História Desejo insaciável 2 temporada - Capítulo 9


Escrita por: ~ e ~Goma05

Postado
Categorias Originais
Tags Alfa, Beta, Incesto, Ômega
Exibições 145
Palavras 2.046
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishoujo, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


OOOIIIII GALERAAAA!!!! sou eu, Thamyrez, o marido da linda e maravilhosa Goma kkkkkkk Bom hoje é minha ve de postar o cap, sinto muito pela demora, e espero que tenha sentido falta de Miguel goste kkkkkk 77 favoritos é bom, mas já que sou gananciosa espero que aumente kkkkkk quero que chegue a 100 por enquanto. E obrigada pela enorme quantidade de comentários estão me deixando muito animada!!!!!!!!!!! Bom espero que gostem e não esqueçam de comentar nem favoritar!!! Eu fi o cap e goma corrigui os erros já que escrevi as pressas. Boa leitura!!!!!

Capítulo 9 - Escolha


Narrador


Miguel rolou pela cama, procurando os braços confortantes de Dylan.

Johnny abraçou o menor e o colou contra seu corpo. - Dylan perdeu a aposta, então você será meu pelo resto da semana. - Comentou baixinho com um sorriso de vitória nos lábios.

O corpo de Miguel tremeu excitado com a voz daquele lúpus, tão sádica e com um tom eloquente, digno de um deus.

Miguel tenta empurra-lo para frente e tentar fugir de seu irmão. Contudo era muito fraco para tal. 

Johnny: Ei, eu não vou te machucar... Só fica quietinho. Eu e você nunca mais tivemos um momento assim... Você vive trabalhando.

Miguel escuta o pedido do alfa, e seu instinto de ômega obedeceu sem protestar.

Johnny: Melhor assim... Sabe, quando você era pequeno. Você vinha pra minha cama toda noite porque tinha pesadelo quando dormia sozinho.

Miguel: Antes eu confiava em você. Antes você era apenas meu irmão.

Johnny: É ainda sou... Eu queria pedir desculpas, Miguel. Eu sempre vacilo com você.

Miguel: Não peça desculpas, sei que não se arrepende de nada!

Johnny: Tem razão, não me arrependo, mas quero me retratar com você. Então sempre que precisar de ajuda, quero que ligue pra mim... Não importa quão longe esteja eu vou até você. - falou.

Miguel sorrir melancólico pensando em como Johnny falando palavras tão doces lembrava o Johnny que sempre amou. 

Porque você não pode ser 100% do dia assim?! Não sabe como sinto saudades de você, John...

Lacrimeja abraçando forte o alfa. 

Uma semana havia se passado após o cio, Miguel voltara a trabalhar.

Johnny estava na cozinha preparando o café da manhã para os dois. 

Miguel desceu as escadas já vestido formalmente com seu terno e carregando uma maleta com papéis importantes.

Johnny: Eu sei que você só bebe café de manhã, mas eu fiz ovos mexidos, bacon e torradas. - Avisa sorridente. Senta na mesa. Pega uma torrada e a morde.

Miguel mirou para a mesa de seiar. - Eu só vou querer o café mesmo. - Retruca. Vai até a mesa, pega a garrafa térmica e despeja café numa xícara até a borda. 

Não acredito que ficamos uma semana juntos sem discutir ou nos matar... Johnny é uma caixa de surpresas.

Miguel entorna o café na boca até secar a xícara. - Eu já vou para o trabalho. - Avisa.

Johnny limpou os lábios com um guardanapo e levantou da mesa. - Certo. - Fala. Aproximasse de Miguel e deposita um beijo em sua boca. - Bom trabalho, hoje.

Ele aprontou o café da manhã para nós dois, dormiu na mesma cama que eu, fizemos sexo várias vezes, e agora ele me dar um "beijinho de despedida"?! Ele pensa que somos recém casados por acaso?!

Miguel: John, não somos casados... Vá pra sua casa. - Falou sério e rispidamente.

Johnny assente com a cabeça, mas não desfez o sorriso. 

...

Na empresa,

O ômega, neste exato momento, está em sua sala às 22h57min, seu dia foi cansativo, pois enquanto estava no cio, sua mãe cuidou da empresa, contudo, ao voltar o ômega nota que a empresa manteve-se estável. O que para muitos seria uma boa notícia, para Miguel foi uma péssima. Por quê? Bem, nesse tempo a empresa não teve lucro nem prejuízo, para Miguel uma empresa que não teve lucro numa pequena semana é um pequeno desperdício de tempo.

Seu dia foi cansativo, contudo, o ômega tinha um compromisso muito importante: O aniversário do seu melhor amigo, Matheus. A pequena festa havia organizada por Arthur e marcada às 21h00min, então Miguel está incrivelmente atrasado.

Após finalmente sair da empresa, o ômega vai em direção ao seu carro, e ao entrar, o mesmo da partida em direção à casa do seu amigo. O caminho foi tranquilo até o momento em que Miguel estava caindo no sono. Sem aguentar mais, ele resolver parar em um posto para tomar café. Ao entrar no local, o mesmo recebe o olhar de espanto das pessoas presentes. Sem ligar para os olhares e cochichos, Miguel vai em direção a garota que estava atrás do caixa, uma beta. 

- Um café, por favor. – Pede.

-S-Sim. – A garota responde nervosa. - Açúcar ou adoçante? – Pergunta.

-Açúcar. – O ômega pede olhando ao redor para ver se tinha algo a mais do seu interesse.

-Aqui está, senhor. – A garota fala entregando o grande copo de café.

-Obrigado. –Miguel diz e em seguida vai em direção a uma pequena mesa que havia no local.

Após sentar-se, Miguel pega seu celular e observa a hora.

23h00min!

Eu vou chegar bastante atrasado e cansado, mas não posso perder o aniversário de Matheus, seria muita maldade.

O ômega pensa e em seguida dar um longo suspiro. Após finalmente tomar o café e pagar a garota, Miguel sai do local, e vai em direção ao seu carro que estava estacionado atrás do posto.

Ao chegar Miguel abre a porta do seu carro e antes que pudesse completar a ação de entrar nele, o ômega escuta o choro de uma criança.

Curioso, Miguel segue o som do choro e para a sua surpresa, acaba encontrando um bebê jogado ao lado do lixo. Ele se aproxima e ver o estado do recém nascido, ele só usava uma fraude, que pelo cheiro estava lotada de fezes. O bebê estava sujo, e notava-se que estava assado em alguns locais do seu corpo.

A criança não parava de chorar e de se remexer demonstrando desconforto. Sem pensar duas vezes, Miguel rapidamente retira o bebê do chão sujo e enlameado e o leva em direção ao seu carro.

O ômega rapidamente coloca o bebê no carro e antes que pudesse entrar ele liga para o motorista de Johnny.

Miguel: Alô? Davis?

Davis: Senhor Miguel? O que houve? Algum problema?

Miguel: Sim, eu quero que você compre pomadas, sabonetes, shampoo, condicionador, fralda, e uma pequena roupa para dormir, tudo isso para bebê. Ah, e uma bacia também.

Davis: B-B-Bebê?! Senhor Miguel, é... Sei que não é da minha conta, mas posso saber o real motivo?

Miguel: Não, no momento não, por favor, faça isso e rápido, pode entrar no meu apartamento e pegar um dos meus cartões, eu deixei meu apartamento aberto. A senha é 679805.

Davis: Sim senhor, mas e se o senhor Johnny precisar de mim, e eu não estiver presente é capaz dele me demitir.

Miguel: Não se preocupe, se ele lhe demitir, eu contrato você, apenas faça logo isso.

O ômega finaliza a ligação e rapidamente entra no carro. O caminho todo não foi nada agradável, o bebê não parava de chorar, e havia certos momentos que gritava, era uma boa forma de manter Miguel acordado.

...


Depois de um longo tempo, Miguel finalmente chega ao seu apartamento, desesperado ele entra e põe a criança na cama de seu quarto. E vai em direção a sala, a procura dos objetos que havia pedido, contudo, o mesmo nota que Davis ainda não havia chegado.

Miguel já não aguentava mais os gritos e choro do bebê, sua dor de cabeça estava aumentando e ele estava fincando louco. Desesperado, ele liga para Matheus.

Matheus: O que é tão importante para você me ligar após minha festa ter acabado e para você não ter vindo?! NÃO ME DIGA QUE ESTÁ NO TRABALHO?!

Miguel: Não estou no trabalho, mas preciso de você na minha casa urgente! Pode trazer Arthur e sua filha também!

Matheus: Isso é choro de criança?

Miguel: APENAS VENHA LOGO!

Matheus: Okay, okay, calma, já estamos chegando.

Após desligar, Davis entra desesperadamente no apartamento de Miguel e coloca as coisas no sofá.

-Aqui está... Seu cartão, senhor Miguel... Isso... É choro de criança?- Davis pergunta ofegante.

- Sim, isso é choro de criança. Vá agora, e não conte para Johnny! Ah, quanto preciso pagar pelo que você fez? - Miguel fala rapidamente.

- Nada, senhor, se precisar de ajuda é só falar, Okay?- Davis pergunta.

- Sim, sim, obrigado. - Miguel diz e em seguida Davis sai do local.

Quando o desgraçado do Matheus vai chegar?! Eu não aguento mais essa porcaria de choro!

Miguel: Alô, Erick?

Erick: Miguel, quanto tempo, o que houve?

Miguel: Preciso que você venha ao meu apartamento agora.

Erick: Hã? Mas por que eu tenho que ir ao seu apartamento agora? Isso é choro de criança?

Miguel: SIM, ESSA MERDA É CHORO DE CRIANÇA, APENAS VENHA PARA A PORCARIA DO MEU APARTAMENTO AGORA.

Erick: O-Okay.

Após um pequeno tempo, Matheus finalmente chega à casa de Miguel.

-O que houve? Por que você me chamou desesperado? Por que ouvir choro de criança no celular? E por que estou ouvindo choro de criança aqui?- Matheus pergunta.

-Apenas vá naquele quarto, e cuide daquele bebê, não pergunte o motivo, apenas faça, os materiais estão ali. - Miguel diz histericamente apontando pra as compras que Davis fizera. – Onde está Mayara? – Ele pergunta.

-Eu liguei para ela, já está chegando. E por que tem uma crian...

-APENAS FAÇA! – Miguel diz desesperado interrompendo Matheus.
-Okay, Okay. – Matheus fala e em seguida corre desesperado ao quarto de Miguel.

Miguel fecha a porta e em seguida senta ao lado de Arthur que estava sentado no sofá com Melissa que estava dormindo em seus braços.

-Também é ótimo lhe ver, Miguel. – Arthur fala.

-Me desculpe, eu estou cansado... Com Melissa também foi dessa forma? – Miguel pergunta.

-Sim, todas as noites. Não se preocupe depois você se acostuma. – Arthur diz.

-Isso é impossível. Eu não vou aguentar isso, é mais confortável eu me atirar da janela, morrer, e nunca mais escutar esse barulho. Eu vou ficar louco, isso é impossível, eu tenho que pular Dalí agora. – Miguel fala.

-Também pensava dessa forma. Não imagina o como lhe entendoentendo

...


-Por que ele ainda está chorando?! – Miguel pergunta.

O bebê estava limpo, tudo já havia sido resolvido, mas ele ainda continua chorando nos braços de Matheus.

- Provavelmente está com fome. – Matheus fala.

Se alguma mulher estivesse aqui, ela poderia amamentar, elas sempre têm leite... Bom, eu acho... Mas a única a única mulher que eu conheço ainda não chegou!

- Chegamos! – A porta é aberta e em seguida Mayara e Erick entram ao mesmo tempo no local. – O que está acontecendo aqui? – Mayara pergunta.

-Mayara, tira a roupa. – Miguel ordena.

-Como?!- Mayara pergunta espantada.

-Isso vai ser interessante. – Arthur diz com um sorriso malicioso.

-Arthur...!– Matheus fala com um tom de reprovação.

Arthur: Desculpa, não resisti. 

-Tira a droga da roupa. – Miguel fala indo em direção a Mayara que se afastava a cada passo de Miguel.

-Você ficou louco?!- Mayara pergunta.

-Tira logo a roupa! – Miguel fala e em seguida corre em direção à Mayara.

- Não! – Mayara fala enquanto corria desesperadamente de Miguel.

- Erick, me ajude! – Miguel diz enquanto corria.

-O que você quer que eu faça? – Erick pergunta assustado, pois não sabia o que fazer naquela situação.

- Morda ela como você sempre fez comigo!- Miguel fala.

-Mas eu...

- Que tipo de pessoa você é? Como pode está querendo que Erick me morda?! – Mayara pergunta.

- Apenas me obedeça e tire a roupa. 

- Eu nunca vou tir...

- Pronto!- Miguel fala após derrubar Mayara no chão e montar em cima dela. – Agora tirar isso aqui é agora!. – Ele diz e em seguida rasga a camisa de Mayara.

- Eu gostava dessa camisa. – Mayara diz com um tom de tristeza.

Repentinamente Johnny entra no apartamento ganhando a atenção de todos. - Miguel, eu queria saber se você tem... – Johnny logo para de falar ao ver o que estava acontecendo.

Miguel estava em cima de Mayara e tinha tirado a blusa da mesma, Arthur estava com Melissa no colo, a menina olhava a situação com admiração, Matheus estava com um estranho bebê no colo que não parava de chorar, e Erick olhava confuso para o que estava acontecendo.

- Acho melhor voltar outra hora. – Johnny fala e em seguida sai do local.

...


Arthur dormiu no sofá com Melissa deitada em seu peito. Matheus cobriu os dois com um lençol.

- Então, o que você vai fazer em relação a esse bebê?- Matheus pergunta.

Nesse momento os dois foram para o quarto e o bebê dormia na cama de Miguel.

- Não sei, não acho que seria uma boa idéia levá-lo ao orfanato. Não sei se ficaria confortável com isso. – Miguel fala.

- Então pensa em adotá-lo? – Matheus pergunta.

- Não seria uma idéia tão horrível.

- Se você quer adotá-lo, eu espero que saiba que será muito difícil isso acontecer. Hoje em dia é quase impossível adotar uma criança estando solteiro.

- O que você quer dizer com isso?

- Você terá que se casar.

- E com quem eu me casaria? Não tenho ninguém.

- Bom, você tem Dylan e Johnny

- Bigamia é proibido...

- Que tal escolher um de uma vez?!


Notas Finais


O que será que Miguel vai fazer?Quem será que Miguel vai escolher????!!!! Não sei se vcs perceberam mas n disse o sexo do bebê, será quevcs advinham???? Menino ou menina??? kkkkkk Vocês gostaram??? Odiaram????? Continuo???


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...