Jogo o convite nos seus pés, o sorriso dele murcha.

 

—Que bom que gostou, porque você vai ser o convidado de honra, sua irmã mesmo que pediu que eu te convidasse.-Engulo seco.

 

—Eu não vou pra essa merda.-Rosno.Ele sorri.

 

—Ah!Que desfeita é essa?Eu vim entregar diretamente nas suas mãos e você diz que não vai.-Cameron se aproxima e me puxa pelo queixo.—Qual é?É o casamento da sua irmã, ela queria muito que você fosse.-Ranjo o dentes, virando o rosto.

 

—Sei que não vou fazer falta.-Ele ri com o nariz.

 

—Essa não é a única novidade que eu tenho.

 

—Ah não?-Soo irônico.Ele ri.

 

—Eu vou ser pai.-Fico atônito.

 

—C-como?-Ele conseguiu exatamente o que queria.

 

—Ela ta gravida de você?-Minha voz sai fraca e vacilante.

 

—Sim, faz um mês hoje.Não sabe como eu to feliz.-Exibe um sorriso enorme.

 

Ela ta gravida dele...dele...Ela dizia que quando ele fala de família ela fugia, que na queria isso, que não queria uma família, não queria casar, nem ter filhos.Eu não me sentia mal com isso, para mim minha família era ela e era a única que eu queria...pensei que ela pensasse assim também...eu nunca fui o suficiente.Ela vai ter uma família com ele, uma família que nunca me disse eu queria...ela não queria comigo, era isso.Eu não servia para isso.Imagine que vergonha estar gravida do próprio irmão, ela nunca assumiria, ela teria nojo...ela tem nojo de mim.

 

—Me deixa voltar pra cela, por favor.-Imploro.

 

—Tudo bem.Amanhã te levarão a igreja.

 

E estou aqui.Esperando o momento em que nunca pensei presenciar.A luz do sol enfraquecia nas janelas, sumindo aos poucos até dar lugar a noite gelada.Minha cela é aberta e invadida por dois brutamontes, eles me tiram da esteira e me empurram para fora.Sou algemado e arrastado para um carro preto de janelas escuras.

 

A igreja estava iluminada com esplendor, centenas de carros parados na frente, convidados descendo, valetes os guiando para estacionamentos.O carro em que eu estava não para na frente.Imaginei que não, já que todos imaginavam que eu estava morto. 

 

Paramos ao lado, na entrada da sacristia.Os capangas dele me empurram para dentro, ninguém me veria ali escondido, mas a intenção era essa, ninguém me ver, mas eu ver tudo.

Me empurram contra uma cadeira qualquer e sou obrigado a engolir um gemido.Minhas costelas cantam de dor.Vejo Cameron entrar pela porta que dava na igreja em si.Ele ajeitava as abotoaduras enquanto caminhava na minha direção.

 

—Ah!Que bom que veio!-Sorri.

 

—Você fala como se fosse uma escolha.-Ele ri.

 

—Gostou do terno?Kath que escolheu.-Ele da uma volta.

 

—Ela tem bom gosto.-Ela notável o rancor na minha voz.

 

Eu posso podia não querer casar, posso nunca ter tido esse sonho, mas agora, vendo tudo isso...eu queria estar no lugar dele.Mas isso nunca aconteceria.

 

—É, tem mesmo.Parece que eu tirei a sorte grande.-Rio com o nariz.

 

—Engraçado, ela sempre me disse que nunca quis casar.

 

—Quando a pessoa se apaixona de verdade, Justin, ela sempre quer algo a mais, quer mostrar pra todo mundo, quer estar só com aquela pessoa não importa o que impeça, ela não esconde, nem mente.

 

Ela sempre me escondeu, sempre mentiu, me rebaixou a amante...ela nunca me amou.

 

—Eu e sua irmã não podíamos estar mais apaixonados e felizes, principalmente porque vamos formar uma família.

 

—Espero que mais tarde ela não gema meu nome ao envés do seu.-Provoco.O sorriso dele murcha, e seu rosto fica vermelho de raiva.

 

Cameron me puxa pela gola da camisa.Atingi seu ponto fraco.Sorrio com isso.

 

—E ela vai gemer, mas não o seu nome.-Rosna me jogando no chão.Minhas costelas cantam novamente.Solto um rugido de dor.Chuta meu abdômen.Aperto os olhos, me encolhendo.—É a mim que ela ama, é comigo que ela vai casar.-Mais um chute atingindo minhas costelas.Urro.—É de mim que espera um filho.-As lágrimas de dor enchem meus olhos.

 

—Senhor.-Um dos capangas o interrompe.—Ela chegou.-Gelo.Um nó se forma na minha garganta.

 

—Estou indo.-O capanga se afasta.Cameron se ajoelha na minha frente.

 

—De você...ela só sente desprezo, nojo.-Sussurra antes de deixar na sacristia.O vejo ajeitar o terno, as portas são abertas.Ele caminha na direção do altar e elas se fecham.

 

Meu corpo dói absurdamente.Os ossos cantam de dor, até respirar dói.Fecho os olhos e tento controlar minha dor de alguma forma.O chão gelado de mármore, faz meu corpo estalar.Pensei que fosse ter um pouco de paz, mas era óbvio que não.

 

Uma música começa a tocar, o som redunda entre as paredes.Os capangas me põe de pé a um certo custo, eles me sustentam ate a porta que é aperta.Uma barreira de homens de preto se forma ao meu redor, fico escondido entre eles sendo sustentado e forçado a ver essa palhaçada.

Vejo Greg e Fath no altar, estavam tão arrumados que nem os reconheci de primeira.Pareciam tão felizes...pensavam que eu estava morto...

Kris e os pais de Cameron também estavam lá.O noivo até parecia nervoso...ridículo!

Todos se levantam, a porta é aperta, no primeiro momento eu olhei, mas não tive coragem de continuar, então abaixei a cabeça.Eu não sou corajoso o suficiente para ver isso.

Meus cabelos são puxados.

 

—Sem abaixar a cabeça.Olhe.-Rosna um dos capangas.

 

Olho para cima ainda relutante.E nesse momento ela entra na igreja.O véu pendia na sua face, não deixando ver claramente seu rosto.O vestido branco descia até o chão, era como se levitasse.

Acompanho todo seu trajeto até o altar, e por um momento foi como se seu olhar se encontrasse com o meu, e levei tão sério que até tentei me soltar dos capangas e ir na direção dela, mas não obtive resultado, nem cheguei a completar, eles me agarraram antes disso e me mantivessem preso.E se eu tivesse conseguido?O que ela faria?Riria de mim e diria que sou ridículo...patético.

Kath da a mão a Cameron e o padre começa seu discurso.Enquanto isso procurei rostos conhecidos pela igreja.Vi alguns dos grandes chefes de máfias, alguns conhecidos, amigos da Kath da época da escola, amigos meus da escola.Sammy, Mary, Jack.Todos ali.Como será que reagiram a minha falsa morte?Os chefes da máfia ali significava uma aprovação ao parceiro da futura chefe da máfia, mas não era só isso.Significava que a cerimônia de posse estava próxima.Era o que ela queria afinal.E eu era uma pedra no meio do seu caminho.

Voltei o olhar para o altar a tempo de ver o olhar de Cameron para minha irmã.Ele parecia apaixonado, seus olhos brilhavam, como os meus costumavam brilhar quando olhava para ela.

 

—O amor verdadeiro nem sempre é o mais conveniente, na realidade, costuma ser o mais inconveniente e é por isso que é tão forte, por isso que é eterno.-As palavras do padre fazem mais sentido do que eu gostaria.

 

Meu amor por ela era incomodo, angustiante, sufocante, eu a amei sem barreiras, sem limites.Mas somos irmãos, tem maior inconveniência que essa?Amar alguém que você não pode ter.Amar alguém que nunca te amou.

Eu a odeio por me fazer sentir isso, eu costumava me gabar por nunca me apaixonar, nunca me confiar em ninguém, não se verdade.E pela primeira vez eu me entreguei.Olhe o que aconteceu!Eu perdi tudo, minha honra, meu coração, minha vida.Como eu pude ser tão idiota?Bobo, burro, imbecil.Sinto as lágrimas encherem meus olhos.

 

—Uma vez que é vosso propósito contrair o santo Matrimónio, uni as mãos direitas e manifestai o vosso consentimento na presença de Deus e da sua Igreja.-Eles firam um para o outro unindo as mãos.

 

A filha do chefe da máfia leste caminha até eles com as alianças.Cameron pega uma.

 

—Eu Cameron, recebo-te por minha esposa 

 

a ti Katherine, e prometo ser-te fiel, 

 

amar-te e respeitar-te, 

 

na alegria e na tristeza, 

 

na saúde e na doença, 

 

todos os dias da nossa vida.-Despeja um beijo no anel ao termino.

 

Ela ergue a mão e pega a outra aliança, por um momento seu olhar encontra o meu e percebo que hesita.Até pensei que estivesse arrependida.Por trás do véu consigo ver seus olhos brilharem, mas algo a faz voltar para si.

 

—Eu Katherine, recebo-te por meu esposo 

 

a ti Cameron, e prometo ser-te fiel, 

 

amar-te e respeitar-te, 

 

na alegria e na tristeza, 

 

na saúde e na doença, 

 

todos os dias da nossa vida.-Aquelas palavras doem em mim, como ferro em brasa na minha pele.Uma lágrima desce pela minha bochecha.

 

—Confirme o Senhor, benignamente, 

 

    o consentimento que manifestastes perante a sua Igreja, 

 

    e Se digne enriquecer-vos com a sua bênção. 

 

    Não separe o homem o que Deus uniu.-Finaliza e em seguia fala algo para os dois que eu não escuto, mas Cameron sorri, percebo um rubor nas suas bochechas.O que um padre falaria que faria ele ficar tímido?

 

Logo minha pergunta é respondida.

 

Ele levanta o véu dela e posso finalmente ver seu rosto.Estava linda, como um anjo...meu anjo, minha Kath...jamais foi minha.

Cameron se aproxima dela deslizando a mão pela sua nuca.Os olhos dela se mantinham nós dele, eles brilhavam como duas águas marinhas.O polegar dele alisa suas bochechas coradas.A medida que ele se aproximava ela fechava os olhos, até que a beija.Mais lágrimas rolam pelo meu rosto.

A vejo partir o beijo, seus olhos se levaram aos dele e um sorriso enorme se forma nos lábios dela.O sorriso mais lindo que eu jamais foi dirigido para mim.Kath o envolve com seus braços, abraçando-o.Ele sussurra algo no seu ouvido que a faz sorrir enquanto lágrimas desciam pelas suas bochechas.Ela estava tão apaixonada por ele...como eu nunca percebi?

Dessa vez ela que o beija, um beijo tão apaixonado que fez todos levantarem e aplaudirem.Eles pareciam tão felizes, ele a fazia feliz...muito mais do que um dia achei fazer.

 

Abaixei a cabeça, não aguentava mais ver aquilo...

 

—Já é o suficiente.-Um dos capangas diz.

 

P.O.V Kath.

 

As janelas refletem as luzes em meio a noite que já se despedia.

 

—Nova York é linda de cima.-Cameron diz atrás de mim.Assinto.

 

—É.-Suspiro pesadamente.

 

—Vou ligar para recepção, você dorme na cama e eu durmo na cama que eles trouxerem.-Ele caminha até a mesinha ao lado do sofá e pega o telefone discando o número da recepção disponível no cartão ao lado.

 

Caminho até as portas duplas, provavelmente o quarto.As abro dando com um quarto enorme, quase do tamanho da sala.A cama ficava de frente para para janelas com vista para a cidade.Era realmente magnífico.

 

Lembro das palavras do Cameron, mas algo me dizia que não devia me entregar, algo dizia que confiar nele novamente era outra cilada, mas suas palavras, seu olhar, a forma como se corporizou a noite toda.Como se aquele Cameron tivesse tivesse voltado, como se ele realmente quisesse tudo o que me disse.E se realmente estivesse arrependido?Eu admito que já fui feliz com ele, que pensei em deixar a loucura que era continuar com meu irmão para ficar com Cameron.Sei que mentiu para mim...que fez coisas horríveis, imperdoáveis.Mas já estou casada com ele, talvez se eu fizer as pazes possa ter no mínimo uma vida mais calma.Não digo que vamos viver um amor, nem que vamos ser felizes, mas que haja menos atrito, que possamos criar essa criança como uma família.

 

—Cameron!-O chamo do quarto.

 

—Hum?-Ele responde da porta, já com a gravata folgada.

 

—E se eu escutar meu coração?-Minha voz soa baixa.Percebo um sorriso pequeno se formar nos seus lábios.

 

Ele se aproxima.

 

—Eu prometo a você, Kath.Eu nunca mais vou te magoar.-Coloca uma mecha do meu cabelo atrás da orelha.Sorrio fraco.

 

Desliza a mão até meu queixo e o puxa para si.Juntando nossos lábios.Fecho os olhos, deixando que me levasse.

 

P.O.V Justin.

 

—Presentinho pra você, alteza.-Um dos capangas diz com sarcasmo, jogando um aparelho no meu colo.—Aproveite.-Gargalha antes de sair.

 

Pego o aparelho, e assim que toco o botão de início a tela se abre, dando com um fundo escuro com o botão de play no meio.Curioso toco nele.O vídeo começa anda no escuro, mas a câmera se ergue.Vejo um quarto de um hotel de luxo e duas sombras próximas as janelas, as reconheço...reconheço aquele suspiro que sai dos seus lábios rosados, eles costumavam ser meus.

Cameron beijava seu pescoço enquanto abria o vestido dela devagar.Meu estômago contorce.De repente o vestido dela cai no chão, a deixando só com langerie branca, estava tão linda.Ele sorri e a vira para si, dando a mão a ela e a puxando para cama.Ele a faz deitar e fica sobre ela, beijando todo seu corpos, tirando suas últimas peças.Meus olhos enchem de lágrimas.Logo ela estava sentada no colo dele o beijando de forma tão apaixonada...ela nunca me beijou assim.As mãos dele exploravam o corpo dela, eu conhecia cada detalhe dele, cada curva, cada sinal, cada pintinha...ela era toda minha...não!Ela nunca foi.E vendo isso, essas imagens isso só fica mais claro.

O vídeo pula mais a frente, gemidos soam...pela voz doce e afeminada eram dela.Cameron estava atrás dela que estava de lado na cama, podia ver sua expressão de prazer, sua boca se abrindo em gemidos no nome dele, implorando por mais...sua voz carregada de tesão.Seu corpo todo travado próximo a romper no ápice.

 

—Diz que é minha, Kath.-Ele pede apertando seus seios.

 

—Awn Cam...eu sou sua...Hum...isso!-O vejo sorrir.

 

—Desgraçado!-Rujo jogando o aparelho contra parede, ele se quebra em dezenas de pedaços pequenos.O som dos gemidos finalmente para, mas ainda permanecem na minha mente e me perturbariam o dia todo.


Notas Finais


SIM!O JUSTIN TA VIVO MEUS ANJOS!VOCÊS ACHARAM MESMO QUE EU IA MATAR ESSE HOMEM?JAMAIS!JAMAIS!E olha aí a Kath dando outra chance ao Cameron.Imagina quando ela descobrir que o irmão da vivo!Será que ela vai se arrepender dessa decisão?Quem sabe mais cedo do que esperava...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...