História Depois do Portal - Nova dimensão. - Capítulo 85


Escrita por: ~

Postado
Categorias Os Instrumentos Mortais, Shadowhunters
Personagens Alexander "Alec" Lightwood, Clary Fairchild (Clary Fray), Isabelle Lightwood, Jace Herondale (Jace Wayland), Jocelyn Fairchild, Magnus Bane, Personagens Originais, Simon Lewis, Valentim Morgenstern
Tags Alec Lightwood, Clace, Clary, Clary Fray, Jace Wayland, Magnus Bane, Malec, Shadowhunters, Sizzy
Exibições 80
Palavras 1.019
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Lemon, Magia, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Spoilers, Tortura
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Espero que gostem.
Boa leitura.

Capítulo 85 - O verdadeiro amor sempre morre.


Fanfic / Fanfiction Depois do Portal - Nova dimensão. - Capítulo 85 - O verdadeiro amor sempre morre.

Magnus e Alexander entraram na banheira aos beijos longos e apaixonados. Tiveram que se separam para poder respirar.

Magnus investia beijos na lateral do pescoço do moreno que arfava pelos carinhos do amado.

Alexander falou com uma voz sedutora no ouvido do feiticeiro.

- Como eu estava esperando por isso. – Alec disse fazendo Magnus se arrepiar todo.

Eles fizeram amor. Eles estavam se sentindo completos e realizados.

As caricias, os carinhos e os olhares se tornavam combustível para eles se sentisse desejados.

- Eu te Amo E-E nunca me senti tão amado em toda a minha vida, com você eu descobri o que é ser amado. – disse Magnus fazendo Alexander sorrir e avançar para mais beijos.

- Eu te amo meu noivo. – falou Alec entre os beijos.

- Repete por que acho que não entendi. – afirmou Magnus sorrindo.

- Eu te amo meu noivo. – repetiu Alexander.

Magnus agarrou Alexander que sorria que nem bobo.

- Se isso é um sonho, por favor, não me acorde! – disse Alexander.

- Se isso é a felicidade então eu achei e espero nunca mais larga-la. – afirmou Magnus sorrindo.

Eles saíram do banho, abraçados e correram como se fossem crianças felizes para quarto.

O moreno começou a beijar novamente Magnus que passeou suas mãos pelo abdômen do mais novo e pela cintura. Alexander colou se corpo pouco úmido ao de Magnus.

Alexander colocou Magnus gentilmente na cama ficando por cima. Avançou seus beijos e lambidas pelo corpo de Magnus fazendo tremer pelo toque do moreno.

Quando Alexander chegou até os lábios do asiático, pediu passagem com a língua. Sendo permitida, suas línguas começaram a dançar num ritmo perfeito.

Alexander agora estava beijando o lateral do pescoço do asiático e falou.

- Eu quero você Magnus eu preciso de você dentro de mim.

Fizeram sexo até perderem suas forças.

Magnus sabia como saciar o Moreno.

O segundo round começou com Magnus provocando o moreno.

- Agora é sua fez meu anjo de me mostrar seu amor. Eu quero te sentir em mim.

Alexander ainda respirava afoitamente.

Depois de um tempo ambos caíram exausto na cama.

- Isso foi realmente a noite mais maravilhosa que tive em toda a minha existência. – falou Magnus tentando respirar.

- Foi incrível. – afirmou Alexander.

Eles acabaram pegando no sono de conchinha.

 

No dia seguinte.

Magnus sentiu um calor em seu rosto era os primeiros raios de sol que adentrava entre a cortina. Ele olhou o relógio viu que era 7:00. Decidiu se arrumar e descer até a cozinha para preparar um café da manhã sem magia.

Enquanto fazia ouviu alguém descendo e indo até a cozinha.  

Percebeu que era Maryse.

Maryse sorriu ao ver Magnus fazer panquecas com geleia.

Pediu uma para poder comer que logo foi dada por Magnus. Maryse agradeceu com um beijo na bochecha.

- Percebo a felicidade estampada no seu olhar Magnus. – disse Maryse.

- E você acertou estou muito feliz mesmo. Seu filho me faz a pessoa mais feliz do mundo. – afirmou Magnus.

- Se eu pudesse cantar de alegria, cantaria mais iria quebra os vidros da casa, é melhor não arriscar. – disse Magnus.

- Eu estou fazendo a mais para quem quiser comer. Ok. – completou Magnus para Maryse.

Magnus estava pegando leite e um suco na geladeira colocando na bandeja, junto com torradas e mais geleia.

- Acabei aqui vou subir. Ah já ia me esquecendo obrigado. – falou Magnus.

- Obrigado pelo quê! – disse Maryse.

- Por ter trazido o amor da minha vida. Vou ser eternamente grato por isso. – falou Magnus dando um beijo na bochecha de Maryse.

Maryse sorriu ao ver Magnus indo para o quarto.

- Amor...... Acorda fiz seu café da manhã. – disse Magnus chegando na cama.

Alexander sorriu ao ver Magnus com uma bandeja de café da manhã.

- Que lindo amor. Café na cama é tão maravilhoso. – afirmou Alexander.

- Então vamos comer nosso primeiro café da manhã como noivos. – disse Magnus.

- Você pode repetir! – pediu Alec.

- Vamos comer nosso primeiro café da manhã como noivos. – repetiu Magnus.

Alexander se ajoelhou na cama e beijou Magnus.

  Eles comeram o café da manhã tranquilamente e felizes fazendo brincadeiras um com outro.

Assim que acabaram ficaram admirando-se tentando memorizar cada pedacinho do outro.

Decidiu descer para ficar com seus amigos e família.

O clima estava maravilhoso lá fora. Todos estavam reunidos e se divertindo na sala.

Quando um segurança adentrou o lugar dizendo que havia chegado pelo correio duas caixas parecendo presentes Para Magnus e Alexander. Junto com outras correspondências.

Maryse pegou as correspondências e tinha um folheto em meio deles sobre lutador muito famoso no pais todo. E a foto de Hodge.

Já Alexander e Magnus acharam estranho as caixas bonitas e decidiram abrir as embalagens.

Magnus assim que abriu jogou o embrulho no chão assustado. Era uma corrente com cheiro de sangue e Alexander ao ver a caixa ficou atônico era um boneco todo furado escrito Magnus e um bilhete dizendo:

“ O verdadeiro amor sempre morre”.

Todos viram os presentes olharam o casal  e viram Magnus ficar pálido e começar a respirar pesadamente se lembrando de tudo que viveu e Alexander continuava atônico olhando aquele boneco bem vestido.

Os Amigos ajudaram Magnus e Alexander a se sentarem no sofá. Clary e Izzy foram até a cozinha pegar água com açúcar para os dois.

Magnus começou a sentir arrepios ao pensar no que passou e pensar que poderá viver isso de novo sua cabeça já estava entrando em parafuso, quando foi tirado de seus devaneios por Alec.

- Meu amor nada de ruim vai te acontecer eu te prometo. Nada. – afirmou Alexander.

-  Isso é só para nos atormentar. – continuou a dizer Alexander.

- Acho que ele conseguiu. – disse Magnus.

Maryse estava vendo as outras correspondências e vendo se tinha algum remetente nas caixas não achando nada.

Ragnor foi até a caixa tentando rastear o possível paradeiro do infeliz do Robert. Mas só conseguiu enxergar imagens embaçadas para raiva do feiticeiro.

- Não acredito que esse desgraçado está fazendo com Magnus de novo. – disse Catarina amparando Magnus.

- A tempestade lembra? – disse Magnus baixo para Catarina


Notas Finais


Beijokas com purpurina colorida.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...