História Das lentes aos seus lábios - Capítulo 1


Escrita por: ~, +ghoustd e ~NahuelPuddin

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jungkook, V
Tags Arrasamos, Bottom!jeongguk, Caledu, Demoramos Mas Chegamos, Fotografia, Hyo, Kookv, Lemon Na Sauna, Nahuel, Taekook, Tkwishes, Top!taehyung, Vkook
Exibições 1.369
Palavras 11.437
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Lemon, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


CHEGAMOS PESSOAL.
Desculpem demora e espero que tenham sentindo falta de mim.
Quem é meu leitor, sabe que estou ocupadíssimo por conta da faculdade e Duda também é uma pessoa mega ocupados e por isso demoramos tanto para terminar e postar.

Bom, esse foi o pedido da @Kaguya-
Desculpe a demora. A galera do TKwishes anda bem ocupada. Mas espero que goste!!
PS.: Colocamos uma cena especial após o fim.
Boa leitura.

Capítulo 1 - Pode tirar uma foto se quiser admirar melhor


Já fazia tantos meses desde que Jeongguk mudou-se para o centro de Seoul. Já estava mais que na hora de tornar-se independente, ganhar seu próprio dinheiro, vencer as barreiras da vida por conta própria.

 

Se ele estava preparado? Claro que estava, foi uma decisão dele. Comprou um apartamento de dois cômodos em cima de um pequeno estúdio onde trabalharia com seu ramo: fotografia.

 

Jeongguk sempre gostou de tirar fotos das pessoas, principalmente quando as achava bonitas. Gostava de vesti-las, maquiá-las, dar dicas de poses e expressões. Essa era sua realização no seu trabalho. O moreno não poderia estar mais feliz.

 

Entretanto, nem tudo é um mar de rosas, como já diz as nossas queridíssimas mamães. Jeongguk estava conseguindo se sustentar com facilidade. Ele ainda não era um fotógrafo famoso, mas estava recebendo muitos trabalhos. Acabava um e já tinha outro e aquilo estava rendendo muitas fotos, edições, revelações e bastante dinheiro.

 

Ele conseguiu comprar roupas novas, móveis novos, um computador e até um celular do mais moderno, porém esse excesso de trabalho estava acabando com sua vida social. Jeongguk estava ocupado desde que se mudou, há dois meses e até aquele dia, ele não fizera nenhum amigo novo – até porque clientes não são amigos e nenhum deles nem fez questão de tentar se aproximar – e o pior de tudo, ele não beijou uma boca, não comeu um rabinho.

 

Jeongguk estava completamente na seca.

 

Ele estava com uma necessidade enorme de conhecer alguém legal, sair para beber, ter aquela noite de sexo gostoso, só para relaxar, sabe? Mas ele não tinha tempo, estava tão atarefado com seus trabalhos e eles não estavam ajudando em nada.

 

Jeongguk mordia os lábios só de lembrar daquele modelo de cueca, Jimin. Ele foi contratado para tirar fotos do modelo para serem usados na marca e como propaganda. Jeongguk teve que se segurar para não ficar duro, principalmente quando chegou a sessão de fotos com a cueca branca. Jimin tinha uma bunda tão deliciosa, coxas tão delineadas, muito gostoso. As cuecas ficavam tão apertadas, marcavam tudo, todas as curvas e volumes. Jeongguk poderia comer aquele garoto em todas as posições possíveis.

 

Quando ele lembrava-se de quando foi contratado para fotografar um videoclipe, quase ficava duro. Ele tinha que tirar fotos de um novo cantor de funk chamado Hoseok. Ele tinha uma voz muito boa, cantava muito bem, mas o destaque ia completamente para a sua bunda. Jeongguk teve que manter o profissionalismo quando tirava fotos do rapaz rebolando até o chão. Foi uma tortura ficar dois dias inteiros tirando fotos de Hoseok com calças coladas durante todo o vídeo. Ele nem queria imaginar o que era capaz de fazer com o cantor.

 

E Yoongi? Jeongguk não sabia se queria fodê-lo ou dar para ele, talvez os dois. Ele o contratou para tirar fotos para o seu mixtape. Ele tinha uma pose de durão e um olhar que fazia o moreno tremer na base com vontade de dar, mas quando ele sorria e mostrava seu lado doce, Jeongguk sentia vontade de ter debaixo de si até ficar rouco.

 

Jeongguk precisava transar, mas não tinha tempo.

 

O que fazer quando o tempo não colabora com o sexo?

 

O que fazer quando os vídeos pornôs e a masturbação não são mais seus grandes aliados?

 

Quando nem o vibrador te diverte mais?

 

Jeongguk estava voltando do correio onde acabara de enviar as fotos do seu último trabalho. Ele estava pensando seriamente em recusar a próxima oferta para sair e relaxar. Estava muito cansado por continuar naquela rotina de trabalhos. Umas pequenas férias lhe cairiam muito bem.

 

Não pense que é só falta de sexo, ok? Ficar recebendo trabalhos um atrás do outro é muito cansativo, mesmo que seja algo muito proveitoso, como tirar fotos de pessoas lindas. Tem uma hora que tudo isso cansa e o tédio de Jeongguk já estava ultrapassando os limites do lazer.

 

Assim que abriu a porta do estúdio – apenas para entrar em casa, porque ele realmente iria entrar de férias – uma limusine enorme parou na frente do estabelecimento. O motorista deixou o volante e rapidamente abriu a porta para um senhor muito elegante de terno. Suas roupas eram caras, ele usava óculos escuros de marca e segurava uma pasta talvez mais cara que seu terno.

 

– Bom dia. Você é o famoso fotógrafo Jeon Jeongguk? – perguntou com a voz grossa. Ele tinha uma presença muito forte, então o moreno apenas acenou em confirmação com certo receio de como responder.

 

– Não acho que posso me considerar famoso – ele respondeu, aproximando-se para cumprimenta-lo da melhor maneira. Apertou sua mão com firmeza e fez uma reverência em respeito. – A que devo a honra?

 

– Bom, você deve saber quem eu sou. Sou Kim Taeyong, o grande empresário do ramo automobilístico. Já deve ter me visto nas fotos de jornais – pronunciou de forma séria, não parecia que estava se exibindo ou algo assim, estava apenas se apresentando. – Eu recebi ótimas indicações sobre o seu trabalho e gostaria de lhe contratar – disse dando a pasta para o motorista para que pudesse abri-la com facilidade. – Preciso que tire umas fotos do meu filho, algo bem profissional, mas é ele quem vai decidir como as fotos serão tiradas. Então vou lhe contratar por três dias e vou pagar cada um deles. – Ele mexeu em alguns papéis e entregou um cheque a Jeon. – Esse é o adiantamento do trabalho de hoje.

 

– Desculpe, senhor, mas eu estava pensando em… wow! – O Jeon se interrompeu ao ver o valor que estava no cheque. Era o dobro que ele recebia de seus outros trabalhos e aquele era só um dia. Com três cheques daqueles, Jeongguk não só tiraria férias, como também viajaria. – Eu aceito. Com certeza eu aceito, senhor –  animado, respondeu, dobrando o papel que recebera e o guardando no bolso da calça. – Eu só vou precisar pegar meu material e estarei pronto.

 

– Faça isso, mandarei outro de meus motoristas vir lhe buscar. Te desejo um ótimo trabalho – desviou sua atenção, pegando outro papel dentro de pasta. – Quase me esqueci. Esse é um contrato de confidencialidade. Não quero que ninguém saiba sobre essa sessão de fotos. Ela é super secreta, como meu filho diz.

 

– Tudo bem, senhor. Espero que tenha um bom dia – Jeongguk disse pegando o papel, curvando-se várias vezes para o seu novo contratante e correndo para dentro de seu estúdio. Ganharia dinheiro fácil e já era capaz de sentir a pele em contato com a água do caribe. Jeon já planejava grandes feitos com seu dinheiro.

 

Ele apressou-se em arrumar seu equipamento e tomou um banho básico para estar bem arrumado. Afinal, aquele homem aparentava ser bem rico, então deveria estar bem arrumado em sua casa. Assim que estava pronto, deixou seu estúdio para esperar o tal carro que iria o pegar.

 

Pegou o celular para se distrair enquanto esperava, mas o veículo surgiu no mesmo segundo, era um lindo carro preto super-moderno. O homem devidamente uniformizado deixou o carro e abriu a porta para que o moreno pudesse entrar. Ele não podia negar, sempre quis ser tratado assim e por isso sabia que seria um rico mesquinho – se tivesse dinheiro.

 

Jeongguk entrou no carro e apenas aproveitou o passeio pela cidade. Ele morava em uma área comercial e não era tão prestigiada quanto a parte onde estava sendo levado. E como o moreno não saiu muito desde que chegou, viu tantas coisas maravilhosas que prometeu a si mesmo que iria assim que entrasse de férias.

 

A pequena viagem durou cerca de quarenta minutos, aquele silêncio já estava estressando o fotógrafo, que admitia ter pegado mania de falar pelos cotovelos com qualquer um que estivesse em sua presença. Só torcia para o tal Taehyung ser um rapaz gordo, nerd cheio de espinhas na cara para não ficar com vontades durante todo o momento, o que incluía falar demais e acabar por estressá-lo

 

Na frente da enorme mansão, enorme mesmo, podem ficar sabendo, aparentando ter uns cinco andares e se estendendo por vários metros – pelo menos não faltariam lugares para tirar fotos – Jeongguk já imaginava os cômodos grandes e luxuosos presentes na construção, planejando que tipo de fotografias poderia tirar e que material iria usar. É impressionante como ele estava cansado de trabalhar, mas nunca enjoaria dele. Fotografar era a vida de Jeon e, por mais que estivesse sem tempo por conta desse amor, ele sempre estaria disposto a tirar fotos.

 

Assim que a porta foi aberta, Jeongguk respirou fundo e partiu para o trabalho. O motorista ofereceu ajuda para carregar sua mochila pesada cheia de materiais, porém o rapaz negou prontamente. Mesmo que fosse um funcionário da mansão, não gostava de deixar suas coisas com desconhecidos, preferia carregar e montar o equipamento ele mesmo.

 

Seguiu por entre o jardim em direção à porta da grande mansão, avistando um rapaz de pele morena. O moreno percebeu que estava o encarando demais quando seu cérebro constatou os olhos bonitos e o cabelo loiro, e ficou ainda mais envergonhado quando os olhos desceram pelo corpo maior que o seu, vestido com uma bermuda branca e uma camisa um tanto larga azul claro. Ele tinha um óculos escuro no topo da cabeça e olhava para o fotógrafo com os braços cruzados e um sorriso lindo no rosto.

 

Jeongguk pediu um milhão de vezes para que aquela criatura linda que avistara não fosse seu cliente, sentia-se nervoso cada vez que se aproximava. Ele não estava nesse estado por não saber como lidar com o tal Taehyung, mas ele nunca vira um garoto tão lindo – mais lindo que seus outros clientes – há tanto tempo que acabara por sentir uma tremedeira no corpo e uma queimação na área da virilha apenas em tê-lo presente no mesmo espaço.

 

– Boa tarde, você é o Jeongguk, certo? – O rapaz falou com sua voz grossa e extremamente sensual, mesmo que ele estivesse soando simpático, Jeongguk estava tão na seca que achou extremamente sexy. – Meu pai me falou bem de você e disse que começaríamos as fotos hoje. Prazer em te conhecer, eu sou Kim Taehyung.

 

– Jeon Jeongguk, o prazer é todo meu – O rapaz respondeu um tanto trêmulo e sua voz tinha um toque de luxúria, mas Taehyung não pareceu entender. O cliente apenas sorriu e apertou a sua mão com pressão, o fotógrafo apenas pensou no que elas devem ser boas em fazer além de cumprimentar.

 

– Bom, meu pai deve ter falado que essa sessão de fotos é bem secreta, então por favor, não comente nem mostre as fotos para ninguém, sim? – Ele perguntou com certa preocupação, parecia até um pouco envergonhado.

 

– Eu sei bem das condições do trabalho, senhor Kim, e não vou contar nada para ninguém. Prometi ser bem responsável e guardar as fotos em segurança máxima para não correrem o risco de vazarem, confie em mim – Jeongguk respondeu com um sorriso no rosto. – E nem tenho com quem comentar, não tenho amigos em Seoul, sabe?

 

– Não? Nossa, isso é triste, como consegue viver sozinho? Sem conversar com ninguém? Eu enlouqueceria – Ele falou um tanto espantado, Jeongguk não pôde deixar de rir daquela expressão e a forma como as palavras saíram apressadas de sua boca.

 

– Eu trabalho muito, então estou sempre socializando com os clientes e não sinto tanta falta de conversar – Jeongguk respondeu sinceramente.

 

– Não, mas não pode. Assim que eu deixar de ser seu cliente, vamos sair como amigos, tudo bem? Sem essa coisa formal e tudo mais. Não negue meu convite, também quero muito sair – Taehyung falou tudo tão rapidamente que Jeon quase não conseguiu acompanhá-lo.

 

Sair com Taehyung? Jeongguk estava fodido.

 

– Será um prazer, senhor Kim, o seu trabalho é o meu último antes de eu finalmente entrar de férias, então vou ter bastante tempo para sairmos – confidenciou com um sorriso animado, finalmente um cliente estava o tratando de maneira diferente. Finalmente teria um tempo para ele e, mais que tudo isso junto, ele sairia com alguém bonito e gostoso pra caralho. – Então, podemos começar? Acho que você vai querer tirar muitas fotos.

 

– Sim, sim! Eu estou te esperando aqui fora porque achei que poderíamos começar pelo jardim, não acha? Aproveitar a luz natural e com um fundo cheio de rosas ficaria tudo muito bonito. – O Kim estendeu a mão para as roseiras muito bem cuidadas ali perto.

 

– É uma ótima ideia, acho que não sou o único que conhece a arte de fotografar, não é mesmo? – Jeongguk perguntou caminhando com o rapaz pelo jardim até o canteiro de flores ali perto. – Já estudou fotografia?

 

– Não, mas já foi um hobby meu, sempre gostei de tirar fotos de plantas e animais, mas meu conhecimento não chega nem perto de um profissional como o seu – ele falou parando na frente das flores. Jeongguk nem escondeu o olhar admirado para Taehyung, ele estava muito bonito em frente àquela mescla de cores claras. A luz do sol na sua pele a deixava ainda mais bonita e os tons da roupa combinaram perfeitamente.

 

– Olhando para você, nesse cenário que escolheu, com essas roupas, eu duvido muito que não tenha um conhecimento mais aprofundado – falou sincero, colocando a bolsa no chão para pegar sua máquina moderna de melhor qualidade. Jeongguk tinha muito orgulho de possuir uma.

 

– As minhas roupas foram uma grande sorte e qualquer um fica bonito na frente dessas belas rosas. – Assim que Taehyung tocou as pétalas de uma das plantas com as mãos, Jeongguk tirou uma foto. Mesmo que o mais velho não estivesse preparado, ela ficou muito boa. – Ei! Você nem avisou! Devo ter saído com a boca aberta.

 

– Que nada, saiu sorrindo, a foto ficou muito linda, pode ter certeza. – Jeongguk afastou-se mais um pouco para ter uma visão melhor daquele corpo esbelto na sua frente. Taehyung apoiou os braços nas barras de proteção da roseira e olhou para um canto qualquer, estava lindo. O moreno tirou diversas fotos daquele momento e várias outras.

 

Taehyung era um ótimo modelo, sabia fazer expressões perfeitas para o momento e parecia ter decorado cada pose de alguma revista para ficar bem nas fotos. Nenhuma delas ficou ruim, na opinião de Jeon, e aquilo era um grande milagre. Aquele modelo parecia profissional, parecia perfeito.

 

– Acho que já está bom, temos vinte e três fotos – Jeongguk disse apertando no botão para mostrar as fotografias que tirara do rapaz. Ele estava até com medo de revê-las e achar algum defeito que fosse.

 

– Eu posso vê-las depois que terminar seu trabalho, quero que me faça uma surpresa e escolha as melhores fotos – respondeu com um sorriso largo no rosto antes de colocar seus óculos e olhar para o sol. – Hoje o dia está tão bonito que poderíamos tirar fotos só do lado externo da mansão, mas não temos tempo para isso, a mansão é grande e temos apenas três dias para tirar as fotos, não é?

 

– Sim – Jeon respondeu se posicionando rapidamente para tirar a foto de Taehyung. – Eu não sei se isso é antiprofissional, mas preciso te elogiar. Você seria um ótimo modelo, você é fotogênico e apenas precisa agir normalmente para ficar bem nas fotos.

 

– Sério? – Taehyung olhou para o fotógrafo e este continuou a apertar os botões várias vezes consecutivas. O loiro ficava bem de qualquer jeito. – Eu não sei se me sinto o gostoso ou se sinto vergonha. Você não para de tirar fotos minhas. – Ele começou a rir e tirou o óculos do rosto. – Vamos entrar? Eu vou usar um terno para as fotos que tiraremos na sala, então vou demorar para me arrumar.

 

– Tudo bem, apenas me mostre onde é, e eu te espero – Jeongguk disse desligando a câmera e a colocando cuidadosamente dentro da mochila. – Podemos aproveitar a luz natural também, a sua sala tem janelas grandes?

 

– Tem, sim – respondeu enquanto seguiam pelo jardim para dentro da mansão. A porta foi aberta assim que se aproximaram, era como se o mordomo esperasse pela entrada deles apenas para abrir a porta.

 

Passaram pelo hall um tanto quanto luxuoso com quadros, esculturas e vasos. Tinha até uma armadura de verdade no centro, como daqueles castelos antigos. Jeongguk observava tudo com muita surpresa, nunca vira um lugar tão bonito. A luminária de ouro lhe confirmou que a família tinha dinheiro e gostava de usá-lo.

 

Entraram em uma porta, que o moreno nem sabia onde era devido a hipnose que aquele lugar causara em si, e chegaram até um enorme cômodo. O lugar era colossalmente grande e não tinha uma televisão porque era a sala de estar, onde recebiam as visitas. Tinham dois sofás brancos no centro que formavam um círculo perfeito em torno de uma mesa de vidro tão transparente que nem parecia que existia.

 

Mais ao fundo, havia uma escada que os levaria para o segundo andar, podia ver, atrás dos degraus, um corredor que levava a outro cômodo. À direita, no outro extremo da sala, havia um par de poltronas com uma mesa de vidro e um tabuleiro de xadrez. À esquerda, ficavam as janelas grandes, com um sofá embutido na parede para provavelmente observar o céu de dentro.

 

– Mas que lugar maravilhoso. – Jeongguk não estava impressionado com o luxo, mas com a beleza daquele lugar. O decorador fez um ótimo trabalho quando escolhera os móveis, a mistura de cores estava tão bonita.

 

– Muito, minha mãe fez faculdade de decoração interna, então ela conhece muito sobre essas coisas – Taehyung falou se afastando do fotógrafo e seguindo para o corredor atrás das escadas. – Pena que pouca gente nos visita – ele continuou ainda se afastando. – Me aguarde aqui, já volto arrumado para continuarmos as fotos.

 

Jeongguk não se sentiu deslocado no lugar, caminhou pela sala e simplesmente sentou-se naquele sofá extremamente confortável. Ele começou a se perguntar como é possível existir uma pessoa tão linda e talentosa quanto Taehyung que não trabalhava como modelo profissional. Ele poderia ser um grande modelo se quisesse.

 

Desse ponto, acabou se perguntando o motivo de estar trabalhando tanto e não se permitir procurar uma pessoa tão bonita quanto o Kim para se divertir. Ele não sentia falta apenas do sexo, mas também de socializar de verdade. Uma conversa de trabalho não é o mesmo que uma conversa de amigos. Tirar fotos e observar alguém muito bonito não é o mesmo que admirar sua beleza exterior, mas principalmente interior. Jeongguk sentia falta de ter um amigo.

 

– Você está bem? – Taehyung perguntou assim que avistou o pensativo Jeongguk, ele já estava na sala há alguns segundos e o mais novo nem percebera sua presença. O moreno teve que colocar força na mandíbula para sua boca não ficasse aberta ao ver Taehyung de terno. Ele estava lindamente atraente, mais que o normal. A roupa deixava seu corpo esbelto e levemente definido mais visível.

 

– Estou sim, desculpe. Acabei me perdendo nos pensamentos. – Se embolou um pouco nas palavras,  levantando-se do sofá, assim que suas pernas o deixaram se mexer.

 

Jeongguk não trocou muitas palavras com o modelo depois que começaram o ensaio, ele estava completamente focado nas expressões faciais que Taehyung tinha. Ele parecia um verdadeiro herdeiro da fortuna e das empresas quando mostrava seriedade. Um segundo depois, parecia um adolescente ingênuo vestindo um terno e, logo depois, o homem mais sensual do planeta, com seu olhar intenso e boca levemente aberta.

 

Taehyung era um homem de muitas faces.

 

Jeongguk tirou várias fotos no sofá perto da janela, uma mescla de fotos pensativo, sonhador e um tanto sexy em outras. Já no centro da sala, Taehyung deitou-se no móvel branco e tirou fotos mais melancólicas, cansadas, como se fosse um trabalhador no fim do expediente. Por fim, terminaram na mesa de xadrez, com um lado mais pensativo do rapaz enquanto fingia jogar com alguém.

 

Foram muitas fotos e, se Jeongguk não tivesse assinado um acordo de confidencialidade, guardaria várias fotos para si e talvez usasse algumas para sua propaganda como fotógrafo.

 

– Eu estou doido para tirar esse terno, está muito calor – Taehyung disse já tirando o blazer e desabotoando alguns botões de sua camisa. Só aquele ato fez Jeongguk engolir em seco e se obrigar a mudar de foco para não pensar em coisas indecentes, mesmo sendo muito bom nisso desde que tirara fotos com um modelo de cueca. – Eu nunca gostei de usar essas coisas, mesmo que digam que pareço elegante.

 

– Você fica bastante bonito com o terno. – Jeongguk deixou sua famosa sinceridade escapar enquanto guardava sua câmera na mochila. Engoliu em seco quando percebeu seu comentário e ouviu a risada baixa por parte de Taehyung.

 

– Obrigado, mas duvido que eu fique melhor que você. Sua aparência combina bastante com essas roupas formais. Você deve passar uma imagem séria sem perder o olhar infantil – Taehyung comentou desabotoando as mangas da camisa. – Vamos para um dos quartos de hóspedes? A próxima sessão de fotos será lá.

 

– Não vai ser no seu quarto? – Jeongguk perguntou sem nem pensar em segundas intenções, apesar de seu corpo gritar por aquilo. Geralmente modelos ficam melhores em lugares mais confortáveis para si como seus próprios quartos.

 

– Meu quarto parece um quarto de criança cheio de videogames, quadrinhos e tudo o que possa imaginar e duvido que as fotos vão ficar como eu quero lá – o loiro respondeu enquanto afrouxava o nó da gravata. – Podemos tirar umas fotos lá amanhã, se quiser. Fazemos uma sessão mais infantil e descontraída, o que acha? Eu devo ter umas camisas mais claras, shorts e bonés que podem me deixar mais novo.

 

– Seria uma boa ideia, assim podemos ver todas as faces do senhor Kim Taehyung! Já vimos a face artística, séria e trabalhadora – Jeongguk dizia enquanto seguia o chefe pela escada que tinha na sala. Ele fazia de tudo para não acabar se distraindo ou iria se perder. – Assim podemos explorar a infantil também, o lado estudioso em uma biblioteca.

 

– Sim, exatamente isso que eu estou pensando. – Taehyung pegou uma chave do bolso e abriu uma porta logo no início de um longo corredor com algumas portas. Pelo número de entradas, todos os quartos de hóspedes eram enormes.

 

Eles entraram no quarto e Jeongguk comprovou sua teoria, o lugar era enorme. A cama era duas vezes maior que uma de casal, com um colchão aparentemente confortável com mantas e travesseiros branquinhos. Os armários eram embutidos na parede e ele tinha um banheiro próprio. Ele pôde ver um espelho consideravelmente grande do outro lado do quarto ao lado de uma penteadeira com algumas gavetas e um guardador de jóias.

 

– Agora você vai ter que capturar o meu lado sexy. – Jeongguk ouviu a voz de Taehyung soar mais rouca que o normal. Virou-se imediatamente para o rapaz e o viu apenas com uma cueca boxer preta de pé no quarto. O que o moreno queria ver desde quando chegou na mansão ele conseguiu naquele momento. Taehyung poderia ter braços magros e pernas nem um pouco musculosas, mas não deixava de ter um belo corpo. Peito levemente definido, barriga magrinha, mas levemente fofa, sem contar a marca bastante evidente em sua cueca. Ele quase xingou um palavrão quando chegou naquela parte, teve que respirar fundo para não ganhar uma ereção dentro da calça. Lembrou-se imediatamente de Jimin, o modelo de cuecas com a bunda enorme. Nem ele que usava peças de roupas finas e um tanto apertadas devido ao seu traseiro ficava tão marcado quanto Taehyung. – Você acha que consigo tirar fotos assim?

 

– Vou ser bastante sincero com você, isso vai ser bem fácil – Jeongguk disse já colocando a mochila em cima da cadeira para pegar a câmera. Agora estava entendendo o motivo da confidencialidade do trabalho. – Deita na cama, vamos fazer umas experiências. Se você não gostar, tentamos mudar de ângulo.

 

– Tudo bem, mas não sei exatamente como fazer isso – Taehyung disse sentando-se na cama de maneira desajeitada.

 

– Eu te ajudo com isso –  respondeu controlando para não passar nenhum interesse pela voz. Respirou fundo novamente porque sentiu que sua fala iria falhar assim que Taehyung abriu as pernas e continuou. – Você tem belas curvas e uma pele bonita, então acho que podemos explorar isso – falou levando a câmera na altura dos olhos. – Senta na cama apoiado nos braços, levanta a perna esquerda e deixa a outra abaixada.

 

Taehyung obedeceu, Jeongguk respirou e começou a sessão de fotos. Aquele foi o momento mais difícil – e trabalhoso – para o fotógrafo, pois tirar fotos de Taehyung daquele jeito, sem ficar ereto, sem morder os lábios ou sem pensar nada ilícito era algo praticamente impossível, principalmente quando Taehyung deitou na cama, com o braço no rosto e o quadril levemente levantado, ou quando sentou de pernas abertas, com a mão nas coxas e com a língua para fora da boca.

 

Taehyung era quase um pornô.

 

E ele fazia questão de perguntar a todo momento se a foto estava boa, se estava sexy o suficiente, se ele precisava melhorar ou talvez ficar suado. Jeongguk respondia com sinceridade, mas sem quebrar os termos de profissionalismo, ou seja, fazia comentários sinceros, mas sem sua opinião pessoal. Até porque, ele não podia falar que estava louco para colocar a boca naquele membro marcado na cueca.

 

– Isso é muito difícil, Jeongguk – Taehyung disse caminhando para a penteadeira, ele resolveu tentar uma série de fotos na cadeira para ver se ficavam melhores – para o loiro, no caso. O que estava ruim conseguiu ficar pior. O mais velho fazia questão de ficar com as pernas abertas em todas as posições possíveis com aquele olhar intenso e sedutor.

 

Em seguida, tiraram fotos na frente no espelho onde a parte traseira de Taehyung foi o foco dessa fez. Jeongguk não pôde deixar de babar naquele momento também. Aquelas costas largas, bunda aparentemente durinha, aquele cara tinha que ter uma imperfeição porque até o momento, o fotógrafo não havia encontrado nenhuma.

 

– Senhor Kim, acho melhor terminarmos a sessão sexy – falou engolindo seco pela milésima vez naquele quarto. – Acho que tenho fotos o suficiente, se não gostar de nenhuma, podemos tirar de novo, não tem problema – mentiu, tinha muito problema, mas o profissionalismo vem antes. – E o quarto está ficando estranhamente quente.

 

– Sério? Eu estou sentindo frio – Taehyung comentou normalmente antes de ir ao banheiro e pegar um roupão branco para se cobrir. Jeongguk finalmente teria alívio naquela tortura interminável. – Você está bem? Quer que eu chame um dos nossos médicos? Eles chegam rapidinho.

 

– Não, estou bem, deve ser fome, ainda não almocei – Jeongguk mentiu descaradamente, mas a desculpa pareceu convencer Taehyung.

 

– Quer fazer uma pausa para comer? – Ele perguntou com um brilhante olhar preocupado. Como aquele garoto extremamente sexy momentos antes conseguia parecer tão infantil segundos depois?

 

– Não, melhor terminarmos mais uma sessão de fotos e depois podemos fazer um lanchinho. Não quero comer sozinho, e se você comer agora, sua barriga pode sair estufada nas fotos. – Naquele caso, ele estava falando a verdade.

 

– Tudo bem então. Vamos tirar as fotos na sauna, depois podemos ficar lá por um tempo para relaxar, sem trabalho, sabe? Você me parece muito tenso – Taehyung disse caminhando para fora do quarto. Jeongguk arrumou as coisas rapidamente para seguir o morador da mansão. Ele respirava pesadamente na tentativa de se controlar. A última sessão de fotos acabou com suas estruturas, que quase acabou com seu profissionalismo.

 

Ele tinha que esperar para quando saíssem juntos, assim poderia pensar e falar o que quisesse, mas enquanto estivesse no trabalho, teria que ficar de boca calada e apenas fazer o que foi denominado.

 

Seguiu o filho do seu contratador, vestindo um roupão como se fosse a coisa mais normal do mundo. Mas Jeon estava em sua casa e já tinha o visto de cueca, então ele devia estar bem confortável para não se preocupar em vestir algumas peças de roupa. O moreno apenas tentava pensar em outras coisas aleatórias, tipo o que poderia fazer quando recebesse todo o seu salário.

 

Eles andaram por vários corredores parecidos, Jeongguk apenas permaneceu quieto ouvindo os comentários de Taehyung sobre o que fazia na mansão quando finalmente chegaram na sauna. Era uma sauna como outra qualquer, mas ter uma coisa daquela proporção em casa não era para qualquer um. A família Kim era rica e abusava desse status social.

 

– Acha que dá para tirar fotos boas aqui? – Taehyung disse sentando-se em um banco ali perto, já sentindo o calor afetar sua pele. Logo estaria todo suado. – Aqui tem pouca iluminação, as fotos podem sair com má qualidade e eu realmente queria fotos boas aqui. Acho que o suor pode dar aquele efeito maneiro de luminosidade na pele, sabe?

 

– Eu pensei como você, mas eu posso editar as fotos depois caso fiquem escuras. Acho que não seria válido montar meu equipamento para flash aqui ou a fotografia vai ficar menos natural. – Jeongguk disse colocando a bolsa em um canto para pegar sua câmera. Estava a menos de um minuto no local e já estava suando. Detestava o fato de transpirar muito e com facilidade, se sentia a pessoa mais porca do mundo.

 

– Quer pôr um roupão? Vai ficar mais confortável do que com camisa e calça jeans. Vai morrer de calor – Taehyung comentou colocando a mão por debaixo do roupão para tirar a cueca. É claro que Jeongguk engoliu em seco. O rapaz estava sem nenhuma roupa além daquele pano, e estava pedindo para tirar as dele também. Quem não ficaria levemente excitado?

 

– Melhor não, acho que vou me sentir desconfortável sem minhas roupas. Sem contar que o roupão pode atrapalhar minhas posições estratégicas para tirar as fotos – Jeongguk disse verificando a luminosidade do lugar pela câmera. Na verdade, ele só não queria ficar nu em um lugar fechado com Taehyung porque a camisa já estava ficando grudenta e a calça no mesmo estado.

 

– Acho que você vai ficar mais desconfortável com essas roupas, mas já que insiste. – Taehyung jogou a cueca em algum canto. – Vamos começar, tem alguma posição que você queira me indicar? – A pergunta pareceu inocente, mas Jeongguk se xingou internamente por ter absorvido como duplo sentido.

 

– Bom. – Ele sentiu o corpo estremecer e a respiração ficar pesada. Aquela beleza não estava ajudando nada, somado àquela pele levemente bronzeada iluminada pelo suor. Jeongguk sentia que iria ficar louco. – Podemos fazer uma foto levemente sexy. Pegue  a cueca e segure como aquelas policiais sexys fazem com as algemas, sabe como?

 

– Assim? – Ele perguntou pegando o tecido preto, colocou o dedo dentro da roupa íntima e olhou com intensidade para a câmera. Jeongguk se arrependeu de tê-lo indicado, mas nem ele mesmo sabia o que estava fazendo, então apenas jogou o foda-se para a situação, estava ferrado desde que tirou as fotos de Taehyung de cueca. Agora que estava nu na sua frente, que abuse da sorte.

 

– Senta ali, abra as pernas, mas não muito para não aparecer nada. Coloca a mão direita entre elas e faz sinal de silêncio com a outra. E lança aquele olhar excitante que você sabe fazer muito bem – ele apenas falou flexionando as pernas para ficar na altura de Taehyung. O modelo o obedeceu e o moreno agradeceu aos deuses por aquela fotografia. Ele também jogou o foda-se para o contrato, aquela era a melhor foto do dia e ele guardaria uma cópia para si. – Perfeito.

 

– Eu não sabia que achava meu olhar excitante. – Ele soltou uma risada fraca e acabou constrangendo Jeongguk de certa forma. É isso que acontece quando não pensamos no que falavam. – Sinceramente, eu pensei que você era hétero porque você só tira fotos de modelos masculinos.

 

– E por que eu preciso ser hétero para tirar fotos de homens? Isso não faz nenhum sentido. – Jeongguk não parou de tirar fotografias. Ele sabia que Taehyung ficaria perfeito em qualquer foto, então continuava seu trabalho mesmo com ele falando. – Se eu gosto de homens, o natural seria tirar fotos de homens.

 

– Acho que não, imagina, você é gay e tem que tirar fotos de homens lindos e gostosos toda hora – Taehyung falava pensando sobre aquilo, claro que Jeongguk fotografou esse momento. – Deve ser uma tortura interna muito grande, eu não conseguiria.

 

– Bom, eu sei separar as coisas. Trabalho é trabalho, então não importa se a pessoa é a mais deliciosa do mundo, eu tenho que colocar minha reputação e profissionalismo em primeiro lugar – ele falou finalmente olhando para Taehyung sem o foco da lente. – Eu aguento, já estou acostumado.

 

– Deve estar mesmo. Eu não aguentaria tirar fotos de você só de cueca fazendo poses sexys para mim – Taehyung comentou levantando as pernas, mas para a sorte de Jeon, nada ficou exposto. – Eu sou meio impulsivo quando o assunto é sexo, então eu acabaria mandando meu profissionalismo para a puta que pariu e te agarrando.

 

– Então você me chamou de sexy e gostoso. Então acho que posso me gabar de hoje em diante – disse antes de focar-se novamente em sua câmera. As fotos estavam ficando muito boas e a pele suada de Taehyung estava ajudando bastante, mas ao contrário dele, Jeon já tinha passado de poça de suor para mar.

 

– Eu sou sempre sincero – Taehyung falou normalmente mudando a expressão para algo mais sensual de um segundo para o outro. Naquele momento, Jeongguk sabia que seu modelo também gostava de homens e poderia ter algo com ele depois que terminassem o trabalho.

 

– Bom, a gente ainda vai sair depois que terminarmos as sessões de fotos, não vamos? Então se eu tiver que te agarrar, vai ser depois. – Só o fato de Jeongguk estar falando aquilo já estava quebrava qualquer regra contratado-cliente. Ele já estava começando a achar que era melhor calar a boca. – Eu só tenho que esperar um pouco, não é mesmo?

 

Taehyung apenas riu do que ele disse e continuaram o trabalho. As fotos ficaram maravilhosas, principalmente depois que Taehyung deitou no lugar, do mesmo jeito que fizera no sofá, porém, ao invés de cansaço, a cena transmitia um ar melancólico. Parecia que o mais velho estava morrendo trancado naquele lugar.

 

– Acho que podemos terminar por hoje – Jeongguk disse suspirando alto devido ao lugar abafado e quente. – Eu realmente preciso sair daqui, tomar um banho, trocar de roupa e comer porque estou morrendo de fome. – Ele passou as costas da mão pela testa e pareceu que alguém tinha jogado um copo de água em sua cabeça. – Pareço aqueles caras consertando o telhado com um sol de rachar.

 

– Verdade. E sua camisa está bastante transparente. Melhor não vir mais com cores neutras – Taehyung disse normalmente como sempre. Ele levantou-se de onde estava e amarrou novamente o roupão. Ele tinha aberto levemente para mostrar parte de seu peito a fim de deixar a foto mais sexy.

 

– Noventa por cento das minhas camisas são brancas. O restante é tudo preto – Jeongguk respondeu guardando a câmera pela quarta vez no dia em sua mochila. – Imagina eu vestido de preto aqui dentro? Acho que eu passaria mal, de verdade. Detesto ficar suado desse jeito.

 

– Ai, que merda – Taehyung disse puxando a maçaneta várias vezes com certa força. – Jeongguk, vou te fazer uma pergunta simples e espero que você não me desaponte porque estou confiando em você. – O mais novo apenas uniu o cenho em confusão antes esperando que Taehyung lhe explicasse tudo. – Você por acaso girou a tranca para cima antes de fechar a porta?

 

– Claro! Ou ficaríamos trancados aqui. Assim que percebi isso, eu virei. Por quê? Estamos trancados? – Jeongguk perguntou aproximando-se da porta para descobrir por si mesmo.

 

– Sim, sabe por quê? Porque você nos trancou aqui – o loiro disse com um leve tom de irritação, Jeongguk sentiu que tinha feito merda. – Nesta porta, assim como em várias outras nessa casa, é fechada quando a tranca está para cima.

 

– Você está brincando comigo, não é? – Jeongguk sentiu um leve desespero tomando seu corpo. Suas mãos, já suadas, passaram a suar ainda mais devido ao desespero que sentiu quando tentou puxar a porta e ela não abria. Ele sabia que perceberiam a ausência dos dois e que o soltariam em algum momento, o grande problema é a demora, porque Jeongguk não aguentaria ficar em uma sala trancada, naquele calor insuportável, com Taehyung.

 

– Bom, acho que estamos oficialmente trancados – O mais velho disse levantando os braços conformado antes de sentar-se onde estava antes. Jeongguk ainda insistiu de puxar o objeto com mais força esperançoso que ela apenas estivesse emperrada, mas logo desistiu mordendo os lábios em desespero. – Vamos esperar até o que empregado venha trazer um lanche para nós e perceba que estamos trancados.

 

– Eles sabem onde estamos? Essa mansão é enorme! Eles podem ficar nos procurando por horas!

 

– Sim, eles sabem nosso cronograma, eles nunca me deixariam muito tempo com um desconhecido – Taehyung disse olhando para o moreno ainda de pé com a mochila. – Melhor você esperar sentado porque pelo seu estado, vai acabar passando mal. Relaxa, ok? Logo vai aparecer alguém.

 

– Ok, então – Jeongguk disse deixando a bolsa novamente no chão e sentando um tanto afastado de seu cliente. Passou a olhar uma parede vazia, sentindo várias gotas de suor percorrendo seu corpo enquanto sentia o calor se intensificar ainda mais.

 

– Por que está tão afastado? Eu não mordo – murmurou o mais velho, arrastando-se pelo lugar para perto do fotógrafo.

 

– Eu estou em um estado deplorável, muito suado, devo estar fedendo à beça, não quero ficar perto de você nesse estado. – Jeongguk até pensou em se afastar, porém Taehyung levantou uma perna e colocou-a em cima da sua. – E você pode não morder mas, na seca que eu estou, eu mordo.

 

– Ah é? Bom saber –  falou parecendo desinteressado. Olhou para a camisa transparente e colada no corpo do mais novo e a puxou-a com a ponta dos dedos como se segurasse algo nojento. – Por que você não se livra disso? Aqui está muito calor e isso só piora sua situação. Além do mais, ela está tão transparente que nem faz diferença você ficar com ela ou sem.

 

– Contanto que seu pai não me mate por isso – respondeu já tirando o tecido encharcado e até pesado de suor. Fez um pequeno bolo com a camisa e jogou-a em um canto qualquer sentindo um alívio quase nulo, mas era muito melhor que estar com algo tocando seu corpo.

 

– Nossa, eu me enganei – o Kim falou de repente, colocando a mão no peito levemente definido do fotógrafo. – Você fica muito mais gostoso sem a camisa – sussurrou, percorrendo seus longos dedos por todo o local como se já fossem íntimos. – Olha que mamilos rosadinhos, chega a ser fofo.

 

– Não me toque assim, por favor – Jeon rebateu com dificuldade de respirar, mas sem fazer um movimento para impedir o mais velho. Fechou os olhos aproveitando um pouco o toque, mas logo percebeu o que estava fazendo quando sentiu a calça ficar cada vez mais apertada na região da virilha. – Eu vou acabar fazendo o que não devo.

 

– Eu quero que faça o que não deve – O mais velho disse, movimentando-se de maneira mais ousada, jogou as pernas em torno do corpo de Jeon e nem se importou de estar sem cueca, apenas sentou em seu colo, olhando intensamente para aquele homem lindo na sua frente. – Fazer o proibido é mais gostoso.

 

– Ah, que se foda! – Jeongguk puxou a cabeça de Taehyung com força e fez o que tinha vontade  o dia todo: atacou aqueles lábios atraentes. Fez questão de explorar todo o espaço com sua língua agitada. Taehyung fez o mesmo, afinal sentiu-se atraído pelo rapaz assim que o viu descendo daquela limusine. Não se orgulhava por aquilo, mas a primeira coisa que pensou quando viu aquele rosto infantil é do quanto ele deve ser belo em algumas posições, como ajoelhado de frente para o seu corpo ou de quatro.

 

O corpo do mais velho agiu automaticamente, ele passou a beijar com mais vontade Jeongguk quando percebeu que além de beijar bem, tinha um bom gosto. Passou a mover-se no colo do moreno apenas para provocá-lo, enquanto sentia sua ereção aumentar somente por passar a mão naquele peito definido e suado.

 

Taehyung estava completamente nu por baixo daquele roupão, então Jeongguk estava quase perdendo o controle. Ele não imaginou que faria algo tão impensado e impulsivo quanto aquilo: transar em uma sauna, e ainda por cima com um cliente. Aquilo era um grande resultado de sua seca. Sem contar que estava quase gozando só de ter o rapaz no seu colo, e ele ainda estava de calça!

 

– Tira a calça logo –  Taehyung disse saindo de cima do corpo suado do fotógrafo. Ajoelhou-se na frente do mais novo e o ajudou a tirar o zíper daquela vestimenta, tirando-a daquele corpo grudento e suado juntamente com uma cueca que não era necessária naquele momento. – Ai, caraca, eu preciso desse pau.

 

Jeongguk achou o rapaz bastante apressadinho e indelicado com as palavras, para um riquinho filhinho de papai, mas ele nem estava se importando com aquilo, principalmente quando sentiu aqueles lábios em torno do seu membro. – Puta que pariu! – Gritou na sala quando espasmos dominaram seu corpo em ondas de prazer. O mais novo jogou o quadril para cima a fim de ter uma melhor contato e por pouco Taehyung não se engasgou.

 

– Você estava realmente querendo isso – o Kim murmurou e com um sorriso convencido no rosto. Então tirou a faixa de seu roupão e o amarrou um tanto apertado na base do pênis de Jeongguk. Ele sabia que o rapaz estava louco de excitação e que ele não precisaria fazer muito para fazê-lo gozar em sua boca.

 

Mas Taehyung não queria que aquilo acabasse logo, queria que demorasse. Por isso, amarrou o local, forçando-o a não gozar até que ele retirasse o nó. – Você não vai gozar até que eu queira.

 

– Você é completamente diferente do que eu imaginei – Jeongguk disse antes de receber a boca de Taehyung em suas partes de novo. O moreno nem se importou de gemer alto. O mais velho não começou devagar como os outros geralmente faziam, ele já começou com movimentos rápidos de cabeça com bastante pressão nos lábios e precisos movimentos de sua língua.

 

Jeongguk revirou os olhos e tombou a cabeça para trás. Ele sentiu seu corpo ficar ainda mais quente e quase alcançando o clímax. Estava pronto para gozar quando a faixa impediu. Ele sentiu um pouco de dor no lugar, mas logo o prazer o dominou de novo, arrancando outro gemido. Taehyung sorriu durante o ato e passou a mover-se devagar apenas para torturá-lo. Jeongguk respirou fundo e levou suas duas mãos ao cabelo do mais velho, forçando-o a mover-se mais rápido.

 

O mais velho sorriu novamente, pegou os pulsos do rapaz com suas mãos e os prendeu ao lado do corpo enquanto se movia da maneira que queria. Jeongguk até poderia se livrar facilmente daquilo, mas estava dominado por aquelas sensações, seu corpo tremia e a vontade de gozar era contínua. Jeongguk estava anestesiado pelo prazer.

 

– Seu desgraçado –  ele falou assim que sentiu que iria gozar novamente. Gemeu alto quando o líquido não encontrou sua passagem natural. A dor durou segundos antes do prazer voltar a aparecer. Jeongguk estava prestes a fugir das mãos de Taehyung para foder aquela boca até gozar quando o rapaz chupar toda a extensão lentamente e deixou um som estalado assim que afastou a boca de sua glande.

 

Ele subiu novamente no Jeon, se sentando em seu colo antes de desfazer o nó do laço em seu membro. – Goza para mim, vai? – Ele falou com a voz rouca antes de mover seu corpo. O mais novo sentiu o corpo enfraquecer depois daquele tom usado por Taehyung. Jeongguk apertou forte a bunda do rapaz e finalmente gozou.

 

O clímax que tanto queria finalmente chegou, se desfazendo e sentindo um prazer inexplicável. Taehyung gemeu baixinho quando sentiu o líquido quente em sua pele, mas logo iniciou um beijo cheio de luxúria e vontade.

 

Todavia, aquilo não poderia acabar assim, Jeongguk sabia que não era o fim. Além do mais, ele queria mais e não sairia daquela sauna até estar completamente satisfeito. – O sexo oral foi ótimo, mas quero mais que isso. Quero transar –  confessou, beijando novamente os lábios de Taehyung antes de puxá-lo para si. – Prefere comer ou dar?

 

– Gosto de ficar por cima, e você?

 

– Eu gosto de ficar por cima também, tanto para dar como para comer. – Ele falou agitado levando a mão até o corpo suado de Taehyung por debaixo daquele roupão e finalmente pegando naquele membro que tanto queria ver, tocar, chupar, sentar, tudo. Taehyung riu da resposta do moreno e reformulou sua resposta.

 

– Eu gosto de foder os outros com força – ele falou, atacando o pescoço de Jeon. Mesmo que estivesse com um gosto predominantemente salgado de suor, ele gostou de fazer isso. –  Então? O que vai ser?

 

– Só deita no chão, vou sentar gostoso em você. – Jeongguk nem media suas palavras, afinal estava completamente fora de si, apenas queria aproveitar. E Taehyung não ajudava em nada nesse aspecto.

 

– Que ousadia, eu gosto disso. – Ele levantou-se rapidamente e finalmente se desfez daquele roupão. Jeongguk ficou alguns segundos parado observando aquele corpo moreno. Desde que chegara a mansão, ele queria ter visto aquele corpo sem roupa nenhuma, principalmente depois da sessão de fotos sem cueca.

 

Como ele imaginara, Taehyung era perfeito, da cabeça aos pés. Ficou vários segundos apenas o observando, de boca semiaberta, salivando com aquela visão. Aquele corpo tão bonito sem comparação, sem igual.

 

– Eu deixo tirar uma foto para admirar melhor, se quiser – Taehyung disse com a mão na cintura antes de piscar para o moreno. Jeon sorriu e levantou-se rapidamente para beijar aqueles lábios que gostou tanto. Sentia um pouco do seu gosto em sua boca, mas aquilo não diminuía em nada a satisfação em ter a língua na boca alheia.

 

Taehyung aproveitou a aproximação para apertar a ereção naquele corpo suado enquanto passava a sua mão pelo corpo do mais novo a fim de conhecer cada centímetro. Fez questão de apertar a bunda do rapaz com força antes de morder aqueles lábios um tanto avermelhados por conta dos beijos quentes que trocavam.

 

Ofegantes após o fim do ósculo, Jeongguk pressionou o corpo do mais velho para baixo a fim de fazê-lo sentar-se no chão. – Fica deitadinho, paradinho, minha vez de comandar agora –  Jeongguk falou com a voz autoritária. Estendeu-o pelo chão antes sentar em cima da ereção de Taehyung. O moreno queria muito começar logo aquele ato que esperou por meses, mas ele podia perder mais alguns segundos provocando Taehyung.

 

Passou a rebolar por cima do membro ereto enquanto mordia os lábios e mandava alguns olhares para o mais velho. Taehyung respirava fundo, segurando qualquer som de prazer que pudesse tentar escapar de sua garganta. Ele não aguentou, moveu os braços e segurou com força a bunda do Jeon, com direito a deixar marcas. Mas era Jeon quem mandava naquele momento, então ele apenas tirou as mãos do rapaz de seu corpo e as prendeu em cima da cabeça com suas mãos. Em seguida, atacou o pescoço do Kim com sua boca enquanto ainda movia o quadril de forma precisa.

 

Taehyung deixou um gemido grave escapar, era aquilo que Jeongguk queria. Sorriu no meio do ato e passou de seu pescoço para a boca, começando um beijo intenso e desejoso. Depois chupar com vontade os lábios de Taehyung e achar que já tinha feito o suficiente, achou melhor acabar com aquele joguinho, afinal ele queria aquilo tanto quanto o loiro.

 

Posicionou o pênis em sua entrada e abriu as pernas de modo que ficasse confortável. – Não vai se preparar? – Perguntou Taehyung entre respirações pesadas. Seu pênis começou a latejar só pelo fato de sua glande sentir o calor da entrada do mais novo.

 

– Eu me masturbei com um vibrador ontem e aposto que o suor vai ser um ótimo lubrificante – falou mordendo os lábios antes de colocar o pênis de Taehyung dentro de si, bem devagar, centímetro por centímetro. Ele jogou a cabeça para trás com os olhos fechados enquanto sentia toda aquela extensão dentro de si. – Ai, como eu sentia falta disso – comentou quando colocou tudo dentro de si. Soltou um murmúrio baixo enquanto lambia os lábios e revirava os olhos. –  Mil vezes melhor que um vibrador.

 

Ele ainda sentia um pouco de queimação no local, mas logo começou seus movimentos inicialmente lentos. Nem acreditava que finalmente estava saindo da seca e com um cara gostoso daquele.

 

Ouviu Taehyung resmungar alguma coisa, e Jeongguk fez questão de iniciar uma troca de olhares com o mais velho antes de aumentar um pouquinho a velocidade. – Vou fazer assim, cada vez que eu me sentir satisfeito, você vai ganhar um prêmio extra, MAS você não pode se mover nenhuma vez. Eu que comando – Jeongguk disse com um sorriso de lado, e Taehyung apenas pôde aceitar. – Você pode colocar a mão no peito se quiser, mas só nele. Nada de quadril, nada de bunda, ok? Ou te darei uns tapas pela desobediência.

 

– Eu gosto de levar tapas – Taehyung disse com um sorriso antes de levantar os joelhos. Jeongguk jogou um pouco o corpo para trás e apoiou-se neles. Passou a cavalgar em Taehyung enquanto sentia suar ainda mais devido aos movimentos. Seu corpo estava completamente quente e já estava ereto novamente. Fazer sexo é maravilhoso, e Jeongguk não sabia como ficou tanto tempo sem fazer.

 

Taehyung usou e abusou da permissão que tinha. Mesmo que estivesse quase explodindo de prazer por sentir Jeongguk tão gostosamente em cima de si, passou a acariciar toda aquela extensão definida e brincar com aqueles mamilos que tanto gostou. Jeongguk gemeu um pouco sem parar de se mover. Ele pediu para Taehyung usar aquele lugar porque ele era sensível ali e queria o mais velho o tocando deliciosamente.

 

Como recompensa, Jeongguk apertou suas paredes internas em torno do pênis do mais velho e o arrancou um gemido. Era assim que ele gostava. Sorriu lambendo os lábios secos e aumentou a velocidade. – Pode segurar meus quadris agora. – Permitiu, gemendo no final da frase.

 

Taehyung exaltou-se e não perdeu tempo. Segurou o local e passou a acompanhar os movimentos daquele corpo si. Ele queria muito dar tapas e arranhar aquelas coxas grossas que estavam tão perto das suas mãos, mas não podia arriscar de ser punido por Jeongguk. Apesar que uns tapinhas seriam ótimos naquele momento.

 

Taehyung sorriu travesso para o moreno, e o Jeon sabia que ele iria fazer algo que não devia, então o desafiou com o olhar. O mais velho apostou todas as fichas e levou suas mãos até as coxas do moreno apertando e arranhando o local. Ele gemeu alto quando sentiu aquelas unhas na sua pele, mas parou seus movimentos imediatamente, com o pênis ainda dentro de si.

 

– Que menino desobediente –  falou tirando as mãos de suas pernas, em seguida, sem pensar duas vezes ou medir forças, ele bateu nas pernas morenas do rapaz. O som alto ecoou pela sauna tão alto quanto o gemido de Taehyung. E Jeongguk bateu de novo e de novo. Três vezes para deixar o local bem ardido. – Não era para você gostar da punição, Taehyung.

 

– Não tenho culpa se suas punições são prazerosas – ele falou com a voz arrastada sentindo o pênis latejar naquele interior. Estava perto de chegar ao seu ápice e ele sabia disso. Jeongguk era muito bom naquilo e Taehyung se castigaria eternamente por não tê-lo conhecido antes.

 

– Bom, você foi um garoto mal, mas me fez sentir prazer. Então além da punição, vai ganhar uma recompensa. – avisou, passando a mão no local que batera momentos antes, enquanto se tocava com a outra mão. – Você pode mover o quadril, mas se não me der prazer, o castigo não será nem um pouco divertido.

 

Jeongguk sorriu lançando-lhe um olhar erótico, em seguida, deitou-se sobre Taehyung, um pouco cansado depois de todo aquele movimento. Invadiu a boca do mais velho com a sua e deixou que ele terminasse o trabalho. Ele queria ficar tonto de tanto prazer, e ele sentia que seu modelo era capaz daquilo.

 

Taehyung levou as duas mãos até a bunda de Jeongguk, abriu-as com seus dedos e passou a penetrar com toda a necessidade que teve durante todo o dia. Os movimentos foram bem excitantes. Jeongguk gemeu junto com Taehyung no meio do beijo. Jeongguk teve que se segurar no ombro do rapaz para não perder o equilíbrio e cair. Mas ele confirmou o que já sabia desde o princípio. Taehyung fodia muito bem.

 

Continuou beijando o rapaz enquanto sentia o corpo cada vez mais quente, cada vez mais excitado. Jeongguk tentava controlar os sentidos durante cada penetração que Taehyung fazia. Ele entrava e saia com muita velocidade, mas ao mesmo tempo, com bastante profundidade. Como ele disse antes, muito melhor que o vibrador. Ele ia muito mais fundo, com muito mais vontade.

 

O som das peles se chocando era alto, os gemidos eram abafados pelos beijos e Jeongguk não queria mais aquilo, queria mais som, gostava quando gemiam para si. Então afastou sua boca de Taehyung e prendeu seus sons na garganta apenas para ver aquele som grave deixando aqueles lábios inchados e entreabertos. Sentiu espasmos por todo corpo com aquele som excitante, passou a se tocar porque não estava aguentando mais. O sexo estava maravilhoso e Jeongguk estava amando ser fodido por aquele homem que tinha acabado de conhecer, mas desejou desde o início.

 

Suas mãos nem tinham um movimento contínuo, ele apenas se masturbava enquanto sentia a glande atingir o melhor ponto em seu interior. Ele deixou um gemido manhoso escapar, fazendo com que Taehyung fizesse o mesmo. Talvez por eles estarem completamente em sintonia, acabaram por gozar juntos, um no corpo do outro, enquanto os gemidos ecoavam por toda a sauna.

 

Jeongguk sentiu todo o corpo ficar fraco, o suor já estava pingando pelo seu corpo. Apenas se deixou ganhar pelo cansaço e deitou-se sobre o moreno. O peito de ambos subia e descia freneticamente devido ao ato anterior. O suor já se misturava nos corpos de ambos. Jeongguk nem sabia o que pensar, muito menos o que falar. Aquilo tinha sido perfeito. Se alguém o perguntasse como é fazer sexo com Kim Taehyung, ele não saberia como descrever, nem explicar.

 

– Isso foi demais. – Taehyung foi o primeiro a falar, beijando o pescoço de Jeongguk. Tinha gostado dele, não só pelo sexo, mas como pessoa. Jeongguk era legal, simpático, bom de papo, somando isso ao fato de ser muito gostoso e bom de cama fazia o mais velho querer se aproximar cada vez mais. – Desculpa, Jeon, mas preciso falar, você é gostoso pra caralho e isso foi espetacular. Então dane-se o profissionalismo, essa foi a melhor transa dos últimos tempos. – Taehyung já estava começando a respirar normalmente e Jeon riu da sinceridade exagerada. – Você nunca será demitido se depender de mim.

 

– Obrigado. O dinheiro desse trabalho é realmente lucrativo para mim – Jeon falou tentando se levantar, mas Taehyung o abraçou, impedindo-o de afastar os corpos. –  Taehyung, se um dos empregados nos pegar assim, ninguém irá impedir a fúria do seu pai sobre mim.

 

– Eu não me importo. Você acha que ninguém ouviu nosso showzinho? – Ele perguntou beijando novamente o pescoço do Jeon. – E eu confio nos meus empregados. Eles sabem que não podem se meter na minha vida pessoal. E agora somos amigos, independente se seu pai te contratou ou não. Você faz parte da minha vida agora.

 

– Isso foi muito legal de se dizer – Jeongguk disse movendo o quadril para sentir novamente aquele pênis dentro de si. – Então vou ser sincero também e falar que nunca transei tão gostoso antes, você é muito bom no que faz e a minha vontade é de repetir.

 

– Bom, ainda temos dois dias de sessão de fotos e mais um encontro depois do trabalho – Taehyung relembrou, dessa vez olhando nos olhos do moreno. – E você pode dormir aqui. Temos uma sessão de fotos de manhã bem cedinho, sabia?

 

– Pois eu não sabia disso. – Jeongguk brincou rindo da forma que ele estava falando.

 

– Pois está sabendo agora. E você vai dormir no meu quarto porque teremos uma sessão de fotos noturnas. – Taehyung falou sequestrando os lábios do mais novo com os seus. Não teve muita luxúria nesse ato, ele tinha sido estranhamente carinhoso. – Então, topa?

 

– Com toda certeza – Jeon respondeu voltando a beijá-lo.


 


 

As costas de Jeongguk atingiram com força a parede atrás de si. O palavrão fora engolido quando o rosto do Kim aproximou-se perigosamente do seu, deixando com que o peso de seu corpo prendesse o Jeon completamente. O nariz de Taehyung roçou o pescoço alvo, como se procurasse algo fora do comum. Jeongguk se irritou naquele momento, afastando o loiro de perto de sua pele e o olhando com fúria.

 

– O que porra pensa que está fazendo, Kim? – sibilou, atraindo os olhos nervosos do maior para seu rosto.

 

– Eu é que te faço essa pergunta, Jeongguk. O que estava fazendo com aquele cara?

 

Jeongguk suspirou, a raiva ainda iminente.

 

– Ele é meu cliente, seu idiota! E você está estragando tudo. Já não falei para ficar longe de mim? – direcionou a pergunta retórica, empurrando o peito do maior e tentando escapar daquele aperto o quanto antes.

 

Naquela tarde em especial, Jeongguk havia pegado um trabalho novo. O modelo usava o nome de Kai, e aparentemente era o novo queridinho das telas. Quando o mesmo chamara Jeongguk para fotografar sua nova propaganda, o moreno vira nisso uma oportunidade para seu trabalho crescer ainda mais. Logo após seu trabalho para a família Kim, seu nome ficou conhecido por todos os cantos, impossibilitando o mesmo a ter aquela mesma vida pacata de sempre. Do dia pra noite, as fotos de Taehyung se espalharam como fumaça, e o Kim também vira sua rotina ser mudada drasticamente ao aceitar trabalhar como modelo para marcas famosas, principalmente para as de cuecas.

 

Sim, Kim Taehyung virou uma febre por entre as roupas íntimas, tanto por ter um porte físico ideal quanto por suas expressões espontâneas e seu carisma exagerado. Jeongguk de início não aceitou muito bem aquele corpo esculpido especialmente para si ser panfletado por toda a cidade, alcançando até mesmo outros países, mas ele também não ficara para trás: o moreno era o fotógrafo dos semi-deuses, como ficou conhecido, e seu trabalho era tão bem valorizado que não havia descanso para si.

 

Como consequência, a amizade que os dois criaram a partir da sessão de fotos cada vez mais se desfazia. Taehyung era um poço de ciúmes ambulante, e Jeongguk chamava atenção por onde passava. O resultado eram brigas desnecessárias e um Jeon se afogando em outros corpos sem medir as consequências. E Taehyung já estava cansado de dividir o seu moreno com qualquer um. Tanto que aceitou participar de uma coletiva de sua empresa, onde o tal Kai estava e Jeongguk fora convidado. Só não lhe passou pela cabeça encontrar os dois morenos se comendo com os olhos e sendo o foco das lentes de colunas de fofocas.

 

Jeongguk pagaria por isso.

 

Taehyung enlaçou a cintura do mais novo, mantendo-o pressionado na parede branca e o obrigando a mirar seu rosto.

 

– Não faz isso comigo… – sussurrou, passando o nariz pela tez do moreno, percebendo-o querer se afastar. – A culpa disso é sua.

 

– Isso o qu… – foi impedido de terminar, tendo a boca invadida pela língua alheia. Fazia tanto tempo que o Jeon não a sentia que as pernas fraquejaram, impedindo-o de negar o contato, levando as mãos até os cabelos claros do mais alto.

 

Taehyung interrompeu o ósculo, sorrindo safado e deixando o moreno confuso. Porém, quando seu corpo foi virado bruscamente, o rosto esmagado contra o concreto e a bunda apertada com força, Jeongguk percebeu as intenções do mais velho.

 

– Me solta, Taehyung! Nem pensar que vamos fazer isso aqui. Alguém pode nos ver. – a voz do mais novo soou nervosa, sendo ainda mais prensado contra a superfície fria, sentindo o membro do loiro sendo pressionado contra seu corpo.

 

– Por quê, Jeongguk? Tem medo de Kai vir atrás de você? – infiltrou a mão pela blusa do moreno, tocando um dos mamilos e rodeando-o com o indicador. – Ele saberá que você é meu, então.

 

A boca carnuda do loiro alcançou a nuca pálida alheia, espalhando uma grande quantidade de saliva com a língua pela pele desnuda. Os arrepios pelo corpo menor eram instantâneos, deixando o Kim satisfeito e despertando o membro negligenciado do Jeon. Quando as mãos grandes de Taehyung apertaram a cintura marcada do mais novo, Jeongguk ousou rebolar, deixando evidente a sua perca de controle. Mas era sempre assim: bastavam alguns toques mais fortes do loiro para Jeongguk mudar drasticamente de opinião, e fazer aquilo em público parecia atiçá-lo ainda mais, chegando a esfregar o pau na parede e suspirando baixinho com os beijos e mordidas distribuídos em seu pescoço.

 

– Não me marque, imbecil – murmurou, soltando um resmungo quando Taehyung exagerou na mordida em sua pele, sugando logo em seguida.

 

– Hoje você não está no comando, Jeon. Aproveite enquanto estou sendo gentil – soltou um tapa estalado na coxa direita do menor, obrigando-o com a mão a abrir as pernas e encostar o peito na parede, se apoiando meramente. Taehyung sorriu travesso, agachando-se e fazendo Jeongguk o olhar.

 

– Ande logo, Taehyung. Não temos tempo pra isso.

 

O Kim direcionou as mãos à cintura que tanto gostaria de marcar, deixando Jeongguk surpreso quando abaixou de uma vez as peças de roupa, deixando aquela bunda deliciosa exposta para si.

 

– Já falei que quem manda sou eu, Jeon. Cala a porra da boca.

 

Jeongguk calou-se, incrédulo pelas palavras do outro. Taehyung nunca fizera questão de ser o dominador e, agora, de uma hora pra outra, resolveu que foder sua bunda no meio de uma coletiva seria uma ideia adequada para os dois. Queria gritar com o loiro, mas tudo que saíra de sua boca fora um gemido um pouco alto quando sentiu uma fisgada gostosa na nádega direita; o Kim mordia e lambia cada pedaço da carne branquinha, enquanto as mãos tratavam de puxar o quadril do mais novo de uma forma bruta e rápida, fazendo o Jeon grudar-se de qualquer jeito na parede e abrir as pernas na tentativa de se equilibrar. Porém, quando escutou uma risada baixa do loiro e um aperto mais forte na cintura, sentiu as mãos impacientes do mais velho abrindo sua bunda deliberadamente, deixando Jeongguk corado inesperadamente.

 

E Jeongguk não sentia vergonha. Nunca.

 

Taehyung levou o indicador até a entrada rosada, arrancando um gemido arrastado do moreno quando investira contra o músculo, colocando a pontinha do dedo no anel rosado, vendo-o contrair na tentativa de expulsá-lo de lá. Sorriu: então Jeongguk não havia se relacionado recentemente.

 

– Ah, Jeongguk, se você pudesse ver como sua entradinha é apertada – comentou, soprando o lugar enrugado.

 

– Vai à merda, Taehyung! – empinou mais, tentando alcançar qualquer contato que pudesse ter.

 

– Isso não é o que se diz para alguém que tem a cara na sua bunda, amor. – Sorrindo, levou a boca mais perto, lambendo lentamente o círculo de músculos, tendo as costas arqueadas de Jeongguk e um suspiro sonoro do mesmo. – Você quer o meu pau entrando em você agora?

 

Jeongguk suspirou nervoso, buscando os olhos do mais velho. Que tudo se fodesse! Ele havia provocado, nada mais justo que terminar.

 

– Enfia logo antes que eu te bate, Kim.

 

Taehyung levantou-se, libertando o membro negligenciado por tanto tempo. Suas veias estavam bastante visíveis, e podia jurar que se demorasse mais um pouco admirando o outro de quatro em sua frente, gozaria sem nem se tocar. Tocou a base com uma das mãos, espalhando o líquido pela extensão, direcionando o olhar que Jeongguk tanto amava e odiava ao mesmo tempo. Lambendo os lábios, encaixou-se na entrada, a tensão de ter aquele buraco lhe apertando crescendo tanto a ponto de procurar o corpo alheio por baixo da camiseta rapidamente, deslizando dificilmente para dentro do interior apertado do moreno, levando seus dedos até dentro da boca de Jeongguk e impedindo que algum som alto escapasse. Chegou a boca perto do pescoço suado do mais novo, esperando-o se acostumar com seu membro enquanto lambia todo o suor acumulado. Ah, Jeongguk era tão apertado que Taehyung sentia vontade de chorar toda vez que o penetrava.

 

Esperou mais um pouco, sentindo o quadril apressado do moreno se lançar contra o seu de modo afoito, dando a confirmação de que precisava. Taehyung moveu-se lentamente, direcionando seus gemidos roucos ao ouvido esquerdo do moreno. Sabia que isso lhe causava arrepios, tanto que sentiu o braço ser arranhado e apertado por uma das mãos do Jeon, que mordia nervosamente os dedos do loiro em sua boca.

 

– Taehyung… – Jeongguk murmurou, virando o rosto e capturando os lábios do outro. As línguas dançavam nervosamente no ar, saliva se acumulando e escorrendo no ósculo bagunçado.

 

– Sentiu saudade do meu pau, Jeonggukie? – provocou, mordendo o lábio carnudo. Mirou o olhar carregado de prazer do outro, sentindo o membro ser apertado no interior quente. Gemeu desconexo, agarrando a cintura do moreno com ambas as mãos e lançando-se com mais força. – ‘Tô vendo que sim.

 

O barulho dos corpos se chocando com violência era escutado por todo o corredor, e Jeongguk rezava a todos os deuses para que ninguém escutasse os quadris se fundindo, seus gemidos engasgados e os sussurros safados do mais velho em sua orelha. A atmosfera se tornou densa e o cheiro de sexo era a única coisa que o moreno sentia, além do cheiro da colônia cara do loiro que embebedava  seus sentidos. Quando a mão quente do maior tocou seu membro, todavia, fora impossível para si não soltar um grito surpreso, tendo toda a base acariciada rapidamente para logo depois começar a ser bombeado no mesmo ritmo com que era fodido.

 

Jeongguk sorriu em meio ao ato. Amava toda aquela adrenalina; os arrepios cruzando sua espinha e a voz rouca e grossa do Kim atravessando seus tímpanos de uma maneira tão deliciosa que era como estar no paraíso; aquela voz lhe ordenado que rebolasse, sua entrada se contraindo nos movimentos e o modo desesperado com que rebolava no membro teso.

 

– Você é tão maravilhoso, Jeongguk – ouviu a voz ao longe do mais velho, o pescoço sendo enlaçado pelos dedos febris do loiro e a respiração irregular sendo sugada por todos os dígitos. Sentia que poderia desfalecer a qualquer momento, se Taehyung soltasse sua cintura ou o apoiasse com o seu corpo suado. – Eu amo tudo em você. – Taehyung continuou reverberando por sua cabeça, e nada parecia ter sentido quando uma onda forte arremeteu-se contra si, fazendo-o segurar-se nos antebraços fortes do maior, um arrepio característico atravessando sua espinha e o obrigando a gemer mais alto. – Isso, goza pra mim…

 

– M-mas ainda… ah! É tão bom te ter dentro de mim, Taehyung – confessou, o membro sendo apertado pelo loiro. Buscou os olhos escuros do outro, o quadril ardendo pelas estocadas e o ritmo aumentando a cada segundo. Jeongguk frisou o rosto que tanto gostava banhado em prazer, os olhos se cruzando e fixando-se, como se apenas aquilo respondesse a todas as dúvidas; como se fosse a resposta para todos os sentimentos.

 

Quando Taehyung se desfez, enfim, o moreno deixara escapar um suspiro prazeroso, justo ao próprio líquido quente se derramando na mão do loiro. As respirações ainda se normalizavam quando Taehyung virou Jeongguk de frente para si, subindo ambas as calças e ajeitando as roupas bagunçadas. O fotógrafo apenas observava o modo carinhoso como o modelo limpava os resquícios de ambos e o suor no pescoço marcado do menor. Os dedos vez ou outra tocavam a pele quente, causando uma sensação de conforto para ambos os lados. Assim que não havia nada mais a ser arrumado, o Kim olhou os olhos escuros do mais baixo, soltando uma risada baixa e enlaçando a cintura que tanto gostava, sentindo os braços receosos do mais novo se enrolando em seu pescoço.

 

– Eu gostei disso – Jeongguk comentou baixinho, alisando os fios claros do outro.

 

Taehyung correspondeu, percorrendo os dedos nas costas do moreno.

 

– E eu gostei porque foi com você.

 

As vozes morreram, e quando o silêncio se tornou sufocante, desfizeram o abraço, ambos sem saber como prosseguir. Fora Jeongguk, porém, que enlaçou os dedos nos alheios, apertando o tanto que conseguia e atraindo sua atenção. Taehyung olhou-o e sorriu arteiro.

 

– Sim, eu aceito ser seu namorado, Jeongguk – sentiu um tapa em sua cabeça, seguido de uma risada contida do moreno.

 

– Ah, é? Que pena. Estava pensando em te chamar pra, sei lá, casar…? – os olhos de Jeongguk olharam sem vacilar para o loiro, que mantinha agora uma expressão séria. O moreno pigarreou, soltando as mãos rapidamente e arrumando os fios escuros. As bochechas quentes mais uma vez fez o momento ficar ainda mais estranho. Droga, sabia que não deveria ter dito aquilo. O que Taehyung pensaria agora? – Foi uma brincadeira, Taehyung. Apenas esqueça.

 

O Jeon escutou mais uma vez aquela risada alta, e estava prestes a bater no Kim quando sentiu o corpo ser agarrado e um beijo depositado em seus fios escuros.

 

– Eu aceito, Jeon Jeongguk. Mas você que será Kim.


Notas Finais


Aqui está! Espero que tenham gostado dos lemons. LSAKNDKSAÇLDNA Ontem foi um dia complicado e só consegui postar agora, então,. Q
Capa pela linda da Misu. MUITO OBRIGADO! Ela é muito linda, gente.

Ah, não se esqueçam que o TKWishes organizou o Haloween Week.
https://spiritfanfics.com/perfil/tkwishes/jornal/halloween-week-6667964
E espero poder escrever com a Duda novamente, mais calmo da próxima vez. ÇKNSADASDASN

Obrugado por lerem e comentarem. Juro que tentarei postar mais. u3u
Beijos de um viciado em TaeKook (e escravo de SoonHoon),
Nahu


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...