História Depression (Fanfiction Namjoon) - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Exibições 9
Palavras 1.543
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 2 - Clinic?


Emma POV.:

Acordei sentindo um clarão atingir meus olhos. Virei pro lado e vi minha mãe segurando minha mão com a cabeça apoiada na cama dormindo tranquilamente.

Reparei no local em que estava, era todo branco, ao meu lado esquerdo tinha um monitor mostrando sinais cardiacos, um sofá branco de um lugar com uma bolsa marrom e um caso o preto o ocupando o asento e uma porta que provavelmente levava ao banheiro. Senti dores no meu braço esquerdo e pude reparar agulhas alojadas em baixo da minha pele ligadas a canudos que se transmitiam remedios e pude reparar uma máscara de ar em meu rosto.

Deixei minhas memórias me levarem e me lembrei de ter me cortado e desmaiado pela perda de sangue após isso não me lembro de mais nada.

“Não se esforce muito Emm, você ainda está debilitada. Vou te explicar resumidamente o que aconteceu: você ficou apagada por quase um mês inteiro e eu me segurei muito mesmo para não lhe dar o beijo da morte. Sua mãe passou esse tempo todo aqui com você, raramente ia para casa e seu pai e seu irmão não deram as caras uma única vez, então eu sugiro que assim que ela acorde você conte tudo a ela.”

Mas contar tudo assim de repente não seria ruim e assustador? Ela não iria acreditar em mim ou em minhas palavras. Eu estou com medo.

“Não tem porque sentir. Confie em mim.” Disse sorrindo. “Aproveita e fala que em Seul tem uma ótima clinica que trata disto.” Disse ela indo até a janela e observando. “Eu tenho que beijar alguém que vai cair da escada, enquanto eu vo conta pra ela.” Disse ela apontando com seu dedo ossudo para a mulher ao meu lado que mostrava sinais de que a recem tiha acordado.

-Filha? Você ta acordada?-pediu minha mãe levantando de supetão da cama.

-Sim.-falei com a voz falha.

-Meu Deus, obrigada!-disse ela olhand para o teto e juntando as mãos.-Você está bem? Beba um pouco d’água.-disse ela servindo um pouco de água no copo e abaixando a mascara e me dando para beber.

-Obrigado mamãe.-falei após sentir um alivio por ter minha garganta molhada.

-Filha, porque fez aquilo?-me pediu ela sentando novamente e me olhando fixamente.

-Mãe, eu não quero que a senhora se afaste de mim também.-falei e virei meu rosto para o outro lado.

-Eu nunca vou me afastar da minha princesinha.-disse ela passando as mãos nos meus cabelos.-Me diga o que aconteceu. Por favor!

-Mãe...-eu iria dizer para ela parar de insistir, mas de repente me bateu um choque de realidade. Eu iria mesmo querer continuar vivendo daquele jeito pelo resto da minha vida. Eu ia querer continuar sofrendo abusos todos os dias das pessoas que deviam me amar e cuidar de mim?-... a senhora pode não acreditar em mim, mas o papai abusa de mim e é sempre quando ele bebe.-disse já esperando o contado de sua mão em meu rosto, mas não veio.

-Como assim?-pediu ela ainda me olhando.

-Ele me bate e exige dinheiro de mim, eu já cansei de ir cheia de hematomas para a escola e dizer que cai em casa ou me bati em algum lugar ou deixar de comprar comida e entre outras coisas para lhe dar dinheiro para ele comprar suas bebidas e as vezes até suas drogas.

-Porque você nunca me disse isso? Se você tivesse me dito eu não teria viajado tanto assima trabalho, eu trocaria até meu emprego e largava seu pai só para te manter segura.-disse ela com os olhos cheios de lágrimas e ela apertou minha mão.-Porque eu sinto que tem mais coisa?

-Como a senhora consegue ter esse sexto sentido?-disse sorrindo fraco,mas vendo seus olhos cheios de lágrimas tirei o sorriso do rosto, respirei fundo e abaixei a cabeça.-eu sofro violência na escola também, as garotas de lá me batem, pegam meu lanche, meus deveres de casa e me humilham diante dos outros.-disse.

Fiquei quieta esperando alguma palavra dela, mas não veio nada além de um soluço alto e um abraço de urso. Podia sentir as lágrimas dela molharem meu ombro e suas mãos afagarem meus cabelos e esfregarem minhas costas em um gesto de carinho e compreensão. Ela se afastou, olhou para mim e tirou meus cabelos da frente do meu rosto e sorriu.

-Nós vamos sair daquela casa e vamos morar com sua tia, vou te mudar de escola e isto nunca mais vai acontecer meu amor.-disse ela beijando demoradamente minha testa.

-Mãe, tem algo que eu quero lhe falar.-disse assim que ela se afastou.-Uma enfermeira veio aqui antes e conversou comigo, ela disse que em Seul tem uma clinica que trata destes tipos de doença e que é muito boa, e que quase não se tem reclamações de lá.-disse e desvie meu olhar.

-Você quer ir para lá?-pediu ela.

Sinalizei que sim coma cabeça e mirei meus olhos nela e vi ela sorrindo para mim com compaixão.

-Estou feliz que você queira tratar disto meu anjo.-disse ela apertando minhas mãos com carinho.-Uma pena que não poderei lhe ver todos os dias.

-Mas e se for caro mãe, eu não quero fazer a senhora gastar dinheiro.-disse lhe olhando.

-Eu gasto tudo o que tenho e o que não tenho para poder você ficar bem e lhe ver sorrir.-disse ela sorrindo mais ainda.-Eu vou chamar um médico e vou ver deste detalhe e já volto.-disse ela indo em direção a porta assim que chegou nela ela parou, virou e sorriu para mim e saiu.

“Eu disse que não seria dificil.” Falou ela sentada na cadeira e me encarando com aqueles olhos azuis gelidos. “Espero que eu tenha que te dar o beijo daqui a muitos anos.” Disse e logo sorriu para mim.

Sabia que isso ia acontecer por isso mandou eu falar, não é?

“Sim, mas eu não queria estragar, então deixei tudo nas suas mãos. E se você não tivesse falado, eu já tinha até um plano mirabolante para fazer ela descobrir tudo isso.” Disse ela gesticulando com as mãos e de repente parou e se levantou de supetão. “Eu estou tão feliz que você vai para lá, tem muitas coisas te esperando lá”

Sorri com seu comentário e me deixei olhar o céu nublado de Busan. Talvez agora finalmente minha vida tome um novo rumo, eu rumo feliz.

 

--

 

Sai do avião e me dirigi até a area de desembarque e embarque e vi que um senhorzinho sorridente segurava uma placa com meu nome. Fui até ele e ele se apresentou como Hye Nana e era um dos secretários da clinica.

Passamos o caminho inteiro conversando até que chegamos na clinica e ele me largou nas mãos de uma enfermeira jovem chamada Kim Hye Jin.

-Então querida, vou te levar até seu quarto. Nós aqui dividimos os quartos mistos, para deixar tudo mais a vontade entre os nossos pacientes.-Ela falou me guiando por um extenso corredor.- Você vai dividir com o Sr. Kim., ele é um garoto muito gentil.-disse ela logo parando na frente de uma porta bege.-Este é seu quarto, e logo após arrumar suas coisas, por favor vá até a enfermaria cuidar de seu curativo.-disse ela sorrindo e beijando meus cabelos e logo após saindo.

Abri a porta do quarto e vi que não tinha ninguém, e vi que a cama da direita estava toda bagunçada enquanto a da esquerda estava arrumadinha, fui em direção a da esquerda e vi que tinha dois guarda roupas, soltei minha mala no chão e observei o lado direit do quarto, que continha posteres e alguns ursos de pelucia e embalagens de salgadinho largados no chão. Reparei em uma porta que provavelmente levava ao banheiro e por fim na grande janela que dava vista  a um jardim enorme com alguns adolescentes e adultos sentados conversando ou jogando alguns jogos.

Resolvi deixar para depois a arrumação da minha parte do quarto e parti em busca da enfermaria. Passei os corredores seguindo as instruções das plaquinhas até que cheguei na enfermaria. Assim que entrei pude perceber um rapaz de cabelos morenos e completamente branco sentando em um dos bancos com os olhos fechados.

Sentei um banco de distância e fiquei encarando meus pés.

-Min Yoongi.-ouvi um voz grossa vindo do meu lado.-E o seu nome é?

Olhei para o lado e percebi que ele ainda estava com os olhos fechados, porém logo que ele percebeu que eu o encarva ele abriu um dos olhos e ficou me olhando também.

-Park Emma.-falei corando e logo voltando a encarar meus pés cobertos pelo all star rosa bebe.

-Seja bem-vina.-disse ele voltando ao seu estado de antes.-Podemos ser amigos se quiser?-disse ele abrindo um olho me encarando.

Sorri timidamente e balançei a cabeça em sinal de afirmativo, vendo ele sorrir também.

-Estou aqui por causa de coma alcoolico, e você?-pediu ele.

-Depressão.-falei ainda timida.

-Depressão é uma bosta. Uma garota linda como você não devia sofrer disto.-disse ele sorrindo e me olhando.-Mas agora eu estou aqui para te lembrar todos os dias como é bom sorrir.-disse ele vindo para o banco ao meu lado e passando seu braço pelos meus ombros.-Vou te apresentar aos outros assim que sairmos daqui.

É, talvez a morte estivesse certa, coisas boas me esperam aqui.

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...