História Dear Adolescence, I hate you. - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Haikyuu!!
Personagens Akaashi Keiji, Asahi Azumane, Bokuto Koutarou, Daichi Sawamura, Hajime Iwaizumi, Kenma Kozume, Tooru Oikawa
Tags Bokuaka, Haikyuu, Iwaoi, Kagehina, Kuroken
Exibições 237
Palavras 754
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Escolar, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Álcool, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 1 - Uma carta para Iwaizumi.


Adolescência.

Sabe quando você não quer ver ninguém, não tem paciência para ninguém, só lhe interessa no máximo duas coisas, e uma delas sempre é uma pessoa?

Isso se chama adolescência.

Oikawa estava passando por ela.

Para ele interessavam duas coisas:

Vôlei.

Iwa-chan.

Levantou-se naquela manhã com o despertador caindo sobre seu rosto, deixando-o levemente irritado. Desenrolou todos os lençóis de suas pernas, caindo no chão de madeira e sentindo-se um completo inútil.

Engatinhou até sua cômoda e vestiu suas roupas sentado no chão mesmo, deixando a calça desabotoada para que pudesse ir ao banheiro antes de tudo. Correu abrindo a porta de seu quarto, indo até o banheiro, e, com a porta aberta, fez suas necessidades. Estava sozinho em casa.

Tinha quinze anos, estava no primeiro ano do ensino médio, e, o desespero de ser o mais novo era horrível. Faltavam poucos meses para o final do ano, para que finalmente passasse para o segundo, e todos os seus senpais que o massacravam fossem para a faculdade. Finalmente.

Sentia falta do Kitagawa Daiichi, sentia falta de ser considerado um gênio no fundamental, mas seu conforto estava presente no saber que Iwaizumi estava junto a ele. Saiu do banheiro e foi para o quarto, pegando seu perfume e passando pelo corpo. Pegou seu material e se arqueou pela janela, encarando a casa do lado, o quarto de janela aberta.

 - Iwa-chan! – Gritou, agarrando-se a um galho da árvore que separava sua casa da do amigo.

— O que foi? – O menino escovava os dentes, com a gravata desarrumada, do mesmo jeito que o cabelo.

— Vou pular! – Avisou e pulou para dentro do quarto do menino, quase deixando sua mochila cair. Sentou na cama e esperou que ele ficasse pronto.  Conversavam sobre coisas extremamente banais, enquanto Iwaizumi terminava de amarrar seu tênis vermelho surrado. Pegou a mochila e desceu as escadas. Sentaram à mesa e Oikawa cumprimentou a mãe de Iwaizumi, agradecendo por sempre servi-lo o café da manhã.

Comeram em silêncio.

Sobre Iwaizumi ser ½  das coisas que importavam para Oikawa: era pelo simples fato de que um melhor amigo de infância não pode ser descartado de uma lista tão importante. Iwazumi era de fato a pessoa mais importante na vida de Oikawa. Sem dúvida.

O menino de cabelos negros comia seu café rapidamente, olhando para o relógio.

— Temos teste, hoje. Estudou?  - Iwaizumi o encarou nos olhos.

— Sim, obrigada pelas anotações. – Oikawa sorriu e Hajime apenas assentiu. Estava mal humorado naquela manhã.

Terminaram de comer, pegaram suas coisas e se despediram da Iwazumi mais velha, que estava na sala de estar lendo o jornal. Desceram o morro correndo como sempre e apanharam o metrô.

— Por que está com essa cara tão emburrada? – Oikawa encarou o amigo, duvidoso.

— Não é nada. – Hajime segurou a bolsa do colégio com uma mão, enquanto a outra segurava o apoio do metrô.

— Me conta. – Oikawa, que estava sentado, disse olhando para o menino. Iwaizumi o encarou de forma emburrada. Não queria, mas sabia que guardar para si mesmo não adiantaria nada.

— Uma menina se confessou para mim. – Revirou os olhos. Oikawa encarou suas mãos. Sentiu suas bochechas ficarem rubras. – Foi por carta, nem sei quem foi, a caligrafia é um horror. Nem assinou, e ainda por cima me chamou de Iwa-chan. – Disse emburrado.

— Você não gosta que te chamem de Iwa-chan? – Oikawa perguntou.

— Só quando você chama é normal, mas outras pessoas fazem isso, parece que estão tentando ultrapassar alguma barreira de intimidade.

— Entendo. – Oikawa brincava com seus dedos, os mesmos dedos que pegaram na caneta azul e escreveram aquela carta do jeito mais desleixado possível. Tinha tempo. Deixou a carta nos cadernos de Iwaizumi, mas pelo jeito, demorou meses para ele a encontrar.

Foram-se os tempos em que Tooru questionava seriamente sua sexualidade, e o motivo era Hajime. Ainda a questionava para falar a verdade.

— Alguém já se confessou para você? – Iwaizumi se segurava no apoio. Oikawa não suportava o olhar de baixo para cima, então puxou o amigo e o sentou ao seu lado.

— Sim, algumas meninas do clube de vôlei feminino. – Sorriu de lado.

Iwaizumi se sentiu um pouco desconfortável. Era verdade.

— Por que não sai com uma delas? – Iwaizumi perguntou tentando arrumar sua própria gravata. Oikawa tirou as mãos do menino da gravata, ajeitando-a com maestria para o amigo.

— Porque eu já gosto de outro alguém, Iwa-chan. – Sorriu de leve e se levantou, vendo que haviam chegado. – Vamos?

Iwaizumi o encarava de bochechas coradas.

— É. Vamos. – Abaixou o rosto e seguiram.

Adolescência é uma merda.  


Notas Finais


A cada capítulo, um casal diferente! Qual o próximo, kuroken, kagehina, ou bokuaka? (ps: vai ter continuação desse mais pra frente, se acalmem)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...