História Desbravando Hoenn - Capítulo 14


Escrita por: ~

Postado
Categorias Pokémon
Personagens Brendan, May, Meowth, Personagens Originais, Professor Birch
Tags Hoenn, Pokémon
Exibições 4
Palavras 3.183
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, Mistério, Romance e Novela, Universo Alternativo

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Boas, fãs do mundo Pokémon! Tudo bem com vocês? Espero que estejam muito bem! Venho por meio deste trazer um novo e tenso capítulo da minha Fanfic de Pokémon! Espero que gostem! E, desde já, obrigado por lerem!

Capítulo 14 - Karma!


Anteriormente, quando Bryan, Harley e Leona estavam a caminho de Rustboro, mais especificamente no fim do Bosque de Petalburg, foram surpreendidos por Craig e seus Pokémons Wingull e Mareep que, durante uma batalha contra o Breloom de Bryan, evoluiu para Flaaffy. No fim desse combate, devido ao Choque do Trovão de Flaaffy e o Faísca de Shinx, houve uma explosão que deixou os três amigos inconscientes. Por fim, com ajuda da Oficial Jenny, os meninos terminam de chegar em Rustboro e vão para o Centro Pokémon com a finalidade de repousar e se recuperar do acontecido.

Jenny: Fico feliz de ver que passam bem!

Leona: Obrigado por nos ajudar, policial Jenny! - estendeu o braço para cumprimentar a Oficial

Harley: Muito obrigado mesmo, foi de grande ajuda! - coçou a cabeça

Jenny: Ouvi a explosão e tive que ir correndo! Com aquela organização maldosa aprontando coisas que nem imaginamos, não dá pra deixar nada passar!

Bryan: Organização? - o assunto chegou aos ouvidos do garoto

Jenny: Sim, uma organização criminosa. Não sabemos muito sobre eles... - olhou para cima como quem pensa - Mas o que sabemos é que estão dando muito trabalho por todo o continente de Hoenn!

Harley: Dando trabalho? O que eles têm feito?

Jenny: De tudo! - fez gestos com o braço para dar ênfase - Assaltam bancos e PokéMarts, roubam pessoas na rua... Existem rumores de que estão atrás de um Pokémon lendário!

Leona: Lendário? - não parecia saber exatamente o que significava o termo

Jenny: Mas o que eles mais costumam fazer - concluiu - é furtar Pokémons de treinadores! - tal fala fez com que a cena do Torneio de Oldale passasse pela cabeça dos três - Parecem fazer por prazer! É o maior número de casos que temos!

Harley: Hey! Uma vez roubaram nossos Pokémons!

Leona: É! E foi você quem nos ajudou, não se lembra, Jenny?

Jenny: Eu ajudei? - parecia surpresa - Não pode ser! Se um recruta da Equipe Aqua estivesse envolvido eu com certeza me lembraria!

Leona: Mas era você! Lá em Oldale!

Jenny: Ah! - estalou os dedos da mão direita - Devem estar me confundindo com a minha irmã, a Jenny!

Harley: Vocês são gêmeas? - usou uma voz incrédula

Leona: E têm o mesmo nome?

Jenny: Na verdade somos muitas! - riu - É muito comum nos confundirem!

Joy: Assim como nós, as Enfermeiras Joy! - se intrometeu no assunto rindo também

Bryan: Mas, Jenny, desculpe interromper - apesar de ser uma fala educada, seu tom de voz era seco e um tanto quanto nervoso e revoltado - Mas como identificaria se encontrasse alguém da Equipe Aqua?

Jenny: Eles sempre estão uniformizados! Sempre com roupas pretas, azuis e brancas! Geralmente rasgadas e com esse símbolo aqui em algum lugar! - pegou sua PokéNav e mostrou aos meninos

Bryan: Foram eles! Sem a menor dúvida!

Jenny: O que?

Harley: O Bryan tem razão! Foram membros da Equipe Aqua que roubaram nossos Pokémons!

Jenny: Vocês têm certeza meninos? - arregalou os olhos de preocupação - Então correram um grave perigo! - falou severa - Alguns dos membros não oferecem tanto risco - se virou de costas e olhou para cima - Mas alguns não tem limites... São capaz de fazer tudo de ruim para atingirem seu objetivo!

Leona: Bom... Acho que foi um dos menos perigosos que atacaram a gente - coçou a cabeça enquanto ria um pouco lembrando de como pegaram eles nas vezes que se encontraram

Joy: Bryan! Harley! Leona! - chamou acenando feliz. O assunto tenso não parecia afetar o bom humor da Enfermeira - Seus Pokémons estão aqui! Prontos para novas batalhas! - fechou os olhos e sorriu de forma cortês

Fable! - o Pokémon róseo, então, apareceu entre eles empurrando o típico carrinho com sete Pokébolas em um suporte que lembrava o formato de uma caixa de ovo. Ainda havia três espaços vazios

Leona: Muito obrigado, Joy! Podem sair! Litleo! Ralts! - lançou levemente as Pokébolas para o alto, revelando o lince de fogo e o pequeno psíquico

Harley: Saiam também, amigos!

Todos os pequenos pareciam estar muitos animados e saudáveis brincando uns com os outros. Bryan foi o único dos três que apenas pegou suas Pokébolas e as colocou na mochila, sem nem ao menos libertar seus companheiros de batalha para ver se tinham realmente se recuperado. Parecia preocupado e compenetrado. Jenny, no momento, estava no balcão trocando palavras com Joy. Já os meninos jaziam em volta de uma bonita mesa de vidro, no canto do salão principal, que levava uma bonita flor azul em seu centro.

Leona: Bryan... - falou com calma e suavidade. O olhar do garoto vagarosamente foi de encontro ao dela - Estamos preocupados com você - os olhos da garota demonstravam isso. O mesmo não teve nenhuma reação relevante

Harley: Você precisa ficar bem com você mesmo... - foi a vez do misterioso rapaz da moeda de ter a palavra - Precisa entender que derrotas virão o tempo todo! E que nem sempre a culpa é do seu Pokémon! - tentava manter o tom de voz baixo para evitar enraivecer o menino ainda mais

Bryan: De quem mais seria a culpa?

Os dois se entreolharam: sabiam exatamente de quem era. Apenas Bryan não conseguia ver. Mas, para evitarem mais confusões, decidiram ficar quietos.

Harley: Bryan, sinceramente, você precisa ser mais compreensivo e afetuoso com seus Pokémons!

Leona: Eles se sentem muito mais felizes, a vontade, confortáveis e confiantes ao batalhar quando tem um bom vínculo com seu treinador!

Harley: O Shinx é um Pokémon muito forte! Ele tem muito potencial! Precisa escolher o melhor método possível para treinar ele! - deu uma pausa pensando no que tinha acabado de dizer - E os outros também!

Cada palavra que seus amigos dirigiam a ele, pela primeira vez, rodavam dentro de sua mente. Refletia sobre elas e começava a perceber que existia sim verdade naquilo que diziam. Talvez ele deveria realmente levar em conta o que seus amigos e Brendan dizem.

O pensar de Bryan e a falta e medo do que falar de Harley e Leona criaram um silêncio profundo e incômodo. Leona pensou em algo aleatório para sugerir e deixar o clima um pouco menos tenso.

Leona: Hey! - levantou a cabeça animada - Por que não batalhamos?

Harley: Uma batalha?

Leona: Sim! Nós três! Uma batalha em duplas!

Bryan: Mas somos em três.

Leona: Vocês dois contra mim! Posso comandar o Ralts e o Litleo!

Harley: Hm... Pode ser bem divertido!

Assim, os três amigos se levantaram em conjunto, se despediram de Jenny e Joy e saíram do salão do Centro Pokémon, mas não por onde entraram: havia uma saída pelos fundos, do lado esquerdo do balcão onde fica a Enfermeira. Logo acima da porta a qual passaram, havia uma placa indicando “campo de batalhas”.

Por mais que pertencesse ao Centro Pokémon, ficava do lado de fora, sem nenhuma cerca ou muro em volta dele. Era bem bonito e bem cuidado. A grande Pokébola típica do centro do campo era pintada das cores tradicionais. O contorno era branco e o preenchimento verde escuro. A arquibancada se resumia a apenas um dos quatro lados do retângulo formado. Os três desceram então e se colocaram em seus postos.

Leona: Estão prontos? - já segurava uma Pokébola em cada mão

Harley: Claro que sim, não é, Bryan? - se virou para ele

Bryan: Acho que sim... - já não parecia exatamente irado, mas estava pensativo

Leona: Então vamos lá! - largou as cápsulas para cima, revelando os seus dois Pokémons

Litleo! - exclamou já se colocando em posição de ataque

Ralts!

Harley: Zigzagoon, eu conto com você!

Za-goon!

Bryan: Vamos, Shinx!

Harley: Ele escolher o Shinx já é um bom sinal! - pensou feliz - Ultimamente ele só vinha escolhendo o Breloom!

Leona: Litleo comece com Brasa em Shinx! E, Ralts, use o Confusão em Zigzagoon!

Bryan: Evasiva, Shinx!

Shinx conseguiu, com facilidade, desviar da rajada de fogo proveniente de Litleo, mas Zigzagoon foi afetado com eficácia pelo movimento de Ralts. Felizmente, não pareceu ficar confuso.

Harley: Tudo bem, amigão?

Goon!

Harley: Ok! Então vamos lá! Ataque ele com Cabeçada!

Leona: Proteja o Ralts com Cabeçada também!

Bryan: Investida em Litleo!

Shinx não respondeu de imediato, como de costume. Titubeou, pensou duas vezes. Sua expressão não era sorridente, era um tanto quanto tensa e pensativa. Estava definitivamente diferente. Depois de alguns segundos, Shinx, então, fechou os olhos e fez uma expressão que mostrava que carregava seus poderes. Assim, seu corpo brilhou e agora se via imerso em uma grande esfera elétrica. Era o Faísca.

Bryan: O Faísca? Mas não foi isso que pedi... O que ele está fazendo?

Shinx, de prontidão, conseguiu recuperar o atraso com relação aos outros dois até que os três se viam em rota de colisão.

Bob: Agora, Belle! – gritou o já conhecido homem

Belle: Sim! – depois de responder o grito, lançou algo para o lugar onde iriam colidir

Não houve tempo para que reagissem: os três se encontraram gerando uma grande nuvem de poeira levemente marrom, fazendo todos do lugar começarem a tossir. Viu-se Zigzagoon saindo da nuvem voando, arremessado, e acabando por cair perto de seu treinador, em uma posição que, por sorte, impediu que se machucasse muito.

Harley: Zigzagoon! – abaixou e o pegou no colo com uma mão enquanto, com a outra, abanava de um lado para o outro para tentar gerar contato visual

Bob: Vamos, Mightyenas! Sei que conseguem cuidar disso!

Belle: Ajude eles, Golbat!

O surgimento dos três Pokémons fez com que toda a sujeira espalhada pelo ar começasse a se dispersar.

Leona: Mightyena? Golbat? Não conheço o nome desses Pokémons – tensa, se preocupou

Quando finalmente se tornou possível ver a cena, observava-se que Litleo jazia sob suas quatro patas, respirando de forma pesada e cansada, rosnando para um lado específico. Ralts estava deitado no chão, se mostrava incapaz de batalhar mais. Dois cães cinzas e pretos, com seus caninos saindo da boca, rosnavam, um do lado do outro, de volta para o pequeno leão. Entre os dois, porém, um pouco mais para frente, um grande morcego azul, de asas roxas e uma boca de tamanho incomum batia seus órgãos de voo com uma rapidez inimaginável. Por fim, o Pokémon elétrico de Bryan estava dentro de uma jaula esférica flutuante, de grades negras, grossas e rígidas e um formato semelhante a uma Pokébola, contudo, muito medonha. O pequeno se debatia de todas as formas que podia, sem sucesso. Bryan olhava para aquilo tudo incrédulo.

Harley: Caramba... Eles mudaram desde a última vez...

Leona: Shinx... – seus olhos chegavam a brilhar um pouco – Harley, o que vamos fazer?

Harley: Acho que o único que nos resta a fazer – chamou Zigzagoon para o orbe vermelho e branco enquanto pegava outro em seu bolso – É batalhar e dar nosso melhor – sua expressão era determinada e séria

Leona: B-batalha? – gaguejou enquanto suava ao olhar para o tamanho dos oponentes e o estado de Shinx e Litleo

Bryan: Breloom! – gritou arremessando a Pokébola

O Pokémon cogumelo se espantou ao ver a cena, mas o não chegou a durar muito tempo. Parece que sentiu que Bryan realmente precisava de seu empenho com força total.

Leona: Bryan... – suspirou vendo a atitude do amigo, que estava esquentando de raiva e revolta

Harley: Vamos, Larvitar! Preciso de você!

Lar... – ele não reagiu muito bem

Harley: Preciso que dê o seu melhor – seu tom de voz ficava, a cada palavra, mais sério

Leona: Bom... Acho que é o único jeito...

Bob: Dessa vez não vão escapar tão fácil das garras da Equipe Aqua!

Belle: Vamos ser rápidos e práticos! Não terão tempo de nada! – cada termo utilizado pelos dois despertava ainda mais raiva em Harley, Bryan e Litleo e ainda mais medo em Larvitar e Leona.

Bob: Mordam esses otários!

Os dois caninos foram para cima de Litleo e de Breloom com uma presteza elevada demais para acompanharem e foram abocanhados e lançados para longe, com movimentos praticamente sincronizados.

Bryan: Não desista! Ataque-o com Punho Máquina!

Um conjunto de socos de altíssima celeridade começou a atingir um dos Mightyena, causando um dano totalmente visível. Parecia sofrer cada um dos contatos com extrema fraqueza, se entregando mais a cada um.

Bob: Belle! – apelou para a parceira - Faça alguma coisa!

Belle: Pode deixar! – apontou o dedo para Breloom – Cortador de Ar!

Golbat, então, criou e arremessou em direção ao Pokémon do mais novo uma grande navalha de vento, que voou com uma agilidade absurda até passar na lateral do corpo do Pokémon lutador, além de passar de raspão em seu rabo. A criatura sentiu o ataque e caiu deitado no chão, sentindo bastante dor. Belle sorriu, assim como Bob.

Leona: Litleo... Está tudo bem? – com dificuldade, o Pokémon consentiu com a cabeça – Então derrube o Mightyena que estava atacando Breloom!

Antes que este pudesse reagir, o Derrubar do lince surtiu efeito e pôs o noturno no chão, vulnerável.

Bob: Não! – se virou para o outro Mightyena – Ajude ele! O que há de errado com você? – foi a vez dele de fazer que sim com a cabeça – Investida!

Harley: Vamos, Larvitar! Não deixe que ele interfira! Use Deslizamento de Pedras!

Leona: Brasa!

Rochas foram duramente arremessadas no corpo de Mightyena, que mudou seu alvo para o apoucado Pokémon de pedra. O leão da garota lançou uma bola de fogo diretamente para o vencido cão que jazia no chão. Apesar do golpe, se levantou disposto a lutar. Golbat, naquele momento, vendo que Breloom já não tinha mais muitas forças para lutar, se juntou aos amigos de Belle para causar mais problemas para Larvitar e Litleo. Era uma briga feia, sem nenhum vestígio de dó ou misericórdia.

Bryan, por sua vez, respirava com dificuldade assistindo tal situação. Não conseguia parar de olhar para seus dois Pokémons: feridos e derrotados. Shinx, mesmo exausto, mesmo sabendo que provavelmente nem era possível, tentava, ainda, não desistir de destruir aquelas grades. Ao mesmo tempo, todo o resto passava por sua mente: os conselhos, os erros, as broncas dadas por ele em seu Pokémon, todo o remorso que sentia. A primeira lágrima finalmente caiu, trazendo com ela várias outras. Distraídos com os problemas causados pelos integrantes da Equipe Aqua, seus dois amigos perdiam o que estava a acontecer com o menino. Após uns segundos nesse estado, cansou de ficar ali, parado, vendo todos sofrerem e resolveu agir.

Bryan: Volte, Breloom! – arremessou a cápsula nele e a pegou de volta. O grito do garoto chamou a atenção dos quatro – Agora vou pegar o outro! – saiu correndo em direção ao Pokémon elétrico, em prantos, e agarrou duas das grades, fazendo toda a força que podia para separá-las

Bob: Olhe só, Belle! Ele é mais burro do que imaginávamos!

Belle: Coitado! – ria com muito gosto – Garoto, não adianta perder seu tempo com isso!

Bob: Força nenhuma vai conseguir separar essas grades!

Bryan: Shinx! Não! Você tem que fazer alguma coisa!

Shinx piorou sua feição: se tornou mais irado, com um olhar penetrante na direção de seu treinador

Bryan: Deve ter algo que você possa fazer!

Bob: Vamos, vocês dois! Acabem com isso logo!

Com fortes pancadas com a cabeça, os Mightyenas acertaram uma série de pancadas no corpo dos dois miúdos Pokémons. Ambos acabaram caídos, um ao lado do outro, desmaiados, fora de combate, nocauteados ou de qualquer outra forma que alguém queira colocar. Derrotados. Todos derrotados.

Belle: Viu, garoto?! É o fim! Acabou!

Bob: Vocês não têm mais o que fazer!

Leona: Shinx... – já com seu Pokémon no colo

Harley: Isso não pode estar acontecendo...

Nesse exato instante, a porta que vinha do Centro Pokémon foi bruscamente aberta e a oficial Jenny surgiu de lá, seguida de um par de Growlithe. Ao mesmo tempo, mais algumas Jenny chegaram por outros lados também, já não acompanhadas por Pokémon algum.

Bob: Belle... – murmurou levemente sobrecarregado

Belle: Não se atrevam a se aproximar!

Os movimentos, gestos e expressões dos dois Mightyenas e de Golbat assustaram um pouco as policiais, que resolveram não se aproximar mais.

Jenny: Soltem esse Shinx indefeso! Devolvam ele para o garoto! É uma ordem!

Belle: Não recebemos ordens! – dura – Não de você!

No entanto, algo inesperado aconteceu: um clarão veio da esfera e o som de uma pancada e algo se estilhaçando. Bryan, com o impacto, foi jogado, como um boneco, aos pés dos cães de fogo da policial. Pouco depois, via-se Shinx solto, com faíscas, fagulhas e centelhas nascendo de seu corpo. Os pedaços do que era a grade estavam espalhados pelo chão. Bob e Belle tremiam e ameaçavam fugir, com poucos, lentos e inseguros passos para trás. Shinx estava virado para seu treinador, com seu topete brilhando intensamente.

Bryan: Shinx... – murmurou – Você... Conseguiu! – sua voz era cansada e preocupada – Venha para cá!

Sem reação. Sem resposta. Segundos passaram e quase um minuto também. Shinx não parecia querer obedecer ou responder a qualquer estímulo de qualquer um dos humanos que lá estavam. Todos assistiam a cena com atenção e muito receio. O lince elétrico, então, virou sua cabeça para Bob e Belle, o que fez os dois saltarem de temor e susto. Mas o Pokémon não parecia querer atacar, parecia analisar e pensar. Então, tornou a olhar para Bryan. Então, Leona, Litleo e Harley. Considerava cada canto e cada detalhe do lugar.

Bryan: O que foi, Shinx? O que há com você?

Leona: Harley você não acha que...

Harley: Nem brinque com isso, garota...

Shinx levantou a sua pata dianteira direita como se fosse dar um passo, o que fez com que todos que não fossem da Equipe Aqua sorrissem. Apesar disso, não começou a andar, manteve-se imóvel.

Bryan: E-eu... Preciso de você! – voltou a chorar – Venha...

A forte emoção de Bryan não parecia comover seu companheiro, que mantinha a posição e o estranho aspecto. Por fim, depois de minutos que nunca pareciam passar, Shinx tomou uma atitude não esperada por ninguém, nem mesmo pelos vilões: calmamente, virou seu corpo para Bob e Belle e começou a caminhar na direção deles. Os dois começaram a tremer de forma ainda mais intensa e, quando estava perto o suficiente para um ataque extremamente eficaz, se virou e se sentou.

Bryan: O que? – o choro aumentava – O que está fazendo? O que está querendo fazer? – se colocou de joelhos – Não está dizendo que...

Leona: Eu não acredito...

Harley: Shinx quer ir com eles... – até ele ameaçava soluçar

Bob: Não posso acreditar – com uma voz totalmente incrédula

Belle: Acho que conseguimos um novo Pokémon, Bob! – essa, por sua vez, era de vitoriosa – Vamos terminar logo com isso!

Bob: OK! Ataque de areia! Agora!

Os Mightyenas assim fizeram: cobriram todo aquele lugar com uma tempestade de areia, fazendo todos tossirem e perderem contato visual com os mesmos. Bryan se deitou e fechou os olhos, que insistiam em jorrar mais e mais água. Ouvia-se passos rápidos e ágeis, som que sumiu em instantes. Mesmo demorando, em dado momento, finalmente, a poeira abaixou.

Harley: BRYAN!

Leona: Ah, meu Arceus! – foi, junto de Harley e as oficiais, correndo até Bryan, que estava deitado, desacordado, no chão daquele campo de batalha.


Notas Finais


Obrigado por lerem, amigo! O que acharam? Bob e Belle se mostraram capazes de defender a Equipe Aqua? E o que acontecerá com Bryan agora sem o primeiro e mais importante Pokémon? Comentem sua opinião, se puderem! Mais uma vez, obrigado! E espero que tenham gostado do que leram! E até a próxima!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...