História Desejo Concedido - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias 2NE1, Bangtan Boys (BTS), Got7, K.A.R.D
Personagens B.M, Cl, J.Seph, Jackson, J-hope, Jimin, Jin, Jiwoo, Jungkook, Mark, Minji, Park Bom, Personagens Originais, Rap Monster, Sandara Park, Somin, Suga, V, Yugyeom
Tags 2ne1, Bangtan Boys, Bottom!jimin, Bwoo, Got7, Jeongguk Seme, Jikook, Jimin Uke, Jungkook Seme, Kard, Kookmin, Markson, Namjin, Top!jeongguk, Top!jungkook, Yoonseok
Visualizações 348
Palavras 3.040
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ficção, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


EU NÃO ACREDITO QUE JÁ PASSAMOS DE 100 FAVORITOS

OI, TUDO BOM COM VCS? KKKKKKKKKK TO RINDO DE NERVOSO

Muito obrigada, sério! Eu ainda não to crendo, alguém me belisca?

Enfim, eu só tenho a agradecer vcs ♡♡♡♡♡♡♡

Olha, eu tenho uma notícia para dar, não sei se vcs sabem, mas eu estou com pouquíssimo tempo de postar capítulos para minhas fics, comecei a faculdade já e estou cheia de coisas para estudar! Então, peço a paciência de todos e assim que eu tiver tempo, postarei aqui, ok? :')

Sei que atrasei bastante com esse capítulo, ok, confesso que até bateu uma bad pra escrever, mas fiquei mais animada essa semana (ironia pq comecei a faculdade essa semana) e estava com saudades de postar aqui~

Então, tomem esse capítulo acabado de sair do forno >u<

Perdoem falhas~

Boa leitura, até as notas finais ♡

Capítulo 7 - Capítulo 6 - Quem manda nessa porra sou eu


Fanfic / Fanfiction Desejo Concedido - Capítulo 7 - Capítulo 6 - Quem manda nessa porra sou eu

É 17h45 quando piso em casa.

Por incrível que pareça, eu cheguei cedo em casa.

Tenho quase 101% que tem dedo de Jeon Jeongguk nesse fato histórico. Mas você acha que eu iria reclamar? Nada disso, eu estou mais que feliz. Terei tempo suficiente para me preparar psicologicamente para o que quer que seja que Jeongguk venha fazer aqui.

Calma, eu não sou burro.

Sei muito bem o que Jeongguk quer, mas isso me deixa nervoso. Sim, tragam o Nobel para Jeongguk por deixar Park Jimin nervoso por causa de sexo, podem trazer. Não é como se eu também não quisesse nada, porém, Jeongguk me deixa nervoso em tudo.

Será que isso tem a ver com Jeongguk ser meu chefe? Provavelmente.

Ah, qual é!

Eu aposto que se fosse você e seu chefe numa questão dessa, você estaria com o cu na mão, sim, que eu sei.

A propósito, eu tenho que tomar um banho descente antes do chefão chegar.

Depois de comer uma refeição razoavelmente apropriada, vou correndo para o banheiro. Ligo o chuveiro e quando a água morna cai, só falto suspirar de alívio. Tomar banho é tudo de bom, não sei como tem pessoas que não sabem o que é isso durante dias. Sim, às vezes eu encontro uns sujeitos desses na rua e não é nada bom.

Depois de me limpar devidamente, claro. Percebo que não peguei nem ao menos a toalha, reviro os olhos e bufo indignado com minha falta de atenção. Eu sou atrapalhado o suficiente na vida mesmo.

Porém, a campainha toca e eu quase falto gritar de susto. Quem poderia ser uma hora dessas?

Coloco a cabeça para fora do banheiro, olhando a porta pelo corredor. Verifico as horas e me surpreendo ao ver que são 18h30. Quanto tempo eu passei embaixo do chuveiro? A campainha toca novamente e eu fico irritado.

Só uma pessoa poderia tocar a campainha essa hora.

Kim Taehyung vulgo amigo do capeta. Sim, Taehyung porque não seria Jeon Jeongguk na minha porta antes do horário marcado. Ele não seria louco de aparecer ali mais cedo, aquele cara é pontual demais.

Ao contrário de Taehyung que, além de se atrasar em tudo que é tipo de ocasião, perdia constantemente a cópia da minha chave do apartamento. Eu tenho um amigo ainda mais atrapalhado que a mim mesmo, às vezes isso era surpreendente.

Até porque, o Kim só tem uma cópia da minha chave por questões de emergência e ser ele ali é um caso urgente. Quase nunca Tae invade meu apartamento, mas sempre que isso acontecia, o assunto era pesado.

De novo a campainha toca, dessa vez Tae aperta o botão com força, pois ela soa irritante mais demoradamente. Corro para meu quarto pelado mesmo – e daí? Estou na minha casa mesmo –, pego a toalha o mais rápido que consigo e enrolo a mesma na minha cintura já pensando em brigar com o mais novo por ser tão estúpido de perder a chave de novo.

Assim que a campainha toca novamente, destranco a porta furioso.

– Olha, Taehyung, eu não sei se você é demente ou se faz, mas será que dá para parar de- – paro de falar assim que meus olhos se colocam em cima de Jeongguk – O que você está fazendo aqui?!

Se eu não gritei, cheguei bem próximo disso.

Eu estou pasmo. Jeon Jeongguk bem na minha frente, antes do horário combinado, com uma sacola cheia de cerveja e um olhar surpreso direcionado a mim.

Não, não é brincadeira. Jeongguk está literalmente surpreso ao me ver.

Seria um milagre? Um acontecimento histórico? Será que entro no livro dos recordes mundiais?

No entanto, minha alegria durou bem pouco depois que seus olhos passaram por cada centímetro do meu corpo, me fazendo ter noção do motivo da sua surpresa.

Eu estou nu com apenas uma toalha cobrindo meu corpo.

Isso foi motivo suficiente para me fazer corar da cabeça aos pés. Droga, eu sou muito idiota.

Não deu tempo de fazer nada justamente porque Jeongguk começou a sorrir. Por que o babaca está sorrindo?

– O que foi? Nunca viu um corpo assim na vida? – pergunto debochado, sorrindo sarcasticamente e tentando esconder meu constrangimento.

– Já, mas o seu corpo é muito melhor do que muitos que já vi – responde de prontidão o mais alto e só não dou risada porque tinha sinceridade na sua voz.

Maldito.

– O que está fazendo aqui tão cedo? – tento mudar de assunto, não querendo nem ver o quão ridículo devo estar nesse momento.

– Eu vim deixar isso com você – Jeongguk ergue a sacola com cervejas – Sei que gosta disso, então eu iria deixar isso e voltar para casa para pegar uma roupa, já que você mora mais próximo do escritório que eu.

Reviro os olhos.

– Ah, por favor, Jeon – seguro o riso, mas ainda sorrio debochadamente – Você poderia muito bem deixar essas cervejas no carro e ter vindo aqui no horário marcado.

– Tem razão. Na verdade, eu queria ver você logo.

Meu coração dispara.

– C-Como é?

– E se eu soubesse que você me recepcionaria assim... – continua a dizer o maldito, mordendo o lábio inferior e me analisando dos pés a cabeça – Teria vindo mais cedo ainda.

Coro violentamente de novo e Jeongguk sorri.

– Fica mais tentador corado.

Acordo do meu transe de vergonha e reviro os olhos de novo.

– Aish, entra logo. Eu preciso me trocar.

Jeongguk não diz mais nada, apenas entrou no meu apartamento e deixou a sacola em cima do balcão da cozinha. Ele observou o apartamento, como se analisasse o local ou, quem sabe, procurando algum vestígio de bagunça.

Ainda bem que eu tinha limpado o apartamento ontem.

– Fique à vontade, eu já volto – mas, antes que eu pudesse ir para meu quarto, a mão de Jeongguk segura meu pulso e me assusto. Por que ele está fazendo isso? – O que é agora?

– Você não precisa se trocar, Jimin.

Ergo uma sobrancelha.

– Agora me chama pelo nome? – pergunto com a língua afiada.

– Esse é seu nome, não é? – rebate Jeongguk com outra pergunta e eu noto que o mais alto não tornará minha vida mais fácil.

Suspiro, derrotado.

– Sim, mas pensei que eu fosse somente o senhor Park depois daquela noite – respondo tão convicto quanto a pose de Jeongguk.

– Você continua a ser o senhor Park – ele rebate como se não fosse nada de mais.

Aish, esse filho da mãe...

– Escuta aqui, Jeon Jeongguk – me aproximo do mais alto e aponto o dedo indicador em seu peitoral perfeito – Você manda em mim apenas no trabalho, sim, isso é fato, mas aqui na minha casa as coisas são diferentes. Quem manda nessa porra sou eu, não você, então espero um pouco mais de respeito comigo.

Jeongguk fica calado, mas seus olhos não desviam dos meus. O mais alto apenas me olha, me olha e me olha como se fosse me devorar.

– Você tem razão, me desculpe se desrespeitei você naquela noite – Jeongguk sussurra e eu fico surpreso pelo seu pedido de desculpas – E me desculpe se estou fazendo isso agora.

Que merda está acontecendo?

– Está doente? – pergunto, completamente em choque.

– Não, estou sendo sincero, Jimin – e o mais alto se aproxima de mim e eu recuo para trás.

– Pode ficar onde está – ordeno.

– Por que? – Jeon ergue uma das sobrancelhas, mas logo sorri – Está com medo de mim?

Engulo em seco.

– Eu não tenho medo de você... – sussurro.

– Então não precisa fugir de mim.

Antes que pudesse dar uma resposta, Jeongguk me pega pela cintura e cola nossos corpos. O choque fez meu corpo se arrepiar completamente.

– O que você es- – e sou interrompido pelos lábios do mais alto.

O beijo começa quente e urgente, me deixando nas nuvens. Sem qualquer protesto, apenas seguro seus cabelos negros fortemente e os puxo ainda mais para mim. Nem se eu quisesse negar, não iria me separar dos braços de Jeongguk. As mãos do mais alto segura minha cintura com ainda mais força, me fazendo gemer baixinho contra seus lábios. Observo o sorriso presunçoso de Jeongguk no seu rosto. Canalha.

Um canalha que beija muito bem.

– Onde está seu presente, Jimin? – pergunta Jeongguk, com sua voz rouca.

Eu encolho ao me recordar do maldito presente.

– Na minha bolsa – o respondo.

Jeongguk sorri e assente, mas não se separa de mim.

– Estou louco para brincar com você, baby – sussurra o mais alto próximo ao meu ouvido, me causando arrepios pelo corpo inteiro – Coloque as cervejas na geladeira, ok? Eu vou pegar seu presente.

Não tenho escapatória a não ser concordar.

Coloco as cervejas na geladeira, ainda estou de toalha e consigo prender a mesma na minha cintura novamente. Não quero que ela caia, não agora. Quando volto para a sala, vejo Jeongguk com a caixa do presente que me deu e me aproximo de si.

– Por que comprou isso para mim? – pergunto a dúvida que não quer calar em mim.

Jeongguk não me responde, apenas sorri.

– Talvez eu te diga mais tarde.

Ergo uma sobrancelha, desconfiado.

– Não devo me preocupar com isso, certo?

Jeongguk se aproxima mais de mim, não recuo nenhum passo. Não posso me mostrar fraco na frente desse cara, por mais que minha vontade seja de correr.

– Prometo que não farei nada que não queira, tudo bem? – os pelos do meu corpo se arrepiam todo quando Jeongguk sussurra isso no meu ouvido – Me mostre onde é seu quarto.

Como um idiota, não perco tempo a segurar sua mão e o guiar até o quarto. Quando chegamos, Jeongguk não espera mais um segundo e me agarra pela cintura, juntando nossos lábios. Seu beijo é maravilhoso e seria burrice eu negar isso. Quando sua língua passa pelo meu lábio inferior e depois pelo superior, quase suspiro em deleite, seu musculo aveludado é hábil e delicioso de se apreciar. A língua de Jeongguk entra na minha boca e se encontra com minha língua numa batalha por território árdua.

O barulho de nossas bocas é algo viciante, preciso admitir, mas Jeongguk separa nossos lábios novamente. Quase grito de frustação, mas ele é mais rápido que eu e me puxa em direção da cama. Jeongguk se senta na minha cama, de frente para mim e eu permaneço de pé.

– Tira a toalha – manda ele.

– Não.

Me surpreendo com minha resposta, mas não volto atrás. Jeongguk parece surpreso também.

– Tira a toalha, Jimin.

Por algum motivo, fico bravo com sua insistência em querer mandar sempre em mim. Qual a parte de “quem manda aqui sou eu” ele não entendeu mais cedo? Por que eu tenho que recatar sempre com suas ordens?

– Não vou tirar – rebato – E antes que você comece, já disse que quem dá as ordens sou eu, não você.

Jeongguk se surpreende com minhas palavras, seus olhos estão arregalados e eu sorrio internamente por deixar o tão poderoso sem palavras pela primeira vez.

– Então, me surpreenda – diz Jeon, me encarando com suas orbes escuras – Me mostre do que é capaz, Park Jimin.

Meu corpo, minha alma, eu inteirinho treme ao ouvir isso.

– Está me desafiando? – pergunto, tentando ao máximo não demostrar que ele teve algum efeito em mim e Jeongguk sorri.

Esse maldito sorriso.

– Encare do jeito que quiser.

Sim, foi um desafio.

Com orgulho e ego que só Deus sabe o tamanho que tem em mim, encaro Jeongguk com um olhar mortal. Não iria deixar Jeongguk levar a melhor nisso nem fodendo.

Faço minha melhor cara de secretária do diabo – sim, esse é o nome que dou para uma expressão sedutora, não me julguem –, sem me importar se Jeongguk está me olhando ou não. Mas sei que ele está me observando, me devorando com os olhos, pois sinto seus olhos em mim. Não o encaro de volta, não no momento, apenas me mantenho concentrado na minha toalha e brinco com o tecido entre os dedos.

– Você quer que eu tire a toalha, né, Jeongguk? – pergunto com a voz manhosa, da maneira mais sexy que consigo e abro um pouco a toalha do meu corpo, revelando minha coxa esquerda.

Jeongguk está tenso, percebo isso pelo seu maxilar travado, mas sei que deve estar gostando pois seus olhos demonstram desejo.

Com um sorriso provocador, tiro parte da toalha da minha coxa, revelando minha perna esquerda inteira. Não mostro meu pênis, apenas minha coxa e perna esquerda para Jeongguk. Não irei apressar as coisas, quero ver Jeongguk louco e parece que estou conseguindo isso com sucesso.

Não dá nem meio segundo e Jeongguk me pega de novo. Mas, dessa vez, ele enlaça seu braço pela minha cintura e me puxa para a cama, me deitando na mesma e ficando em cima de mim.

– Já que insiste em brincar – sussurra Jeongguk roucamente – Vamos facilitar isso.

E Jeongguk pega a toalha e a joga para longe. Estou nu na frente dele.

Não tenho tempo de ficar nem envergonhado, pois Jeongguk já toma meus lábios de novo. Não reclamo, apenas aproveito seus lábios sobre os meus novamente e sua língua brincando com a minha. Céus, eu poderia beijar essa boca o dia inteiro que não me cansaria nunca!

Quando o beijo fica mais intenso, Jeongguk desce suas mãos da minha cintura para minhas coxas, as apalpando com força e eu suspiro entre o beijo, sem conseguir me conter. Minhas mãos vão para seus cabelos, os bagunçando e puxando com força também. Sei que Jeongguk gosta disso, mostra isso pelos suspiros que solta toda vez que puxo seus cabelos da nuca.

Meu Deus, esse homem é sexo puro.

Minhas mãos passam pelo seu corpo, mas suas roupas me incomodam, então trato de tirá-las logo. Jeongguk começa a tirar seu paletó para me ajudar, abro os botões de sua camisa social e tiro a gravata primeiro, logo em seguida a sua camisa social e quase perco o ar.

Jeon Jeongguk é o pecado em forma de pessoa.

Seus músculos, os ombros largos, o tronco desnudo e seu abdômen definido são o inferno todinho e eu só soube que estava brincando com fogo nesse exato momento.

Sem conseguir me conter, passo minha mão por todo seu corpo e paro no cós de sua calça. Jeongguk sorri presunçoso e me olha com aquele olhar de que vai me comer.

Literalmente.

– Gosta do que vê? – pergunta ele e eu, sem me deixar por ele, sorrio descarado.

– Dá pro gasto.

Jeongguk ri e balança a cabeça negativamente, se aproximando do meu rosto e beijando meu pescoço. Meu ponto sensível.

– Você é muito atrevido.

– Aprendi com o melhor – o respondo e não deixo de sorrir.

Logo, vejo Jeongguk se levantar e tirar os sapatos. Não consigo conter minha animação e ansiedade para isso, é inevitável quando você olha para uma pessoa como Jeon Jeongguk sem camisa na sua frente e não pensar em mil e uma coisas com ele.

Sou humano também.

Porém, minha animação vai para o ralo quando vejo Jeongguk saindo do quarto.

– Onde você vai? – pergunto um tanto desesperado.

– Vou lavar isso aqui – e Jeongguk ergue os brinquedos – Eu já volto.

Aceno que sim com a cabeça e decido esperar Jeongguk. Deito novamente na minha cama e não deixo de sorrir feito um idiota. O que está acontecendo comigo? Por que estou sorrindo? Aish, que idiota, Park Jimin.

Tudo bem, tenho que admitir que isso é tudo por causa de Jeongguk, mas como não poderia ser? Essa pessoa deveria ser proibida existir.

Jeongguk é lindo, bem sucedido, beija muito bem, tem um corpo de dar inveja e deixar qualquer um louco. Como em sã consciência alguém assim pode não ter ninguém? Será que ele é tão ruim assim de se conviver?

De repente, escuto o barulho de algo vibrar. Me levanto da cama em um pulo e procuro meu celular, mas vejo que não se trata dele pois o mesmo está na sala, então só pode ser o de Jeongguk. Procuro o celular o mais rápido possível e o encontro dentro de seu paletó, vibrando várias vezes.

Fico na dúvida se devo ou não mexer, até porque o celular não é meu. Porém, Jeongguk é meu chefe e chefes tem muitas ligações e mensagens importantes durante o dia, mesmo que não seja no horário de trabalho.

Com o coração na mão, pego o celular de Jeongguk e vejo que tudo se trata de mensagens. Centenas de mensagens que não consigo ler direito de tantas que são, porém, um nome está escrito na tela.

Namjoon.

Quem é Namjoon?

Bom, não tem como ler as mensagens sem desbloquear o celular e nem me atreveria a fazer isso se soubesse a senha de Jeongguk. Posso ser curioso, mas não sou intrometido a esse ponto.

Porém, meus planos vão para os ares assim que o celular de Jeongguk vibra novamente, mas dessa vez é uma ligação. Meu coração dispara de susto, mas meu susto se vai rapidamente assim que leio o nome de quem liga.

Yoongi.

Meu Deus, e eu pensando que Jeongguk não tinha ninguém... Espera.

Quem é Yoongi?

Antes era um tal de Namjoon e agora é Yoongi, quem diabos são esses dois?

Será que eu estou enganado ao respeito de Jeongguk? Será que ele tem, sim, alguém na vida dele?

Meu coração dispara mais rápido ao pensar isso. Se realmente isso for verdade, então eu não passo de um amante? Não, não, não. Isso é algo que eu nunca irei aceitar, de jeito nenhum.

Não atendo a ligação, deixo o celular dentro do paletó de Jeongguk, onde ele estava. Mesmo que fosse trabalho, não teria coragem de atender o celular de Jeongguk simplesmente por medo e receio de ser realmente um namorado.

Ou pior, de ser seu marido.

Céus, e se Jeon Jeongguk for casado? Para de se martirizar, Jimin.

– Pronto, voltei – escuto a voz de Jeongguk na porta e pulo de susto, porém, ele parece não perceber minha reação – Sentiu minha falta?

Jeongguk sorri e uma raiva sem tamanho sobe em mim.

Se realmente Jeongguk tiver alguém, eu não seria seu passa tempo. Então, com coragem e determinação, me levanto da cama e vou ao seu encontro. Jeongguk não fica surpreso, apenas sorri ainda mais e seu sorriso nunca me irritou tanto.

– Jeongguk, eu preciso te perguntar uma coisa – sussurro, tentando conter meus instintos mais perigosos.

Jeon assente com a cabeça, me incentivando a continuar.

– Pode dizer, pequeno.

– Quem é Namjoon e Yoongi?

 

 


Notas Finais


ENTAUM (▼-▼*)

Jimin tá furioso querendo saber quem é os boys que fica chamando o Jeon, ai ai vai dar merda~~

Quem arrisca em adivinhar quem são eles? Façam suas apostas haha

Será que vai ser agora que Jikook vai se pegar loucamente ou irá tudo por água a baixo?

Próximo capítulo isso será respondido hihi

Não sei se vcs sabem, mas postei oneshot esses dias atrás, tipo, uma semana atrás
Link aqui ~> https://spiritfanfics.com/historia/sexbomb-9906025

É Namjin para quem está se perguntando, sim, uma oneshot Namjin, que emossaum :')

Já que nosso casal não se pegou ali, vão ler essa oneshot imperdível porque BULTAOREUNE 🔥

Beijão e até a próxima, chuchus ( ˘ ³˘) ♡♡♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...