História Desire - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Sean O'Pry
Tags Adulto, Drama, Romance, Sexo
Exibições 24
Palavras 1.364
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 2 - Tyler White


Pouco mais de 9:30, chamando a atenção da classe toda, um menino entrou na sala. -Ora, Ora, Sr. Calabasas. A cama estava boa?- O professor Climpton ria, não se importando em manter uma postura séria. -Mais do que boa.- Ele sorriu e o professor gargalhou bem alto. -Tudo bem, rapazinho. Agora vá se sentar. - O menino olhou em volta e viu que o assento ao meu lado estava disponível. Sem nem hesitar, sentou e começou a retirar cadernos da mochila. -Oi, eu sou o Troy.- Estendeu a mão em minha direção. Eu apertei sua e mão e sorri. -Melissa.- Sorriu em troca. - Péssimo dia para me atrasar. Se eu soubesse que teria uma parceira como você, seria o primeiro a chegar aqui. - Corei um pouco com aquele elogio inesperado. Troy era um garoto lindo, e muito gentil pelo visto. -Cheguei atrasada também. Mas o Sr. Climpton ainda não estava na sala.- Olhei em seus olhos, com um pouco de timidez. -Parece que não sou o único que gosta de dormir, aqui. - Rimos juntos. No fim das aulas, poucas eram as mesmas em que Troy e Kaytie estavam.

Às 13:30, fui à Cafeteria, ainda estava sonolenta e precisava estudar. Comprei um Café com Chantilly no fundo. Quando me virei, meu copo estava no chão e o café havia sido absorvido por uma blusa vermelha, cuja a cor passava para marrom pela tintura da bebida. -Me desculpa, me desculpa. Eu não vi.- Esfreguei a blusa do indivíduo do qual não tinha parado para prestar atenção pois a vergonha e o desespero não me capacitavam. - Relaxa, tá tudo bem.- O cara riu. Como assim tudo bem? meu café estava inteirinho na blusa dele. Mas ele estava enfrentando aquela situação com naturalidade. -Deixa que eu  te pago outro café. Mas antes, vem aqui fora comigo um minuto. - Sem Hesitar, segui seus passos. Afinal, eu tinha sido estabanada e entornado o café nele. Só então me dei conta que ainda não tinha prestado atenção em seu rosto. Parei para avaliá-lo. Ele era Moreno, olhos verdes bem claros e com um porte físico malhado. Saímos da cafeteria, e ele tirou a camisa. Quase desmaiei, que cara gostoso. Ele tirou uma blusa branca da mochila e vestiu. Enquanto ele trocava a blusa, fechei os olhos e virei-me para trás. -Não precisa fechar os olhos.- Ele riu. Que risada linda e que sorriso lindo. Aliás, que homem lindo. Eu estava totalmente hipnotizada. Queria dizer algo, me desculpar mais uma vez. Porém, as palavras não saiam. Estava perdida em seus olhos e em seu sorriso alinhado e branco. Foi quando ele me tirou do transe. -Vamos lá comprar outro café.- Saiu andando na frente antes mesmo que eu pudesse contestar. -Não. Não precisa. Eu fui descuidada e derramei café em você. Desculpa.- Ele se virou e olhou em meus olhos, com o sorriso no rosto. - Não precisa pedir desculpas. Não foi por querer. Ah não ser que isso tenha sido um plano para chamar a minha atenção.-  Sua expressão ficou séria. O calor da raiva começou a percorrer cada milímetro do meu corpo. Ele era louco? eu nem o conhecia, nem sabia que ele estava atras de mim. Nesse momento a minha real vontade foi de comprar um café para jogar nele de propósito. -Por que eu faria isso? você não é o último cara do mundo e eu não estou desesperada.- Pisei firme de volta para a Cafeteria sem dar chance dele falar algo, mas ele me puxou pelo braço me impedindo de continuar. -Ei, calma. Eu estava só brincando com você, não precisa ficar tão nervosa.- O sorriso sereno dele me acalmou, e em poucos minutos já tinha esquecido sua brincadeira totalmente sem graça. -Desculpa!- Ri baixinho.- Acho que nunca pedi tantas desculpas em um dia só em toda a minha vida.- Rimos juntos. A blusa branca que ele havia trocado, combinava com seu tom de pele bronzeado. -Vamos Comprar seu café.- Não precisa!- Desta vez, eu o impedi. depois de tantos acontecimentos já estava acordada o suficiente. - Você derramou seu café por minha causa. Deixe pelo menos eu comprar outro pra você.- O tom da sua voz pareceu uma súplica. -Tudo bem, mas a culpa foi minha. Pare de se culpar por algo que não fez.- Ele sorriu e assentiu com a cabeça. Entramos na Cafeteria. Assim que peguei meu café, ouvi uma voz que soava distante. Mas parecia estar se aproximando cada vez mais.

-MELISSA!- Me virei para trás, e vi Julie correndo em minha direção. Ela corria muito rápido e parecia exasperada. O suor corria pelos seus cabelos negros e os grudava em seu rosto. Mas ainda assim, ela ficava linda! Ela estava cada vez mais próxima. Quando chegou, me deu um abraço apertado, até demais. -Oiii amigaaaaaa!!- Me soltou e abriu um sorriso enorme e branco. Como ela conseguia ter os dentes tão brancos? Parecia ter saído de um comercial de creme dental. Aliás, ela tinha uma beleza marcante e que se destacava das meninas do Campus. Ela era Morena, com seus 1,76 metros de altura, cabelos compridos e olhos verdes quase cristalinos. Já eu, era aquela típica Loira-dos-olhos-azuis-altura-mediana-nem tão gorda- nem tão magra- e bronzeada que nem o resto. Retribui o abraço, mas parei para refletir sobre o termo em que ela tinha usado para se referir à mim. " Amiga"? Bom, nós nos conhecíamos há dois dias. Mas tudo bem, gosto de pessoas extrovertidas e admiro o jeito de Julie de se enquadrar tão bem no padrão líder de torcida. ( Aquele padrão animado,sabe?) . -Eai, Profe?- Ela acenou e o abraçou. Quando ambos se desvencilharam, ela sorriu, como se algum dos dois estivesse escondendo algo ou fosse algum tipo de piada interna. Peraí, "Profe"? Eu definitivamente queria morrer! Como assim esse cara era professor? Eu o vi sem camisa. Eu flertei com ele internamente e ele não mencionara isso? Eu estava pasma com o que acabara de ouvir. Ele notou o meu desconforto e espanto, mas ignorou e voltou-se para Julie. -Olá, Senhorita Climpton. Como foi de férias?- Ela revirou os olhos. - Você e essa formalidade chata.- Ele riu. -Bom, peguei vários gatos, terminei com Toddy, agora estou ficando sério com Brandon e Toddy.... Bom, ele quer voltar.- Ele suspirou. - Quantas novidades. - Ela revirou os olhos novamente. -E você? Como está a Anna?- Paralisei! ele namorava? Era muita informação para uma garota de 1,63 metros de altura. Eu estava surpresa de ouvir tudo aquilo sendo despejado em meus ouvidos de uma vez só. Ele ficou com uma expressão desconfortável no rosto ao Julie mencionar o nome dessa tal de Anna. Voltou-se para mim, eu desviei o olhar e voltei-me para Julie. - Eu....- Iniciou a explicação - Não estamos mais juntos! - Engoliu um seco, ela fez uma cara de decepcionada. -O que aconteceu entre vocês?- Ele desviou o olhar e levou as mãos à cabeça, fugindo do assunto. -Podemos conversar sobre isso depois? Estou cheio de trabalho. - Julie deu um sorriso de canto e o respondeu com um "Tudo bem". -Da onde vocês se conhecem?- perguntou, voltando-se para Julie. -Somos Colegas de Quarto.-Disse em um gritinho agudo. Ele pareceu surpreso. Olha, mais surpresa por saber que ele era Professor E gato, com certeza não estava. Ele logo voltou-se para mim e disse: - Bem, Melissa. Espero que goste da escola, se quiser saber de algo meu nome é Tyler. Pode me chamar na minha na minha sala, ou falar comigo quando quiser. - Ele sorriu e nos encaramos.- Ei, cadê as formalidades?- Ela fez beicinho, ele riu. - Ela é nova na escola.- Falou para Julie mas imediatamente voltou-se para mim de novo. -Me chame do que quiser, tudo bem, Melissa? - Assenti com a cabeça e devolvi o sorriso que ele tinha me dado. Apesar de estar atordoada com todas aquelas informações, não poderia deixar de ser educada. Ele colocara as mãos em meus ombros, eu tinha gostado. -Bom, vamos Mel? Quero te apresentar uns amigos meus. Você vai amar muito eles. - Segurou minha mão com pressa. -Beijo, sr. White.- Me puxou. Tyler acenou brevemente e sorriu para mim.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...