História Descobrindo Prazer - Capítulo 11


Escrita por: ~

Postado
Categorias Teen Wolf
Personagens Lydia Martin, Mieczyslaw “Stiles” Stilinski
Tags Colegial, Comedia, Romance, Sexo, Stydia
Visualizações 623
Palavras 5.322
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Festa, Ficção, Fluffy, Hentai, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Boa tarde genteee...

Desculpem a demora, estava caprichando nos detalhes!
Perdoem qualquer erro!

Espero que gostem do capitulo!

Capítulo 11 - ...Prazer!


POV Stiles

Meu Deus, o que ela tá querendo de mim, ela queria de novo? Levantei as duas sobrancelhas, abrindo mais os olhos, chocado com o que ela havia dito.

– O que foi? – Perguntou numa voz e fez carinha de inocente. –Você não achou mesmo que depois de ter esperado tanto tempo, nós iriamos parar por aqui né? – Um sorriso diabólico já se formava em seu rosto. Eu realmente tinha pensado isso, não é isso o que normalmente acontece?

– Uh – Abri e fechei a boca pensando no que dizer. – E-eu pensei que.. que bom, depois de hã, você ter.. – Ela tinha sempre as palavras que eu não “conseguia” terminar de dizer na ponta da língua. Ah a ponta de sua língua... Stiles foco, Meu Deus!

– Depois do que Stiles? – Disse sorrindo e mordendo seu lábio. – De ter tirado sua virgindade? De ter sentado no seu pau lentamente? De ter rebolado bem gostoso enquanto você me invadia com seu gozo e se misturando no meu? De... –

– WOW Lydia, ok, já deu pra entender! – Nem a deixei terminar, eu sentia meu rosto já ficando quente, provavelmente minhas bochechas já estava bem vermelhas, eu não estava com vergonha dela, eu não estava acostumado com esse tipo de conversa.

– Stiles, nós estamos totalmente pelados, nós acabamos de fazer amor, você tá com vergonha do que bebê? – Disse adentrando seus dedos em meu cabelo e fazendo um carinho naquela região. 

Uma coisa que eu ainda não conseguia entender era como ela sabia como e onde me tocar de forma que eu me acalmasse, sua voz agora era em um tom dócil não mais da forma como havia falado minutos atrás, ela sabia como me passar a segurança necessária para continuar.

– Eu não to com vergonha, Lydia – Fechei os olhos e abri rapidamente me permitindo sentir aquele toque tão sutil e suave que ela fazia em meu cabelo e continuei. – Eu só não to tão acostumado com esse tipo de conversa, sabe, bem explicita, nós meio que nunca conversamos nesse nível. – Fechei meus olhos mais uma vez me sentindo relaxar cada vez mais com seu toque. – Como você consegue?

– Consigo o que? Falar desse jeito?.. Bom, eu... –

– Não – Respondi de imediato. – Como você consegue saber o que fazer? Digo, como sabe que fazendo isso me acalma? – Perguntei virando de lado e ficando de frente pra ela.

– Tipo isso? – Perguntou massageando com a ponta dos dedos minha cabeça, descendo sua mão em meu rosto, deixando seu polegar em minha bochecha acariciando em movimentos circulares. Eu fiz que sim com a cabeça. – Da mesma forma como você sabe muito bem sobre mim, na maioria das coisas – Eu demorei pra processar um pouco. – Você não é o único que observa Stiles, eu sempre soube que algo te incomodava e te fazer falar não é uma tarefa fácil – Desceu sua mão em meu ombro, massageando o local. – Aquele dia em que eu te peguei se masturbando, pela forma como reagiu eu sabia que precisava pegar leve, eu só precisava saber como te deixar confortável e nada como um toque gentil, carinhoso, muita paciência e amor – A ponta de seus dedos traçavam um caminho de ida e vinda por todo meu braço.

– Lydia, eu não sei se te agradeci o suficiente, mas obrigado por tudo – Seu sorriso era angelical. – Obrigado por não desistir de mim, eu sei que...–

– Stiles – Disse colocando seu dedo em meus lábios. – Eu não sei se deixei bem claro, mas deixa eu esclarecer pra você, eu te amo, eu nunca vou desistir de você, se precisasse eu teria feito tudo de novo, eu esperaria anos se você quisesse e ainda sim nada disso faria com que eu desista de você – Lydia sabia exatamente como me deixar sem palavras, suas palavras era como se aquele toque macio estivesse diretamente em meu coração. O sorriso que agora estava em meu rosto era inexplicável. – O que foi? –    

– Eu não sabia que era possível se apaixonar todo dia pela mesma pessoa – Peguei sua mão, trouxe pra perto da minha boca, as costas de sua mão de frete para meus lábios, a beijei com muito cuidado, eu queria demonstrar todo sentimento de gratidão, amor e carinho que eu sentia. – Eu amo você –

Lydia sorriu de uma forma única, se aproximou em câmera lenta, selou nossos lábios com muito cuidado, aprofundou o beijo de uma forma carinhosa, doce e gentil, seus lábios sugavam os meus, colocou suas mãos eu meu peito, fazendo uma força quase inexistente pra que eu me deitasse com as costas no colchão novamente, de forma lenta e sem desgrudar nossas bocas, colou seu corpo no meu ficando em cima de mim, e dessa vez não foi de uma forma provocativa, foi natural sem segundas intenções, suas mãos estavam em meu rosto, sua língua agora pedia passagem e eu cedi, ela me invadia de uma forma única, explorando cada canto da minha boca, seu beijo era doce, lento e molhado, era um beijo sem segundas intenções ao mesmo tempo que começava a me lançar arrepios no corpo todo, eu sentia meu membro se animando novamente e Lydia colada dessa forma em meu corpo não demoraria pra que ficasse duro novamente. Ela terminou o beijo chupando meu lábio inferior puxando pra si.

– Foi como você imaginou? – Perguntou se sentando, apoiando suas mãos em meu peito.

– O que? – Eu ainda estava um pouco extasiado com seu beijo.

– Hoje foi como você sempre fantasiou? – Ela tinha dúvidas? – Você gostou? –

– Lydia, essa foi a melhor noite da minha vida, eu não gostei, eu amei, foi muito melhor do que eu podia ter imaginado – Um sorriso travesso se esboçou em seu rosto.

– Hmm, Stiles eu já disse que sua noite não terminou querido – Disse se ajeitando, fazendo com que sua intimidade roçasse levemente meu membro.

– Eu achei que bom, depois de tudo nós fossemos dormir  –

– Eu acho que o Stiles Jr tem uma opinião diferente sobre isso – Disse rebolando lentamente sobre ele. – Stiles Jr não, isso é.. –

– Você não vai parar de falar sobre isso, néh? – Perguntei incrédulo

– Ah meu amor, eu vou é mandar fazer um certificado de PAUZÃO DA PORRA em letras garrafais – Disse sorrindo de maneira indecente – E um separado só pra essas veias, ah essas veias pulsantes Stiles, só de falar eu fico molhadinha pra você – Pegou minha mão e passou em sua intimidade molhando meu dedo, e como tinha feito com meu membro, passou só a ponta da língua e colocou todo pra dentro chupando gostoso. Meu membro já começava se manifestar somente com essa visão.

– Meu Deus Lydia, achei que você tinha dito que ia pegar leve –

– E eu peguei leve com você, eu disse que ia pegar leve na sua primeira vez, eu não disse da segunda em diante. – Disse sorrindo maliciosamente. – Você não faz ideia nem da metade do que eu quero fazer com você Stiles, e só pra você saber  – Disse se inclinando e sussurrando em meu ouvido. – Ninguém dorme nessa casa hoje – Ela se levantou e estendeu a mão pra mim. – Vem –   Eu a olhei um pouco confuso, onde ela queria me levar agora? – Nós precisamos de um banho. – Com isso se aproximou e me ajudou a levantar.

Ainda segurando minha mão, me levou pro banheiro, trancando a porta atrás de nós. Se encaminhou pro chuveiro, pegando minha mão novamente, eu estava parado em “choque” nós realmente iriamos fazer aquilo no banheiro?

Sem demora Lydia me prensou na parede me beijando dessa vez ferozmente, ser dominado daquela forma só me excitava cada vez mais. Ela se separou ofegante buscando o ar pra respirar, ligou o chuveiro, com a água morna caindo sobre nós voltou a me beijar da mesma forma, um pouco mais agressiva, suas mãos percorriam todo meu corpo, eu segurava sua cintura movendo minhas mãos de forma mais calma, eu queria conhecer seu corpo e lhe proporcionar prazer na mesma intensidade que ela havia feito comigo.

Me pressionava contra a parede fazendo meu membro pulsar, uma de suas mãos sem nenhum aviso foi diretamente para ele, massageando da forma mais gostosa possível, aquilo era o suficiente para me enlouquecer. 

Como se não bastasse isso, começou a beijar meu pescoço, lambendo e mordiscando, descendo devagar enquanto sua mão me enlouquecia com aquele toque sutil. 

Começou a beijar meu peito e como havia feito na primeira vez, roçou seus lábios em meu mamilo esquerdo, meu Deus como aquilo era bom de mais, me torturou com a ponta de sua língua, enquanto eu gemia seu nome, eu estava completamente rendido ao seu toque. 

Continuou descendo em meio a beijos e lambidas, agora com as duas mãos sobre meu peito e arranhando de leve parando um pouco abaixo do meu umbigo, eu sentia sua respiração quente naquela região, meu membro já estava totalmente ereto, ela se afastou um pouco, ficou de quatro mas de frente pra mim e veio engatinhando me olhando da forma mais perversa possível, assim que estava mais próxima, ficou de joelhos com seus lábios apenas roçando na cabecinha do meu pau.

– Você gostou do jeito que eu passei só ponta da minha língua nele não foi? – Eu apenas concordei já arfando com aquela visão. – Do jeito que a ponta da minha língua ficou só na sua cabecinha.. –

– L-lydi.. aaah meu Deus – E da forma como falou, fez novamente. Somente com a ponta da sua língua, passou da base até o topo, na velocidade mais lenta possível e olhando pra mim, eu gemi um pouco mais alto seu nome e ela sorriu de um jeito mais safado ainda, colocando suas mãos em minha coxa me prensando mais ainda na parede, trabalhou com sua língua somente no topo, eu poderia gozar só com ela fazendo isso, eu já ofegava profundamente. 

Aquilo tava bom demais pra ser verdade, eu olhei em minhas mãos começando a contar os dedos. Lydia parou o que estava fazendo e segurou minhas mãos nas suas.

– Isso não é um sonho, Stiles – Disse se aproximando novamente. – Você acha que se tivesse sonhando poderia sentir isso? –  Perguntou abocanhando meu membro bem devagar, precisei levar as mãos na parede como se aquilo fosse me dar equilíbrio. 

Fechei meus olhos encostando a cabeça na parede, Lydia me chupava com maestria, seus lábios carnudos e macios já me levavam a loucura. Ela continuou por alguns minutos dessa forma e me chamou.

– Stiles, baby –  Sua voz agora de forma rouca e sexy – Eu quero que você olhe pra mim enquanto eu tiver com seu pau na minha boca, ok? – Ela não tava brincando quando disse que ia me matar só de prazer. 

Eu fiz que sim com a cabeça, olhando em seus olhos, voltou a me chupar, lamber e sugar, a forma como me olhava indecentemente estava me enlouquecendo, eu mordia meu lábio inferior de tanto prazer, ela era boa no que fazia, quer dizer, no que ela não era boa? Tudo que fazia, era como expert no assunto.

Seus movimentos me enlouqueciam, ela não desgrudava os olhos dos meus, essa visão que eu tinha só me excitava mais, Lydia de joelhos me chupando era uma visão e tanto, o prazer que ela me proporcionava era tanto que eu queria segurar em seus cabelos enquanto o fazia, eu começava a sentir uma vontade louca de impulsionar meu quadril pra frente e pra trás, mas eu me segurava, não achava muito certo fazer aquilo, não que eu seja viciado em pornô, mas o que via a forma como os homens faziam aquilo chegava a ser desrespeitoso e isso eu jamais faria com ela, nenhum homem deveria fazer isso dessa forma com mulher nenhuma, posso até não ter a experiência no assunto, mas sabia que de alguma forma se fizesse algo de errado, poderia machucá-la. 

Eu sentia que ia me descontrolar, então me segurei com muito esforço. Levei minha mão esquerda em seu rosto, apenas a ponta dos meus dedos tocaram levemente sua bochecha.

– Lydia, espera –  Pedi. Ela parou gentilmente e me olhou confusa. – Tá muito bom, você ta me levando a loucura com isso. – Eu disse pausadamente controlando minha respiração. Ela sorriu – Sério, meu Deus Lydia, como isso é bom – Estendi minha mão pra ela se levantar, me olhou confusa novamente, mas o fez. Nossas alturas tinha uma diferença considerável, olhei em seus olhos intensamente, eu queria lhe proporcionar o prazer que eu sentia da mesma forma. – Isso é o que você faz comigo, só pelo fato de ficar perto de mim – Levei sua mão sobre meu peito em cima do meu coração, que batia aceleradamente, ela me deu um sorriso angelical. – E fazendo as coisas que fez agora, já pode imaginar como fico –  Coloquei minhas mãos em seu rosto, acariciando sua bochecha com meu polegar. – Você disse que experiência é sobre saber fazer e receber, sobre saber respeitar, conhecer e descobrir seu corpo, certo? – Ela sorriu e assentiu com a cabeça. – Eu sei que já lhe agradeci por tudo, pela paciência, pela forma carinhosa como me trata, pela noite até agora – Eu sorri e continuei. – Eu, uh, eu quero.. – Eu não sabia como explicar exatamente, não queria estragar seus planos. – Eu quero descobrir e conhecer seu corpo, eu quero lhe proporcionar o prazer que tem me feito sentir da mesma forma, não porque você fez e eu me sinta “obrigado” a isso, eu, uh, quero que você me ensine a respeitar seus limites. – Eu dizia me lembrando de tudo o que ela tinha me dito aquele dia. 

Eu pude ver seus olhos lacrimejarem, e uma lágrima escorreu do seu olho esquerdo, eu me perguntava se havia dito algo que não deveria, mas ela estava sorrindo. Eu nem precisei perguntar, ela já me conhecia tão bem que sabia qual pergunta eu faria.

– Stiles – Ela me chamou me despertando dos meus pensamentos, levei meu polegar abaixo de seu olho e limpei a lágrima que escorria, ela apoiou sua mão levemente no meu pulso. – Ninguém nunca me tratou com tanto respeito como você me trata, essa foi a coisa mais sexy que eu já ouvi durante o sexo. – Sorri para ela sentindo orgulho de mim mesmo.

– Eu sempre vou te tratar dessa forma Lydia, você merece todo respeito – Eu disse acariciando seu rosto e ela sorriu – Eu quero que você me ensine como te tocar, a forma que você gosta.. –

– Me beija – Ela me cortou pedindo. 

E assim eu o fiz, comecei a beija-la de forma lenta e carinhosa, uma das minhas mãos em seu cabelo lhe tocando gentilmente e a outra acariciando seu rosto, enquanto eu sugava seus lábios, grossos, carnudos e macios calmamente, pedi passagem com minha língua da mesma forma como ela havia feito, ela cedeu e a invadi gentilmente, explorando cada canto de sua boca, sua mão puxava meu cabelo de leve enquanto acariciava minhas costas com a outra mão, nossas línguas agora dançavam em um ritmo lento e perfeito, ambos arfando a cada toque, terminei o beijo selando nossos lábios, encostei minha testa na sua buscando o ar pra respirar, nossos olhos se encontraram e nós nos encaramos por um breve momento, como se tivéssemos dizendo eu te amo um pro outro apenas com o olhar.

 – Stiles, você é natural – Disse nos trocando de posição, ela agora estava de frente pra parede e de costas pra mim, enquanto aquela água morna caia sobre nós. – Eu não tenho muito o que te ensinar – Ela veio de encontro ao meu corpo, encostando sua cabeça em meu peito e virando seu rosto de lado para olhar pra mim. – É como se você já conhecesse meu corpo sem me tocar, faça o que sentir vontade, eu posso te garantir que eu vou gostar de tudo. – Sorriu e inclinou seu rosto pro lado contrário, deixando seu pescoço a mostra, insinuando pra que eu a tocasse naquele local. – Você se lembra como rocei meus lábios em sua orelha? Como eu suguei e chupei o lóbulo de sua orelha? – Perguntou e eu assenti. –  Faz comigo como eu fiz com você – Pediu.

Passei minha mão esquerda em seu pescoço, e com a outra mão a abracei por trás a trazendo mais próxima de mim, sua bunda colada em meu membro. 

Como havia feito comigo, rocei meus lábios de forma mais lenta em sua orelha, ela fechou os olhos e mordeu seu lábio, colocando sua mão sobre a minha que estava abraçando sua cintura e entrelaçando nossos dedos. 

Suguei levemente o lóbulo de sua orelha como pediu, e ela suspirou em aprovação, ousei a apenas roçar meus dentes naquela região, mordiscando bem de leve, claro que eu provavelmente não fazia juz a forma como ela tinha feito comigo, mas ela gemeu meu nome em resposta ao meu toque.

Comecei a acariciar sua barriga com a ponta dos meus dedos ainda com sua mão sob a minha, levei minha boca em seu pescoço, tentando fazer da forma como fazia comigo, beijando, sugando e mordiscando, ela começava a arfar mais profundamente, eu tomava isso como sinal de aprovação para continuar. 

Levava minha mão um pouco mais pra cima, quase chegando em seu seio, ela terminou o caminho puxando minha mão para aquele local me fazendo apertar. Passou uma de suas mãos atrás da minha cabeça chegando em minha nuca acariciando com a ponta de seus dedos, gemi com seu toque sutil. 

Levei meu polegar no bico do seu seio e o movimentava em círculos lentamente, ela começava a gemer mais alto, ela realmente estava gostando da forma como eu a tocava e isso me deixava feliz e ao mesmo tempo excitado. Fique a acariciando dessa forma por alguns minutos intercalando cada seio.

Eu precisava arriscar alguns movimentos, removi a mão que estava em seu seio e a levei lentamente por cima de sua intimidade, a que segurava seu pescoço levei em seu seio, apertando e acariciando aquela circunferência perfeita e farta, apenas roçava minha mão por cima de sua intimidade num movimento lento de vai em vem e ela gemia meu nome, arfando e suspirando profundamente, aprofundei o toque em sua intimidade com meu dedo do meio, sentido o molhar com sua excitação, aquilo fez meu membro pulsar, mas eu não podia me deixar levar por aquele sentimento, agora eu iria lhe dar a atenção devida que merecia, movimentava meu dedo em sua intimidade ainda lentamente, cheguei em seu clítoris a estimulando naquele local, passei alguns minutos com esses movimentos, ela gemia mais alto meu nome, começou a roçar sua bunda em meu membro aumentando a fricção de nossos corpos e respirava mais rápido.

Levei um dedo para entrada de sua intimidade e ela suplicou pra que continuasse, lentamente a penetrei com o dedo e então ela colocou ambas as mãos na parede, inclinando sua bunda mais pra cima, gritando meu nome. 

Aumentei um pouco a velocidade, com ela gemendo e gritando meu nome, estava próxima do ápice e pediu que colocasse mais um dedo, assim como pediu eu fiz e alguns minutos depois ela gozou em meu dedo gritando meu nome, mesmo após isso, continuei a estimulando da mesma forma e ela gozou mais duas vezes. Eu tinha lido uma vez que ao contrário dos homens a recuperação após o orgasmo para as mulheres eram mais rápidas.

Continuei a estimulando, queria lhe proporcionar o máximo de prazer possível, ela estava com a cabeça deitada em meu ombro, de olhos fechados, mordendo seu lábio, arfando e gemendo, eu estava apenas roçando meus lábios em sua orelha, com uma mão em seu seio acariciando o bico dele e com a outra mão apenas estimulando seu clítoris, alternando os movimentos de vai e vem em circulares, aumentando e diminuindo a intensidade e velocidade, aquilo estava parecendo uma cena erótica pela forma como reagíamos. 

Ficando assim por um tempo, ela começava a contrair seu corpo de uma forma diferente das outras que tinha feito, era mais intenso, movimentava seu quadril para ter mais fricção, será que estava gostando tanto assim?

Então me pareceu que estava acontecendo algo de errado, ela começou a tremer, suas pernas não se sustentavam direito pra que ficasse em pé, ela se inclinou pra frente e veio com tudo pra trás deitando novamente sua cabeça em meu ombro apertando mais os olhos, sua respiração ofegante demais, respirando profundamente, será que eu tinha feito algo de errado? 

Mas ela implorava pra eu continuar o que estava fazendo, sem a penetrar com os dedos apenas estimulando seu clítoris, continuei e novamente sua tremura se intensificou, ela começava a se descontrolar, não conseguia se firmar direito no chão.

– STILEEEEEEEEEEEEEES – E novamente ela gozou, gritando mais alto do que as outras vezes, sua perna tremeu tanto que não conseguiu se firmar no chão, a segurei tentando acalmar sua respiração, a peguei no colo e a coloquei sentada, fazendo encostar suas costas na parede, ainda de olhos fechados, encostou sua cabeça na parede esticando suas pernas, que ainda tremiam, controlando sua respiração.

Eu começava a me preocupar, ela tinha gritando de uma maneira diferente dessa vez, será que eu tinha feito algo de errado? Ela não tinha gostado? Será que ela tinha tido alguma premonição banshee durante? Ah Senhor eu não sabia o que fazer, ela não dizia nada e ainda estava de olhos fechados.

– Stiles –  Me chamou com uma voz baixa e rouca. 

Abriu seus olhos me olhando intensamente, mas tinha algo que eu não conseguia decifrar em seu olhar, estava diferente de todas as outras vezes, nunca tinha a visto com esse olhar.

AI MEU DEUS, SERÁ QUE EU TINHA A MACHUCADO? Como eu pude fazer isso? Aquilo bateu uma angustia em meu coração tão grande, que minha expressão mudou completamente para muito preocupado. Ela franziu a testa em reação.

– Me leva pra cama, agora – Ah meu Deus eu tinha feito alguma coisa errada com toda certeza. 

Apenas concordei com a cabeça, me levantei meio atrapalhado desligando o chuveiro, eu já nem me lembrava que meu membro estava duro feito pedra, ela me olhou de baixo pra cima parando um pouco seus olhos em minha ereção, como eu podia ainda estar excitado com tudo aquilo?

Comecei a ficar muito envergonhado com tudo aquilo, podia sentir meu rosto queimando de tão vermelho que ficou, a peguei no colo fazendo se sentar no banquinho que tinha ali perto, peguei uma toalha e coloquei em volta de seus ombros a secando um pouco, tirei o excesso de água de seus cabelos, a peguei novamente no colo e a deitei na cama como pediu.

Eu não sabia o que fazer, se fugia pra bem longe, porque com certeza ela não iria mais querer olhar na minha cara, mas eu precisava ficar, se eu tinha a machucado, precisava leva-la ao médico o mais rápido possível. 

Então me ajoelhei ao seu lado na cama, estava com medo de toca-la nas mãos, eu não sabia se a chamava, estava completamente perdido.

Ela continuava de olhos fechados, massageando suas coxas, ai meu pai amado, eu a tinha machucado com certeza. Meus pensamentos os mais negativos possíveis já faziam lágrimas escorrem dos meus olhos.

Então ela abriu seus olhos devagar, e sorriu? Sua expressão mudou por completo quando me olhou, eu tentava limpar as lágrimas que escorriam.

– Stiles, o que foi? – Perguntou preocupada, levando sua mão em meu rosto, acariciando minha bochecha. Como ela poderia se preocupar comigo depois disso?

– L-l-l-lydia, m-m-me desc..culpa –  Foi tudo o que consegui dizer. Sentindo as lágrimas escorrerem novamente

– Stiles, porque você tá se desculpando? – Disse franzindo a testa e me olhando ainda mais preocupada.

– E-e-eu te, uh, m-m-machuquei – Disse olhando o chão, não conseguia olhar pra ela.

– Stiles, do que você tá.. – Disse se sentando calmamente. – Hey Stiles, olha pra mim – Pediu, hesitei e a olhei, ela se ajeitou na cama, encostando suas costas na cabeceira da cama chegando mais pro lado batendo com a palma da mão no espaço que ficou entre eu e ela, pra que eu me sentasse, meu membro ainda estava duro, não como antes, mas era muito visível, peguei uma almofada que estava no chão e coloquei na frente, me sentando onde pediu, ela se inclinou se aproximando, colocando as duas mãos em meu rosto e limpando as lágrimas que caíram. – Stiles, você não me machucou, amor. – Disse me olhando nos olhos, acariciando minhas bochechas. Eu a olhei confuso.

– L-lydia, m-mas você.. – Colocou seu dedo em meus lábios me impedindo de continuar.

– Stiles, você não me machucou em momento algum. – Disse sorrindo – Muito pelo contrário, você me fez ter o MELHOR orgasmo da minha vida. – Ainda a olhava confuso, eu não entendia.

– Mas você estava tremendo demais.. – Novamente me calou, mas com um beijo agora.

– Sim, eu estava – Disse terminando o beijo, me olhando nos olhos, massageando os ombros me acalmando. – Eu acredito que não seja do seu conhecimento algumas curiosidades sobre o orgasmo feminino – Neguei com a cabeça, era mais que óbvio. – Bom, quando você se estimula demais, cada corpo reage de uma forma, você já tinha me feito gozar 3 vezes seguidas, meu clítoris estava sensível demais – Me explicou – E como continuou me tocando, só intensificou mais o prazer que eu estava sentindo, como eu te disse cada corpo reage de uma forma, quando deitei minha cabeça em seu ombro, você tinha me feito perder o sentido, um zunido em meu ouvido se intensificou como se o mundo ao redor não existisse mais, eu perdi completamente a noção Stiles, estava apenas me recuperando, a única coisa que consegui fazer era pedir pra você continuar, você me proporcionou prazer de uma forma que eu nunca senti antes. –  Deu uma respirada e continuou –  Stiles, você consegue entender que me fez gozar de um jeito que fez com que eu perdesse tanto os sentidos quanto o equilíbrio a ponto de não conseguir ficar em pé? – Se inclinou ainda mais, tirando a almofada que eu havia feito de “escudo”, me fazendo deitar no meio da cama, com ela por cima.

– Eu fiz? – Perguntei ainda incrédulo. Ela balançou a cabeça concordando e sorrindo.

– Eu só precisava de um tempo pra me recompor –  Selou nossos lábios carinhosamente. –  Só para constar você bateu o recorde. – Eu a olhei confuso. – Eu nunca tive tantos orgasmos em uma noite, e ainda mais seguidos um dos outros. – Fechei os olhos respirando aliviado em saber que não tinha a machucado, ainda não estava acreditando em tudo o que me disse, eu fui tão bom assim?

 Como se lesse meus pensamentos ela sorriu de uma forma mais indecente.

 – Stiles, se você ainda tem alguma dúvida de como foi bom, saiba que eu já estou molhadinha pra você de novo. – Abri e fechei minha boca em “choque”, como isso era possível? – Levanta – Ela disse se levantando. Eu a olhei confuso – Eu preciso terminar o que eu comecei Stiles – Ela se inclinou puxando minhas duas mãos me fazendo ficar de pé.

Me encurralou na parede mais próxima com as mãos em meu peito, com seus lábios próximos aos meus.

– Stiles, agora ficou muito mais claro porque você me parou quando eu estava te chupando no banheiro – Disse massageando meus ombros – Eu vi em seus olhos o quanto você queria segurar meu cabelo enquanto eu te chupava bem gostoso. – Disse se abaixando, descendo suas mãos do meu peito, passando pelo abdômen que começava a se formar levemente por tentar acompanhar o passo dos meus amigos sobrenaturais. –  Eu também sei o quanto você quis meter seu pau na minha boca. – Disse agora ficando ajoelhada, com sua boca a centímetros do meu membro, que já pulsava de tanto tesão. Como ela sabia? – Você estava com medo de me machucar, não é? – Disse pegando meu membro em suas mãos, num movimento lento de vai e vem, me olhando de uma forma safada.

– S-sim – Ela sabia movimentar suas mãos de uma forma tão gostosa que me deixava sem palavras – E-e-eu, uh, achei que iria lhe faltar com respeito de alguma forma. – Eu respondi sincero.

– Stiles, você não precisa ter medo de querer seguir seus instintos, é só me dizer ou deixar a entender o que quer, você não vai me machucar, eu confio muito em você e quanto a respeito? Stiles, respeito da sua parte comigo é o que não falta o tempo todo. – Eu sorri em resposta, ela sabia como me deixar confortável – Você sabe que tem carta branca pra me tocar da forma que sentir vontade, néh? – Apenas concordei em resposta. – Ótimo! Agora coloca sua mão no meu cabelo, e puxa me trazendo pra você, enquanto eu te chupo bem gostoso, baby, não precisa ser de leve, só não força muito, ok?!

Ela me abocanhou como tinha feito da primeira vez, eu fiz como ela havia me instruído, adentrei meus dedos em seu cabelo acariciando sua cabeça, ela sorriu com esse toque, eu a puxei de levinho pra frente, trazendo com muito cuidado, deixando que ela guiasse um ritmo pra que eu a acompanhasse, a forma como movimentava sua boca me levava a loucura. Ficamos alguns minutos dessa forma.

– Viu? Eu te disse que você era natural Stiles, é puro instinto – Disse me olhando de forma safada. – Agora, eu quero ver você metendo bem gostoso aqui – Disse apontando com seu dedo em sua boca. – Da mesma forma Stiles, começa devagar, impulsiona seu quadril pra frente, não precisa ser muito de leve, é só não forçar muito e aos poucos você vai colocando tudo! – Eu apenas concordei.

Ela ficou parada na minha frente, segurei em seu rosto, me posicionei em sua boca, ela se abriu completamente pra mim, e novamente como havia me instruído eu o fiz, comecei colocando devagar e aos poucos, eu colocava um pouco e tirava, segurando seu rosto gentilmente, fiz dessa forma até que ficasse completamente em sua boca, claro que com sua ajuda ela me segurou um pouco totalmente dentro dela, eu não queria machuca-la, eu sabia que meu tamanho era um pouco avantajado. Sentia que estava próximo de gozar, mas dessa vez eu não queria gozar em sua boca, queria estar dentro dela. Parei o que estava fazendo, ela estranhou porque eu parei quando eu estava próximo de gozar. Eu a ajudei a levantar me explicando pra ela.

– Eu quero, uh.. –

– Você quer o que Stiles? – Se fez de desentendida, ela realmente queria que eu falasse indecências pra ela.

– Eu, uh, não quero gozar na sua boca. Eu quero.. –

– Quer meter bem gostoso em mim, gozar dentro de mim, não é? Quer enterrar esse pau maravilhoso, grande e grosso, não é Stiles? – Meu Deus Lydia Martin era rainha da “dirty talk” e eu não "sabia". Concordei com a cabeça. – Então fala pra mim Stiles, o que você quer fazer comigo – Eu hesitei um pouco. – Ou você pode se aliviar sozinho, se você não falar Stiles, você não goza dentro de mim hoje. Você escolhe querido – Disse da forma mais perversa possível, eu não tinha outra saída, ela tava me levando a loucura, ela realmente queria que eu disse indecências pra ela. Então eu juntei toda a coragem que eu tinha.

– Lydia, hoje eu quero meter tanto em você, quero enterrar meu pau e gozar tanto, que você realmente não vai conseguir andar nos próximos dias – Meu Deus, Lydia estava me transformando em um ninfomaníaco. Ela deu uma gargalhada alta e sorriu diabolicamente em aprovação.

Eu a peguei no colo e a levei para a cama, com sua ajuda me posicionei em sua entrada, rocei um pouco a cabecinha, fazendo nós dois suspirarmos profundamente, impulsionei meu quadril pra frente devagar como havia feito em sua boca, devagar e aos poucos, eu colocava e tirava, fazendo um vai e vem gostoso, até ficar completamente dentro dela. 

Ela me instruía um pouco pedindo mais rápido e mais forte, e eu o fazia como queria, encontramos um ritmo perfeito que após alguns minutos nós gozamos juntos, gemendo alto. Me deitei por cima dela a beijando com carinho. 

Sai de cima me deitando ao seu lado, ela se aninhou em meu corpo nos fazendo ficar de conchinha, estávamos tão exaustos que não vimos a hora que caímos no sono.

Essa definitivamente tinha sido a melhor noite da minha vida, Lydia me fez descobrir o prazer.


Notas Finais


E ai gostaram?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...