História Death Hotel - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), EXO
Exibições 99
Palavras 1.320
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Ficção, Hentai, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Álcool, Canibalismo, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olá, pessoas! Espero que estejam bem.
Como já devem ter visto, esta é a segunda temporada de uma de minhas fanfics, a qual eu sou completamente apaixonada. q
Quero deixar claro que, justamente por ser a segunda temporada, ela se passa já em setembro/outubro de 2017, e caso não conheçam a primeira parte, deixarei nas notas finais.
Espero agradar vocês e que acompanhem a fic, amores.
Bem, vamos lá! <3

Capítulo 1 - Welcome, gentlemen.


Fanfic / Fanfiction Death Hotel - Capítulo 1 - Welcome, gentlemen.

 

Há pouco mais de uma hora desde que entramos neste lugar, até então, desconhecido. O clima deste lado de Seul é realmente frio, e mesmo que ainda seja duas da tarde, o sol não apareceu e o julgando pelo céu escuro eu juraria que seriam oito da noite. A neblina cobria as ruas conservadas e as folhas das árvores caíam em cima do carro, assim como alguns galhos vez ou outra. O silêncio estava agradável, até que o ânimo na voz de meu amigo o quebrou por completo.

- Ei! – Disse ele entre um riso, quase esfregando o mapa em meu rosto. – Acho que conseguimos chegar!

- Você disse isso das últimas três vezes, Yixing.

- Mas agora ele está certo, Chanyeol. – Minseok disse, mostrando-me o GPS de seu celular. – Finalmente conseguimos chegar.

Um suspiro de alívio foi audível de todos nós, já que estamos na estrada desde madrugada. Continuei dirigindo pelo caminho proposto por Minseok, em velocidade reduzida, pois queríamos observar aquela bela parte da cidade. Após alguns minutos, não tão distante de nós, a imagem da enorme mansão nos presenteava, e animados, comemoramos. Estacionei o carro em frente ao local e descemos assim que um homem muito bem vestido veio até nós.

- Vocês são os novos hóspedes, certo? – Ele perguntou e concordei. – Deixe-me ajuda-los com as malas, por favor.

O homem de cabelo alaranjado sorriu, ajudando Yixing a carregar as malas pelo caminho de pedras até a entrada da mansão, e assim que chegamos até lá, o homem suspirou e balançou a cabeça, deixando uma das malas ao lado da porta, no chão.

- Eu sempre esqueço as chaves.

Ele sorriu e ergueu a destra, puxando a maçaneta de pedra e batendo quatro vezes na porta, e assim que ele pegou a mala novamente e nos deu espaço, um outro homem, ainda mais bem vestido, nos atendeu. O gentil sorriso dele se abriu ao nos ver, dando-nos espaço para entrarmos.

- Sejam bem-vindos, senhores!

Sorrimos em agradecimento à sua recepção e caminhamos sem pressa para dentro do enorme hotel, e assim que todos estávamos dentro do local, ele sorriu e curvou seu corpo levemente em nossa direção, erguendo apenas sua cabeça em seguida, e logo seu sorriso novamente surgiu, mas ao contrário da última vez, estava com um ar psicótico e maldoso.

- O senhor é um dos donos daqui? – Jongdae perguntou ao ajeitar a mochila em seu ombro.

- Certamente, senhor.

- E qual deles você é?

O homem ergueu o corpo e pendeu levemente sua cabeça para o lado. Novamente aquele aterrorizante sorriso.

- Park Jimin.

- Você parece tão jovem, senhor! Como consegue cuidar dos negócios sendo tão novo?

- Por favor, chame-me de Jimin. – Pediu, cruzando seus braços. – Venho de uma família de empresários, e digamos que eu e meu irmão cuidamos bem da nossa herança.

Jimin mostrou simpatia e empolgação em sua voz, mas estava mais do que óbvio que ele não queria falar muito sobre sua família, e antes que Yixing pudesse perguntar algo ainda mais particular, o puxei para perto de mim.

- Então, senhor. – O chamei, forçando um sorriso a ele. – Por favor, nos dê as chaves de nossos quartos, estamos cansados.

- Certamente, senhor...

- Chanyeol. Park Chanyeol.

- Por favor, acompanhe-os até a recepção, Hoseok. – Jimin falou assim que o homem de antes veio até nós. – Tenho algo a resolver. Com licença, senhores. Espero que se divirtam.

Novamente o agradecemos, e como ele havia mandado, o rapaz nos acompanhou até a recepção, checando cada um de nossos nomes em seu computador. Quando as chaves de nossos quartos foram entregues subimos a espaçosa escada até o segundo andar, já que naquele Hotel não haviam elevadores, e assim que subimos o último degrau, ouvimos risos e vozes conhecidas. Mas já estavam acordados?

- Ei, vocês demoraram! – KyungSoo veio até nós o mais rápido que conseguiu, puxando a chave de minhas mãos. – Quarto 45, ao lado do meu!

- Por que demoraram tanto? – JongIn perguntou assim que parou em nossa frente. – Deixe-me adivinhar: o Lay quis usar o mapa em vez do GPS outra vez?!

- Exatamente. – Minseok revirou os olhos, mas acabamos rindo.

- Vocês não entendem mesmo, não é? – Ele suspirou e balançou a cabeça. – O GPS pode quebrar, o mapa não.

- Hoje em dia ninguém usa mapa, Lay. – Sehun disse assim que saiu de um dos quartos. – Eu vou conhecer a cidade e aproveitar para tirar algumas fotos junto ao Jongin e o Kyungsoo, vocês querem vir?

- Vão vocês, nós estamos cansados e durante a noite fazemos algo. – Falei ao olhar o relógio em meu pulso.

- Como quiserem. Qualquer coisa nos ligue.

Concordei com o pedido de Sehun e nos despedimos. Os quartos dos outros ficavam no terceiro andar, então também precisei me despedir deles antes de, finalmente, seguir até o final do longo e largo corredor. O silêncio se fez presente assim que meus amigos sumiram de minha vista, e eu agradeci internamente pelo momento de paz. Chequei mais uma vez a numeração do quarto e rodei a chave na fechadura, mas antes que eu pudesse entrar, ouvi a porta da frente abrir-se, e então olhei para trás. Uma mulher, aparentemente com seus vinte anos de idade, apareceu, vestida com um uniforme preto e branco, carregando um carrinho com produtos de limpeza e um certo de roupas sujas e manchadas com algo vermelho, mas ao me ver, ela imediatamente tampou o cesto. Os olhos dela estavam arregalados e sua expressão mostrava certo desespero e receio, e mesmo por baixo de toda a maquiagem eu pude perceber seu rosto pálido e os olhos roxeados. Preocupado por seu aparente cansaço, decidi perguntar:

- Você está bem, senhorita? – Ela apenas assentiu com a cabeça, então sorri. – Eu me chamo Chanyeol e estou hospedado aqui.

- Está aqui para o festival deste mês?

- Sim, exatamente! – Sorri ao perceber que ela ficou um pouco mais confortável. – Você trabalha aqui?

- Sim, desde que fundaram este lugar.

- Você parece cansada. Não tem folgas?

- Todo mês temos um festival diferente, senhor, não tenho tempo para descanso.

- Deveria conversar com o dono daqui, ele parece gentil. – Ela riu.

- Você parece um bom homem, senhor Park. – A jovem empurrou seu carrinho para frente e começou a andar, assim falando ao virar-se de costas: - Saia daqui o quanto antes se você não quiser conhecer o verdadeiro inferno.

Disse por fim, rapidamente sumindo de meu campo de visão. Fiquei curioso por algum tempo e assustado também, mas aquelas sensações logo desapareceram quando cogitei a possibilidade de tudo aquilo fazer parte da temática do hotel, já que no dia seguinte seria o mês do Halloween. Acabei rindo do meu precipitado medo e finalmente entrei em meu quarto, percebendo minhas malas já em meu quarto.

- Que rapaz eficiente.

Pensei, e então deitei na confortável cama, mesmo sem tirar os sapatos, e assim, com a imagem e voz daquela senhorita, adormeci.

 

(...)

 

- Eles já estão em seus devidos aposentos, senhor Park.

- Obrigado, Hye Sun. – Jimin sorriu e levantou-se de sua poltrona, acariciando o rosto de sua empregada. – Sempre tão eficiente...

- Obrigada, senhor.

- Agora vá, deixe-me conversar com meu irmão.

Hye Sun concordou e se retirou do escritório como o chefe havia mandado, então Hoseok gargalhou e sentou-se na mesa de seu irmão, brincando com os papéis espalhados pela mesma.

- Para que me chamou?

- Quero que prepare para mim uma lista com os nomes e posições sociais de cada um dos hóspedes novos.

- O que pretende, Jimin?

- Tudo a seu tempo, irmão.

Jimin cantarolou entre um sorriso e bateu a caneta entre os dedos da canhota conforme saía de seu escritório, deixando o irmão sozinho. Hoseok estava visivelmente incomodado e receoso pelo que o irmão planejava, mas mesmo assim, decidiu se calar e concordar com ele.

- Ah, irmão, o que nós fizemos?


Notas Finais


The Chosen: https://spiritfanfics.com/historia/the-chosen-5052745

Eu espero, do fundo do coração, que tenham gostado. Eu sou péssima com primeiros capítulos/sinopses, então não desistam de mim, por favor. KOPDSAKOPDKOP
Bem, por hoje é só isso, digam-me o que acharam, uh?
Obrigada a quem chegou até aqui e até logo.
Beijinhos. <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...