História Depois que te conheci! - Capítulo 88


Escrita por: ~

Postado
Categorias Henrique & Juliano
Personagens Henrique, Juliano, Personagens Originais
Tags Henriqueejuliano
Exibições 221
Palavras 938
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Ficção, Mistério, Romance e Novela, Suspense
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 88 - Pode deixar que eu cuido da sua filha!


Fanfic / Fanfiction Depois que te conheci! - Capítulo 88 - Pode deixar que eu cuido da sua filha!

Acordei pela segunda vez no dia, Henrique já havia saido e como estava de folga levou João junto para que eu pudesse trabalhar. Olhei no relógio percebendo que ainda havia um tempo e entrei num banho relaxante. 

Mas pra quem achou que não ia mesmo se atrasar, que tinha o tempo todo do mundo, perdi longos minutos procurando a minha chave do estúdio, e ao estacionar na frente, Anne estava sentada no calçadão. 

- Perdão, perdão - Digo descendo depressa do carro para abrir a porta - Não achava a minha chave, aliás preciso te dar a reserva que eu fiz - Anne ria do meu jeito desesperada enquanto abria a porta com pressa... 

- Oh... Meu... Deus - Ela disse pausadamente, com a mão no peito e olhando em volta, aquele lugar simplesmente estava lotado de rosas, rosas de todos os tipos, de todas as cores, rosas que eu nunca havia visto antes. Caminhar era impossível. 

- Mas isso é um estúdio fotográfico ou uma floricultura - Digo olhando em volta, sem entender o mínimo - Mas como isso veio parar aqui? - Olhei rápido a chave em minha mão e claro, Henrique... a reserva não estava junto, por isso eu a encontrei pendurada onde tinha certeza que não havia deixado... O típico sorriso de orelha a orelha brotou instantaneamente nos meus lábios. 

- Que homem é esse? - Anne disse espantada, enquanto passava rosa por rosa, buquê por buquê observando. 

- Não sei - Sorrio boba, admirada - Ainda estou tentando descobrir. 

- Você sabe quantas mulheres tem essa sorte que você tem? - Ela me olhou com o mesmo sorriso bobo, não sabia nem o que responder - Uma em cada mil, você é uma privilegiada... - Sorri ainda mais boba - Nós não temos nenhuma sessão hoje né? - Neguei com a cabeça - Então vai pra casa, vai passar esse dia com esse doido que eu me viro aqui. 

Eu não podia negar aquilo, a única coisa que queria era correr para o Henrique. Com a ajuda da Anne coloquei todas das flores no carro e corri pra casa, na intenção de deixa-las e procurar pelo Henrique... 

- Que susto Henrique - Ao abrir a porta depressa, Henrique estava de costas enquanto mexia no celular, dei uma passo atrás com a mão no peito por conta do susto rápido... Henrique se virou todo sorridente - O que está fazendo aí parado desse jeito? 

- Estava te mandando mensagem - Me mostrou a tela do celular... Deitou a cabeça sobre o ombro com aquele sorriso que eu amava. 

- Você não existe sabia? - Me joguei nos seus braços, e como eu amava senti-los.

- Gostou? - Henrique perguntou me abraçando forte, tirando os meus pés do chão. 

- Se eu gostei? - O olhei com as mãos no seu rosto assim que ele me soltou - Não - Digo ironicamente - Só vim correndo pra ficar com você - Enchia-o de beijos a cada palavra - Você me faz te amar cada dia mais. 

- Você merece tudo - Henrique sorriu doce antes de me beijar calmo por um longo tempo... - Ti amo tanto minha princesa -  Ele deslizava suas mãos suavemente nos meus cabelos e rosto. 

- E o João? - Pergunto deitando a cabeça no seu peito, meus braços ainda envolvidos nas suas costas. 

- Deixei ele com a minha mãe - Henrique beijou o topo da minha cabeça - Vamos lá? - O olhei desentendida sem saber do que ele falava. - Você prometeu me levar até seus pais lembra? 

 - É verdade, eu tinha me esquecido - Sorrio fazendo brotar o mesmo dos seus lábios. - Vamos!

... 

Entrar naquele lugar sempre me causava um certo calafrio, mas ao mesmo tempo uma paz tão grande, eu me sentia mais pertinho dos meus pais... Não lembrava de ser uma data em especial mas estava lotado de gente. Era estranho saber que meus pais estavam alí naquele túmulo, mas a enorme foto dos dois sorrindo ao lado da linda homenagem que eu e Diego montamos me fazia sorrir também. 

Henrique sentou na ponta e sem piscar olhos ficou olhando para aquela imagem por um longo tempo, em silêncio, e eu que mesmo querendo não conseguia derramar as lágrimas acumuladas vi cair dos seus olhos as lágrimas disfarçadas... 

Depois de longos, muitos longos minutos totalmente em silêncio Henrique olhou para mim que estava em pé ao seu lado e levantou também. 

- Vem aqui - Estendeu sua mão e me abraçou, forte, só então deixei que todas as lágrimas rolassem... Lembrei da minha querida mãe, do meu aniversário de quinze anos, que meu pai fez questão de fazer uma grande festa, e que ao me ver entrar naquele salão com o meu irmão minha mãe chorou feito criança, lembrei que ao me abraçar ela me disse que seu sonho era um dia me ver entrar na igreja toda de branco, me ver entrar da mesma forma que eu havia entrado naquele dia, e em partes ela estava certa, sem meu pai ao lado a missão de me levar ao altar com certeza seria do meu irmão, o meu porto seguro... 

Henrique beijava minha cabeça enquanto minhas lágrimas molhavam sua camisa, tentando acalmar meu choro que já estava em soluços... Nós dois olhavamos juntos para aquela imagem. E com todo seu amor, carinhos, incrivelmente Henrique conseguia acalmar meu coração. 

- Eu vou cuidar de você - Ele beijou minha cabeça mais uma vez me abraçando ainda mais forte - Vou cuidar do jeito que eu tenho certeza que eles sempre sonharam...  

8 MESES DEPOIS



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...