História Daydreaming - Capítulo 50


Escrita por: ~

Postado
Categorias Amor Doce
Personagens Alexy, Ambre, Armin, Bia, Castiel, Charlotte, Dakota, Debrah, Dimitry, Iris, Kentin, Li, Lysandre, Melody, Nathaniel, Rosalya, Violette
Tags Amor Doce, Romance
Exibições 55
Palavras 1.609
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Festa, Hentai, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Olá pessoas mais lindas do uni. Como vão vocês?
Obrigada pelos comentários e favs, vocês são fodas! <3
Música Do Capítulo: G-eazy - Tumblr Girls

Capítulo 50 - Eu Comando


Fanfic / Fanfiction Daydreaming - Capítulo 50 - Eu Comando

Mal terminei de trancar o quarto, e Armin já estava me puxando contra ele. Ele começou com beijos curtos, e logo em seguida, começou a ficarem mais intensos, a ponto de ficarmos sem ar.

Ele me olhou e deu aquele sorriso de canto que eu já sabia muito bem o que significa.

Tenho certeza de que não vai ser uma relação BDSM como eu costumava a ter com o Castiel, mas confesso que estou ansiosa para saber o que o Armin tem para me dar, ou melhor, o que eu tenho para dar a ele...

Os beijos imediatamente voltaram, mas agora estavam percorrendo pelo meu corpo. Ele passa a língua de leve no meu pescoço, e em seguida, sua mão direita massageava o meu peito também direito. Dou um pequeno gemido.

Seus dedos percorreram até a parte de baixo do meu vestido, e então, ele começou a massagear o meu clitóris por cima da calcinha. Céus! Aquilo estava sendo torturante. Eu precisava, aliás, necessitava que ele me penetrasse imediatamente.

Ele me joga na cama, e tira o meu vestido na maior facilidade, e em questão de segundos, eu já estava apenas de calcinha. Faço o mesmo. Tiro a sua camiseta e gente, que abdômen! Quando estou indo tirar a sua calça, ele me prende novamente na cama, segurando as minhas mãos.

- Eu comando. – Ele diz ofegante, mas ao mesmo tempo com uma voz sexy que já me fez molhar a calcinha todinha.   

- Sim senhor.

- Melhor ainda.

Sinto seus lábios quentes movimentando o bico do meu seio. Aquilo estava tão bom que podia continuar por todo o tempo que eu não iria ligar. Um gemido atrás do outro. Eu não consigo me controlar.

Ele coloca a mão na minha boca.

- Quer acordar todo mundo? – Ele pergunta sorrindo. – Fica caladinha. – Sorrio.

Sua língua percorre por toda a região da minha barriga, até chegar à virilha. Ele acaba rasgando a minha calcinha, e me olha confuso, solto um riso.

Ele volta para baixo e seu ato oral começa. Sinto sua língua quente dentro de mim e não aguento. Meu ápice estava próximo, e ele sabia, até porque ele parou.

- N-Não para, não. – Ele ri.

- Está cedo demais, baby.

Não me lembro de ter feito oral em alguém, e confesso que não era muito do meu agrado porque do jeito que eu sou desastrada, capaz de acontecer algumas coisas aí, mas enfim, achei que seria uma boa oportunidade, e eu gostaria de retribuí-lo da melhor maneira possível.

- Agora eu que comando. – O puxo para mais perto para que eu consiga ficar em cima dele, e ele não hesita.

Abaixo a sua calça e a sua cueca de uma vez só, e seu membro já estava ereto.

Começo os movimentos com a mão e percebo que ele realmente está no pique, e o vendo assim, me deixava cada vez mais louca.

Comecei o oral, e ele estava tentando se contiver. Sinal de que estava ótimo. Vou cada vez mais rápido e sinto que ele vai chegar o orgasmo, então eu paro.  

- P-Por que parou?

- Direitos iguais, baby. – Ele sorri, e em um impulso, ele me prensa contra a parede novamente.

Suas mãos em meus seios, e ele dentro de mim, e então os movimentos deram inicio.

Voltamos para a cama, e lá o negócio ficou frenético.

Minhas unhas percorriam suas costas, e ele me beijava de forma selvagem, forte.

Chegamos juntos ao ápice, e cara, estou realizada.

Tentando encontrar o ar, fiquei abraçada com o Armin até que pegássemos no sono.

POV’S ON ARMIN:

Cara, esse deve ser o dia mais feliz da minha vida... Mais feliz do que o dia que eu consegui ganhar um campeonato foda, mas enfim, o dia em que eu transei com Annie Grey. Essa menina deveria ganhar um prêmio. Foi a melhor.

Eu consegui dormir pouco porque eu não conseguia acreditar que aquela beldade estava bem ao meu lado. E dormindo? Ela fica linda até dormindo. Como pode?

Eu não sei muito sobre essas coisas de relacionamentos porque o máximo que os anteriores duraram foi um mês. Mas com a Annie é diferente. Sinto que preciso ser diferente com ela. Ela merece alguém que a trate como ela deveria ser tratada, alguém que a ame verdadeiramente, e não, não é o Castiel que faz isso. O Castiel é aquele tipo de cara que pede pra chupar e manda andar depois. Ela não era esse tipo de garota. Ela não merecia esse tipo de maltrato. Ela merecia alguém que a faça verdadeiramente feliz. Esse alguém sou eu.

Então, achei que seria bonitinho escrever um texto para que ela se lembre desse dia não só como “eu transei com o Armin”. E sim que ela se lembre de como “eu transei com o Armin e ele me fez feliz antes, durante, e depois”.

Tirei uma foto dela dormindo porque aquela cena era linda, e comecei o texto.

Sinceramente eu não sei o que deu na minha cabeça para que eu em plena madrugada começasse a escrever pra você. Na realidade, eu até sei, e é exatamente por isso que eu vou ser romântico e clichê, que eu sei que você gosta.

A cena que eu me deparo agora, e com você respirando no meu pescoço, com as pernas entrelaçadas com a minha (quase me jogando para fora da cama) e dormindo feito um anjo. Depois de levar uns chutes no estomago, de ouvir você roncando e falando, e demorar um século para ficar em uma pose bonitinha, finalmente eu me deparo com essa cena, que olha, realmente valeu a pena. Ou melhor, esse tempo todo em que eu esperei pacientemente (ou não) valeu a pena.

Eu posso dizer que foi a melhor noite da minha vida, Grey, e tudo foi causado por conta de você. E caramba, é tão difícil não se apaixonar por você. Tudo em você encanta, fascina. E quando você sorri? Annie... Quando você sorri é coisa de louco. Você não bota dentes pra fora e fica por isso. Você sorri com os olhos, sorri com a alma. Isso te deixa mais linda ainda.

Eu não vou escrever que eu te amo (apesar de eu achar) porque é um sentimento forte demais para ser desperdiçado para um momento assim. Mas você é incrível Ann e eu sou o cara mais sortudo por te ter na minha vida.

E então, voltei a dormir.

POV’S OFF ARMIN.

O dia amanheceu e eu estava TÃO BEM, TÃO FELIZ! Eu só estava com medo de que ele me abandonasse no meio da madrugada, mas isso não aconteceu então eu estou BEM DEMAIS!

Ele ainda estava dormindo, e vi que meu celular estava apitando demais. Então fui olhar o que era.

Alexy: INSTAGRAM AGORA. UMA COISA MARAVILHOSA, E UMA RUIM.

Grey: O que é?

Alexy: Veja você mesma.

Respiro fundo e vou até a rede social indicada. Alguém tinha tirado uma foto comigo, e era o Armin. Olhei a foto, vi que era textão. Já me apaixonei.

Comecei a ler o texto e céus, estava tão fofo aquilo que eu já estava chorando. “Ah Ann, você não precisa de muito para chorar” EU SEI QUE EU SOU UMA MANTEIGA DERRETIDA, ME DEIXA!

Terminei de ler o texto nas lágrimas, para variar.

Eu tinha que acorda-lo.

- ARMIN VOCÊ É INCRÍVEL! – Pulo em cima dele.

- Meu Deus! Annie, você quer me matar? – Ele olha para a minha cara. – AAAAAAAAAH ENTENDI!

- Você é tão fofo. Sabe que eu vou me apaixonar fácil né? Então quando que nós vamos casar? – Ele riu.

- Que bom que gostou.

- Cara, foi lindo. Nunca ninguém fez isso por mim. E o melhor de tudo, foi sincero cada palavra. Eu amei.

- Que bom amor. – Ele me dá um beijo.

- Eu preciso levar vocês para fazer a matrícula. – Ele coloca a roupa.

- O que você vai fazer de faculdade?

- Estou em dúvida ainda. Cinema ou moda. Eu queria fazer Direito, mas pensando bem, não quero, não. – Ele ri.

- Okay. Eu vou indo para pegar as minhas coisas. – Ele me dá um beijo e vai embora.

Quando você não quer que alguém vá embora, qual é o nome desse sentimento?  

Alexy: Hey Grey! Abre a porta. – Abri.

- Como vocês chegaram tão rápido?

- O bonitinho disponibilizou o quarto ao lado para a gente. – Rosa diz.

- O Matheus. – Alexy diz. – Oh, queridinha. O que está pegando entre você e o Armin?

- Não sei. – Sorrio.

- Já apaixonou! Olha o sorriso de 50 dentes. – Rio.

- Vocês são bem idiotas, sabiam?

- É. Ouvi algo parecido já. – Alexy disse. – Cara, ele é muito fofo, e ele ficou bem gato.

- Sim.

- E quanto ao Castiel?

- Rosalynda, não estraga.

- Não estou estragando.

- Ele não veio por causa da gravadora. Se ele disse que me amava tanto e tals, por que ele não veio? Pode ser um pensamento meio egoísta, mas quando a gente vai ter oportunidade de se ver novamente? A minha rotina vai ser colégio, faculdade e festa. Não vou ter tempo de me preocupar com ele. E se eu e o Armin tivermos alguma coisa, ele vai estar aqui comigo, no mesmo país, mesmo colégio e mesma faculdade. E ele também tem outros planos. Ele quer focar na carreira e nas menininhas que ele vai poder pegar, e não na morada que está no Brasil que pode conhecer gente nova a qualquer momento.

- Ou ficar com os amigos dele. – Rosa diz.

- A vida é muito curta pra se preocupar se é amigo ou não. – Alexy disse. 


Notas Finais


Espero que tenham gostado :D
Não deixem de comentar e favoritar <3
Beijos beijos


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...