História Dear Kidnapper - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Babygirl, Bts, Dearkidnapper, Drama, Família, Hentai, Juhavs, Jungkook, Mulheres, Novela, Prostituição, Prostitutas, Sadomasoquista, Shoujo, Trafico, Violencia
Exibições 60
Palavras 972
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Hentai, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


OLHA QUEM VOLTOU
Não vou enrolar, só segue pro cap sjkdhkdd

Boa leitura!

Capítulo 4 - "Fucking Memorys!" - Cap 4


Fanfic / Fanfiction Dear Kidnapper - Capítulo 4 - "Fucking Memorys!" - Cap 4

"Não é que eu não acredite

Mas sim que eu quero tentar resistir

Porque isso é tudo

Que eu posso fazer


Quero permanecer

Quero sonhar mais

Mesmo assim

Sei que está na hora de ir


É, essa a minha verdade

Essa é minha verdade

Ficarei coberto com ferimentos

Mas é o meu destino

É o meu destino

Mesmo assim, quero me esforçar e lutar..."




POV's (S/N)

Sai de seu quarto e caminhei lentamente pela a casa. Passou pela a minha mente em tentar fugir. Não estou com sono, decido andar pela a casa, que no caso era enorme.

Passo por várias portas enormes, vejo uma sombra de seguranças que passavam por ali e rapidamente me escondo atrás de uma parede que tinha passagem para outro corredor.

Segui esse corredor que no final dava até uma porta média. Senti minha curiosidade falar mais alto e automaticamente tentei abri-la. Estava trancada. "Droga!" Penso. Decido tentar olhar pelo o buraco. Tudo escuro. Droga. Tentei novamente observando melhor e consegui enxergar uma pequena luz iluminando o local, o que foi mais que suficiente para conseguir ver algumas coisas que havia ali; Uma cama vermelha com algemas e coisas exóticas ao redor. Vendas, chicotes, mordaças, coleiras e muitas outras coisas nada agradáveis. Olhando aquilo me correu um arrepio pela a espinha, comecei a chorar. Assustada com tudo decido ir para o "quarto" rapidamente, mas assim que me viro dou de cara com o mesmo parado me olhando.

-O que faz aqui? -Pergunta seriamente.

-P-p-por f-favor m-me d-deixe e-em p-paz! -Digo escondendo o rosto e me encolhendo.

-O que. Faz. Aqui?! -Perguntou me olhando com um olhar frio e penetrante. Não respondo só o olho assustada não sabendo o que responder. -Vá para o meu quarto e me espere lá!

-D-desculpe, por favor, n-não me m-machuque!

-AGORA! -Grita e eu dou um pulo saindo rapidamente.

Já estava próximo ao seu quarto e sinto o medo aumentar. O que ele fará comigo? O que são aquelas coisas naquele estranho quarto? Será que ele bate nas mulheres com aquelas coisas? Perguntas rodavam aterrorizando minha mente. Não conseguia pensar em mais nada a não ser no que ele fará comigo. Aish, por que a curiosidade sempre tem que ser mais forte que eu? Se não fosse pela a maldita eu não estaria nessa situação.

Sento em sua cama com a cabeça abaixada, em seguida escuto a porta se abrir e passos caminharem até mim parando à minha frente. Levanto a cabeça lentamente e vejo o mesmo parado a minha frente com um olhar mortal. Sinto sua mão delicadamente tocar meu queixo. Outro arrepio se passa por mim.

-Eu deveria te punir por se meter onde não deve. Eu deveria te punir por me fazer ficar tão irritado ao ponto de querer te foder com tanta força que faria você não conseguir andar por dias! -Se abaixou mais próximo de meu rosto. -A partir de agora você só andará por aqui acompanhada de um segurança!

-M-Mas..

-CALADA! -Sinto um tapa forte em minha coxa me fazendo gritar de dor e a mesma arder como nunca. Deixei algumas lágrimas descerem ao meu rosto, mordo meu lábio inferior tentando segurar o choro até que o mesmo me faz fita-lo novamente. -Você já criou problemas de mais por aqui! Saiba com quem está se metendo! Posso ser bonzinho as vezes com você, mas entenda que quando eu perder a paciência, não terei dó ou piedade! Espero que tenha entendido o recado! Agora vamos! Quero ter certeza que chegue ao seu destino certo sem mais problemas! -Diz e me puxa bruscamente pelo o braço me arrastando até o lugar onde ficava. Assim que chegou literalmente me jogou no chão do quarto. Abaixo a cabeça e começo a chorar mais ainda. -Se prepare, pois amanhã você começa seu trabalho como uma de minhas prostitutas! -Disse e bateu a porta trancando a em seguida.

Não acreditando no que havia escutado, agarro meus joelhos e me deixo derramar tudo. Olho para os meus pulsos e ainda com algumas cicatrizes me lembro de quando entrava em uma situação tenebrosa e me cortava por várias partes do corpo. Depois de um tempo acabei parando com isso, mas pra ser sincera, ainda sinto falta de quando minha querida amiga lâmina me ajudava nesses momentos. Pode ser meio doentio mas eu não ligo, não podem me julgar, não conhecem metade do que eu já passei com apenas 17 anos, e logo agora pra piorar sou sequestrada e obrigada a me prostituir. Por que isso tem que acontecer comigo? Por que? Em alguns momentos eu penso em me matar, mas isso afetaria a dor de minha mãe, a coitada já sofre imagina com a morte de sua filha. Bem que eu seria um peso a menos pra ela, mas acho que não valeria apena. Ou valeria? Realmente não sei. Pensando no amanhã me sinto enojada, ter que passar pela as mãos de vários e ser chamada de vadia por pessoas que mal me conhecem e mal se preocupam do que eu passo ao ter que fazer isso.

Decido levantar e me deitar na cama. Agarro meus joelhos e tento dormir, o que foi difícil, a dor e os pensamentos não me deixavam fazer isso. Até que um tempo depois consegui tirar um cochilo, mas logo acordei novamente com um barulho que veio de fora. Me sento rapidamente e me encolho no canto da cama. Memórias ruins vieram à tona me tirando completamente o sono.


Malditas memórias!


"Talvez eu nunca possa voar

Eu não posso voar como as pétalas de flor no ar

Ou como se eu tivesse asas

Talvez eu nunca possa tocar o céu

Mesmo assim quero estender minha mão

Quero correr só mais um pouco


Estou apenas andando e andando

Nos meus tempos felizes, me pergunto:

"Você, você realmente está bem?"

Oh não

Eu respondo que não, estou com tanto medo

Mesmo assim seguro firme as seis flores em minhas mãos

Eu, eu apenas estou seguindo meu caminho

Oh não


Mas é meu destino

É o meu destino..."






Continua(?)....


Notas Finais


E o recado do cap de hoje é; Não se intrometa nas coisas dos outros, crianças! Hsjdhsjd
Parei

Espero que tenham gostado!
Até a próxima!
Kissus '3' ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...