História Desire: Weakness - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Alexandra Daddario, Chris Evans, Lily Collins
Personagens Alexandra Daddario, Chris Evans, Lily Collins, Personagens Originais
Tags Alexandra Daddario, Amanda Seyfried, Amor, Capitão América, Chris Evans, Henry Cavill, Heterossexualidade, Lais Ribeiro, Lily Collins, Nicholas Hoult, Romance, Superman, Traição
Visualizações 65
Palavras 1.488
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 4 - Vadia de olhos azuis


Fanfic / Fanfiction Desire: Weakness - Capítulo 4 - Vadia de olhos azuis

Okay, isso está parecendo uma daquelas cenas de “romance baunilha” dos filmes onde o cara reencontra a garota que não vê há quase dez anos atrás e normalmente eles acabam juntos no final. Eu não faço ideia da merda que está acontecendo aqui, a única coisa que sei é que estou sobrando e isso não é legal, Chris estava tão pálido quanto uma parede de gesso enquanto via Eva se aproximar. Ah… ela está vindo rápido demais e tem um sorriso tão grande no rosto, estou começando a ficar assustada.

— Oh meu Deus, Christ!

Eva passou por mim como um furacão para pular no pescoço do MEU namorado, eu não estou feliz e Christopher já percebeu isso.

—  O que faz em NY?— ele perguntou.

— Eu moro aqui agora. Na verdade já faz dois anos… desde que…

— Eu sei. Hm, como andam as coisas?

—  Vão bem, agora estou trabalhando com minha irmã, lembra da Gina, né?— ela perguntou.

— C-Claro…

Pigarreei para mostrar minha existência mas parece que aqui ninguém se importa, fui para o outro lado do carro e me sentei com Thomas, batendo a porta traseira com mais força do que eu deveria. Eu só quero ir para casa e esquecer que meu namorado é tão íntimo dessa oferecida.

— Okay, tenho que ir agora… bom te ver, Eva.

— Tome,— ela estendeu o celular.— coloque seu número aqui, temos que marcar um jantar… um dia desses, tudo bem pra você?

— Hm, ok.

Quando finalmente o celular da lambisgoia foi devolvido e ela mais uma vez pulou no pescoço do MEU homem para se despedir ele finalmente entrou no carro, silencioso demais para o meu gosto… tem coisa aí.

— Vai ficar aí atrás?— ele perguntou.

— Vou.

— Ok… vamos pra casa.

                   •••

A volta para casa foi silenciosa, parece que alguém não quer falar sobre o assunto. Tsc tsc, como se eu não fosse o interrogar assim que pisasse os pés em casa.

Thomas corria pela casa com as chaves do carro enquanto eu empilhava  minhas pastas do trabalho sobre o aparador, me jogando no sofá em seguida. Christopher está na cozinha me observando enquanto bebe um copo d'água, ele sabe que vai ter que me dizer de onde a conhece mas não entendo porque está tão nervoso.

— O que você tem?— perguntei.

— Nada, só estou pensando.— ele disse.

— Posso saber no quê?

— Lily, o que quer saber? Vamos, diga.

—  De onde conhece aquela mulher? Sabe, ela me pareceu bem intima.

— Nós… tivemos um passado.

— Passado? Que tipo de passado?!

— Eu não quero falar sobre isso.

— Okay, não vamos falar então.

— Ei, espere… não precisamos disso. Você está me ouvindo? Não me dê as costas... amor, espere!

Já que ele não quer conversar, eu também não tenho que falar com ele. Como assim não vai me contar?! Achei que estivéssemos juntos nessa! Uhg… por que eu sinto que vou descobrir da pior maneira possível?

                     •••

— Como assim não vai falar?!

— É, como assim não vai?! Você vai falar, Derek.

— Eu não vou me meter nisso, nem fodendo.

— Derek!

Era noite quando Kira e eu tentávamos obrigar Derek a confessar, é ridículo eu ter que recorrer a minha irmã e meu cunhado no Skype mas estou sedenta por  informações. Faz quase 15 minutos que estamos tentando fazer com que ele confesse mas ele está segurando bem a língua, provavelmente já alertado pelo amigo a não contar nada.

— Okay, vá embora daqui, você não serve pra nada agora.

— Ufa… até Lily, tchau amor, estou indo trabalhar. Deixem o Chris em paz!

Derek sumiu da minha tela e finalmente estou sozinha com Kira, acho que esse é um ótimo momento de contar sobre a… novidade…

— Tá, ele já saiu, pode ir abrindo o bico.

— Estou grávida.

— O-O quê?! Você está brincando comigo, né?

— Eu queria estar.

Kira parou de falar por alguns segundos e só consegui ouvir gritos no meu Notebook, é claro que ela reagiria assim. Falta apenas um mês para que minha irmã dê a luz e ela não podia estar mais ansiosa, não fala sobre outra coisa. Pena que as coisas não estão sendo assim pra mim também.

— Ai meu Deus, mais um Collins! Nossos pais vão surtar!

— É, eles vão…

— Você não parece feliz, por que não está feliz?! Vai ter mais um bebê!

— Eu não queria mais um bebê… pelo menos não daqui há alguns meses! Estou começando a ajeitar minha vida e agora vem essa? Estou tão ferrada.

— Tá, enquanto você estava aí sendo dramática eu estava pensando… quem é o pai?

—  Dã, quem seria?!

— Depende. Quantos meses?

— Dois e alguns dias… não lembro direito.

— Transou com os dois nesse período, lembra?

— Tá, mas eu não… merda… merda! Você tem razão… meu Deus, estou ferrada.

                 •••

— Terra para Lily…

— Lily!

Senti algo gosmento atingir meu rosto quando Matt acenou para mim, parece que ando em uma espécie de transe quando começo a pensar no que vou fazer da vida até algum deles me acordar. Sequei meu rosto com o guardanapo e atirei o tomate de  Matt de volta.

— Sabe vai ter de contar aos dois, não é?— Hannah disse.

— Henry já sabe, quer dizer… ele meio que me mandou fazer o teste.

— Já disse a ele?— Matt perguntou.

— Não! Ninguém sabe. Só vocês porque são intrometidos e minha irmã louca.

— Não é o Christopher te ligando?

— É ele, eu não vou atender.

— Ugh, que gato.— Matt lambeu os lábios.— Ei, espere… eu o conheço de algum lugar.

— Você deve ter o visto quando saiu do meu apartamento quando cheguei de viagem, lembra?

— Não sei… é mais que isso. Ele me soa tão… pessoal.

— Okay, lembre disso no caminho. Temos que voltar para o trabalho.

                         •••

— Ué, como pode ter tanta certeza?

— Vai por mim, Henry não curte essas coisas, ele me parece um homem sério.

— E eu não sou? Gostar de pênis não te torna menos adulto.

Enquanto estávamos no elevador, Hanna e Matt discutiam sobre a sexualidade de Henry , o que é ridículo já que há 0,0% de chances de Henry ser gay. Eu não vou dizer isso a Matt, não quero destruir suas fantasias eróticas. O elevador parou no quinto andar e meu estômago travou assim que vi a vadia de olhos azuis entrar, ela exibiu um sorriso gigante e finalmente Hannah e Matt pararam de cacarejar, o clima está tão pesado que o elevador pareceu mais lento e pesado do que o esperado. Está clara a minha repulsa por essa garota desde o dia em que ela destruiu meu projeto, claro que o ápice do meu ódio foi vê-la com Christopher mas nada que não possa piorar. Hannah e Matt estão mudos, apenas esperando o momento em que eu vou pular no pescoço dessa garibalda. Okay, se ele não vai me contar, ela vai.

— E então… Eva.

— Sim?

— Eu a vi conversando com Christopher semana passada… — murmurei.

— Oh, vocês são amigos? Eu não prestei muito atenção…

— Ele é meu namorado.— rosnei.

— Namorado?! Oh, ele não me disse nada, nem quando jantamos.

— Ah, jantar?

— Ele deve ter esquecido. Também, com tanta coisa que conversamos… lembrando o passado, sabe?

— Não, não sei.

— Ele não te contou?— ela perguntou.

— Contou o quê?

— Lily, acabo de me lembrar de onde o conheço…— Matt disse, entredentes.

— Nós... fomos casados.

                •••

— Tecnicamente você já sabia, né Matt?

— É! Ele te disse que foi casado, não disse?

— Disse… mas esqueceu de falar que era casado com a minha quase chefe! Vocês tem noção de quão constrangedor foi aquilo?!

— A gente tava lá, amiga.— Matt resmungou.

— Matt!

— Eu fui convidado para o casamento dos dois… nunca falei com ele, fui pela Eva.— ele deu de ombros.— Foi um festão…

— Okay Matt, chega de falar.— Hannah resmungou.

Eu dava voltas pela sala de casa como uma louca, tentando dispersar o ódio que estava queimando dentro de mim. Como ele pode me esconder isso?!

— Vocês vão conversar e acertar tudo… e você não pode ficar assim, lembre-se do que o médico disse sobre o bebê…— Hannah murmurou.

— Ah, com certeza vamos conversar! Eu vou matá-lo! Ele achou que eu não iria descobrir?! Que estúpido! Achou que eu não ia descobrir?! Ainda saiu pra jantar com ela! E eu achando que ele já estava em LA… filho da puta!  

Ouvi a maçaneta da porta mexer e meu estômago revirou na hora, infelizmente não era quem eu estava esperando.

— O que veio fazer aqui?

— Bom dia pra você também. Vim ver meu filho, que porra você tem?

Henry acaba de chegar e eu ando tão avoada que acabei esquecendo completamente que ele viria, no momento meu único interesse está em Christopher, aparentemente ele não faz ideia disso.

— Desculpe, esqueci completamente que viria.

— Por que está tão agitada?— ele perguntou.

—  Pelo jeito seu amigo não te disse nada.

— Lily, nós já vamos.— Hanna  e Matt se levantaram.— Te vejo amanhã na agência, tchau Henry.

— Até mais, gente.

— E então,— Henry sentou no sofá.— pode começar a contar do início.


Notas Finais


O que acharam do capítulo?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...