História Dear brother - Capítulo 24


Escrita por: ~

Postado
Categorias 5 Seconds Of Summer
Exibições 206
Palavras 2.786
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Ola lindos, como vocês estão? eu to ótima
SEGUINTE: já tinha avisado que ia demorar, e infelizmente vai continuar assim, por que as coisa tão apertadas para o meu lado
MAS PASSANDO PARA AVISAR QUE CHEGAMOS NA RETA FINAL, SIM FALTAM MAIS OU MENOS 4 CAPÍTULOS PARA ESSA HISTÓRIA ACABAR, sim fico triste e feliz, mas depois falamos sobre isso
AVISO: para quem quer saber eu ja comecei uma outra fic que é também com o Luke, quem quiser ela vou deixar o link nas notas finais
Agora é serio, muito obrigada por todos os incríveis comentários nos últimos capítulos, sério, quando eu acho que vocês chegaram no limite de serem os melhores do mundo, vocês vão lá e se superam <3
Bem vindo aos novos leitores, não sejam tímidos <3
Chega de enrolação e boa leitura ;)
Ps: Desculpas qualquer erro, revisei o capitulo, mas pode ser que ainda exista
Ps 2: Leiam as notas finais <3

Capítulo 24 - I want you


“- 8,9,10 prontos ou não lá vou eu! – Eu gritei para que ouvissem

Comecei a correr pelo enorme parque a procura de meus amigos, aos poucos fui achando eles, Calum, Michael, Ashton, só faltava Luke. Andei em direção a bosque que havia no parque, mamãe não gostava que fossemos ali sozinhos, ela dizia que era perigoso, mas estávamos na luz do dia, não havia mal certo?

-Luke – eu gritei – Luke eu vou te achar, não adianta fugir

Entrei ainda mais no bosque, eu achava aquele lugar tão lindo, os raios de sol atravessavam as grandes arvores dando um tom meio obscuro. Depois de andar muito decidi procurar em outro lugar, na hora em que eu me virei vi um homem me encarando

-Quem é você? – Eu perguntei assustada

O homem era alto, apesar do calor que fazia ele usava um caso grosso e um boné, sua barbara estava era enorme, e ele me olhava como se eu fosse algum objeto que ele havia perdido

-Quem é você? – Gritei dessa vez

 O Homem não me respondeu, ele continuou me encarando com os belos olhos azuis que me lembravam um pouco os de Luke. Ele deu um passo em minha direção e eu recuei

-Não se aproxime, eu vou gritar – falei alto

O homem não se importou e continuou se aproximando, eu recuei até minhas costas baterem em um tronco de arvore, o homem chegou perto e abaixou para ficar da minha altura

-Por favor... – eu disse sentindo as lagrimas escorrerem pelo meu rosto

-Princesa... –ele sussurrou

Ele passou a mão pelo meu rosto, mas parou quando ouvir alguns passos

-December! – A voz de meu pai ecoou pelo bosque

O homem pareceu assustado e em seguida com raiva, e então saiu correndo em direção as árvores, para longe de mim. Eu me sentei esperando meu pai vir ao meu encontro

-December – ele correu em minha direção

-Papai! – Falei enquanto o abraçava, tentando controlar meu choro – Tinha um homem....

-Que homem? Quando? Ele falou com você?

-Sim, ele correu para lá – eu apontei na direção – eu fiquei com tanto medo papai

-Luke – meu pai disse, e então percebi que meu irmão estava ali com ele – Leve sua irmã para perto de sua mãe

Meu irmão concordou e meu pai saiu correndo atrás do homem. Enquanto voltávamos para o parque olhei para traz algumas vezes pois a sensação de estar sendo seguida me donimava

-Calma Dec, vai ficar tudo bem- Luke falou me acalmando

Olhei para traz pela última vez, e eu pude jurar que no meio das plantas e arvores, vi aqueles olhos azuis me encarando mais uma vez. ”

Acordei assustada me sentando na cama imediatamente, eu suava e minha respiração estava desregulada, meu corpo reagia dessa forma quando eu tinha aquele tipo de sonho, mas dessa vez não era um sonho, mas sim uma memória. Demorou alguns segundos até eu perceber que eu não estava no meu quarto, e apesar do quarto ter tons claros, não era um quarto de hospital, já que não havia nenhum aparelho perto de mim. Eu usava um short de malha e uma camiseta mais velha, e minhas roupas estavam em cima de uma cadeira, ao meu lado havia uma mesinha de cabeceira com um copo e uma jarra de agua, meu celular também estava perto, enchi o copo e dei gole enquanto pegava meu celular, quase cuspi a agua de volta, haviam milhares de ligações e mensagens variando entre Luke, Calum, Mike e meus pais, e então eu me lembrei que estava na casa dos Payne, que Olivia havia revelado a frente de todos  o meu romance com Luke. Liguei imediatamente para meu irmão, mas seu celular deu caixa postal, continuei tentando enquanto me levantava para trocar de roupa, eu não poderia ficar mais ali parada, sem notícias, porém Luke não me atendia, enquanto trocava de roupa reparei as horas “16:30”

-Meu Deus, como eu pude dormir tanto? – Falei para mim mesmo terminado de calçar o tênis

Tentei falar com Calum, mas o mesmo também não me atendia, Michael era minha última opção, mas dessa vez mandei uma mensagem para meu amigo pedindo para me encontrar no parque municipal da cidade, a resposta veio em segundos com apenas um “ok”. Saí do quarto e espiei pelo corredor, o silêncio reinava sobre a casa. Fiquei na ponta dos pés e tentei andar até a entrada sem ser percebida, deu certo, até eu pegar na maçaneta da porta

-Indo a algum lugar?

Fechei os olhos e rezei para que aquilo fosse coisa da minha imaginação, mas ao sentir a mão em meu ombro, percebi que era realidade. Virei devagar até encarar o garoto que havia me levado para lá na noite passada

-Vou repetir a pergunta, indo a algum lugar?

-Sim, preciso resolver algumas coisas – disse tirando sua mão do meu ombro – Não tente me impedir Liam

-Eu não vou

-Não? – Perguntei confusa

-Não, eu imagino o que você deve estar passando, é muita coisa de uma vez só, mas saiba que eu não estou te julgando eu não sou ninguém para te jugar Dec

-Obrigada Liam – Falei dando um meio sorriso

-Mas você sabe que uma hora vai ter que encarar isso de frente certo? E não estou falando só da sua família, dos Hemmings...

-Eu sei Liam – eu o interrompi- Mas um assunto por vez, quando eu estiver pronta para falar sobre os Payne, eu irei

-Certo, então pode ir, mas se precisar de qualquer coisa me procure esta bem?

Acenei que sim com a cabeça e sai para fora da casa.

Enquanto caminhava pelo jardim, me deparei com Norma regando algumas plantas por ali, então em uma tentativa inútil de parecer invisível, abaixei a cabeça e passei reto

-Você vai pode destruir a sua família, mas a minha eu não deixarei que isso aconteça – ela falou sem tirar os olhos das plantas

Eu continue meu caminho até atravessar os portões, eu sabia que ela havia falado para mim, era obvio, eu só não conseguia compreender o porquê de Edward vir atrás de mim, sendo que sua esposa claramente não gostava da minha presença entre eles.

Após alguns minutos caminhando cheguei ao parque, me sentei em um dos bancos esperando Mike chegar, o dia estava nublando indicando que uma tempestade estava se aproximando e quem sabe choveria hoje mesmo

-Dec! – Mike gritou enquanto acenava para mim

Acenei de volta esperando ele chegar mais perto, para enfim cumprimenta-lo

-Oi Mike – Falei abraçando meu amigo com força

-Como que você ta? – Ele falou se sentando e eu o acompanhei

 -Minha cabeça dói um pouco, tenho um nó na garganta e sinto que a qualquer minuto posso perder tudo que eu amo – falei segurando o choro – O que aconteceu depois que eu fui embora? Eu não queria ter ido, mas o Calum achou melhor

-Ele estava certo, você fez bem em ter ido embora Dec – ele falou segurando minhas mãos – A confusão só aumento, as pessoas começaram a ir embora depois do vídeo, na verdade nós a mandamos ir embora por que elas começaram a falar algumas merdas, mas enfim, eu e Calum tentamos controlar Ashton por que ele queria bater ainda mais no Luke

-Ele deve nós odiar agora, eu juro Mike, eu jamais quis fazer ele sofrer – disse limpando algumas lagrimas que escorriam

-Eu sei disso, mas ele está magoado, pelo o que entendi ele se sente traído por que acredita que você e Luke estão tendo esse caso a muito tempo, eu tentei explicar para ele, mas o mesmo não queria acreditar, ele gritou que nunca ia perdoar você e o Luke, então eu e Sabrina conseguimos convencer ele de ir embora – Meu amigo disse receoso – Mas ele estava de cabeça quente, quando vocês explicarem ele vai compreender

Mordi meu lábio com força ainda tentado assimilar tudo aquilo, a cena de Ashton batendo em Luke se repetia em minha cabeça, eu me culpava por tudo que estava acontecendo

-Ei ei – Mike me chamou me fazendo encarar ele – Vai ficar tudo bem, não se culpe Dec, você só está correndo atrás do que te faz feliz e isso não é crime

Concordei com a cabeça e limpei mais uma vez meu rosto

-E minha família?

-Bom, depois que eu levei Ashton embora não tive mais notícias até hoje de manhã quando Calum me ligou, parece que a briga foi feia, sua mãe chegou a desmaiar, seu pai acusava Luke de coisas terríveis, chegou a acusar Luke de abuso... – Mike falou e eu me espantei pela atitude de meu pai – Mas Calum o defendeu, disse que Luke jamais te forçaria a algo, que você também o amava, então seu pai começou a gritar que era culpa dos Payne e Luke também os defendeu, disse que ele já te amava antes mesmo de Edward e Liam aparecerem na sua vida então...

-Então? – Disse sem paciência

-Então seu pai deu um soco nele

Tampei a boca horrorizada, meu pai havia batido em seus filhos poucas vezes, sendo que a última foi um tapa em meu rosto, mas dias depois ele se arrependeu e me pediu desculpas, ele também já havia perdido a paciência com Olivia algumas vezes, mas não tão grave, não ao ponto de socar alguém

-E aí Mike? Como ele está? – Perguntei desesperada

-Depois da cena todos na sala ficaram horrorizados, Calum disse que como se tudo tivesse ficado em câmera lenta, ninguém parecia ter acreditado naquela cena, então Luke se levantou, foi até o quarto e jogou algumas roupas dentro de uma mochila, pegou as economias dele, então seu pai começou a perguntar a onde ele ia, se ia dormir embaixo de alguma ponte ou em algum banco de praça, e seu irmão disse que qualquer lugar seria melhor do que ali, que naquela casa ele não ficaria mais, não enquanto a intolerância persistisse, ai sua irmão começou a gritar para Luke entender o lado deles, ai Luke parou na porta e disse que entendia o lado de todos, mas que ninguém parecia entender o lado dele, que amor não se controla e lembrou que vocês não eram irmãos de sangue, ele saiu e correu para a minha casa, mas agora ele está na casa de Calum e vai ficar o tempo que for preciso, o telefone dele estava descarregado por isso você não deve ter conseguido falar com ele, eu também não o avisei que estava vindo, não falei com ninguém, ele precisava descansar Dec

-Você fez certo Mike, deixe ele dormir, mas eu preciso vê-lo, saber que está bem, nós precisamos dar um jeito de enfrentar isso juntos

Mike concordou comigo e passou a mão pelos cabelos, que agora estavam vermelhos, tentando se aclamar

-Tem mais alguma coisa Mike?

-Sim – ele falou com calma puxando o ar pela boca- quando Luke saiu de sua casa, Olivia foi atrás dele, mas o mesmo não deu ouvidos, entrou no carro e saiu em direção a minha casa, ela ficou parada no meio fio olhando para o nada, até Calum alcançou perguntou o por que dela fazer aquilo, ela não o respondeu de primeira, mas depois ela sussurrou que ele disse que se ela revelasse para todos o que ela sabia, as coisas voltariam ao normal

-Ele quem? – Perguntei confusa

-Calum me disse que ela sabe quem é o homem, mas foi o mesmo que contou para ela que você estava com alguém no dia da festa do orfanato, o homem entregou o pen divre para ela com o vídeo, ela foi só o pivô dessa situação, não estou tirando a culpa dela obvio, quem é louca o suficiente para acreditar em qualquer desconhecido? E como esse cara tinha informações sobre vocês?

A voz de Michael foi ficando mais distante, para ele parecia loucura, mas para mim as coisas estavam começando a fazer algum sentindo, as peças daquele quebra cabeça finalmente estavam se encaixando

-Dec? – Ele me chamou me despertando dos meus pensamentos – você está me ouvindo?

-Oi? Desculpas Mike, minha cabeça está cheia, amo Luke, amo meus pais, amo Ashton, não sei o que vou fazer para reverter essa situação – falei passando a mão pelos meus cabelos

-Calma Dec, eu e Calum estamos ao seu lado, nós vamos te ajudar, os pais de Calum estão dando todo o apoio possível, faz o seguinte – ele disse – Volta para a casa dos Payne, toma um banho e conversa com eles, depois você vai para a casa de Calum, no daremos um jeito nisso está bem? – Ele me abraçou novamente – mais tarde tanta ligar para Luke, eu vou falar com ele que nós conversamos e que você está bem, eu preciso ir agora, mas qualquer coisa você pode me ligar

-Obrigada Mike, obrigada de verdade, sou muito grata a ti por não nos abandonar nesse momento –eu o abracei mais uma vez -  Diga a Luke que eu o amo, e não vou desistir de nós

Meu amigo se despediu e voltou para seu carro, eu continuei no mesmo banco sentindo o vento bater em meu rosto, o tempo havia se fechado ainda mais e nenhum resquício de sol existia, o parque estava vazio, os balanços se moviam e rangiam por conta do vento, me encolhi mais um pouco e olhei as horas em meu celular “19:34”. Encarei o bosque com que tinha sonhado mais cedo, se tivesse me lembrando daquilo meses atrás seria apenas uma memória, mas agora aquilo se encaixava ainda mais com a situação em que estava vivendo. Meu celular vibrou, e por mais que fosse a primeira vez que o número desconhecido me ligasse, aquilo não era uma surpresa para mim

-O que você quer? – Disse com a voz firme

-Então princesa, gostou da sua surpresa de aniversário?

-O que você quer? – Repeti a frase -Sabe o que eu quero? que você me deixe em paz!

-Te deixei em paz por 18 anos, isso é muito não acha? – Ele disse rindo de leve – Mas se você quer recuperar sua paz, me encontre hoje no bosque do parque municipal as 22:00 horas, venha sozinha, se não as pessoas em sua volta vão se machucar

 Ele desligou o telefone sem nem me dar a chance de responder, engoli o seco e respirei fundo, fechei meus olhos e rezei baixo para dar tudo certo.

[...]

Não segui o conselho de Mike e não voltei para a casa dos Payne, fiquei vagando pela cidade e agora estava em uma cafeteria 24 horas esperando das 22:00 horas, nesse meio tempo Luke, Calum e até Olivia me ligaram, mas tive de recusar todas as chamadas, eu não queria que mais ninguém se machucasse por minha causa, então segui as instruções do homem e não falei com mais ninguém. Faltava quinze minutos para as dez quando Liam me ligou, o toque de meu telefone ecoou pela cafeteria que àquela hora se encontrava vazia, a garçonete me olhou feio ao perceber que eu não iria atender, revirei meus olhos e respirei fundo

-Oi Liam

-December a onde você está? Por que não atende os telefonemas de seus amigos?

-É uma longa história Liam, mas fique calmo, eu irei resolver era hoje

-Hoje? Como assim? O que você vai fazer? December a onde você está?

-Liam eu preciso ir, está na hora

-Na hora de que?

-Deu resolver algum dos meus problemas, eu te amo meu irmão

Desliguei sem deixar ele dar qualquer resposta, deixei o dinheiro do que eu havia consumido em cima da mesa e sai do local. Andei até o parque, passei pelo banco que eu estava mais cedo, e adentrei no bosque, meu coração está acelerado, minha mão suava, minha mente estava a mil. Usava a luz de meu celular para iluminar o caminho, de algum jeito eu sabia para onde eu devia ir, quando cheguei em um certo ponto parei, era ali, era o local na onde eu havia visto aquele homem anos atrás. Ouvi passos atrás de mim, até que eles cessaram, prendi minha respiração quando percebi que ele estava atrás de mim

-Eu estou aqui – disse sem me virar

-Olhe para mim – o homem disse com a voz rouca – Olhe para o seu maior pesadelo, olhe para o seu pai

Ao ouvir as últimas palavras meu sangue gelou, então eu estava certa, aquele homem que estava me perseguindo a meses era mesmo meu pai biológico, tudo começou a fazer sentido. Me virei devagar até encara-lo, estava escuro, mas eu conseguia ver seu rosto, os mesmos olhos azuis de anos atrás. Era ele

-O que você quer? – Tentei parecer firme

Ele abriu um sorriso debochado, em suas mãos haviam um taco de beisebol

-O que eu quero? Eu quero você

No segundo seguinte o taco veio em minha direção, e então tudo ficou preto.


Notas Finais


JESUS MEU SENHOR ME AJUDA POR QUE TA DIFÍCIL SEGURAR ESSA BARRA QUE É SER ESCRITORA/LEITORA DE DB
Por favor não me matem e não matem a Dec, segurem essa emoção por que tem mais coisa vindo
-Por favor comentem o que acharam, eu levo muito opinião de vocês a serio por que ai eu sei se eu estou acertando ou não
-Queria me sentir mais próximas de vocês, então comentem de quais fandons vocês fazem parte <3
-Qualquer coisa falem comigo pelo Twitter (vamos conversar amiguinhos :3) : https://twitter.com/wh0horan_
- Minha outra fic (que eu falei lá em cima dela) :
* Into you (luke): https://spiritfanfics.com/historia/into-you-6168780


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...