História Demônio - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Deidara, Fugaku Uchiha, Gaara do Deserto (Sabaku no Gaara), Hanabi Hyuuga, Hashirama Senju, Hinata Hyuuga, Ino Yamanaka, Inochi Yamanaka, Itachi Uchiha, Jiraiya, Kaguya Ootsutsuki, Kakashi Hatake, Kushina Uzumaki, Madara Uchiha, Mikoto Uchiha, Minato "Yondaime" Namikaze, Naruto Uzumaki, Neji Hyuuga, Sasuke Uchiha
Tags Abo, Ação, Drama, Madahina, Naruto, Romance, Sobrenatural
Exibições 60
Palavras 3.304
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção, Hentai, Lemon, Luta, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Obrigada pelos comentários e favoritos!
Desculpe por qualquer erro de ortografia e concordância!
Não vou enrolar muito por aqui, mas nas notas finas tem aviso.
Boa leitura!

Capítulo 3 - Todos os vôos começam com uma queda


Fanfic / Fanfiction Demônio - Capítulo 3 - Todos os vôos começam com uma queda

CAPÍTULO II - DEMÔNIO

Por @Vikander

 

Uma vez quando Hinata tinha seis anos, ela observou um passarinho cair e quebrar a asa. Hinata lembra-se de tê-lo pego com o máximo de gentileza e cuidado, e de levá-lo até sua mãe. Ela lembra-se de que juntas, elas cuidaram do animalzinho por quase um mês. E depois do pobre pássaro ter ficado curado, elas o soltaram. Hinata na sua tenra idade, ficou admirada com a beleza do voo. Admirada por ver um animal tão pequeno e frágil ganhar os céus. Ela lembra-se de pensar: qual a sensação de voar?

Seguramente, Hinata descobriu á partir das suas aulas particulares de educação, como os pássaros conseguem voar. E não era nada tão mágico quanto a sua mente de criança imaginava. Porém, apesar disso, Hinata nunca descobriu qual a sensação de voar. Agora, no entanto, ela sabia qual era a sensação de cair. Porque Hinata Hyuuga, sentia-se em queda. Um profundo abismo parecia se abrir diante dela, sugando cada resquício de energia que ela ainda, poderia ter, depois de ter passado horas orando para a Deusa Mandra. A Deusa da proteção.

Uma risada nasal irônica escapou pelos lábios da herdeira Hyuuga. Pelos Deuses! Hinata havia orado pedindo proteção.

__ Casamento __ repetiu. __ Casamento.

A palavra recordava-a, estranhamente, uma camélia amassada, quando as sacerdotisas extraiam o sumo, para fazer remédio. Uma palavra escorregadia e mórbida. Inusitadamente era isso que Hinata Hyuuga era agora, uma camélia amassada. Hiashi Hyuuga havia conseguido extrair cada pedaço paz que a oração tinha colocado no coração dela.

A Hyuuga ergueu os olhos, e Neji Hyuuga estava no corredor oposto encarando-a, com uma expressão complacente, o rosto retorcido em mais algum sentimento que Hinata não soube identificar. Isso afastou a Hyuuga do torpor, fazendo-a perceber, que ainda estava escorada na porta do escritório do pai. Completamente atordoada, tremendo, chorando.

Neji Hyuuga, era o herdeiro gênio do clã Hyuuga, um alfa, três anos mais velho que Hinata, que sempre tomou conta dela. Neji sempre foi a âncora de Hinata. Quando alguma coisa está incomodado-a, ele aparece e destrói essa coisa, seja um alfa idiota tomado por feromônios que se esqueceu quem Hinata é, seja um ancião -ardiloso- do conselho Hyuuga, seja o pai deles.

Entretanto, ainda assim, Hinata sabia que dessa vez ninguém poderia salvá-la, nem mesmo Neji Hyuuga. Então ela deixou que Neji retirar-se-á dalí, e leva-se-á até o banheiro do quarto dela. Ele esperou Hinata terminar de lavar o rosto vermelho, para entregar-lhe uma toalha. Para então abraçá-la com o máximo de força que conseguia. Neji sentia o suspirar soluçado de Hinata, que acontecia toda vez que ela estava tentando conter o choro. E coração do primogênito pareceu se quebrar com aquele fato pesaroso.

__ Desculpe Hina __ ele sussurrou contra os cabelos dela.

__ Tudo bem __ ela repete.__ Tudo bem __ e pela primeira vez Neji se sente impotente, inútil.

__  Não pude fazer nada.

__ Eu sei __ Hinata diz, mas no fundo ela está culpando ele, ela sabe. __ Eu sei, não se culpe. Você não pode fazer nada _ mas é isso que ela diz, tentando convencer eles dois.

__ Me perdoe.

__ Não posso te perdoar __ ele se afastou dela rápido, em um impulso de dor. Hinata segurou o rosto dele e encarou os olhos idênticos aos seus. __ Porque não há o que perdoar, está me ouvindo? __ a voz não passava de um sussurro. __ Não é sua culpa, nãonada que você poderia fazer. Entendeu?

É a vez de Hinata ser a âncora de Neji. Ela precisa dele centrado para tudo o que está por vir, ela precisa dele centrado por ela, para poder salvá-la do impossível. Hinata não pode se casar e cuidar do próprio bem-estar em um clã de demônios, se estiver preocupada com a culpa corroendo o irmão. Tornando-o uma presa fácil para os anciãos e para o pai deles. A herdeira pela primeira vez está sendo egoísta.

__ Eu te amo Hina.

__ Também te amo, Neji. __ Hinata disse baixinho, ainda encarando-o. __ Pode me deixar um pouco sozinha?

Ele assentiu lentamente, e se desvencilhou das mãos da segunda herdeira, e Hinata escutou o barulho da porta do quarto fechando-se segundos depois. Ela saiu do banheiro lentamente e deitou-se de lado cama, voltada para a estátua de Métria no altar no canto do quarto. Hinata embrulhou-se com o cobertor, e julgou que nada, nunca fez tanto sentido antes, como a guia espiritual dela ser Métria, a Deusa do amor e da liberdade.

E tudo que Hinata Hyuuga conseguiu pensar, pressupor e crer, antes de fechar os olhos é: minha Deusa me de forças, porque eu não vou conseguir.

***

O clã Sabaku ficava localizado em uma região desértica e seca, mas incrivelmente próspera ao leste, por causa das intensas tempestades de água durante a noite. Gaara No Sabaku apreciava as terras do leste, elas tinham um clima fresco, e cheiravam a terra molhada, como a falecida mãe dele. As terras do leste eram a casa de Gaara; um refúgio dos olhares de desprezo do pai, dos irmãos e do clã. E era no leste, no interior do clã Sabaku, que Gaara desejava viver até a velhice.

As tempestades costumavam ser constantes confiáveis para o clã Sabaku. Conquanto para Gaara No Sabaku, as tempestades eram constantes traiçoeiras. Gaara No Sabaku veio ao mundo durante uma tempestade de areia, a pior em cinco décadas. A mãe dele morreu durante uma tempestade. Ele foi exilado durante uma tempestade. E no final o clã Sabaku foi massacrado durante uma tempestade de areia.

O sangue do clã que desprezava Gaara, molhou e saciou a sede das terras desérticas. O primeiro pensamento de Gaara foi que ele estava sendo vingado pelo Deus brincalhão da vingança, Kazak. No entanto ele percebeu porque a vingança é um Deus brincalhão. Tudo o que havia sobrado no amanhecer daquele massacre, foi sangue, dor, gritos, e uma fuga desesperada dele com os irmãos para o leste. E para o leste. Até sentirem o cheiro da brisa do mar. Até conseguirem refúgio no clã Yamanaka, um clã neutro. Longe da guerra e das influências do clã Uchiha.

Kankuro e Temari aceitaram Gaara, de uma forma estranha e silenciosa. Não houve troca de palavras ou desculpas pelo exílio. Nem olhares de arrependimento. Eles ainda desconsideravam-o de certo modo, mas eles eram os únicos sobreviventes de todo um clã. Os ultimos resquicios da linhagem sanguínea Sabaku. E isso bastava como explicação. O que estava no passado devia ficar por lá.

__ Você está sempre pensativo __ disse Ino, jogando-se no assento ao lado dele sem a mínima educação. Ino Yamanaka era a única amiga de Gaara. __ O que se passa pela sua cabeça?

__ Não é da sua conta; você não devia estar em reunião com os representantes das regiões? __ Ino sorriu, e tentou abraçar Gaara, mas ele se esquivou.

__ Não seja chato Gaara-kun! __ Ele olhou-a de soslaio, a expressão séria, fazendo-a suspirar. __ A reunião está em recesso, não se preocupe. Ah! estou tão cansada __ Ino esticou as costas e estralou o pescoço. __ Me sinto velha, acho que estou criando cabelos brancos. Você não acha? Vi umas ruguinhas entre os meus olhos essa manhã __ Ino tagarelava.__  Da próxima vez que a testuda da herdeira Haruno me ver, vai rir de mim. Há! Mas vou mostrar a ela que sou mais poderosa, além do mais, ainda sou muito mais bonit…

__ Ino. __  Gaara suspirou agradecido quando a amiga parou de falar.

Gaara estava na varanda da casa que dividia com os irmãos, apreciando um pouco do sol, o tempo estava parcialmente nublado, provavelmente iria chover. A brisa do mar misturada a da chuva causava sensações confortáveis. O Sabaku olhou com mais atenção para amiga, que impossivelmente estava quieta. A Yamanaka parecia mesmo cansada, com o rosto mais pálido, e orelhas debaixo dos olhos azuis, e a ruguinha entre os olhos estavam mesmo ali, não era exagero dela. Ino Yamanaka tinha, realmente, envelhecido uns dois anos desde que tinha assumido a liderança do clã Yamanaka no último dia do mês de novembro, e agora eles estavam no início de julho.

Gaara No Sabaku prezava por Ino, ela tão ou mais forte do que Gaara, a grande diferença é que Ino é cheia de vida e frescor, como a mãe de Gaara, como as terras do leste do clã Sabaku.

Ino até este momento, mesmo com a morte do pai, transbordava esperança e humor. Ino Yamanaka, a beta sorridente e brincalhona, tinha se tornado a líder que foi criada para ser: forte, determinada e destemida. E ela mostrava cada vez mais essas qualidade com o passar dos dias, sempre vencendo um obstáculo por dia, sem preder o mais importante: a essência dela. Gaara a invejava.

__ Gaara __ o tom de voz sério atraiu toda atenção dele para ela __ preciso de você, da sua ajuda. O clã Uchiha __ Gaara travou a mandíbula e suas mãos fecharam-se inconscientemente __ e o clã Hyuuga me enviaram um pergaminho, eles vão se reunir daqui há três dias aqui, para negociar uma aliança. Um tratado. E você sabe que nós, como um território e clã neutro, como guardiões do tratado de paz, temos a obrigação de acolhê-los. Mas isso não significa que nos não temos que ficar espertos e preparados. Uchiha's e Hyuuga's são traiçoeiros, pérfidos. Por isso preciso de você.

__ Não. Ino escolha out…

__ Por favor Gaara, quem? Eu só confio em você, você conhece bem os Uchiha's e conhece nosso clã. Vai ser a primeira vez, como líder, que vou lidar com ambos os clãs. Estou te pedindo em nome da nossa amizade. Pelos Deuses me ajude. Pelo meu pai.

O rosto de Ino estava contorcido em angústia disfarçada, e ele percebia as mãos levemente trêmulas. Ino Yamanaka estava apavorada por dentro, ele sabia.

__ O conselho Yamanaka não irá permitir que um estrangeiro interfira ou partici...

__ Não se preocupe com eles, só preciso de uma resposta positiva. __ Gaara suspirou e assentiu a contragosto. Ino tentou abraçá-lo de novo, e dessa vez ele deixou.

O céu trovejou e uma fina garoa começou cair; era por este motivo que Gaara No Sabaku achava as tempestades constantes traiçoeiras.

***

O conselho Uchiha foi criado com o objetivo de ajudar o líder a governar o clã e garantir que todas as decisões são feitas com o melhor interesse em ajudar o clã Uchiha e seus habitantes. Deveria ser uma assembleia de anciãos feita a fim de finalizar decisões relativas, para discutir questões como tratados de paz, ou avanços de guerra. Porém para Madara Uchiha o conselho já havia perdido o propósito há muito tempo. Agora eram somente um bando de velhos tradicionais, ultrapassados, um tanto divergentes uns com os outros, mas muito militantes em conjunto, audaciosos e petulantes.

E por causa da idade avançada e experiência de alguns membros, eles viam Madara Uchiha como um novato inexperiente. Conquanto para um bando de velhos, eles agiam muito como um bando de adolescentes, afoitos para tomarem a liderança das mãos de Madara em qualquer deslize. Arrumando qualquer desculpa para criar caos e confusão.

Madara entrou no gabinete do conselho acompanhado por Itachi e Sasuke. Todos os membros seis membros restantes do atentado já estavam reunidos em volta da mesa circular. Os mais novos entre eles eram Óbito e Izuna, os únicos aliados de Madara na maldita assembleia. Todas as pessoas no recinto se levantaram e curvaram-se em sinal de respeito a Madara, e sentaram-se. Madara expandiu a sua presença como alfa, esperando derreter, um pouco, a astúcia e arrogância dos conselheiros.

O conselheiro que Madara menos gostava, o ex-militar Danzou Shimura, foi o primeiro a abordar o início da reunião.

__ Lorde Madara, ficamos muitíssimos assustados e infelizes ao saber do atentado a sua vida. __ Se as palavras de Danzou fossem veneno, elas poderiam ser consideradas a única peçonha que poderia ferir Madara. __ Oramos para Mandra e Miha, pela sua recuperação.

__ Se as Deusas ouvissem suas preces, não tenho tanta certeza, de que teria me recuperado… tão bem. __ Madara respondeu frio, sem delicadeza para o jogo de palavras de Danzou. Os outros membros arranharam as gargantas em descontentamento.

__ Nós alivia saber que está em segurança Lorde Madara. __ Koharu Utatane se pronunciou, tentando dissipar a tensão.

__ Talvez possamos pular esses rudimentos e começar logo. Temo que tenhamos muitos assuntos para discutir, senhores. __ Izuna disse, aparentemente tão sem paciência quanto Madara, esperando por fim aquela conversa.

__ Antes de tudo: não ultraje as Deusas, Senhor Uchiha. Mandra se ira facilmente e Miha não tem piedade. __ Yoon falou, ela era a representante das sacerdotisas.

__ Agora, receio que o Lorde Orochimaru não tenha se recobrado da minha recusa __ Madara respondeu e todos os membros retorceram a boca em concordância e desgosto.

__ Não devia ter sido tão rude Lorde Madara, Orochimaru não passava de uma simples bravata, agora é uma ameaça a segurança do clã. __ disse Homura Mitokado.

__ Não fiz nada demais, não agi…

__ Sim, o senhor não fez. __ Koharu Utatane respondeu. __ E agora todo o clã do Som clama pelo sangue Uchiha, juntamente com todo o resto de Konohagakure.

__ Talvez devêssemos retribuir a visita. __ Danzou falou.

__ Eu concordo com o Senhor Danzou, os templos e as ruas do clã banharam-se de sangue no início do dia de Mandra. É um afronta, a nós e a Deusa, ela poderia se irar contra nós, já que não a cultuamos tanto quanto deveríamos. __ Yoon disse.

__ Uma Deusa é o menor dos meus problemas __ resmungou Madara, fazendo a sacerdotisa apertar a boca em raiva. Madara desconfiava que o inferno sempre se fazia presente no gabinete do conselho em momentos como aquele. __ Há pouco conselheira Utatane, a senhora esperava que eu aceitasse um acordo tão desproporcional para o meu clã, apenas para evitar a zanga de um verme como Orochimaru? Creio que a senhora tenha se esquecido que visamos o de melhor para o clã, sempre. Talvez devesse passar seu cargo adiante.

__ Ora seu moleque insolente, controle sua boca! O que você saberia, sobre o que é melhor para um clã.

__ E eu adoraria fazer uma visita pessoal a Orochimaru, Conselheiro Danzou.__ Madara falou, ignorando Koharu Utatane.__ No entanto, não acho que seja o momento mais propício para entrar em um conflito.

__ Ele matou quatro membros do conselho! Queimou plantações! Não podemos demonstrar fraqueza, temos que retaliar ou qualquer clã insignificante vai achar que pode invadir nossas terras e sair impune! __ Danzou gritou, o rosto endurecido.

__ Podemos nos acalmar? __ Óbito falou, o rosto expressando tédio. __ Concordo com o Lorde Madara, fazer um retaliação a Orochimaru agora não irá resolver nossos problemas. Deixe que aquela cobra se engasgue feliz com o próprio veneno, por enquanto.

__ O  grande problema são as plantações, mais de dois quartos das nossas colheitas para o inverno foram queimadas, e a principal equipe militar foi fortemente abalada, o que os senhores sugerem? __ Yoon falou.

__ Talvez possamos realocar as tropas do interior, até que  principal se re-estabeleça. __ Homura sugeriu.

__  E deixar as fronteiras e o povo sem proteção? __ Madara questionou descrente.

__É tudo muito simples, na verdade, sacerdotisa Yoon, conselheiro Homura. Por favor Sook distribua as cópias do documento. __ Izuna pediu. 

Madara olhou hesitante para Izuna e pegou o documento que lhe era oferecido pelo servo, no início do documento havia a cópia do selo do clã Hyuuga. O Uchiha moveu os olhos sobre as palavras, a princípio sem entender, para depois sentir a compreensão lhe tomar junto com a cólera. Como Hiashi Hyuuga ousava lhe propor aquilo?

__ O que isso significa Izuna?! __ perguntou Madara, um relâmpago de ira surgindo em seu rosto, todos no gabinete se encolheram diante da presença descontrolada de Madara.

__ Acalme-se Lorde Madara; é exatamente o que o senhor leu __ respondeu sem se abalar. __ Hiashi Hyuuga, líder do clã Hyuuga, um alfa, nós propõe um acordo mutuamente benéfico. Ele nos oferece apoio militar, mais um terço das suas plantações a cada colheita.

__ Isso me parece um seguimento ardil __ Danzou falou. __ Hyuuga’s são tão perigosos quanto nós. Hiashi Hyuuga é um homem polido, mas sua inconstância de humor aliada aos seus conselheiros, pode ser um mistura perigosa.

Madara Uchiha sentiu uma pontada de humor negro. Danzou estava, incrivelmente, descrevendo o próprio clã.

__ Em troca do que, Hiashi Hyuuga apresenta tal acordo? __ Madara perguntou.

__ Obviamente, ele pede apoio militar, e livre comércio pelas terras do clã Uchiha, e se desejarmos nós oferece matéria-prima para nossas oficinas. __ Izuna respondeu.

__ É um bom acordo Lorde Madara. __ Homura, que até então observava, proferiu.

__ Concordo. __ Utatane acrescentou.

__ Claro que nós discutiremos melhor todas as exigências e preceitos __ foi a vez Óbito falar. __ Porém parece-me que Hiashi Hyuuga nós teme tal como nós tememos ele. Ele pede uma garantia, para que os erros do passado não voltem a acontecer.

__ Que tipo garantia? __ Madara perguntou, as palavras soando perigosas.

__ Um casamento, ele oferece a filha dele, uma ômega. __ Óbito disse.

__ Oh! Lorde Madara precisa de herdeiros, afinal.__ Yoon murmurou.

__ Não. __ Madara foi categórico. __ Já tenho um herdeiro, Izuna.

__ Izuna tem quase a sua idade Madara, e pode morrer tão facilmente quanto você. __ Danzou falou, e o ar no gabinete havia sumido.

__ Isso é uma ameaça? __ Madara perguntou, com o sharingan ativado.

__ Um aviso.

__ Danzou tem razão irmão __ Izuna tentou amenizar. __ De qualquer forma, eu e Óbito aceitamos o acordo em seu nome, e em nome de todos do conselho. Vamos nos reunir no clã Yamanaka em três dias para discutir o tratado.

__ Aceitaram um acordo que me envolve diretamente sem me consultar? Enlouqueceu Izuna?! Ainda sou o líder desse clã!__ Madara fechou as mãos em punho, tentando conter a fúria.

__ Você estava doente, envenenado, não havia como lhe consultar. __ Óbito foi categórico.

__ E quanto a nós? __ Yoon questionou. __ Quanto a mim? Uma decisão desse tamanho deveria ter sido consultada pelos Deuses.

__ Nós entendemos, e pedimos desculpas, mas não havia tempo. Todos estavamos deveras ocupados com o ataque. __ Izuna explicou. __ Coube a mim e Óbito, creio que tomamos uma decisão sensata.

__ Eu e o conselheiro Homura estamos de acordo.   __ Utatane disse. __ Tomou a decisão correta conselheiro Izuna, conselheiro Óbito.

__ Vocês se esquecem com quem estão lidando! __ Madara gritou, a cólera dançando na sua voz, o sharingan ativando-se involuntariamente.

__ Não é essa a questão Madara! O interior do clã pode passar fome, nossa colheita foi queimada! O tratado de paz está abalado, e todo o país nos odeia, se souberem que estamos vulneráveis em qualquer âmbito vão atacar. E não queremos outra guerra! __ Óbito gritou. __ Pense racionalmente!

Madara olhou para Izuna e Óbito, que deveriam ser seus aliados dentro da maldita assembleia. Uma cólera, totalmente familiar, pulsava nas veias dele. Queimando para sair. Ardente. Mas acima de tudo ele prezava pelo bem-estar do clã, e ele tinha que admitir, que fora uma decisão arriscada, mas sensata. Óbito tinha razão, o tratado estava abalado e nenhum outro clã faria uma aliança com o clã Uchiha depois do massacre do clã Sabaku.

__ Tudo bem. Mas devemos estar preparados para o possível inferno, que isso pode se tornar. __ Madara anuiu.

__ É melhor viver o inferno na terra, do que estar morto no submundo Lorde Madara. __ Yoon pronunciou. __ Achei que o senhor soubesse disso melhor do que qualquer um.

 


Notas Finais


Obrigada pelos comentários e favoritos, de novo! Vocês me motivam a escrever!
Acabei atrasando porque minha internet caiu, e foi semana de prova final, então me dediquei ao máximo. Mas acabou que vou ficar de recuperação em algumas matérias, então, é certeza, de que vou atrasar para publicar o próximo capitulo.
Porem não desistam de mim e me desejem sorte! Vou tentar postar o próximo um pouco antes do natal.
Eu sei que vocês pensaram que ia acontecer o tão aguardado encontro #Madahina nesse capítulo, mas juro que (talvez, quem sabe?) no próximo vai. Não se frustrem. Eu precisava apresentar os outros personagens também, isso é crucial para o desenvolvimento dos acontecimentos.
Eu não sei quais casais secundários desenvolver, me deem uma luz!
Espero que tenham gostado, esse capitulo foi um pouco trabalhoso, mas nada é impossível, certo?
Comentem se sim <3
Até o próximo.
Vika.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...