História Dear Psychopath - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Bangtan, Bts, Imagine, Jikook, Min Yoongi, Psicologia, Psicopata, Suga
Visualizações 160
Palavras 1.333
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Espero que gostem. ❤

Capítulo 6 - I Feel


Fanfic / Fanfiction Dear Psychopath - Capítulo 6 - I Feel

Fiquei um tempo a mais observando a vista, até tentei abrir a janela, para que pudesse colocar a cabeça para fora e ter uma visão melhor, inutilmente, a janela não abria. Acredito que Suga tenha trancado a mesma, não estou surpresa, o quarto fica no segundo andar, analisando pela altura. O que passa na cabeça dele? Talvez ele pense que eu iria pular daqui, ou fazer uma corda com os lençóis da cama e descer pela janela, como nos filmes. Suga nunca gostou muito de filmes, mas não descarto a possibilidade. 

Após cansar de procurar pistas, decidi arrumar a cama bagunçada, já que não tinha nada para fazer. Depois, fui para o banheiro, tomar um banho, dessa vez, sem recaídas.

Me surpreendi, ao entrar e encontrar um bilhete dentro da banheira.

"Por favor, tenha cuidado dessa vez e não deixe a torneira ligada por muito tempo, lembre-se de desligar quando estiver em um nível bom. Eu não estou aqui para te salvar agora. Ou estou?  :) 

Amo você. Ass: Yoongi. "

Me senti importante, vendo sua preocupação, mas gelei ao ler o "ou estou?", seria essa a intenção dele? Me fazer pensar que em qualquer lugar que eu estiver, ele vai estar junto? Vi claramente o carro sair da casa e sumir no meio das árvores... mas poderia não ser ele quem estava lá, mas também não ouvi, nem vi ninguém além dele, era óbvio que só tinha Yoongi aqui. Mas, considerando que eu não sai desse quarto desde que cheguei, apenas aquele quarto escuro que acordei, e eu nem vi quando saí de lá. Merda, Suga, por que quer me deixar confusa? Eu sou a psicóloga aqui, sou eu quem faz jogos mentais!

Após a banheira encher, entrei e me deixei relaxar, não tanto quanto antes, claro. Apesar da tentativa não ter sido uma decisão ruim, após falhar miseravelmente, a dificuldade em respirar depois, me fazia pensar duas vezes antes de tentar de novo.

Voltei aos meus pensamentos confusos, me perdendo em meu mundo novamente. Estou aqui a quanto tempo? Não sei mais. Nunca soube. Desde o dia que acordei lá, não consigo nem lembrar o dia da consulta com Yoongi. O que aconteceu depois? Fiquei inconsciente por muito tempo, talvez dias. Contando com todas as vezes que fiquei inconsciente, foi realmente muito tempo. Eu gostaria de ter a esperança de que tem alguém procurando por mim, alguém que tenha alertado a polícia e que só irá descansar quando me encontrar. Mas a verdade é que não tem. Yoongi era solitário, mas depois que fui embora da casa dos meus pais, fiquei tão solitária quanto ele. Todos os dias, dezenas de pacientes, sempre colocando o emprego acima de tudo. Se eu visitava meus pais uma vez ao mês, era muito. Também não ligava, ou mandava mensagens. E meus amigos da faculdade? Não sei onde foram parar, não lembro de muitos, também. O que eu fiz com a minha vida? Sempre jurei á mim mesma, nunca colocaria nada acima de minha família e amigos, nem mesmo a profissão dos meus sonhos. Parece que promessas, não são o meu forte. De alguma forma, eu tenho algum tempo para mim aqui, nessa casa. Tenho alguma companhia, de vez em quando. Não que isso seja o suficiente para me fazer ficar, ainda quero fugir daqui, pois da mesma forma que estava presa ao trabalho, estou presa á Yoongi. Quando conseguir, irei refazer minha vida. Terei um tempo para meu trabalho, família e farei amigos, aproveitar, não é?

Percebi meus dedos enrugados, me convencendo de que era hora de sair. A água já não estava tão quente quanto antes. Logo, decidi terminar meu banho.

— Ei, está viva? — Ouvi leves batidas na porta, indicando a chegada de Yoongi.

— Estou. — Respondi, saindo da banheira e me enrolando em uma toalha que estava por perto. 

— Trouxe suas roupas. E o relógio. — Avisou, demonstrando uma certa alegria em sua voz, apesar do nervosismo notável.

Assim que abri a porta para sair, dei de cara com Yoongi, que parecia surpreso.

— Ah, sim... Desculpe, eu esqueci! — Se virou rapidamente, envergonhado. Acredito que se referia á falta de roupas, já que eu estava de toalha.

— Ei, você não precisa ter... — Senti minhas bochechas ficarem quentes, me impedindo de completar a frase. Por algum motivo, senti vergonha também. — O-onde estão? — Perguntei, olhando para um canto qualquer do quarto, evitando encarar Yoongi.

— Na cama, espero que goste. — Percebi o tom nervoso em sua voz, novamente. — Eu vou ficar do outro lado da porta para que você possa se vestir. — Ele se retirou, sem olhar para mim também.

Apenas assenti com a cabeça. Peguei as sacolas, bem pesadas por sinal. Abri algumas, um pouco ansiosa. Talvez por estar descobrindo o que Yoongi gostava. Esperava algumas roupas sombrias, como as que ele usa, me enganei vergonhosamente. Eram roupas normais, algumas até fofas. Vesti um vestido de renda branco, que parecia confortável. 

— Estou vestida. — Avisei.

— Você tá linda! — Disse, com um enorme sorriso.

— Não é pra tanto. — Respondi, tímida.

— Eu acho. — Ele se aproximou lentamente, me puxando para seus braços. — Senti tanto a sua falta. — Sussurrou em meu ouvido, me fazendo ter a sensação de estar derretendo por inteira.

— Também senti a sua. — Respondi imediatamente, sem pensar. Por que?

— Mesmo? — Perguntou, sorrindo de canto. Senti seu abraço apertar mais, fazendo meu coração acelerar. Senti seu cheiro, o mesmo de antes, dominar o local.

— Mesmo... — Sussurrei, nervosa. Percebi estar prendendo a respiração desde que Yoongi entrou, tentei soltar o ar sem que o mesmo notasse, falhando, soltei um suspiro alto. Meu coração acelerou mais, quando Yoongi me soltou, após ouvir, olhando em meus olhos.

— Está nervosa? — Perguntou, não acreditando.

— Não! — Neguei, desviando o olhar logo em seguida.

— Por que esse suspiro então? — Questionou, aproximando seu rosto do meu.

— Não posso suspirar agora? 

— Pode, mas ninguém suspira assim do nada. — Ele estava tão perto, e continuava se aproximando cada vez mais.

— Sei lá. — Tentei cortá-lo, caminhando para trás.

— Sei. — Me olhou com aquele sorriso filho da puta novamente, me fazendo tropeçar no próprio pé. — Olhe por onde anda, (s/n).

Senti o clima ficar constrangedor, apenas para mim, claro. Me joguei na cama, de bruços, esquecendo totalmente da roupa que estava usando. 

— Isso é covardia! — Reclamou, se referindo a visão que estava tendo.

— N-não foi por q-querer! — Gritei, me sentando rapidamente e escondendo as pernas com o vestido. Senti a vergonha dominar meu rosto, não sabia onde colocá-lo.

— Você fica tão linda com vergonha. — Disse, se aproximando para que pudesse acariciar meu rosto.

— Droga, por que você me deixa tímida assim? — Perguntei, jogando um travesseiro em Yoongi.

— Eu sou seu alvo perfeito, né? — Reclamou, jogando o travesseiro de volta.

— Sim, você pede para ser! — Joguei o mesmo travesseiro de volta, dessa vez com mais força.

— Nunca pedi por isso. — Ele riu, segurando o travesseiro. — Se eu te pedir para me beijar agora, você beija? — Perguntou, mordendo os lábios e jogando o travesseiro longe.

— Não faça isso parecer como se a resposta fosse sim. — Falei, fitando o chão, irritada.

— Eu sei que é. — Yoongi se aproximou, me puxando para si, tomando meus lábios rapidamente. Senti seu gosto, fazendo-me arrepiar. Antes que pudesse contestar, suas mãos estavam envolvendo minha cintura e seu corpo colado ao meu. Minha mente estava viajando, e eu só conseguia pensar em como seus lábios são macios, como seu beijo pode ser tão delicado e bruto ao mesmo tempo. — Eu disse. — Riu, se afastando lentamente.

— De novo. — Murmurei, olhando para o chão.

— O que? — Perguntou, confuso.

— Você... — Voltei meu olhar para ele, me fazendo desistir. — Esquece. — Bufei, me jogando na cama novamente, dessa vez tomando cuidado para não mostrar nada a mais. Ouvi sua risada soar vitoriosa ao fundo. Odeio essa risada, ao mesmo tempo, amo. 

Você me tem tão facilmente.


Notas Finais


Espero que tenham gostado, tentarei atualizar hoje mesmo. ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...