História Desejos Secretos - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Eliane Giardini
Tags Eliane Giardini, Werner Schunemann
Exibições 83
Palavras 625
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Policial, Romance e Novela, Suspense

Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Personagens
Igor Dias Sarmento - Werner Schunemann
Madame Elinór - Eliane Giardini
Soniér - Tarcisio Meira
Eduarda Vieira Sarmento - Natália do Vale


Espero que gostem da história, meus amores😘😘😘

Capítulo 1 - Em que posso lhe ajudar?


Fanfic / Fanfiction Desejos Secretos - Capítulo 1 - Em que posso lhe ajudar?

- Sente-se! - apontou para a cadeira em frente à sua mesa. Fez uma pausa imensa olhando profundamente para mim, analisando-me dos pés à cabeça. - Quem é você? - arqueou a sombrancelha e respirou fundo. 

- Me chamo Igor Dias Sarmento.

 - Hum! E posso saber o que você quer de mim? - Soniér estava envolto pela fumaça de seu próprio cigarro e seus dois acompanhantes estavam imóveis num canto da parede, como duas muralhas. 

- É que...bom.... - Pare de gaguejar rapaz! Aqui não aceito dúvidas ou embromações. Vá direto ao ponto! - disse firmemente fazendo com que eu ajeitasse minha posição na cadeira. 

- Acho que minha mulher está me traindo! - Vi um riso sarcástico surgir em sua boca. 

- Ora, meu rapaz, então está no lugar errado e ainda me faz perder tempo - Disse num tom um pouco mais elevado. - Devias procurar nos classificados de jornal. Há muitos detetives de quinta categoria dispostos a ganhar qualquer coisa para lhe provar se estás certo ou errado quanto à suas suspeitas. Não sei nem como veio parar aqui! Pode ir embora! Não faço esses serviços baratos! 

 - Flávio Albuquerque disse que o senhor era o único que podia me ajudar. - falei num tom um tanto exaltado e desesperado. Soniér ergueu-se da cadeira e bateus os punhos na mesa. - Flávio? - Disse surpreso. - Não ouse brincar comigo rapaz. Se Flávio te mandou então significa que você está me escondendo alguma coisa. Não está aqui apenas pela hipótese de uma traição não é, Dr. Igor?

 - Estou desconfiado de que ela está interessada em meu patrimônio. Somos casados com separação total de bens, mas há algumas semanas a escutei falar ao telefone, uma conversa estranha, dizendo alguma coisa sobre colocar as mãos em uma certa fortuna. Além disso, está estranha e não me procura intimamente como fazia antes.

 - Dr. Sarmento, em que sua esposa trabalha? 

- É médica também, Dermatologista. - Aonde trabalha? - Trabalhamos juntos no Hospita de Santo Ângelo, aqui mesmo no Rio. Soniér percorria o cômodo que estava praticamente na penumbra. Ficou alguns instantes pensativo. 

 - Certo! Escute bem. Vamos deixar uma coisa bem clara! Digamos que eu lhe estenda a minha mão. Saiba que isso custará caro! 

 - Dinheiro não é problema. Diga seu preço! - Ele riu baixo. Percebi sua face de superioridade. Com certeza era um homem misterioso. Não parecia apenas um investigador comum. 

 - Se fizer negócios comigo, Dr. Sarmento, não haverá mais volta. Você entende o que eu digo? Uma vez que eu começo vou até o fim! 

- Faça o que for preciso! Tenho que descobrir quem é a mulher com quem me casei! 

 - Espero que não estejas enganado. É de sua esposa que está falando, essa vida é a lei do retorno, só recebemos aquilo que damos, se estiver equivocado além de causar escândalo, perderá a esposa - assenti positivamente. 

- Muito bem, agora já pode ir, mas ouça com muita atenção! Não me procure mais, não diga nada disso a ninguém e espere, que certamente alguém irá procurá-lo.

 Saí daquele ambiente disposto a tudo, um certo medo me invadiu por não saber onde tudo isso iria me levar, mas não podia voltar atrás. 

 Narrado por Soniér 

 - Me traga um uísque, com três pedras de gelo, Walter! 

- Dimitri! Mande redecorar minha cobertura em Ipanema, providencie também um Fusion na cor preta. - Mas senhor Soniér, para que tudo isso? - Dimitri você é pago para me obedecer, por isso é meu empregado, caso contrário eu não lhe pagaria, então seríamos amigos. Não me questione! - Sim senhor! 

 - Ah! Dimitri, ligue imediatamente para Lisboa, chame Madame Elinór. Diga que tenho um servicinho especial para ela! 


Notas Finais


Obrigada por lerem até aqui😘😘😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...