História Dê uma Lâmina para um Sorriso - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jungkook, V
Tags Jeonjeongguk, Jeonjungkook, Jungkook, Kimtaehyung, Kookv, Taegguk, Taehyung, Taekook, Vkook
Visualizações 11
Palavras 3.179
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Lemon, Suspense, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Mutilação, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olha quem voltouuu

Estou com um capítulo maiorzinho pra vocês

Espero que gostem


Boa leitura :3

Capítulo 17 - Coração...


Fanfic / Fanfiction Dê uma Lâmina para um Sorriso - Capítulo 17 - Coração...

Talvez sim... Meu corpo se rende toda vez que o vê e isso aconteceu novamente.

A exaustão de meu corpo era realmente alta, o calor era forte e denso sobre mim, acumulando-se com o misto de sentimentos, inseguranças e medos que se depositaram entre os meus ombros e principalmente no vazio e dor que se encontravam em meu coração.

Lembro-me perfeitamente de um dia, quando ainda frequentava o ensino fundamental, que perguntei à minha professora:

– Professora, por que nosso coração se sente tão vazio, quando eu faço alguém triste? – Eu com aproximadamente dez anos de idade, sempre usei de forma sensível e cuidadosa minhas curiosidades, sendo geralmente voltadas à sentimentos.

– Querido Jeon, o coração é um órgão oco de fato no nosso organismo, mas por que ele dói tanto e fica tão vazio, quando nos sentimos tristes? Desde sempre levamos o coração como o símbolo dos sentimentos e da coragem e sendo o primeiro que detecta esses sentidos, porém, como estudamos, tudo acontece primeiramente no cérebro, só que o coração é o primeiro a sentir o que o cérebro está impondo, assim quando estamos com sentimentos fortes o cérebro precisa fazer algo para fugir, lutar e dispersar essa força... E quem é o que está lá para primeiro sentir?

– O coração... – Falei totalmente envolto da explicação.

– Isso mesmo, pequeno Jeon, o coração irá trabalhar com maior intensidade, para fazer isso se libertar, ocasionando muitas vezes o choro... – A mulher de vestes até a canela, com boa idade para ser uma vovó, e cabelos bem amarrados com um elástico velho, esboçou um sorriso singelo, fazendo-me entender de vez o que eu estava sentindo.

 

De alguma forma, aquilo me deixou mais feliz, principalmente o doce que eu encontrei em cima de minha classe, após o recreio. Sempre pensei ser a velhinha de sorriso singelo que me deu para melhorar meu animo, mas hoje tenho plena certeza que era o aluno da sala de aula do lado, que esteve comigo por todos os lados é quem fora o responsável do meu sorriso daquele dia e dos que dou agora em diante.

 

 

--~~­~--

 

 

Senti os meus lábios secos e rachados, alguns sons de vozes sendo arrastadas longe nos meus pensamentos, estava tudo claro demais, o que dificultou bastante para abrir meus olhos e ver onde eu estava.

Após pouquíssimos minutos, abri com dificuldade os olhos.

Um lugar pequeno, porém bem equipado com objetos da medicina, que mesmo mal conhecidos por mim eram óbvias e encaixavam-se perfeitamente no contexto do lugar.

Varri os olhos pelos cantos e vi as costas de alguém, um homem, de jaleco branco, o médico. Ele observava atentamente alguma pasta com alguns papeis pelo o que consegui ver.

– Com licença...

Falei atraindo a frente do homem para mim, ele foi bem rápido e seu olhar cruzou o meu com certa preocupação.

Meu corpo estremeceu...

Como eu disse, meu corpo se rende ao vê-lo.

– Como está se sentindo? Está melhor? – Dizia verificando os batimentos e tudo o que eu não dizia saber o que marcava naquela tela, que depois percebi estar ligada a mim, com fios e agulhas.

Mordi o lábio apreensivo.

Não gosto de agulhas e nem nada cravado em mim.

Lembra-me tempos que tudo o que eu mais queria era acabar com uma dor, cravando na minha pele tudo o que podia trazer mais dor ainda...

– Estou bem, mas... Posso tirar isso aqui? – Voltei meu olhar ao dele.

– Você, por enquanto, precisa ficar assim, por má alimentação, cansaço e fraqueza, você desmaiou e precisa receber soro para restabelecer seu organismo, mas daqui uma hora pode ir embora, posso te liberar...

Eu te amo... Nossa, isso veio contudo na minha mente agora

Ele teria me ouvido?

Seria tão bom que meu coração parasse de bater tão rapidamente agora... Ele está vendo tudo naquela telinha, então se acalma órgão oco que quer ser completado pelo amor da pessoa que está vendo que você está batendo desse jeito.

– Você está nervoso? – Ele se aproximou e sentou na cadeira ao lado da minha cama.

– N-Não... Por que estaria? – Porque você se confessou pro amor da sua vida, seu idiota.

– Então está totalmente bem? – Ele tirou algum fio que caia sobre os meus olhos.

Agora é que eu não consigo aguentar mesmo.

Respira Jeon Jeongguk.

Respira fundo.

Fiz isso, respirei e desviei o meu olhar para o meu corpo envolto por um lençol fino branco.

– Jeon, aquilo que disse... É verdade?

Ele ouviu.

E agora?

Mentir e bancar o orgulhoso?

Não. Isso nunca deu certo.

Se eu amo ele de verdade, eu preciso me deixar sentir isso, aceitar e viver isso.

Dizer que amo ele sempre, demonstrar o meu amor por ele.

Ele é importante.

Então faça-o importante.

Eu amo ele, ele é importante pra mim.

Se um dia me pedissem para mimar alguém que eu amo, eu iria rir e dizer: “Se eu não sou assim, não vou fazer, se ele me ama, ele não vai me mudar, ninguém me muda”, mas eu vi que o fato não e mudar por quem eu amo, até porque se essa pessoa me ama de verdade, ela ama meus defeitos e qualidades, mas sim, melhorar, melhorar meus toques, minhas palavras, me abrir de forma sensata e verdadeira.

É isso que eu vou fazer.

 

– Aquilo que eu disse? Eu acho que... Aquilo sempre foi verdade, desde que eu nem conhecia, eu te amava, e eu te amo, com toda a minha mente, com todo o meu coração, com todo meu corpo e áurea... Porque você foi meu e fui seu, desde o primeiro dia em que te vi. Você tem a mim, meu amor é seu. E por estar tão separado de você agora, eu vejo que, o que eu mais preciso é te ter, você é quem me faz sorrir, me faz sentir seguro comigo mesmo, me faz ter certeza que um dia eu vou vencer, mas... O que adianta vencer se a coisa mais preciosa e valiosa da minha vida se perdeu pelo tempo e entrou em caminhos diferentes dos meus? Mas sabe, por mais que nossos caminham se puseram em direções opostas, aqui estamos nós, juntos novamente e como sempre eu te amo, e eu sei, mesmo que esteja bem lá no fundo e você quase não sinta, você me ama também...

Ele está estático.

Bom sinal?

Ah Taehyung, fale alguma coisa, eu estou nervoso, daqui a pouco aquela telinha vai mostrar que eu estou tendo uma parada cardíaca.

– Você... Está liberado...

Isso? Estou liberado? Ah meu bom Deus...

Desistir? Nunca, talvez falei coisas que ele ficou sem palavras e reações... Ele precisa pensar.

–Ah... Tudo bem.

Ele desligou todos os aparelhos que estavam de alguma forma ligados a mim, e advertiu coisas do tipo, beba bastante líquido e coma de forma correta, vá para casa e descanse por dois dias... Coisas assim.

– Ah por que veio aqui, neste posto de saúde, do outro lado da cidade?

Eu poderia simplesmente falar algo como: “Estava passando por aqui, para ver um amigo, e quando comecei a me sentir mal, vi esse posto de saúde e resolvi vir aqui”. Mas não, vamos ser verdadeiros.

– Estava te procurando e passei o dia inteiro, desde manhã, vendo em cada hospital e posto de saúde dessa cidade, eu estava vindo procurar aqui, e te vi, infelizmente passei mal... – Ele se sentiria culpado, então precisei completar as palavras. – Mas, obrigado por tudo, de verdade, você me salvou, de novo, está ganhando o certificado de “Guardião do Jeongguk” – Ri para quebrar o clima. – Foi bom te ver novamente, Taehyung, desejo felicidades. Vou pegar um táxi e nos vemos por aí.

Sorri simpaticamente pra ele e me curvei.

Tentei me curvar.

Porém mãos seguraram meus ombros e me fizeram voltar.

Olhos lacrimejando...

Não, não chore.

Eu não quis fazer isso, aahh Jeongguk, faça algo direito.

– Tae... Digo Taehyung, me desc-

E ele me abraçou.

Não tão forte, nem fraco, só um abraço necessitado, um precisava do outro.

Retribui o abraço na mesma hora, colocando seu rosto na curvatura do meu pescoço, poucas vezes o vi tão fraco e debilitado assim...

– Ei... Eu te amo...

Meu coração parou por poucos momentos, até minha respiração voltar também.

Sim, ele me ama.

E agora poderiam me perguntar se eu estava bem, mas não, eu estou tentando não desmaiar de novo.

Ele separou o abraço, escondeu o rosto rapidamente entre as mangas da camisa branca, que se encontrava embaixo do jaleco e limpou as lágrimas.

E me olhou, sorrio gentilmente, olhou pros lados e pegou levemente um minha mão.

– Você me deixaria cuidar de você, neste final de semana senhor Jeon Jeongguk?

Sim...

Sim.

Fala sim, de uma vez, seu idiota.

–Sim, claro que sim...

E eu sorri tão abertamente que o fez suspirar aliviado.

Ele tirou o jaleco, e a camisa de baixo, ficando apenas com uma camiseta azul escuro, pegou os óculos e uma maleta.

– Vamos?

– Sim!

Okay Jeon, para de falar sim agora e tenta dizer sinônimos.

Ele segurou novamente em minha mão e me direcionou até o outro lado do parque, onde se encontrava um carro.

E eu tentava não parecer eu estava tendo um ataque, por segurar na sua mão quentinha novamente.

Ele desligou o alarme e me levou até a porta que seria do carona, abrindo-a para mim.

Kim Taehyung subiu muito bem na vida, aquele era sim, um carro bem caro.

Mas a melhor coisa ainda permaneceu nele, que seria ele mesmo.

– Aonde quer ir?  – Nem percebi quando entrou.

– Ah... Você escolhe... – Eu não tinha direito nenhum de pedir algo pra ele.

– Vamos comer alguma coisa? Já está quase escurecendo e se quiser, passamos na sua casa para você se trocar e eu na minha, daí podíamos sair para jantar e eu cuidar direitinho da sua alimentação.

– Eu achei muito legal... Mas, sua namorada ou algo do tipo não vai se incomodar, acho que ela não gosta muito de mim.

Droga Jeon, por que vem falar disso agora?

Ahh eu ainda me mato, por ser tão idiota.

– Mi-Cha viajou para Las Vegas, para alguma coisa com comprar roupas novas, e eu fiquei trabalhando.

Eu não gosto dela.

– Então eu acho que ela não vai gostar de saber que você falou comigo nesse final de semana não é?

Cala a boca Jeongguk.

– Jeon... Mi-Cha me mostrou o quanto poder eu posso ter, e isso de certa forma me ajudou muito, mas nesses dias pra cá... – Engoliu seco, motivo de desgosto, ou nervosismo. – Ela só quer saber as cremes importados, festas requintadas e sapatos de estilo único...

Era desgosto.

Ela não está fazendo meu Taehyung bem.

– Você sabe que a melhor coisa que você tem... É você mesmo não é?

­– Eu acho que a melhor coisa que eu tenho agora... É a certeza de quem eu preciso para sem feliz, e é você, Gguk.

Muita coisa pra pensar...

Gguk

Eu quero sorrir, mas a minha boca está colada na dele neste mesmo segundo e eu não me lembrava de como isso é perfeito.

Ele me beijou.

Sua mão tão delicada em meu pescoço me puxando para perto e a sua boca deslizando perfeitamente sobre meus lábios.

Tão calmo.

Tão apaixonado.

Eu já disse que amo tudo nele?

Eu já disse que preciso dele?

O beijo foi finalizado e eu olhei aqueles olhos castanhos que eu tanto necessito.

– Tae, me perdoa...

–Jeon, me perdoa...

Eu acho que o que confirmou isso foi o beijo que demos logo após.

 

--~~--

 

Quando chegamos à minha casa, já era mais tarde do que o previsto, pelos vários minutos bem aproveitados, com beijos, abraços e carícias de saudade e de trocas de verdadeiros sentimentos que guardamos um pelo outro por todos esses anos.

Fui direto para um banho, para tirar todo o cheiro de hospital, cansaço e fraqueza, que haviam me sobrecarregado o dia todo.

Sorri abertamente pensando no que havia acontecido e o quão feliz estava, lembrando-me de tudo o que vivemos e o que passamos, nos encontros e desencontros, nos segredos e mistérios, no amor que só ele me fazia sentir, na importância que somos um para o outro.

Fiquei alguns minutos embaixo na água morna sentindo seu perfume que se encontrava colado na minha pele. Ele, de todas as maneiras estava marcado em mim, principalmente na felicidade que eu senti quando um simples eu te amo, foi sussurrado, sem desconforto ou insegurança pela sua boca de lábios tão bem modelados e acompanhado de um sorriso tão verdadeiro, que concretizava o que havia falado.

Taehyung ficou no meu quarto me esperando, não sabia o que de fato ele estava fazendo, mas apostaria que ele estava vendo os porta-retratos da minha família que se encontravam acima da simples cômoda ao lado da cama.

Infelizmente não tínhamos nenhuma foto juntos e isso é algo que eu gostaria de lhe pedir mais tarde.

 

Saí do banho já vestido e fui em direção do quarto, passando a toalha de banho em meus cabelos bem encharcados, tentando os secar da mais rápida forma possível.

Taehyung estava sentado na minha cama, olhando com um mínimo sorriso nos lábios uma fotografia de uns anos na minha formatura de ensino fundamental. Eu estava com um típico terno social, com uma gravata vermelha e um largo sorriso nos lábios, foi realmente um dia maravilhoso de fotografias e frases orgulhosas de meus pais.

Sentei-me ao seu lado.

– Foi um dia bom... – Ele disse de forma nostálgica, o que me fez lembrar que ele estudava na mesma escola que eu.

– Você se formou nesse ano também?

– Sim, aqui estou eu... – Ele começou rir ao mostrar no fundo uma criança do mesmo tamanho que eu, olhando sem muito jeito para onde estávamos.

Ele sempre esteve comigo.

Sorri pegando o objeto em minhas mãos e olhando melhor o garoto de cabelos castanhos e pele morena.

– Por que nunca veio falar comigo?

– Eu não tinha muita coragem de falar com ninguém naquela época e, além disso, meus pais não queriam que eu fizesse isso com sua família, não sei muito bem, já que seus pais já sabiam, eles não queriam fazer com que você soubesse também então me pediram para não criar laços com você... – Ele rio fraco. – Acho que eu fiz melhor, eu me apaixonei por você...

Eu acho que meu coração se tornou a parte mais completa do meu corpo todo nesse momento e o melhor de tudo é que estava completo do seu amor.

Não sei quanto tempo fiquei o olhando de maneira encantada, pois ele tombou a cabeça me olhando depois de um tempo e deixou um selar em meus lábios, me fazendo acordar do melhor transe da minha vida.

– Posso tomar banho aqui? Está ficando tarde para irmos até minha casa agora e depois ir comer...

– Claro, claro! O banheiro é no final do corredor e eu vou preparar uma roupa para você.

Ele foi e eu pequei uma toalha e comecei a pensar numa roupa, que não fosse tão simples.

Taehyung era um homem requintado agora.

Peguei uma calça de tecido preto e uma blusa que a manga ia até o antebraço cinza, achei que ficaria perfeito com aquela camisa com decote V.

Levei as coisas para ele, as deixando no lado de fora do banheiro.

Voltei e terminei de me arrumar.

Estava com uma calça Jeans de lavagem clara com uma camiseta bem solta ao meu corpo vermelha escura. Fui à frente do espelho e mordi o lábio pensando em uma melhor posição para o meu cabelo ficar, decidi por algo bagunçado jogado para o lado, fazendo aparecer minha testa com o leve topete que se formou.

Senti braços arrodeando minha cintura e um rosto se afirmar no meu ombro.

– Está lindo...

– Você também está... – Falei me virando e encarando um rosto de proporções perfeitas demais para um simples ser humano.

– E cheiroso também... – Ele se aproximou e deixou um suspiro bem fundo, contra meu pescoço.

– Tae... – Confesso, eu estava bem arrepiado.

– Vamos Gguk..

 

--~~--

 

 

A noite se passou confortavelmente linda, nós jantamos num restaurante simples, curtindo apenas nós mesmos.

Anos atrás se eu veria num restaurante um casal assim, como nós estávamos, iria certamente dizer o quão clichê era... Mas como muitos dizem por aí, o mundo dá voltas e eu percebi que a melhor coisa que precisamos viver é o momento, e nesse momento a coisa que eu mais quero e beijar quantas vezes for necessário aquela boca, para ele saber que eu amo-o tanto, que tudo o que acontecer no prosseguir de nossas vidas, são sorrisos e lembranças de um dia que foi complicado e perdido.

Taehyung me levou para sua casa, que era uma belíssima casa e bem espaçosa, nem perto do apartamento em que eu vivia... Ele me deu um remédio para poder dormir bem e confortavelmente, pelo fato de que horas atrás eu ter desmaiado de tanta fraqueza.

– Esta é sua cama? – Perguntei parecendo desinteressado.

– Sim, mas quando Mi-Cha vinha aqui, nós dormíamos em outro quarto... Esse é só meu e bom... Agora é seu também se quiser.. – Ele respondeu perfeitamente a coisa que eu queria saber, se Mi-Cha dormia aqui com ele. – E Jeon, eu vou acabar com qualquer pouca afinidade que eu tenho com ela, a partir de hoje a minha prioridade e necessidade, vai ser só você...

Eu te amo Kim Taehyung...

Não sabe o quanto eu amo você...

Eu já estava deitado, porque ele me convenceu que precisava descansa, pois o dia foi cheio para mim.

Ele me olhou meio com receio...

– Você dormirá aqui, certo? – Perguntei de forma convicta.

– Se você não se importar...

Eu já estava o puxando para encima da cama, nos tapando apenas com uma fina coberta que tinha ali.

– Obrigado por ter sempre cuidado de mim, me incentivado, me fazendo sentir importante... Você é a melhor coisa que pôde me acontecer, e talvez a única que se importou. Você é quem me salvou e me salva todos os dias. Eu vivo por você e espero não te machucar nunca mais.

A única coisa que me importava agora era o mostrar como ele era especial...

– Você que é a coisa mais especial pra mim... Nunca me agradeça pela força que você tem. Eu te amo Jeongguk, e nunca mais vou dizer ao contrário. Não fuja mais, fique comigo que eu vou trazer a felicidade todos os dias para os nossos corações...

– Eu te amo Tae...

– Eu te amo Jeon...

E assim a noite se acabou, num abraço perfeitamente encaixado entre sussurros de eu te amo e beijos carinhosos.

 

 

Por eu te amar tanto assim é que eu conto tudo isso, por eu te amar imensamente é que eu respeito todas as suas decisões, mesmo que se um dia não estivermos juntos oficialmente eu sei que meu coração estará contigo e o seu comigo. Porque você me salvou todos esses dias e continua me salvando a cada passo que eu dou. Porque a minha vida é voltada para a pessoa que me deu a vontade de viver, e isso será sempre querendo ser ao seu lado...

Porque eu simplesmente te amo mais do que eu mesmo escolhi...

 

 


Notas Finais


EU FIZ INTERAÇÃO UHUU

Espero que tenham gostado :33 vocês merecem isso

Amo vocês <3


Até o próximo capítulo <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...