História Demon - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO, Lu Han
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Kris Wu, Lay, Lu Han, Sehun, Suho, Tao, Xiumin
Tags Deathfic, Demon!au, Exo, Hunhan, Lemon, Lu Han, Menção Chanbaek, Menção Sulay, Oh Sehun, Otp, Sobrenatural, Yaoi
Visualizações 150
Palavras 2.029
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Ficção, Lemon, Romance e Novela, Sobrenatural, Terror e Horror, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


SOCORRINHO ÚLTIMO CAPÍTULO, EU NEM TO ACREDITANDO QUE CONSEGUI TERMINAR ELA MANO.

Ai eu to um pouquinho sensível :')

Queria pedir desculpas pelo lemon meio merda, porque lemon definitivamente não é o meu forte.

Enfim, boa leitura minha gente.

Obs: primeiro parágrafo ficou bugado dnv essa bagaça

Capítulo 5 - Chapter five - The last.


Três meses já havia se passado desde o sonho com o Sr. Kim e desde então o pobre Luhan vinha tendo sonhos estranhos durante a noite. O garoto estava deveras assustado por conta dos sonhos que podiam ser comparados a verdadeiros filmes de terror, por isso tentava não dormir durante à noite, o que nunca dava certo, já que mesmo que tivesse tomado uma garrafa inteira de energético e pílulas de cafeína, um sono descomunal lhe atingia assim que se deitava na cama. O chinês até tentava lutar contra o sono e vez ou outra conversava com o namorado para tentar se manter acordado, mas de nada funcionava já que cinco minutos depois o garoto estava completamente apagado.

— Amor, você está muito paranóico. – Sehun comentou enquanto observava o namorado andar de um lado para o outro pelo quarto. O chinês estava ocupado demais criando teorias sobre o porquê de estar tendo aqueles sonhos constantemente para dar atenção à fala do loiro. O demônio estava se segurando para não rir diante da cena. Ele adorava o modo como Luhan ficava atordoado por sua causa. — Luhan, desse jeito você vai furar o chão. – Debochou do mais velho, sorrindo divertido ao sentir o olhar matador do outro sobre si.

— Você deveria me ajudar ao invés de ficar fazendo comentários inúteis. – Revirou os olhos, cruzando os braços ao se virar para o loiro. — Qual é, Hun! Eu não estou ficando louco, tenho certeza que há alguma explicação pra tudo isso. — Sehun apenas negou com a cabeça, arrastando-se para a ponta da cama e esticando os braços para alcançar Luhan, puxando-o para si e assim que o fez, colocou o mais baixo sentado em seu colo e colou seus lábios em sua bochecha, deixando um beijo casto ali.

— Não há explicação alguma. Você apenas anda pensando muito nisso e acaba tendo esses sonhos. – Levou uma das suas mãos esguias aos fios castanhos do chinês e fez um breve carinho ali, lançando um pequeno sorriso ao ver um biquinho se formar nos lábios rosados. — Você precisa relaxar.

Luhan sequer teve tempo de responder, já que logo o demônio havia o colocado de bruços na cama.

— Eu não preciso relaxar. – Disse, tentando parecer bravo, o que de certo não funcionou, já que a voz saíra um tanto manhosa e sua expressão era extremamente fofa, com o cenho franzido e um bico tomando seus lábios.

—Claro, claro. – A voz do outro soou carregada de ironia, tal fato fez Luhan revirar seus olhos. Sehun retirou a camisa vermelha que o chinês vestia, jogando-a em um canto qualquer do quarto ante de se sentar sobre si com uma perna de cada lado da sua cintura, apoiando seu peso em seus joelhos. — Vou te fazer uma massagem. – Oh murmurou, levando suas mãos um tanto gélidas às costas do garoto e massageando os músculos tensionados. Os dedos deslizaram até o pescoço e desceram novamente, fazendo uma massagem gostosa nos ombros do mais velho.

Logo as mãos esguias estavam sobre as nádegas arrebitadas de Luhan, e o demônio não hesitou ao apertar fortemente o local e desferir um tapa ali, tal ato arrancou um gemido baixo do chinês.

O loiro se curvou apoiando os braços nas laterais do corpo do outro e colou os lábios úmidos em seu pescoço imaculado, distribuindo beijos e leves chupões por sua pele branquinha e descendo por sua espinha até que pudesse alcançar o cós do short curto do outro com a boca. Retirou a peça do corpo bem esculpido, deixando-o apenas com uma boxer azul marinho, a qual logo levou o mesmo rumo que o short. Oh fez com que Luhan empinasse, deixando-o praticamente de quatro sobre a cama, e separou as nádegas, sentindo a boca salivar com a visão da entrada rosinha e pulsante. Logo aproximou seu rosto e colocou a língua pra fora, deslizando-a ao redor do buraco.

À essa altura, o chinês já estava completamente relaxado e sequer se lembrava do seu próprio nome. Oh Sehun o deixava louco.

O demônio apertou a carne macia das nádegas do menino, concentrando-se em mover o músculo úmido e quente de forma lenta no interior do outro, buscando por mais dos gemidos baixos e manhosos que saíam pelos lábios rosados. Quando a entrada estada devidamente lubrificada, Sehun se afastou e retirou sua calça juntamente com a boxer, que eram as únicas peças que cobriam seu corpo bonito.

Luhan voltou a se deitar de costas, mordendo os lábios ao ter a visão do corpo nu do namorado. O loiro era, definitivamente, a visão do pecado. Sehun era como um desconhecido, e o chinês não se cansava de se perder entre os traços que delineavam seu corpo, conhecendo-o cada vez mais. O acastanhado ergueu suas mãos levando-as ao abdômen definido do outro e deslizou as pontas dos dedos por ali, ousando arranhar a pele leitosa.

— Gosta do que vê? – O demônio indagou, esboçando um sorriso ladino repleto de malícia e extremamente sexy. Segurou a mão do mais velho, esse que soltou um risinho antes de ter sua mão guiada ao falo duro e gotejante de pré-gozo do outro. Fechou sua palma ao redor do comprimento, movendo-a de forma lenta e torturante. Deslizou o polegar pela glande avermelhada e pressionou a ponta do dígito alí, não contendo um sorriso ao que o outro gemeu baixo e em um tom rouco, enquanto tombava a cabeça para trás.

Luhan levantou se do colchão ficando de frente para o mais novo e guiou sua boca ao pescoço exposto, não hesitando em chupar toda a extensão do pescoço, deixando marcas fortes e visíveis à qualquer pessoa. Arrastou os lábios pela mandíbula e bochecha do loiro até que alcançasse sua boca, logo iniciando um beijo agitado e quente. As línguas enroscavam-se procurando por espaço em uma dança rápida e deliciosa, enquanto as bocas se moviam uma contra a outra com avidez, procurando cada vez mais degustar do gosto único que cada uma exalava.

As mãos esguias do mais alto agarraram as coxas fartas do acastanhado, erguendo seu corpo e entrelaçando as pernas em seu quadril. O ósculo era interrompido apenas para que baixos gemidos escapassem dos lábios de Oh, que tinha seu falo ainda sendo acariciado pelo outro. Sehun caminhou até a porta do quarto, pressionando as costas do namorado ali enquanto simulava leves estocadas contra a mão do mesmo. Apesar dos movimentos quase superficiais, Luhan sabia exatamente como e onde tocar o loiro, sabendo como proporcioná-lo prazer mesmo com mínimos toques.

O castanho fora colocado no chão assim que o ósculo foi finalizado, seu corpo foi virado bruscamente, fazendo-o bater o tronco contra a madeira. O membro ereto do outro era pressionado contra suas nádegas redondinhas com precisão. tal ato arrancava baixos arfares do chinês.

— V-vai logo com isso, Sehun-ah… – Implorou, movendo o quadril em direção ao falo do outro em uma tentativa falha de ter mais daquilo. O loiro sorriu de forma maliciosa, desferindo um tapa forte na nádega direita de Luhan, lambendo os lábios ao ver os dedos esguios completamente marcados na pele branquinha. O chinês gemeu alto, sentindo seu membro pulsar em pura excitação.

— Quietinho, Lu. – O mais novo ordenou, para então suas mãos apossarem-se da carne macia da bunda do chinês e apertá-la com vontade. Separou as bandas deixando a entrada pequena e rosinha completamente exposta para si, não demorando muito mais para se afundar no interior quente e apertado. Um gemido melodioso deixou os lábios de ambos, enquanto Luhan pendia a cabeça para trás apoiando-a em um dos ombros do mais novo.

Mesmo com a dor por não estar devidamente lubrificado, o ato tão sujo, mas tão fodidamente gostoso, tornava-se prazeroso ao extremo para o jovem chinês.

Sehun não se deu o trabalho de esperar que o outro se acostumasse para começar à se mover rapidamente, investindo com força contra o interior do castanho. Ele teve certeza de que havia achado o ponto doce do mais velho ao escutar um gemido consideravelmente mais alto e esganiçado deixar a boca vermelha e levemente inchada. Acertou novamente ali, apenas para sentir o corpo ligeiramente menor tremer em deleite em suas mãos fortes.

— Você gosta quando eu te fodo assim, bebê? – Murmurou em um tom rouco ao pé do ouvido de Luhan, suas mãos ocupando-se em apertar a cintura bem desenhada do outro, não tendo dúvidas de que suas marcas ficariam estampadas ali durante um bom tempo. — Gosta quando eu acerto aqui, uh? – Saiu por inteiro do menor para então voltar com brutalidade, acertando novamente a próstata do mais novo, este que respondia apenas com gemidos altos e pedia por mais. Os dedos do loiro deslizaram pelo tronco levemente até alcançarem o mamilo esquerdo do chinês e passaram a brincar com o pequeno botãozinho rosado, apertando-o e puxando-o vez ou outra. — Responda! – Ordenou firme.

— E-eu gosto… – Respondeu em um fio de voz, abrindo os lábios em um gemido e silencioso ao que Sehun novamente o estocou.

O demônio logo voltou a se mover, estocando forte e fundo o menor, sempre sendo certeiro ao acertar aquele ponto.

Em poucos minutos, Sehun sentiu o falo pulsar entre as paredes contraídas, indicando que logo seu orgasmo viria à tona. Retirou a mão que apossava-se da cintura do menor dali, pousando-a nas costas do castanho. Um sorriso repleto de maldade se fez presente em seus lábios ao ter a visão das suas unhas crescerem de forma até exagerada, acabando por ficarem extremamente longas e afiadas o bastante para cortar um pedaço de carne com apenas uma tentativa.

— Eu te amo, Hannie. Nunca se esqueça disso. – Sussurrou para o outro, deslizando as pontas das unhas afiadas pela pele do mencionado. Apenas isso foi o bastante para que cortes se abrissem no local, e para que o sangue começasse a escorrer pelo corpo do castanho. Luhan arregalou os olhos ao sentir um ardor insuportável se instalar em sua tez, apoiando as mãos na porta e pressionando os dedos contra a mesma.

— O-o que é isso, Sehun? – Perguntou ainda assustado, já não dando tanta importância às investidas em sua entrada.

— Não se preocupe, não é nada demais. – Respondeu calmo, distribuindo beijos pelo pescoço já marcado do chinês. Roçou seus dentes ali, para então dar continuidade à sua fala. — Eu estou bem aqui, fique calmo. – Disse, abrindo um sorriso em seguida.

Luhan sentiu todo o seu corpo congelar e o medo tomou conta de si. Porra, era exatamente a mesma frase que Sehun havia lhe dito em seu primeiro sonho, e ao ver do castanho, o namorado sabia exatamente disso.

Sehun riu alto, como se alguém tivesse lhe contado a melhor piada que já existira. Riu pela ingenuidade do garoto, e riu por saber que estava o deixando com medo. Estava satisfeito, mas não por completo.

— Você é tão bobinho, Lu. – Disse, desferindo um último beijo em seu pescoço. Sehun com certeza sentiria falta de deixar marcas ali. — Até mais, bebê. Foi bom te conhecer. – Disse por fim. O chinês sequer tinha alguma reação, pois havia congelado em seu próprio lugar, não movendo um músculo sequer.

O loiro não hesitou ao cravar as unhas afiadas no corpo do menor, rasgando sua pele e adentrando a mão no corpo, até que alcançasse o coração ainda pulsante. Sem dúvidas o cheiro forte do sangue junto à sensação de sentir o coração da sua vítima bater entre seus dedos era uma das melhores coisas do mundo. Logo a unha do indicador perfurou o órgão e não demorou muito para que o coração de Luhan parasse de bater.

Sehun retirou sua mão dali e levou-a para seus lábios, colocando um dos dedos dentro da boca, degustando o sabor do sangue fresco do, agora, ex-namorado. Sem dúvidas um dos melhores que já havia provado. Ao se desfazer dentro do corpo já sem vida, deixou que um gemido alto de satisfação deixasse sua boca.

Se afastou pegando o chinês no colo e levou-o até a cama, deitando-o com cuidado alí.

Vestiu suas roupas com calma, por fim ajeitando seus fios loiros. O demônio deu uma rápida olhada no corpo nu, sorrindo de canto ao lembrar de todas as vezes que havia fodido o chinês, de todas as formas possíveis. Definitivamente sentiria falta disso.

—Annyeong, Luhan.


Notas Finais


Talvez tenha uma segunda temporada, talvez não... Quem sabe não é mesmo? Agsudjdj

Quero agradecer todos que leram e comentaram os capítulos, isso é realmente muito importante ora mim, e eu fico muito feliz vendo o tanto de visualizações subirem e os comentários aparecendo nas minhas notificações.

Eu to um pouquinho chorosa por já ser o último capítulo, masok :')

Leiam minha nova Fanfic de vhope please :3
https://spiritfanfics.com/historia/10-maneiras-de-nao-conquistar-jung-hoseok-9825905


Até mais meu povo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...