História Death Fairy - Capítulo 52


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Comedia, Drama, Fantasia, Romance
Visualizações 7
Palavras 1.259
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Super Power, Violência
Avisos: Linguagem Imprópria, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 52 - Riin, Samantha e Rubby


Fanfic / Fanfiction Death Fairy - Capítulo 52 - Riin, Samantha e Rubby

*Riin* 
 

Puta que pariu, nessa vida eu sou realmente um arrombado.

Eu em meio de uma vergonhosa e constrangedora declaração, sou impedido por sabe lá diabos quem, e ainda sequestram minha Rubby. Vê se tem capacidade uma coisas dessas. Agora, terei que usar um recurso desgraçado qual gostaria nunca ter que usa-lo, queria que realmente fosse apenas uma jóia que combinava muito com ela e pronto. Não um rastreador mágico.

Ao colocar o pingente sobre o círculo mágico, algo realmente confuso aconteceu: apareceram dois sinais no radar. Apenas duas coisas vinham a minha mente:

ALBA!

QUE VADIA!

Ela iria aprontar alguma coisa, no entanto me senti mais relaxado um pouco pois ela não seria estúpida de fazer algum grande mal a Rubby já que afetaria ela também. A não ser que ela não seja realmente a Rubby...

Mesmo assim, quando se trata dessa mulher, nada nesse mundo me surpreende.
 

*Rubby* 
 

Acordei por algum motivo com correntes amarrando meus pés a uma luxuosa cama em um luxuoso quarto. Se fossem simples correntes não seriam um problema, mas não são.

Olhei ao redor do quarto e notei parado a porta branca o homem de capuz que provavelmente me trouxe aqui. Me levantei, fui até onde as correntes permitiam e o encarei.

-O que deseja comigo? - perguntei séria e ele removeu seu casaco e máscara oferecendo um lindo sorriso me deixando de pernas bambas quase me levando ao chão.

Não era ninguém menos ou ninguém mais que o próprio Riin. Não o que ficou para trás naquele quarto que seu eu voltar lá agora faço uma tremenda besteira e sim o que esbarrei na rua naquele estranho dia. Mesmo que sejam a mesma pessoa  e disso eu tenho certeza graças ao cheiro de sua magia, este homem parece diferente, não em sua face ou idade, em sua áurea. Seus olhos mais vibrantes e misteriosos, seu cabelo para trás, sua barba por fazer, seus músculos mais fortes e evidentes por suas escuras roupas. Ele é a perfeição ao quadrado, meu Deus, eu não estou bem. Estou tudo menos bem e ainda para piorar minha situação o filho da puta teve que fazer aquilo que me tira totalmente do sério: passar a língua entre os lábios os umidecendo.

Em um movimento extremamente rápido ele veio até a mim, entrelaçou seus braços em minha cintura e sussurrou ao meu ouvido:

-Ah... Não importa como, quando e onde. Se você me lança um olhar assim, eu sou capaz de fazer besteira com você.

Ele me colocou sobre a cama e sorriu para mim, minha gente, meu Riin que me salve agora.

-Safado como sempre, não é meu Amor? -escutei uma voz feminina e familiar vinda atrás de mim. Me virei deparando com a ruiva. Alba.

-Só com você -ele se sentou sobre a cama também - O show vai começar querida.

-Eu sei -ela estendeu a mão e um espelho de água se ergueu ao redor da cama, o pior que era da categoria ilusória que é indetectavel em qualquer situação.

-O que esta acontecendo? -questionei, mas fui impedida pelo "Riin" que encostou sua boca em meu ouvido.

-Shiiiiiu. Você vai ouvir algo interessante -neste momento meu corpo ficou fraco. Sem força alguma, tudo parecia um pouco lento. Ele me colocou apoiada em seu corpo fazendo com que ambos olhássemos para frente. Alba me olhou um pouco séria e depois removeu o casaco que escondia seu longo vestido preto que marcava seu corpo maravilhoso, todas as curvas em seu devido local. Nada de exagero, tudo realmente perfeito. Quão linda está mulher pode ser?
Um nível tão impossível para alguém como eu que chegava a doer...

O homem colocou de volta sua máscara e sorriu.

-Sabia que você viria até aqui. Parabéns por achar o local tão rápido. Minha isca não funcionou? -perguntou Alba ficando de costas para a janela e de frente para mim. Uma espécie de fumaça preta começou a passar por ela e se aglomerar a sua frente, em alguns segundos tomou forma de um homem alto, usando um sobretudo preto e cabelos loiros. Como estava de costas para mim, não pude ver seu rosto.

-Eu fui ao outro local onde você havia deixado a isca -disse o homem e imediatamente notei que era a voz de Riin. Logo associei que está seria sua forma Death Fairy, no entanto ele voltou ao normal tanto a roupa quanto o cabelo -Só achei isto mesmo -ele ergueu um colar igual ao que eu estava usando, o que ele me deu, ela mordeu levemente o lábio inferior e colocou uma mecha de seu cabelo atrás da orelha.

-Então só foi um leve atraso -ela sorriu e foi caminhando em direção a ele.

-Eu só quero saber onde ela está -disse ele quando ela colocou a mão sobre o peito dele e o olhou.

-Como pode ver. Aqui não está -seu sorriso não saia de sua face, sua mão foi até o rosto dele e acariciou de leve.

-Diga logo o que quer -a voz dele estava séria e fria. Era quase como a do Riin que está aqui ao meu lado.

-Eu preciso de você -ela foi aproximando lentamente seus lábios do dele e senti que o Riin aqui apertou levemente meus ombros. Ele deve estar com raiva, sua expressão não era nada boa. Os lábios deles se tocaram e ele parecia pedra. Afinal, esta era sua amada máscarada. Ela se separou e sorriu docemente para ele.

-Que eu saiba. No futuro provavelmente existe um de mim, certo? Então por que me procura? -ela colou os seus corpos e entrelaçou seus braços em torno do pescoço dele, o mesmo passou seu braço em torno da cintura dela... Se formos falar em futuro, certamente faz sentido este Riin aqui ao meu lado. Eles são do futuro, mas quem seria essa vaca ruiva?

-Aquele seu eu me odeia. Ele sempre apenas quis meu sangue -ela olhou para o lado e fechou os olhos franzindo os lábios. Essa mulher... realmente...

-Me poupe. Mesmo que eu ame você... -disse ele, eu sabia que ele amava ela, eu sabia... então por que ...-  Você só sabe usar as pessoas. Acha que sentimentos são para serem manipulados! Você não é ELA! -ele gritou e parecia estar irritado, só que o surpreendente de verdade foi a reação dela: recuou dois passos largando ele e olhou para o chão, seus olhos exalavam dor e mágoa. O Riin que estava comigo quase se levantou para ir até ela -Não seja falsa Samantha!

-Por que você não entende? Eu não quero o mal dela e muito menos o seu! Qual o problema em confiar em mim? Eu poderia mata-lo aqui e agora se fosse minha vontade! -disse ela recuando mais com sua voz se arrastando.
 

*Narrador* 
 

Os planos de Alba não estavam saindo completamente bem. A parte sobre esconder Rubby das garras de Haru estavam okay, mas a parte onde ela separaria Riin e Rubby era o grande problema.

Riin não acreditava nela, ou apenas precisava de provas para isso. Ele sabe que magia de possessão poderia ter sido usado anteriormente na noite em que ela revelou sua "identidade" a ele e que ele tinha sido imbecil o suficiente para cair nisso. Este era seu estúpido raciocínio.

-Me prove! - disse ele.

-Como? - ela perguntou em resposta.

-Desta forma -o homem se moveu rapidamente, a segurou pelo pescoço e encostou as costas dela na janela a inclinando para fora da cobertura do alto edifício em que estavam e calmamente a soltou -Rubby não sabe voar.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...