História Desaventuras - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Asuma Sarutobi, Chouji Akimichi, Gaara do Deserto (Sabaku no Gaara), Hinata Hyuuga, Ino Yamanaka, Kakashi Hatake, Kiba Inuzuka, Konan, Maito Gai, Naruto Uzumaki, Neji Hyuuga, Rock Lee, Sai, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha, Shino Aburame, Shizune, Temari, TenTen Mitsashi, Tsunade Senju
Tags Hinata, Mistério, Naruhina, Romance
Exibições 91
Palavras 1.147
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Ficção, Hentai, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Minha primeira fic, espero que gostem! ;)

Capítulo 1 - Capítulo Um


Fanfic / Fanfiction Desaventuras - Capítulo 1 - Capítulo Um

Quando eu era pequena, minha mãe costumava dizer: "Hinata quando crescer, faça amigos, eles te deixarão feliz quando estiver triste. Quando crescer, arranje um marido, ele será como parte de você, a parte que ainda falta em você, ele irá te completar. Quando crescer, minha filha, seja feliz." E ouvir ela dizendo isso já me deixava feliz, eu, com 8 anos, estava convicta de que iria seguir o conselho de minha mãe, acreditava que iria fazer milhares de amigos, e que eu poderia confiar em todos, e que todos iriam me deixar feliz quando estivesse triste, bom, na verdade eu acreditava que nunca iria ficar triste, que eu sempre seria, como quando eu tinha 8 anos. Acreditava que eu iria achar um príncipe encantado, que ele iria chegar em um cavalo branco, e fazer uma linda declaração e junto com a declaração, ele me daria azeitonas. Enfim, eu realmente cheguei a acreditar que seria muito feliz, acreditava que só existia a felicidade para todos, e que a tristeza era rara.

Atualmente vivo constantemente dividida entre me matar e matar todos á minha volta. Descobri que não sou o tipo de pessoa que irá ter milhares de amigos, tenho um único amigo, e ainda é virtual. Descobri também que príncipes encantados não existem, que são todos sapos, e que nem com magia forte, eles virariam príncipes. E que ninguém iria me fazer uma linda declaração, e nem me daria azeitonas.

Neste momento estou no meu quarto, é o lugar que mais costumo ficar, se eu pudesse nunca mais sairia dele, é como se eu estivesse protegida de todos os seres humanos que habitam lá fora.

mãe: Hinata, saía desse quarto, já está quase na hora de ir para a escola.

Eu odeio a escola. O-D-E-I-O. O que me deixa aliviada, é ser meu último ano, aguentar passar o ensino médio inteiro sozinha não é para qualquer uma, e para acompanhar a solidão, temos, auto estima baixa, ansiedade e timidez. pacote completo para a infelicidade!

- Que saco! Tô passando mal, infelizmente vou ter que faltar hoje, mãe.

Bom, na verdade não estou doente, estou ótima! Só não quero ir para a escola mesmo.

mãe: Eu te conheço, Hinata! gente doente não fica jogando até de madrugada... Já faltou 3 dias seguidos, não vai faltar mais!

Infelizmente não encontro uma desculpa, realmente tô precisando ir, minhas notas estão péssimas, e estou com muitas faltas. Vou ter que encarar aquela tortura.

- Tô saindo, mãe. Se eu não voltar viva, se sinta culpada. Tchau!

mãe: Tchau, filha, tenha uma boa aul...

A porta meio que se fecha no meio da frase, mas não que eu não possa adivinhar como termina. Desde que meu pai morreu, o que já faz muito tempo, minha mãe dedica a vida dela em trabalhar, ela tem uma loja de imóveis, a loja 'Hyūga', ultimamente a loja anda ás moscas, o que levou a minha mãe a trabalhar ainda mais, sempre procurando maneiras de promover a loja, e bisbilhotando a concorrência.

Toda vez que pego o ônibus para ir a escola, torço para que o ônibus bata, e que eu morra nos destroços pegando fogo, então minha mãe iria poder processar a empresa que fabrica o ônibus e conseguir mais dinheiro com a minha trágica morte do que eu jamais conseguiria ganhar em minha trágica vida. A menos que os advogados da fábrica de ônibus possam provar para o júri que eu seria um fracasso garantido. Então eles se livrariam do processo dando à minha mãe um Ford Fiesta usado e considerando a questão resolvida.

Já chego na escola, querendo ir embora.

asuma: Ora, Hinata, está sumida! Estava doente? Sua mãe está bem? E a loja Hyūga está indo bem?

Asuma é meu professor de geografia, ele é do tipo intrometido, sempre faz perguntas sobre a vida dos alunos, é tão irritante.

eu: Sim para todas as suas perguntas.

Claro que eu menti sobre a loja da minha mãe, mas ninguém precisa saber que a loja está quase falindo, né?

 Eu sou sempre a primeira a entrar na sala, até porque não tenho amigas para ficar no pátio, falando mal da vida alheia, ou discutindo sobre qual tem a unha mais linda. O primeiro sinal toca, o sinal é um longo bipe, ele sempre me lembra de quando um brinquedo começa a funcionar num parque de diversão. As primeiras a entrar são Ino e Sakura, as duas são inseparáveis e insuportáveis, olha só, até rimou! Elas passam mais da metade do tempo passando maquiagem, e quando não estão passando maquiagem, estão se admirando no espelho. Em seguida começa a entrar o restante da sala, sento na primeira fileira, a fileira dos nerds, eu gostaria de dizer que sou uma nerd, mas minhas notas são péssimas, então só fico com o rótulo de estranha mesmo. Atrás de mim, senta o Naruto, ele nunca fica quieto, e sempre procura uma forma de chamar a atenção de toda a sala.

naruto: Asuma, ainda não fez as perguntas diárias da minha vida hoje.

Todos da sala começam a rir, confesso que eu também não resisti, vendo a cara do professor Asuma. Geralmente não costumo rir das piadas do Naruto, desde quando ele me chamou de muda e esquisita depois de ter pego meu celular escondido e escutado a música do Jake Bugg, Two Fingers. poxa, a música é maravilhosa, esquisito é ele. E quanto ao muda, talvez ele tenha razão, quase não falo na escola.

sasuke: tsc... babaca.

Sasuke é muito popular na escola devido a sua beleza, apesar de não acha-lo grande coisa nesse quesito, as meninas babam nele, principalmente a Ino e Sakura, mas ele parece não sem importar muito com isso, está sempre focado nas lições, ou em reclamar do Naruto.

Eu não via a hora de ir embora logo, me trancar no quarto, jogar Cosmogt e conversar com o Undefined. 

Passo as três primeiras aulas inteira tentando recuperar a minha nota, era um pouco difícil se concentrar nas lições enquanto o Naruto não parava de falar atrás de mim, mas nada que um fone de ouvido não resolva, né?

Mais uma vez aquele bipe irritante, que quase ensurdece os alunos toca, dessa vez para o intervalo. Eu não gosto muito da hora do intervalo, e sempre procuro ficar afastada da multidão. Logo o sinal toca de novo, e escuto uma coisa maravilhosa vindo da cantina.

inspetora shizune: Vocês estão liberados! A energia da escola acabou por tempo indeterminado.

Só consigo ver o Naruto gritando, e atropelando todos que estavam na sua frente, inclusive Sasuke, que quase caiu, e fez uma cara assustadoramente brava.

Cheguei em casa e fui correndo ligar o PC.

Undefined: Aee, entrou :3 hoje eu sai mais cedo da escola u.u sai correndo pra vim conversar com vc

Anônita: Sério??? Eu também sai mais cedo hoje o/ preparado para perder no x1? HAHA.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...