História Death Is Calling - Capítulo 13


Escrita por: ~

Postado
Categorias Glee
Personagens Blaine Anderson, Kurt Hummel
Exibições 31
Palavras 1.412
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Mistério, Romance e Novela, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Depois desse só faltam mais dois... que triste :/ Esse é o lado ruim de fazer mini fics, não é? :/

Boa leitura! ♥

Capítulo 13 - Ryder, Sam e Marley


Fanfic / Fanfiction Death Is Calling - Capítulo 13 - Ryder, Sam e Marley

- Então... como vocês decidiram quem seriam as vítimas de vocês? – Questionou Sebastian.

Ele, Kurt, Blaine e Elliot estavam andando na direção de suas próximas vítimas, faltavam poucos para que terminassem esses trabalhos. Muito embora Sebastian não concordasse com essas mortes, inclusive sabendo de sua própria, ele resolveu ir junto com os outros três. Se não quisesse ver, era só fechar os olhos, não?

- Não decidimos. As pessoas traçam seus próprios caminhos, nós apenas terminamos o que todos começam. – Explicou Elliot, segurando a mão do quase namorado.

- Mas não tem nenhuma regra ou coisa do gênero? Além do mais... você é o demônio ou o que?

- Diabo, demônio, o que quiser chamar... – O Gilbert deu de ombros. – E regras existem, é óbvio, só que nós não precisamos necessariamente as seguir, podemos criar outras diferentes, desde que nós tenhamos tempo de avisar ao soberano maior.

- Deus? – Indagou Sebastian, levando os outros a rir.

- É uma possibilidade. – Elliot beijou a mão de Sebastian e continuou a andar com eles. – Onde eles estão?

- Logo ali. – Kurt apontou na direção de uma caverna. – Vocês não podem se esconder da Morte. – Kurt disse de maneira irônica na medida em que se aproximavam da caverna.

Os três mortos se fizeram invisíveis, assim apenas Sebastian foi visto e isso, de certa forma, tranquilizou os jovens que se escondiam ali dentro.

- Boo. – Os três surgiram, um do lado de cada um dos jovens, os três gritando e os assustando.

Blaine estava ao lado de Sam, Elliot ao lado de Ryder e Kurt ao lado de Marley. Sebastian apenas observava a cena que se desenrolava em sua frente, com um medo de ter que presenciar, mas também com um pouco de curiosidade.

- Acontece que nós precisamos perseguir mais uma pessoa, então vocês vão ter que colaborar conosco. – Informou Kurt. – Eu tenho que sair com meu namorado, então vai ser interessante acabar logo com isso.

- Ah, que amor, você lembrou que marcamos de sair. – Blaine sorriu para Kurt.

- Mas é claro que sim. Sempre lembro do que você fala ou faz. – Kurt deu um selinho no namorado e voltou a sua pose do mal.

- Vocês são muito loucos. – Sebastian comentou rindo. – Então acabem logo com isso e aí eu também posso sair com o meu namorado.

- Ótimo! – Disse Blaine. – Vamos acabar logo com isso.

O moreno puxou Sam, que começou a gritar e se debater. O Anderson empurrou o loiro contra a parede da caverna e começou a bater com sua cabeça contra a mesma até que sangue começasse a jorrar dele e ele caísse sem vida no chão. Kurt o olhou maravilhado, nem percebendo o momento em que quebrou o pescoço de Marley e a largou no chão. Ele simplesmente puxou Blaine para um beijo caloroso e o arrancou de dentro daquela caverna.

Elliot ainda estava segurando Ryder, vendo que Sebastian o encarava atentamente. O moreno tinha seu olhar sombrio sobre o garoto que estava em sua frente. A maneira que ele mais gostava de matar era arrancando o coração e foi exatamente isso que ele fez com o garoto.

O Gilbert até se assustou no momento em que Sebastian o empurrou contra a parede e o beijou. Elliot levou sua mão até o rosto de Sebastian, o sujando de sangue, mas o mesmo nem mesmo se importou, estava mais preocupado em puxar Elliot o máximo que conseguia sobre si.

- Nossa, Seb, o que foi isso? – Se Elliot respirasse ele estaria sem ar.

- Você não tem noção do quanto me excitou ver você arrancando esse coração. Agora eu quero que você arranque outras coisas. – Elliot o encarou confuso. – Minhas roupas.

[...]

- Você é tão lindo. – Comentou Blaine, tendo o namorado escorado em si. Os dois estavam deitados no enorme gramado olhando as estrelas. – Você me mudou tanto...

- Primeiro: Você é lindo. – Começou Kurt, beijando a bochecha de Blaine e sentando sobre as pernas dele. – E mudei como? Para melhor ou pior?

- Para muito melhor. – Blaine disse de forma safada, sentando-se e levando suas mãos até a cintura do namorado. – Você é maravilhoso.

- E você é louco por me amar. – Riu o castanho.

- Não nego, é verdade... sou louco mesmo. – Blaine também riu. – Ah, eu te quero tanto, Kurt.

- Você me tem sempre, meu amor. E essa noite é só nossa.

Kurt empurrou Blaine e se inclinou sobre ele, iniciando assim um beijo calmo, que logo se intensificou e se tornou repleto de desejo. Os lábios do castanho desceram até o pescoço do namorado, dando leves mordidinhas e ainda mais beijos. Blaine trocou de posição com ele e tirou sua blusa, tendo a sua própria sendo retirada em seguida.

Mais beijos foram sendo partilhados na medida em que ambos se despiam. Kurt se deitou novamente no gramado e Blaine ficou por entre suas pernas, trilhando um caminho de beijos maravilhosos pelo corpo do namorado, até chegar no membro do mesmo e dar a devida atenção a ele, ouvindo deliciosos gemidos escaparem dos lábios do Hummel.

Quando o mesmo quase chegou ao seu ápice, Blaine parou os movimentos e subiu mais para beijar sua boca novamente e, ao mesmo tempo, o penetrou com calma. No entanto, logo acelerou seus movimentos, levando Kurt à loucura. Blaine só parou quando chegou ao seu ápice, saindo de dentro de Kurt e o beijando mais uma vez.

Kurt virou Blaine de bruços no gramado, já que nenhum dos dois precisava se recuperar, muito menos esperar recuperar o fôlego; lado bom de se estar morto. O castanho ficou por cima de Blaine, se encaixando nele e o adentrando calmamente, mas, assim como o moreno, logo intensificou seus movimentos, tirando até o fôlego do qual Blaine não precisava.

Os gemidos dos dois só os excitava ainda mais, poderiam ficar ali até amanhecer que não se cansariam um do outro.

Mais uma vez chegaram aos seus ápices e se vestiram, voltando a se deitar no gramado, abraçados.

- Eu te amo, B. – Kurt disse, escorando-se no peito do namorado. – De uma maneira que eu nunca pensei que fosse ser capaz de amar.

- Eu também te amo, Kurt. Muito.

[...]

- O quão louco eu sou por gostar de você? – Inquiriu Sebastian, tentando recuperar todo o ar que tinha perdido. – Veja bem, eu acabei de transar com você em uma cena de crime, onde você, meu melhor amigo e o namorado dele assassinaram três pessoas inocentes que nunca fizeram nada de errado.

- Ah, eles fizeram sim. Todas as nossas vítimas que morreram antes do tempo que deveriam tiveram seus motivos. Sejam eles muito graves ou nem tanto. – Explicou Elliot. – Sam, por exemplo, uma vez ele embebedou uma menina para que ela se entregasse a ele, isso é errado. Ryder eu teria que perguntar para Kurt, porque não lembro direito. Marley tinha um rostinho angelical, mas, acredite, era só o rosto.

- Mas e eu? O que eu fiz de errado para morrer? E Blaine? O que ele fez?

- Blaine matou o irmão dele, como ele mesmo disse naquele dia. – Lembrou o Gilbert. – E você se apaixonou por mim, isso é bem errado. Você é nosso cúmplice, também.

- Mas fiz isso sabendo que você era você.

- Justamente! Coisa do destino! – Se animou o Gilbert, vendo Sebastian também sorrir. – E em relação ao nível da sua loucura por gostar de mim... bom, de um à dez eu diria que é onze.

- Idiota! – Riu o Smythe. – Mas tenho que concordar. E também, como eu não iria gostar de você? Você é tão...

- Misterioso? Lindo? Irresistível? Gostoso? Delicioso? Bom em tudo que faço? Sei de tudo isso.

- Nem um pouco modesto... – Completou Sebastian, rindo novamente. – Qual a sua com Kurt?

- Já está com ciúme? – Perguntou ele, vendo Sebastian dar de ombros. – Tivemos um caso... nem era bem um caso. Apenas nos encontrávamos e transávamos. Nada demais.

- Então ele pegou minhas duas paixões. Palmas para ele. – Sebastian estava claramente enciumado. – Tem alguma chance de você gostar dele?

- Se eu quisesse ele eu estaria com ele, não acha? Eu ajudei ele em relação a Blaine, nós somos amigos, por mais estranho que seja. – Elliot explicou, acariciando Sebastian. – Eu gosto de você, Seb.

- Também gosto de você.

- Então você namora comigo? – Sebastian sorriu involuntariamente com a pergunta.

- É, eu acho que dá para aceitar esse pedido. – Disse de maneira sapeca. – Eu namoro com você.


Notas Finais


Só tem duas pessoas vivas, então fica na imaginação de vocês como eles vão morrer...
Vejo vocês provavelmente no fim de semana *-*
Bjo ♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...