História Demons - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bts, Jeon Jungkook, Jikook, Jung Hoseok, Kim Namjoon, Kim Seokjin, Kim Taehyung, Min Yoongi, Park Jimin, Taegi
Visualizações 81
Palavras 2.542
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


AAAA gente, desculpa por não ter Namjin! Queria um parzinho pra Jisook e achei que o Namjoon seria uma boa.
Mas eu amo Namjin tbm, são meus pais!!

Hoje o capítulo começa com eles, por favor dêem uma chance a esses pombinhos!

Espero que gosteem!

Capítulo 5 - Boys just wanna have fun


Fanfic / Fanfiction Demons - Capítulo 5 - Boys just wanna have fun

Jisook P.o.V.

Parei na recepção do prédio e aguardei ser chamada. Disse à recepcionista que precisava entregar uns exames para o Dr. Kim Namjoon, mas ela insistia em não me deixar entrar. Estava sendo rude comigo e minha paciência estava acabando. 

- Você tem hora marcada? - Perguntou pela segunda vez, com uma voz enjoada. Seus cabelos negros estavam perfeitamente presos num coque, sua maquiagem estava impecável e as unhas bem feitas. Eu queria dar um tapa na cara dela. 

- Não tenho hora marcada porque, como disse, só preciso entregar os exames. - Falei tentando me conter, apertando as têmporas. 

- O Dr. Namjoon deve estar em horário de almoço. - Deu outra desculpa, falando com uma entonação diferente o nome dele. 

Bufei e saí correndo até o elevador. Nenhuma recepcionista enjoada iria me impedir de entregar aquele maldito envelope. Ouvi o barulho do seu salto alto correndo atrás de mim mas, naquela velocidade, eu chegaria até o último andar de escada antes que ela alcançasse o elevador. 

Apertei o botão do quinto andar e fiquei batendo o pé no chão enquanto não chegava. 

A sala de Namjoon estava fechada. Pensei em jogar o envelope por baixo, mas ouvi um barulho vindo de dentro e dei três batidas. Entrei assim que ele autorizou, e fechei a porta atrás de mim. Ele estava sentado, prestando atenção nos papéis espalhados em sua mesa. Uma mão estava em sua testa e a outra balançava uma caneta. 

- Oi, Jisook! - Ele sorriu assim que me viu. -  Veio trazer os exames? - Ele indicou com a cabeça a cadeira em frente à sua mesa. 

Namjoon estava de jaleco, com um estetoscópio enrolado no pescoço. Seus óculos estavam pendurados na camisa, que tinha o primeiro botão aberto. Desviei o olhar e me sentei. 

- Quase não consegui trazer. - Reclamei. - Não se assuste se os seguranças vierem me buscar aqui. 

Ele riu, ainda sem entender nada. Ouvimos batidas apressadas na porta, mais uma vez ele autorizou a entrada. 

- Doutor, eu falei para ela não subir, mas ela correu de mim. - A recepcionista já abriu a porta se explicando, me fuzilou com os olhos quando me viu sentada ali. Balancei as pernas, como uma criança faria. 

Namjoon suspirou. 

- Sophia, eu não deixei avisado que viriam me entregar uns exames? - Ele falou com um tom sério. - Está tudo bem, pode voltar pra recepção agora.  

Dei um sorriso falso para a tal Sophia. Só pelo olhar dela, sabia que estava me xingando em seus pensamentos. Ela olhou para Namjoon e sorriu. 

- Desculpe. Não irá acontecer de novo, doutor. - Falou, manhosa. Revirei os olhos. 

Assim que ela fechou a porta, Namjoon me encarou por um momento e logo em seguida começou a rir. 

- Queria ter visto a cena dela correndo atrás de você. - Falou, tentando conter a risada. 

- Eu não usaria o termo "correr". - Ri também. - Com aqueles saltos, ela, no máximo, andou rápido. A propósito, ela está interessada em você. - Constatei o óbvio. 

Ele sorriu envergonhado. 

- Sei disso, mas ela não percebe que não tenho interesse. - Passou a mão pelos cabelos, bagunçando-os. 

- Ela é bem bonita. - Observei.  

Namjoon abriu um sorriso travesso. 

- Eu sei, mas acontece que não gosto de mulheres. - Ele falou. 

Ergui uma sobrancelha para ele. Minha mão - que estava indo em direção a bolsa para pegar o envelope - ficou parada no ar. Eu ouvi direito? 

- Jisook, é brincadeira. - Ele falou, rindo da minha cara. - Só queria ver sua reação. 

Eu ri, completamente envergonhada. Queria enfiar minha cabeça dentro da bolsa e nunca mais sair. 

- Gostou do que viu? - Murmurei, me xingando internamente por ter perguntado. Tirei o envelope da bolsa e entreguei a ele. 

Ele apenas assentiu com a cabeça, o sorriso travesso ainda estampado em seu rosto. Seus olhos correram por mim por uns instantes, mas fingi não notar. 

Namjoon tirou seu óculos pendurado da camisa e os colocou, começando a analisar os exames. Mordeu novamente a ponta da caneta enquanto focava no conteúdo em suas mãos. Mas, dessa vez, ele me pegou olhando para sua boca e curvou levemente os lábios num sorriso. Quantas mancadas eu já havia dado em 7 minutos de conversa? 

Não sabia o que eu estava esperando. Havia entregue o envelope e já podia voltar para casa. Estava prestes a me levantar quando o celular dele tocou, me assustando. 

- Ah, finalmente. - Ele desligou o alarme e colocou os exames na mesa. - Já almoçou?  

- Ainda não, mas já estou indo para casa e... 

- Nada disso. - Namjoon me interrompeu. - Te prendi nesse consultório chato por 10 minutos, não seria nada educado sair sem te pagar um almoço. - Falou, levantando-se e tirando o jaleco. 

Sua camisa estava justa nos braços, marcando seus músculos. Fiquei corada com os pensamentos que vieram à minha mente e desviei o olhar, me levantando. 

- Não quero incomodar, Namjoon. - Pendurei a bolsa no ombro. - Mas não sou de recusar comida. 

Ele riu, abrindo a porta para que eu passasse. Seguimos até a recepção, onde ele deixou algum recado para Sophia, que me olhava irritada. 

Namjoon me levou até um pequeno restaurante próximo ao prédio onde ele trabalhava. Era um lugar confortável, bem casual. Uma senhora veio nos cumprimentar assim que entramos. Pelo que percebi, Namjoon já era conhecido ali. Pedimos kimchi e duas tigelas de bibimbap e ficamos conversando enquanto os pratos não chegavam. 

- Então, você está na faculdade, pelo que ouvi dizer. - Namjoon disse e eu assenti com a cabeça. 

- Sim, segundo ano de marketing. - Respondi.  

- Como é lidar com tudo isso? - Ele deu um gole em seu refrigerante. - Desculpe se estou sendo intrometido. 

Eu ri e balancei a cabeça. 

- É difícil e muito cansativo. Mas os bons resultados nos dão forças para continuar. - Peguei uma mecha do meu cabelo e fiquei enrolando nos dedos. - E você, por que escolheu essa área? - Mudei o foco do assunto. 

Ele deu de ombros. 

- Na verdade, meu pai escolheu por mim. - Confessou. - Mas acabei gostando.  

A senhora que nos recepcionou trouxe nossos pratos, com um sorriso fofo no rosto. Ela olhava para Namjoon e depois pra mim. Deveria estar supondo coisas erradas. Agradecemos e ela saiu, nos olhando de longe. 

- E o que você gostaria de fazer? - Parti os hashis de madeira ao meio. 

- Eu gosto de música. - Ele falou com um sorriso no rosto. - Queria ser rapper e compositor, mas meu pai queria um médico na família, e como sou filho único... - Ele levantou os dois ombros e levou seus hashis até a boca. 

Eu me surpreendi com o gosto dele. Não imaginava ele sendo rapper. Fiquei curiosa. 

- Você é bom? Em fazer rap, quero dizer. - Perguntei e seu rosto se iluminou. 

Ele limpou a garganta, pensou um pouco e começou a fazer rimas sobre meus olhos, meu cabelo e, por fim, meu sorriso. Quando ele terminou, um sorriso bobo estava em meu rosto. Cobri minha face com as mãos, antes que ele visse minhas bochechas coradas. 

Namjoon riu e tirou minhas mãos da frente. Eu evitei fazer contato visual, mas ainda estava sorrindo. 

- O que achou? - Ele perguntou, se divertindo com a minha timidez. 

Mordi os lábios. 

- Você é muito bom, teria se dado bem como um idol. - Elogiei. - E obrigada. 

Ele piscou para mim. 

- Acho que vou abandonar a carreira médica. - Brincou. 

- Termine de cuidar do meu irmão primeiro, depois você pode se tornar um rapper. - Falei e ele riu. - Serei sua primeira fã. 

- Segunda fã. - Ele me corrigiu. - A primeira está olhando para nós agora mesmo, e pode apostar que ela nos fará passar vergonha quando sairmos daqui. 

Eu olhei para trás e a senhora sorria animada. Ela me lançou um sorriso de aprovação, que me deixou envergonhada. 

- É sua avó? - Perguntei e ele assentiu. - Ela é uma fofa!  

Ele apenas sorriu em direção ao prato.  

Terminamos de comer, tudo estava delicioso. A avó de Namjoon recolheu os pratos e minutos depois estava com um pequeno pudim de chocolate em mãos. Deixou na mesa com duas colheres. Namjoon riu e eu agradeci. Comecei a comer o pudim e estava maravilhoso. Ele nem sequer havia tocado na colher. 

- Geralmente sou muito educada e divido as coisas. - Falei dando uma colherada no doce. - Mas se você não se apressar, vou comer todo o pudim sem dó. 

Ele riu, pegando um pouco do pudim e me deixando com o resto. Fomos até o caixa pagar e Namjoon não me deixou dar um centavo sequer. 

- Filho, traga mais vezes sua namorada! Ela é uma moça muito bonita. - A pequena senhora disse em aprovação, levantando os dois polegares na nossa direção. Eu ri, me escondendo atrás de Namjoon. 

- Eu te disse. - Ele sussurrou para mim antes de se curvar e beijar a testa da avó. 

Voltamos caminhando até o prédio onde ele trabalhava. 

- Como agradecimento, você deveria jantar em casa um dia desses. - Falei. - Meus irmãos iriam gostar de ter você lá. 

Ele riu e ergueu uma sobrancelha para mim. 

- Seus irmãos? - Perguntou, presunçoso. 

Eu ri, cruzando os braços. 

- Eu também, bobo. - Falei, fazendo-o rir. 

Paramos em frente ao prédio. Meu carro estava estacionado em frente. Um silêncio constrangedor tomou conta de nós. 

- Bom, acho que você precisa voltar. - Quebrei o silêncio, sem graça.  

Ele assentiu, desanimado. 

- Foi bom ter sua companhia. - Disse, também constrangido. - Sabe, seu irmão nunca responde minhas mensagens e as vezes preciso perguntar algo sobre Jungkook. Você não gostaria de passar seu número? 

Acabei rindo mais alto do que devia. Ele passou a mão pelos cabelos, com um sorriso envergonhado. 

- Queria saber qual método você usa pra pegar o número das mulheres cujos irmãos não são seus pacientes. - Falei e ele riu também. 

Ele segurou minha mão e piscou, abrindo um sorriso engraçado logo em seguida. 

- Acabei de perceber que no meu celular, o contato "princesa" está sem número. Quer preenchê-lo? - Levantou as sobrancelhas duas vezes, me fazendo rir. 

- Uau, aposto que funciona todas as vezes! - Brinquei, estendendo a mão para que ele me desse o celular. 

Trocamos nosso número, ele salvou meu contato como "Devoradora de Pudim" e eu salvei o dele como "Futuro K-rapper". 

- Não precisa mandar mensagens só para falar sobre meu irmão. - Disse, olhando suas covinhas. 

- Sem problemas, tenho muito o que conversar com você. - Ele disse com um sorriso atrevido.  

Namjoon se despediu com um beijo em minha bochecha, depois subiu correndo as escadas que davam para a entrada do prédio. Entrei em meu carro e fiquei por um tempo processando tudo o que aconteceu, até que me dei conta de que eu realmente fui almoçar com o médico do meu irmão.  

-x- 

Jimin P.o.V. 

As coisas ficaram mais claras depois que Jungkook me explicou tudo. Eu finalmente entendia mais ou menos o que se passava na cabeça dele e fiquei feliz quando ele confiou em mim para me contar sobre sua condição médica. Hoseok também estava feliz, ele não precisava mais guardar segredo e finalmente tinha mais alguém para ajudá-lo. O clima entre nós havia melhorado, quase todos os dias eu e Hoseok passávamos a tarde na casa dele e Jungkook não tinha mais receio em ficar sozinho comigo.
De início, ele sempre me lembrava: "Jimin, se eu disser algo que te machuque, saiba que não sou eu! Não tenho coragem de fazer isso com você." E bagunçava meus cabelos. Felizmente, nada de ruim havia acontecido ainda. 

As férias estavam chegando e meus pais estavam planejando visitar meus avós na minha cidade natal. Eu e Yoongi não estávamos animados para isso e convencemos nossos pais a nos deixarem sozinhos. Usamos o discurso de que "Yoongi é responsável, cuidará da casa e dividiremos as tarefas" e eles engoliram, mas a verdade era que Yoongi não era tão responsável assim. Um dia depois que nossos pais viajaram, ele já estava planejando uma festa. 

- Yoongi hyung, eles ficarão furiosos se descobrirem. - Falei apreensivo e ele riu de mim. 

- Se descobrirem, disse bem. - Ele escrevia uma lista de compras em seu caderno. - Olha só o espaço que temos no quintal. Nunca nem usamos a piscina. Ninguém vai precisar entrar aqui em casa, os vasos da mamãe estão seguros. Confia em mim, Jiminie.  

Fazia calor ultimamente, e uma festa com piscina não seria tão ruim assim. Assenti com a cabeça, seria divertido. 

- Posso chamar... - Comecei a dizer, mas Yoongi me interrompeu. 

- Claro que pode. Chame os irmãos dele também. - Yoongi sorriu maliciosamente. 

Eu ri, sentindo o rosto enrubescer. Fiz mentalmente minha lista enorme de convidados que consistiam em: Jungkook, Hoseok, Jin e Jisook. Estava desenhando um convite bonito para eles quando Yoongi enfiou a cabeça na frente o papel. 

- O que está fazendo? - Perguntou, se divertindo às minhas custas. 

- Convites. - Dei de ombros. - Para saberem o dia e a hora. 

Yoongi riu alto e passou o braço pelos meus ombros. 

- Ah, Chimchim, esse tipo de festa não precisa de convites fofos. É só falar, entendeu? - Ele disse, ainda vendo graça na situação. 

Fiquei desapontado, os detalhes do convite estavam ficando bonitos. Mas eu realmente não entendia sobre essas festas, apenas aquelas com presentes, bolos e balões. Tinha ido em uma, que Yoongi tinha organizado em seu aniverário, e não gostei da música alta e das bebidas. Me peguei pensando se Jungkook já havia ido em festas assim. 

Quando encontrei Hobi e Jungkook, comentei sobre a festa e eles pareceram animados. Disse para convidarem mais pessoas, à pedido de Yoongi, e entreguei o convite que fiz para Jungkook. 

- Yoongi disse que essas festas não precisam de convite, mas te fiz um mesmo assim. - Falei enquanto Jungkook lia o conteúdo com um sorriso no rosto. - Que tipo de festas não precisam de convites? - Murmurei para mim mesmo. 

Jungkook riu e bagunçou meus cabelos. 

- Eu adorei, Jimin. - Falou, guardando no bolso. - Estaremos lá. 

- Ainda bem que meu pai não estará na cidade. – Hoseok falou. - Ele ficaria louco se soubesse a quantidade de bebidas que os "jovens de hoje em dia" consomem. - Ele riu, imitando o próprio pai ao falar. 

Nós rimos com a imitação de Hoseok 

- Ei, se quiserem, podem dormir em casa no dia. - Falei. - Acredito que a festa terminará tarde. 

- É uma boa, podemos virar a noite assistindo filmes. - Jungkook sugeriu. 

Hobi riu, irônico. 

- Vocês podem virar a noite. Jungkook, você sabe como o Hoseok aqui fica quando bebe. - Ele juntou as duas mãos e depois deitou com a cabeça em cima. - Nem reza me acorda. 

Eu ri, colocando as mãos no rosto. Estava com um bom pressentimento sobre essa festa. Finalmente me divertiria com eles, sem preocupações. 


Notas Finais


Quero postar logo o capítulo da festa porque to ansiosa pela reação de vocês! aaaaaaa

E to pensando em fazer uma fic Namjin pra compensar! kkkk

enfim, até o próximo cap! (que sairá hoje? hmmm quem sabe)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...