História Dead Inside (Hiatus) - Capítulo 13


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga
Tags Bangtan Boys, J-hope, Jikook, Jimin, Jungkook, Kookmin, Min Yoongi, Taehyung, Vhope
Visualizações 5.074
Palavras 6.031
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Escolar, Fluffy, Romance e Novela, Shoujo-Ai, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Mani Mani Mani 🎶

Sim, eu estou viciada no hino =']
Sério que eu tô atualizando em menos de duas semanas??? Sim, estou atualizandoooooo... Caracas, meu coraçãozinho tá tão de boas por isso *0* <3
{*Uma pausa na nota para dizer que a Mika é maravilhosa e que eu estou tentando cumprir com o meu objetivo de enaltece-la nas notas desse capítulo*}.
QUERIDOS LEITORES, A AUTORA-CHAN ESTÁ MEIO ADOENTADA ESSES DIAS E ERA PRA ELA TÁ DE REPOUSO, ENTÃO SIM, estou atualizando mais cedo porque eu adoro muito todos vocês ^-^. Espero que gostem. Boa leitura, nos vemos lá embaixo <3

Capítulo 13 - Anormal?


Fanfic / Fanfiction Dead Inside (Hiatus) - Capítulo 13 - Anormal?

Tudo bem nos abraçarmos assim? Jimin e eu... Nós estamos nos abraçando apertadamente. Isso é normal, não é? Devo larga-lo? Tae e Jin são abertos comigo, mas nossos abraços não são tão duradouros como esse e nem tão apertados assim.

— Você... Se quiser ser meu amigo novamente... Err, tudo bem — murmuro envergonhado enquanto sinto que meu rosto está afundando cada vez mais em seu peito.

— Eu quero — responde.

Respiro profundamente enquanto apoio meu queixo em seu ombro. Eu o quero como amigo novamente, vou estar mentindo se disser que não  senti vontade de responder seus áudios e... Espera. O que é isso? Ele está me cheirando?!

— Jimin?... Jimin! O que você tá fazendo? — pergunto levemente assustado

— Você é cheiroso — sussurra me fazendo ruborizar

Cheiroso? Não sei... Uma vez uma tia me contou que eu era o seu cheiro favorito, mas tenho sérias dúvidas de que ela só disse isso porque sou seu sobrinho favorito assim como ela também é minha tia favorita.

— Pa-Para seu imbecil! — exclamo me sentindo meio desconcertado

— Não posso fazer nada se você cheira a agridoce com baunilha

Agridoce? Baunilha?

— Mas... Você tem problemas! — falo fazendo-o rir

— Claro que não — ele nega

— Claro que sim

— Não, não tenho — revida e de repente consigo sentir seus braços me apertando um pouco mais.

— Sim, você...

— Jungkook?

Hein? Essa voz... Minha mãe?!

— Mãe? — murmuro assim que empurro Jimin para longe

Ok, normalmente ela nunca me viu abraçando um cara, talvez Jin hyung, mas ela conhece Jin e sabe que ele "puxa pro outro lado", mas não puxa pro meu lado, se é que você entende o que digo.

— A senhora já voltou? — pergunto enquanto levanto para recebê-la

— Sim, sua tia não estava doente coisa nenhuma — murmura fazendo um semblante bonitinho de quem perdeu a viagem.

— O trem demorou muito? — pergunto preocupado

— Não, Busan não é tão longe... Agora, quem é seu amigo? — ela murmura para que somente eu ouça enquanto ela estende o rosto sobre meu ombro e então sorri largamente para Jimin

— Ah, mãe, err, esse é o Jimin — respondo me sentindo verdadeiramente envergonhado quando de repente ele se levanta do sofá e vem até nós.

— Ah, olá... Jimin — ela diz parecendo hesitar de primeira, mas logo abre um sorriso encantador.

— Olá, é um prazer conhecê-la, senhora Jeon — Jimin cumprimenta beijando as costas de sua mão delicadamente.

De repente quando ele vai abrir a boca para falar algo, sua barriga ronca fazendo suas bochechas tornarem-se levemente avermelhadas. Ele está com fome?

— Parece que alguém está com fome aqui — ela diz sorrindo gentilmente para ele — Vamos, vou preparar algo para nós comermos.

 

.

*

Tá, eu não deveria me sentir tão confortável conversando com os dois ao mesmo tempo, até porque tenho certeza que depois que ele for embora ela vai me interrogar sobre o abraço, mas isso parece tão natural que chega a ser estranho.

— De onde vocês se conhecem? — ela pergunta encarando mais a ele do que a mim

— Da escola — nós dois respondemos em uníssono fazendo ela soltar um pequeno risinho

— Que legal... Jimin, você mora com seus pais? — ela pergunta parecendo verdadeiramente interessada

— Ah... Aham — ele murmura meio desconfortável enquanto engole mais um pedaço da torta salgada que ela fez

— Isso é bom... Você me é familiar, já nos vimos em algum lugar? — pergunta parecendo confusa

— Ah, não sei... Provavelmente não — ele responde abrindo um sorriso extremamente encantador

— Sim, provavelmente não.

— A senhora trabalha em quê?... Desculpa se estou sendo grosseiro — ele murmura

— Não está sendo não, sou confeiteira em uma confeitaria aqui perto.

— Ah... Então deve ser por isso que Jungkook e a senhora cheiram a doce — ele diz me fazendo rir de nervoso

Será que esse menino sempre diz tudo o que vem na mente dele? Tão esquisitão.

— Doce? — ela murmura rindo

— Seu bolo deve ser ótimo — ele comenta

— E é, o bolo dela é o melhor de Seul — acrescento fazendo ele sorrir pra mim

— Parem garotos, assim eu me sinto envergonhada — ela murmura tocando minha mão — Hm... Seus pais trabalham em quê?

— Minha mãe é advogada e meu pai... Meu pai é dono de uma cadeia de hotéis e outras coisas que eu não sei bem... — ele murmura parecendo constrangido

— Mãe, sabia que o Jimin é neto da dona Jisan? — falo fazendo seu rosto se tornar sério

— Como se chama seu pai, Jimin? — ela pergunta o encarando

— Meu pai? Meu pai se chama Jungeun, Park Jungeun... Por quê?

Ela não o responde de imediato, o que é realmente estranho.

— Err... Por nada — responde hesitante enquanto volta o olhar para o prato

Estranho, minha mãe nunca pergunta algo sem fundamento.

— A torta está ótima — comento tentando aliviar o clima pesado

 

.

.

Eu não deveria estar tão preocupado, mas não consegui deixar de notar o olhar dela sobre ele durante o restante da nossa conversa, um olhar intenso e significativo. O que deu na minha mãe?

— No que você está pensando? — ele pergunta encarando minha coleção de mangá do Fairy Tail na prateleira

— Em nada... Só em nada — murmuro sentando na cama

— Você tem muitas... Espera... Que troço é esse aqui? — ele pergunta rindo enquanto estende uma das minhas cuecas do homem de ferro

— Hey! Me dá isso! — peço já de pé tentando tomar de suas mãos — Me devolve — peço mais uma vez assim que ele coloca a peça atrás de si

— Claro que devolvo, mas antes você tem que me responder se usa pra dormir ou pra ir pra escola se sentindo um super herói? — caçoa ainda escondendo atrás das costas

— Você quer levar um soco?! — pergunto envolvendo seu corpo desajeitadamente para tentar puxar

De repente suas mãos deslizam até minha barriga e ele me ataca com cócegas me fazendo cair no chão. O maldito sabe o meu ponto fraco. Desde que me entendo por gente meu corpo reage assim por ser sensível a cócegas. Tão vergonhoso.

— Para seu otário, para! — peço morrendo de rir enquanto tento tirar suas mãos de mim

Então em um movimento rápido ele sobe em cima de mim, precisamente em cima da minha barriga, suas mãos sobem até meu pescoço me deixando arrepiado.

— Eu não tenho cócegas no pescoço, seu idiota — murmuro segurando em seus pulsos para retomar o controle da situação

Seus olhos se fecham em um sorriso totalmente bonitinho enquanto solta a cueca sobre meu rosto, então ele começa a rir me deixando totalmente confuso e sem reação.

— Bom saber disso… — sussurra puxando seus pulsos do meu aperto — Eu também tenho uma cueca assim, mas a minha é do One piece — diz e em seguida sai de cima de mim para sentar-se ao meu lado

— Sério? — pergunto desconfiado enquanto tiro a peça do meu rosto.

— Aham — confirma deitando no chão.

— Ah… Bom saber disso — sussurro o mesmo que ele

— Sabe, seu quarto é muito apertadinho…

Mais uma vez ofendendo a minha casa?!

— Olha aqui seu baba…

— Mas é reconfortante… Eu queria um quarto assim — comenta me deixando sem jeito e sem saber o que responder.

.

Poderia dizer que ele foi logo embora pra casa dele, mas não, ele ficou até um pouco depois das seis da tarde, ou seja, ele almoçou e jantou comigo e minha mãe, não foi tão estranho como eu achei que seria, nós jogamos vídeo game a tarde toda e depois ouvimos algumas músicas porque surpreendentemente gostamos do mesmo estilo de música, o dia foi agradável, mas uma coisa que eu estranhei foi o jeito extremamente amável que minha mãe tratou ele, não que ela trate Tae ou Jin de uma forma rude, mas o jeito que ela tratou Jimin foi diferente.

— Mãe… Posso dormir aqui? — pergunto assim que entro em seu quarto

— Aham

Deito em sua cama e mais uma vez sinto seus braços me envolverem em um abraço.

— Está com insônia? — pergunta com sua voz suave

— Mais ou menos — sussurro

— Ah… Jungkook — ela chama.

— Sim?

— Você gosta do Jimin?

Hm?... Que tipo de pergunta é essa?       

— Mãe… Se for pelo abraço que a senhora viu mais cedo, não tem nada a ver…

— Não… O quê? — ela solta um riso incrédulo — Não é assim, só estou perguntando se gosta dele.

— Ah… — murmuro envergonhado — Se é assim, sim, eu gosto dele.

Jimin é um garoto amigável e eu realmente gosto dele, não é?

— Isso é ótimo… Fico muito feliz de ver vocês se dando bem.

— Por quê? — pergunto confuso

— Ah… Ele parece ser um ótimo garoto.

“Ótimo garoto”? Jimin? Talvez, não sei.

— Aham

— Jungkook — ela chama novamente

— Hm?

— Me prometa que nunca irá a casa dele enquanto forem amigos

— O quê? — murmuro não entendendo bem o que ela quis dizer

— Me prometa que não vai a casa dele

— Por quê?

— Só me prometa — ela pede firmemente

— Hm… Prometo — sussurro hesitante.

Por que está me pedindo isso?” Eu realmente queria perguntar, mas ela parece firme demais no que pediu, então vou apenas seguir o que prometi.

.

.

.

¤ ¤ ¤

 

Dezoito dias depois.

 

— Você parece um marginal — ele diz limpando o sangue na beira dos meus lábios

— Eu não tive culpa — murmuro fazendo uma careta ao sentir o remédio ardido na ponta do algodão tocar meus lábios

— Você nunca tem culpa, Jungkookie — diz por fim colocando um band-aid no local ferido.

— Hyung, dessa vez é sério, eu acabei me distraindo um pouco, foi só isso — sussurro.

— Já pensou em parar de lutar? — ele pergunta me encarando seriamente

— Já, mas não agora — respondo sincero.

— Mas tem que pensar logo, seu rosto é muito lindo pra ficar estragando ele desse jeito… Sua mãe não viu isso?

— Não, eu saí mais cedo dizendo que iria dormir na sua casa.

— Então ao invés de vir pra minha casa logo, você preferiu ir lutar naquele lugar e agora tá aqui com um ferimento nos lábios, é isso?

— É, é isso — murmuro sem graça.

— Ganhou? — ergue uma sobrancelha com o semblante divertido

— Claro, eu sempre ganho — confirmo me sentindo orgulhoso de mim mesmo.

— E Tae? Por que ele não está com você? — pergunta confuso

— Nós brigamos — sussurro

— De novo?!

— Aham — balanço a cabeça positivamente

— Por quê?

— Tae queria sair comigo na terça, mas eu já tinha combinado primeiro com o Jimin de nos encontrarmos no Skyfall… E eu nunca tinha ido a um simulador de voo porque é caro, aí ele disse que era uma das melhores coisas e arrumou dois ingressos pra nós dois, então eu estava muito animado mesmo pra ir com o Jimin, você entende? — pergunto fazendo-o concordar com um aceno e então continuo a falar — Então eu contei para o Tae e ele se irritou, mas aí eu o chamei para ir com a gente também, mas ele não quis aceitar e acabou ficando com raiva de mim porque eu realmente fui com o Jimin, entendeu?

— Hm... Acho que Jimin está ocupando demais o seu tempo — diz me deixando envergonhado

— Não é bem assim… — murmuro constrangido — Nós só nos divertimos muito quando estamos juntos

— Mas você sabe que Tae não gosta dele… Hoje já é sábado, vocês não se falam desde terça? — pergunta perplexo

— Não, eu tentei falar com ele na quarta, mas fui ignorado, quinta eu o fiz rir, mas mesmo assim ele não voltou a falar normalmente e ontem na hora do intervalo ele ficou chateado mais uma vez quando fui comer com o Jimin, você viu — falo me deitando em sua cama.

— Tá, mas eu achei que ele tivesse ficado chateado porque Hoseok não falou com ele direito naquele dia, agora acho que estou meio confuso — murmura se deitando ao meu lado.

— Ah, entendo… Hyung, por que Tae não gosta do Jimin?

— Ah… Talvez Jimin tenha cometido muitas besteiras, Tae não gosta de idiotices.

Hm?

— Acho que ainda não entendi… Como assim “Cometido muitas besteiras”?

— Quando éramos mais novos, Jimin era um garoto legal, não que eu o ache ruim agora, mas quem tem atitudes erradas não merece ser defendido… Não me sinto muito bem falando sobre isso, você só precisa saber que ele fez algumas besteiras, acho que é melhor você perguntar ao Tae, ele vai te explicar melhor, ok?

—… Ok — concordo hesitante.

A verdade é que agora eu estava um pouco mais confuso do que antes, Jimin e eu já somos amigos há algum tempo, e definitivamente descobri que ele é um cara bem legal, por mais que às vezes ele seja um idiota, sim, ele não deixou de ser um idiota, acho que faz parte de sua personalidade, mas o importante é que eu acho que ele não seria capaz de machucar outra pessoa propositalmente ou sem algum motivo aparente.  Ele não é assim.

 

.

.

Me remexo na cama sentindo um grande vazio no estômago — Caramba! Eu deveria ter comido algo antes de deitar —, abro os olhos lentamente e me viro paro o lado oposto, o lado que Jin hyung dorme, mas estranhamente ele não está na cama comigo, então respirando profundamente eu me sento na cama tentando acordar melhor, e por fim me levanto para procura-lo, talvez ele deva estar com fome também... Sua casa é tão grande.

— Hyung — murmuro sonolento enquanto ando pelo extenso corredor e desço as escadas a sua procura.

Normalmente Jin é o único presente em sua casa nos dias de sábado, tudo porque segundo ele, seus pais “pervertidos” procuram algum lugar promíscuo para se agarrarem nesse dia, então aos sábados ele dorme sozinho, quer dizer, ele e os empregados.

— Jin hyung — chamo assim que entro na cozinha escura.

É, parece que ele não está na cozinha. De repente escuto um barulho estranho vindo do jardim assim que abro a geladeira. Meu Deus é agora que eu morro como em um daqueles filmes de terror onde o garoto vai tomar um copo de água e morre com uma facada na garganta por algum louco perturbado que saiu de um manicômio qualquer só para matar pessoas.

Jin! — murmuro um pouco mais alto do que antes, mas não alto o suficiente para algum psicopata ouvir e me matar de surpresa.

Escuto novamente o barulho vindo do jardim e só não me borro de medo porque junto ao barulho também consigo escutar a voz de Jin hyung, mesmo que minimamente, então reunindo toda a coragem que me resta, movo minhas pernas lentamente até a porta totalmente de vidro que da entrada para o Jardim e abro a mesma, respiro profundamente ao sentir a brisa fria da noite tocar meu rosto... Meu Deus, como a piscina deles é grande... Então, voltando à voz de Jin hyung, olho para os lados e vejo todas as espreguiçadeiras vazias — Onde ele se meteu?! —, caminho mais um pouco e na dobra para um arco de flores hoyas consigo vê-lo, mas assim que o vejo eu estanco, estanco porque ele não está só, Jin hyung está sentado no colo de outro garoto com suas mãos envolta do pescoço do outro, tento forçar minha visão para ver quem é, mas infelizmente não consigo por estar escuro demais, meu coração acelera automaticamente assim que eles começam a se beijar apaixonadamente, então como um amigo curioso, rapidamente me agacho perto do pequeno muro de arbusto para que nenhum dos dois me veja e inclino só um pouco minha cabeça para ver algo que eu realmente não deveria estar presenciando, prendo a respiração assim que eles desencostam os lábios e começam a falar.

Eu queria tanto dormir com você — o garoto diz beijando o pescoço de Jin. Hein?! Eu conheço essa voz?

Eu também... Ah... Mas meu amigo veio dormir aqui hoje, faz um tempo que ele não vem e, ah... — ele para de falar assim que o outro se gruda ao seu pescoço. Que merda ele tá fazendo com o hyung?!

— Você é tão macio — diz com sua voz rouca e novamente eu penso já ter escutado essa voz em algum outro lugar — A sua última carta me deixou quente e com saudades

Carta?... Espera, esse é o tal do ‘Joonie’?

Não fala assim, senão eu fico com vontade... Prometo que o próximo sábado vai ser tão bom quanto o sábado passado... Desculpa eu ter feito você vir a essa hora da noite só para nos beijarmos — Jin hyung se desculpa

Não se desculpe, tudo bem se só nos beijarmos assim outras vezes, não precisa fazer “aquelas coisas” comigo se não quiser, eu já me sinto muito feliz em poder te beijar, meu anjo

— Você é tão precioso, Joonie... Eu amo fazer “aquelas coisas” com você! Só não fazemos no quarto de hospedes porque eu respeito demais meu amigo... Agora vem aqui — diz puxando o outro para mais um beijo intenso.

Sinto meu sangue ferver enquanto encaro a cena, então me dou conta do que realmente estou fazendo e logo trato de sair do lugar para voltar mais uma vez para dentro da casa as pressas ao mesmo tempo em que tento não fazer barulho, dou uma pequena corrida nos degraus da escada e finalmente entro no quarto de Jin hyung e deito na cama — do lugar de onde eu nem sequer deveria ter saído —, meu coração ainda está acelerado, tão acelerado que eu consigo ouvi-lo, e tenho uma grande certeza que a aceleração não é pelo fato de eu ter corrido e sim pelo que vi e ouvi... Nunca cheguei a conversar sobre “aquilo” entre homens com alguém, Tae já ficou com meninos, mas ele faz questão de dizer que nunca deu e ainda faz “aquilo” com meninas, agora saber que Jin hyung transa com garotos faz meu peito esquentar e meu sangue ferver, não é como se eu estivesse excitado, não é? Até porque nunca fiquei excitado para saber, e pelo que li na internet, “Os rapazes quando ficam excitados tem seus órgãos genitais duros”, e não, eu nunca fiquei duro assim, até quando assisti pornô pela primeira vez, eu achei esquisito e nada subiu, só fiquei envergonhado, aquela foi a primeira e última vez que assisti algo assim, quer dizer, não que ele nunca tenha subido na minha vida, ele sobe sim, mas só quando acordo de manhã para fazer xixi, então eu me pergunto se é normal um garoto de dezesseis anos, virgem, que nunca se masturbou, não se excitar com nada? Li que noventa e cinco por cento dos rapazes jovens se masturbam e cinco por cento não, talvez por serem religiosos ou simplesmente não conhecerem nada sobre, mas eu não, não faço parte nem dos noventa e cinco e nem dos cinco... Isso faz de mim um garoto anormal?

.

.

{...}

Corro mais um pouco e sou surpreendido por uma bola de tinta na cabeça ao dobrar a casinha de feno.

— Que droga! — exclamo sorrindo ao sentir a tinta azul escorrer pelas laterais do meu rosto

— Você é muito ruim — Jimin diz rindo enquanto me puxa para deitar com ele em uma montanha de feno no chão

— Como achou esse lugar? — pergunto enquanto cruzo os braços por cima da barriga

Jay… O passatempo dele é achar lugares divertidos para nós dois relaxarmos juntos.

Ele diz sorrindo e em algum momento meu peito aperta em um sentimento nada agradável. O que é isso?

— Ah tá… — sussurro baixinho.

— O que você queria?

— Hm? — murmuro confuso

— Hoje quando acordei, vi uma chamada perdida sua no meu celular, era perto de meia noite, o que queria?

— Ah… — O que eu queria mesmo? — Não lembro… Hey! — me viro para encara-lo e continuo — Por que nunca me atende aos sábados? — pergunto e por um momento juro tê-lo visto engolir em seco

— O que foi isso na sua boca? — pergunta tocando o band-aid em meus lábios

— Não foi nada — murmuro afastando sua mão enquanto me sento fazendo-o sentar também

— Não, se fosse “nada” esse band-aid não estaria na sua boca, vem cá — pede virando meu rosto para si enquanto volta a tocar meus lábios — O que foi isso?

— Você tá tentando mudar de assunto… Aish! — murmuro mantendo meu rosto entre seus dedos

— Não, não estou não, domingo passado foi à mesma coisa quando estávamos vendo filme com a sua mãe, eu vi o arroxeado no seu braço, deixei passar, mas dessa vez não, o que tá acontecendo? — pergunta me encarando seriamente

— Nada — murmuro

— De verdade? — pergunta baixinho enquanto encosta a testa na minha e mantém seus olhos fixos aos meus — Não mente pra mim, eu fico preocupado, sou seu amigo, ok?

— Aham… Eu… Eu mordi o lábio sem querer, não foi nada, não precisa se preocupar — respondo incrivelmente sem graça.

— Certeza? — comprime os olhos de uma maneira divertida

— Sim, certeza — sussurro abrindo um sorriso para reconforta-lo.

A primeira vez que encostamos nossas testas foi três dias depois de ele ter conhecido minha mãe, eu briguei com ela por ainda se encontrar com meu ex-padrasto, Jimin foi tão inconveniente ao praticamente me obrigar a contar o que aconteceu, a primeira atitude que tomei foi bater em suas mãos e empurrar seu corpo para longe enquanto me sentia meio assustado com sua atitude, mas logo em seguida ele voltou a encostar nossas testas e perguntou novamente, então eu vi que ele fazia aquilo para me passar segurança e sinceridade, fiquei tão perplexo que só consegui contar tudo sem hesitação, e desde então ele faz isso, mas agora é diferente, as lutas são algo íntimo, nem mesmo minha mãe sabe, Tae e Jin são uma enorme exceção, Jimin não pode ficar sabendo.

— Que bom… Vamos, estou com fome, vamos comer uma pizza — levanta estendendo um braço para me puxar.

— Onde? — murmuro curioso

— Hm… Uma pizzaria perto do rio cheonggyecheon — responde deslizando pelo seu corpo o macacão branco manchado por tinta.

— Então acho que podemos pegar o 908 — falo e começo a rir ao ver sua expressão desgostosa

— Por que você não pode ser como um dos outros que só aceitam uma carona do meu motorista e pronto? — pergunta enquanto bufa

— Porque nós chegamos aqui de ônibus e vamos embora de ônibus… E além do mais, eu não sou igual aos outros — murmuro me sentindo envergonhado ao vê-lo rir.

— Tá, então você é o diferentão, príncipe encantado da Disney, carinha que mora em uma casa de ouro, o Odin de Seul, o… — interrompo seu comentário debochado com um pequeno soco em seu estômago.

— Agora tô satisfeito — falo começando a rir enquanto ele tosse pelo soco

— Vem aqui seu bosta! — ele exclama com uma mão na barriga enquanto a outra pega um dos balões de tinta para tacar em mim novamente

— Você vai ter que me pegar — provoco enquanto taco um balão de tinta vermelha em sua cabeça e saio correndo.

 

.

.

*

[00:43 hrs - Mansão dos Kim]

 

— O que você quer? — ele pergunta com sua voz extremamente rouca e sonolenta

— Estou na frente da sua casa, abre pra mim? — peço sentindo meu nariz congelar no ar frio da madrugada enquanto torço pra ele vir — Tae? — chamo tentando confirmar se ele não voltou a dormir

— Espera… Não me diga que você tá em cima daquela sua bicicleta de dez anos?… Merda Jungkook! — exclama irritado

— Sim, mas eu…

— Fica parado que eu já tô indo aí — diz desligando na minha cara

Espero um pouco mais do que dez minutos e então ele aparece na frente do portão só de pijama e com um cobertor sobre os ombros, assim que ele chega até mim o cobertor sai de seus ombros e vai em direção aos meus, tentando manter todo o calor necessário em meu corpo.

— Você é perturbado, sabe que horas são? Vamos entrar, deixa a bicicleta perto daquele arbusto e vem.

 

x

— Sua mãe não falou nada? — pergunta nos cobrindo com o edredom de sua cama

— Ela não sabe… Amanhã eu ligo pra ela e…

— Que merda Jungkook! O que você está fazendo?!

— Eu queria conversar com você, caramba! — exclamo chateado

— O que você queria? — murmura sem jeito

— Quero saber se já estamos de bem — sussurro o encarando seriamente

— Você é maluco… Puff, quem sai uma hora dessas da madrugada só pra perguntar isso?

— Eu, eu saio… Tae, sinto sua falta, quero conversar contigo, você é meu melhor amigo — falo colocando um braço por cima de seu ombro

— Jungkookie, tsc… Você me irrita… Vem cá — ele me puxa para um pequeno abraço terno e em seguida me afasta — Sabe por que me irritei com você?

— Sei, porque Jimin e eu viramos amigos — respondo sem graça.

— Não, seu idiota, eu me irritei porque você não me dá mais atenção por causa dele, apesar de não gostar dessa amizade, eu não gosto ainda mais quando você me deixa de lado, entende? — pergunta fazendo suas bochechas ruborizarem levemente

— Aham… Entendo, desculpa Tae — peço.

— Tudo bem, deixa pra lá, amanhã nós temos aula e eu estou preocupado com seus materiais.

— Eu vou de bicicleta pra casa, me arrumo rápido e entro no segundo tempo.

— Nada disso… Nosso físico é parecido, eu te empresto uma farda e de manhã meu motorista nos leva até sua casa para pegar seu material, ok?

— Ok — aceito abrindo um sorriso, mas logo me lembro da outra coisa que vim fazer aqui fora me desculpar com ele — Tae.

— Hm?

— Por que não gosta do Jimin? — pergunto tentando não me sentir constrangido

— Hm?... Que pergunta é essa de repente?

— Ah, sabe, o Jimin é um garoto legal e… Jin hyung me contou que você não gosta do Jimin porque ele fez besteiras e eu quero saber o que foi — falo tudo rapidamente prendendo a respiração enquanto sinto o coração acelerar por ter saído rápido demais. Maldita boca grande!

— Jin… Jin te contou? — pergunta parecendo incrédulo

— Ele só disse isso, “Jimin fez besteiras”, mas eu não sei quais foram… Pode contar pra mim? Se ele tiver magoado você ou...

— Jungkookie…

— Por favor… Hyung — murmuro fazendo-o revirar os olhos.

— Não me chama de hyung, não faz isso, que nojento… Se quiser saber, eu conto, mas essa vai ser a primeira e última vez — sussurra enquanto puxa o cobertor para cobrir seu próprio rosto.

— Tá, vai, conta — peço animado

— Ok… Quando eu tinha doze, Jimin e eu nos conhecemos, na verdade, nós nos conhecemos um pouco antes disso, mas só ficamos próximos nessa idade, então…

— Vocês eram amigos? — pergunto me sentindo confuso

— Não… Mas nos dávamos bem, então uns meses depois, Jimin… Jimin passou a namorar…

— Namorar?... Namorar quem? Jimin namorando? Quem? — o interrompo afoito

Hm? Por que meu coração está tão agitado de repente?!

— Ele começou a namorar… Começou a namorar alguém especial pra mim, até aí tudo bem, Jimin parecia legal, mas só parecia, então alguns anos depois os dois terminaram, quer dizer, Jimin terminou com ele, terminou tão friamente que o garoto se sentiu desolado… Não sentia mais fome, não ia a escola, não conseguia dormir, não conseguia viver… Só sabia chorar e se sentir um lixo, enquanto parou de ir pra escola durante alguns meses e se afundou na depressão cada vez mais, ele decidiu que não era o fim dele ali, ele queria continuar, só esquecer e seguir em frente, e foi isso que ele fez, com a ajuda dos amigos ele seguiu em frente… Mas eu não esqueci o que Jimin fez, machucar as pessoas sem piedade… Eu abomino isso, nunca vou esquecer.

Por um momento meu peito aperta e não sei o que devo dizer. Jimin realmente feriu alguém assim?... Espera... Garoto? Jimin namorou um garoto?

— É por isso que não gosta dele? — pergunto fazendo-o baixar a coberta de seu rosto, suas bochechas estão rubras e seu cenho está franzido.

— Não sei… Só tenho medo — sussurra.

— Medo de quê? — pergunto me sentindo cada vez mais confuso

— Jeon… Isso que acabei de contar não vai fazer você se afastar dele, né? — pergunta me encarando seriamente

—… Não, não vai — respondo e tenho uma séria certeza de que ele ficou decepcionado.

— Ok, vamos dormir porque está tarde.

.

Não consegui dormir direito naquela hora, minha mente estava uma bagunça só, bagunça era pouco, tudo se embaralhou com o pouco de raciocínio que eu estava mantendo para o assunto… O mais importante é, Jimin namorou um rapaz, mas eu o vi fazendo “coisas” com uma garota… Estou tão confuso… E o garoto? Esse menino era importante para Tae. Talvez Tae tenha tido uma paixão por esse menino que Jimin namorou antes… Ou será que Jimin namorou um dos primeiros namorados de Tae? Estou tão confuso. Minha pele está quente e meu coração não está estável… Com certeza devo dormir.

 

.

.

{...}

 

— Me devolve esse livro, por favor? — escuto Jimin pedir para Hobi

Prefiro não dar atenção enquanto volto a enfileirar os livros na prateleira.

— Você parece tão “Jeonggudi cdf” enfileirando esses livros assim — escuto seu sussurro sobre meus ombros e não consigo conter o riso

— Vai se ferrar, cenoura — peço fazendo-o rir

— Que tal irmos à inauguração de uma pista de gelo perto do Rio Han hoje à tarde? — pergunta me fazendo sorrir ao imaginar

— Eu acei… — de repente paro de falar ao lembrar de que já combinei de assistir um filme com Tae e Jin — Não, infelizmente não posso ir — sussurro.

— Como? Por quê? — pergunta parecendo indignado

— Porque já combinei com outra pessoa — murmuro

— Alguma namoradinha? — pergunta fazendo uma expressão maliciosa, o que imediatamente me deixa envergonhado.

— Claro que não, seu idiota! Para de ser…

— Kookie — escuto Hobi me chamar de uma forma meio escandalosa

— Sim? — pergunto enquanto viro para encara-lo

— Meus ombros estão meio doloridos, será que você poderia me fazer uma massagem?

Faltam poucos dias para acabar meu contrato escravo, então não custa nada fazer isso, não é?

— Ok, já estou indo — respondo deixando Jimin de lado enquanto caminho em direção a Hobi, coloco minhas mãos em seus ombros e pergunto — É aqui?

— Aham… Aí mesmo — diz suspirando.

Aperto sua carne levemente enquanto penso no que Somi me disse no outro dia quando estávamos no hospital cantando para as crianças. Um garoto qualquer deu em cima dela e ela não soube o que responder?! Mas que merda de menino…!

— Acho que já tá bom — Jimin diz parando a nossa frente com o cenho franzido e os braços cruzados

— Do que você tá falando?… Jungkook tem as melhores mãos pra isso — Hoseok revida.

— Mas ele não é nenhum massageador pra tá fazendo isso em você — Jimin diz parecendo irritado

Espera… Jimin parece com…

— Anda Jungkook, vem aqui — diz me puxando para longe de Hoseok e em seguida se senta em uma poltrona enquanto coloca minhas mãos sobre seus ombros — Também quero uma massagem.

Ciúmes?... Jimin parece estar com ciúmes?

— Mas eu estava fazendo primeiro no…

— Você nunca mais vai fazer massagem no Hoseok, tá me entendendo? — pergunta me puxando para perto de si — Não fique perto dele a menos que eu diga que sim, entendeu?! — ele pergunta fazendo Hobi rir do outro lado da sala

— Aham… Entendo — concordo acenando com a cabeça automaticamente.

Por que estou me sentindo mal? Tudo bem se Jimin está com ciúmes de Hoseok, mas ele poderia demonstrar bem menos na minha frente, não é como se eu fosse roubar seu amigo! Estou irritado por ele estar com ciúmes de outro? O que é isso? Estou irritado por dentro? Tá, às vezes eu tenho ciúmes de Tae e Jin, mas não é como se eu fosse agir de modo rude por isso. Ele definitivamente não deveria demonstrar ciúmes por outra pessoa na minha frente!

 

.

 

Último intervalo.

 

Ainda pensando em como me senti irritado por Jimin estar com ciúmes de outro, eu apenas caminho até a senhora da cantina para pegar minha bandeja, logo bufo irritado ao ver Jimin ao meu lado.

— O quer aqui? — pergunto tentando conter a vontade de revirar os olhos

— Isso é pra você — diz colocando um cupcake super decorado sobre minha bandeja e eu simplesmente não consigo conter o sorriso

— Obrigado — agradeço me sentindo um pouco melhor

— Desculpa se fui rude com você mais cedo, eu não queria…

— Tudo bem, eu entendo que tenha ciúmes do Hobi… Ele é seu melhor amigo — murmuro constrangido.

— O quê? Ciúmes do Hobi? Do que você está falando? — pergunta parecendo confuso

— De você…

— Sobre o que estão conversando? — de repente Hoseok pergunta já próximo a nós.

— Não é da sua conta — Jimin responde grosseiramente

— Você parece uma gracinha com tanto ciúmes assim — Hobi diz apertando as bochechas de Jimin

Deixo minha bandeja na bancada e involuntariamente caminho para fora do refeitório sem ligar para o olhar de quem quer que seja, até mesmo Jin e Tae. Estou tão irritado, “Você parece uma gracinha com tanto ciúmes assim”?!... Então isso quer dizer que Hoseok sabe e se diverte com isso?!... Parece que o único irritado na situação sou eu, e ainda não entendo porque estou tão irritado assim. Suspiro pesadamente ao sentar no chão, olho mais uma vez para o jardim dos fundos da escola e bufo ao ouvir passos.

— Eu demorei muito pra conseguir essa merda de cupcake pra você — Jimin diz sentando ao meu lado enquanto coloca o doce sobre minhas pernas

— Vai embora!

— O que deu em você? — pergunta virando meu rosto para encara-lo

— Não demonstre ciúmes por ele na minha frente — peço sentindo meu rosto esquentar de vergonha

— Hm? O quê você disse? — ele pergunta franzindo o cenho

Que droga acabei de dizer?!

— Eu não gosto disso! Não ligo se está com ciúmes dele, só não quero saber! — respondo irritado enquanto tento parar de falar tudo o que estou sentindo.

— Eu não estava com ciúmes dele! — ele revida parecendo frustrado

Hm?

— Então por que você parecia com ciúmes? — murmuro constrangido enquanto sua mão segura meu queixo novamente me fazendo encara-lo diretamente

— Não estar com ciúmes do Hobi não quer dizer que eu não estou com ciúmes agora — diz me deixando ainda mais confuso

Então… Então de quem você está com ciúmes?


Notas Finais


ANTES DE INCIAR A NOTA E ENTÃO FALAR UM POUCO SOBRE O CAPÍTULO E TALS, EU VOU FALAR UM POUCO SOBRE A NOVA CAPA E SOBRE A MIKA:
Vamos lá, conheci a Mika (*minha leitora amada conhecida como @minggukji) há um tempo atrás quando a linda começou a comentar nos capítulos da minha fic passada e me mandou mensagens no tt, adorei demais ♡, foi uma coisa tão CUTE, nós acabamos virando amiguinhas, e mesmo com minha falta de Internet ela não me abandonou. Mika, quero que você saiba que você é uma garota extremamente encantadora e eu te adoro 💞, obrigada por tudo. E não é só isso, além de ser um amor de pessoa, a Mika também faz capas lindas, sim, essa nova capa eu ganhei de presente dessa fofolete(*Melhor presente de todos, obrigada mais uma vez), espero que tenham gostado assim como eu. Não é só isso, também estou aqui para divulga-la, se alguém aqui quer uma capa de boa qualidade e não sabe a quem recorrer, a Mika tá aí pra você, e além disso ela também é autora assim como eu ♡, tenho certeza que não irão se arrepender de conferir as obras dela =} (P.s-Para Mika-chan: Desculpa te divulgar assim, mas eu não consegui controlar, te amodoro💞).
AGORA VOLTANDO AO CAPÍTULO:
Quem aqui se tocou logo de cara que o ciúmes não era pelo Hoseok? \*-*/... Pois é, acho que todos se tocaram, menos o menino Jeon ;-;.
Eu realmente quero levar tudo na calma, mas eu preciso tá dando essas puladas na linha do tempo dentro da fanfic, então espero que entendam, desculpa qualquer coisa aí. Esse foi um dos capítulos fofos(*quase) que eu mais tive que bater cabeça pra escrever, ele é de suma importância pra estória :') Não esqueçam disso, ah, espero que não tenha deixado vocês ainda mais confusos do que já estavam em relação a "ele". Alguma coisa me diz que Jeon Jungkook tem sérias tendências homossexuais, só o probrezinho que ainda não se tocou disso ;-; Só frisando que o pornô que ele se refere é o hétero, então nunca se sabe, se ele tentar algo mais, digamos que, YAOI, vai que... Primeiramente eu queria dizer que vou tentar ser mais séria com os capítulos seguintes... Leio os capítulos e às vezes me sinto tão envergonhada comigo mesma (não que eu não tenha gostado deles, mas é só a vergonha na cara batendo na minha porta). Segundamente, shippar Jikook é bom, agora shippar Jikook e Kookmin é melhor ainda, nunca se esqueçam disso, essas foram minhas considerações finais, depois de alguns dias eu já estava com tantas saudades de vocês 😙, obrigada por tudo, amei os comentários dos capítulos anteriores (que eu ainda estou respondendo) e obrigada mais uma vez por serem tão bacanas comigo. Beijos, até a próxima atualização, tenham uma ótima semana e cuidem da saúde assim como eu 💞
(P.s: Hoya é uma linda flor, minha preferida inclusive, por favor, não se sintam ofendidos com aquele mini trepa-trepa do Jin)
Bye bye
Tchau
Adiós >3<


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...