História Definindo Pais e Amor - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Alvo Dumbledore, Bellatrix Lestrange, Draco Malfoy, Gina Weasley, Harry Potter, Hermione Granger, Lord Voldemort, Lucius Malfoy, Minerva Mcgonagall, Molly Weasley, Narcissa Black Malfoy, Rodolfo Lestrange, Ronald Weasley, Severo Snape, Tom Riddle Jr.
Tags Harry Potter, Hermione Granger, Severus Snape, Sevmione, Snamione, Ss/hg, Tom Riddle
Exibições 224
Palavras 2.125
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Ficção, Luta, Magia, Romance e Novela, Suspense
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


olha eu aqui de novo gente hahaha

Capítulo 3 - Motivação


Eu estou chorando de novo, como assim adotada, como assim não eram meus pais, por que me esconder isso durante tanto tempo.

Mas o mais importante... QUEM SÃO MEUS PAIS?

~~~~~~~~~~~~~~~~

A minha vida virou de cabeça pra baixo, me sinto até tonta, como assim adotada? Nem me recuperei ainda do choque de ontem e hoje já descubro isso, é tão injusto.

Vamos Hermione, você ao menos precisa se acalmar e usar esse cérebro que todos dizem ser inteligente. Mas como? Como me acalmar?.... já sei, vou fazer um chá de maça com canela, chá sempre me acalma e esse sabor é um dos meus preferidos.

Depois de um tempo sem pensar em nada, apenas apreciando meu chá, consigo relaxar todos os meus pensamentos que estavam embaralhados. Analisemos os fatos então, meus pais morreram, e só de pensar nisso sinto uma dor no peito, por mais que eu os queira de volta eles não vão voltar, eu preciso olhar pra frente, mais é tão difícil, eu preciso de um tempo para curar essa perda, eles não dizem que o tempo cura tudo? Pela primeira vez quero que quem disse isso esteja correto. 

Pare com isso Hermione, auto piedade não é o seu forte, voltemos aos fatos recentes, eu sou adotada! Porque esconder isso de mim? Quem são meus pais biológicos? Porque não me quiseram? Eles estão mortos? Eles ainda estão vivos? Eu quero encontrá-los? E se não for possível encontrá-los, eu quero saber quem são? Agora sim essa é a Hermione de sempre, com perguntas na ponta da língua, sempre questionando tudo. 

A pergunta que não quer calar é: eu quero saber quem são meus verdadeiros pais? Eu não sei se quero conhece-los, talvez eles não me quisessem e me abandonaram, ou talvez...... 

Do nada Hermione fica em silêncio seu rosto fica pálido e seus olhos ficam esbugalhadas quase saltam de seu rosto.

- Eles são bruxos!!! - Hermione grita com toda a sua força.

Sim! Agora que eu penso nisso, isso pode ser verdade quer dizer eu sou mais inteligente que todos da minha idade, e aprendo rápido os feitiços, talvez isso esteja relacionado com meus pais sendo bruxos. E eles podem ter me deixado no orfanato por causa de quão perigoso o mundo bruxo estava com Voldemort e seus comensais, sim, isso é uma possibilidade. Talvez eles só quisessem me proteger, oh não, e se eles morreram me protegendo? Não vá por esse caminho Hermione, vamos pensar positivo, começando por saber quem eles são. Então respondendo a pergunta, sim eu quero saber quem são, e eu vou até o fim com isso, porque uma vez que algo entra na cabeça de Hermione ninguém pode tirá-lo de lá. 

Por onde começar? A carta é claro, lá dizia o nome do orfanato em que fui adotada. 

Pequena Esperança, é o lugar em que minha aventura começa para descobrir a verdade sobre meus pais.

~~~~~~~~~~~~~~~~

- Tudo para o inferno!!!.- esse foi o grito que se ouviu por toda as masmorras essa manhã, vindo diretamente da sala de poções.

Sim, Severus, a sua vida é maravilhosa e as surpresas agradáveis que vem com ela são melhores ainda. Droga! De todos os ingredientes que poderiam faltar, o sangue de unicórnio deveria ser o último. Eu deveria ter checado antes, como eu deixei passar uma coisa assim, se eu não entregar ao Lord... céus, não quero nem pensar nisso, agora tenho apenas uma semana para encontrar um jeito de conseguir esse bendito sangue de unicórnio, eu poderia simplesmente encomendar no boticário na Travessa do Tranco, porém demoraria três semanas para chegar, e isso é tempo que não tenho. Pedir mais tempo ao Lord das Trevas não é uma opção, ele pode ter seus momentos de humanidade, mas prefiro não ariscar. Eu ainda tenho uma semana, posso pensar em alguma coisa até então.

Severus para seus pensamentos, quando o diretor Dumbledore sai da lareira, com vestes roxas brilhantes e aqueles olhos azuis cintilantes irritantes.

- Severus como vai o seu dia? Pela sua cara posso dizer que não está nada bom. - Albus Dumbledore fala com um sorriso doce como o mel. Velho intrometido.

- De fato. - ontem não foi o bastante? hoje também precisa uma dor na minha bunda?!

- Alguma vez já disse que amo suas respostas elaboradas?

- Fale logo o assunto que você veio me dizer Albus, não to com paciência pro seus joguinhos. - digo derrotado esfregando as têmporas, dor de cabeça em nível giant.

- Bem, primeiro eu apenas vim vê-lo para ver se você está bem depois de todos os acontecimentos de ontem.

- Eu não vejo sentindo nisso Albus, você deveria perguntar a Granger, ela foi a mais afetada até onde eu sei. - onde esse velho gagá quer ir com isso?

- Sim, é claro, mais desde que eu sei que você se preocupa com o bem estar da Srtª Granger, eu queria checar se você está bem e para não se preocupar, tenho certeza que a Srtª Granger está passando muito bem. - Dumbledore responde com uma voz inocente.

- Você ficou senil Albus ou suas balas de limões finalmente chegaram no seu cérebro! Pode parar com essas especulações idiotas, eu não me importo com os sentimentos de Granger, pra mim ela não passa de uma criança irritante sabe-tudo. Se ela está bem ou não, eu não ligo. - eu não ligo mesmo, dana-se Granger ou qualquer outra pessoa. Lá no fundo, bem no fundo você sabe que isso não é verdade. Cala-se consciência idiota!

- Não seja tão ruim Severus, eu sei que nas profundezas de seu coração de pedra , bem no fundo você se importa coma menina. E criança? Se você não percebeu  ela não foi uma criança por um logo tempo.

- Você vai parar de falar besteiras? Porque se não, eu peço que se retire diretor. - velho caduco, irritante!

- Tudo bem, tudo bem, eu vou parar....... por enquanto é claro. - respondeu Dumbledore sorrindo como um louco, Severus vendo isso apenas revirou os olhos entediado. - Mas mudando de assunto, eu precisava vê-lo o quanto antes, aquilo sobre ter alguém por trás do ataque aos Granger tem vindo a me preocupar bastante, nenhuma ideia de quem seja? - Albus rapidamente muda suas feições, ficando com um rosto sério.

- Como eu disse ontem Albus, não tenho ideia, e não consigo pensar em ninguém, mais porque tanta preocupação assim Albus? Granger como amiga de Potter é um alvo bastante óbvio.

- Você já parou pra pensar Severus, que o ataque foi bastante intencional, não por Granger ser amiga de Harry, mas por ela ser apenas Hermione Granger? 

- Eu não vejo aonde você quer chegar Albus, porque então esse interesse por Granger?

- Exato Severus, porque esse interesse na Srtª Granger?

~~~~~~~~~~~~~~~~

Encontrar a localização do orfanato não foi realmente uma tarefa difícil, eu vasculhei os documentos dos meus pais e encontrei a certidão de adoção com o endereço. Por sorte ‘Pequena Esperança’ não fica tão longe daqui, seria um problema se eu tivesse que aparatar, eu decido ir a pé mesmo, assim posso pensar no que dizer quando chegar lá.

Da pra perceber que o lugar é bastante agradável, a rua é tranquila, e a vizinhança parece ser boa, ate agora só vejo casas, e um pequeno prédio no fim da rua, só pode ser ali.

Oh, não. Eu posso ver que as portas estão fechadas e o prédio parecer está abandonado, será que estou no local correto, é claro que estou, o orfanato deve ter fechado, lá se vai minha esperança.

Eu dou o meu primeiro passo indo embora quando ouço um ruído de porta abrindo e fechando atrás de mim. Eu me viro para olhar e vejo um senhor saído do prédio, talvez ainda há esperança...

- Com licença senhor, mas aqui não é o orfanato ‘Pequena Esperança’?

- Sim, minha jovem, mas o orfanato mudou de endereço já faz alguns anos.

- O senhor por acaso não saberia me informar o novo endereço?

- Você está com muita sorte senhorita, eu sou o jardineiro do orfanato, e como a Senhora Sara mesmo tendo mudado o orfanato de lugar ainda me pedi para aparar a grama aqui uma vez por mês. 

- Senhora Sara? Esse é o nome da diretora do orfanato?

- Sim, ela não é só a diretora, mas também é a fundadora do orfanato. O novo endereço é em Store St. você vai encontrar rapidinho, o orfanato é um prédio azul um pouco maior que esse, não tem erro.

- Obrigado senhor, o senhor não tem ideia de quanto me fez feliz, obrigada de novo.

- Sem problema minha jovem, tenha um bom dia.

Eu digo bom dia de volta, acenando enquanto eu vou embora, eu não acredito em quanta sorte eu tive, só pode ser o destino que está a meu favor.

Logo chego a Store St. não era tão longe assim, aquele senhor tinha razão não teve erro, assim que viro a esquina eu posso ver o prédio azul com uma placa muito chamativa escrito ‘Pequena Esperança’. 

Entro no orfanato e posso ouvir vozes de crianças rindo e brincando, sou recebida por uma jovem loira muito sorridente.

- Olá, que posso fazer para ajudar você senhorita? - a jovem me pergunta com um sorriso.

- Eu estou aqui, porque quero muito falar com a Senhora Sara, me disseram que ela é a fundadora do orfanato.

- Isso é verdade, ela ficará muito feliz com sua visita, Senhora Sara gosta muito de convidados. Por favor, siga-me.

Eu sigo a menina loira, até uma porta quase no fim de um corredor, a menina bate na porta e me diz para entrar. A sala é muito aconchegante, com um sofá verde e várias poltronas coloridas, sentada atrás de uma mesa, eu vejo uma senhorinha de aparecia gentil sorrindo pra mim.

- Por favor, senhorita sente-se, chá?

- Sim, por favor. 

- Eu sou a Senhora Sara, diretora e fundadora do orfanato ‘Pequena Esperança’, o que posso fazer por você hoje senhorita?

- Eu sou Hermione Granger, é um prazer conhecê-la Senhora Sara, eu vim aqui na verdade atrás de respostas.

- Respostas?

- Sim, você vê, eu acabo de descobrir que sou adotada, e que fui adotada aqui, e eu queria saber se a senhora saberia me dizer alguma informação sobre meus verdadeiros pais.

- Hmm, eu tenho uma memória muito boa menina, eu me lembro de todas as adoções nesses longos anos, você disse que seu nome é Granger? Hermione Granger?

- Sim senhora.

- Vamos ver.... Hmm... sim é claro! Eu me lembro, o seu caso foi o primeiro que já aconteceu. Veja, geralmente, quando as crianças são deixadas aqui, ou as mães a deixam na porta, ou elas me entregam sem nenhuma palavra, a mulher que deixou você aqui bateu furiosamente na porta do orfanato, quando eu abrir tive uma grande surpresa, porque na porta estava uma mulher com um rosto muito desesperado, me dizendo para cuidar de sua filhinha e que seu nome era Hermione. Eu me lembro muito bem, você era o bebê mais bonito que eu já tinha visto, mais assim que olhei novamente para a mulher ela tinha desaparecido na noite, no dia seguinte, um casal de dentistas veio ao orfanato em busca de uma menina para adotar, não me surpreendeu que eles se encantaram com você, como eu disse, você era a coisa mais linda que eu já tinha visto. 

Assim que a Senhora Sara terminou de contar a história eu tinha lágrimas nos meus olhos, minha mãe... minha mãe tinha dito para cuidar bem de mim, isso prova que ela não queria me abandonar. Agora mais do que nunca preciso encontrar meus pais verdadeiros.

- Oh querida, não chore, eu tenho certeza que sua mãe tinha motivos para deixá-la no orfanato, assim como tenho certeza que os Granger lhe deram muito amor.

- Sim, Senhora Sara eles fizeram, me deram muito amor, foram pais incríveis. A senhora tem mais alguma informação sobre meus pais verdadeiros? A senhora viu como minha mãe se parecia?

- Eu temo que isso seja tudo o que sei, quanto aparência da sua mãe, eu não vi muita coisa, por causa do capuz que ela usava, mais pelo pouco que vi ela era uma mulher muito bonita com cabelos enrolados. Espero ter ajudo.

- A senhora não tem ideia de quanto me ajudou com essas pequenas informações, obrigada muito obrigada, Senhora Sara.

Eu me despeço da Senhora Sara e volto pra casa, com um pensamento, onde consigo mais informações sobre meus pais?

Vou ir a Hogwarts! Talvez eu encontre algo que me ajude a localizá-los na biblioteca. Sim, está decidido, Hogwarts ai vou eu.

 


Notas Finais


Alguém sabe o que se faz com sangue de unicórnio? porque eu não faço a minima ideia kkkkkk


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...