História Desire - Capítulo 24


Escrita por: ~

Postado
Categorias Chris Evans, Henry Cavill, Lily Collins
Personagens Chris Evans, Henry Cavill, Lily Collins, Personagens Originais
Tags Amor, Capitão América, Chris Evans, Família, Henry Cavill, Lily Collins, Romance, Sexo, Superman, Triângulo Amoroso
Visualizações 290
Palavras 1.591
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Famí­lia, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Gente, boa noite!

Capítulo 24 - Jantar (+18)


Fanfic / Fanfiction Desire - Capítulo 24 - Jantar (+18)

Lily


— Não precisa mais ficar​ assim,— Christopher colocou uma das mãos em meu rosto, ainda com os olhos no volante.— ele já está bem.

— Eu sei, é que...— encarei o menino que dormia em meu colo.— se acontecesse alguma coisa com ele, eu não iria suportar.

— Eu sei, mas precisa se acalmar… por favor.

                            –

— Ai, finalmente!— Nina disse ao nos ver entrando.— Ele está bem? O que aconteceu?

— Fale baixo...— reclamei, olhando para o menino que agora dormia no colo Christopher.— Coloque ele na cama pra mim?— ele assentiu e sumiu no corredor.

— Henry não disse nada sobre Chris ter ido com você?— ela perguntou.

— Ele até olhou de cara feia,— me joguei no sofá.— mas não foi louco de dizer nada. Por causa da vagabunda da Megan meu filho quase morre asfixiado…

— Meu Deus, Lily...— ela se sentou ao meu lado.— Como assim?

— Ela deu uma colher enorme de pasta de amendoim pra ele…


Me arrepiei lembrando da vez que descobrimos sobre a alergia de Thomas. Ele mordeu um pequeno pedaço do sanduíche com pasta de amendoim que o pai comia, 5 minutos depois ele começou a ficar vermelho, respirar devagar e veio chorando até meu colo. No caminho para o hospital ele começou a ficar roxo e sua pressão desceu tanto que começou a ficar gelado, eu pensei que ele não iria sobreviver, foi horrível.


— Henry é idiota?! Como ele deixa o filho com a desmiolada da Megan? Jesus!— Nina murmurou.


Avistei Chris voltando do corredor encerrando uma ligação e me perguntei se ele estava falando com Taylor.


— Pode ir se quiser,— dei um sorriso educado.— já me ajudou bastante, obrigado.

— Eu vou ficar com você.— ele respondeu.— Só se quiser que eu vá embora.

— E seu jantar?— perguntei.

— Você quer que eu vá?

— Ela não quer não,— Nina levantou do seu lugar e obrigou Christopher a se sentar.— está fazendo charme.

— Ela faz isso com você também?— ele perguntou a Nina.

— O tempo todo.— ela revirou os olhos.— Vou dar uma olhada nos garotos e vou cair na cama depois, até amanhã.

— Eu não faço charme!— resmunguei.

— Faz sim.— eles disseram ao mesmo tempo.

— Só não queria estragar sua noite, mais do que já estraguei.— murmurei.

— Você não estraga nada.— ele arrancou os sapatos do pé e deitou no sofá.— Venha, deite aqui.

— A gente devia tomar um banho, acabamos de voltar do hospital…

— Deus, como é teimosa.— ele puxou meus braços e me esticou para cima dele.— Parece minha mãe falando.

— Não pareço não.— resmunguei com rosto enterrado em seu peito.— Obrigado por hoje, de verdade…

— Sabe que pode contar comigo sempre que precisar.— ele beijou minha testa.

                          –

— Christopher?


Acordei com um vento frio invadindo o lado vazio da cama, Christopher não estava mais lá. Me sentei e encarei a porta do banheiro agora aberta, dava para ouvir o barulho da água caindo. Quando invadi o banheiro avistei o corpo nu de Christopher debaixo da ducha atrás de um vidro embaçado pelo vapor da água.


— Bom dia.— ele sorriu para mim.

— Oi...— acenei do outro lado, arrancando a roupa que vestia.— Bom dia,— eu disse ao invadir o box.— precisa de ajuda com o banho?

— Com o banho não,— ele se virou e agarrou meu corpo para debaixo do chuveiro.— mas talvez você possa me ajudar com outra coisa…


Suas mãos deslizavam pelo meu corpo molhado e eu estremeci ao seu toque.


— Thomas já vai acordar...— murmurei.

— Não se preocupe,— suas mãos agarraram minhas coxas e seu corpo apertou contra o meu na parede, me erguendo até a altura de sua cintura.— serei rápido se é o que quer.

— Pare de me torturar e acabe logo com isso.— murmurei.


Seu corpo me ergueu mais um pouco e minhas pernas se encaixaram em seu quadril, senti seu membro ereto e quente roçar em minha virilha, o que fez meu corpo se contorcer.


— Por favor.— implorei.


Ouvi ele rir entre nosso beijo, segundos depois ele já estava dentro de mim, o que me fez dar um pequeno grito.  Seus movimentos dentro de mim eram lentos porém fortes, parecia que fomos feitos para estarmos ligados desde sempre. Minhas unhas cravaram suas costas quando ele começou a me estocar mais forte e mais rápido, sua língua travou uma batalha contra a minha até percorrer beijos quentes pelo meu pescoço e deslizar para meus seios. Suas mãos se apertaram em meu traseiro e isso me fez gritar, seu beijo voltou aos meus lábios tentando cessar meu barulho. Meu corpo se contraiu por inteiro quando meu orgasmo se iniciou, ele me ergueu mais um pouco, estocando mais forte, até gozar em mim, e chegarmos ao ápice juntos. Quando tentei descer do seu colo minhas pernas não conseguiram se firmar no chão e meu rosto queimou quando ele me impediu de cair.


— O que está fazendo?— perguntei enquanto ele alterava o chuveiro para o modo “verão”.

— Agora sim vamos tomar banho.

— Christopher!

                         –

Henry


Ainda era manhã quando estacionei meu carro em frente ao prédio de Lily. Normalmente eu deixo o carro mais à frente, mas tinha uma Range Rover preta gigantesca na minha vaga e eu acho que estou a reconhecendo, é o carro de Christopher. Será que o puto dormiu aqui?! Estava um pouco nervoso quando toquei a campainha mas fiz o máximo para não demonstrar quando vi Lily abrir a porta para mim com um sorriso que se desmanchou ao notar minha presença, parece que ela ainda está brava.


— Não me olhe assim, só vim ver meu filho.— murmurei.

— Ele está alí, entre.— ela apontou para Thomas que comia alguma coisa enquanto brincava com Nicholas.

— Ei, garotão.— me agachei e sorri para o garoto que vinha correndo em minha direção.— Venha para o papai...— peguei Thomie no colo e observei Christopher e Nina tomando café da manhã, Lily se juntou à eles.— Bom dia.

— Bom dia, Henry.— Christopher respondeu.

Thomas se debateu para descer do meu colo e eu permiti. Ele correu de volta para Nick e os brinquedos espalhados na sala, gostei de ver que ele já estava na ativa novamente.


“ Papai! Vem!”


O menino voltou e segurou minha mão, me puxando para que me juntasse à eles. Me sentei no chão com Thomas no colo, que tentava me dizer algumas coisas que só eu e Lily com muito tempo e paciência conseguiam entender.


— Quer levá-lo?— ouvi a voz de Lily do outro lado perguntar.— Quer dizer, tem que trazê-lo à noite, mas o resto do fim de semana ainda é seu.

— Bem que eu queria,— respondi.— Mas tenho um problema pra resolver com meu pai hoje.  Talvez eu venha o buscar mais tarde para sairmos, o trago à noite.

— OK.— ela concordou.— Me ligue avisando se for vir.

                          –


— Ela não te mandou embora de lá?— Megan terminava de se arrumar enquanto eu abotova minha camisa.

— Não, ela não é assim.— respondi.— Acredita que Christopher estava lá? Não gosto nada de vê-los juntos…

— Está com ciúmes?!— ela perguntou​.

— Nunca neguei a você meus sentimentos por Lily, sabe que ainda a amo.— beijei sua bochecha.

— Você devia pelo menos fingir perto de mim.— ela rosnou.— Estou grávida de um filho seu, Henry!

— Já conversamos sobre isso.— murmurei.— Ande logo, Vera não gosta de atrasos e ainda tenho que buscar Thomas.

                           –


— Lindinho da vovó!— Vera abriu os braços para Thomas e ele escondeu o rosto envergonhado em meu pescoço.— Venha aqui.— entreguei o menino que relutou em sair do meu colo, mas cedeu segundos depois.


A família toda estava presente, pelo menos uma vez  no mês minha mãe consegue reunir a família inteira num jantar de domingo.


— Olá, Megan. Ele já está melhor?— Travis perguntou.

— Melhor do quê?— meu pai perguntou.


Foi o momento em que recordei que não havia contado sobre o ocorrido com Thomas ontem. Na verdade achei melhor não preocupar ninguém ja que ele estava bem, Vera não ia gostar de saber disso mas Travis tinha que abrir a boca.


— Hm,— limpei minha boca com o guardanapo.— Thomas teve uma intoxicação ontem, tivemos que levá-lo ao hospital.— respondi.

— Como assim?— minha mãe parou de servir Thomas, que ficou com a boca aberta esperando a colher.— Não achou que deveria me falar?! Como isso aconteceu?

— Pasta de amendoim.— Megan murmurou.

— Mas todo mundo sabe que ele tem alergia.— meu pai estranhou.— Que irresponsabilidade, Henry.

— A culpa foi minha.— Megan explicou.— Eu estava comendo e dei um pouco a ele… eu não fazia ideia.

— Voce é louca? Quer matar meu neto?!— Thomas reclamou com Vera, que finalmente colocou a colher em sua boca.

— Ela não sabia, mãe.— expliquei.— Eu deveria ter dito… Enfim, foi um acidente, Thomas está ótimo.

— Mas poderia não estar, que descuido ridículo!— Vera reclamou.

— Assunto encerrado, mãe.

                         –


— Você deveria fazer um teste de DNA.— Vera murmurou enquanto conversávamos sozinhos na cozinha.

— Do que está falando?— fiz uma carranca.

— Já pensou que esse filho pode não ser seu?— ela recolhia algunas coisas para por na geladeira.— Será que ela só ficava com você?

— Você não pediu um teste de DNA quando Lily engravidou.— reclamei.— Pare com isso, mamãe.

— Eu e Lily podíamos até não nos dar bem, mas ela não era…— ela fez uma careta.— como Megan. E olhe para esse menino, ele é sua cópia!

— Isso é verdade...— observei o garotinho que brincava com o colarinho da minha camisa no meu colo.— Não se preocupe, eu já tinha pensado nisso.


Eu não tinha comentado nada com Megan, mas definitivamente não abrirei mão de um exame de DNA.

Eu não colocaria minha mão no fogo por uma garota que dorme com um homem casado.


Notas Finais


O que acharam do capítulo?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...