História De volta ao lar - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Amor Doce, Shall we date?
Personagens Alexy, Elias Goldstein, Luca Orlem, Lynn, Professor Conrad Schuyler, Rosalya
Visualizações 8
Palavras 2.180
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Crossover, Escolar, Fantasia, Magia, Romance e Novela, Slash
Avisos: Bissexualidade, Linguagem Imprópria, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 5 - Desconfianças


Fanfic / Fanfiction De volta ao lar - Capítulo 5 - Desconfianças

Luca acordou com os raios do sol batendo fortemente em seus olhos. Já era de manhã, cedo, e ele havia tido uma noite agitada. O peso da viagem repentina se manifestou em fortes dores de cabeça logo após se levantar da cama, Luca estava sentindo exaustão profunda e estava um pouco atordoado.

Ele estava no quarto de um hotel próximo, o melhor hotel, Luca não era humilde e nem idiota para escolher algo menos "digno" de sua presença. Ele voltou a usar novamente de sua magia para desfrutar desse mundo, e por isso conseguiu o quarto de luxo, nada mais nada menos para uma boa noite de sono, embora não foi assim que ele se sentiu.

O rapaz voltou a deixar-se, estava apenas de peça íntima. Ele passou a mão nos cabelos, cansado, e ficou observando o teto, lembrando-se das pessoas a qual havia deixado em Gedonelune. Ele sentia que era tudo um sonho, mas ao acordar, percebeu que era a realidade, e agora a saudade apertava o seu coração.

Ele sentia falta de três pessoas, em especial.

Liz, ah, Liz. Tão doce, tão sábia, tão batalhadora. Ela era a aluna mais esforçada daquela escola, também a mais atrapalhada. A garota tinha um fácil convívio com os meninos, e mesmo que não fosse tão chegada ao Luca, ela também conversava bastante com ele, e ele confiava nela para contar o que pensava. Luca sempre teve uma lista de amigos confiáveis muito restrita, mas Liz combinava perfeitamente para ter um lugar nela.

Elias. Mesmo com toda a zoação, Elias lhe fazia muita falta. Um rapaz sério, perfeccionista, esforçado, perfeito para ser os alvos de Luca, que sempre sentiu uma atração por infernizar a vida do loiro. Luca tinha que confessar que a vida sem o Elias por perto é muito chata.

E Conrad Schuyler, seu professor mais rigoroso. Mesmo frio e extremamente rigoroso, ele cuidava muito bem de Luca, como seu filho. Orlem sentia às vezes que o homem se preocupava com ele, mais que qualquer pessoa ali. Ele não considerava-o um pai, mas um padrasto que demonstrava seu amor pelo filho adotivo do jeito dele.

Luca soltou um suspiro ao se lembrar dessas pessoas, e lentamente se levantou, pronto para começar mais um dia. Ele foi se aprontar e descer para comer algo no restaurante do hotel.

Após recobrar as forças, Luca resolveu dar uma passada na escola da garota. Ele queria se enturmar por lá até a aparição da Superlua. Orlem poderia olhar a lua em outro lugar, por outro ângulo, mas não era em todo lugar que a Superlua tornaria-se visível e limpa para a magia poder funcionar. Ele precisava estar rodeado de especialistas no assunto, nem que fossem meros professores, porque estes sabiam algum lugar ideal para a aparição total do fenômeno. Luca era mais inteligente do que os outros pensavam.

Ele atravessou a rua, já um pouco mais acostumado com as regras do local e como aquela cidade funcionava. Ele aprendeu muito em um único encontro com um habitante de lá, e por isso havia conseguido se adaptar bem. Ele só precisaria esperar alguns dias até que o fenômeno voltasse a aparecer nos céus.

x -- x

Era intervalo de aula em Gedonelune. Todos os estudantes foram para a cantina comer alguma coisa e descansarem para retornarem com tudo para mais uma aula. Todos, com exceção de algumas pessoas.

Elias, Liz, Leon, Joel e Yukiya se reuniram perto do campo aberto da escola para discutir sobre o estranho desaparecimento de Luca. O grupo estava reunido, faltava apenas Elias chegar.

Assim que ele apareceu, logo reparou o grupo em círculo, já conversando. Ao verem que Elias havia chegado, eles se viraram pro rapaz.

- E então, já estavam procurando sem mim?

Elias arqueou a sobrancelha. O pessoal do grupo trocou olhares, e em instantes voltaram a observá-lo.

- Elias...

Yukiya começou a falar.

- Você é meu colega de quarto e eu jamais desconfiaria de você, principalmente por conhecer seu caráter...

- Vai logo ao assunto.

Respondeu Elias, impaciente.

- Estão desconfiando de mim, por acaso?

- Na verdade, é sim.

Disse Joel, dando uns passos afrente.

- Mesmo que não pareça ser obra sua, você é o único com motivos de sobra pra ferrar a vida do Luca.

- Sério?!

Elias arqueou a sobrancelha.

- Liz!

Ele clamou pela menina, que abaixou o olhar e soltou um suspiro. Ela voltou a encarar Joel em seguida.

- Joel, eu não acredito que foi o Elias. Ele é o que mais quer encontrar o Luca.

- É! E isso não faz sentido porque o Luca já ia embora mesmo, por que eu ia perder o meu tempo fazendo ele desaparecer?!

- Você sabe que o Luca já foi ameaçado de sair uma porrada de vezes e sempre deu um jeito de ficar, não seria diferente dessa vez. Para prevenir, você armou alguma contra ele, é óbvio.

Respondeu Joel.

- Ah, faça-me o favor...

Murmurou Elias, passando a mão nos fios loiros, aflito e furioso.

- Você tem inveja das habilidades do Luca, Elias.

Completou Yukiya.

- Você nunca quis que ele sumisse do mapa? Nunca mesmo?

- É... É claro que não! Não assim! Eu não sou tão filho da mãe assim. Não acredito que vocês desconfiam de mim!

- Alguém pensou por um segundo que pode ter sido o Leiado?

Comentou uma voz doce e suave, era o Leon.

- Ele ficou tão furioso com o desfecho do objeto milenar, que pode ter feito isso por vingança. Não gosto de julgar as pessoas assim, mas não gosto de ser injusto, o Elias não é o único suspeito.

- É verdade...

Disse Liz.

- Falando nisso, os professores já sabem da consequência da quebra do objeto?

- Uma poeira mística, de acordo com Leiado. Ele conhecia mais do objeto que qualquer professor.

Disse Yukiya.

- Talvez isso que esteja me confundindo. Eu não consigo sentir a magia das pessoas como antes, é como se eu sentisse magia em todo lugar, me deixa confuso.

Comentou Leon.

- Talvez você não esteja sentindo a magia do Luca por causa disso. Os professores precisam limpar essa poeira da escola e logo!

Completou Liz, batendo com uma mão fechada na palma da outra, com determinação.

- Enquanto isso, parem de me acusar como se eu fosse capaz de ser tão ridículo dessa forma. Pelo visto o mais preocupado com Luca aqui sou eu. Enquanto vocês discutem sobre quem é o culpado, eu apenas me interesso em encontrá-lo e rápido.

Disse Elias, deixando todos os demais em silêncio, estavam até envergonhados de ter acusado o rapaz de tal coisa. O loiro soltou um suspiro e se retirou do local, voltando para a sala de aula.

x -- x

Luca estava sentado no banco do pátio da escola Sweet Amoris, lugar onde a Lynn estudava. Ele quis fazer uma surpresa para a menina e foi até a escola, se matriculando lá. Ele podia usar e abusar de sua magia o quanto pudesse, e mesmo sem os documentos necessários, conseguiu a permissão como estudante.

Lynn estava guardando seus materiais escolares no armário, quando ouviu um barulho no pátio. Pelo tom de voz, era o Castiel. Ele estava brigando? Mas, com quem?

A garota apressadamente correu para ver o que era, e acabou de deparando com Luca Orlem. Ele estava sentado no banco, com um sorriso malicioso nos lábios.

- Mal chegou aqui e já quer dar uma de espertinho pro meu lado?!

- Tá nervosinho porque falei a verdade? Até parece que perder a virgindade e fumar um cigarro vai te fazer um adulto de respeito. Você não passa de um adolescente problemático.

Castiel ficou furioso, ninguém ousava falar com ele daquela forma. O rapaz puxou Luca pelo colarinho e estava pronto para dar-lhe um soco, quando de repente Lynn chamou pelos dois.

- Castiel, Luca, parem, por favor!

- Nem vem, tábua, esse filho da puta vai pagar por mexer comigo!

Assim que Castiel proferiu tais palavras, sua mão travou, ficando completamente fechada e parada no mesmo lugar. Ele sentiu um formigamento, e logo após isso não sentiu mais nada.

- Q-que porra é essa?!

Luca sorriu e lentamente se afastou dele.

- Pelo visto você tem um problema sério no sistema nervoso.

- Faz voltar ao normal, agora!

Disse Castiel, completamente furioso. Luca deu uma risada sádica, se divertindo da desgraça do rapaz.

- É melhor pensar cinco vezes antes de mexer comigo, e quem sabe sua mão volte ao normal.

Ele se retirou em seguida, deixando Castiel completamente perplexo. Lynn notou no rapaz um sadismo que não havia percebido naquela noite do Shopping. É como se ele conseguisse se fingir de outra pessoa, pois o Luca daquela noite era muito romântico e gentil, diferente deste. Lynn não estava acreditando no que via.

Assim que ela acordou de seus pensamentos, logo reparou que Luca estava vindo em sua direção.

- Olá, Lynnzinha, fofa. Como vai?

- Er... Luca, que surpresa...

- Eu sei. Eu vim justo pra te ver.

O homem retirou de seu casaco uma rosa pra ela, a entregando.

- Uma rosa tão rubro quanto suas bochechas delicadas.

- A-ah, obrigada...

A garota pegou a rosa e a fungou, sentindo o exalar do perfume. Mesmo gostando de como o rapaz a tratava, ela ficou um pouco insegura ao ver o que o mesmo havia feito com o Castiel.

- O que aconteceu entre você e o Castiel?

- Ah, você o conhece, não é? Espero que ele não seja seu parente, ou ex namorado, sei lá... Ele me incomodou e eu me defendi, apenas isso.

Disse o rapaz. Ele falava com a maior tranquilidade do mundo.

- Você viu que ele iria me socar.

- Mas, como você fez aquilo com a mão dele?

- Ah, vai passar logo, é um efeito que aprendi em aulas de luta.

Luca inventou, parecia um mentiroso profissional. Seu sorriso tranquilo retiravam todas as desconfianças.

- Você é muito bom...

- Obrigado. Eu espero que não tenha te assustado, só uso minhas habilidades com extrema necessidade.

Disse o rapaz, tentando acalmar o coraçãozinho dela. Lynn tentou aparentar estar menos nervosa, mas não adiantou muito.

- Você veio apenas me ver?

- Vim te contar que também me matriculei aqui. Sou oficialmente um estudante de Sweet Amoris.

- Uau, porque?

Lynn arqueou a sobrancelha. Ela não conseguia imaginar um homem tão apaixonado assim à ponto de se matricular na escola da menina, com um detalhe de que eles se conheceram ontem.

- Eu sou intercambista, precisava continuar com meus estudos aqui, e esse lugar é bem perto de onde estou alojado.

Disse, Luca parecia ter as mentiras na ponta da língua. Lynn acreditou.

- E-entendi... Não foi por mim, né?

- Você também foi um motivo, minha princesa.

O rapaz beijou as costas de uma das mãos dela, fazendo a garota corar fraco.

- Ah, com licença?

Rosalya entrou no meio deles, de repente. Luca a encarou estranho.

- Preciso falar com a Lynn. Só três segundinhos, tá?

Ela puxou a garota pelo braço pra mais longe, deu uma olhada no local, e assim que se sentiu segura, encarou Lynn nos olhos verdes da garota.

- O que te deu na cabeça de dar tanta bola pra esse menino assim? Ele até te seguiu, sério isso?

- Não é minha culpa. Eu só falei da escola, não dei meu endereço pra ele!

Respondeu Lynn.

- Eu sei, mas alguma coisa você falou, pra ele correr até você. Inclusive, eu vi o que ele fez com o Castiel. Imagina o que ele pode fazer com você!

- Ele não me atacaria... Atacaria? Isso é errado, eu sou uma garota.

- Bom, eu não tenho certeza de nada, mas esse menino tá muito estranho. Primeiro é a pulseira que muda de cor, e depois o braço do Castiel ficou paralisado do nada, tem caroço nesse angu, Lynn.

- Eu irei tomar mais cuidado, prometo.

- Porque você não deixa esse rapaz passar um tempo com seus amigos, hein? Ele é uma coisa com você, e outra completamente diferente com as outras pessoas. Tenho certeza que se você não tiver por perto, ele vai falar alguma besteira, fazer alguma bobagem...

Comentou Rosa. Lynn ficou pensativa por um tempo.

- O que você sugere?

- Vou ter uma conversinha com ele. Depois vou mandar ele pro Alexy. Somos as duas pessoas a quem você mais confia, né?

- Sim, seria perfeito. Obrigada por me ajudar com esse rolo, Rosa.

- Nada, amigas são pra isso.

Rosalya deu um abraço carinhoso na Lynn, ela raramente fazia tal ato. Logo após o abraço, ela se afastou e deu uma piscadela pra a menina, que sorriu, mas desfez o sorriso em seguida, assim que Rosa se retirou. Lynn estava muito confusa sobre o que sentia por Luca. Era algo tão rápido, mas ao mesmo tempo tão bom. Ele é lindo e interessante, e é tão difícil isso acontecer com ela. De qualquer forma, a garota precisava se manter atenta e ela sabia disso.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...