História Decifra-me - Capítulo 12


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO, F(x), Lee Jun Ki, Sandara Park, TRAX
Personagens Amber Liu, Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Krystal Jung, Lee Jun Ki, Sehun, Typhoon (Jay Kim), X-Mas (Kim Jung-mo)
Tags Baekhyun, Baekyeol, Chanbaek, Chanyeol, Drama, Exo, Hunhan, Kaisoo, Romance
Exibições 61
Palavras 5.197
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Fantasia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Annyeonghaseyo ♡ Como estão?
Antes de começarem a ler, quero que sabiam que este é um capítulo especial (que não iria ter na fic) que eu achei por bem escrever pra entender um pouco sobre um personagem novo e apresentá-lo já que ele foi alguém importante na vida do Baek. No próximo, a história volta ao normal.
Não se espantem com o tamanho desse capítulo, é que eu acabei me empolgando... -Sorry :')
Obrigada pelos comentários do cap. anterior minha dongsaeng Tataegyo ♡ e Shipper220volts!
P.S: alguém assiste Moon Lovers - Scarlet Heart: Goryeo? Se sim, vão reconhecer Lee Jun Ki (ou Lee Joon Gi) o 4º príncipe na capa, se não... É sério, vão assistir, não sabem o que estão perdendo!
Sem mais... Boa leitura!

Capítulo 12 - Homem com H


Fanfic / Fanfiction Decifra-me - Capítulo 12 - Homem com H

- VOCÊ FEZ O QUÊ? – Jongin gritou. A voz do moreno estava carregada de espanto. Ele jogou-se no sofá ainda sem acreditar.

- Eu não fiz nada, foi aquele idiota orelhudo quem me beijou! – Baekhyun andava nervoso sem parar de um lado pro outro da sala desde que Chanyeol havia saído do apartamento.

- Ah tá Byun Baekhyun, vai me dizer agora que o Chanyeol ta saindo do armário? – Jongin perguntou cruzando os braços, começava a ficar nervoso também.

- Eu te chamei aqui pra me ajudar e não pra brigar comigo, Kim Jongin...

- Ah, me desculpa Baek, é que eu não sabia que você tinha feito esta merda – ele não pode evitar a ironia.

- Primeiro, foi o Chanyeol quem me procurou e segundo, foi ele quem veio pra cima de mim... – tentava se defender das acusações de Jongin e de seus próprios pensamentos culposos.

- Ah, claro, foi o Chanyeol e você não continuou...

- Escuta aqui, a culpa é sua! – finalmente parou, pondo-se bem a frente do sofá para encarar o moreno apontando o indicador na direção dele – Eu não mandei que destruísse qualquer prova de que aquele dia existiu na minha vida? Você briga com o Park, não aguenta apanhar sozinho, me joga no meio da roda, e ainda quer me culpar?

- Olha, isso é loucura! Park Chanyeol não beijaria... Você – ele gesticulou na direção de Baekhyun o deixando indignado.

- Você tá tentando me ofender? - ele arqueou uma sobrancelha em descrença. O maior revirou os olhos – Porque é o que tá parecendo, Kai.

- Então qual foi a outra reação dele? – Jongin não se importou pelo que poderia parecer – Ele pirou ou transaram?

- Que tipo de pessoa você pensa que eu sou? – desta vez, Baekhyun sentiu-se realmente ofendido.

- Quer mesmo que eu responda, Baekhyun?

- Não transamos, tá legal? Aliás ele simplesmente foi embora.

                Então o negócio tinha sido sério. Se tinha uma coisa que Jongin sabia era que Park Chanyeol não deixava nada mal resolvido e se ele tinha ido embora, era porque devia estar pirando. Jongin suspirou, passando a mão sobre os cabelos.

- Me desculpe, é que isso é demais pra eu processar de uma vez – Acompanhou Baekhyun com os olhos e este foi direto para a outra ponta do sofá.

- Escuta, alguém tem que ir atrás dele – Baekhyun falou com a voz abafada pois havia escondido o rosto sobre as mãos – Eu tentei, mais ele é incrivelmente difícil de entender, eu não pude decifra-lo, eu achei que sabia mais eu não faço ideia do que ele pode fazer...

– Estou preocupado com o Chanyeol, mais estou preocupado com você também... – ele levantou o rosto para encarar Kai.

- Do que está falando?

- Da sua história com seu ex-namorado – Baekhyun jogou-se de encontro ao encosto do sofá rindo, como se o outro tivesse contado alguma piada sem graça.

- Ah, então é isso... O que? Achava que eu tava tão na seca que ia levar o Chanyeol pra cama? Ele me beijou a força!

- Não tem nada a ver com isso, Baekhyun... É que já faz três anos que o Joon Gi foi embora e você não se envolveu com ninguém e de repente...

- Eu estou muito bem, obrigado, focado em ser um médico e não em dar pra qualquer um na rua e o Joon Gi, onde quer que ele esteja, deve estar muito bem também, tenho certeza que o meu pai se encarregou disso...

- Eu acreditaria em você, se você não tivesse sentido a vontade de ser um médico graças ao Gi e não falasse disso todos esses anos com essa mesma amargura na voz...

- Kai! – Baekhyun queria repreender o outro por falar daquele jeito com ele, mesmo que suas palavras fossem até verdadeiras, no entanto o moreno levantou-se sem dar atenção a ele.

- Eu realmente espero que isso não tenha sido nada pra você, porque se foi, Chanyeol não vai poder corresponder...

- Já que não pode fazer nada além disso, só ache o seu amigo idiota e certifique-se que ele vai ficar bem. Não quero me sentir culpado pelas paranoias de alguém que eu nem conhecia.

                Jongin nem respondeu, apenas saiu enquanto Baekhyun tapava o rosto com uma almofada.

XXX

                Chanyeol deixava que a água fria do chuveiro molhasse sua cabeça, já estava ali a uma hora pensando na besteira que tinha feito. A falta de controle era inexplicável e ele não conseguia arranjar uma desculpa se quer. Beijou Byun Baekhyun, passou a mão pelo corpo do outro e pior, Chanyeol tinha plena noção de havia gostado.

                Sim, e como ele tinha gostado, era duro admitir para si mesmo que se ele não precisasse de ar para viver, não largaria aquele garoto tão cedo. Graças a necessidade de respirar e a Deus, Chanyeol teve um segundo de sanidade ao fitar o rosto do menor e o empurrou pra longe de si e antes que outro pudesse dizer uma palavra que fosse ele fugiu.

                A cabeça ficou tão carregada de dúvidas que ele teve dificuldade de dirigir de volta pra casa, perguntando-se a cada esquina o que estava acontecendo com ele. Não estava em seu juízo perfeito já que não conseguiu se controlar desde o minuto que ficou a sós com Baekhyun em seu apartamento.

                Ele não era assim... Gostava de mulher, sempre gostou. Chegou a ter uma queda por Krystal quando estavam com 16 anos e a garota começou a mostrar seus primeiros sinais de rebeldia, deixando sempre partes a mais do corpo a mostra. Ele não era o único, claro, mais isso era algo bom, demonstrava que ele era igual aos outros garotos “normais”.

                Ao pensar em Krystal, pela primeira vez ele sentiu culpa, imaginando o quanto devia ser chato acompanhar ele e Dara naqueles encontros de casais.

- Devia pedir desculpas – ele sussurrou desligando o chuveiro e pegando a toalha para se enxugar. A garota não tinha culpa de nada, mesmo assim ele a chamou de vadia por causa da mentira de Kai. No fim, Krystal era só alguém que tinha entrado de gaiato no navio.

- Filho, seu amigo Kim Jongin está aqui – ele ouviu a voz da mãe do lado de fora enquanto vestia a blusa que havia separado para o jantar. Abriu a porta e olhou a mulher que o fitava docemente com um sorriso.

- Diga que eu não estou – ele respondeu de forma seca pela raiva que sentia do outro.

- O quê? Porque meu filho? – ela perguntou um tanto desconcertada – Eu já disse a ele que você estava no banho...

- Droga! Eu não vou falar com ele, mande ele embora! – o tom rude espantou de certa forma a mulher. Não era de propósito, claro, mais ele não conseguiu controlar a voz, pensando que, se visse Jongin, ele jogaria na sua cara que ele estava apaixonado por um outro cara, e se Baekhyun tivesse falado para ele sobre o beijo? Estaria perdido, Jongin pisaria nele sem pena.

                A omonim hesitou por um momento, mais deu as costas a ele deixando-o novamente sozinho. Ele sabia que teria de pedir desculpas por isso depois.

                Algum tempo depois uma das empregadas bateu em sua porta o chamando para o jantar. Ele desceu e foi até a sala de jantar onde os pais já o esperavam, ele sentou-se a mesa e esperou que a mãe terminasse de servir o marido. Metodicamente ela também o serviu e ele agradeceu sem ter uma outra resposta dela, provavelmente pela forma rude que falara com ela no quarto.

- Abeoji, estive pensando em passar um tempo assumindo responsabilidades e trabalhando no setor financeiro do Minyeol – ele começou após um tempo de silêncio. A surpresa no rosto dos mais velhos era clara, a final, Chanyeol não havia demonstrado interesse em trabalhar no Minyeol antes, mesmo sendo muitas vezes obrigado a ir com o pai.

- Trabalhar no Minyeol? – O mais velho perguntou após um gole de vinho que acompanhava sua comida – Porque você decidiu trabalhar no Minyeol agora?

- Andei passando algum tempo com Park Sandara e pude refletir sobre algumas coisas – ele recomeçou, dando início ao discurso que havia ensaiado antes de descer. Ele tinha noção de que o pai não permitiria colocá-lo dentro do hospital após uma súbita demonstração de interesse e sem um bom motivo – Vamos nos casar em pouco tempo e eu ainda sou apenas um estudante enquanto Sandara é dona de seu próprio negócio – O homem o fitava atento, analisando o pedido do filho como se aquela fosse uma proposta de negócio – Eu sei como funciona o Minyeol em sua parte administrativa mais esse é o dever de Yoora, então, se me permitir, eu gostaria que me colocasse na contabilidade pra que eu pudesse aprender e entender sobre o setor que eu vou assumir após me formar.

                O homem deu mais um gole na bebida alcoólica enquanto Chanyeol esperava por sua decisão.

- Como vai fazer na faculdade? Terá que ter tempo disponível pela manhã e pela tarde.

- Eu pensei nisso e me garantirei quanto a faculdade. Além disso, abeoji e omonim, estou pensando em sair da Korea University...

- Sair? Como assim sair? – a mulher não controlou seu espanto – Você vai abandonar o curso, Chanyeol?

- Não, aconteceram algumas coisas e eu pensei em trocar de universidade...

- Desista dessa ideia – o pai disse apenas, como se Chanyeol tivesse falado uma coisa idiota – Eu sei da situação das suas notas, sei que você passa de semestre se arrastando e eu sei que desse jeito nenhuma outra universidade te aceitaria – O homem levantou-se ao terminar a taça de vinho – Esteja pronto as 8 horas da segunda-feira e me espere na sala. Vou leva-lo comigo a sede do Minyeol.

XXX

                Chanyeol havia passado o domingo em compromissos com os pais, após o culto eles visitaram acionistas e pessoas importantes no meio social da família Park, almoçaram e jantaram fora, chegando em casa apenas a noite. Fez isso como uma forma de ocupar a mente. Pensar em Kai era torturante, pensar em Baekhyun era mais ainda. Na manhã seguinte ele acordou bem cedo e já esperava pelo pai quando este desceu vinte minutos antes das 08 horas.

                Eles foram com o motorista particular da família para a cede do Minyeol que ficava na parte central de Gangnam, a sede era o maior hospital do grupo Minyeol e o com a arquitetura mais bonita, quando mais jovem, Chanyeol adorava perder-se nos corredores da administração, no entanto agora, não sentia nenhuma emoção por estar ali.

- Você será uma espécie de trainee, ficará sobre supervisão direta do meu contabilista-chefe, o tesoureiro de Minyeol – o pai falava a ele enquanto caminhavam em direção a sua sala – Não acho que você terá muito trabalho mais deve prestar atenção a tudo que ele fizer e obedece-lo. Lembre-se, Chanyeol, as responsabilidades dele serão suas responsabilidades futuras.

- Senhor Park, o tesoureiro o aguarda na sua sala – ele agradeceu a secretária com um aceno de cabeça e pegou de suas mãos os papeis que ela estendia em sua direção.

                O mais velho abriu a sala da porta e foi seguido por Chanyeol, havia um homem sentado ali que levantou e se curvou em reverencia tanto ao mais velho quanto ao mais novo.

- Chanyeol este é Lee Joon Gi – Chanyeol curvou-se – Senhor Lee, este é meu filho Park Chanyeol. Ele é quem ficará sobre seus cuidados.

- Sim senhor – Lee curvou-se novamente ao mais velho.

- Por favor, cuide bem de mim – Chanyeol pediu e Lee concordou com a cabeça.

- Chanyeol por favor siga o Lee – Senhor Park apontou para a saída e Lee entendeu o recado saindo com o Park mais novo atrás de si.

                Os dois seguiram pelo corredor do lugar que levava em direção aos elevadores, a sala de Lee ficava um andar a baixo da presidência, onde concentravam-se as divisões da área administrativa. Eles esperaram o elevador parar e adentraram.

-  Eu tenho a impressão que você já conhece bem esse lugar, Park Chanyeol, então eu não vou perder tempo em mostra-lo.

- Sim, eu corria por esses corredores quando era criança... – Chanyeol respondeu enquanto lembrava dele e Yoora pequenos, brigando naquele mesmo elevador – Mais eu não tenho certeza de onde fica a sua sala, ajusshi.

- Ah não me chame de ajusshi – Lee pediu mirando sério o mais novo – Chame de hyung, sunbae, o que quiser, mais ajusshi não. Me faz parecer muito mais velho do que você...

- Mais ajusshi, você não é? – Chanyeol perguntou um tanto constrangido com aquilo. Seu superior estava mesmo falando informalmente com ele?

- Claro que não, eu tenho 27 e não 50 – a porta do elevador se abriu revelando Yoora em um terninho branco com várias pastas em mãos.

- Noona – Chanyeol arregalou os olhos quando a irmã sem prestar atenção no caminho quase bateu de frente com ele – Olha por onde anda.

- Como vai Lee Joon Gi? – ela perguntou educadamente ao outro antes de virar-se para responder o irmão - Chanyeol! Que diabos está fazendo aqui?

- Trabalhando – ele respondeu enquanto Lee curvava-se em respeito a mulher.

- Você? Trabalhando aqui? O que foi, abeoji ta te obrigando? – ele fez uma careta feia e ela riu.

- Eu vim por conta própria se quer saber, Yoora...

- Ah tudo bem, senti saudades e estava pensando mesmo em você essa manhã, maninho – ela elevou uma das mãos e apertou a bochecha direita de Chanyeol fazendo com que o outro fizesse uma careta - Tomei café com a Dara Unnie hoje... Bom, me deixa passar, tenho que jogar essas coisas na mesa do abeoji agora... – Chanyeol assentiu e ela entrou com a porta fechando-se em seguida.

- Vocês são mesmo a cara um do outro... – Joon Gi comentou enquanto eles caminhavam – Se colocarem saia em você, você vira a Park Yoora...

- Ya, sunbae! – Chanyeol chamou a atenção odiando imaginar-se de saia. Lee apenas riu.

- Isso, sunbae é bom... – Joon Gi comentou divertindo-se com a expressão de Chanyeol.

                Chanyeol então analisou Lee Joon Gi por um momento enquanto eles adentravam a sala do contador. Gi era mais baixo do que ele mais ainda assim era alto, possuía cabelos negros e lisos caídos sobre o rosto num corte jovial, Joon Gi era branco, magro e sorria para todos pelo caminho. Se não soubesse a verdadeira idade do outro, diria que ele não passava dos 23.

- Em que semestre você está? – Lee perguntou enquanto separava alguns papeis dispostos em sua mesa, Chanyeol apenas o esperava em pé.

- Estou no 4º...

- Ótimo, metade do curso – Lee sorriu em sua direção – Isso quer dizer que você já sabe elaborar textos e fazer análises das demonstrações contábeis, não é?

                Não, ele não sabia. Sorriu sem graça e balançou a cabeça em positivo.

- Si... Sim – mentiu pra não passar vergonha. Lee pareceu analisa-lo. Pegou uma das pilhas de papeis que havia separado e veio na direção de Chanyeol para o entregar.

- Seu trabalho é basicamente este: analisar as minhas demonstrações contábeis. Você vai fazer relatórios sobre elas, me entregar e eu vou corrigi-los.

- Corrigir? – Chanyeol perguntou desconcertado.

- O que foi? Achou que você ficaria aqui só me olhando? – O mais velho brincou.

                Sim, o pior era Chanyeol realmente achava...

- E se eu errar? – Joon Gi percebeu a apreensão na voz do mais novo. Ele colocou a mão em seu ombro ainda com um sorriso no rosto.

- Não se preocupe, eu não vou contar pro seu pai...

                Dito isto ele voltou a sua mesa para pegar algumas pastas.

- Você pode sentar-se aqui e usar o meu notebook mesmo – ele apontou para o aparelho branco ao invés do computador de mesa do escritório - Há algumas planilhas abertas se quiser e também há um modelo em Word de como eu quero o seu relatório. Você é fluente em inglês? – Chanyeol fez que “sim” com a cabeça, mentindo outra vez. Ele sabia a língua estrangeira mais não chegava a ser fluente – Ótimo, faça um relatório em inglês e outro em coreano.

- Inglês? Sério? – ele teria mais trabalho do que achava.

- Sim, preciso saber seu nível. Como chefe você terá que ler muitos documentos em inglês e redigir também... – ele falou simplório enquanto dava as costas ao maior.

- Sunbae – ele chamou e Lee voltou sua atenção a ele – Você tem internet aqui? – ele apontou para o notebook e Gi pensou por um instante.

- Sim mais não te aconselho a traduzir nada pelo google tradutor, se é nisso que está pensando. Se fizer, com certeza eu saberei.

- Não é nada disso – ele tratou logo de responder. Na verdade, além de traduzir ele também queria pesquisar sobre como fazer análises das demonstrações contábeis já que passara o semestre anterior quase todo faltando naquela matéria.

- Tudo bem, comporte-se. Eu não posso te vigiar o dia todo...

                E aquela fora a rotina de Park Chanyeol durante as duas semanas seguintes. Ele vinha as 8 horas da manhã, entregava os relatórios da tarde, Lee devolvia seus relatórios da manhã corrigidos e lhe dava mais demonstrações contábeis para ele analisar e lhe mandava sentar em sua mesa para que fizesse isso. Na maioria do tempo, Lee ficava lendo documentos sentado no sofá que havia ali ou então saia para seus afazeres na área administrativa, quando dava 14h, no máximo, ele voltava, pegava os relatórios do Park, lhe entregava mais demonstrações para serem analisadas em casa e o dispensava.

                E durante todo aquele tempo, Chanyeol não entregou um só relatório que não recebesse de volta com erros sublinhados ou marcados de vermelho. Lee Joon Gi corrigia até mesmo seus erros de gramática em inglês, faltando apenas colocar uma nota no canto superior da folha para que Chanyeol pudesse sentir-se na escola.

                E todos os dia Kim Jongin lhe mandava mensagens de texto, fazia ligações e ia até o portão da sua casa. E todas as vezes, Chanyeol ignorava, não só ele, mais qualquer pessoa ligada a Jongin.

                Por mais cansativo que aquela rotina fosse, e por mais carrasco que Lee Joon Gi parecesse ser, Chanyeol estava agradecido por aquilo, ocupava sua mente em Minyeol e em casa.

                Mais também ao contrário do que se possa imaginar, a cada dia Chanyeol sentia-se mais a vontade ali. Apesar de Gi ser como seu professor, ele era extremamente agradável, fazia piadas, trazia lanche e puxava assunto até sobre animais em extinção quando estava a sós com Chanyeol. Quando completaram-se as duas semanas, Chanyeol já respondia a Gi como se esse tivesse a mesma idade que ele. Não poderia haver momento melhor para ter conhecido aquela pessoa, a cabeça de Chanyeol relaxava e ele quase podia esquecer seus problemas.

- Hyung, traga-me um Subway de churrasco hoje.

- Você anda muito exigente, pirralho. Trate de terminar seus relatórios isso sim.

                Sim, sentia-se a vontade até para o chamar de Hyung, já que todo esse tempo não voltava para a faculdade e como não havia mais ninguém próximo a ele, Chanyeol acabou deixando-se levar pelo jeito amigável de Lee e tornou-se, podemos dizer que até uma espécie de amigo.

- Hyung, porque você me tratou tão informalmente esse tempo todo? – ele perguntou a título de curiosidade enquanto redigia seu relatório.

- Nunca gostei de formalidades – o outro respondeu apenas – Antes de contabilista eu era um professor de inglês, sei que um ambiente fica melhor para trabalhar se não houverem muitas formalidades... Chanyeol pode trazer pra mim esse caderno de anotações preto ai em cima? – o mais velho pediu enquanto lia alguns relatórios de gastos no sofá.

- Sim – o menor observou que sobre a mesa havia dois cadernos pretos idênticos. Ele pegou os dois e levou até o outro – Professor de inglês? – isso explicava as correções gramaticas em seus relatórios em língua estrangeira e a mania de rabisca-los de vermelho.

- Sim, eu dava aulas particulares e em uma escola de ensino médio de Gangnan... Ah, é esse – Gi pegou o caderno que parecia menos usado e Chanyeol folheou o que ficara na sua mão, enquanto retornava para a mesa.

- Você não era muito novo para ser professor?

- Tenho diploma de língua inglesa desde os 17 anos, fiz o teste de proficiência aos 18...

                Não era um caderno de trabalho, mais sim algo pessoal de Gi. Era cheio de rabiscos, desenhos, alguns textos, poesias e letras de música em inglês e coreano. Chanyeol reconheceu algumas. Gi até parecia um adolescente e desenhava bem, não como um criador de mangás, mais desenhava, a maioria deles retratava um garoto de sorriso aberto e eye smile*. Estranhamente, Chanyeol parecia reconhecer aquele desenho de certa forma, mesmo achando que nunca o tinha visto.

                Nas últimas páginas haviam folhas soltas guardadas e dois diferentes tipos de letras rabiscadas e pela cor meio amarelada, Chanyeol deduziu que talvez elas fossem antigas. Sem perceber o que estava fazendo acabou por ler o que elas guardavam.

                “Projeto Alegrar – Médicos do Bem J

                                                                  -Hyunnie

“Projeto Mãos Dadas ”

 “Lee Joon Gi, inspiration of my day. You saved me from the world” (Lee Joon Gi, inspiração do meu dia. Você me salvou do mundo)

                “Distraio-me e quase perco-me em seu sorriso, prendo-me ao teu cheiro e fito teus olhos para que pelo menos eu continue sã. As horas longe são torturantes mais quando estamos juntos mal pisco e você tem que ir. Não posso mais ficar tanto tempo longe. Seja meu para sempre, Gi...”

                Os dois primeiros pareceram ser projetos para médicos e alunos de medicina e os dois últimos... Chanyeol não sabia bem... Eram confissões de amor?

- Isso é particular... – Joon Gi disse sem mostrar muito interesse, após aproximar-se da mesa para organizar os papeis que acabara de ler. Ele não encarava Chanyeol e nem tão pouco parecia bravo.

- Me desculpe, é que... – Chanyeol sentiu-se envergonhado por ser pego.

- Não estou repreendendo você... Anda, vamos lanchar... – ele deu as costas para o mais novo e Chanyeol o acompanhou.

                Foram até a Subway próxima e pediram seus sanduiches, sentaram-se para comer mais Chanyeol não tirava os desenhos ou as coisas que havia lido nas folhas amareladas da cabeça. O que aquilo significava? Talvez Joon Gi quisesse ser médico ou sei lá... Fosse casado.

                O mais velho riu da expressão no rosto de Park Chanyeol.

- Ei, se quer perguntar alguma coisa, apenas faça – ele disse finalmente mordendo o sanduiche.

                Chanyeol hesitou.

- Vamos, estou te dando liberdade – Gi gesticulou com a mão em um pedido para que Chanyeol continuasse.

- Você queria ser médico? – foi a primeira coisa que lhe veio a cabeça.

- Quê? Não... – Gi franziu a testa negando – Não... De onde você tirou isso?

- Você trabalha num hospital e tinham aqueles projetos na agenda... Pareciam antigos eu pensei que...

- Não... Eu gosto de números! Aquilo era um sonho de adolescente da pessoa que eu gostava...

                Joon Gi falava tão naturalmente que Chanyeol sentia-se a vontade em fazer suas perguntas pois o outro nunca pareceu se restringia.

- Então essa garota que você gostava queria ser uma médica? – ele pergunto afim de sanar suas dúvidas - Por acaso ela trabalha no Minyeol?

- Eu não disse que era uma garota... – Chanyeol parou de mastigar na mesma hora - E não, ela não trabalha, ainda não deu tempo de se formar...

                Chanyeol não disfarçou seu espanto. Joon Gi não percebera no inicio mais olhou pra ele quando percebeu o silencio repentino.

- Não era uma garota? – Perguntou fazendo com que Joon Gi achasse que ele só havia escutado essa parte.

- O que foi? – Gi largou o sanduiche e cruzou os braços, arqueando uma de suas sobrancelhas – Vai descriminar seu superior? – Chanyeol engoliu os restos que haviam na boca, não tinha palavras.

                De repente tudo que ele tentava esquecer estava de volta em sua mente, Kai, a mentira e o beijo em Baekhyun. Malditos, o amigo, a paixão e até o seu superior? Chanyeol perguntou-se se aquilo era karma, talvez ele tivesse sido uma pessoa muito ruim e fosse algum tipo de justiça celestial.

- O gato comeu sua língua? – o mais velho perguntou ainda sério, parou de comer e esperou pela resposta.

- Não, é que... – parou novamente. Não dava para explicar aquilo para o mais velho. Sua expressão ainda não era boa e ele sabia que Lee estava o analisando. Precisa limpar sua mente, não podia transparecer que ele tinha problemas com aquilo. Joon Gi então suspirou.

-  Alguma vez você se apaixonou por alguém? – Não. Ele odiava aquelas perguntas. 21 anos na cara e Park Chanyeol nunca havia se apaixonado por ninguém. Não de verdade. Não por alguém que não fosse puro fruto de sua imaginação.

Não por alguém que não fosse Baekhyun vestido de mulher.

Droga

- Eu sou hetero! – respondeu no mesmo instante, o que fez Joon Gi rir.

- É, mais não foi isso que eu perguntei...

- É sério! – Tentou disfarçar mais havia um certo desespero em sua voz.

- Tudo bem, Chanyeol, só que não foi isso que eu quis dizer... – ele ainda tinha um sorriso no rosto mais Chanyeol parecia meio nervoso – Eu perguntei por que é mais fácil entender algo quando isso já aconteceu com você...

                Chanyeol assentiu, tomando um gole do suco que ele também havia pedido. No final, Chanyeol então entenderia, já que aquilo também tinha acontecido com ele.

- E você era apaixonado por... Um homem? – ele não se conteve, tinha que perguntar, algo nele queria aquela resposta.

- Mais não por um simples homem – Gi falava com tanta naturalidade que Chanyeol ficava perplexo – Por um dos meus alunos...

                Chanyeol tossiu engasgado pelo suco ao ouvir aquilo. Gi desviou o olhar, dessa vez havia ficado desconcertado.

- Por favor não pensa besteira de mim, não foi do dia pra noite, foi algo construído com o tempo... Ele era seis anos mais novo, foi difícil pra nós dois... O Baek era o meu melhor aluno, o mais educado, o mais centrado e o mais gentil...

                Baek? Aquele nome o perseguia mesmo... Não era possível...

 - Mais você não quer ouvir isso...

- Não, eu quero! – havia urgência na voz de Chanyeol e Joon Gi estranhou. De certa forma Chanyeol precisava ouvir aquilo.

                Gi concordou e continuou.

- Ele sabia quem ele era mais eu próprio não me conhecia, então... Quando eu comecei a dar aulas particulares a ele foi quando comecei a entender o que eu estava sentindo.

- E como você fez pra se livrar disso?

- Me livrar? Não, eu não queria me livrar, foi a melhor coisa que me aconteceu – Chanyeol engoliu em seco. Aquilo não era bom, não podia ser. Lee Joon Gi era doido.

- E então? – Chanyeol ansiava pelo final daquela história esperando que Lee dissesse que tinha acabado e que ele voltara ao normal.

- Isso é complicado... Quando você namora alguém que não é como você, num país como a Coréia do Sul e numa situação como a nossa, poucas vezes dá certo...

- Como assim? São dois homens...

- Chanyeol, você é lento desse jeito ou fez curso? – O maior ia responder mais não deu tempo – Estou falando de dinheiro. A família dele era rica e eu era só um professor de inglês que estava levando o filho deles pro mal caminho. Quando não conseguimos esconder mais e eles descobriram eu fui obrigado a sair do país para que ele esquecesse e seguisse com sua vida. Eu até cheguei a achar que essa era a decisão certa, mais no fim eu soube que ele se rebelou contra o pai e foi expulso.

                Pela primeira vez Chanyeol sentiu tristeza na voz do mais velho e aquilo o tocou de certa forma. Joon Gi piscou várias vezes antes de voltar a encará-lo e quando o fez, ele tinha um sorriso falso no rosto, como se tentasse ocultar outro sentimento por meio de seus lábios.

- E o que você fez? – dessa vez não ouve urgência em sua voz, Chanyeol não admitiria a ninguém, mais desejou que a história de Lee tivesse um final feliz.

- Nada – o mais velho soltou um riso triste desviando o olhar antes de voltar a o encarar – Eu fiquei lá, me formei com o dinheiro da família dele enquanto ele continuou aqui, provavelmente ocultando seus próprios sentimentos e sendo obrigado a ficar longe das pessoas que ele amava.

- Mais você voltou, você o procurou? Procurou saber como ele estava? – O mais novo perguntou, acabou que ele havia se envolvido com a história.

- Não, eu não posso, isso violaria o contrato que eu assinei...

- Que contrato?

- Você é ingênuo, mesmo sendo tão rico quando ele... Acha mesmo que o pai dele não iria se respaldar legalmente de alguma forma? Chanyeol eu não posso mandar mensagem, eu não posso ligar pra ele, eu não posso nem me aproximar por que isso violaria o contrato – O mais novo não soube como responder – Eu acho que ele seguiu com a vida dele, acho que ele continua fazendo as coisas que ele gostava de fazer e provavelmente ele é o melhor aluno da turma dele de medicina. Eu só quero acreditar que ele está bem.

- E o que é aquele caderno? Você ainda se importa com essa pessoa, devia pelo menos descobrir o que aconteceu com ele nesse tempo.

                Aquilo era engraçado, era mesmo Chanyeol quem estava dando conselhos?

- Não, eu não sei se conseguiria voltar a o encarar...

- Claro que consegue – ele não entendia porque está insistindo naquilo.

- E quanto a você e seu amigo Kim Jongin? – Gi cruzou os braços e arqueou uma sobrancelha.

- Como sabe disso? – Chanyeol perguntou alarmado.

- Como sei o que? Que você ta faltando aula pra passar a manhã no meu escritório fazendo relatórios? Que você desliga o telefone todas as vezes que Kim Jongin te liga? Que você faz cara feia todos os dias as 9h quando recebe uma mensagem que provavelmente é da mesma pessoa? Chanyeol, eu não sou cego e você disfarça muito mal... – Chanyeol queria um buraco pra poder enfiar a cabeça até que a vergonha passasse – Olha... Eu não sei dos seus problemas, mais se não está disposto a fazer as pazes você deveria pelo menos voltar pra universidade, acho que não tem nenhum contrato te impedindo de fazer nada...

- É complicado...

- Eu sei, deve ser mesmo, mais ponha a cabeça no lugar e pense se vale a pena ficar de birra com alguém que você gosta e se isolar por causa disso. Você está dispensado por hoje – Joon Gi tomou um ultimo gole do suco, largou o resto do pão sobre o papel e se levantou - Mais esse é seu dever de casa...

- Ya! Dever? Você não é meu professor!

- Ah não? Devia ter dito isso no segundo dia quanto pegou seus relatórios corrigidos e eu não disse, mais eles estavam horríveis.

- Aish! – ele respondeu mordendo o pão em seguida, chateado ao ver o mais velho se afastar.

                Mais Lee tinha razão, ele tinha que resolver seus problemas, já havia adiado aquilo demais.       ..


Notas Finais


Comentem, favoritem!
Acho que o próximo sai sábado ou domingo.
Obrigada por lerem! ♡♡♡
Até!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...