História Darkness Is Coming- As Trevas estão vindo. - Capítulo 12


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Medival
Exibições 32
Palavras 1.241
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Hentai, Magia, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Oi amores. Mais um capítulo e novamente sem a foto do personagem, mas vocês a conhecem! Devolverei o not da minha irmã amanha e não sei quando terei o meu de volta. Boa Leitura e vamos comentar?

Capítulo 12 - Capítulo 12


 

Hanna

- Não se mova! – eu falei sentada em uma cadeira em frente à mesa de Iwan, eu o estava desenhando-o.

Ele deu uma risada. – Quanto tempo mais ficarei aqui? – ele perguntou.

- O tempo que for preciso. – sorri voltando a traçar seus olhos no papel.

- Posso te perguntar uma coisa?

- Sim. – ainda mantinha minha atenção no papel.

- Dizem que quando era criança via coisas, é verdade?

Eu até me surpreenderia com a pergunta se todos não me perguntasse isso.

- Sim.

- Ainda os vê?

Levantei meu olhar a ele me encostando na cadeira.

- Não, mais ainda escuto vozes, mas tento ocupar minha mente.

Ficamos um tempo em silencio. – Pronto! – falei me levantando. – Sua pintura milorde.

Iwan os pegou em seus dedos o examinando. – Isso é perfeito.

Um orgulho encheu por mim e não pude desperdiçar um sorriso em meu rosto.

Iwan se levantou da cadeira. – Mandarei fazer uma moldura, é muito bonito para ficar em uma gaveta.

 Ele passou por mim e levou a boca para minha bochecha, mas eu sem querer ou não virei meu rosto deixando que seus lábios tocassem o meu, era tão macio. Vi que ele parecia sem graça e saiu da sala.

 

Já era anoite e todos estavam no salão, coloquei um vestido que na parte de cima era de renda vermelha bordada reta de um ombro para o outro, e abaixo tecido liso, joguei meus cabelos loiros para frente.

Entrei naquele salão vendo o quão feliz meu pai estava, sentei-me ao lado da minha mãe que iria partir com Bash logo depois do banquete, as pessoas nos pergunta sobre Theon e dizíamos a mesma coisa ‘’ eu não sei ’’ meu pai a cada dia criava nova mentiras sobre onde ele estaria.

- E você querida, também gosta do seu irmão como sua mãe pelo seu tio Bernardo? – perguntou minha avó a Victoria a filha de Lady Ariane.

A garota ficou envergonhada ao lado da mãe. – Não que eu sabia, ele é um bom irmão, mas nada além. – ela dizia olhando a mãe.

- Se seu irmão tiver metade da beleza e masculinidade de Bernardo eu não te culparia. – falou minha avó vendo um sorriso sair do rosto de Ariane. – Você ainda o ama.

- Sempre amarei Lady Ylene. – Ariane falou olhando minha avó. – Eu me lembro de quando contei as minhas amiga sobre nossa relação, Tatia ficou furiosa.

- Oh Tatia, eu nunca mais a vi. – falou minha mãe.

Eu já tinha escutado falarem sobre essa Tatia, dizem que ela se casou com um pirata.

- Eu a vi em Askaph. – os olhos de Lady Ariane brilhavam.

- Como ela estava? – perguntou minha mãe.

- Não tivemos muito tempo para conversar, mas ela parecia bem, teve quatro filhos. O mais velho acho que era Alexandre, Pedro uma garota Ma... eu não me lembro o nome e o mais novo Edmundo.  Ainda continuava muito bonita, não vi Greer, porém Tatia me disse que ela se aventurou em cada parte do mundo que sua inteligência foi necessária para todos.

Eu pude sentir que elas sentiam saudade uma das outras, dos mortos e dos vivos.

Em um canto do salão eu avistei Iwan e Elizabeth conversando, novamente parecia coisas series pois olhavam para os lados como se não quisessem serem flagrados.

O banquete já acaba quando minha mãe, avó e Bash saiam de Plairen. Minha mãe abraçou Cristina fortemente, Malia, Enzo e Richard até chegar em mim.

- Cuida de seus irmãos! – ela falou descolando nossos corpos.

Ela foi até meu pai que a dei um pequeno selinho nos lábios.

Eu via que Richard estava triste. – Ela voltara logo. – falei o pegando no colo.

Eu estava deitada na minha cama quando vi que Tate estava parado na porta.

Rolei para o lado. – Venha! – bati na mão na cama levemente.

Tate subiu na cama se deitando a minha frente de costa para mim, o abracei e ele segurou minha mão lhe dando um beijo

 

Eu tive poucas horas de sono. Minha cabeça rodava, Tate já não estava lá, me lavei colocando um vestido azul de manga longa e fui passear com minha loba no jardim.

Eu passava a frente da cripta quando algo me diz que deveria entrar, não hesitei.

Lá era escuro, iluminado apenas pela luz das velas. Eu via uma mulher, ela vestia um vestido ensanguentado e olhou a mim, seus olhos eram verdes e cabelos escuros ela tinha enfeites na cabeça. Minha loba rosnava para ela sem parar.

- Mande sua loba ao norte! – ela sussurrou.

- Quem é você? – aquilo poderia ser mais uma loucura minha.

Ela me olhou e logo em seguida a ela e parecia bem confusa e darkeness ainda rosnava.

- Eu não sei. Apenas mande sua loba ao norte, poupe a vida dela.

Eu me espantei o que ela estava falando.

- Mande-a ao norte. – seus sussurros fizeram com que meu corpo se arrepiasse.

Ela virou de costas virando a lacuna da cripta. – Espere! – eu falei a seguindo não vendo mais ninguém.

Aquilo era assustador, fechei meus olhos tentando esquecer aquelas palavras, sai da cripta vendo que minha loba logo correu para os braços de Lady Mary, ela não era assim com as pessoas a não ser com Jon, ela o adorava.

- Olá bonitinha! – Mary falou passando a mão na pelagem de darkeness.

- Olá Lady Mary! – falei curvando meu rosto.

- Princesa! – ela ficou ao meu lado para me acompanhar.

Nós andamos um pouco quando vi Lady Alayne vir furiosa em nossa direção.

- Quem você pensa que é sua vadiazinha? – suas palavras nos fizeram assustar, mas eram dirigidas a Mary.

- Perdoe-me? – Mary soltou uma risada.

Lady Alayne levantou a mão que desceu dando um tapa no rosto de Mary fazendo-o virar. Lady Mary segurou o rosto espantada.

- Você é apenas uma distração para ele, eu sou sua esposa. – Lady Alayne falou se retirando.

Todos as olhavam e cochichavam.

- E a senhora Lady Alayne nunca será Lady Lyanna. – as palavras de Mary eram rígidas e eu via que continha raiva pela vergonha que acabara de passar.

Alayne parou um tempo, eu pensei que voltaria e daria outro tapa, mas continuou a andar.

 

Eu agora conversava com Charlotte e escutava todos comentarem do ocorrido de Lady Alayne e Mary.

- Miladys! O rei a chama Lady Charlotte.

Nós nos olhamos e fomos até lá.

Meu pai estava sentado, porém se levantou quando entravamos.

- Lembro-me de ter chamado Charlotte. – ele falou em tom de humor.

Ele deu a ela algo enrolado em um pano brando, Char desenrolou vendo um colar com corrente finas pateadas tinham três desenhos feitos de diamante ao lado do outro que tinha um espaço de diferença que me lembrava uma gota.

- Era da sua mãe, acho que ela queria que fosse seu. – falou meu pai.

Charlotte parecia emocionada ela me dizia que seu maior sonho era que sua mãe fosse viva, ela abraçou meu pai e ele olhou aquilo assustado.

- Obrigada! – ela falou o soltando.

- Não é nada querida! – ele suspirou fortemente.

Nós retiramos de lá e fomos ao meu quarto e uma coisa veio a minha mente.

- Qual seria o nome do seu irmão se estivesse vivo? – perguntou vendo-a ficar tensa.

Charlotte não me respondeu e começou a olhar para o chão.

Ela abriu a boca para falar algo mais fechou de volta e fez aquilo repetidas vezes.

- Tate! – respondeu.


Notas Finais


E agora? Surpresos? Esperavam isso? Comentem.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...