História Despedaçados - Shattered - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Amor, Casais, Contos, Despedaçados, Infortunio, Romances, Shattered, Tristeza
Visualizações 6
Palavras 1.519
Terminada Não
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Adultério, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 7 - The Cure


Fanfic / Fanfiction Despedaçados - Shattered - Capítulo 7 - The Cure

Por mais que você fosse o meu tipo, não daríamos certo.

Você sempre foi The Perfect Boy para qualquer garota.

Mas eu nunca busquei a perfeição.

 

Você era o garoto que a minha melhor amiga gostava.

Eu era a extrovertida do grupo, então me aproximei para juntar o casal do ano.

Nós nos aproximamos rápido.

Você era divertido e sociável.

Não tinha medo de nada, só de aranhas.

 

Disseste que não queria nada com ela.

Não estava no clima para namorar.

E não achava justo só ficar por ficar.

Pelo menos não com ela.

 

Continuamos amigos mesmo assim.

Me chamavas para sair quase todo final de semana.

Éramos a dupla da dança.

Você não era o que se diz de pé-de-valsa.

Mas sabia muito bem como dançar o passo do robô.

 

Nos tornamos inseparáveis, você se tornou amigo da minha melhor amiga.

Disse que nada passaria disso, mas até hoje tenho dúvidas.

Você era o tipo de garoto que ficava com todas.

Mas ao contrário da maioria, você as respeitava.

 

Nós viajávamos juntos.

Eu adorava ir para a praia com você e com o nosso grupinho.

Sentávamos na areia e conversávamos sobre as pessoas que havíamos conhecido.

Você sempre me ajudava a ficar com os rapazes que eu queria.

Mas você nunca teve necessidade da minha ajuda com as mulheres.

 

Melhores amigos.

Você ia em casa quase sempre.

Já fazia praticamente parte da família.

Minha mãe te adorava.

Seus pais me queriam como filha.

 

Muitos achávamos que éramos um casal.

Ninguém era tão próximo como nós.

Dividíamos os nossos milk-shakes e ficávamos abraçados.

Para nós não passava de algo normal.

O nosso normal era diferente.

 

Eu não sabia a sua importância na minha vida até você começar a namorar.

Ela era bonita, inteligente e engraçada.

Mas parecia mais interessada em tirar fotos do namoro do que aproveitá-lo em si.

Você não se importava tanto com isso, gostava dela.

E eu acabei ficando de escanteio.

 

Era só eu nas festas, mas tudo bem, você tinha um relacionamento e eu não ia atrapalhar.

Eu não sabia se gostava mesmo.

Eu preferi acreditar que não.

 

Não era difícil sentir atração por você.

Seu jeito doce, sua educação e seu carisma natural atraía todo mundo.

E eu nem percebi quando fui atraída por seu magnetismo.

 

Ver-te apaixonado era de fato estranho.

Eu nunca pensei que te veria tão hipnotizado por alguém.

Nosso tempo junto foi se diminuindo.

Não passávamos mais os dias um na casa do outro.

As maratonas de séries ruins nos finais de semana agora eram substituídas por seus encontros com sua namorada e meus sábados entediantes e domingos solitários.

 

Pelo menos eu ainda tinha você na minha sala.

Eu não sei o que faria se tivesse perdido sua companhia por completo.

 

Todos continuavam nos vendo como um casal.

Você sempre respondia deixando a incerteza no ar.

Isso me deixava confusa.

Ainda tinha uma esperança de que você a deixasse e percebesse o que havia literalmente debaixo do seu nariz.

Você era bem mais alto do que eu.

 

Dois anos depois era o baile da formatura.

E para a minha tristeza.

Vocês continuavam juntos.

 

Naquela época eu já tinha “superado”

Havia botado na minha cabeça de que eu só tinha ciúmes.

Você foi o único amigo que nunca quis ficar comigo.

Isso com certeza mexeu no meu psicológico.

 

Era a última noite na qual ainda éramos alunos da mesma turma.

Você iria para o sul do país cursar Engenharia, mesmo odiando matemática e não sabendo identificar um gráfico de uma função quadrática.

Eu continuaria na mesma cidade, cursaria Odontologia.

 

Meu par era um garoto com quem eu estava ficando.

Jake era divertido, mas nunca iria se comparar a você.

Dividimos a mesma limousine.

Com o tempo me acostumei a presença da sua namorada.

 

Aquela noite foi mágica.

Você, é claro, teve um dedo nisso.

Suas piadas e seu passo de dança nunca mudavam.

Mas novamente ela parecia dar mais atenção à sua aparência e status.

 

A nossa rodinha era a mais animada da festa.

Todos queriam se infiltrar no nosso grupo dos populares.

Você comandava as brincadeiras e fazia todos rirem.

Mas algo parecia errado.

Eu percebi no momento em que ela te beijou.

Você sempre fechava os olhos.

Daquela vez foi diferente.

Parecia que queria sair dali, mas não a faria passar uma vergonha dessas.

Você era educado demais para isso.

 

Quando todos foram para a pista de dança você ficou sentado na mesa.

Eu dançava ao som dos hits dos anos 80 com Jake, mas meus olhares estavam focados em você.

Sua namorada, estava perdida no meio da pista.

 

Naquele momento eu percebi que eu só estava me iludindo.

Você ainda era o garoto que fazia os meus olhos brilharem.

Eu pedi desculpas para Jake e o deixei quando a música acabou.

Apenas para te puxar da mesa quando uma das suas favoritas começou a tocar.

 

Quando nossas mãos nos tocaram os nossos sorrisos se abriram.

Eu te puxei para o meio da pista.

Os holofotes estavam virados para nós.

E pela primeira vez você não usou seu tão famoso passo do robô.

Quando Inbetween Days começou, nossos corpos estavam colados um no outro.

 

Eu perguntei o que havia de errado.

Você disse que tinha medo de que tudo mudasse agora que iríamos verdadeiramente nos afastar.

E que chorou só de pensar.

Eu tentei te reafirmar.

Nos abraçamos forte.

Como se nunca quiséssemos soltar.

Foi aí que eu senti suas lágrimas no meu ombro.

 

E foi no refrão da música que você se declarou.

Se arrependeu de ter gastado dois anos longe de quem verdadeiramente amava.

Eu ainda lembro do beijo que tivemos quando a voz do Robert Smith ecoava no fundo.

 

And I know I was wrong

When I said it was true

That it couldn’t be me and be her

In between without you.

 

Eu não queria te soltar nunca mais.

Mas foi você quem saiu.

Novamente se desculpando pelo tempo que perdeu.

E quanto demorou para enfim falar.

Eu só sorri e te beijei de novo.

 

A luz dos holofotes foi até nós.

Nossos amigos batiam palmas e assoviavam.

Parecia que estavam certos quanto ao que nós dois sentíamos.

Sua namorada nem se importou.

Já estava aos beijos com um garoto qualquer.

 

Eu nunca mais quis te deixar.

 

Passamos juntos a sua última semana na cidade.

Estávamos oficialmente namorando.

Tocávamos Friday I’m In Love em loop.

Tornou-se nossa música favorita.

 

A despedida foi a pior parte.

Você disse que sempre iria continuar Close To Me.

Eu só pude rir.

 

Ligações às duas da manhã eram comuns.

Contávamos toda nossa rotina.

E quando o assunto acabava, tornávamos a fazer o mesmo.

Depois de um tempo eu passei a saber muito sobre Engenharia.

Você chegou até a me ajudar durante minha semana de provas.

 

Foi no meu Baile de Formatura que você me pediu em casamento.

Na frente de todos nossos amigos do colégio.

Eles diziam que apostavam quando você faria isso.

Minha melhor amiga ganhou cem dólares nessa brincadeira.

Comemoramos nosso noivado dançando a noite inteira.

 

Quando estava amanhecendo começou a chover.

Nós dois corremos até a rua deserta e quando estávamos twisting in the water

Você sussurrou you’re just like a dream.

 

Posso falar que nunca pensei que acabaríamos assim.

Casados.

É claro que eu pensei que casaria.

Mas nunca imaginei que fosse com você.

 

A nossa vida juntos era Just Like Heaven.

 

Tudo bem, brigas eram normais.

Mas que se dane.

Eu nunca estive tão feliz.

 

Voltamos a ter nossa rotina de adolescentes.

Assistíamos filmes nos domingos.

Tomávamos milk-shakes e comíamos pizza nas segundas.

Às terças jogávamos jogos de tabuleiro, você era viciado neles.

Nas quartas você me mostrava seus dotes culinários

Nas quintas o cardápio era meu.

E nas sextas nós tínhamos folgas e íamos para festas.

 

Tudo seguia perfeitamente.

Crianças? Nunca quisemos.

A nossa casa era bem preenchida já por nós.

Planejávamos viagens e anotávamos a agenda de shows da nossa banda favorita.

Quem dera um dia vê-los pessoalmente.

 

E foi num dia normal de trabalho que eu recebi a notícia.

Acidente de ônibus.

Um morto e sete feridos.

O morto era você.

 

Eu não quis acreditar.

Parecia que a vida tinha que me tirar aquilo que eu mais amava.

No caminho para o hospital a minha cabeça apenas repetia.

 

And I know I was wrong

When I said it was true

That it couldn’t be me and be her

In between without you.

 

Ver o seu corpo na cama do necrotério foi a pior parte.

Perceber que eu não viveria a nossa rotina como antes foi o mais doloroso.

As músicas do The Cure já não faziam tanto sentido se não fossem ouvidas com você.

 

Durante muito tempo eu só fiquei olhando Pictures of You.

Em meio aos soluços eu só repetia Please Come Home.

 

Mas agora isso não importa.

Eu sei que nunca mais vou ver seu sorriso perfeito pessoalmente.

Ou ver seus movimentos de dança.

Ou sequer sentir seus lábios tocarem nos meus ao som de The Lovecats

 

Mas eu sei que however far away.

 

I will always love you.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...