História Deep Cold - Capítulo 4


Escrita por: ~ e ~Gbizzle

Exibições 1.054
Palavras 1.720
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, Festa, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Insinuação de sexo, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Agradecimento nas notas finais!
Leiam as notas finais!
Leiam as notas finais!
•aviso importante nas notas finais•
Boa leitura •...• <3

Capítulo 4 - Warning


Point of view — Justin Bieber

— Precisa de mais alguma coisa?

— Não Ryan, eu to de boa — disse pela vigésima vez, aquele porra não me largava.

— Firmeza mas se precisar de mais uma coisa só dar um toque.

Nem respondi mais nada, apenas desliguei na cara dele saindo do meu carro. Era só o que me faltava. Ele precisava de um contrato que tinha deixado na casa do Chaz pra hoje e o filho da puta nem buscou.

Mas eu não ia deixar barato, depois ele se resolvia comigo.

Era 2:00AM e eu na casa do Charles pra pegar um bagulho que nem era pra mim. Entrando na casa, nem fiz silêncio, entrei com tudo. Não sou eu que estou dormindo, então fodasse se eles acordassem. Entrando pela cozinha ouvi um barulho diferente. 

Que porra é essa?

Seguindo meu caminho até o interruptor, acendi o mesmo. Não tive nem tempo de se quer ver quem era assim que senti a água gelada no meu rosto. Porra.

— AHH. — a vadia gritou.

— VOCÊ ESTÁ LOUCA PORRA? — gritei a fuzilando.

Tinha que ser a vagabunda da prima do Chaz. Essa mina tava tirando com a minha cara, só pode.

— Eu que estou louca? Olha como você aparece.

Chega. Essa garota vai ver com quem ta lidando. Vai aprender que comigo não tem dessas.

— você está fudida — me aproximei dela a prensando com força na geladeira, sentindo aqueles melões dos peitos dela sendo amassados pelo meu peitoral — Você já errou uma vez, mas continua persistindo no mesmo erro.

A cara dela estava hilária, a mina tava se borrando. Parecia uma criança com medo de algum monstro.

— Me... Me solta.

Era só o que me faltava.

— Cala a boca, acho melhor ficar quieta. — aproximei minha boca do ouvido dela — porque se alguém acordar, você não vai gostar nada do que vai te acontecer.


Point of view — Brooklyn Green

— o que você vai fazer comigo?

Justin estava tão colado comigo que eu me sentia esmagada do tanto que ele me apertava. Nossos quadris estavam colados e parecia que cada vez mais ele apertava. 

Garoto patético.

— O que você acha que eu vou fazer? — ele sussurrou novamente em meu ouvido, levando suas grandes mãos até minha bunda e apertando com força.

Travei.

Eu estava completamente em choque.

— me solta! — disse por um fio.

— Fica quieta ou eu vou te colocar de joelhos e calar sua boca logo logo — a voz dele saiu tão fria quanto a própria neve.

As mãos dele passavam com agilidade em meu corpo e eu nem se quer conseguia me mexer para impedir tal ato. Eu estava completamente em choque. Sentindo a mão dele parar no meio da minha bunda, ela foi abaixando até que estivesse perto da minha intimidade o que me fez ficar parada mais ainda, ele riu da minha reação.

— O que está acontecendo aqui? — ouvindo a voz da Tris, Justin rapidamente se afastou de mim.

— Nada que te interesse — ele deu de ombros.

 Tris me encarava séria, estava escrito na testa dela. Ela pensava que eu estava fazendo algo com o aquele babaca do Justin.

 — Brooklyn o que estava acontecendo ? — Tris perguntou séria me encarando e logo depois Justin com a roupa molhada. 

 — E-eu estava com sede e desci pra beber água mas aí me assustei com ele e acabei derrubando água nele. — No começo minha voz saiu embolada e só depois eu consegui manter a postura. 

 — Eu tenho mais o que fazer — Justin falou com desdém e saiu da cozinha nos deixando sozinhas.

 Após Justin sair ela me encarou muito mais firme que antes. 

 — O que foi ? — murmurei quase em um sussurro. Meus pensamentos me levavam para o lado da sacanagem.

 Merda Brooklyn se controla e para de pensamentos inapropriados com o senhor Justin grosseria! Será que o pau dele é grosso ? 

 Minha voz profunda da mente falava comigo. 

 Brooklyn já deu, acabou, nem com seu namorado você tem esses pensamentos. E além do mais, ele foi muito grosso com você.

 — Brooklyn! — Tris estralou os dedos bem próxima da minha cara me tirando dos meus pensamentos. 

 — Eu acho que vou dormir — suspirei voltando ao normal. 

 — Acho melhor fazer isso porque Chaz odeia que ficamos de madrugada bisbilhotando.

 — eu não estava bisbilhotando, só vim beber água — expliquei. 

 Peguei a outra garrafinha de água na geladeira e comecei a beber, dava até para sentir o gosto — que a água não tem — descendo minha garganta, de tanta sede que eu estava. 

 — Okay! — ela deu de ombros. 

 — eu só vou limpar essa água toda e ir dormir.

 — A empregada limpa amanhã cedo, não tem problema — ela me puxou pelo braço.

 — Então tá — achei melhor não negar. 

 Pela cara dela até parece que queria que eu ficasse longe de algo. 

 Voltei para o meu quarto e encostei a porta logo atrás de mim, segui para a minha cama e me deitei. Eu virava de um lado para o outro tentando dormir e o sono não vinha. Foi assim o resto da madrugada, meus pensamentos me levavam a minha mãe e ao Justin. Duas coisas nada haver uma com a outra e mesmo assim me levava aos dois. 

 Há alguns anos já foi difícil perder meu pai e agora minha mãe, realmente minha vida acabou. Não sei como vou encarar essa vida nova sem ambos. 

 Quando eu mesma esperava Justin vinha a minha mente novamente. 

 Aquele olhar frio fazia-me arrepiar  só de pensar. Foi estranho sentir o membro dele me roçando e ao mesmo tempo legal, e lá vou eu com meus pensamentos absurdos outra vez. 

 Fica fria Brook, você tem namorado.

 Já tinha feito algumas horas que o dia tinha chego e mesmo assim eu insistia de ficar naquela cama, não por sono, sim por desanimo e preguiça. Era tão bom acordar todos os dias com a minha me chamando para tomar café, o sorriso dela me acordando com beijinhos na bochecha. 

  -Flashback on- 

 Eu estava tão feliz porque o irmão da minha melhor amiga me pediu em namoro, ele já é universitário, estranho era o porquê ele escolheu uma garota do ensino médio sendo que ele pode ter várias universitárias gostosas. Eu insistia em ficar com os olhos fechados com medo de ser apenas um sonho o que estava acontecendo. 

 Ouvi a porta do meu quarto sendo aberta. Provavelmente era minha mãe vindo me acordar e perguntar o que estou fazendo ainda na cama.

 — Brook, filha! — ela deu um beijo na bochecha como ela sempre fazia desde que eu era pequena pra me despertar. 

 — Bom dia mãe — disse sorrindo ainda de olhos fechados. — eu estou acordada faz tempo. 

 — Então por que não desceu pra tomar café ? 

 — Porque eu estou sem fome — abri meus olhos e me sentei na cama.

 — agora me fala! qual o motivo dessa sua felicidade toda ? — mamãe perguntou curiosa. 
 
 — eu ia te contar ontem mas você demorou pra chegar, então... — sorri. 

 — Conta logo Brook eu to curiosa — ela se ajeitou ao meu lado.

 — Lembra do Derek, o irmão da Chloe ? — olhei para ela — ele veio algumas vezes aqui em casa. 

 Ela assentiu. 

 — Aquele garoto que você gosta e vive falando dele pra mim, certo ? 

 — esse mesmo... Então, ele me pediu em namoro ontem — disse feliz. 

 — Parabéns filha — ela sorriu — mas se ele te magoar você já sabe que eu vou matar ele, né ? 

 Soltei uma gargalhada com o que ela disse. 

 — sim mãe, eu sei. 

 — Então eu não sei muito dele, eu conheço os pais dele e também sei que ele já faz faculdade. Qual a idade dele ? 

 — Ele tem 19, depois do almoço ele vai vir aqui em casa pra te conhecer mais, já que vocês só trocaram algumas palavras. 

 — Eu não acredito que minha filhinha tá virando uma mocinha — ela choramingou de mentirinha — Eu já falei com você milhões de vezes sobre sexo, e agora que você está namorando eu espero que tenha guardado tudo o que eu disse em sua mente — ela me alertou.

 -Flashback off-
  
 — Ah mamãe, como era tão bom você ao meu lado — disse para mim mesma me levantando. 

 Caminhei até a varanda do quarto. Sem eu perceber algumas lágrimas caíram.

 Só de sair alguns segundos para fora, meus pés começaram a congelar. O céu estava cinzento e garoava um pouco por cima da neve. O inverno acabou de começar e a neve já é bem visível aqui, em Los Angeles neva bem pouco no inverno. Vou sentir muita falta dos meus amigos e das ruas de Los Angeles. 

 Olhei para baixo e vi o louco do Justin saindo de casa sem camisa, ele olhou para cima e me viu olhando para ele. E como ele é um ogro, ele me encarou feio e deu com o dedo do meio pra mim e logo depois entrou dentro da sua Ferrari. 

 Filho da puta, nem deu tempo de eu revidar. 

 Voltei para dentro encolhida de frio e fechei a porta da varanda, a calor do ar condicionado começou me aquecer mas não era o suficiente. Fui até o Closet e peguei um casaco e sai do mesmo me vestindo. 

 Toc, toc. A porta do quarto se abriu. 

 — Bom dia Brook — Tia Bonnie disse sorridente.

 — Bom dia tia! 

 — O café está na mesa, você não vai descer ? — ela perguntou. 

 — Eu só vou fazer uma coisinha e já desço. — respondi. 

 — Okay — ela assentiu e saiu quarto. 

 Fui para o banheiro, escovei meus dentes e depois desci lá para baixo. Chaz estava deitado no sofá comendo cereal. 

 — Oi baleia — brinquei me aproximando dele. 

 — Aqui é gordura de gostosura — ele deu com a língua. 

 Quando cheguei bem perto dele, roubei a tijela de cereal com leite e sai correndo e comendo ao mesmo tempo. 

 — Devolve sua magrela — ele correu atrás de mim — na sua casa não tinha comida não, por isso você é tão magra e rouba a comida dos outos — ele disse me segurando e rindo. 

 — trouxa! — dei com a língua mostrando o cereal mastigado. 

 Chaz fez cara de nojo e gargalhou e logo depois ficou sério, sua expressão de risinho foi pra mal-humorado. 

 — Eu preciso te dar um aviso! — ele disse indiferente. 

 — que aviso ? — Perguntei confusa. Ele mudou de expressão do nada ou eu que to louca?

 — Eu quero você longe do Justin, longe de todos os meus amigos que aparecerem aqui. Ficou claro !? 

 Continua...

 


Notas Finais


Antes de tudo eu (Roberta) e a Giovanna, queremos agradecer vocês por todos os comentários do último capítulo. E estamos surtando com quase 600 FAVORITOS só com 3 capítulos (4 agora né)
A Giih mandou falar que ama vocês <3 e eu também amo vocês <3
Não temos previsão para continuar, mas vamos fazer de tudo pra postar semana que vem. Mil desculpas pela demora minhas Colds.
E queria pedir a ajuda de vocês para nos ajudar a divulgar a fanfic. Indicam para as amigas, primas etc. Toda forma que quiser ajudar na divulgação é bem vinda!
Amo vocês!
Até o próximo capítulo Colds beijustin <3 *__*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...