História Depois que te conheci, minha vida mudou - Capítulo 7


Escrita por: ~ e ~Siljin

Postado
Categorias Inuyasha
Personagens Rin, Sesshoumaru
Tags Rin-hanyou, Sesshoumaru-humano
Exibições 239
Palavras 3.017
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Famí­lia, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Siljin e eu agradecemos pelos favoritos e comentários no capítulo anterior.

Boa leitura a todos! :)

Capítulo 7 - Capítulo Sete


Fanfic / Fanfiction Depois que te conheci, minha vida mudou - Capítulo 7 - Capítulo Sete

Sesshoumaru on

- Quê??? - Corri nu até a janela, mas ela já tinha ido

- Ela só pode estar de brincadeira com a minha cara. - Suspirei

Ela não quer nada comigo. Vou parar de insistir, então.

Ela não sabe o quanto isso é humilhante para um homem.

Se insinua toda, me tem por completo e de bandeja em suas mãos, e faz isso? Depois de ter me usado como queria, vai embora e nem diz um sim, depois do que rolou? Pensei que só os homens enrolassem as mulheres, mas pelo que vi hoje, me enganei. Mulheres também fazem isso e muito bem.

Chateado, vesti minha calça e deitei.

- Tsc! - Tentei dormir

Rin on

No dia seguinte, acordei com os gritos da Kikyou. Eu levantei e flashes da noite passada começaram a passar pela minha cabeça.

Oh droga! Como vou encarar o Sesshoumaru agora? E eu nem respondi a pergunta dele.

Me arrumei pra escola e usei meu cabelo pra esconder as marcas no meu pescoço.

Desci pro café e minha vózinha ficou reclamando que eu chegaria atrasada.

Se ela sentiu o cheiro do Sesshoumaru, então ela ignorou; porque não disse nada.

Sesshoumaru on

Acordei com os berros do meu pai.

Pela primeira vez, era eu quem estava atrasado.

Corri pra tomar banho.

Minutos depois, comi somente uma maçã, e nossos pais nos deixaram na porta do colégio.

Apressado, corri com o InuYasha nos braços e o deixei na sala, em seguida corri pra a minha.

Rin on

Cheguei na sala e achei estranho o Sesshoumaru não estar presente.

Pela primeira vez, eu cheguei primeiro que ele.

Sesshoumaru entrou em sala e nem me olhou.

A aula seguiu normalmente e na hora do intervalo, enquanto todos saiam de sala, fui até o Sesshoumaru.

- Precisamos conversar.

Ele não me olhou e tentou passar por mim, mas não permiti.

Sango e Miroku falaram pra ele ficar, e ficou.

Todos saíram de sala, restando apenas o Sesshoumaru e eu.

Ele estava sentado no lugar dele e eu estava sentada na mesa.

Sesshoumaru não me olhava e fiquei mal com aquele desprezo.

- Não sou de pedir desculpas, mas eu peço agora. Sesshoumaru, me desculpe por ontem. Eu perdi o controle. Eu não queria ter feito nada daquilo. Na verdade, eu queria sim, mas não daquele jeito.

- Você, com certeza, deve ter pensado mal de mim. Deve ter pensando que sou uma vagabunda e que só usei você, mas não é isso. Eu não sou assim. Eu nunca fiz nada desse tipo antes, mas com você eu tenho vontade de fazer muito mais.

- Desde que te conheci, eu não sou eu mesma. Não sei o que está acontecendo comigo. Eu quero tanto ficar com você, mas tenho medo de te machucar ou de te magoar.

Sesshoumaru on

Fiquei ainda mais confuso com tudo o que ela me confessou.

- Juro que fico sem entender você. Uma hora me despreza, depois diz que me quer. E ai, em vez de pensar em nós, fica pensando no que outros vão achar da gente.

Suspirei.

- Se digo que te quero, é porque quero. Por mim o resto que se dane. Tem como confiar em mim? Sei que nos conhecemos a pouco tempo, mas você já deveria ter percebido que sou diferente dessa corja de pessoas falsas.

Me aproximei

- Fiquei bem chateado por ontem. Pensei até em desistir de você... Você me humilhou ontem, Rin. Feriu meu orgulho masculino e isso é horrível. Sério, não faz mais isso ou vou mesmo desistir de você. - Enfiei minhas mãos em seus cabelos, indo direito para a sua nuca

- Agora me dá uma resposta concreta e sincera. É melhor mil vezes ouvir um “não”, do que ficar sendo enrolado. Você aceita ser a minha namorada, Rin?

Rin on

Puxei o Sesshoumaru pra um beijo e, por estar sentada na mesa, enlacei minhas pernas em sua cintura.

Nos separamos por causa da falta de ar, mas encostei minha testa na dele e o olhei nos olhos.

- Eu aceito, Sesshoumaru.

Sesshoumaru on

Sorri, roçando meus lábios nos dela.

- Você não vai se arrepender por está me aceitando. Prometo. - Beijei-a novamente

- Precisamos ir até o InuYasha, ou ele vai chorar. - Disse, interrompendo o nosso beijo

Enlacei sua mão na minha.

- Vamos?

Rin on

Respirei fundo e concordei com a cabeça.

Saímos juntos da sala. Lógico, todos estavam nos olhando, mas procurei ignorar.

Me concentrei no contato da minha mão com a do Sesshoumaru, e relaxei. Pra mim, naquele momento, é como se só existisse o Sesshoumaru e eu.

Sesshoumaru on

Curiosos e mais curiosos, não paravam de nos olhar.

Assim que InuYasha nos viu, correu ate nós.

- Você está namorando o Sesshy, Rin? - Perguntou ao ver nossas mãos juntas

Rin on

- Sim, Inu, estou sim. Tudo bem por você?

InuYasha: Sim! Eu queria muito que vocês ficassem juntos. Os dois ficam lindos juntos.

Pronto, fiquei corada.

Sesshoumaru on

Sorri, pelo o que meu irmão disse, e logo seguimos para o refeitório.

Fiz Rin sentar a mesa comigo, InuYasha, Miroku e a Sango.

- Sesshy, eu conheci uma coleguinha nova. - InuYasha disse, de boca cheia e corado

- O que já falei sobre falar de boca cheia?

- Desculpe mano.

- Agora me conta, que coleguinha é essa?

- Ela mudou ontem de cidade. Ela me disse, somos duplas de mesa. - Corou ainda mais

- Qual o nome dela, hein?

- Kagome. Mano, será que depois podemos convidar ela pra brincar comigo na nossa casa? - Perguntou com os olhos brilhando

- Claro. Mas os pais dela precisam deixar.

- Vou falar com ela depois.

Rin on

Eu não estava me sentindo muito a vontade. Na verdade, eu me sentia um peixinho fora d'água.

A conversa fluía entre o Sesshoumaru e os amigos dele, mas eu só ficava calada.

Às vezes o Sesshoumaru, e até mesmo o InuYasha, tentavam me fazer interagir com eles, mas eu dava a resposta mais curta possível.  

O sinal tocou e levamos o InuYasha até a sala dele, depois o Sesshoumaru e eu voltamos de mãos dadas.

Sesshoumaru on

Me sentei ao seu lado, claro! Já havia mudado, de vez, de lugar. Agora aquele, pelo resto do ano, seria o meu lugar; ao lado da minha namorada.

- Vai invadir meu quarto de novo, como ontem? Estou ansioso pra que isso aconteça novamente. - Coloquei um bilhete em sua mesa

Rin on

Fiquei extremamente corada com aquele bilhete.

Não! Não posso invadir do quarto dele. Não nesse estado.

- Sesshoumaru, hoje não. Nem hoje e nem amanhã. Mas sábado to livre, sendo que ai não vou poder fazer nada. – Entreguei o papel a ele

Sesshoumaru on

Olhei pra ela, de sobrancelha arqueada.

- Ué, por que não? Eu gostei de ontem. Poderia repetir mais vezes, sempre quando quiser. Aliás... Aquela foi a primeira vez? Ou você sempre invadiu o meu quarto? Por que sempre sonho com você, a noite, nele. - Entreguei o papel

Rin on

Admito ou não?

- Não da pra te contar o porque, por papel. Depois, se você quiser, eu posso te contar. E sim, já invadi seu quarto antes. Faço isso todas as noites. Nunca estranhou o fato da sua janela estar sempre aberta?

Completamente corada, eu entreguei o papel a ele.

Sesshoumaru on

Fiquei surpreso ao ler o papel.

Sabia que não era somente um sonho.

- Como não estranhar, se toda noite eu acordava pra fechá-la? Eu sempre a fecho antes de ir dormir, e comecei a achar que estava maluco.

Entreguei o papel e, quando o professor olhou na nossa direção, paramos de trocar bilhetes.

As foram se passando e logo o sinal tocou.

- Que sair no sábado, ou no domingo, comigo? Que tal o cinema? – Perguntei

Estávamos indo buscar o InuYasha.

Rin on

- Por mim tudo bem, mas eu não gosto de ir ao cinema. O som é muito alto e minha audição é sensível.

Sesshoumaru on

- Podemos ir em outro lugar, então. Podemos passar o dia na minha ou na sua casa, assistindo filme.

- Mano! Mano! - InuYasha veio ansioso até mim

- Que foi?

- Ela disse que vai pedir para os pais dela, pra vir passar o sábado na minha casa. Aí pedi minha professora pra passar o endereço pra ela, escrito no papel.

- Hum. – O peguei nos braços – Assim, iremos fazer coisas de casal no sábado. Nós quatro, o que acha?

Rin riu e eu também.

- Podemos ir tomar um sorvetão.

- Hey! Já está viciado. Olha o que a mãe falou. Mas o que acha Rin, de nós quatro irmos para a sorveteira no sábado?

Rin on

Concordei com a ideia e fomos embora.

Alguns dias depois

Hoje é sábado e vou a sorveteria com o Sesshoumaru e o InuYasha. Ele ficou tão contente, quando os pais da Kagome a deixaram passar o dia com ele.

Acho que tem alguém se apaixonando. Esses dois ainda vão ficar juntos.

Não contei a minha avó sobre o meu namoro e nem vou contar.

Sesshoumaru marcou 15h comigo. São 13:30h e já estou saindo de casa, pois preciso passar um lugar antes.

Sesshoumaru on

Acordei com o InuYasha pulando na minha cama.

Que pestinha!

- Argh! Inu. Por que não me deixa dormir?

- Sesshy! São 12 horas e a Kagome já está lá em baixo. A mamãe disse que deixou comida pronta no microondas. Vamos! Levanta! A Kagome deve estar com fome.

- E você a deixou sozinha lá na sala?

- Ela tá assistindo desenho, mas já vou descer. Não demora, mano.

- Ta. - Bocejei

Me levantei e segui para o banheiro.

Rin on

Parei em uma floricultura e comprei algumas flores. Depois segui até o cemitério e parei em frente ao túmulo da minha mãe.

- Oi mamãe! Trouxe as flores. - As coloquei sobre o túmulo - Eu tenho uma novidade. Eu to namorando.

- Ta, eu sei que isso parece meio impossível, mas é verdade. O Sesshoumaru é incrível, mamãe. A cada dia que passa eu me derreto um pouco mais.

- Ele não é como os outros. Ele não me trata com desprezo e nem me olha torto. Gostaria que a senhora o conhecesse. Acho que você ia adorá-lo. Na verdade, acho que não tem como não gostar do Sesshoumaru.

- Ele pode ser teimoso, persistente e até cabeça dura, mas eu também sou. Deve ser por isso que estamos nos dando tão bem.

Permaneci ali, com a minha mãe, até dar a hora do meu encontro com o Sesshoumaru.

Sesshoumaru on

Depois de passar algumas horas olhando os pestinhas brincarem, fui dar um banho no InuYasha, enquanto a Kagome esperava na sala.

Depois de seco e vestido, foi a minha vez de me arrumar.

- Não vão aprontar, já volto.

Eram mais ou menos 14:55 horas.

Espero que a Rin chegue antes, assim ela olha esses pestinhas, enquanto tomo meu banho.

Rin on

Fui até a casa do Sesshoumaru e toquei a campainha. InuYasha atendeu a porta e eu já ia reclamar, mas ele falou antes.

InuYasha: Meu mano ta no banho. Eu tinha que atender a porta pra você.

- Ok. Dessa vez passa.

Fomos até a sala e vi uma menininha linda, que usava um vestidinho rosa claro, cabelos negros e olhos escuros.

InuYasha: Rin, essa é a Kagome. Kah, essa é a Rin. Ela é namorada do meu irmão e também é a minha babá.

- Olá Kagome!

Kagome: Posso apertar suas orelhas? - Pediu com os olhinhos brilhando

Fiquei sem reação. Ninguém, nunca, me pediu isso antes.

- Hããã... Pode.

Ela estava sentada no sofá e me abaixei, ficando de joelhos de frente pra ela.

Um pouco tímida, ela levou as mãozinhas até minhas orelhas e apertou.

Kagome: Kawaii! São tão macias.

InuYasha: Eu quero apertar também.

Kagome ficou segurando em uma orelha, enquanto o Inu segurava a outra.

InuYasha: São bem macias mesmo.

Ele começou a fazer carinho e fechei os olhos.

InuYasha: Mano, você precisa apertar as orelhas da Rin.

Abri os olhos e olhei pra escada. Sesshoumaru estava no final dela, vindo em nossa direção.

Sesshoumaru on

Assim que me arrumei, desci e sorri ao ver a Rin ali.

- Hm. Pode deixar mano, vou apertar depois. Não só ela, mas outras coisas também. - Disse sorrindo

- Vamos então?

Rin on

Que? Como assim o Sesshoumaru fala isso assim?

Olhei torto pra ele, que sorriu pra mim.

InuYasha e Kagome levantaram do sofá e nós quatro fomos em direção a sorveteria.

Sesshoumaru on

Segurando a mão da Rin, às vezes, de surpresa, cheirava seu pescoço e às vezes dava selinhos em sua boca; fazendo-a me olhar, corada.

Quando chegamos a sorveteira, sentamos a mesa e logo anotaram os nossos pedidos.

InuYasha, como sempre, ansioso para a maior casquinha. E, pelos olhos da Kagome, a menina também esperava o mesmo. 

Rin on

Nossos pedidos chegaram e InuYasha já foi logo atacando a casquinha. Kagome, um pouco mais comportada e tímida, começou a fazer o mesmo.

Fiquei rindo dos dois.

São tão fofos.

Sesshoumaru on

- Depois daqui, vamos da uma volta na praça, Sesshy? - InuYasha falou com a boca suja

- Vamos. - Limpei a boca dele - Vamos só tomar mais um rodada de sorvete e pronto.

- Eba mano! - Falou empolgado

- Vai querer, Rin?

Rin on

- Não. Já estou satisfeita.

Eles tomaram mais uma rodada de sorvete e, enquanto eu limpava a boca do InuYasha, Sesshoumaru foi pagar a conta.

Sesshoumaru on

- Vamos? - Disse depois de voltar

Rin pegou na mão da menininha e eu peguei na mão do InuYasha, assim seguimos para uma praçinha que tinha logo ali; onde as crianças, de 1 a 10 anos, podiam brincar nos brinquedos.

- Não se afastem tanto, Inu. Rin e eu vamos ficar nesse banco. Qualquer coisa pode gritar que irei correndo até você.  

- Ta mano. Vem, vamos brincar Kagome. Eles querem dar beijinhos um no outro. - Sussurrou pra menina, mas claro que o ouvimos

Rin on

InuYasha e Kagome se afastaram, enquanto isso permaneci imóvel e corada por causa do que ele falou.

- Esse garoto só sabe me deixar com vergonha.

Sesshoumaru on

- Vamos parar de falar neles?  Como o InuYasha disse, queremos dar beijinhos um no outro. Bom, isso é o que quero nesse momento, mas se quiser outras coisas, só em casa.

Rin on

Fiquei ainda mais corada.

Infelizmente não posso fazer nada. To naqueles dias, mas beijar eu posso.

- Para de me deixar com vergonha.

Ele riu e aproximou seu rosto do meu.

Demos início a um beijo e minhas mãos foram até a nuca do Sesshoumaru.

Adoro deixá-lo marcado. Ele é meu e todos precisam saber disso.

Sesshoumaru on

Me arrepiei com o seu toquei, e me deixe ser levado pelo momento.

Chupava a língua da Rin com intensidade, e ela fazia o mesmo com a minha.

Enlacei meus braços em sua cintura e aproximei, um pouco mais, os nossos corpos.

Na troca de língua, sempre mordia seus lábios.

Rin on

Toda vez que o Sesshoumaru mordia o meu lábio, eu acabava rosnando baixo.

Coloquei uma de minhas mãos no meio de seus cabelos e os puxei levemente.

Sesshoumaru on

Suspirei durante o beijo, em busca de ar, mas não larguei dos lábios dela.

Era viciante beijá-la.

Cada vez que a beijo, quero outro, mais outro e mais outro; até não conseguir mais beijar seus lábios.

Separei, com muito custo, meus lábios dos dela, mas não os separei de sua pele; pois comecei a beijar seu pescoço, deixando marcas ali.

Rin on

Suspirei, quando o Sesshoumaru começou a beijar meu pescoço.

- Sesshy! - Gemi em seu ouvido

Minha mão continuava em seus cabelos e a outra estava nas suas costas.

Sesshoumaru on

Me sentindo motivado, mordi seu pescoço e ela puxou os meus cabelos.

Levei meus lábios para de baixo do seu queixo e passei a chupar ali também; enquanto revezava entre rosto, queixo e pescoço. Chupando, beijando e mordiscando a sua pele, deixando marcas avermelhadas.

Rin on

Já que o Sesshoumaru está me marcando, acho justo fazer o mesmo com ele.

Comecei a chupar seu pescoço e deixei algumas marcas avermelhadas e uma um pouco mais escura.

Sesshoumaru gemeu baixo e acabei mordendo seu pescoço, um pouco mais forte do que eu queria. Ele reclamou de dor e me afastei.

- Me desculpa. Eu não fiz por querer.

Sesshoumaru on

- Tudo bem. - Disse ofegante

- Melhor pararmos. Já estou ficando excitado e aqui não é um local apropriado pra essas coisas.

Tirei o celular do bolso e vi que eram quase 5 horas. Os pais da Kagome logo viriam buscá-la.

Rin on

Sesshoumaru deixou o celular dele comigo e foi atrás do InuYasha e da Kagome.

Ele se afastou e chegou uma mensagem no celular. Fiquei curiosa e olhei. Me arrependi na hora.

Por que eu tenho que ser tão curiosa?

Era mensagem de uma tal de Sara e tava escrito o seguinte: "Oi amor! Sinto tanto a sua falta. Quando vem me visitar? Estou com saudades de passar minhas noites com você. Me liga! Beijos amor da minha vida".

Eu fiquei despedaçada.

Ele tem namorada? Então eu sou a "outra"? Bem que eu achei bom demais pra ser verdade. Ninguém gosta de mim. Todos me odeiam, me desprezam e me enganam.

Sesshoumaru apareceu, junto das crianças, e olhei feio pra ele; que me perguntou qual o problema.

- Qual o problema? Olha e você vai saber. - Entreguei o celular a ele

- Não me procure novamente.

Dei as costas pra ele e comecei a me afastar.

Sesshoumaru on

Fiquei desesperado, pelo o que havia acabado de ler.

- InuYasha, não saí daqui. Fica aqui com a Kagome.

- Ta mano.

Corri atrás da Rin e segurei seu pulso.

- Hey, posso me explicar? Eu tenho uma explicação sensata pra isso. Se você me ouvir, garanto que não irá se arrepender.


Notas Finais


Será que vou deixar o Sesshoumaru falar? Ou será que vou embora? Não sei... Ainda estou indecisa...
@Siljin e eu lançamos novas parcerias e os links estarão a baixo, caso alguém queira acompanhar.

Obrigada pela presença de todos, esperamos que tenham gostado, bjs e até o próximo capítulo. *Sem previsão*

Nem tudo é sofrimento, o amor transforma tudo: https://spiritfanfics.com/historia/nem-tudo-e-sofrimento-o-amor-transforma-tudo-6677840

Um amor de verão: https://spiritfanfics.com/historia/um-amor-de-verao-6668631

Amor sem limites: https://spiritfanfics.com/historia/amor-sem-limites-6663897

Um mafioso em minha vida: https://spiritfanfics.com/historia/um-mafioso-em-minha-vida-6658251

Um amor inesperado: https://spiritfanfics.com/historia/um-amor-inesperado-6504548


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...