História De Chantilly Para Nutella - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, D.O, Kai, Lu Han, Sehun
Tags Amor, Baekhyun, Chanbaek, Chanyeol, Exo
Exibições 41
Palavras 4.316
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Festa, Hentai, Lemon, Poesias, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


QUEM FOI QUE DISSE QUE VOLTAVA A PARTIR DE QUARTA-FEIRA E CUMPRIU A PROMESSA? EU MESMA!
Gente, não estranhem eu ter mudado meu nome para XerifeTapioca. kkkkkkk É uma piada interna minha e dos meus amigos, mas continuo no fundo sendo a fanfiCB!
A SEMANA DE PROVAS ACABOU? SIM!
EU POSSO TIRAR ZERO EM TUDO QUE EU PASSO MESMO ASSIM? SIM!
EU ME DEI BEM NA METADE DAS PROVAS? SIM!
EU ME FODI NA OUTRA METADE DAS PROVAS? SIM!
Eu mesma, tirei 5 em história e em geografia :))))))
Mas quem disse que eu ligo? hahahahah PASSEI DE ANO!
Enfim...
Eu comecei a escrever esse capítulo hoje...
E parecia que não ia ter jeito e ia ficar curtinho
Mas dai eu acabo o capítulo e BOOM: + de 4000 palavras
Não sei se isso é bom ou ruim, mas espero que gostem do capítulo
;-)

Capítulo 4 - Sintomas de paixão


Fanfic / Fanfiction De Chantilly Para Nutella - Capítulo 4 - Sintomas de paixão

Que cena ridícula. Parecia que não acabava nunca.

Tamanha foi a demora de Baekhyun com aquele beijo que acabei por cruzar meus braços e me encostar numa das grandes estantes de livros que estava ao meu lado. Apenas fiquei observando meu melhor amigo devorar aquele menino aleatório que eu nem fazia noção de que existia na minha escola até então.

Por mais que eu tenha ficado longos minutos parado no mesmo canto e encarando meu amigo como quem estava xingando ele de todos os nomes possíveis em mente, mesmo assim, ele não havia notado a minha presença ali e só parou com aquele showzinho quando ouviu o sinal da escola tocar indicado que o intervalo havia chegado ao fim.

Baek empurrou o tal menino como se nada tivesse acontecido e o mesmo foi embora correndo. Meu melhor amigo ajeitou o cabelo e a gola da farda, e só então ele notou a minha presença ali. Me olhou com um semblante num misto de culpa e arrependimento e se aproximou aos poucos de mim.

"Então quer dizer que seu passatempo é ficar agarrando pessoas?", perguntei.

"N-Não é nada disso, Chan. Eu apenas estava com vontade de beijar alguém. Eu estava precisando fazer isso pra tentar esquecer coisas que tem acontecido comigo recentemente."

"Tipo o que?"

"É algo muito pessoal e eu nem me acostumei com isso que está acontecendo, então eu não quero dizer.", falou baixando o olhar.

"Nem o seu melhor amigo pode saber? Magoei.", desviei o meu olhar do dele de propósito.

"Por favor, Chan! Me entenda."

"Ok. Eu vou deixar passar.", falei. "Mas agora, voltando ao ponto... Baek, você é tão previsível."

"O que? Como assim?"

"Se você queria que eu não visse você se agarrando com outro, devia ter ido se esconder em outro lugar e não no local pra onde você sempre vai quando quer ficar sozinho."

"E-Eu não pensei nisso. Mas por que você está dizendo que eu não queria que você me visse agarrando outro?", Baek perguntou claramente nervoso.

"Olha a sua cara, Baek. Olha você! Está mais nervoso do que os estudantes indo fazer o vestibular e está tremendo mais do que vara verde.", eu disse. "Tem algo que você está escondendo de mim..."

"Eu já disse que não é nada disso! Você sabe que eu tenho costume de beijar e agarrar pessoas..."

E o pior é que eu tive que concordar. Baek pegava e beijava qualquer um independente do sexo. Podia ser homem ou mulher, ele não se importava. Baekhyun valorizava um bom beijo e uma boa "pegação", mais do que aquilo que se encontrava entre as pernas de uma pessoa.

Por um lado eu até gostava disso, já que ele se mostrava sempre nem aí em relação a beijar um homem. Ele encarava aquilo muito bem e não ligava para o que os outros falavam. Mas por outro lado eu odiava isso do Baekhyun agarrar qualquer um e qualquer uma. Parece que ele é de todo mundo e beija todo mundo. Tudo por diversão e também porque ele adorava fazer isso nos tempos livres ou quando estava necessitado de atenção.

"Estamos atrasados para a aula...", falei suspirando e desviando o olhar do dele. "Que aula é agora?"

"Como assim "que aula é agora"?", perguntou incrédulo.

"Ué? Eu realmente não sei..."

"Park Chanyeol, o nerdzão da escola e o "sabe tudo", você está me dizendo que não faz ideia de que aula é agora?"

"Isso mesmo!"

"Mas você sempre sabe de todas as aulas e seus horários."

"Acontece que eu não sei agora."

"Para a sua informação, agora é aula de educação física."

Ai. Meu. Cu.

Tudo. Menos. Educação. Física.

"Agora já deu pra entender o porquê de eu ter esquecido que aula era agora?"

"Chan, eu sei que você odeia com todas as suas forças a aula de educação física, mas será que hoje você pode deixar esse seu ódio um pouco de lado e uma vez na vida fazer algum exercício?"

"Baek, eu..."

"AH CHANY! POR FAVOR!", disse bancando o menininho birrento.

"Está bom então...", sussurrei.

"Eu não ouvi! Repete!"

"Está bom então!", aumentei o tom de voz.

"Agora sim!", Baek disse sorrindo de orelha a orelha e me puxando rapidamente para fora da biblioteca para que nós dois fossemos trocar o uniforme.

Se vocês acham que eu odeio educação física, então na fazem ideia de o quanto eu detesto aquele uniforme. Aquela roupa me dava mais ódio do que qualquer outra coisa no mundo. Eu simplesmente não ia com a cara daquela camiseta super larga e daquele shorts todo colado que deixava 90% das minhas pernas descobertas. Tudo bem, não era 90% porque aí seria aqueles shorts que mais parece uma calcinha que mais da metade das meninas da minha escola adora usar. Mas de alguma forma aquela peça de roupa não me deixava confortável. Além de eu não gostar de que uma roupa fique colando no meu corpo, eu ainda sou alto demais e minhas pernas devem corresponder a cerca de 60% do meu corpo. Ou seja, eu me sentia completamente exposto com minhas pernas gigantes totalmente de fora.

Fora o fato de eu me sentir desconfortável com aquelas roupas, ainda odiava quando as pessoas me olhavam vestido daquele jeito. Por algum motivo eu achava que elas estavam me achando ridículo com aquela roupa ou que algo de errado tinha acontecido comigo.

Resumindo: Eu odeio educação física. Eu odeio o uniforme da educação física.

Mesmo esbanjando ódio extremo por tudo aquilo, eu meio que fui obrigado a colocar aquela desgraça de roupa e me dirigir para a quadra principal da escola.

Baekhyun estava mais feliz do que nunca por eu finalmente estar disposto a fazer uma simples aula de educação física, mas tudo que eu mais queria agora era sair correndo assim que pudesse, me livrar daquele uniforme e me esconder no meio dos livros da biblioteca. De preferência, na sessão de biológicas.

Cheguei na tal quadra e avistei algumas pessoas da minha sala jogando vôlei. Algumas delas pararam um segundo para olharem pra mim. Talvez estivessem impressionadas com o fato de que eu finalmente compareci naquela quadra e ainda mais utilizando aquelas roupas bizarras.

Eu e Baek andamos até a professora que estava por perto e monitorando a partida do jogo.

"Park Chanyeol? Acho que essa é a primeira fez que te vejo esse ano.", falou sorrindo com um tom de piada.

"Pois é..."

"O que aconteceu pra você ter vindo para uma aula de educação física?"

"Não fui eu que quis, mas o Baek me convenceu."

"Ah nossa. Devia fazer isso mais vezes ouviu bem, Baekhyun?", ela disse voltando o olhar para o meu melhor amigo. "Não sei como você conseguiu, mas que bom que fez o seu amigo mudar de ideia."

"De nada professora. Se quiser, posso fazer isso mais vezes.", Baek disse.

"Ficaria agradecida.", disse ela sorrindo. "Chanyeol, vai querer entrar num dos times do vôlei?"

"O QUE? De jeito nenhum. É o esporte que eu mais detesto.", gritei.

"Veja bem, aqui na quadra principal seus colegas estão jogando vôlei. Nas outras duas quadras, estão jogando basquete e futebol. Se você preferir, pode ir para a sala de exercícios fazer algo."

"Ótimo. Estarei lá.", respondi.

"Infelizmente eu estarei monitorando o resto dos seus colegas e as partidas, então você terá que ir sozinho porque eu ficarei aqui."

"Ok. Pra mim tanto faz."

"Ele não vai ficar sozinho, professora. Eu irei com ele.", Baek se pronunciou.

"Que bom.", disse ela feliz. "Você tem sorte de ter um amigo tão bom assim, Chanyeol."

Apenas dei um sorriso sem graça como resposta e me dirigi a tal sala de exercícios. Ela era toda fechada e possuía ar-condicionado. Tinha um espelho que ia do teto ao chão em uma das paredes e pela sala estava espelhadas duas esteiras, uma grande estante repleta de halters e outros vários equipamentos de academia. Nunca imaginaria que haveria um lugar como aquele na minha escola.

Sem ter muita ideia do que fazer naquele local, subi na primeira esteira que vi e ajustei a velocidade que desejava. Baek, para me fazer companhia, subiu na outra que estava ao meu lado e começou a caminhar.

"Então Chan, está gostando de andar?", perguntou ele.

"Eu preciso mesmo responder essa pergunta?"

"Precisa."

"O que você acha que eu sou pra fazer uma pergunta dessas?"

"Um preguiçoso e sedentário que não faz atividade física nenhuma e reclama de tudo que exija mexer o corpo."

"Não posso negar que você está certo, mas isso aqui é apenas uma caminhada normal. Qualquer um faz isso."

"Pelo visto, sim. Mas a alguns minutos eu achava que todo mundo fazia isso numa boa, menos você."

"Pois é. Achou errado e agora sabe que qualquer um faz isso."

"Pessoas que usam cadeira de rodas não podem fazer isso."

"Baekhyun, você me entendeu."

O silencio tomou conta da sala e o único som presente era o dos nossos passos naquelas esteiras. Demorou tanto que a gente deve ter passado uns cinco minutos calados. Pode parecer pouco, mas experimente ficar sozinho com seu melhor amigo numa sala fazendo silencio constrangedor por cinco minutos. Eu lhe garanto que vai parecer uma eternidade.

"Chanyeol, por acaso você...", fez uma longa pausa. "Na verdade... Quem foi o seu primeiro amor?"

"Eu nunca tive um primeiro amor.", menti.

Eu não estava falando a verdade, mas era necessário que eu dissesse aquilo a ele. Na verdade, meu primeiro amor foi ele. E continua sendo. Mas eu não podia simplesmente dizer na cara dele que a primeira vez que me apaixonei foi no auge dos meus dezessete anos e ainda mais que ele era essa tal paixão.

"Como assim, Chan? Você tem dezessete anos e até hoje nunca se apaixonou por ninguém?"

"Pois é. Acho que sempre estive ocupado pensando em estudar, pensando na escola, em meus doramas e outras coisas. Devo ter acabado sem prestar atenção em pessoas que talvez pudessem fazer meu coração bater mais forte."

Dizer aquelas coisas, doíam em mim. Eu queria poder dizer a verdade a ele. Dizer que eu tinha uma primeiro amor. Que ele era esse primeiro amor. Que eu estava apaixonado por ele. Mas por algum motivo eu tinha medo.

"Que triste, Chan. Você nunca se apaixonou de verdade mesmo?"

"Nunca.", respondi de cabeça baixa enquanto encarava meus pés. Eu não queria mentir olhando nos olhos dele. "E você, Baek? Quem foi o seu primeiro amor?"

"Eu já tive tantos...", disse pensativo. "Eu pego e beijo tanta gente que estou até com dificuldades de lembrar aqui as minhas paixões de verdade. Provavelmente, meu primeiro amor deve ter sido quando eu tinha uns dez anos."

"Nossa. Desde de tão jovem você já tinha paixões.", falei esboçando um sorriso que na verdade era falso. Ele demonstrava tristeza. "E no momento? Você está gostando de alguém?", perguntei nervoso.

"Pra falar a verdade, sim!"

"A-Ah. E quem seria?", perguntei, mas percebi que Baek ficou mais vermelho do que o normal. "Ok. Descreve esse alguém então."

"Bem, ele é muito legal. Uma das pessoas mais legais que eu conheço. Tem uma personalidade bem forte e um sorriso lindo. Quando ele sorri, eu sinto cada parte do meu corpo derreter. É simplesmente contagiante. Fora isso, eu acho ele lindo também. Tudo bem que ele não deve ser o cara mais lindo do mundo e talvez as pessoas também não achem, mas eu acho.", Baek fala com seus olhos brilhando. "E sabe o que eu mais adoro nele?", pergunta enquanto se aproxima de mim. "A forma como ele é desajeitado. Ele fica tão fofinho quando está nervoso ou quando ele está com pressa e acaba derrubando os livros no chão..."

Ele ia diminuindo a velocidade da esteira até que parasse enquanto dizia todas aquelas palavras e alternava o olhar entra meus olhos e minha boca. Aproximou o seu nariz do meu e antes que eu pudesse pensar ou fazer qualquer coisa, ele segura a minha nuca e encosta os seus lábios nos meus. Sinto meu coração disparar e meu corpo aquecer daquela forma que somente Baek sabe me causar.

Quando sinto a sua língua em busca por passagem, acabo por corar violentamente, mas não deixo de ceder. Ele segura o meu rosto com a outra mão e começa o beijo com movimentos lentos e sempre que podia, chupava meus lábios com a intenção de propagar aquele som de saliva se misturando.

O contato das suas mãos com a minha pele, fazia com que eu me arrepiasse por completo. Então, por um minuto eu desejei que o tal garoto de quem ele estava falando, fosse eu. E eu até tinha quase 100% de certeza de que ele estava apaixonado por mim. Depois de dizer todas aquelas palavras sorrindo para mim e logo em seguida me beijar, com certeza eu devia ser o garoto de quem ele estava falando. Eu não via outra alternativa, mas eu também não queria me iludir e acabar quebrando a cara depois. É só que meu desejo de ter meus sentimentos correspondidos era enorme.

Depois de ter aprofundado o beijo num nível em que logo ficamos sem ar, me separei dele devagar sentindo a minha respiração descompensada, mas mesmo assim sorri alegre.

"Por acaso, Baek...", respirei fundo. "O alguém pelo qual você está apaixonado... Esse alguém sou eu?", perguntei juntando todas a coragem que me restava.

Percebi meu melhor amigo arregalar os olhos e fazer cara de pânico.

"O-O que? Vo-Você? Eu apa-apaixonado por você? O que?", gaguejou mais do que tudo. "De onde você tirou isso?", perguntou incrédulo e eu senti meu mundo desabar.

"É que eu achei que por você ter me bei..."

"Ah, Chaneyol! Não me diga que você pensou que eu estivesse apaixonado por você só por causa de um beijo qualquer...", falou com aquele tom de ironia. "Você sabe que eu adoro pegar e beijar as pessoas a qualquer hora. É uma mania minha."

"M-Me des-desculpa, Baek..."

"Apaixonado por você? Você? Sério?", riu de leve. "Eu nunca me apaixonaria por você, Chanyeol."

Em quantos pedaços seu coração pode ser partido? O quão forte você pode ser para conter as lágrimas em horas como essas? O quão fundo pode doer e machucar uma simples frase?

"Eu nunca me apaixonaria por você, Chanyeol."

Cada uma das palavras ditas por Baekhyun martelava a minha mente e o meu coração. Eu me sentia patético. Aonde eu fui parar? O que eu fiz? Por que doía tanto amar alguém e não ser correspondido?

"Des-Desculpa, Baek. Eu não devia ter feito essa pergunta.", falei encarando o chão e controlando minhas lágrimas ao máximo que eu conseguia. "Licença um minuto.", dei as costas e saí da sala.

Fui a procura do banheiro masculino mais próximo e entrei lá. Por sorte, não havia ninguém. Até conferi pra ver se tinha alguém dentro das cabines, mas felizmente eu estava sozinho. Apoiei minhas duas mãos no balcão das pias e me encarei no espelho. Agora era a hora. Eu não conseguia mais controlar. Deixei que as lágrimas escorressem meu rosto livremente sem que eu impedisse.

O fato de eu estar chorando fazia com que a minha cabeça doesse mais ainda e me deixasse cada vez mais confuso. Por que era tudo tão difícil? Por que ele simplesmente não podia gostar de mim de volta? Por que ele tinha que me dar um fora pesado daqueles?

Eu queria tanto dizer tudo a ele. Falar que eu gosto dele. Que eu sou apaixonado por ele. Que eu amo ele... Que eu sou gay. Eu nunca me assumi para ninguém. Nem para o Baek, nem para os meus pais. Eu tinha medo de tudo. Da reação deles e eu não me sentia preparado para falar nada. Mas doía lá no fundo ter que guardar e suportar tudo isso sozinho. Ser apaixonado pelo meu melhor amigo e não poder dizer nada a ninguém. Nem a ele próprio.

Doía também eu ser gay e não poder falar isso para ninguém. Eu me sentia triste quanto a isso. Eu não tinha segurança para falar sobre minha opção sexual nem para os meus pais, muito menos para me assumir diante do meu melhor amigo e menos ainda para a escola toda.

Aquilo me fazia sofrer. Me fazia questionar quem eu sou. Me fazia pensar muitas vezes que eu estava errado por gostar de homens e que por isso eu era nojento. Me fazia chorar sozinho nas horas vagas. Era difícil para mim mesmo admitir que eu sou gay. Acho que pelo fato de eu ter que guardar todos os meus sentimentos para mim.

Tudo me machucava. E eu só queria fugir de todas essas confusões e aperreios e ficar em paz. Mas parece que isso nunca aconteceria.

Depois que eu consegui colocar todas as minhas lágrimas pra fora, lavei meu rosto e sequei. Me olhei umas três vezes no espelho pra conferir se eu não estava mais com uma cara tão derrubada e pra baixo. Em minha opinião eu estava melhor, mas estava com um semblante triste. E nem se eu quisesse ou tentasse, conseguiria mudar minha cara. Porque era exatamente como eu estava me sentindo. Triste.

Saí daquele banheiro e fui trocar o meu uniforme no vestuário para a aula seguinte. Passei o resto do dia calado e não falei mais com o Baek. Ele me lançava olhares preocupados durante as aulas, mas eu ignorava ou fingia que não via. Tudo que eu mais queria hoje, era sair correndo para casa. Mas dessa vez, eu não estava fugindo do meu melhor amigo por causa de uma festa.

Acabou a última aula e todos saíram da sala rapidamente. Eu estava sozinho enquanto terminava de colocar todos os meus materiais dentro da mochila sem pressa alguma. Eu queria ir logo para casa, mas minha baixa estima estava me arrastando completamente.

Coloquei a mochila nas costas enquanto passava pela porta da sala e acabei por notar a presença de Baek ali parado. Não olhei em seus olhos e apenas ignorei e segui em frente como se não tivesse visto nada.

"Chan! Você demorou. Fiquei aqui te esperando durante um bom tempo."

"Você podia ir pra casa sem mim.", respondi frio.

"O que? Mas a gente sempre vai pra escola juntos e voltamos juntos. É uma lei. Eu jamais voltaria pra casa sem você."

"Mas caso um dia você queira ir sem mim... Está livre pra ir."

"Chany! O que foi? O que está acontecendo?"

"Nada...", sussurrei.

Ele era burro ou o que? Só podia estar se fazendo de besta nessa situação. Ele deve muito bem saber o porquê de eu estar mal.

"É claro que é algo. Me fala o que foi."

"É muito pessoal..."

"Não pode nem me dizer?"

"Eu não sou o único aqui que esconde coisas do melhor amigo.", falei um pouco mais alto e andando mais rápido.

Dito isso, ele se calou e nós dois permanecemos assim até chegarmos em frente as nossas casas. Baek entrou em seu quintal e logo após foi a minha vez.

"Tchau, Chan!", disse forçando um sorriso e acenando.

"Tchau...", sussurrei para mim mesmo e segui meus passos.

"O QUE? Eu não escutei..."

Mas antes de qualquer coisa, eu entrei em casa e bati a porta. Não estava afim de respondê-lo. Eu só queria ficar sozinho no meu quarto em paz.

Almocei rápido já que estava sem fome e tomei um banho demorado afim de relaxar e esfriar a cabeça. De uma certa forma, até que funcionou. Melhorei mais o meu baixo astral e agora estava mais alegre, mas mesmo assim eu queria ficar sozinho. Somente eu e meu crush do mundo dos animes, Izumi. Para quem não sabe, ele é o protagonista do anime yaoi Love Stage. Eu simplesmente amo esse garoto. Ele é tão fofo e o anime também. Está na minha lista de favoritos com certeza e eu até indico para quem quiser assistir um bom anime yaoi.

Me tranquei no quarto e comecei a rever o último episódio de Love Stage, que por sinal eu amava e não cansava de ver. Mas é uma pena que esses episódios em sua maioria duram cerca de vinte minutos, então logo acabou e eu fiquei sem ter o que fazer.

Não pensei muito e peguei meu celular com meus fones de ouvido e comecei a ouvir músicas mais relaxantes e com uma boa melodia.

Missing You - 2NE1

STAY - BLACKPINK

Ending Page - f(x)

Big Mini World - Jessica Jung

Secret Love Song - Little Mix

Ring My Bell - Suzy

The Shower - IU

Nandome no aozora ka? - Nogizaka46

Hello, shooting-star - moumoon

Por mais que eu amasse o k-pop, confesso que também curtia o j-pop. Existem músicas com ótimas melodias e muito boas por sinal. Dentre todos os grupos que eu mais gosto, simpatizo mais com o Nogizaka46 por motivos óbvios: elas tinham exatamente o meu estilo de música.

As horas se passaram até que eu escuto uma batida na porta do meu quarto. Eu não queira levantar da minha cama por nada nesse mundo, mas imaginei que fosse minha mãe e se eu não abrisse a porta logo, provavelmente ela ficaria uma fera comigo.

Mas felizmente ou infelizmente, quem estava do outro lado da porta era Baekhyun.

"Oi Chanyeol. B-Bem, eu percebi que você não estava muito feliz no final do dia, então eu vim aqui pra te animar um pouco mais.", ele disse sorrindo sincero e segurando um pote de Nutella nas mãos.

"Por que você trouxe isso de novo?"

"Pra gente comer juntos, ora essa!", falou sorrindo. "Eu já volto. Só um instante.", saiu correndo em direção a cozinha.

Logo depois voltou com uma colher na mão.

"Vamos dividir esse pote de Nutella, Chany."

Apenas olhei pra ele como quem diz "Você perdeu a noção? Está tudo bem contigo, Baekhyun?".

"Ah eu já sei o que está faltando!", ele disse como quem se lembrou de algo e voltou correndo para a cozinha.

A essa altura do campeonato, eu já estava rindo da situação. Apenas o fato de ver aquela coisa, ou melhor, alguém pequeno correndo para todos os lados me fazia sorrir. Nada contra pessoas pequenas, que fique claro.

"Eu sei o quando você ama chantilly, então eu peguei também para que a gente possa comer Nutella com chantilly."

"Que absurdo, Baek. Quem garante que isso vai prestar?"

"Pode confiar em mim. Vai prestar.", ele disse entrando no meu quarto.

Apenas segui Baek até a minha cama e coloquei meus fones de ouvido novamente.

"O que pensa que está fazendo? Não vai ficar ouvindo música, nós dois vamos conversar e interagir.", ele disse retirando os fones dos meus ouvidos e abrindo o pote de Nutella.

Depois de aberto, Baek colocou chantilly por cima. Sendo sincero, eu não sei se isso vai prestar, mas confesso que está com uma cara ótima.

"Abre a boca.", Baek disse colocando uma colher de chantilly com Nutella na minha frente.

Virei a cara de lado como resposta.

"Não seja um menino mal educado, Chan. Abre a boca.", ele disse eu resolvi ceder. "Olha o aviãozinho!"

Eu realmente não merecia tamanho tratamento. Estava me sentindo um bebê.

Em seguida, Baek comeu também e assim ficamos revezando já que tínhamos somente uma colher. Aquela inteligência rara fez o favor de pegar apenas um talher na cozinha.

"Ah Chany...", Baek disse rindo. "Você não sabe comer Nutella sem se sujar todo."

"Ué? Por que?"

"Seus lábios estão todos sujos. Não percebeu?"

"Não.", eu disse enquanto passava a língua pelos lábios na tentativa de me limpar.

"Nem isso você sabe fazer.", riu mais ainda. "Deixa eu te ajudar."

Pegou a colher e passou no chantilly. Levou até os lábios e a boca e espalhou pela região.

"Você está parecendo um Papai Noel drogado.", eu ri e ele sorriu daquele jeito lindo de volta.

Em questão de segundos, Baek segurou o meu rosto e me beijou. Logo de cara, foi um choque e eu demorei para fechar os olhos. Dessa vez, foi a minha vez de tomar atitude e pedir passagem. Meu melhor amigo cedeu e eu comecei a explorar todos os cantos da sua boca. Nós começamos um pouco devagar e tímidos, mas logo parecíamos que estávamos nos engolindo. O sabor do chantilly e da Nutella em nossas bocas só deixava tudo mais saboroso.

A falta de ar chegou bem rápido e então Baek colou nossas testas. Abri os olhos de leve pude perceber que ele estava com as bochechas todas vermelhas. Estava lindo e fofo. Como sempre. Mesmo com vergonha, ele se aproximou de mim novamente e começou a chupar e lamber meus lábios enquanto limpava o resto de Nutella. Uma das suas mãos desceu até a minha cintura e apertou a região com força.

"Baekkie-ah...", acabo gemendo seu nome entre os beijos sem querer e ele arfa em resposta.

Foi um erro dele ter me beijado. Foi um erro meu ter permitido que isso acontecesse. Foi um erro dele ter me provocado. Mas também foi um erro meu não ter controlado um gemido.

E então, a ficha caiu. Ele estava me beijando só por beijar. Porque aquilo era uma simples mania dele. Baek beijava qualquer um e qualquer uma. Eu era somente mais um. E ele não sentia nada por mim. Aquele beijo era sem sentimentos...

#Flashback ON#

"Ah, Chaneyol! Não me diga que você pensou que eu estivesse apaixonado por você só por causa de um beijo qualquer..."

"Você sabe que eu adoro pegar e beijar as pessoas a qualquer hora. É uma mania minha."

"Apaixonado por você? Você? Sério?"

#Flashback OFF#

Eu estava doente. E minha doença tem nome: Paixão por Byun Baekhyun. Cada vez mais eu apresentava sintomas constantes de paixão. Não havia hospital que pudesse me tratar, nem um médico que pudesse me curar. Mas havia um remédio.

O problema é que esse remédio é o mesmo que algumas horas atrás, disse na minha cara: "Eu nunca me apaixonaria por você, Chanyeol."


Notas Finais


EU ESPERO QUE MEUS QUERIDOS LEITORES QUE SEMPRE COMENTAM, NÃO TENHAM SUMIDO! Eu amo MUITO cada um de vocês e quero rever vocês nos comentários sim!!! Estou com saudades ;-;
Beijocas e me perdoem se eu fiz vocês sofrerem com esse capítulo...
~mas foi a minha intenção mesmo hehehe~
<3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...