História Desculpas - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Kai, Lu Han, Sehun
Tags Exo, Políamor, Sekailu
Visualizações 24
Palavras 743
Terminada Sim
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Slash

Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 1 - Capitulo Único


Na sala de estrar, entre cacos de vidro e rosas despedaçadas, Luhan chorava baixinho; no quarto, entre malas abertas e roupas espalhadas, Sehun encarava o teto deitado na cama; no banheiro, em meio a curativos mal feitos e água quente, Jongin gritava abafado por uma toalha qualquer. Estavam saturados demais, desgastados e emocionalmente feridos; presos em um loop infinito de brigas infundadas.

Eram os ciúmes de Luhan, as inseguranças de Sehun e a indiferença de Jongin que faziam as paredes daquele relacionamento ruir; eram as farpas trocadas, magoas guardadas, medos e fraquezas que os faziam brigar feito loucos naquele apartamento compartilhado pelos três. A bagagem emocional que cada um carregava era pesada demais, porém se recusavam a dividir.

Amar requeria trabalho, esforço e tempo... tratava-se de ceder, coisa que nenhum dos três ali sabia como fazer. Sehun tinha medo de demonstrar a carência que sentia; Jongin não sabia como expressar amor e Luhan não sabia o que era assumir um erro; todos presos demais no egoísmo do que “eu sou” para se dar ao prazer de descobrir o que poderiam ser.

Mas algo os levara até ali, algo os fizera querer construir, mesmo que pela loucura ou instinto, um relacionamento a três. Nunca levaram a sério que seria trabalhoso, proferiam levianamente que sabiam o que faziam e que estavam prontos para o próximo passo.  Mas simplicidade nunca foi vinculado a poliamor, se já era algo difícil com dois, imagina com três?

Jongin foi o primeiro a aparecer engolindo o seu orgulho, de cabeça baixa e dedos sujos de sangue pelo vaso que quebrara na sala horas atrás. Sehun apareceu em seguida com olhos vermelhos e cabelo bagunçado; os três se encaravam na sala de estrar.

Luhan pensou ser o fim, um bolo de lagrimas se prendendo a garganta o fazendo se perguntar se ele ao menos tentou fazer aquilo dar certo; Sehun acreditou que seria mandado embora, seu subconsciente o acusava de ser um covarde; Jongin acreditava ser culpado de tudo, o coração batendo contra o peito o dizendo que as vezes palavras e atos eram necessários.

Na iminência do fim daquele relacionamento bagunçado, os três pareciam notar enfim o que era amor, pois apesar de tudo eles ainda queriam estar juntos, pareciam perceber o que fazer para dar certo mesmo que agora fosse tarde demais. No momento em que acreditaram ser o limite para aquilo tudo, notaram o quanto poderiam ter feito; “agora era tarde”, pensavam em silencio. Deveriam apenas aceitar, suas mentes gritavam. Mas ao abrirem a boca um único som ecoou em uníssono.

- Desculpa. – eles falaram dando o primeiro passo.

A partir dali ninguém diria que seria fácil, mas para que funcionasse direito, os três deram o braço a torcer. Cada um aos poucos sussurrando aquilo em que deveriam ser perdoados, aquilo pelo que queriam lutar e onde deveriam mudar, cada um notando o medo e insegurança do outro, o quanto deixaram passar. A conversa que havia começado com um pedido de desculpas terminara com os três abraçados chorando na cama até pegarem no sono.

Na sala ainda haviam rosas que Sehun comprara para os dois, pelo aniversário de um e pela promoção do outro, mas que Luhan acreditou que ele ganhara de um mulher. No quarto eles nem notaram, mas na mala de Sehun só haviam as camisas de Jongin e Luhan, um gesto inconsciente de quem sempre as usava. No banheiro, o sangue do corte raso na mão de Jongin manchava a pia, demostrando o quão frustrado ele ficou ao cogitar que as únicas duas pessoas com quem se importava não lembraram do seu aniversário. Entre os dois Luhan dormia, mesmo sabendo que não esquecera do aniversário de um, muito menos desconfiava do outro, sabia que não precisava mais de explicação, pois tudo que fizera foi por ciumes da vizinha do andar de cima que o provocara no elevador, mas dessa vez ele contou aos dois, depois das tempestades de brigas enfim sentiam a calmaria da reconciliação.

No fim, Jongin também era carente, Luhan também era insegurança e Sehun as vezes indiferença. Mas acima de tudo, eles eram amor, em cada defeito que aprenderam a lidar, em cada qualidade dos outros que gostavam além da conta. Nos pequenos gestos de carinho; nos beijinhos de despedida quando Jongin deixava cada um deles no trabalho; no obrigado direcionado a Sehun quando o mesmo cozinhava e na canção de Luhan que embalava o sono nas noites de chuvas e trovoadas.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...