História Darkness Is Coming- As Trevas estão vindo. - Capítulo 24


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Medival
Exibições 14
Palavras 2.031
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Hentai, Magia, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Olá amores. Tudo bom? Mais um capítulo, e quero avisar que no próximo capítulo da Katy, vocês terão uma surpresinha. Bjs e Boa leitura.

Capítulo 24 - Capítulo 6


Fanfic / Fanfiction Darkness Is Coming- As Trevas estão vindo. - Capítulo 24 - Capítulo 6

 

Cristina

Os dias eram horríveis aqui, todos me olhavam, julgando-me. Queria voltar no passado e avisar meu pai sobre o ocorrido.

Eu ficava apenas em meu quarto, todas as cortinas estavam fechadas e não saia daquela cama, mas escutei alguém entrar.

Vi uma luz entrar quando empurravam o pano da janela.

- Vai ficar aqui para sempre? – era Christopher e sua voz estava mais arrogante do que nunca.

Não o respondi então sentir alguém me puxar para fora da cama até cair ajoelhada sobre o chão, e me puxarem para ficar em pé.

- Vou perguntar novamente, vai continuar nesse quarto?

Abaixei minha cabeça. – Não sei. – minha voz estava tão fraca.

- ‘’ Eu não sei Vossa Graça’’ – ele me corrigiu.

Eu o olhei, não tinha direito sobre aquela coroa.

- Sor. Moryn faça! – ele disse a um de seus guardas, era alto e forte, tinha uma barba preta curta, já parecia ter trinta anos, via seu olhar de assassino.

Sr. Moryn ergueu a mão descendo e batendo em meu rosto o fazendo virar.

- Não ouse olhar para mim assim novamente. – Christopher falava.

Eu abaixei a cabeça, era incapaz de retruca-lo.

- Bom. – ele tocou as pontas de meus cabelos. – Vista um belo vestido e desça até a sala do trono.

Quando ele saiu vi uma aia entrar, mas eu a conhecia, Paola era aia de minha tia Lyanna em Vaineza, mas foi trazida para cá.

Ela preparou meu banho e esfregava minha pele enquanto a água quente passava pelo meu corpo.

- Deveria ter ido com Lorde Karlos criança. – ela sussurrou a mim.

- Esse é meu lar. – respondi. – Meu lugar é aqui.

Paola separou um vestido de cor rosa clara, tinha mangas de boca larga e grandes. Era prendido com um cinto prateado. Ela penteou meu cabelo e separou metade o enrolando e prendendo com grampos, e deixando a parte de baixo solta.

Eu me olhei do espelho e estava tão bonita.

- Vamos tentar cobrir isso. – ela pegou um pequeno pote onde continha pó e aplicou na minha bochecha onde estava vermelho pelo tapa. – Quando as coisas estavam complicadas, suas tias apenas sorriam, experimente. – ela disse a mim, mas não conseguiria fazer isso.

 

Desci a escada acompanhada por alguns guardas Winster.  Tinha algumas pessoas em pé na sala, lordes, ladies e servos.

- Vossa Graça! – eles se curvaram diante de Christopher.

- Parece mais apresentável agora. – ele disse me olhando com desgosto de cima a baixo.

Eu queria meu pai aqui, mas Christopher contou a todos que foi esfaqueado até a morte e me doía pensar nisso e em Hanna, apesar de tudo ela era minha irmã. Também não tinha noção de nenhum dos mais novos, eu estava sozinha, eu era uma loba sozinha.

Eu olhava Serena, ela usava um vestido vermelhado com um cinto com desenho de um touro, eu confiei nela e fui traída.

- Sente-se ai. – Christopher literalmente me empurrou contra a cadeira que ficava ao lado do trono do rei. – Um dia vai se casar comigo, e então será rainha.

Eu achei que ele tinha esquecido sobre nosso casamento, mas estava errada.

Sentei-me da cadeira, que ficava um pouco abaixo do trono onde meu pai se sentava e foi usurpado.

- Traga-o. – o novo rei deu a ordem a um guarda.

Vi as portas da sala no torno abrirem que vi Lorde Tristan Turner a esposa e o filho mais velho, ele me olhou com certa pena.  Eles estavam todos sujam, e Lorde Turner estava sem a espada, e estavam todos algemados.

- Lorde Turner. – Christopher falou ironicamente.

Lorde Tristan não o respondeu, mas o encarava com um olhar que se eu estivesse no lugar do novo rei, correria.

- Confesso que fiquei muito tempo pensando no que fazer com você. – ele apoiou o cotovelo na borda do trono.

- E chegou a uma decisão Mieke? – Lorde Turner o retrucou.

Christopher olhou Sor. Moryn que veio até mim me dando outro tapa dolorido. Lorde Tristan tentou avançar, mas os guardas o impediu.  As pessoas olharam para mim e cochicharam.

- Que tipo de covarde você é garoto? Bater em uma criança? – O lorde amentou o tom de voz.

Christopher concordou novamente com a cabeça e senti as mãos de seu guarda em meu rosto novamente, levei minhas mãos as minhas bochechas sentindo um pouco de sangue.

- Quando dirigir uma palavra a mim Lorde Turner, não se esqueça de ‘’ Vossa Graça’’ se não ela levará outro tapa, e se ousar levantar a voz comigo novamente, será em sua bela esposa.

Era estranho chama-lo de rei, mas o chamaria assim daqui em diante.

Eu sabia que existia criados de surra, e isso acontecia a cada vez que a mulher, ou filhos de seu senhor fizesse algo inapropriado, muitas não se importavam com o servo, mas Lorde Turner parecia se importar em respeito ao meu pai.

- Eu poderia matar vocês três, mas meu avô me aconselhou que isso deixasse sua casa revoltada, e no momento queremos vocês quietos.  Vou manda-los de volta para sua terra, e ficaram quietos em gesto de agradecimento. Porém se eu souber de qualquer soldado Turner rodeando o castelo sem ser convidado, mandarei uma parte de Lady Cristina em uma caixa para sua família.

Eu fiquei espantada, e senti uma lágrima aquecer minha pele, ele era horrível, cruel.

- Concordam? – ele sorriu a Lorde Turner. – Sei que mandou tirarem seus filhos do castelo, acho melhor sua casa se apressar para entra-la, não terei piedade, sua filha é irritante. – ele quase cuspiu as últimas palavras.

Lorde Turner ficou um tempo o encarando até confirmar com a cabeça.

- Ótimo. – ele riu. – Não posso entregar-lhe sujos a sua família, pedirei a serva que os arrumem.

Alguns guardas escoltaram a família Turner para fora da sala.

 - Como um rei, formarei uma nova guarda real. Mande chama-los. – ele falou.

Quatro homens entraram e se ajoelham diante do rei.

Serena estava em pé ao lado de Christopher e deu a ele uma lista.

- Sr. Bardney Valoir. – ele falou e um homem se levantou.

Já devia ter trinta anos, seu rosto era sério e tinha um corte de cima da sobrancelha de seu olho esquerdo até o nariz, tinha uma barba escura e cabelos curtos de mesma cor.

- Sr. Sairus Dudley. – um homem de vinte e poucos anos, cabelos e barba aparada de cor caramelo e olhos escuros.

- Sr. Marcus Reichel. – um rapaz de quase vinte anos, tinha os cabelos quase na altura do ombro castanhos escuros e seus olhos eram verdes.

- Sor. Leonardo Winster. – ele já era guarda quando meu pai reinava tio de Christopher, já tinha mais de trinta anos, cabelos curtos queimados e barba aparada de mesma cor, seus olhos eram verdes escuros.

- E Sor. Tranti Moryn. – o mesmo homem que estava ao meu lado.

Todos eles vestiam uma armadura dourada com um desenho de uma coroa no meio, uma calça escura, botas de mesma cor, a armadura ia até as coxas, e era um pouco aberto na frente, e penso que só poderiam fazer suas necessidades depois de tirar aquilo tudo, se não era impossível.

- Sr. Valoir e Sr. Reichel, quero que acompanhem Lady Cristina por onde ela for. – ele olhou para mim com um ar debochado.

Os senhores concordaram com a cabeça enquanto o rei se levantou saindo. 

Eu não tinha mais nada para fazer ali, então fiz o mesmo. Enquanto caminhava pelos corredores do castelo, eu percebia tantos olhares sobre mim, e fofocas.

Eu vi Bellamy Lancer parado olhando a fora da janela do corredor. Seu rosto estava com cortes e roxos.

- Lorde Lancer. – falei a ele.

- Cristina. – ele parecia surpreso em me ver.

- Queria perguntar se o rei mandou que mexessem no quarto de Hanna?

- Não que eu saiba. – ele me olhava com pena.

Confirmei com a cabeça indo até o quarto de minha irmã, não éramos muito próximas, mas no final ela sempre tinha razão.

- Quero fazer isso sozinha. – disse aos dois guardas que olharam entre si.

- Sim milady. – falou o mais velho abrindo a porta.

Quando entrei naquele quarto, que ainda estava intacto, uma onda de arrependimentos passou por minha mente.

Seu quarto era metade pintada de uma cor, amarelo bem leve, e para cima rosa claro, e havia uma fita no meio cinza dividindo essas duas cores, o piso era de madeira clara, e havia um tapete de lã bege que cobria quase tudo, sua cama era forrada por lençóis azuis. Sua penteadeira branca e suas joias em caixas ainda permaneciam lá. A lareira marrom do outro lado do quarto tinha duas poltronas brancas a sua frente e uma mesa de centro, o tapete chegava até lá.

Quando me aproximei de sua cama, senti algo, como se o piso estivesse solto, mas seria impossível de ver com aquele tapete. Sentei-me no tapete, tentando achar qualquer brecha para olhar o piso, e vi, abaixo da cama tinha um corte do tapete, que era impossível de se ver já que a pelagem não demostrava, puxei usando um pouco de força e pude ver a madeira um pouco solta, Hanna deveria guardar alguma coisa ali. Tirei a madeira e vi uma caixa marrom. A segurei levando em meu colo e a abrindo.

Tinha apenas cartas que, eu não tinha tempo para ler agora, avistei também uma pequena caixa preta. Peguei a abrindo, era um anel prata com uma pedra de diamante. Eu veria se tinha mais algo, mas escutei alguém bater na porta e coloquei tudo rapidamente, encaixando a madeira e voltando o tapete em seu lugar. Quando saiu do quarto via um pajem, era um garoto ainda.

- Lady Serena, requisita vossa presença na sala de refeições. – ele disse se curvando e saindo.

Não poderia negar esse pedido então fui até ela.

Quando entrei na sala ela estava ao lado da filha.

- Olá pombinha. – ela sorriu e apontou uma cadeira e eu me sentei.

A sala era de cor bege, e tinha uma mesa no centro, reta para nos sentar, era aqui que eu e minha família fazíamos nossas refeições, e lembrar-me disso que entristecia.

- Seu vestido é lindo. – disse Tamara gentilmente.

Puxei um sorriso em forma de agradecimento. Christopher não estava ali, e só o Deuses sabem o quanto estava agradecida.

Tinha uma jarra te vinho, e uma com suco e um porco assado. Já tinha um pedaço separado para mim, que não estava com muita fome.

- Não vai comer? – Lady Serena perguntou a mim.

Peguei um pedaço da carne no garfo e levei a minha boca, me obrigando a mastigar.

- Quando irá se casar com meu irmão? – Tamara me perguntou.

Fiquei quieta, pois não sabia a resposta.

- Minha filha te perguntou algo. – Serena levantou as sobrancelhas sobre mim, e vi o quão estúpida fui em confiar nela.

- Quando eu sangrar milady. – respondi, e esperava que isso demorasse muito tempo, Hanna sangrou com onze anos, muito sedo.

Quando fui dispensada da refeição encontrei Bellamy Lancer novamente e ele vinha até mim.

- Lady Cristina. – se curvou. – Gostaria de conversar... – ele olhou os guardas atrás de mim. – Sem muita companhia se possível.

Andamos um pouco a frente, ainda ficando a vista dos guardas.

- Eu sinto muito por sua família. – ele disse abaixando a cabeça. –E pelo comportamento de Christopher. - olhou os machucados em meu rosto.

Eu estava esperando ele falar algo, que ninguém disse ou diria.

- Eu e alguns lordes, estamos pensando em algo para tira-la daqui.

- Eu não vou fugir do lugar onde nasci. – respondi rapidamente.

- Cristina... – ele falou.

- Não temos tanta intimidade para chamar-me pelo meu nome.

Bellamy respirou profundamente. – Lady Cristina, quer viver mesmo casada com Christopher? – ele perguntou me olhando.

- Os Deuses resolverão se me casarei com o rei, ou não, não cabe a você ou outro Lorde.

- Deuses? – ele se aproximou de mim e vi meus guardas da um passo à frente. – Olhe o que os Deuses fizeram com sua família. – ele deu um passo para trás, onde estava. – Queremos ajuda-la, mas precisa fazer o mesmo. Milady. – acenou com a cabeça e o vi sair. 

 


Notas Finais


Gostaram amores? Vamos comentar e quem sabe eu posto o próximo amanha. Bjãoo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...