História Darkness Is Coming- As Trevas estão vindo. - Capítulo 70


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Medival
Visualizações 15
Palavras 3.152
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Hentai, Magia, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Olá amores, tudo bom? Mais um capítulo e espero que gostem.
Perdoem qualquer erro, bjão <3

Capítulo 70 - Capítulo 10


Fanfic / Fanfiction Darkness Is Coming- As Trevas estão vindo. - Capítulo 70 - Capítulo 10

 

Hanna

Scott  e o guarda que sempre me acompanhava tinham saído do castelo, e ouvi falar que Melaria foi junto, talvez iriam transformar a vida de mais alguém em um inferno.  

Eu estava na parte de baixo, Scott dizia que era mais seguro, bom, se ele não confiava em seus próprios homens, imagina eu.  

Porém, ele deu a permissão para outro guarda me acompanhar e me levar para ao lugar das grades para que eu possa escolher outra garota, Alison. 

Os dois guardas da frente pareciam saber de tal ordem, eles abriram a porta.  

Eu me senti mal estando naquele lugar novamente, tinha mais gente do que quando eu parti.  

-Os que chegaram um pouco antes de me trazerem, onde estão? - perguntei ao guarda.  

-Mais para frente, senhora. - ele respondeu. 

Eu fui para onde ele disse, e tentei ignorar as pessoas implorando por ajuda.  

Vi cabelos loiros curtos jogados em cima do joelho que estava encolhido sobre os seios.  

-Alison? - perguntei.  

A garota levantou o rosto. 

-Posso ser. - ela responder, mas não era quem eu procurava.  

-Hanna. - eu escutei uma voz ao lado. - É você? 

Eu segui a voz, e realmente a achei.  

-Essa. - eu disse ao guarda que tirou uma chave da jaqueta.  

-O que está fazendo aqui? - ela perguntou. 

-Eu vou te explicar tudo depois. - eu disse a ela.  

O guarda abriu a cela e eu a puxei para fora, Alison estava suja, mas não parecia machucada fisicamente.  

Eu passava pelas celas que eu conhecia, eu estava entre essas fileiras.  

-Sherry? - eu sussurrei.  

Uma  grade bateu do meu lado me fazendo assustar. 

-O que está fazendo aqui princesinha? - ela perguntou, estava ferida no rosto, mas ainda viva. 

-Sem conversar, senhora, vamos embora. - o guarda disse, eu o ignorei. 

-Eu quero que se prepare, porque eu vou tirar todos vocês daqui eu prometo.- sussurrei 

-Você virou uma putinha e quer vir falar de nos tirar daqui? - ela resmungou furiosa. 

-Se falar comigo assim outra vez vou te deixar para trás. - eu sussurrei.  

-Senhora, vamos agora. - o guarda vinha em minha direção para me pegar. 

-Eu estou conversando, me de licença. - eu disse a ele.  

Ele segurou meu braço e eu o encarei.  

-Solte o meu braço. - eu disse olhando em seus braços.  

-Venha comigo, e eu solto. - ele disse me encarando.  

Eu o encarei de volta. - Solte o meu braço agora. 

Ele não o fez. Então eu bati na mão dele, mas era como se não fosse nada.  

-Tudo bem. - eu disse e ele me soltou. - Você ainda vai me pagar por isso. 

Eu sai de lá com Alison a levando para o meu quarto na parte de baixo para que ela pudesse se lavar.  

Enquanto Alison esfregava sua pele eu expliquei tudo que aconteceu e porque eu estava aqui.  

-Eles te machucaram? - eu perguntei. 

-Não. - ela respondeu. - Eu não sou burra como a maioria daquelas pessoas lá, eu não gritei ou pedi para que me tirassem de lá. Porque adivinha? Isso nunca ia acontecer.  

*** 

Já tinha algumas semanas em que eu estava junto com as outras pessoas, e eu gostava da companhia de Daniel, ele era gentil e engraçado.  

-Meus pais se amavam, era raro para pessoas nobres, eles nos amavam também. - eu disse a ele. 

-Minha mãe morreu quando minha irmã nasceu, porém, meu pai era um bom homem, era apenas um fazendeiro que plantava para esse castelo, ele me ensinou a ser gentil, educado e não fazer coisas horriveis. Mas quando fomos invadidos eu fiquei um longo tempo escondido em um porão na fazenda dele com minha irmã, tinha alguns grãos e barris de água para sobrevivermos. Eu escutei que estava acontecendo algo acima de nós. Os bárbaros estavam sendo atacados, e alguém abriu o portão, Jared, ele nos tirou de lá e nos trouxe ao castelo. Meu pai tinha sido o primeiro a morrer de fome, porque ele deixou tudo para nós dois.  

-Eu lamento. - eu disse a ele.  

Meus olhos foram atraídos para uma pulseira de diamante em uma das garotas, eu conhecia aquilo. 

Levantei-me segurando o pulso da garota que se assustou. 

-Onde conseguiu isso? - eu perguntei.  

-Deram-me. - ela puxou o braço. 

-Quando trazem as pessoas dão seus pertence a nós.- Daniel disse. 

-Não. - eu sussurrei. 

Corri para a porta que dava as escadas para a parte de cima e o guarda se apressou para me acompanhar.  

Voltei a sala das celas.  

Antes que os soldados me impedissem eu empurrei a porta quase caindo no chão.  

Ela poderia estar em qualquer uma daquelas celas. Pela ordem, eu supus que ela estaria na parte de cima. Subi os degraus rapidamente e o guarda quase me segurou. 

-Senhora, vamos voltar agora. - ele disse rigidamente.  

-Chantel! - eu gritei algo, esperando uma resposta. - Chantel. Chantel. Chantel. 

Uma grade balançou fortemente.  

-Hanna? - a grade balançou novamente.  

Então eu a vi, fazia mais de dois anos. Seu cabelo estava maior. 

-Dei-me a chave. - eu disse ao guarda que negou com a cabeça. 

-Não está autorizada a pegar mais outra garota. - ele disse, eu queria mata-lo.  

Eu estava respirando rápido. Tentei puxar o cadeado em alguma esperança boba.  

-Por favor, me dê a chave. - eu disse e ele apenas levantou uma sobrancelha.  

-Meu senhor não permitiu isso. - ele disse. 

-Eu me resolvo com Scott depois, só me dê a chave.  

Eu estendi a mão e ele riu.  

Vi Daniel subir as escadas e eu estava a beira de ter um ataque de pânico, de medo e chorar muito. 

-Por favor. - eu disse a ele. - Só me de a chave, eu juro que não vou mais correr, que não vou mais desobedecer nada, só me a chave. 

-E não vai de qualquer forma, vou contar ao meu senhor.  

Eu comecei a olhar para cima não tentando deixar as lágrimas caírem. Eu não tinha medo de Scott ou de Melaria, eu tinha medo por Chantel, essas pessoas eram horríveis, tudo era horrível.   

-Hanna, tá tudo bem. - Chantel falou. - Só saia daqui, não vou suportar se eles a colocarem ao meu lado.  

-Deveria ouvi-la.  

-Cala a boca. - eu disse ao guarda. - Eu não aguento mais escutar a sua voz.  

Eu olhei para o Daniel. -Por favor, faça algo, ela é uma das únicas pessoas que me restaram.  

-Lamento, não posso fazer nada. - ele disse. 

Tinha uma pequena barreira de madeira na parte de cima, como uma proteção. E eu me sentei no chão, apoiando minha cabeça lá.  

-Não tenho tempo para brincadeiras, criança. - o guarda já estava no seu limite.  

-''Não tenho tempo para brincadeiras, criança'' - eu resmunguei suas palavras o vendo tremer de ódio.  

-Vai ficar ai até o que acontecer? - ele perguntou. 

-Eu não sei, diga-me você.  

-Provavelmente até o meu senhor chegar. E espero que ele te coloque dentro de uma grade dessas ou te de uma bela surra.  

Eu levantei as sobrancelhas e tentei não rir.  

-Eu vou ficar nas escadas caso queria poupar dor. - ele disse indo para elas, mas ainda podia me ver.  

Daniel pairou do meu lado. 

-Hanna, vá para o seu quarto, esqueça isso. 

-Esqueceria se fosse sua irmã ali dentro? - perguntei. 

-Não.  

-Então não farei. Pode ir embora, não importo. - eu disse para ele. 

-Eu voltarei se der, tenho que cuidar da minha irmã. -ele disse. 

Fiquei ali sentada, até escutar alguém sussurrar meu nome.  

-Hanna. - eu olhei colocando a mão na boca para não gritar de surpresa. 

Marcus, ele estava aqui. 

-Shh... - ele sussurrou. -Não quero que ele saiba que estamos falando.  

Concordei discretamente. 

-Vá embora Hanna.  

-Se é isso que for falar, fique calado.  

Marcus não disse mais nada. 

Eu acabei dormindo, mais acordei com a batida de uma porta. 

-Ela está la em cima, meu senhor. E se recusa a descer. - o guarda disse. 

Scott estava aqui. 

-Vamos conversar. - ele disse seriamente. 

Eu me levantei.  

-Sim, vamos conversar.  

Ele abriu a porta do quarto e quando passou a encostou.  

-Eu sei o que vai falar. - eu disse. -Mas eu amo aquela garota, e não vou conseguir dormir sabendo que ela está presa em uma cela como eu estive.  

Scott deu de ombro. - Você abusa da minha boa vontade. 

-Eu? - eu ri. -Por favor, eu estou implorando, tire-a de lá, eu prometo de nunca mais entrarei pela aquela porta.  

-Não. - ele disse. - E não venha com a conversa de que eu prometi que teria o que quisesse. Por que se estamos sendo sinceros não está cumprindo com a sua parte. 

-É sobre isso que se trata? - eu perguntei e então levei a mão ao laço do meu vestido para desfaze-lo. 

-Você pode tirar seu vestido, e eu vou gostar. Mas minha resposta continua sendo a mesma, não. 

-O que você quer? - eu perguntei. - Diga-me o que você quer e eu faço, qualquer coisa.  

-Eu não mando nesse lugar, eu sou um soldado. - ele aumentou a voz comigo. - Não sabe o quanto me custou as outras duas garotas que tem.  

Eu respirei profundamente, deveria ter outra forma de convence-lo.  

-E eu entendo, e vejo tudo que fez até agora, as duas garotas e eu sou eternamente grata por isso, Scott, eu sei que o que estou te pedindo pode te custar algo, mas... 

Eu não sabia mais o que falar, ou que argumento usar.  

Sentei-me na cama colocando as palmas sobre meu rosto.  

-Eu só queria estar perto dela, lembrar de quando éramos crianças e brincávamos, e tudo que fazíamos junto, sendo bom ou ruim, lembrar-se da minha filha e minha irmã que morreu em uma explosão. Pode achar que não sei como se sente por Jared, mas eu sei, eu perdi todos os irmãos que eu tinha, e minha filha, eu sei como isso dói. 

Eu limpei pequenas lágrimas.  

-Tudo bem. - Scott falou. - Mas você nunca mais pisar o pé naquele lugar.  

Eu pulei da cama alegre.  

-Eu prometo. - eu falei. -Obrigada, Scott.  

*** 

-Acha que consegue sair daqui? - Chantel perguntou. 

Ela já estava limpa e com roupas decentes. 

-Acho que nós vamos conseguir.- eu respondi. 

Apenas ela e Alison estavam aqui comigo.  

-Seu irmão ficou preocupado quando você sumiu. - eu disse a Ali. 

-Claro, ele perdeu uma chance de fazer uma aliança. - ela disse. 

-Eu estava indo para o castelo dos Velyr, junto com Jon, Mary e Enzo, eu lamento mas Richard morreu.  

Eu achava que meus dois irmãos mais novos estavam mortos. Mas um não estava. Podre Richard, era tão novo ainda. 

A porta do quarto abriu e eu fiquei calada. Scott apareceu e nos olhou. 

-Eu tenho algo para você. - ele disse.   

Scott chamou alguém. Eu uma serva segurando algo coberto por um manto amarelo.  

-De todas as informações que me deu, e pedi para Melaria confirmar. Esta Hanna, é a sua filha. 

Eu levantei rapidamente da cama.  

Ele abaixou a manta na cabeça da criança, ela tinha um pouco de cabelo castanho claro.  

-Pegue-a. - ele disse. 

A serva ia coloca-la em meus braços. 

-E se eu deixa-la cair? - eu perguntei porque estava tremendo. 

-Não vai. 

As lágrimas desceram do meu rosto quando a segurei e olhei seu rosto. Tinha os olhos de Typer, era branca como ele, seu nariz era delicado e sua boca parecia de uma boneca de tão perfeita, suas bochechas eram rosadas. Eu peguei sua pequena mão. Mas ela já tinha meses, estava pesada. 

-Ela é perfeita, não se preocupe. - Scott disse. 

Sentei-me novamente na cama. Eu não podia parar de olha-la. Essa criança foi gerada em meu ventre, e eu dei à luz a ela.  

Seus dedos pegaram meu cabelo. Eu a segurei em minha frente, com os pés em minhas coxas para poder vê-la. E eu chorei novamente a abraçando. 

-Ela é linda. - Chantel falou. -Qual vai ser o nome? 

-Mirhi. - eu falei. - Esse é o nome dela.  

Beijei a bochecha da menina, da minha filha.  

Os guarda colocaram um berço de madeira no quarto, era branco, e a cortina que a rodeava era rosa com borboletas. Eu observava Mirhi dormir. 

Scott entrou no quarto, eu tinha conseguido o que queria dele.  

-Eu vou me lavar, e vou pedir para trazerem algo para comer. - ele falou desaparecendo na outra parte do quarto.  

Tempo depois ele voltou, apenas com uma calça de tecido grosso que usava para dormir.  

-Obrigada novamente. - eu disse a ele. - E essa criança é tudo para mim. 

Mas tinha uma coisa, uma coisa que eu tinha que fazer, por que eu tinha que mostrar ao Scott que sempre que ele fizesse algo que me deixaria feliz seria recompensado.  

Eu podia fazer isso. Bellamy estava se sacrificando pelo o que tinha que fazer. Então eu também podia.  

Eu me aproximei dele. Você pode Hanna, você é forte. Apenas esqueça todo mal que ele já te fez, esquecer... Esquecer... Eu posso fazer isso. 

Passei a mão pelo seu peito o vendo franzir as sobrancelhas.  

-Eu realmente estou grata pelo o que você fez. - eu sussurrei levando minha mão para o seu pescoço. 

Fiquei na ponta dos pés e abaixei sua cabeça. Eu posso fazer isso, eu sou forte. Coloquei meus lábios nos seus tentando esquecer. Eu o beijei de novo e então me afastei. Suas mãos foram rapidamente para o meu vestido, mas eu o parei. 

Se eu ia realmente fazer isso, seria do meu jeito. 

-Você não está no comando aqui. - eu disse.  

Eu passei a mão pelo seu peito, braço. Apesar de ser um grande desgraçado, ele era bonito, o corpo dele era bonito. Com todas as más lembranças que eu tinha dele, seria pior se tivesse que foder com alguém de má forma e feio de rosto. Eu acabei rindo de meus próprios pensamentos.  

-Do que está rindo? - ele perguntou. 

-Eu não mandei falar. - eu disse enquanto continuava olhando.  

Scott me olhou e então riu. -Seja lá o que esteja planejando... 

Eu fiquei minha unha no seu peito. - Quieto. 

Estava pensando no que eu faria, eu não era uma sádica, por isso não tinha muitas ideias.  

-É a minha vez, agora. - Scott disso. 

-Você não tem direito algum aqui.  

-Deixa eu fazer uma coisa, você vai gostar. 

-Não. 

-Eu sei que sou uma pessoa horrível, e que fui com você, mas me deixe recompensar.  

Eu ri, nada que ele fizesse por melhor que fosse tiraria isso de mim, a vontade de vê-lo morto. De ver todos eles mortos. 

-Tudo bem. - eu respondi. 

Scott veio em minha direção e levou os dedos ao nó do meu vestido. Eu respirei profundamente.  

Ele desamarrou o vestido que escorreu entre os meus braços. Eu não estava com vergonha como deveria. 

Ele estava me encarando, toda parte do meu corpo. Scott se aproximou me beijando e eu fiz de tudo para desligar a minha mente.  

Ele desceu para o meu pescoço e continuou descendo. Eu ofeguei quando ele chupou o meu mamilo entre a boca. Joguei minha cabeça para trás e tentei não fazer barulho. Ele chupava meus seios com força e pelos Deuses eu estava gostando disso.  

Ele desceu para o meu estomago e o vi se ajoelhar na minha frente. Só podia ser brincadeira. Scott colocou uma das minhas pernas em cima de seu ombro deixando meu centro exposto.  

Isso era muito íntimo, eu ia me afastar, mas antes de fazer isso, o senti me lamber e eu mordi meus lábios para não gritar. Ele continuou me lambendo e chupando de uma forma incrível. Isso era errado?  

Não o que ele estava fazendo. Mas eu gostar? Bom, ele me usaria para seu prazer, porque não usá-lo para o meu?  

Sua língua entrou dentro de mim e eu exalei. Então ela voltou a me chupar. Eu não podia aguentar mais. Agarrei seus cabelos com força enquanto tremia chegando ao meu prazer. Mordi o interior da minha bochecha para não gritar quando ele aumentou a pressão e eu desmontei.  

Eu não podia acreditar que ele fez isso. Scott se levantou e me olhou.  

Ele agarrou meu pescoço e me beijou, eu não me importei com meu próprio gosto. Scott estava me levando para a cama, mas ele achou que eu tinha me rendido e que deixaria ele me dominar, Ele não me conhecia.  

Scott tirou a sua calça, e eu tinha que confessar que até mesmo seu membro me agradava.  

-Deita. - eu disse para ele.  

-Por que não me deixa... 

-Não. -eu repeti. -Se quiser estar dentro de mim, será do meu jeito.  

Ele acabou se deitando. Eu encaixei minha entrada na ponta do se pau e o escutei ofegar. Eu comecei a descer e Scott fechou os olhos como se estivesse apreciando isso.  

Eu parei na metade tomando uma longa respiração e então desci tudo. Ele abriu os olhos me encarando enquanto eu me movimentava para frente e para trás. Uma de suas mãos acaricia um dos meus seios. 

-Eu imaginei esse momento desde que eu te vi. - ele gemeu.  

-Eu pensei que imaginava outra coisa. - eu disse provocando.  

Eu pensava que ele imaginava estupro.  

Joguei minha cabeça para trás, e ele passava a mãos por todo o meu corpo como se quisesse me sentir.  

Eu sentia que estava prestes a explodir de novo e então me movimentei mais rápido. Eu fechei a boca quando estava prestes a soltar qualquer som e continuei a movimentar até perder minhas forças com o prazer, mas Scott agarrou meus quadris e continuou me empurrando até que ele gemeu baixo e o senti amolecer.  

Eu me joguei ao seu lado suada e com a respiração forte.  

*** 

Agora, eu tinha conseguido tudo que eu queria, mas ainda tinha uma coisa a fazer. Antes que Scott voltasse para colocar uma jaqueta eu peguei uma chave que ele carregava na calça.  

Uma serva entrou e se curvou ela ia encher a banheiro para que eu pudesse me lavar.  

Depois de estar limpa, coloquei um vestido amarelo e chamei as três garotas.  

-Lyla, quero que entregue isso ao Bellamy, e diga que vamos começar. - eu dei a chave para ela que saiu do quarto.  

-Acha que vai matar Scott e sair sem o guarda notar? - Chantel perguntou. 

-Eu não vou matar Scott, eu amaria fazer isso, mas quando souberem de uma rebelião, ele vai me deixar aqui, então eu vou ter que me livrar do guarda. Vou chama-lo para dentro desesperada e vou me virar, depois eu vou sair e ir atrás de Melaria. Vocês duas ficarão aqui com minha filha. Provavelmente um exército estará do lado de fora, e com um na parte de dentro, eles vão perder.


Notas Finais


Bom amores, gostaria de explicar uma coisa. Se vocês acharam que a cena da Hanna com o Scott foi muito rápido e pouco detalhado, tenho minha explicação. Talvez por eu não shippar esse casal ( como eu também sofro porque na minha própria fanfic meu otp não acontece). E porque também não consigo romantizar eles, Scott é um ser horrível e impiedoso, então essa cena foi bem difícil para mim, me imagem aqui tentando escrever, mas na verdade eu estava '' o que que eu vou fazer agora da minha vida?'' não foi uma cena rica em detalhes como a da Lyanna com Jax, ou da Katy com Thomas ( meu best shipper ) e peço perdão por isso, pois sei que não tem culpa dessa parte do meu ser kkkkkk. Espero que comentem e até o próximo capítulo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...