História Depois da Tempestade - Capítulo 4


Escrita por: ~ e ~MillaWinchester

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Visualizações 8
Palavras 953
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Ficção, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Pansexualidade, Sexo, Suicídio, Tortura, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Olá Spiritzenses de todos os lugares!! Aqui quem fala é o Pepa com mais um capítulo pra vocês; espero que estejam gostando!! Sei que pela descrição muitos estavam esperando mais da história; mas acalmem-se...
Muuuuita coisa ainda vai acontecer (muuuuuita mesmo)... Coisas que nem a co autora tá sabendo que eu to planejando

kkkkkkk

Sem mais delongas... Bom capítulo ✌🏻

Capítulo 4 - O começo de tudo


Fanfic / Fanfiction Depois da Tempestade - Capítulo 4 - O começo de tudo

 Dois dias após o ocorrido, ambos os grupos A e B do 2º ano saem para o parque próximo à escola para um debate ao ar livre de filosofia. E, como era de se esperar, o assunto não era outro além da briga que aconteceu durante o treino de handebol. Ouviam-se discussões sobre culpados, piadas comparando toda aquela treta a uma partida de Mortal Kombat. Logo, não se esperava menos que uma tensão enorme no ambiente ao ver os protagonistas do quebra pau se encarando do lado de fora da escola.

 

 De um lado do grupo estavam os membros da Exits juntamente com Jade, Bianca, Vince e Shane que conversavam, riam e pareciam não estar se preocupando muito com o que acontecia ao redor deles. Do outro lado encontravam-se os membros da Needle que também riam e conversavam entre si aparentemente relaxados e mais tranquilos com a sensação de vingança cumprida. No entanto, o clima de paz armada permanecia em suspensão no ar ao redor do parque.

 

 O clima ensolarado porém não muito quente fazia com que todo aquele dia soasse como um dia lindo e perfeito de verão com uma leve brisa soprando as folhas da árvore perto deles e refrescando a toda aquela tarde. Então inicia-se o debate da aula de filosofia sobre um tema polêmico, pena de morte. As pessoas conversam entre si, como se dissessem que tal pena é um absurdo até que se ouve uma voz vinda da Needle, mais precisamente de Hank. – Não é uma má ideia... Diz o garoto se quisesse mostrar o quão ridícula e desnecessária era tal discussão. – É uma simples questão de justiça, simples assim... Completa o garoto em tom resolutivo e indiferente com suas palavras.

 O professor busca analisar a reação de seus alunos a respeito das palavras do loiro e a maioria mostra-se meio abalada com tudo aquilo até que ele vê algo que lhe chama a atenção. – Clay, porque está rindo? Pergunta o professor como se soubesse que aquela discussão prometia.      – Simples, tudo que ele falou é uma piada, tudo burrice... Fala o garoto se explicando e fazendo Hank enlouquecer por dentro. – Por que acha isso Clay? Pergunta o loiro num tom de desafio e sarcasmo a ele.

 

 – É só pensar... Diz Clay num tom de indiferença. – Matar é errado, simples assim... não importa a causa. Diz ele num tom de caso encerrado. No entanto Hank responde na sequência a tudo aquilo e quando menos se percebe a paz armada antes existente começa a ruir com o aumento da tensão e da hostilidade. O único problema em toda aquela cena de caos que se iniciava com a discussão disfarçava o verdadeiro caos acontecendo ao redor de todos.

 

 Quanto maior a tensão e a intensidade da discussão, mais o clima ao redor deles piorava, e piorava rápido. Aquele limpo e lindo céu de tarde evoluiu numa velocidade inesperadamente para um céu sombrio tal qual aqueles filmes de cinema com furacões e desastres naturais; as brisas que antes sopravam discretamente refrescando tornaram-se rajadas violentas de vento. Todos de pé, frente a frente, somente aguardando um movimento em falso para iniciar aquela que viria a ser uma batalha. Uma faísca e tudo explodiria. Mas ela nunca aconteceu, pois no momento que toda a luta estava para começar... BOOM!  Todos são surpreendidos por um raio extremamente forte de coloração arroxeada caindo na árvore próxima a eles, a explodindo no ato.

 

 Todo aquele choque trazido pelo raio faz com que todos admirem o caos instalado ao redor deles, fazendo todos lá presentes entrarem em choque. Não havia ninguém mais além deles, todos os demais haviam fugido e se abrigado. Ventos insanos levavam galhos, pássaros e empurravam carros. Ao redor deles, pedras de gelo do tamanho de bolas de baseball caiam semelhantes a meteoritos do céu e toda aquela água torrencial parecia que aguardava o clímax de toda a discussão no parque para começar a cair. – Corram! Berra Clay para seus amigos e Hank para os membros da Needle que lá estavam. Todos saem em disparado como um rebanho, todos na mesma direção, temendo por suas vidas. Os garotos avistam um abrigo onde já haviam colegas do grupo deles presentes. Ao ver, todos se enchem de felicidade e fogem em uma corrida alucinante daquela que aparentava ser uma tempestade mortal que tentava os acertar, com pedras de gelo, objetos arrastados pelos ventos e raios. Já exaustos e aterrorizados, todos juntam os restantes de suas forças para conseguir fugir.

 

 – Estamos quase chegando! Berra Tony estando um pouco mais a frente. Falta pouco! Grita Aaron na sequência que corria colado do garoto da Exits que estavam um pouco mais a frente extremamente rápidos. – Quase lá... Pensa Hank consigo, preocupado com o bem-estar de seus colegas que estavam correndo real risco. Ao mesmo tempo, Clay pensa a mesma coisa.    – Estamos perto... Pensa começando a se sentir mais aliviado, mas ainda com um medo muito grande, temendo pela segurança sua e de seus amigos. Até ouvir a explosão vinda do seu lado. Um potente raio atinge a superfície ao redor deles, atingindo com a onda de choque, a todos os garotos que tentavam fugir por suas vidas os nocauteando quase a todos de imediato. Clay que estava perto do local de impacto, assim como Bianca, Hank, Loren, Braxler e Kat cai no chão com o corpo totalmente formigando e sem assimilar mais nada que ocorria. Sua vista começa a ficar turva e já caído só consegue focar em Bianca, caída perto dele, apagada; então o garoto com os resquícios de força que ainda possuía estica sua mão para segurar a de sua namorada na esperança de, caso morra, segui-la aonde quer que fosse; pois não queria a deixar partir sozinha.


Notas Finais


Bem, é isso gente; espero que tenham gostado desse capítulo... Se estiverem achando legal a história ou tenham algum conselho ou crítica sei lá...
É só comentar, quero saber o que melhorar na história e vocês que leem são muito importantes pra isso 😊

É isso aí, até o próximo capítulo; adiós 🤘🏻


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...