História DEMON - Taehyung - [BTS] - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Personagens Originais, V
Tags Bts, Demon, Evil, Faculdade, Hentai, Selfinserction, Taehyung
Visualizações 654
Palavras 1.247
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção, Hentai, Luta, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Self Inserction, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor



Capítulo 8 - Paris Can Wait


Fanfic / Fanfiction DEMON - Taehyung - [BTS] - Capítulo 8 - Paris Can Wait

Os dias de aula foram se passando, por incrível que pareça, Taehyung não me zoou. Justamente porque não dirigiu a palavra para mim ou sequer sentou atrás, lugar dele e dos amiguinhos. Passou a semana sentando longe de todos. A sala estava começando a esvaziar, muitos desistiram do curso.

|Sexta-feira; 11:40|


- Anne! Ei! Você já vai embora? - Era Namjoon, correndo todo destrambelhado para me alcançar no portão.

- Oi, Namjoon! Já estou indo sim. Por quê?

- Não tenho conseguido falar com Mia e não a ví durante a semana... Eu sei que de vez em quando ela dá umas sumidas, mas eu estou preocupado com ela.

- Ah, ela 'tá bem. Vou falar com ela e pedir que fale com você. Ok?

- Sim. Não vai ficar pro último tempo?

- Não posso. Hoje eu tenho um compromisso.

- Até você? Poxa, o Tae nem veio porque disse que tinha que descansar para um compromisso importante...

- É com ele o compromisso.

- Com ele? Mas... Eu achava que... - Abriu um sorriso ladino.

- Não pensa nada não, viu. Ele se ofereceu para ajudar a levar uma idosa daquele asilo para passear. Só aceitei participar porque eu gosto muito dela e adoraria vê-la alegre.

- Poxa, que legal... Bom passeio então. Fala com a Mia por mim, ok?

- Pode deixar, menino apaixonado, eu vou falar.

Ele correu para o prédio da faculdade e eu fui pegar meu ônibus. Fiquei mais de vinte minutos no ponto à espera do ônibus que leva pro asilo.

[...]


Desci no ponto e logo ví Taehyung apoiado em seu carro, estava de braços cruzados e cara fechada.

- Vamos entrar? - Falei passando por ele.

- Você está atrasada. - Falou vindo atrás de mim.

- Que eu lembre, não combinamos horário.

- Você combinou que viria depois da faculdade, só leva meia hora de lá até aqui.

- É, leva. Mas eu peguei dois ônibus e esperei vinte por um. Ainda saí mais cedo para não demorar o dia inteiro.

- Que seja!

Passamos pela porta e nada do senhor Hyun, subimos para ir ao quarto de Jigong, até que um enfermeiro me chamou.

- Você é a menina que estava falando com o senhor Hyun no dia da visita?

- Sou eu sim.

- Bem, é meio difícil dar este tipo de notícia, mas como deve saber, o senhor Hyun tinha Alzheimer. Ele teve uma parada respiratória e se foi ontem de noite.

- E-e agora? O-onde ele foi enterrado? - Minha voz vacilava.

- Ele foi cremado e vamos o jogar no mar. Ordens da família.

- E a família não vai fazer isso? - Taehyung perguntou sério. Sua voz saiu grossa.

- Infelizmente não. Bem, eu preciso ir, a senhora Jigong já está pronta.

Fizemos reverência e fomos para o quarto da senhora Ji para buscá-la. Ela estava muito fofa, uma calça rosa claro, uma blusa no mesmo tom com vários pássaros e um casaco pendurado nos ombros.

- Está bonita, senhora Ji! Vamos?

- Vamos. Vocês também estão lindos.

TAEHYUNG ON


Dei o braço para a senhora Ji e a ajudei a descer as escadas de madeira da casa de repouso. Abri a porta do carona para ela e puxei o cinto, Anne foi atrás.

- Onde a senhora gostaria de ir? - Perguntei.

- Eu nunca fui ao cinema...

- Nunca? Quer de ir?

- Quero sim!

Dei partida no carro e peguei o caminho para o shopping. Observei pelo retrovisor e ví Anne apoiada à janela direita, ela ia olhando a paisagem e parecia pensativa.

- Anne. - Chamei.

- Huh? O que foi?

- Está assim por causa do senhor Hyun?

- Estou sim. Falamos pouco mas ele era especial.

- Hm...

Tornei a dirigir e parei o carro perto do elevador, Anne desceu com a senhora Ji e foram indo devagar para o elevador. Estacionei numa vaga perto e fui correndo para as encontrar.

- Três ingressos para Paris Pode Esperar. - Pedi. Anne colocou uma mão em meu ombro.

- Não vai pagar o meu, não é?

- Vou sim.

- Não, Taehyung. Eu posso pagar.

- Não. Eu pago e sem discussão.

Ela foi andando com a senhora Jigong e a deixou sentada no sofá, foi para a fila da pipoca e assim que peguei os ingressos fui para perto da mais velha. Me sentei passando o braço por cima do encosto, atrás dela.

- Você gosta dela, não gosta? - Quebrou o silêncio.

- Como assim, senhora Ji?

- Dá para ver pelas suas atitudes.

- Como assim?

- A primeira vez que os vi, achei que eram namorados só pelos seus olhares para ela, depois veio de surpresa me ver e a colocou no passeio sem hesitar. Ainda pagou os ingressos e ficou a observando enquanto dirigia.

- Mas nós nem somos amigos, senhora Ji.

- Não?

- Não. Eu fui um babaca com ela e acho que depois do que eu fiz não dá para apagar. Ela está certa em me odiar.

- Você derrubou o café sem querer, essas coisas acontecem.

- Não foi sem querer. Eu queria a fazer passar vergonha, mas depois da foto que ví, aquilo me fez ver o quão idiota eu sou.

- Que horror, menino. Por que queria a fazer passar vergonha?

- Sei lá... Eu fazia isso com algumas pessoas junto dos meus amigos, no primeiro dia da faculdade a gente queria achar um alvo para nos divertir e ela era a diferentona. Só que eu não consigo aceitar o que fiz.

- Se arrependeu, não é?

- Muito...

Olhei para frente e ví Anne caminhando com uma pipoca enorme, chocolates e um monte de refrigerante numa bandeja enorme.

- Pegue a bandeja. - A mais velha cochichou.

Me levantei e fui pegar a pesada bandeja de Anne. Entramos no cinema e fomos sentar em nossos lugares. A senhora Ji ficou entre nós, ela estava uma fofura com óculos 3D.

- Tira uma foto comigo? - Pedi.

- Não posso negar uma foto ao lado de um bonitão. Posso?

Sorri rindo tímido e peguei o celular no bolso, tirei uma selfie com a senhora Ji, acho que deveria mandar revelar e colocar num porta-retrato em minha casa.

- Você se veste igual meu marido, quando ele era vivo.

- Ah, eu gosto de roupas assim...

O filme começou e o tempo todo observava as duas. Anne até que é bonitinha...

[...]


Levamos a idosa no Outback, ela estava toda feliz por passear e Anne a levou em várias lojas, inclusive de maquiagem, onde a idosa comprou um batom claro.
A deixei no asilo por volta de cinco da tarde.

- Foi um prazer passear com vocês. - Ela disse sentando em sua poltrona com minha ajuda. - E você, meninão. - Puxou-me para falar em meu ouvido. - Eu sei que gosta dela, então tente se redimir.

Assenti com a cabeça e andei para a porta, Anne foi abraçar a mais velha e veio logo atrás. Estava segurando a maçaneta para fechar e ela passou por mim, a acompanhei com o olhar e meus olhos rapidamente bateram em seu decote, desviei o olhar logo em seguida e fechei a porta.

- Vou te deixar em casa. - Ditei.

- Não precisa, pego o... - A interrompi antes que terminasse a frase.

- Você não vai pegar dois ônibus se eu estou de carro.

- Por que está sendo gentil comigo?

- Prefere que eu seja rude?

- Nenhum dos dois. Prefiro que me deixe em paz.

- Por que é tão marrenta?

- Eu não sou marrenta! - Bufou. - Eu só não gosto de você.

- E nem eu de você. - Falei irritado. - Pegue um ônibus calorento então.

Entrei em meu carro irritado, pelo menos economizo quinze minutos do trajeto para me arrumar para a festa de hoje.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...