História Desejos e tentações - {Lay//S/N} - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Chanyeol, Chen, Lay, Personagens Originais, Suho, Xiumin
Visualizações 233
Palavras 2.915
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Hentai, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Gente... ALERTA TENSÃO CHEGANDO. (Desde já, peço que não me odeiem) uhfdgusdhf
BOA LEITURA!

Capítulo 10 - Eu só quero paz


Fanfic / Fanfiction Desejos e tentações - {Lay//S/N} - Capítulo 10 - Eu só quero paz

Lay Onn - S/N Off

- Me diga! O que você quer com ela?! - Dizia quase gritando.

- Lay, fale mais baixo... Por favor... - S/N me olha, enquanto eu esperava uma resposta, mas ninguém falava no outro lado da linha.

- Escute bem, se você, seja lá quem for, tocar um dedo em alguém próximo à mim, eu vou- - Foi interrompido pela pessoa no telefone.

- Vai o que? 

Parecia ser uma voz feminina.

- Você não sabe quem eu sou, onde eu estou e por que estou pedindo o chip. Sua única escolha é fazer o que eu peço, se não EU é quem vai fazer alguma coisa aqui. - A pessoa na linha esperava que eu respondesse alguma coisa, mas não o fiz, apenas a deixei terminar de falar - Já que estou falando diretamente com você, você já sabe o que tem que fazer. Amanhã, me encontrar no parque central e entregar para a moça com o cachecol vermelho o colar com o chip.

- Vai se ferrar. - Terminei antes que essa pessoa pudesse desligar.

Após alguns segundos, escuto um "beep" encerrando a chamada.

Lay Off - S/N Onn

- Lay, você está bem? O que foi isso? - Eu vejo tirar fotos de minha lista telefônica - O que está fazendo?

Após tirar as fotos, ele sai da cabana com o meu celular. Eu logo o sigo para ver onde ele estava indo. Em menos de dois minutos, o vejo jogando meu celular do penhasco de onde estávamos, fico boquiaberta com o ato, sem acreditar na cena que havia acabado de passar por meus olhos, nenhuma palavra saía de minha boca.

Logo Lay segura meu braço, e entramos novamente na cabana.

- O que você está pensando?! - Gritei com o garoto com o olhar indiferente para mim.

- Eu compro outro para você. Um melhor até. - Dizia num tom sério.

- Por que jogou meu celular do penhasco?!

- Para evitar de conseguirem seu número novamente. Eu tirei foto da sua lista telefônica, então não terá tanto trabalho para adicionar essas pessoas novamente no celular que lhe darei.

- Mas- - Fui interrompida.

- É perigoso, está bem? É perigoso você ficar saindo por aí, agora. Pode ficar nervosa comigo por isso, mas já disse, e repito novamente, comprarei um celular novo para você.

Com esta condição, eu não estava tão nervosa com ele. Mas ainda sim, essas ligações pelo visto estavam incomodando tanto ele quanto à mim. 

- Lay, será que dá para você me explicar direito o que está acontecendo? 

- Eu já lhe disse, há alguém me perseguindo.

- A mulher da ligação, ela me pediu para que eu pegasse um colar que você sempre usa... - Olhei para o pequeno brilho que a corrente emitia, enquanto o resto se escondia por de baixo de sua camisa - Por que ela quer tanto isso? Ela chegou a me ameaçar por causa disso! 

Lay bufou, não conseguindo mais esconder o jogo.

- Minha mãe, à uns sete anos atrás, achou o que todos chamariam de "o baú de tesouros". Tanto essa pessoa das ligações, quando meu padastro, querem chegar perto de minha mãe por causa deste dinheiro. - Passou as duas mãos em seu rosto - Mas pelo visto, a pessoa da ligação descobriu que minha mãe me encarregou de "proteger" este dinheiro.

- Como te encarregou?

- O local, senha, métodos de encontrar este dinheiro... Está tudo escondido num chip dentro do pingente deste colar. - Ele me olhou nos olhos - Minha mãe sabe que meu padastro se aproximou dela por causa disso, mas como eu havia dito, ela é uma pessoa muito romântica, e precisa de alguém ao seu lado, então tudo o que ela faz, é ignorar a ganância daquele imbecil. 

- Você sabe o por que querem tanto este dinheiro?

- Não sei. Mas sei que minha mãe protege isso com a própria vida, pois é o dinheiro que está manchado pelas mãos do homem que mandou assassinarem meu pai. Esse dinheiro, do mesmo jeito que seria a "sorte" deste homem que o quer, é o "azar" dele também. Esse dinheiro pode o prender pelo resto da vida, ou até mesmo o condenar à morte.

- Lay... Eu sinto muito, não sabia que seu pai... Havia sido assassinado... - Abaixei minha cabeça com todos estes problemas.

- Você não tem culpa... 

- Como você sabe que foi um homem que... Matou o seu pai?

- Por que eu ouvi a conversa deles, antes disso acontecer. E acredito que seja o mesmo homem que quer esse dinheiro, pois ele matou meu pai por esta droga de dinheiro! - Respirou fundo.

- Estou me perguntando... Sua mãe está segura neste momento? - Pergunto preocupada.

- Acredito que sim e espero que sim. Mas, ela não se importaria de recusar a falar onde está esse dinheiro, mesmo que alguém apontasse uma arma em sua cabeça. Por isso, saí da China o mais rápido possível. 

Lay dizia essas coisas num tom de desprezo e chateação. 

- Após ouvir a conversa do meu pai com esse homem, eu escutei sons semelhantes à uma lâmina acertando várias vezes algo, logo seguido de um tiro... - O garoto dizia com lágrimas nos olhos - Nessa época... Nesse dia... Eu estava com tanto medo, que após o tiro, eu saí correndo dali o mais rápido possível... Esse homem... Não dizia de modo algum o por que queria tanto este dinheiro... Ele apenas queria o dinheiro de meu pai... - Após essas palavras saírem dificilmente por sua boca, vejo uma lágrima escorrer em seu rosto.

- Lay...

Rapidamente o envolvo em meus braços. Estava tentando ao meu máximo reconforta-lo, mesmo sem ter o que dizer... Eu queria dizer algo para o acalmar.

Assim que eu o abraço, percebo que ele desabafa toda essa vida difícil em lágrimas, sem dizer mais nada. O mesmo apenas segurou um de meus braços com uma de suas mãos, enquanto encostava seu rosto sob meus seios. 

- Eu sinto muito... - Apertei um pouco mais o abraço.

Após alguns minutos daquele jeito, ele se afasta, secando suas lágrimas com sua mão. Logo, ele respira fundo olhando por um tempo para o teto da cabana.

- Amanhã, entregarei esta porcaria para ele. Se isso fizer com que eu e minha mãe fiquemos em paz...

- Mas Lay... Você não pode fazer isso... Sua mãe... Todo o esforço dela de esconder isso...

- Eu vejo o que farei. Por enquanto, eu só quero descansar um pouco... 

Lay se deitou no colchão inflável, liberando um espaço para mim, assim, ele se vira de costas para mim.

- Só... Não faça besteira... - O olhei por um instante - Boa noite...

Me deitei também, e então me esforcei para dormir. Era difícil, pois com tantos pensamentos em minha mente, me sentia mal e estava preocupada com ele... Imagine ele em relação à tudo isso...

***

Lay Off - S/N Off

- Você ouviu alguma coisa na cabana deles? - Pergunta Maya para Chen.

- Nada. À esse ponto, acho que os dois já dormiram.

- Não duvido nada. - Riu - Não importa o quanto tentamos os junta-los, eles são difíceis. - Sorriu para Chen.

- Tenho que concordar. - Sorriu de volta para Maya.

Chen se deitou com uma de suas mãos em baixo de sua cabeça, e estendendo o outro braço para que Maya se apoiasse nele. Foi o que ela fez. Assim que deitou sua cabeça no braço de Chen, o abraçou. 

- Mas então, têm recebido ligações sobre sua mãe? - Perguntou Maya fazendo um carinho descontraído no peitoral de Chen.

- Ainda não... - Bufou - Mas creio que ela esteja bem... Ela está sob cuidados dos médicos então...

- Chen, por favor, me diga se precisar de ajuda com o pagamento do tratamento dela. - Maya levanta levemente a cabeça para olhar nos olhos do garoto, que pareciam um pouco distantes.

- Não se preocupe com isso. Se algo do tipo "vocês não conseguirão mais pagar o tratamento", tenho certeza que minha avó me ligaria para avisar algo.

Maya encosta novamente a cabeça no braço de Chen.

- Desde que você me disse isso no nosso primeiro encontro, eu rezo pela melhora de sua mãe... - Maya sorriu abafado - Obrigada por confiar em mim, à ponto de me contar sobre isso...

- Como você pode ser tão maravilhosa? - Chen sorri discretamente - Mas eu digo o mesmo de você, me contando bastante sobre você e sua família também...

Maya soltou uma breve risada.

- E você, recebeu ligações de seus pais avisando como está a viagem pela Europa?

- Você falando assim, parece até que somos uma família de "riquinhos" mimados que viajam por aí. - Maya riu - Mas sim, recebi ligações sim. Eles disseram que talvez semana que vem já estejam voltando para a Espanha novamente. 

- Que bom. Então isso quer dizer que está tudo bem com eles?

- Acho que sim. - Sorriu - Quando eles te conhecerem, tenho certeza que vão adorar você. - Maya dizia isso com doçura em sua voz - Mas... Tenho medo do que sua família possa achar de mim. Eles já tem problemas demais para resolver, e, resolver um problema chamada "nora", seria o cúmulo.

- O que você está falando? - Chen soltou uma gargalhada, logo colocando seu corpo por cima do de Maya, se apoiando em seus braços - Minha família iria adorar você. 

- Por que tem tanta certeza? - Maya perguntou com um sorriso no rosto.

- Por que você é a pessoa mais doce, bonita, engraçada, humilde e inteligente que eu já pude conhecer. - Chen disse sério, logo seguido de um sorriso reconfortante e acolhedor.

- Ah, para... - Maya da um leve tapa no braço que estava ao lado de seu rosto.

- É verdade! - Dizia com um sorriso ainda maior em seu rosto - Eu jamais mentiria para você.

Chen se aproxima do rosto de Maya, logo a roubando um longo beijo. Chen finalmente deixou de se apoiar em seus braços e logo aproximou seu corpo também do de Maya. 

***

S/N Onn

No dia seguinte...

Após perceber que ao meu redor estava claro, abro lentamente meus olhos, percebendo que já estava de manhã. Ao olhar à minha frente, vejo o rosto de Lay bem próximo ao meu. Ao invés de me sentir envergonhada, estava confortável. Ele parecia dormir profundamente. 

Pude perceber o quanto aquele garoto tinha um... charme. Abaixo meu olhar para seus lábios. Ao ver sua boca, lembro do quão macia ela era, e o lindo sorriso que ela escondia. Um sorriso acolhedor que ultimamente vêm sido difícil de ver novamente, ainda mais agora, onde parece que tudo está compilando para dar errado na vida de Zhang Yixing...

Pensar em sua história me deixava triste. Olhar para este rosto tão doce... Com um sorriso tão reconfortante... Ser completamente escondido por trás de uma grande nuvem de tristeza e raiva... 

Uma lágrima sai de meus olhos enquanto o olho.

Tenho certeza que tudo ficará bem...

- Tudo ficará bem... - Digo aos sussurros, logo fechando meus olhos, sendo capaz deu sentir a lágrima escorrer pelo meu rosto, logo abrindo um pequeno sorriso - Sim, tudo se resolverá, tenha paciência...

Antes que eu pudesse abrir meus olhos novamente, sinto algo envolvendo minha cabeça. Assim que abro meus olhos, vejo de relance Lay, que estava me abraçando. Vejo também que o mesmo ainda está de olhos fechados. 

Eu achava que ele ainda estava dormindo, até sentir seu polegar secar minha lágrima, logo, ele da um beijo em minha testa. Meus braços estavam juntos logo à minha frente, mas não tinha coragem de abraça-lo assim. 

Assim que Lay aparta o abraço, ele me olha nos olhos. Esse olhar... fazia com que eu me acalmasse, mas me sentisse nervosa e com frio na barriga... Podia sentir meu coração batendo cada vez mais forte. Após pelo menos 2 minutos assim, Lay se senta na ponta do colchão inflável, se preparando para levantar. 

- Bom dia... - O garoto diz com a voz sonolenta e um pouco rouca.

- Bom dia. - Respondo um pouco baixo logo me sentando no colchão. Me perguntava se ele havia escutado o que eu havia dito...

Antes que pudéssemos dizer ou fazer mais alguma coisa, alguém bate palmas do lado de fora de nossa cabana. Era Maya e Chen nos chamando para fazermos nosso último piquenique, que contaria como nosso café da manhã de domingo.

Sendo assim, arrumamos pelo menos um pouco nossos cabelos, para parecermos mais apresentáveis, ao invés de parecer que tínhamos acabado de acordar, embora fosse o caso.

***

Assim que Lay abre o zíper da cabana, Maya e Chen nos esperavam para o café da manhã, pois os dois já haviam preparado as comidas, já que eles haviam ficado com a cesta de comida.

Nós dois saímos da cabana e finalmente nos juntamos aos dois. Enquanto Chen e Lay tinham descido a montanha para comprar uma garrafa de água, eu e Maya ficamos os esperando voltar.

- E então, como foi sua noite? - Perguntou Maya com seu rosto malicioso de sempre.

- Ah meu deus... - Soltei uma breve risada - Foi boa, o colchão estava bom demais... - Maya já ia abrindo seu sorriso malicioso conforme eu deixava as palavras saírem de minha boca - Bom demais para dormir. - Concluí.

- É sério? Não rolou nada? Tipo, nadinha?!

- Não. - Dizia com orgulho.

- Ah S/N... Como meu shipp vai andar se continuar deste jeito? - Bufou - Vocês dois são inacreditáveis. 

- Somos sim. - Ri - Mas por outro lado... - Imitei o rosto malicioso de Maya - Você me parece contente demais esta manhã. Aconteceu alguma coisa entre vocês dois?

Maya tentava ficar séria, mas seu sorriso e risada insistiam em sair.

- Talvez... - Dizia Maya com um grande, porém sem graça, sorriso.

- Esse "talvez", irei considerar como um "sim", bem óbvio! - Sorri - E aí? Como foi?

- Quer mesmo que eu conte? - Perguntou ainda sem graça.

- Sem detalhes, por favor. - Disse brincando.

- B-bem... Estávamos tendo uma conversa ótima antes disso... E ele dizia coisas tão bonitas e fofas, que nem senti a famosa "dor da primeira vez" como muitas mulheres falam. - Maya dizia sem graça olhando para o chão.

- Sério? Você não sentiu nenhuma dorzinha?

- Não! - Maya riu - Eu confio tanto nele... Ele me acalma e com ele, sinto que posso ser quem eu sou, não fico envergonhada para nada. E mesmo no ato... Ele demonstrou ficar tão preocupado em me machucar... Eu achei isso muito fofo! Ah, S/N! Eu acho que estou apaixonada!

- Awn! Fico feliz por vocês! - Fingi ficar séria - Se ele te machucar na próxima vez, eu o castrarei. 

Nós duas caímos na gargalhada. Sendo assim, os dois garotos finalmente haviam voltado com a garrafa de água. Finalmente pudemos tomar nosso café da manhã na calma da manhã. Após isso, arrumamos as coisas. Guardamos os panos no cesto de piquenique, desinflamos os colchões de ar, fechamos as cabanas e finalmente pudemos partir. 

Assim que descemos a montanha, pegamos o mesmo trem que pegamos para vir. A viagem durou em torno de umas duas horas, porém, que valeram a pena e renderam bons momentos...

Chegando à faculdade, Maya e Chen haviam ido cada um para seu dormitório, para tomarem banho. Lay e eu ficamos esperando na entrada, até que os dois liberassem o chuveiro de ambos os quartos. 

- E então... - Puxei assunto - O que você fará hoje à tarde?

- Irei entregar o chip para a pessoa no parque central...

- Lay, tem que haver outra forma de...

- Se acalme, eu não disse que entregaria o verdeiro. - Lay mostra o chip verdadeiro que estava em sua mão, e o falso, que estava no pingente do colar.

- Você é um gênio!

- Antes deu jogar seu celular do penhasco, eu peguei o cartão de memória dele, já que a aparência dele é tão parecida com o chip... 

- Espero que dê certo! - Fiquei em silêncio por um momento - Mas e se... Descobrirem que é o falso?

- Eles jamais teriam coragem de abrir a pasta deste chip num lugar que não fosse cheio de seguranças e anti hackers... Eu escolhi justamente a faculdade desta cidade, pois aqui tudo é muito simples e charmoso, não tem nada de ultra seguro, pois são todos gentis aqui, então... Se eles forem abrir os arquivos deste chip, será num lugar longe daqui.

- Entendo... Por favor, cuidado quando for para lá hoje... 

- Por que você se preocupa tanto comigo? - Ele abriu um sorriso de canto bem discreto.

- Bem, eu... Eu só... Eu não sei explicar... É que... - Eu estava ficando cada vez mais corada.

- Já entendi. - Lay me deu um beijo na bochecha, fazendo meu rosto ficar vermelho de vez.

- P-por que você fez isso?! - Eu dizia num tom envergonhado, porém irritado.

Antes que ele pudesse dizer algo mais, Chen havia voltado para dizer que havia terminado seu banho, então Lay poderia usar o chuveiro. Sendo assim, Lay se foi. Poucos minutos depois, Maya chegou me dizendo a mesma coisa, então, finalmente pude tomar meu banho. 

 

(Continua)


Notas Finais


Até o próximo capítulo!
(Sairá neste domingo)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...